Você está na página 1de 37
Metais com Memória de Forma ciência e engenharia de materiais www.cv.ua.pt Rui F. Silva -
Metais com Memória
de Forma
ciência
e engenharia de materiais
www.cv.ua.pt
Rui F. Silva - Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro
Universidade de Aveiro
Introdução As ligas com memória de forma – SMA (Shape Memory Alloys) – são materiais
Introdução
As ligas com memória de forma – SMA (Shape Memory Alloys)
– são materiais metálicos que têm a capacidade de recuperar
a sua forma mesmo depois de severamente deformados;
O efeito de recuperação de forma não é exclusivo das ligas
metálicas, existindo também em polímeros, em cerâmicos e
em materiais biológicos, de que é exemplo o cabelo humano;
2
Introdução Durante os anos 60 estes materiais conheceram as primeiras aplicações com a descoberta das
Introdução
Durante os anos 60 estes materiais conheceram as primeiras
aplicações com a descoberta das propriedades das ligas Ni-Ti
pelo “Naval Ordonnance Laboratory”, nos EUA – ligas
designadas por Nitinol ;
Industrialmente, o Nitinol foi utilizado pela primeira vez em
1967 na construção de mangas de junção para os aviões F14;
3
Estrutura dos Materiais CCC Sólido cristalino material cuja estrutura cristalina é definida através de um
Estrutura dos Materiais
CCC
Sólido cristalino
material cuja estrutura cristalina é
definida através de um arranjo periódico
e tridimensional de átomos ou iões;
CFC
os
metais
e
as
ligas
metálicas
constituem
exemplos
de
materiais
sólidos cristalinos;
HC
a maior parte dos metais cristaliza, ao
solidificar, em três estruturas cristalinas
compactas: CCC, CFC e HC.
4
Estrutura dos Materiais Ligas metálicas: materiais policristalinos os materiais em engenharia são formados por
Estrutura dos Materiais
Ligas metálicas: materiais policristalinos
os materiais em engenharia são formados por pequenos cristais com
tamanhos da ordem do micron (milésima parte do milímetro – 10 -6 m)
Microscopia óptica (máx. 2000 x)
5
Estrutura dos Materiais Ligas metálicas: materiais policristalinos Microscopia SEM (máx. 250000 x) Microscopia TEM
Estrutura dos Materiais
Ligas metálicas: materiais policristalinos
Microscopia SEM
(máx. 250000 x)
Microscopia TEM
(máx. 4500000 x)
6
Estrutura dos Materiais Transformações de Fase nos metais dão-se transformações de fase ou mudanças de
Estrutura dos Materiais
Transformações de Fase
nos metais dão-se transformações de fase ou mudanças de
estrutura que ocorrem com a variação da temperatura;
L
γ + L
γ
+
austenite
Diagrama de Fases
Fe-C
γ + Fe 3 C
α + Fe 3 C
α, Ferrite
Cementite (Fe 3 C)
(Fe)
Composição (% em peso de C)
7
Temperatura (ºC)
Estrutura dos Materiais Transformações de Fase as transformações de fase dos sólidos podem ser de
Estrutura dos Materiais
Transformações de Fase
as transformações de fase dos sólidos podem ser de dois tipos:
difusão e displacivas;
transformações por difusão :
- conduzem à formação de uma nova fase através da migração atómica
que ocorre para distâncias relativamente grandes;
- os cristais da nova fase formam-se por um processo de Nucleação e
Crescimento e por isso têm uma composição química diferente da fase
mãe;
- a evolução deste tipo de transformação depende do tempo e da
temperatura;
8
Estrutura dos Materiais Transformações de Fase Difusão: Nucleação e Crescimento 9
Estrutura dos Materiais
Transformações de Fase
Difusão: Nucleação e Crescimento
9
Estrutura dos Materiais Transformações de Fase transformações displacivas ou martensíticas - conduzem à
Estrutura dos Materiais
Transformações de Fase
transformações displacivas ou martensíticas
- conduzem à formação de uma nova fase, mais estável, através
de uma reordenação atómica a distâncias curtas;
- a nova fase tem a mesma composição química da fase mãe;
- são, geralmente, independentes do tempo e ocorrem de forma
muito rápida tendo como limite a velocidade do som.
