Você está na página 1de 24

Prosperidade em 42 Dias

Humberto C. Pazian – Letras & Textos Editora
Prefácio
Crise: voc sabe onde e!a reside" #a sua conta banc$ria" #o seu traba!%o" #a sua casa"
#os seus pro&etos" #o seu pa's" #o mundo"
Ta!vez voc a ve&a em um desses !u(ares) mas na rea!idade) e!a n*o se encontra em
nen%um de!es+ e!a s, pode viver em um !oca! no -ua! se !%e a!imente constantemente) no -ua! ten%a
abri(o) onde se sinta . vontade+ e esse !oca!) acredite) /0C1 #1 231 4E#TE5
2e voc anda descontente com sua vida ou est$ acomodado com e!a) mas sente -ue poderia
viver bem me!%or) com mais sa6de) com mais a!e(ria) com mais 7e!icidade) en7im) com mais
prosperidade) saiba -ue a partir de a(ora) tudo isso poder$ ser a!can8ado) basta apenas -ue voc
DE2E9E) E 1C:ED0TE.
2e voc -uiser) pode prosperar e muito) basta come8ar a mudar a!(uns %$bitos mentais e
expu!sar a crise e a ne(atividade de uma vez por todas de sua vida.
4i!%ares de pessoas &$ se uti!izaram destas t;cnicas e conse(uiram rea!izar seus son%os)
mudando radica!mente sua 7orma de pensar e viver) trazendo paz e %armonia para suas vidas.
< exerc'cio proposto neste traba!%o tem sido um manua! de prosperidade a muita (ente e
a(ora) 7ina!mente) c%e(ou a sua vez5 1credite e v$ em 7rente.
Explicações sobre o livro
2e voc reso!veu 7azer !er esta obra) conc!ui=se -ue dese&a me!%orar sua vida em a!(uns
aspectos. /ato importante este) pois muitas pessoas) embora descontentes com tudo -ue as
envo!vem ou insatis7eitas com a 7orma -ue est*o vivendo) nada 7azem) acomodam=se e deixam a
existncia passar) re!e(ando momentos preciosos e 7e!izes -ue poderiam ter) se acrescentassem um
pouco de entusiasmo e motiva8*o em seus dias.
4uitos !ivros tm sido editados no decorrer dos anos tentando mostrar 7,rmu!as -ue nos
a&udem a bem viver. 1creditamos -ue a !eitura de um (rande n6mero de!es 7ar$ com -ue cada vez
mais ten%amos op8>es de decidirmos nossos camin%os mas) o -ue acontece muitas vezes ; -ue)
!emos e con%ecemos muito por;m) praticamos -uase nada. Da') nos re7erirmos ao nosso traba!%o
como ?pr$tica@ da prosperidade.
#esta obra) voc encontrar$) na primeira parte) exp!ica8>es a respeito da prosperidade) para
desde &$) meditar) ponderar e ir mudando seus %$bitos mentais. #a se(unda parte) voc ter$ um
exerc'cio) ou a pr$tica) a ser rea!izado em -uarenta e dois dias) nos -uais sentir$) imediatamente)
7atos muito positivos e pr,speros !%e ocorrendo.
#*o comece o exerc'cio antes de ter !ido e re7!etido sobre os conceitos apresentados na
primeira parte. #*o ten%a pressa) ten%a apenas a certeza de -ue a prosperidade) desta vez) veio para
7icar.
P1:TE 0
A Prosperidade
4uitas pessoas con7undem pobreza com virtude) e se ana!isarmos 7riamente o assunto)
observaremos -ue) onde %$ 7a!ta de din%eiro) provave!mente) existir$ uma (rande di7icu!dade para
ter=se boa educa8*o) cu!tura) vida saud$ve!) condi8>es de %i(iene e de !azer) e de muitas outras
coisas.
Dese&armos e termos a prosperidade em nossas vidas) n*o ; errado) muito menos ApecadoA
como erroneamente) muitas vezes) conc!u'mos. 2omos parte da #atureza e se a e!a observarmos)
veri7icaremos -ue) se n*o %ouver abusos ou ne(!i(ncia %umana) %aver$ abundBncia em tudo.
2emeando na %ora) e de uma 7orma correta) co!%eremos sempre muitos e bons 7rutos.
2e a pobreza e a 7a!ta de recursos 7ossem um camin%o para a 7e!icidade) como acreditam
muitos) como 7icaria o pro(resso) sem as verbas necess$rias para estudos e pes-uisas e suas
conse-Centes inova8>es tecno!,(icas) vo!tadas para o bem estar e pro(resso (era! do ser %umano e
de nosso p!aneta"
E a nossa 7am'!ia" Doc n*o (ostaria de pa(ar uma boa universidade para seus 7i!%os) ou poder
via&ar e descansar &unto com os seus) sem preocuparse com as despesas -ue ter$ ou as d'vidas
-uando do seu re(resso"
4uitos m'sticos) 7i!,so7os) re!i(iosos e mestres do passado viveram sem muitos recursos) isso ;
uma verdade. 4as como ser$ -ue viveriam %o&e) com toda a tecno!o(ia existente no p!aneta"
/ariam (randes via(ens pe!os continentes) a p;) como antes) ou aproveitariam o concurso de
modernas e r$pidas m$-uinas voadoras" /ariam pa!estras em pra8as p6b!icas a reduzidos n6meros
de ouvintes ou uti!izariam os modernos meios de comunica8*o) amp!iando o poder de suas
mensa(ens"
E para isso) n*o seria necess$ria a!(uma soma em din%eiro" E mesmo -ue esses traba!%os
7ossem patrocinados por (rupos 7i!antr,picos) tamb;m estes n*o necessitariam de recursos para ta!
empreendimento"
<s tempos mudaram) o mundo mudou e est$ mudando constantemente+ mas) e os seus padr>es
e conceitos) tamb;m est*o"
< Dinheiro
#o come8o da nossa civi!iza8*o) os indiv'duos 7aziam trocas de mercadorias para ad-uirirem
os bens ou produtos de -ue necessitavam. Com o tempo) essa 7orma de com;rcio) 7oi se tornando
cada vez menos pratic$ve!) pois) ima(inem a!(u;m -ue criasse came!os) os !evassem a um mercado)
onde eram rea!izadas essas bar(an%as) e tentasse troc$=!os por a(u!%as. Eua! seria o parBmetro dessa
ne(ocia8*o) ou -uantas a(u!%as va!eriam um came!o e vice=versa"
De uma maneira bem simp!es) estamos tentando demonstrar como se tornou necess$rio) no
passado) a cria8*o de a!(o -ue representasse) ou possu'sse a!(um va!or) tornando mais 7$ceis .s
trocas ou a-uisi8>es de mercadorias.
Por isso) a!(u;m) no passado muito remoto) inventou a moeda. 1s moedas possu'am um va!or
intr'nseco) ou se&a) eram de ouro) bronze e prata) e passaram a ser o meio pe!o -ua! as pessoas
ad-uiriam os bens ou servi8os de -ue necessitavam.
Frandes -uantidades de moedas eram acumu!adas pe!as pessoas -ue) ou as escondiam) ou as
carre(avam consi(o) em suas via(ens.
Com o passar do tempo) come8ou a tornar=se peri(oso andar com esses tesouros) pois) na-ue!a
;poca) tamb;m %avia roubos e 7urtos) a!;m do -ue) as via(ens aos povoados ou aos mercados eram
7eitas a p;) ou com a a&uda de rudes animais) necess$rios para carre(ar o peso excessivo das
moedas) o -ue 7aci!itava em muito o ass;dio de sa!teadores.
2ur(iu ent*o) devido a essa necessidade) o pape!=moeda ou din%eiro) como o con%ecemos e as
primeiras 0nstitui8>es /inanceiras.
< pape!=moeda passou a ser) ent*o) um meio de pa(amento ou de trocas) e) dotado de um va!or
nomina!) atrav;s de cun%a(em) estava em condi8>es de servir aos indiv'duos.
1s pessoas depositavam seus tesouros em institui8>es) devidamente !e(a!izadas pe!os ,r(*os
o7iciais) e recebiam em troca) o pape!=moeda) no seu va!or correspondente.
Essa %ist,ria daria um !ivro a parte) mas esse simp!es resumo ; s, para conc!uirmos -ue) o
din%eiro) portanto) &$ -ue n*o 7oi criado por nen%um an&o ou demGnio) e sim) pe!o pr,prio %omem)
para satis7azer a suas necessidades evo!utivas) n*o ; bom) nem mau+ ; apenas din%eiro) e o -ue
7izermos de!e) ou o -ue 7izermos para t=!o) ; -ue o 7ar$ ser um bom ou mau instrumento na nossa
ou na vida dos outros) ; esse o receio das re!i(i>es: -ue o %omem se perca pe!a m$ uti!iza8*o do
din%eiro e da sua va!oriza8*o acima dos bens espirituais) mas dese&amos -ue n*o se&a esse seu caso
e -ue o din%eiro se&a uma ben8*o em suas m*os.
Corrente positiva do dinheiro
Com o (rande avan8o tecno!,(ico e) atua!mente) com o sur(imento da 0nternet) o AmercadoA
tornou=se (!oba! e muito mais cGmodo. Podemos ad-uirir -ua!-uer bem -ue estiver dentro de
nossas possibi!idades 7inanceiras em -ua!-uer parte do p!aneta.
