Você está na página 1de 2

O APOIO DO GOVERNO AO EMPREENDEDORISMO Daiane N.

Lins
São Paulo, dez/2009

Devido ao aumento da tecnologia, a mão-de-obra utilizada na produção é cada vez menor. Paralelamente vê-se uma crescente busca da sociedade para obter conhecimento e especializa-se em alguma área. Como consequência, vemos uma diminuição tanto do número de operários quanto do número de pessoas dispostas a aceitarem esses cargos, apesar da diminuição deste a oferta de trabalhadores ainda é maior que a demanda do mercado. Entende-se assim que as organizações não conseguem atender a toda a necessidade de emprego da população, o que faz com que ela acabe por optar por empreendimentos. O empreendimento por necessidade tornou-se algo comum no país, entretanto muitas vezes iniciam-se apenas pequenos investimentos por falta de recursos e incentivo por parte do governo. Nesse momento vê-se a importância do apoio do Estado ao empreendedorismo pois, caso o houvesse, os investimentos nessas micro e pequenas empresas seria maior e também o número de pessoas por elas empregadas aumentaria. Vale destacar que o empreendedorismo por oportunidade, iniciado por aqueles que buscavam independência ou aumento de renda, cresce

surpreendentemente no país, no ano de 2008 ele representava 45,8% do total dos empreendimentos, aumento de 18,96% em comparação ao ano anterior. Não se pode dizer que não há apoio do governo, pois este disponibiliza anualmente grandes quantias destinadas a essas empresas, entretanto a grande burocracia, tradição do país, dificulta a chegada desse dinheiro às empresas. Apesar do aumento de recursos obtidos do governo, em torno de 51,4% dos empreendedores ainda arcam com todo o investimento necessário ao empreendimento.
1

01

O governo fornece ainda outras formas de apoio a esses novos empreendedores como o Simples Nacional, que unifica contribuições municipais, estaduais e federais e prevê isenções e reescalonamento de impostos. Disponibiliza também cursos através do SEBRAE, com o intuito de aumentar as chances das novas empresas no mercado auxiliando em aspectos relacionados à organização e gerenciamento da empresa. Apesar disso o índice de empresas que continuam suas atividades após o quarto ano ainda é de apenas 59,9% (2004). Conclui-se assim que o incentivo do governo a novos empreendimentos é cada vez maior e observa-se a importância disso para a economia. Quanto maior o índice de empreendimentos que derem certo maior o número de pessoas empregadas, maior o nível de vida da população, resultando no desenvolvimento contínuo do país.

Bibliografia
GLOBAL ENTREPRENEUMERSHIP MONITOR - Empreendedorismo no Brasil 2008 - Relatório Executivo, Curitiba, 2009 SEBRAE – Guia do Empreendedor – João Pessoa, 2005 Sousa, Tiago - Administração e Empreendedorismo: conceitos e importância na sociedade, Porto Alegre, 2006, disponível em: http://www.administradores.com.br/artigos/administracao_e_empreendedorismo_conceitos _e_importancia_na_sociedade/12744/ Dias, E., Farah, O., Padoveze, C., Sacomano, M., Camargo, S. - O desafio da ação empreendedora e das políticas públicas nacionais no desenvolvimento das micro e pequenas empresas no Brasil, - Revista SODEBRAS, 2006 PORTAL TRIBUTÁRIO SIMPLES NACIONAL OU http://www.portaltributario.com.br/guia/simplesnacional.html "SUPER SIMPLES"

2

02