10
Metais com memória de forma Definição grupo de metais que demonstra a capacidade de retomar
Metais com memória de forma
Definição
grupo de metais que demonstra a capacidade de retomar uma
forma ou tamanho previamente definidos quando sujeitas a um
ciclo térmico apropriado – “smart materials”
memória de forma térmica
ou
memória de forma elástica
ou
Efeito de memória de forma
Superelasticidade
Transformação martensítica termoelástica
11
Metais com memória de forma Como funcionam? estes materiais são constituídos por duas fases sólidas
Metais com memória de forma
Como funcionam?
estes materiais são constituídos por duas fases sólidas distintas
com estruturas cristalinas diferentes
austenite
martensite
• fase de alta temperatura
(fase mãe)
• fase de baixa temperatura
• dura
• flexível e facilmente
deformável
• estrutura geralmente cúbica
• estrutura com pouca simetria
12
Metais com memória de forma Como funcionam? Por arrefecimento, a austenite que constitui o material
Metais com memória de forma
Como funcionam?
Por arrefecimento, a austenite que constitui o material
transforma-se em martensite
Por aplicação de uma deformação, o material assume uma nova
forma
Por aquecimento, o material recupera a forma original em
consequência da transformação reversível da martensite em
austenite
13
Metais com memória de forma Como funcionam? 14
Metais com memória de forma
Como funcionam?
14
Transformação martensítica Temperaturas e histerese de transformação arrefecimento Ms – temperatura de início
Transformação martensítica
Temperaturas e histerese de transformação
arrefecimento
Ms – temperatura de início da
transformação martensítica
arrefecimento
Af
Mf
temperatura
final
da
transformação martensítica
Ms
austenite
aquecimento
As
As – temperatura de início da
transformação austenítica
martensite
aquecimento
Mf
Af
temperatura
final
da
transformação martensítica
15
Transformação martensítica Martensite: perspectiva microscópica cristalograficamente, a transformação
Transformação martensítica
Martensite: perspectiva microscópica
cristalograficamente, a transformação martensítica acontece
em duas etapas:
deformação da rede cristalina
- consiste em todos os movimentos atómicos necessários para
produzir a nova estrutura a partir da antiga;
acomodação atómica
- os átomos acomodam-se de forma preferencial nas novas
posições dando origem à nova fase – a martensite
16
Transformação martensítica Martensite: perspectiva microscópica é caracterizada pela rápida propagação de uma
Transformação martensítica
Martensite: perspectiva microscópica
é caracterizada pela rápida propagação de uma interface
altamente móvel através da movimentação atómica ordenada, desde
a fase mãe até à fase final;
Completamente
Completamente
austenite
martensite
17
Transformação martensítica Martensite: perspectiva macroscópica - macroscopicamente não ocorre nenhuma mudança na
Transformação martensítica
Martensite: perspectiva macroscópica
- macroscopicamente não ocorre nenhuma mudança na forma
do material durante a transformação martensítica
Perspectiva macroscópica
martensite deformada
austenite
martensite
arrefecimento
deformação
18
Efeito de memória de forma Memória de forma simples - a liga memoriza apenas a
Efeito de memória de forma
Memória de forma simples
- a liga memoriza apenas a forma da fase mãe: austenite
T<Mf
T<Mf
T>Af
T<Mf
deformação
aquecimento
arrefecimento
19
Efeito de memória de forma Modificação da Memória! - para se modificar a forma que
Efeito de memória de forma
Modificação da Memória!