Euando compramos a!(o) se&a atrav;s de um computador) de um te!e7one) ou simp!esmente
indo a uma !o&a ou a um mercado) desencadeamos um processo) no -ua! muitas pessoas s*o
envo!vidas.
3semos um exemp!o bem simp!es: -uando compramos uma caixa de 7,s7oros) atrav;s de
-ua!-uer meio de com;rcio) estamos ad-uirindo o produto 7ina! do traba!%o de uma s;rie de
pessoas.
De&amos: a!(u;m p!antou uma $rvore) -ue 7oi cortada e transportada por uma m$-uina at; uma
madeireira) -ue a vendeu a uma 7$brica) -ue a cortou em diversos pa!itos) montou cada um com o
produto -ue atrav;s da 7ric8*o o 7a8a acender) montou as emba!a(ens e co!oco a car(o de uma
empresa) 7azer a distribui8*o ao estabe!ecimentos -ue atendam ao p6b!ico em (era!.
1(ora) pare e pense. Desde o in'cio do processo) -uantas pessoas 7oram envo!vidas at; c%e(ar
. caixa de 7,s7oros em nossas m*os" 2e pensarmos -ue cada traba!%ador envo!vido neste processo
tem 7am'!ia) mu!tip!icamos ainda mais os envo!vidos.
2, citamos um produto) e -uantos n*o existem -ue uti!izamos diariamente" 2e visua!izarmos a
cada nova a-uisi8*o -ue 7izermos) -ue estamos co!aborando com o traba!%o e a manuten8*o de um
(rande n6mero de pessoas) estaremos pensando no din%eiro com muito mais carin%o e !ibertando a
ener(ia poderosa -ue ne!e existe.
Da mesma 7orma) -uando somos avarentos) ou se&a) acumu!amos o din%eiro apenas por
acumu!ar) n*o permitindo -ue essa ener(ia positiva circu!e) ai sim) estaremos trans7ormando o
din%eiro em nosso sen%or) e essa ener(ia esta(nada) com certeza) n*o nos 7ar$ bem.
#*o -ueremos dizer -ue n*o devemos poupar ou termos nossas reservas) mas voc deve saber
muito bem a di7eren8a entre poupar e ser avarento.
#*o precisamos tamb;m) comprarmos tudo o -ue virmos a nossa 7rente. Eue apenas) -uando
ad-uirimos a!(o) n*o o 7a8amos com d, do -ue estamos (astando) mas sim) com a!e(ria e
desprendimento) na certeza -ue) atrav;s do nosso ato) estaremos circu!ando a ener(ia positiva do
din%eiro) auxi!iando direta e indiretamente a muitas pessoas.
Onde quer chegar
Embora todos dese&amos t=!a) a id;ia de prosperidade pode) .s vezes) 7icar va(a em nossa
mente.
1ntes de come8armos este nosso novo processo) -ue ; o de sermos pr,speros de uma vez por
todas) ; importante 7ixarmos ob&etivos e metas -ue -ueiramos a!can8ar.
1na!ise o -ue ; prosperidade se(undo seu ponto de vista) pondere -uais seriam as coisas ou
acontecimentos -ue !%e 7ariam sentir=se mais 7e!iz) mais saud$ve!) mais &ovem) ou Area!izadoA. #*o
se es-ue8a -ue) para darmos uma (rande camin%ada) necessitamos de muitos passos+ portanto)
apenas como uma su(est*o) estabe!e8a (randes ob&etivos) mas determine metas intermedi$rias) onde
possa ir dando seus passos rumo a seus (randes ob&etivos) de uma 7orma determinada e constante.
2aiba -ue voc poder$ rea!izar o exerc'cio deste !ivro v$rias vezes e a cada nova oportunidade)
poder$ rever e re7azer suas metas e ob&etivos anteriormente tra8ados.
1p,s re7!etir muito sobre o assunto) anote abaixo trs (randes ob&etivos -ue (ostaria de atin(ir:
H. ===================================
2. ===================================
I. ===================================
1note a(ora) trs metas intermedi$rias para atin(ir esses ob&etivos) !embrando -ue a cada novo
per'odo de exerc'cio) e!as poder*o ser substitu'das) . medida -ue voc 7or a!can8ando novos
patamares de prosperidade.
Ex: 2e o ob&etivo principa! ; cursar uma universidade) as metas intermedi$rias poder*o ser:
a!7abetizar=se+ comp!etar o curso t;cnico) 7azer um cursin%o preparat,rio ou at; mesmo) ad-uirir
recursos 7inanceiros para ta! 7im.
H. ===================================
2. ===================================
I. ===================================
#*o continue a !eitura en-uanto n*o preenc%er esses campos. #*o se acan%e) escreva. Esse ; o
primeiro passo para a materia!iza8*o de seus ob&etivos e) se n*o 7osse importante) n*o !%e seria
pedido.
Comece &$ a criar o seu 7uturo e n*o se preocupe por es-uecer a!(o ou ter um n6mero (rande
de ob&etivos) pois Deus sabe o -ue ; importante para todos n,s. E mesmo as coisas -ue n*o ten%a
anotado) mas -ue se&am boas) poder*o vir at; voc) atrav;s das condi8>es mentais) pr,speras e
otimistas) -ue est$ criando.
Visualizaço e criaço !ental
Todas as coisas -ue constru'mos) criamos ou ad-uirimos antes de se tornarem uma rea!idade
7'sica para n,s) passam antes em nossa mente.
Euando ad-uirimos um bem) -ua!-uer -ue se&a e!e) primeiro o ima(inamos) com todas suas
-ua!idades e ima(inamos tamb;m) o prazer -ue ter'amos em possu'=!o. /azemos ent*o nossas
contas e decidimos a me!%or maneira de compr$=!o. 2, ent*o e7etuamos a a-uisi8*o.
< mesmo processo menta! se desenvo!ve -uando rea!izamos um traba!%o materia!. Pode ser
um pro(rama de vendas em nosso traba!%o) pode ser a composi8*o de uma m6sica) a reda8*o de um
arti(o ou um !ivro) a esco!%a de onde e como passaremos nossas 7;rias) e tudo o -ue pensamos em
7azer.
2empre tentaremos sentir) antecipadamente) o prazer e a satis7a8*o -ue a!(o novo nos dar$. 1
visua!iza8*o) portanto) antecede todos os nossos atos materiais) muitas vezes t*o rapidamente) -ue
-uase n*o a percebemos.
E a' reside uma (rande !ei espiritua!) comprovada por mi!%ares de pessoas -ue &$ a testaram+
quando visualizamos por um tempo determinado, com riqueza de detalhes e bastante fé, um
determinado objetivo, irradiamos energias mentais que tendem a materializar nosso desejo.
0sto ser$ demonstrado a voc) !o(o nos primeiros dias da pr$tica -ue ir$ rea!izar) mas ;
necess$rio -ue AcrieA) menta!mente) todos os ob&etivos e metas -ue anotou anteriormente.
2e um dos seus ob&etivos 7or um carro novo) n*o pense como vai ad-uiri=!o) mas sinta=se como
se &$ o tivesse) visua!izando=o no tipo) mode!o e cor de sua pre7erncia. /a8a como no tempo da sua
in7Bncia) brin-ue menta!mente) ima(ine os deta!%es: voc passeando) indo a be!os !u(ares com seu
novo carro) !avando=o) en7im) deixe sua ima(ina8*o . vontade.
Euanto mais vida der a esses pensamentos) -uanto mais acreditar ne!es) com certeza mais
pr,ximos e!es estar*o de voc.
< mesmo se d$ se seu ob&etivo 7or com re!a8*o . sua sa6de) pois a prosperidade pode tamb;m
ser vista ou sentida) como um corpo saud$ve!) -ue !%e propicie viver a p!enitude de uma vida 7e!iz.
#esse caso) ima(ine=se a!e(re) irradiante) saud$ve!) com o corpo -ue (ostaria de ter e da mesma
7orma) n*o se preocupe com o processo para ad-uiri=!o) pois vir$ com o tempo) em 7orma de
intui8>es e oportunidades a 7orma de conse(ui=!o.
< importante ; ter em mente -ue a visua!iza8*o ; o 7ator predominante para ser criado a-ui!o
-ue se dese&a.
< poder das afir!ações
2e voc observar o e7eito -ue suas pa!avras exercem nas coisas e pessoas . sua vo!ta) e
principa!mente na sua vida) com certeza ir$ mudar comp!etamente sua maneira de 7a!ar) e com isso)
natura!mente) sua maneira de a(ir.
1tente para as pessoas -ue est*o constantemente Ade ma!A com a vida. :ec!amam da 7am'!ia)
dos ami(os Jse ; -ue rea!mente os temK) do traba!%o) do (overno) da c%uva) do so!) en7im) n*o %$
nada -ue n*o ten%a sempre uma rec!ama8*o ou uma cr'tica a ser 7eita.
Levam uma vida !imitada) mon,tona e in7e!iz) a(uardando sempre o pior) e mesmo -ue uma
coisa boa !%es aconte8a) n*o se a!e(ram) pois ac%am -ue a!(o ruim vir$ !o(o em se(uida. Existem
in6meras pessoas . sua vo!ta com caracter'sticas i(uais a esta.
