Você está na página 1de 20
Diagramas de Fase 2º Quadrimestre de 2014 Leitura dos Diagramas de Fase Binários Revisão Erika

Diagramas de Fase

2º Quadrimestre de 2014

Leitura dos Diagramas de Fase Binários Revisão

Erika Fernanda Prados

05/08/2014

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Define-se uma liga de interesse:

35% Ni.

1300 o C (ponto a): fase líquida com 35% de Ni.

1261 o C (ponto b) , temperatura líquidus: líquido com 35% de Ni

e os primeiros núcleos de sólido

com 46% de Ni.

1247 o C (ponto c): líquido com 32% de Ni e o sólido com 43% de Ni.

1214 o C (ponto d), temperatura solidus: último líquido com 24% de Ni e o sólido com 35% de Ni.

Na temperatura de 1186 o C

(ponto e): fase sólida com 35%

de

Ni,

que

apresenta

a

microestrutura

da

liga

de

interesse.

Sistema Cu-Ni 1261 1247 1214 1186
Sistema Cu-Ni
1261
1247
1214
1186

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Como pode, a partir de uma composição química do líquido de 35% Ni, ter em condições de equilíbrio termodinâmico a 1247 o C, um líquido com 32% de Ni e um sólido com 43% Ni?

é

conservada, logo as quantidades das fases em equilíbrio termodinâmico não podem ser iguais nesta temperatura.

Resposta: A massa

Sistema Cu-Ni 1261 1247 1214 1186
Sistema Cu-Ni
1261
1247
1214
1186

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Como calcular as quantidades

das fases em equilíbrio termodinâmico ?

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Regra da alavanca

É usada para se determinar as quantidades das fases em equilíbrio em um campo de duas fases.

Dedução

Chega-se à regra das alavancas simplesmente

através de um balanço de massa. Consideremos W L e W as frações mássicas, Respectivamente, da fase líquida, L, e da fase sólida, . Cada componente do sistema pode estar em cada uma

das fases, em concentração C L (no líquido) e C (no sólido)

As duas equações abaixo podem ser escritas:

W W  W C L  W C W 1 W ( eq.I )
W W
W C L  W C
W 1 W ( eq.I )
C
(1 W ) C W C
1
L
L
(
eq II
.
)
L
0
C
C
0
L
W
L
0
C
C
L
C
W C W C
C
C
L
L
0
W 
(
C  C  C  C
)
L
0
L
Se, ao invés de isolar W L na (eq.I) isolarmos W  ,
chega-se à equação da fração de fase líquida.

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Regra da alavanca

É usada para se determinar as proporções das fases em equilíbrio em um campo de duas fases.

FRAÇÃO DE LÍQUIDO

W L

S

R S

W

L

C

C

O

C

C

L

W L

42,5

35

42,5

31,5

0,68

FRAÇÃO DE LÍQUIDO W L  S R S  W  L C  

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

FRAÇÃO DE SÓLIDO

W

R

R S

C

O

C

L

C

35

C

L

31,5

42,5

31,5

0,32

Regra da alavanca

SÓLIDO W   R R  S   C O  C L C

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Desenvolvimento de

microestruturas em sistemas com

eutéticos

Microestrutura monofásica

Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014
Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014

É muito pequena a faixa de composições químicas em que pode se formar estrutura monofásica .

Precipitação de em .

Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014
Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014

PRECIPITAÇÃO

Ao ser ultrapassado o limite de solubilidade (linha solvus) de Sn no Pb, ocorre a precipitação da fase , de reticulado cristalino distinto do da fase e com

distintas propriedades físico-

químicas.

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Eutéticos

Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014 Eutéticos A transformação eutética corresponde à formação de uma

A transformação eutética corresponde à formação de uma mistura de duas fases (+ ) a partir do líquido formando um arranjo interpenetrado

T=T eu t
T=T eu
t

Crescimento cooperativo

de duas fases (  +  ) a partir do líquido formando um arranjo interpenetrado

Hipo-eutéticos.

Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014
Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014
Hipo-eutéticos. Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014 Em ligas hipo-eutéticas ocorre inicialmente precipitação

Em ligas hipo-eutéticas

ocorre inicialmente precipitação de fase primária - dendritas de pró-eutéticas.

O líquido eutético residual L (61,9% Sn) se transforma em microestrutura eutética

[(18,3% Sn) +(97,8%Sn) ].