- para se modificar a forma que o material tem “à partida” é
necessário aquecer o material no campo da fase mãe (austenite)
T>Af
T>Af
T<Mf
deformação
arrefecimento
T>Af
T<Mf
deformação
aquecimento
20
Efeito de memória de forma Dupla memória de forma através da aplicação de tratamentos termomecânicos
Efeito de memória de forma
Dupla memória de forma
através da aplicação de tratamentos termomecânicos adequados,
tais como deformações sob tensão ou outros, consegue-se que
um metal com memória de forma memorize também uma forma de
baixas temperaturas
T<Mf
T>Af
aquecimento
arrefecimento
21
Superelasticidade Definição se a deformação imposta ao material por aplicação de uma carga a uma
Superelasticidade
Definição
se a deformação imposta ao material por aplicação de uma carga a uma
temperatura constante T>Af, for totalmente recuperada quando descarregado,
o seu comportamento diz-se superelástico
tensão
a transformação da austenite
em martensite e vice-versa, é
de origem mecânica
austenite
martensite
austenite
martensite
à martensite resultante dá-se o nome de
deformação
martensite induzida por tensão
22
Tipos de ligas Exemplos Liga Composição Gama de Temperaturas de Deformação (ºC) Histerese da Transformação
Tipos de ligas
Exemplos
Liga
Composição
Gama de Temperaturas
de Deformação (ºC)
Histerese da
Transformação (ºC)
Ag-Cd
44/49 em % Cd
46,5/50 em % Cd
14/14,5 em % Al; 3/4,5 wt % Ni
-190 a -50
30 a 100
-140 a 100
15
Au-Cd
15
Cu-Al-Ni
35
Cu-Sn
Cu-Zn
15 em % Sn
38,5/41,5 wt % Zn
18/23 em % Ti
36/38 em % Ti
49/51 em % Ni
25 em % Pt
5/35 em % Cu
32 wt % Mn; 6 wt%Si
-120 a 30
-180 a -10
60 a 100
-180 a 100
-50 a 110
10
In-Ti
4
Ni-Al
10
Ni-Ti
30
Fe-Pt
-130
4
Mn-Cu
24
Fe-Mn-Si
-250 a 180
-200 a 150
100
23
Tipos de ligas Exemplos Apesar da variedade existente de ligas com memória de forma, somente
Tipos de ligas
Exemplos
Apesar da variedade existente de ligas com memória de forma,
somente as ligas Ni-Ti e as ligas à base de cobre são
comercializadas;
As ligas de Ni-Ti são, mesmo assim, as líderes de mercado:
- têm maior capacidade de memória ( deformam cerca de 8%
contra os 4% obtidos com as ligas de Cu);
-
são termicamente mais estáveis;
-
resistem melhor à corrosão;
-
e
têm
uma
gama
maior
de
possíveis
temperaturas
de
transformação.
24
Processamento Na fabricação destes materiais são utilizados fornos de vácuo, dada a sensibilidade das temperaturas
Processamento
Na fabricação destes materiais são utilizados fornos de vácuo, dada
a sensibilidade das temperaturas de transição de fases com a
variação da composição química e com a presença de impurezas;
O processo de fabrico consiste num processo de fusão simples
25
Processamento Depois de vazados, estes materiais podem ser: - trabalhados a quente; - trabalhados a
Processamento
Depois de vazados, estes materiais podem ser:
- trabalhados a quente;
- trabalhados a frio;
- tratados termicamente;
Os metais com memória de forma podem-se encontrar sob a
forma de:
- fio de arame, barras, tubos, lâminas, etc.