4as) da mesma 7orma -ue AatraemA coisas e 7atos ne(ativos) por sua maneira de pensar e 7a!ar
podem tudo mudar para me!%or) apenas criando um novo %$bito) evidentemente) positivo e
otimista.
2e nosso &eito de pensar e a(ir est$) de certa 7orma) um pouco pr,ximo do tipo de pessoa -ue
acabamos de ana!isar) e c%e(amos . conc!us*o -ue podemos e devemos mudar) este ; um ,timo
momento para iniciarmos.
1 princ'pio poder$ parecer di7'ci!) pe!o %$bito pessimista ad-uirido atrav;s dos anos) mas uma
boa e 7$ci! maneira de iniciarmos esse nosso novo processo) ; o de 7azermos a7irma8>es verbais
positivas constantemente.
Escreva) em uma 7o!%a de pape! ou um cart*o) 7rases -ue denotem o -ue voc dese&a ou o -ue
-uer ser) e as repita diariamente) em interva!os re(u!ares.
Doc estar$ dando ordens ao seu subconsciente) e este) com o tempo) as aceitar$ e tornar$ esta
nova maneira de pensar) um %$bito) e os resu!tados voc sentira rapidamente.
0sso 7unciona5 D um cr;dito e uma c%ance a voc mesmo) experimente) voc n*o vai se
arrepender.
"o se#a ego$sta
3ma das coisas -ue costuma di7icu!tar a prosperidade em nossas vidas ; o e(o'smo. 2abemos
-ue n*o vivemos iso!ados) e -ue todos tm) mais ou menos) as mesmas necessidades e os mesmos
dese&os.
Podemos a7irmar -ue as pessoas normais dese&am ser 7e!izes) saud$veis e pr,speras) e tamb;m)
-ue na natureza ou no mundo) %$ e!ementos para -ue tudo isso se&a poss've!.
Por nossa vez) n*o s, devemos dese&ar aos outros a prosperidade) como tamb;m) a&ud$=!os a
obt=!a.
#ossos ob&etivos e metas) a princ'pio) podem bene7iciar=nos somente) mas) . medida -ue
vamos desenvo!vendo um me!%or conceito de espiritua!idade) veri7icamos -ue todos dependemos)
direta ou indiretamente) uns dos outros.
1ssim sendo) se 7izermos o poss've! para a&udar nosso seme!%ante a prosperar) estaremos da
mesma 7orma) 7azendo com -ue) atrav;s de uma !ei espiritua!) con%ecida como !ei do Larma ou !ei
de causa e e7eito ten%amos um retorno na mesma intensidade do nosso ato.
2aibamos parti!%ar o -ue a vida nos concede.
A prosperidade em 42 dias
9$ vimos -ue -uando temos um ob&etivo em mente e o visua!izamos com deta!%es) 7azendo
a7irma8>es positivas) acreditando 7irmemente na sua rea!iza8*o) criamos um %$bito menta! -ue nos
trar$ o ob&eto do nosso dese&o.
#o nosso caso) criaremos o %$bito da prosperidade) e ; exatamente isso -ue a vida nos trar$.
1 mudan8a ocorrer$ de dentro para 7ora) mudaremos nossa maneira de pensar e a(ir) e tudo ao
nosso redor ser$ conta(iado por essa nossa nova ener(ia.
Essa pr$tica ser$ rea!izada em seis semanas = J-uarenta e dois diasK.
Para -ue condicionemos nossa mente) ; necess$rio praticarmos por um determinado tempo) a
7im de criarmos um novo %$bito menta!. E esse prazo estabe!ecido J(uarde bem: -uarenta e dois
diasK 7oi considerado satis7at,rio em exerc'cios rea!izados por in6meras pessoas) onde os ob&etivos
propostos 7oram a!can8ados) comprovando sua e7icincia.
% Prática
< primeiro passo a ser dado para a rea!iza8*o desta pr$tica) ; o de estarmos decididos a rea!iz$=
!a da 7orma -ue 7or exposta) sem adapta8>es ou &eitin%os pessoais.
Existe todo um processo de ener(ias positivas em movimento) -ue) embora n*o as possamos
ver) as sentiremos !o(o de in'cio) e -ua!-uer mudan8a no processo indicado) poder$ desarmoniz$=!o.
< se(undo passo ser$ o de reservar a!(uns minutos) pe!a man%*) para a rea!iza8*o do mesmo.
Levante mais cedo para n*o pre&udicar seus a7azeres di$rios) mas n*o deixe de 7az=!o) pois) se
7a!%ar um dia durante o per'odo proposto J-uarenta e dois diasK) ter$ de recome8$=!o.
< passo se(uinte ser$ o de esco!%er um va!or em din%eiro) -ue voc (uardar$ diariamente) para
ser doado no 7ina! da pr$tica.
< va!or n*o deve ser muito) a ponto de !%e 7azer 7a!ta) e nem t*o pouco) a ponto de ser
inexpressivo. 4as observe -ue o va!or deve ser o mesmo todos os dias e a pr$tica tem -uarenta e
dois dias.
1rrume um enve!ope para (uardar essas doa8>es di$rias) pois) embora o dep,sito deva ser
di$rio) a doa8*o s, dever$ ser 7eita ao t;rmino do exerc'cio.
#a se(unda parte deste !ivro voc encontrar$ -uarenta e dois temas) -ue dever*o ser !idos pe!a
man%* e meditados ou re!idos durante o dia) nos momentos -ue &u!(ar convenientes ou necess$rios.
H$ tamb;m -uarenta e duas a7irma8>es -ue poder*o ser uti!izadas) caso n*o ten%a suas
pr,prias. < e7eito e a importBncia dessas a7irma8>es voc &$ deve ter constatado pe!as exp!ica8>es
anteriores.
1ntes de come8ar a !eitura do cap'tu!o do dia) a(rade8a a Deus por a!(o -ue voc &$ possui. 1
cada novo dia a(rade8a por a!(o di7erente) voc 7icar$ impressionado pe!a -uantidade de coisas -ue
tem a a(radecer.
:esumindo) para um me!%or entendimento:
H. :ea!ize esta pr$tica da maneira -ue est$ sendo su(erida) sem a!tera8>es de convenincia.
2. Dedi-ue a!(uns minutos pe!a man%*) para a rea!iza8*o do mesmo.
I. Comece com uma ora8*o) a(radecendo a Deus por a!(o -ue possui) a!terando a cada dia) o
motivo do a(radecimento.
4. Leia um cap'tu!o da se(unda parte) e medite sobre e!e. 2e puder anote=o) ou !eve=o consi(o para
re!=!o durante o dia.
M. Deposite no enve!ope a -uantia previamente determinada. Lembre=se: a -uantia deve ser sempre
a mesma) e em din%eiro.
N. #*o se es-ue8a das a7irma8>es) e!as devem ser repetidas diariamente.
Praticando e! grupo
Euando reunimos um (rupo de pessoas com o mesmo ob&etivo) unimos nossas 7or8as) tanto
materiais e) como no nosso caso) mentais.
E -uando o motivo da concentra8*o ; a!(o positivo) atra'mos ener(ias poderosas da natureza
para todos os participantes) e isto ; percebido pe!o (rupo.
Procure em seu meio) ami(os ou parentes -ue possam 7azer esta pr$tica &unto com voc.
Euanto maior o (rupo) maior a 7or8a ma(n;tica em a8*o.
Pode ser 7eito tamb;m por co!e(as de traba!%o pois) a!;m de trazerem a prosperidade
individua!) 7ar*o prosperar tamb;m) a empresa da -ua! participam) ou -ue contrata os seus servi8os.
<s membros de um (rupo de pr$tica n*o devem se reunir para 7az=!o. Cada um deve 7az=
!o em seu pr,prio !ar ou escrit,rio) desde -ue) se&a na parte da man%* e todos comecem no mesmo
dia.
2e a!(uns dos participantes da pr$tica deixar de 7az=!a) ou es-uec=!a) por um dia somente)
deve parar e a(uardar o pr,ximo in'cio do (rupo) ou iniciar uma nova pr$tica individua!mente. 0sso
n*o a7etar$ em nada a pr$tica dos demais participantes.
Euando por -ua!-uer motivo) interrompermos nossa pr$tica) o din%eiro acumu!ado at; ent*o)
deve ser doado) e nunca uti!izado na nova s;rie di$ria.
% que! doar
#o 7ina! da pr$tica) ap,s os -uarenta e dois dias) voc poder$ doar a -uantia acumu!ada a uma
institui8*o bene7icente ou 7i!antr,pica) . sua 0(re&a) . or(aniza8*o re!i(iosa da -ua! 7az parte) ou
ainda) o -ue seria muito mais interessante e satis7at,rio) diretamente a a!(u;m -ue voc ven%a a
saber estar necessitado no momento de recursos 7inanceiros.
Pode ser a!(u;m -ue voc encontre pe!as ruas) ou -ue 7i-ue sabendo de!a atrav;s de um ami(o
ou con%ecido) ou uma pessoa -ue este&a passando por necessidades b$sicas e) embora %umi!de) sua
co!abora8*o seria de (rande va!ia.
#*o ; necess$rio -ue con%e8a pessoa!mente -uem receber$ sua doa8*o) a!i$s) -uanto mais
passar desapercebido) nesse ato) muito mais va!or ter$) e uma satis7a8*o muito (rande) com certeza)
sentir$.