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Formas alotrópicas do ferro

FORMAS ALOTRÓPICAS DO Fe:

Entre 1394 ° C e 1538 °C o ferro

tem estrutura cristalina CCC

Fe-: CCC

Entre 912 °C e 1394 °C a estrutura cristalina do ferro é CFC

Fe-: CFC

Entre a temperatura ambiente e 912 ° C a estrutura cristalina é CCC

Fe-: CCC

O ferro CCC (ferro ) é atraído por imã (ferromagnético) só até 770 ° C

T (ºC)

1538

1394

912

25

L

Fe puro sofre TRANSFORMAÇÔES

ALOTRÓPICAS:

Na temperatura de 1394 ° C

Fe-: CCC Fe-: CFC

Na temperatura de 912°C

Fe-: CFC Fe-: CCC

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Diagrama de Fases Fe-Fe 3 C (Ferro - Cementita)

A metalurgia do ferro é uma das bases da civilização há pelo menos 2500 anos e é um dos pilares da sociedade industrial.

menos 2500 anos e é um dos pilares da sociedade industrial.   Fe-  : CCC
 

Fe-:

CCC

 

Fe-:

CFC

anos e é um dos pilares da sociedade industrial.   Fe-  : CCC   Fe-
anos e é um dos pilares da sociedade industrial.   Fe-  : CCC   Fe-
anos e é um dos pilares da sociedade industrial.   Fe-  : CCC   Fe-

Fe-: CCC

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Solubilidade do C no Fe

Diagrama de Fases Fe-Fe 3 C (Ferro - Cementita)

O C forma uma solução sólida intersticial com o Fe, mas com

solubilidade limitada

Atingido o limite de solubilidade forma- se o composto Fe 3 C um carboneto de ferro chamado cementita,.

A solubilidade do C na ferrita é muito

baixa (0,022 %) comparada com a

solubilidade na austenita (2,14 %)

FERRITA (solução sólida intersticial do C no Fe-) Fe-: CCC

AUSTENITA (solução sólida

intersticial do C no Fe-) Fe-: CFC

FERRITA (solução sólida intersticial do C no Fe-) Fe-: CCC

CEMENTITA Fe 3 C

PERLITA Microestrutura formada por lamelas alternadas Fe 3 C e ferrita

• CEMENTITA  Fe 3 C • PERLITA  Microestrutura formada por lamelas alternadas Fe 3
• CEMENTITA  Fe 3 C • PERLITA  Microestrutura formada por lamelas alternadas Fe 3

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

Diagrama de Fases Fe-Fe 3 C

Austenita 325x
Austenita
325x
Ferrita 90x
Ferrita
90x
TRANSFORMAÇÃO EUTETÓIDE: Fe-  (Fe- + Fe 3 C) Microestrutura PERLÍTICA 500x
TRANSFORMAÇÃO
EUTETÓIDE:
Fe-  (Fe- + Fe 3 C)
Microestrutura
PERLÍTICA
500x

Diagrama de Fases Fe-Fe 3 C

Transformação nos Aços Hipoeutetóides

0,8%C Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014
0,8%C
Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014

Ponto c: Grãos de Austenita () CFC

Ponto d: Nucleação e crescimento da ferrita (  CCC) nos contornos de grão da austenita (  CFC).

Os contornos de grão apresentam elevada energia interfacial que é aproveitada

facilitando a nucleação da nova fase.

Ponto e: Aumento da proporção de ferrita

na austenita.

0,8%C
0,8%C

Diagrama de Fases Fe-Fe 3 C

Transformação nos Aços Hipoeutetóides

Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014
Diagramas de Fase – 2º Quadrimestre 2014
Microestrutura de um aço 0,38% C resfriado lentamente (isto é, em condições próximas ao equilíbrio).
Microestrutura de um aço 0,38% C
resfriado lentamente
(isto é, em condições próximas ao
equilíbrio).

Ponto f: Crescimento de perlita a partir da austenita de composição eutetóide abaixo da temperatura eutetóide.

Ponto f : Crescimento de perlita a partir da austenita de composição eutetóide abaixo da temperatura
Ponto f : Crescimento de perlita a partir da austenita de composição eutetóide abaixo da temperatura

Diagramas de Fase 2º Quadrimestre 2014

TEORIA DA NUCLEAÇÃO

G

hom

r

Para Nucleação Homogênea:

 

4

3

r

3

G

V

L

S

G

V

Energia interfacial sólido-líquido

)

4

2

r

S L

 γ cosθ  γ SV SL γ LV EQUILÍBRIO DAS TENSÕES SUPERFICIAIS NUMA SUPERFÍCIE
 γ
cosθ 
γ SV
SL
γ
LV
EQUILÍBRIO DAS TENSÕES SUPERFICIAIS NUMA
SUPERFÍCIE PLANA
γ SV SL γ LV EQUILÍBRIO DAS TENSÕES SUPERFICIAIS NUMA SUPERFÍCIE PLANA r *  -

r

*

- 2γ

G

SL

V