26
Vantagens/desvantagens das SMA Vantagens Desvantagens Custos elevados de produção Biocompatíveis; Resistentes
Vantagens/desvantagens das SMA
Vantagens
Desvantagens
Custos elevados de produção
Biocompatíveis;
Resistentes mecânicamente;
Difícil enformação
Resistentes à corrosão;
Controlo difícil de composição
e homogeneidade
Aplicações diversificadas
Pouco resistentes à fadiga
27
Aplicações Medicina “Placas Ósseas” - são usadas placas de Ni- Ti para substituir ossos fracturados;
Aplicações
Medicina
“Placas Ósseas”
- são usadas placas de Ni-
Ti para substituir ossos
fracturados;
- as placas Ni-Ti são
arrefecidas e colocadas
na zona afectada;
- a temperatura do corpo
aquece as placas que
contraem, exercendo
pressão controlada.
28
Aplicações Medicina “Cateteres” - as SMA´s podem também ser utilizadas na concepção de cateteres para
Aplicações
Medicina
“Cateteres”
- as SMA´s podem também ser utilizadas na concepção de cateteres
para diagnóstico;
- através da passagem de corrente o fio SMA que incorpora o cateter
aquece e deforma.
29
Aplicações Medicina “Filtros para a Veia Cava” - fios de nitinol superelásticos que se colocam
Aplicações
Medicina
“Filtros para a Veia Cava”
- fios de nitinol superelásticos que se colocam na veia cava para filtrar
coágulos de sangue;
- os filtros, inicialmente de forma cilíndrica compacta de cerca de 2.5mm,
são introduzidos via cateter e quando na posição certa, abrem com uma
forma semelhante à de um guarda-chuva, usada para reter os coágulos.
30
Aplicações Medicina “Aparelhos de correcção para dentes” - nos tradicionais aparelhos de aço inoxidável,
Aplicações
Medicina
“Aparelhos de correcção para dentes”
- nos tradicionais aparelhos de aço
inoxidável, sempre que os dentes
“sucumbem” à força de correcção
aplicada, é necessário reajustar o
aparelho;
-
nos
aparelhos
de
nitinol
esse
reajuste
é
automático
superelasticidade.
31
Aplicações Medicina “Instrumentação Médica” - as propriedades das ligas com memória de forma são também
Aplicações
Medicina
“Instrumentação Médica”
- as propriedades das ligas com memória de forma são também
aplicáveis na concepção vários instrumentos médicos:
(1) - espalhador de tecidos: usado em cirurgias de coração aberto;
(2) - pontas coronárias: utilizadas para medir o diâmetro de veias coronárias;
(3) - espátulas: utilizadas em neuro-cirurgia.
32
(1)
(2)
(3)
Aplicações Aeronáutica “Smart Wings” -designação dada às asas de avião que incorporam ligas com memória
Aplicações
Aeronáutica
“Smart Wings”
-designação dada às asas de avião que
incorporam ligas com memória de forma na
construção das pás;
-utilizam fios SMA aquecidos por passagem
de corrente eléctrica para manipular a área
flexível das pás.
33
Aplicações Robótica - As SMA´s podem simular os músculos e tendões humanos; - A movimentação
Aplicações
Robótica
- As SMA´s podem simular os músculos e tendões humanos;
- A movimentação suave resultante da contracção e expansão destes
materiais, através da passagem de corrente eléctrica, permite uma
aproximação quase real da movimentação humana, inatingível com outros
sistemas.
34
Aplicações Juntas para tubagens - As SMA´s podem ser usadas para ligar duas ou mais
Aplicações
Juntas para tubagens
- As SMA´s podem ser usadas para
ligar duas ou mais tubagens;
- a junta (SMA), inicialmente com um
diâmetro menor ou igual ao dos tubos,
é arrefecida e deformada
convenientemente;
- posteriormente, é colocada entre os
tubos e aquecida para que volte à
forma inicial, selando os tubos.
35
Aplicações Outras “Armações para óculos” - a superelasticidade que caracteriza estes materiais é utilizada,
Aplicações
Outras
“Armações para óculos”
- a superelasticidade que caracteriza estes materiais é utilizada, por
exemplo, no fabrico de armações para óculos onde leveza,
flexibilidade e durabilidade são requisitos.
36
37
37