O desnecess$rio tamb;m) exp!icar o motivo da sua doa8*o) apenas contribua. Doc estar$
pondo em movimento a ener(ia positiva do din%eiro e uma das virtudes mais be!as do ser %umano) a
7raternidade.
O &$!bolo
3ma das propriedades de um s'mbo!o ; a de representar) de uma 7orma sub&etiva) atrav;s de
um ob&eto) desen%o) nome) 7i(ura e tantas outras coisas) uma id;ia compreens've!.
#o nosso caso) adotamos um s'mbo!o %exa(ona!) dentro de um c'rcu!o) com a !etra P em seu
centro. Esse s'mbo!o) -ue denominamos Aestre!a da prosperidadeA) representa todo o processo -ue
estamos iniciando e) sem d6vidas) a!can8aremos.
1 id;ia) a certeza da prosperidade) tem -ue estar sempre presente no nosso dia) e de v$rias
7ormas) c%amar nossa aten8*o) para estar sempre vibrante e atuante em n,s.
Procure anotar este s'mbo!o em todos os !u(ares em -ue voc possa observ$=!o durante o dia) e
-ue c%amem sua aten8*o. Pode ser no seu autom,ve!) na sua a(enda) na sua carteira) na sua mesa de
traba!%o) e em uma in7inidade de !u(ares -ue voc decidir.
0sto 7ar$ voc !embrar o dia todo da prosperidade) e das mudan8as de padr>es mentais -ue
estar$ 7azendo.
1 Aestre!a da prosperidadeA tem seis extremidades) e cada uma de!as representa uma semana de
pr$tica) -ue tota!izar$) ent*o) mu!tip!icada por sete dias+ -uarenta e dois dias.
< c'rcu!o ao redor representa a & ornada -ue voc 7ar$ rumo . prosperidade) simbo!izada pe!a
!etra P) no centro do s'mbo!o.
<s s'mbo!os em si) n*o possuem nen%um poder m$(ico ou m'stico) s, possuem a 7or8a -ue
dermos a e!es) ou se&a) o -ue para n,s e!es representam ; -ue in7!uenciar$ nossa mente e)
conse-Centemente) nossa vida.
'udando para !elhor
#*o importa -ua! se&a a sua re!i(i*o) pois n*o %$ nada neste !ivro -ue se&a contr$rio a e!as.
1 prosperidade) a sa6de) a paz de esp'rito e a 7e!icidade) s*o sentimentos -ue buscamos -uando
nos 7i!iamos a uma or(aniza8*o re!i(iosa. 1 pr$tica proposta nesta obra) visa trazer v$rias mudan8as
na sua 7orma de pensar e conse-Centemente) na mudan8a para %$bitos positivos) o -ue se irmaniza
com o ob&etivo de -ua!-uer re!i(i*o. 0nc!usive) tornando=se pr,spero) em todos os sentidos) voc
poder$ co!aborar) e muito) com a sua i(re&a) seu centro espiritua!) seu temp!o) sua ordem 7i!os,7ica
e) de uma 7orma direta) com seu pr,ximo.
Tudo o -ue pudermos 7azer para me!%orar nosso p!aneta) nosso mundo) deve ser 7eito sem
titubearmos e) sem sombra de d6vida) a coisa mais importante -ue %$ ne!e) ; o ser %umano.
4e!%orando a nossa -ua!idade de vida) e sem sermos e(o'stas) estaremos contribuindo para a
me!%oria (era!.
1(ora) preste aten8*o) mais uma vez !%e a7irmamos: esta pr$tica 7unciona. /a8a de!a um %$bito
e repita=a -uantas vezes -uiser.
2e&a um exemp!o para todos) n*o s, de prosperidade) mas tamb;m) de %onestidade) de amor e
respeito ao seu pr,ximo.
Doc merece ter tudo o -ue dese&a) e n,s dese&amos -ue consi(a atin(ir seus ob&etivos) e se&a
muito) mas muito 7e!iz. Eue Deus nos auxi!ie sempre. Poa sorte5
PARTE II
Ho&e ; o primeiro dia de sua pr$tica e antes de inici$=!a) anote seu nome e a data de %o&e no
espa8o reservado na p$(ina.
Este !ivro ser$ seu compan%eiro de muito tempo) trate=o com cuidado e carin%o.
Doc poder$ se(uir a ordem estabe!ecida ou abrir as p$(inas a esmo) desde -ue n*o as repita
em um mesmo per'odo de pr$tica J-uarenta e dois diasK. Para isso) voc pode usar o -uadro na
p$(ina) 7azendo um AxA na p$(ina esco!%ida) a !$pis) para -ue n*o 7i-ue rasurada) e voc possa
uti!iz$=!a outras vezes.
#ome: QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ
Data QQQRQQQQRQQQQQ
() O Ob#etivo
%fir!aço* 'eu ob#etivo será atingido+ as forças do ,niverso esto a !eu favor-
0ma(ine se tivesse uma (rande camin%ada a 7azer a p;) a 7im de atin(ir determinado !oca!.
Com certeza) voc !evaria o m'nimo de coisas necess$rias) para n*o retardar sua camin%ada e
muito menos cans$=!o.
4as se !%e dissessem -ue o -ue voc n*o !evasse !%e seria tirado) ou se&a) n*o seria mais seu)
como 7icaria) ent*o) sua decis*o"
Deixaria seus pertences para atin(ir mais rapidamente o !oca! esco!%ido Jo ob&etivoK) ou
es-ueceria a camin%ada e 7icaria com seus bens) sem a!terar nada" #este caso) a -uest*o ser$: -ua!
a importBncia desse ob&etivo para n,s"
Euando temos uma meta) um ob&etivo a ser atin(ido) e!e deve ser buscado intensamente por
n,s) deve ser visua!izado sempre) e todas as coisas -ue possam retardar nossa marc%a at; e!e)
devem ser revistas ou deixadas para tr$s.
#*o es-ue8amos -ue devemos dese&ar ardentemente e perseverar at; o 7im) acreditando em
nossa 7or8a interior.
. ) "o tenha !edo/
%fir!aço* &ou forte0 nada te!o0 tudo enfrento e venço-
4edo do -u" De -uem"
4edo de arriscar.
4edo de tentar.
4edo de errar.
4edo do rid'cu!o.
4edo de 7icar sozin%o. 4edo de morrer.
4edo de viver+ e esse parece o pior e o mais comum entre as pessoas.
2e para voc) o medo de viver n*o ; a!(o t*o distante) pare5 :e7!ita5 Por -ue ter medo" 2e a!(o
n*o der certo) tente novamente) tantas vezes -uantas 7orem necess$rias. 2e tem medo do rid'cu!o)
!embrese -ue (randes mentes da %umanidade 7oram ridicu!arizadas pe!os seus contemporBneos) -ue
se ac%avam donos da verdade.
En7rente as coisas -ue voc ima(ina temer) e como por mi!a(re) observar$ -ue e!as deixar*o de
ter poder sobre voc.
1 ) &2 Co!ente coisas positivas/
%fir!aço* Deus está e! todas as coisas0 vou procurá)lo e! tudo-
Todas as pessoas tm um !ado bom e um !ado mau) -ue podemos dizer) !ado -ue precisa ser
traba!%ado.
Todos) de uma 7orma ou de outra) !utam para tentar me!%orar e evo!uir e) mesmo -ue n*o
admitam aos outros) sabem e con%ecem muito bem seus de7eitos.
Euando exa!tamos esse !ado ne(ativo das pessoas) a!;m de n*o estarmos a&udando em nada)
co!ocamo=nos em sintonia com e!e Jo aspecto ne(ativoK) ou se&a) 7icamos na mesma 7aixa menta!.
2e -uiser um experimento pr$tico) observe como 7ica e se sente) ap,s assistir ou !er) aos
notici$rios de tv) r$dio ou &orna!) em re7erncia aos crimes e toda a sorte de prob!emas -ue e!es nos
passam.
/a8a um teste %o&e) procure n*o comentar sobre nada -ue deprecie a!(u;m ou a!(uma coisa.
Procure ver e comentar somente os aspectos positivos das pessoas e coisas a sua vo!ta.
2er$ -ue voc conse(ue"
3 ) 4i!peza
%fir!aço* &into i!ensa alegria em doar algo a algu5!-
Euase tudo o -ue voc tem e n*o usa tanto) pode ser doado.
Ss vezes) 7icamos atu!%ados de coisas -ue n*o mais uti!izamos) -ue 7icam apenas (uardadas)
sem serem 6teis a nin(u;m.
/a8amos circu!ar essa ener(ia -ue est$ parada. ALimpemosA nossa casa) nosso escrit,rio) nossa
!o&a) des7a8amo=nos de roupas e utens'!ios -ue possam ser aproveitados por outras pessoas.
4as !embre=se) n*o as vendamos) devem ser doadas) para -ue) atrav;s da !ei universa! de a8*o
e rea8*o) tamb;m recebamos por incont$veis meios) a prosperidade.
< desape(o ; um dos primeiros passos a ser dado para -uem dese&a prosperar.
6 ) &orria
%fir!aço* &into alegria e! todas as coisas e situações0 nada !e irrita ou entristece/
9$ reparou em a!(u;m sisudo) -ue est$ sempre de cara 7eia) dando a impress*o de -ue tudo
anda ma! com e!e"
Euase nin(u;m (osta de estar perto de pessoas assim) todos arran&am uma descu!pa para evit$=
!o) e os coment$rios a seu respeito s*o sempre os piores poss'veis.
E a!(u;m -ue esta sempre sorrindo) passandonos a impress*o de -ue a vida ; e deve ser) a!e(re
e divertida) e -ue nada deveria tirar=nos o prazer de viver" Euase todos procuram motivos para estar
na sua presen8a e aproveitar os Abons 7!uidosA.
E sabe como 7azemos para assumir esta postura 1 princ'pio) ; s, mexermos a!(uns m6scu!os
da 7ace) muito menos do -ue teremos de movimentar para 7icarmos de Acara 7eiaA.
4esmo -ue) no momento) n*o ten%amos motivos) vamos sorrir sempre) a cada (esto) a cada
coment$rio) a cada instante e) com certeza) !o(o teremos motivos de sobra para &usti7icarmos essa
be!a maneira de ser.
7 ) Viva #á o que voc8 dese#a
%fir!aço* Vivo #á) a sa9de0 a alegria e a prosperidade/
Toda id;ia criada em nossa mente) dese&ada) vivida e ima(inada em todos seus m'nimos
deta!%es) tende com o tempo a materia!izar=se ou tomar=se rea!idade. 0ma(ine=se vivendo &$ seus
ob&etivos e metas) sentindose como se &$ os tivesse conse(uido.
2e ; uma nova casa -ue a!me&a) comece a pes-uisar e procurar os m,veis e a decora8*o -ue
ne!a dese&a co!ocar) ima(ine as p!antas) as cortinas) e todas as coisas e ob&etos -ue (ostaria -ue
7izessem parte de!a.
2e o seu dese&o ; um novo carro) sinta=se como se ne!e estivesse) esco!%endo a cor) a potncia)
a marca) as via(ens -ue com e!e 7ar$) o tipo do esto7ado) e at; os acess,rios -ue -uer ne!e.
2e ; sa6de -ue voc dese&a) n*o 7i-ue pensando nas doen8as) -ue ta!vez no momento possua+
acredite 7irmemente -ue n*o mais as ter$. 2omente sa6de e bem estar) estar*o com voc. 0ma(ine=se
a!e(re) com muita disposi8*o) dando passeios -e camin%adas descontra'das e a!e(res.
2e ainda) 7or roupas novas -ue dese&a) prepare seu (uarda=roupa) doando as roupas usadas)
para -ue possa sobrar !u(ar para receber todas as novas pe8as -ue espera.
2e voc acreditar rea!mente -ue ter$ o -ue dese&a) &$ o estar$ possuindo.
: ) O ;rabalho
%fir!aço* ;rabalho co! alegria e entusias!o/
2e voc) no momento est$ desempre(ado ou n*o est$ 7e!iz com sua ocupa8*o atua!) n*o
desanime) acredite -ue encontrar$ a atividade pro7issiona! idea!.
4as) antes de sair por a' procurando) veri7i-ue se est$ aproveitando ao m$ximo seu potencia!.
Ta!vez este&a mais preocupado em rec!amar Aseus direitosA) do -ue 7azer com amor a-ui!o -ue seria
sua obri(a8*o.
Procure 7azer sempre um pouco a mais do -ue a-ui!o -ue ; pa(o para 7azer) e n*o cobre nada
por isso) e nem comente.
#,s estamos acostumados a receber por tudo o -ue 7azemos) e isso) muitas vezes) nos !imita e
b!o-ueia ener(ias positivas -ue estariam a nosso 7avor.
Comece %o&e mesmo a 7azer seu traba!%o) se&a -ua! 7or) com bastante satis7a8*o. /a8a sempre
a!(o mais) e seu c%e7e) ou as pessoas -ue contrataram seus servi8os) 7icar*o satis7eitos com voc) e
pode ter certeza) ter$ o retomo de uma 7orma positiva e pr,spera.
< ) "o se irrite
%fir!aço* "ada !e irrita0 sou cal!o e alegre/
Prob!emas no traba!%o) no trBnsito+ com o sa!do banc$rio) com os 7i!%os) com os pais) com o
s,cio) com o empre(ado) com o patr*o+ e a' por diante) tudo pode ser motivo de irrita8*o.
Podemos nos irritar com tudo e com todos) a todo instante) e ; o -ue costumeiramente 7azemos)
mas por -u" 0rritando=nos) a!;m de n*o mudarmos em nada os prob!emas) ace!eramos as batidas
card'acas) aumentamos nossa press*o) enve!%ecemos mais r$pido) 7icamos rabu(entos e muitos
outros ma!es nos acontecem.
Portanto) deixe para !$) procure outras coisas -ue o distraia e o deixe a!e(re) e ver$ -ue os
motivos -ue !%e 7aziam irritar=se) deixar*o de ter sentido.
= ) ;enha u!a >eligio
%fir!aço* Co! Deus0 tudo posso-
Todos os camin%os !evam a Deus. 2e voc n*o tem uma cren8a) ; importante -ue procure
con%ecer as diversas re!i(i>es existentes) e encontre uma -ue mais se adapte a sua maneira de
pensar.
#*o si(ni7ica -ue voc necessite de um intermedi$rio para se comunicar com Deus) o -ue
-ueremos dizer ; -ue) sempre -ue nos iso!amos) ou nos reunimos em estudo das verdades
espirituais ou em ora8*o) tomamo=nos um enorme im*) atraindo vibra8>es e ener(ias boas)
positivas.
Procure uma re!i(i*o ou 7i!oso7ia) onde n*o %a&a do(mas) ou uma 7; ce(a) mas sim) concebida
atrav;s da raz*o e do bom senso.
(? ) Partilhe seus bens
%fir!aço*O que Deus !e concede0 sinto i!ensa alegria e! partilhar co! !eu se!elhante/
#*o se&a e(o'sta5
Parti!%ando seus bens com a-ue!es -ue n*o possuem as mesmas 7aci!idades -ue voc) estar$
parti!%ando a a!e(ria e a prosperidade entre seu seme!%ante) deixando com isso) 7!uir ener(ias
positivas.
Doc pode ter muito mais casas) ob&etos e bens do -ue possa usu7ruir) e como sabe) $(ua parada
e esta(nada ; 7onte de micr,bios e podrid*o.
#*o estamos dizendo para abandonar suas coisas e permitir -ue inter7iram e tomem posse dos
seus bens.
< -ue estamos su(erindo ; -ue usu7rua) mas permita -ue outros tamb;m parti!%em das suas
posses) para -ue se&a poss've! atrav;s da !ei de a8*o e rea8*o) retornar=!%e vibra8>es de amor)
a!e(ria e prosperidade.
(( ) Descanse
%fir!aço* >elaxo e conte!plo a har!onia da natureza-
Tire a!(uns minutos do seu dia para 7azer a!(o muito importante: nada. 0sso mesmo)
abso!utamente) nada.
:e!axe) respire 7undo e deixe o pensamento va(ar) ir aonde -uiser Jexceto aos prob!emas K.
Pense em um !u(ar bonito e tran-Ci!o) e ima(ine=se !$. Coc%i!e a!(uns instantes) se tiver
vontade) e depois observe como se sentir$.
Esses momentos s*o importantes para e!iminarmos a tens*o e concentrarmo=nos em nosso
interior.
2empre -ue poss've!) p!ane&e passeios a !u(ares ca!mos) tran-Ci!os) -ue !%e tra(am paz. 2er$
muito 6ti! !embr$=!os nos momentos de re!axamento.
(. ) @ dando que recebere!os
%fir!aço* DAo tudo o que posso0 co! alegria e desprendi!ento-
1 natureza ; um (rande exemp!o dessa !ei: se semeamos) co!%emos+ se adubamos) tudo se
rea!8a e 7ica mais vi8oso.
1ssim tamb;m ; com a vida) -uanto mais dermos) se&a em din%eiro) em amor) em amizade)
em pa!avras de Bnimo e con7orto) mais receberemos de vo!ta) de v$rias maneiras) atrav;s de
m6!tip!os mecanismos da vida.
Tudo ; uma -uest*o de dar o primeiro passo e depois de a!(um tempo voc estar$ auxi!iando
seu pr,ximo de uma 7orma muito natura!.
Experimente) sentir$ um (rande prazer em auxi!iar as pessoas) sendo um cana! de distribui8*o
de bn8*os da natureza e) atrav;s da Lei divina) dar$ e receber$ m6!tip!as vezes.
(1 ) &e#a grato
%fir!aço* %gradeço a Deus pela vida e tudo o que ela !e dá-
1prenda a a(radecer a tudo e a todos pe!as pe-uenas (enti!ezas -ue recebe diariamente.
2aiba responder a um Abom diaA com convic8*o e sinceridade) a(radecer a um suba!terno -ue
!%e presta um servi8o) a um co!e(a de traba!%o ou estudo -ue comparti!%a a!(o) ao seu c%e7e ou
nosso mestre -ue !%e propicia a!(uma oportunidade ou um novo aprendizado.
1!;m dos nossos seme!%antes) temos a natureza -ue nos reverencia em uma in7inidade de
deta!%es: o so!) a c%uva) o vento) o a!imento) o ar -ue respiramos. E para -ue esta !ista n*o se
estenda muito) a(rade8amos sempre a 7onte de tudo o -ue recebemos: Deus.
(3 ) %prenda co! os ;ropeços
%fir!aço* "ada !e aflige0 ludo aproveito para !eu apri!ora!ento interior-
Euem &$ n*o se deu ma! em a!(um empreendimento" Euem &$ n*o teve um re!acionamento
7rustrado" Euem &$ n*o errou na vida) de uma maneira ou de outra"
1t; pessoas -ue s*o consideradas AsantasA) &$ con7essaram -ue erraram a!(um dia) e -ue ainda
tm muito -ue aprender.
Portanto) se a!(o -ue ten%a 7eito de errado) o est$ incomodando) a ponto de torn$=!o
preocupado ou in7e!iz) aproveite esse Atrope8oA) e observe o -ue atrav;s de!e) pode ser tirado de
bom ou -ue !i8*o deve aprender) e si(a em 7rente.
2*o essas experincias) consideradas do!orosas -ue) -uando bem aproveitadas) 7orta!ecem
nossa persona!idade e a&udam=nos a criar um 7uturo mais 7irme e promissor.
(6 ) Boas leituras
%fir!aço* ;udo leio0 !as retenho so!ente o que 5 bo!-
E!imine o %$bito de !er not'cias desa(rad$veis e pessimistas) sobre tudo e todos.
H$ revistas e &ornais -ue s*o especia!izados nisso) co!ocando todas as not'cias por uma ,tica
ne(ativa e) -uando 7azemos desse tipo de !eitura um %$bito) a!imentamos nossa mente com essas
vibra8>es nocivas) e em pouco tempo) vibramos na mesma intensidade.
2e procurar) encontrar$ sempre as mesmas not'cias) vistas de uma 7orma mais positiva) ou pe!o
menos) de uma 7orma neutra) deixando a op8*o da interpreta8*o individua!. 1!;m do mais) existem
muitos assuntos) aos -uais n*o dev'amos dar nossa aten8*o.
Crie espa8o em seu dia! para boas !eituras) bons !ivros) -ue !%es transmitam pensamentos
e!evados e construtivos.
(7 ) Proble!as
%fir!aço* Co! a a#uda divina0 todos os !eus proble!as esto sendo resolvidos/
#*o se desespere) %$ sempre uma so!u8*o para todas as coisas5 1s situa8>es) .s vezes) nos
aparecem de uma 7orma amedrontadora) 7azendo=nos sentir medo e inse(uran8a.
Lembre=se de momentos de sua vida) e -ue passou por prob!emas e a7!i8>es -ue acabaram se
reso!vendo.
2e no momento a!(o o incomoda) n*o desanime) pois n*o vai ser di7erente das outras vezes.
Tamb;m esse prob!ema ser$ reso!vido a -ua!-uer momento) de uma 7orma ou de outra.
1credite no poder divino) tudo ser$ reso!vido da me!%or maneira poss've!) se&a -ua! 7or a sua
di7icu!dade.
(: ) Cndeciso
%fir!aço* Daço tudo no !o!ento certo0 segundo !eus conheci!entos e !inha intuiço/
< -ue 7oi" Est$ indeciso por a!(uma coisa" 1!(o em particu!ar -ue merece sua decis*o n*o !%e
sai da cabe8a"
Doc ter$ sempre dois camin%os: ir ou 7icar+ 7azer ou n*o 7azer+ dizer sim ou n*o) e pronto5
3sando um termo popu!ar) n*o ?barri(ue@ suas decis>es com re!a8*o aos seus prob!emas)
sen*o e!es acumu!am e !%es sobrecarre(am.
Procure ana!isar cada situa8*o de uma 7orma criteriosa e sincera) e depois tome uma decis*o
com a certeza de -ue 7ez o me!%or) e n*o se preocupe mais.
0ma(ine se todas as decis>es -ue tiv;ssemos -ue tomar) nas m'nimas coisas do nosso dia)
deix$ssemos para depois. D$ at; para sentir a (rande ba(un8a e desordem -ue seria.
#*o prorro(ue suas decis>es) !ivre=se da d6vida e viva mais !eve e mais 7e!iz.
(< ) 'editaço
%fir!aço* Vivo intensa!ente0 e! paz e co! alegria-
:eserve a!(uns momentos) todos os dias) para meditar sobre a vida) n*o s, sobre a sua) mas a
vida em (era!.
0ndependentemente) das diver(ncias dos diversos credos re!i(iosos indicarem=nos para onde
vamos) ap,s a morte) uma coisa todos concordamos) um dia c%e(ar$ nossa %ora.
1 medita8*o sobre esse momento n*o nos deve trazer tristeza) ao contr$rio) deve 7azernos
pensar me!%or sobre os 7atos da vida e sobre a aten8*o -ue devemos dar a muitos deta!%es) at;
ent*o) re!e(ados.
Em cada dia) existem in6meras situa8>es para proporcionar=nos momentos de 7e!icidade e
a!e(ria. 4editemos sobre isso e procuremos viver um dia por vez) mas com muita intensidade.
(= ) Curta)se
%fir!aço* %doro !eu #eito de ser0 adoro a vida-
Por acaso) est$ se sentindo muito ma(ro ou (ordo demais" 3mas ru(uin%as &$ est*o
aparecendo) a barri(uin%a rea!8ando e os seus cabe!os &$ n*o s*o os mesmos" #*o entre nessa) pare
&$ de se preocupar com essas boba(ens5
Euando nos sentimos ?be!os@ por )dentro) essa ener(ia irradia=se de ta! 7orma -ue) assim
tamb;m nos tomamos) em nosso exterior.
1prenda a (ostar=se. Dedi-ue todo os dias) a!(uns momentos para si mesmo. /i-ue mais tempo
no ban%o) 7a8a exerc'cios) procure a!imentar=se saudave!mente) e use um vestu$rio -ue o 7a8a
sentir=se bem.
#*o precisa esperar ema(recer ou en(ordar para ser 7e!iz. #,s sempre ansiaremos por a!(o
mais) portanto) n*o espere mais nada) ten%a certeza) a be!eza &$ est$ em seu interior+ irradie=a a
todos e curta=se.
.? ) Euebre a rotina
%fir!aço* Daço se!pre algo diferente0 torno !inha vida !ais interessante-
Doc n*o est$ cansado de todo dia 7azer tudo da mesma maneira"
< mesmo %or$rio para !evantar) o mesmo tra&eto at; o traba!%o) os mesmos a7azeres) a mesma
nove!a) e o repouso) preparando=se para um novo dia) para 7azer tudo i(ua! novamente.
D um basta nisso5 4ude sua vida. Pe-uenas a!tera8>es &$ ser*o su7icientes para dar=!%e um
novo Bnimo.
4ude seus roteiros) veri7i-ue -uanta coisa nova %$ para voc observar. Passeie na %ora do seu
a!mo8o ou !anc%e) ve&a um bom 7i!me no v'deo) ou v$ ao cinema) ao teatro ou saia com os ami(os.
Euebre a rotina) %$ muito na vida esperando por voc.
.( ) %!e
%fir!aço* %!o a vida e tudo o que ela !e representa-
1!(umas pessoas ac%am -ue amor ; apenas a atra8*o -ue um ser %umano sente por outro+ mas)
n,s sabemos -ue e!e ; muito mais abran(ente.
< amor e uma express*o divina e) por isso) permeia todo o espa8o e tudo o -ue existe.
Para estarmos em %armonia com esse sentimento) procuremos dar a7eto e aten8*o a todas as
pessoas -ue convivem conosco) em nossa casa) em nosso traba!%o) no conv'vio socia!) en7im) a
todos a-ue!es -ue cruzam nossos camin%os.
#*o devemos es-uecer de -ue tudo o -ue existe deve ser ob&eto de nosso amor: os animais
Jnossos irm*os menores da cria8*oK) as p!antas) os 7avores da natureza) o a!imento -ue consumimos)
a $(ua) en7im) o pr,prio universo.
1me tudo e todos.
.. ) Dar se! pedir reco!pensa
%fir!aço* Partilho tudo o que tenho0 co! grande satisfaço-
9$ ouviu a!(u;m dizer: A-uando (an%ar na !oteria) vou a&udar muita (ente) vou 7azer isto) vou
7azer a-ui!o) e tantas outras coisas"@.
1(uardam a sorte (rande e) en-uanto e!a n*o sai) Jo -ue ocorre na maioria das vezesK n*o
a&udam nin(u;m) pois no momento) sentem=se impossibi!itados.
Eua!-uer observador atencioso veri7icar$) na natureza) a !ei da a8*o e rea8*o) ou a !ei da causa
e e7eito. <s m'sticos e espiritua!istas a con%ecem como !ei do Larma.
Todo ato nosso ter$ uma compensa8*o na mesma medida. 2e nada 7izermos por a!(u;m) nada
teremos de vo!ta+ mas) se&a o -ue 7or -ue 7izermos) mesmo um pe-ueno aux'!io a a!(u;m) teremos o
retomo) atrav;s da vida) de uma 7orma mu!tip!icada. .
O bom !embrar -ue tudo) mas tudo mesmo) -ue ; nosso) nos 7oi dado por Deus. 2aibamos
parti!%ar5
.1 ) %credite no be!
%fir!aço* &2 acredito no be!-
1!(umas vezes) as circunstBncias nos impe!em a pensamentos destrutivos e maus.
Por mais 7or8a -ue essas id;ias ten%am no momento) pare e re7!ita: o sentimento de ,dio ou
vin(an8a) na decis*o -ue -uer tomar) !%e trar$ a paz de esp'rito"
Pe-uenos atos do nosso dia=a=dia s*o decis>es tomadas) .s vezes) por motivos vin(ativos e) se
observarmos suas conse-Cncias) veri7icaremos -ue o prob!ema aumentou) ao inv;s de so!ucionar=
se.
Procure pa(ar o ma! com o bem) a in&6ria com o perd*o) . o7ensa com um sorriso) e veri7icar$
uma prote8*o invis've!) a7astando=o) !ivrando=o de todo o ma!.
.3 ) "o crie desgraças
%fir!aço* Espero s2 coisas alegres e saudáveis-
2e voc (uardar (rande -uantidade de ana!(;sicos) esperando o momento em -ue ter$ dor de
cabe8a) &$ estar$) em sua mente) criando a dor e a necessidade de us$=!os.
O c!aro -ue) em a!(uns momentos) esses rem;dios s*o necess$rios) mas 7icar enc%endo (avetas
com a certeza de -ue vai necessitar de!es) ; bem di7erente.
Da mesma 7orma) existem pessoas -ue poupam uma determinada -uantia por ms) n*o para ser
usada em a!(o proveitoso e saud$ve! no 7uturo) mas sim) a(uardando uma prov$ve! des(ra8a) para a
-ua! se&a necess$ria. /icam a(uardando e criando menta!mente) a!(o desa(rad$ve! -ue !%es possa
acontecer.
Temos -ue ser respons$veis) e uma reserva 7inanceira sempre ; muito importante) mas) da') a
7icarmos esperando a!(o desastroso) ; muito di7erente.
1credite) crie menta!mente situa8>es 7avor$veis e saud$veis) e ; exatamente isso -ue voc ter$5
.6 ) Daça u!a boa aço
%fir!aço* Procuro se!pre u!a oportunidade para ser 9til/
1&udar uma pessoa idosa ou um de7iciente 7'sico a atravessar uma rua) virou exemp!o de boa
a8*o) mas todos sabemos -ue e!a n*o se resume s, nisso.
Existem in6meras oportunidades) no nosso dia) de prestarmos a!(um servi8o e sermos 6teis ao
nosso seme!%ante ou a -ua!-uer ser da natureza.
Crie o %$bito) de todo o dia rea!izar pe!o menos uma boa a8*o.
Doc observar$ a a!e(ria -ue isso !%e proporcionar$ e com o tempo) com toda a certeza) todas
as suas a8>es ser*o 7oca!izadas no bem estar (era!.
.7 ) &aiba andar
%fir!aço* %ndo co! tranqFilidade0 e! paz e har!onia-
#a correria desen7reada -ue a vida moderna tem trans7ormado nossas vidas) acabamos
correndo de um !ado para outro) pensando sempre no pr,ximo compromisso) sem observarmos)
aproveitarmos e vivermos o momento presente.
1d-uira o %$bito de andar ca!mo e tran-Ci!o) procurando enxer(ar tudo . sua vo!ta) sentindo os
aromas e ouvindo os sons da natureza -ue) mesmo no turbi!%*o da cidade) se encontra presente.
1proveite todas as possibi!idades de viver intensamente seus momentos de vi('!ia) uti!izando
ao m$ximo todos os sentidos -ue Deus !%e 7acu!tou.
.: ) &aiba ver
%fir!aço* &2 ve#o o Belo e o retenho-
1 cada dia) desde o momento -ue despertamos at; o de cerrarmos nossos o!%os para o descanso
noturno) mi!%ares de ima(ens c%e(am ao nossos c;rebros.
1penas a!(umas dessas ima(ens) 7ixam=se e permanecem em nossa mente) a!(umas) de uma
7orma a(rad$ve!) e outras n*o.
< be!o existe em todas as coisas) ; apenas uma -uest*o de treinamento para -ue o sintamos.
Procure o be!o em tudo o -ue voc observar) mas procure mesmo) por-ue e!e existe em tudo.
1c%ando=o) reten%a=o em sua mente) para -ue o ar-uivo de sua mem,ria trans7orme se num imenso
e be!o &ardim.
.< ) &aiba ouvir
%fir!aço* Ouço todos e tudo+ s2 retenho o que 5 bo!-
2aber ouvir ; uma (rande -ua!idade) e n*o se trata apenas de apreciar boa m6sica.
Com a enorme -uantidade de in7orma8>es -ue nos c%e(am a cada instante) ; necess$rio -ue
saibamos o -ue reter em nosso 'ntimo.
1s not'cias nos c%e(am) .s vezes) deturpadas e incomp!etas) e isso 7az=nos ter) um &u!(amento
irrea! dos 7atos.
<u8a) medite e reten%a somente a-ui!o -ue se&a 6ti! e positivo.
Com o tempo) isso em voc) se processar$ %abitua!mente) e n*o necessitar$ nen%um es7or8o
para assim proceder.
.= ) % Palavra
%fir!aço* &2 co!ento o que 5 #usto0 perfeito e belo-
3m dos meios de exteriorizarmos nosso mundo interior e) conse-Centemente) atrairmos suas
vibra8>es seme!%antes) ; a pa!avra+ ou se&a) o -ue dissermos durante nosso dia) criar$ condi8>es -ue
nos a7etar*o diretamente.
2e n*o conse(uirmos) portanto) dizer coisas a!e(res e otimistas a respeito das pessoas e 7atos
-ue nos cercam) me!%or ser$ 7icarmos ca!ados.
#*o ; necess$rio deixarmos de opinar sobre os assuntos -ue nos cercam) o -ue precisamos) ;
n*o exa(erar os coment$rios depreciativos) a!ias) -ue s*o muito comuns.
Di(ie suas pa!avras e 7a8a de!as um instrumento) -ue irradiar*o 7or8a) otimismo) a!e(ria e
entusiasmo) a todos e a tudo) tendo o e-uiva!ente retomo) atrav;s das !eis divinas.
1? ) >elaciona!entos
%fir!aço* Convivo co! pessoas alegres e oti!istas-
Procure sempre a compan%ia de pessoas a!e(res e otimistas) isso vai a&ud$=!o a mudar seu
?astra!@.
1s pessoas tendem a unir=se em (rupos e amizades) com o mesmo tipo de tendncias. Demos
isto em v$rios setores: 7utebo!) m6sica) arte) etc...
Existem (rupos !i(ados ao ne(ativismo) vendo tudo de uma 7orma derrotista) sem nen%um
entusiasmo pe!a vida. /u&a de!es5
Em ambientes a!e(res e descontra'dos) voc encontrar$ pessoas -ue estar*o em sintonia com
e!es. /a8a parte desses (rupos e carre(ue sempre sua bateria menta! com bons re!acionamentos.
1( ) %utoconfiança
%fir!aço* Posso fazer tudo aquilo e! que acredito/
1credite -ue voc pode 7azer tudo o -ue rea!mente acreditar.
Pare de depender dos outros. Em seu interior existem 7or8as poderosas) -ue atrair*o tudo a-ui!o
-ue voc rea!mente -uiser.
Temos exemp!os not$veis na %ist,ria da %umanidade: Peet%oven era surdo) e voc) &$ ouviu
a!(uma de suas sin7onias" HenrT /ord) n*o nasceu em ber8o esp!ndido) tin%a apenas uma ri-ueza)
a autocon7ian8a) e provou isso ao mundo.
2e voc n*o con%ece a!(u;m -ue ten%a come8ado do nada e conse(uido (randes rea!iza8>es)
,timo) v* em 7rente) e se&a voc mesmo o exemp!o para mi!%ares de pessoas5
1. ) Esqueça o passado
%fir!aço* Vivo o !o!ento e! paz e alegria-
Euando recordamos o passado) a maioria dos 7atos -ue nos vm . mente) s*o coisas
desa(rad$veis. Fera!mente dos momentos 7e!izes) es-uecemos 7aci!mente e) se de!es nos
!embramos) sentimos tristeza por n*o mais os ter.
Euando !embramos a!(o desa(rad$ve! temos as mesmas sensa8>es da-ue!e momento) ta!vez
tristeza) desarmonia) so7rimento+ e trazemos para o presente as mesmas sensa8>es) dando com isso)
novamente) vida a e!as.
Portanto) desnecess$rio seria dizer: n*o comente ou viva do passado.
Existem pessoas -ue passam toda uma vida remoendo=se e c%oramin(ando por a!(o -ue !%es
aconteceu em um passado muito remoto.
Es-ue8a o passado) voc esta deixando de viver momentos maravi!%osos) tendo ainda) toda
uma vida) com muitos momentos 7e!izes.
Cada momento ; uma nova oportunidade de vivermos em paz e %armonia. Comece a(ora5
11 ) &e#a saudável
%fir!aço* &into)!e saudável e! todos os aspectos/
Crie uma ima(em positiva a seu respeito) ima(inando=se do &eito -ue (ostaria de ser) e comece
a sentir=se dessa maneira.
Procure criar %$bitos saud$veis e) se voc 7uma ou bebe demais) procure diminuir aos poucos) e
atrav;s do processo de cria8*o menta!) visua!ise=se s*o e) dessa 7orma) e!imine comp!etamente esses
v'cios.
1 sa6de ; um estado menta! e todos con%ecemos casos de pessoas -ue) atrav;s da 7; e da
determina8*o) !ivraram=se de doen8as at; ent*o) ?incur$veis@.
Procure !er e aprender sobre temas re!acionados . a!imenta8*o) respira8*o e exerc'cios 7'sicos)
e crie seu pr,prio modo de viver e sentir a vida.
13 ) ,se o !elhor
%fir!aço* ,tilizo o que há de !elhor G !inha disposiço-
#*o ten%a receio de usar boas roupas) ter um bom carro ou uma boa aparncia) por causa do
?o!%o (ordo@.
Diva com o -ue de me!%or a vida pode !%e o7erecer) e espere sempre mais.
/a8a uma !impeza em seu (uarda=roupas) doando as pe8as -ue voc est$ usando %$ um bom
tempo) e deixe o espa8o !ivre) a(uardando as novas -ue vir*o a voc.
Deve existir muita coisa em -ue voc se ape(a e 7ica usando at; o ?osso@) e com isso n*o
permite -ue a ener(ia circu!e e -ue novas coisas ven%am at; voc.
2inta=se pr,spero e ten%a a certeza de -ue) -uanto mais voc se preparar) e assim sentir=se)
mais a vida !%e proporcionar$.
16 ) &aiba onde quer chegar
%fir!aço* Ca!inho fir!e e deter!inado aos !eus ob#etivos-
9$ saiu por a' camin%ando) sem nen%um destino" Doc deve ter andado bastante e n*o ter
c%e(ado a !u(ar a!(um) o -ue ; evidente.
Embora possamos dar essas camin%adas para nosso re!axamento e distra8*o) na vida) andarmos
sem rumo certo) n*o nos traz os mesmos bene7'cios.
Ss vezes) acordamos) comemos) traba!%amos e vo!tamos a dormir) sem nen%um ob&etivo) sem
-uerermos c%e(ar a !u(ar a!(um.
O c!aro -ue a ansiedade de atin(irmos a!(umas metas) muitas vezes) pode nos estressar) mas)
sem meta a!(uma) temos a in;rcia) -ue ; muito pior.
4anten%a sempre presente em sua mente) seus ob&etivos) e sem pressa ou correria) camin%e
para e!es) podendo) durante o percurso) parar e descansar) mas nunca os perca de vista. .
Lembre=se) ten%a um (rande ob&etivo em sua vida) mas crie etapas intermedi$rias para c%e(ar
at; e!e.
17 ) Perdoe
%fir!aço* %ssi! co!o Deus perdoa !eus erros0 ta!b5! a todos perdAo-
Deus perdoa constantemente nossos erros) pois con%ece nossas !imita8>es e nossa i(norBncia
de suas !eis.
Todos (ostar'amos de acertar sempre) mas os erros tamb;m 7azem parte do aprendizado e) se
somos perdoados de todas as nossas 7a!%as e novas oportunidades recebemos a cada dia) por-ue n*o
perdoarmos tamb;m nossos seme!%antes) dos erros -ue cometem contra n,s) e !%es darmos novas
oportunidades"
Perdoar) incondiciona!mente) n*o ; sempre t*o 7$ci!) isso ; verdade+ mas podemos come8ar n*o
os criticando) ou n*o !%es dese&ando ma!) procurando aos poucos) es-uecer as o7ensas e) depois
disso) rezar por e!es 7icar$ muito mais 7$ci!) e essa atitude menta!) criar$ em n,s uma atmos7era de
paz e de %armonia) -ue muito nos auxi!iar$. .
Doc ver$ -ue ap,s a(ir dessa 7orma) 7icar$ muito mais 7$ci! meditar e orar a Deus e)
conse-Centemente) pedir perd*o pe!os seus erros.
1: ) "o se deixe afetar
%fir!aço* Crradio oti!is!o e paz/
#*o importa onde voc viva ou traba!%e) o ambiente n*o o deve pre&udicar.
4esmo -ue o !oca! em -ue voc passa a maior parte do seu dia) se&a considerado ne(ativo)
voc pode iso!ar=se menta!mente) criando uma prote8*o vibrat,ria -ue manter$) atrav;s da
medita8*o e cria8*o menta!) um ambiente saud$ve! s, para voc.
2e a presen8a de pessoas ne(ativas e de %armoniosas 7orem constantes) ent*o) antes de
!evantar=se) pe!a man%*) ore por e!as) pedindo a Deus) para -ue tamb;m descubram essa maneira
mais a!e(re e pr,spera de se viver.
2e o ambiente n*o estiver de acordo com o padr*o vibrat,rio -ue &u!(ar necess$rio) procure
mud$=!o. Doc pode5 .
1< ) Cr$ticas
%fir!aço* Estou continua!ente !udando para !elhor-
#em tudo ; s, e!o(ios. :ecebemos) constantemente) cr'ticas de todos os !ados e de todas as
maneiras.
H$ cr'ticas construtivas) e outras -ue n*o s*o. Cr'ticas existem) -ue n*o nos auxi!iam em nada)
pe!o contr$rio) s*o inve&osas e mes-uin%as) e estas) devem ser deixadas de !ado) n*o devendo dar a
e!as) a m'nima aten8*o.
H$) entretanto) cr'ticas 7eitas por pessoas interessadas em nosso bem=estar e pro(resso. 2*o
criteriosas e ponderadas) e estas sim) devem ser ana!isadas e aproveitadas em nosso modo de ser e
sentir.
1ntes) ent*o) de re7utar uma cr'tica) ana!ise de onde e de -uem e!a procede) e ap,s isso) se e!a
dever$ ou n*o ser aproveitada.
1s cr'ticas s*o como espe!%os) onde vemos re7!etidos os resu!tados de nossa 7orma de a(ir e
pensar.
1= ) Perseverança
%fir!aço* Ha!ais desani!o0 co! a a#uda divina0 tudo consigo-
Doc &$ deve ter ouvido a-ue!a %ist,ria do %omem -ue reso!veu atravessar) a nado) o cana! da
manc%a) e ap,s ter conse(uido mais da metade do tra&eto) cansou=se) e vo!tou) nadando at; o inicio.
Embora se&a en(ra8ado) ; o -ue acontece conosco na maioria das vezes.
Co!ocamos um ob&etivo em nossa mente) !utamos e traba!%amos muito para a!can8a=!o) a!(o
acontece e desistimos) deixando tudo o -ue 7izemos para tr$s) e vo!tamos ao ponto de partida.
2omente pessoas -ue acreditam em Deus e em si mesmas) conse(uem ir at; o 7im) atin(indo e
cumprindo seus ob&etivos.
2e&a 7orte) persista) &amais desanime ou desista. Doc vai conse(uir tudo o -ue a!me&a5
3? ) "o gaste !ais do que ganha
%fir!aço* ;udo o que dese#o virá a seu te!po-
3ma coisa ; voc acreditar -ue vai prosperar) ter muito din%eiro e (ozar a vida com menos
preocupa8>es) e outra) bem di7erente) ; voc sair por a') comprando tudo o -ue v pe!a 7rente)
acabando por se ato!ar em um amontoado de d'vidas.
3semos o bom senso: se voc vai prosperar) se acredita rea!mente nisso) o processo &$ se
iniciou) e se 7or a!imentado) constantemente) pe!os seus pensamentos) !o(o ser$ uma rea!idade) e
ent*o) todas as coisas -ue dese&a) e criou menta!mente) vir$ at; voc.
2aibamos) pacientemente) a(uardar o momento certo.
3( ) % força do pensa!ento
%fir!aço* &ou saudável0 pr2spero e feliz-
Tudo pode a-ue!e -ue acredita em si5
Doc pode criar menta!mente tudo a-ui!o -ue dese&ar para si e para os outros.
#osso pensamento ; uma das 7or8as poderosas -ue Deus nos concedeu para me!%orarmos
nossas vidas e conse-Centemente) coisas e pessoas . nossa vo!ta.
Com certeza) voc &$ teve in6meras oportunidades de comprovar o -ue estamos dizendo.
2e nossos pensamentos e nossas cria8>es mentais 7orem sempre de situa8>es positivas) a!e(res)
pr,speras e 7e!izes) ser$ tudo isso -ue encontraremos em nossos camin%os.
3. ) &e#a feliz
%fir!aço* % felicidade está e! !i!-
1!(umas pessoas tm at; medo de dizerem -ue s*o 7e!izes) pois ac%am -ue) se assim se
mani7estarem) v*o pe(ar Ao!%o (ordoA ou -ue a!(o ruim !%es acontecer$) trazendo=!%es
aborrecimentos.
2e assim pensam) com certeza) assim !%es acontece.
Embora muito se 7a!e sobre destino e Larma) ; bom -ue se !embre -ue somos n,s -ue
constru'mos ou criamos nosso 7uturo e) se estamos 7e!izes) no momento) sem d6vida n*o ; por
descuido divino.
Curta a 7e!icidade a(ora) procurando=a na in7inidade de motivos -ue certamente voc possui.
#as m'nimas coisas encontrar$) se -uiser) motivos de prazer e de a!e(ria.
2e&a 7e!iz) a(ora e sempre) a7ina!) voc merece5
QUAD! D" #$%&'A
( ) * + , -
. / 0 (1 (( ()
(* (+ (, (- (. (/
(0 )1 )( )) )* )+
), )- ). )/ )0 *1
*( *) ** *+ *, *-
*. */ *0 +1 +( +)

Interesses relacionados