Você está na página 1de 9

A IMPORTÂNCIA DA DRENAGEM LINFÁTICA NO PÓS

-
OPERATÓRIO IMEDIATO DE LIPOASPIRAÇÃO
¹ MONTEIRO, ANDREIA BRAGA
² VIVIANE DUARTE
(SE PUDER CORRIGIR OS NOMES ACIMA; n! "#$ "# #"%& '#(%!) O*+A O GUIA
DE TCC DUARTE, VB
¹ Acadêmica do Curso Superior de Tecnologia de Estética e Cosmética da UNIGRANRIO
² ro!essora Cola"oradora do Curso Superior de Tecnologia de Estética e Cosmética da
UNIGRANRIO
RESUMO
A lipoaspira#$o consiste na remo#$o cir%rgica de gordura su"cut&nea' atra(és de
press$o negati(a) Ainda *ue tal procedimento se+a altamente e!ica,' *uando "em
indicado e "em reali,ado' e-istem riscos inerentes ao ato cir%rgico) A lipoaspira#$o
constitui uma agress$o tecidual *ue' mesmo "em direcionado' pode pre+udicar a
!uncionalidade deste tecido) O atendimento p.s/operat.rio da cirurgia de lipoaspira#$o é
de e-trema import&ncia na rea"ilita#$o do paciente operado)
A drenagem lin!0tica é a técnica mais procurada e importante na 0rea do p.s/
operat.rio de lipoaspira#$o' de(ido sua e!ic0cia e pre(en#$o precoce de edemas'
1ematomas' seromas' !i"rose' aderência' e*uimoses' entre outros) 2oi constatado *ue a
drenagem lin!0tica manual' *uando indicada precocemente' promo(e uma acelera#$o na
rea"sor#$o do edema e poss3(eis complica#4es p.s/ operat.rio de lipoaspira#$o)
P,*,-(,"-'+,-#" . 5ipoaspira#$o' drenagem lin!0tica' p.s/operat.rio' sistema lin!0tico)
INTRODUÇÃO
Na atualidade' e-iste uma "usca
constante pelo corpo ideal in!luenciada pelo
meio de comunica#$o' le(ando os
indi(3duos a procura de cirurgias pl0sticas'
*ue podem proporcionar essa
trans!orma#$o) As pessoas s$o su"metidas
a tais procedimentos para mel1orarem sua
autoestima' "em estar e corrigir cicatri,es e
se*uelas muitas (e,es dei-adas pela
pr.pria cirurgia 6A7E5AR' 8999:)
Na década de ;9 !oi criada a
lipoaspira#$o' procedimento cir%rgico para a
retirada de tecidos adiposos acumulados
em pe*uenas regi4es do corpo 6<ATTOS'
A5C<' 899=:)
A lipoaspira#$o é uma técnica cir%rgica
*ue consiste em retirar e-cesso de gordura
em regi4es do corpo' onde o
emagrecimento n$o !oi o su!iciente e o
e-cesso de gordura regionali,ada
permanece) orém' no p.s/operat.rio
podem ocorrer e(entuais *uadros cl3nicos
como> edemas' !i"roses' 1ematomas e
outros 6CEO5IN et a5' 899; :)
A lipoaspira#$o é reali,ada atra(és de
pe*uenas incis4es por onde s$o
introdu,idas c&nulas *ue aspiram gordura
locali,ada por meio de press$o a (0cuo)
Esse procedimento cir%rgico pode ser
reali,ado com anestesia local 6peridural: ou
geral' dependendo da *uantidade de
gordura a ser retirada 6<ATTOS' A5C<'
899=:)
A Sociedade ?rasileira de Cirurgia
l0stica esta"elece um limite seguro de
retirada de gordura' *ue n$o pode e-ceder
sete por cento 6@A: do peso total do
paciente) Se esse limite !or ultrapassado'
aumentam os riscos de complica#4es
cir%rgicas como o tempo da cirurgia' a
perda sangu3nea e as irregularidades 6como
por e-emplo' uma so"ra de pele no p.s/
operat.rio: 6<ATTOS' A5C<' 899=:)
No passado' a lipoaspira#$o pro(oca(a
intensas complica#4es p.s/operat.rias'
dentre as *uais pode/se citar os
1ematomas' as in!ec#4es' a em"olia
gordurosa' a trom"ose e as per!ura#4es
de(ido o uso do método BsecoC' sem
nen1uma in!iltra#$o li*uida) Em DE;@'
Fe!!reG Hlein desen(ol(eu a técnica
tumescente' em *ue é !eita a in!iltra#$o
su"cut&nea de grande (olume de solu#$o
contendo "ai-a concentra#$o de epine!rina'
"icar"onato de s.dio e lidoca3na' com
o"+eti(o 1emost0tico e anestésico)
6UTIAIA<A' I' C1iacc1io' 899J:)
O uso com"inado de terapias como
drenagem lin!0tica manual com ultrassom'
endermologia' in!ra(ermel1o e outras'
podem diminuir a e-tens$o da !i"rose
6ondula#$o causada por uma rea#$o do
organismo no local onde !oi introdu,ida a
c&nula para aspira#$o da gordura: e !a,em
com *ue o corpo rea+a mel1or) Sendo
assim' reali,ar sess4es de drenagem
lin!0tica a partir do dia seguinte a cirurgia'
!acilita a modelagem corporal'mel1ora a
cicatri,a#$o e acelera a recupera#$o
6Cer(0sio'89D9:) Esta pes*uisa tem como
o"+eti(o geral de analisar os e!eitos da
drenagem lin!0tica manual no p.s/
operat.rio imediato de lipoaspira#$o)
METODOLOGIA
ara alcan#ar os o"+eti(os propostos !oi
reali,ada uma pes*uisa so"re o tema nas
"ases de dados SCIE5O 6Scienti!ic Eletronic
5i"rarG Online: e em li(ros e artigos
cient3!icosK em sites como da S?C
6Sociedade ?rasileira de Cirurgia l0stica:
DESENVOLVIMENTO
S$"%#/, L$n0&%$'!
ara entendermos mais so"re a
drenagem lin!0tica' (amos entender um
pouco so"re o sistema lin!0tico) A anatomia
do sistema lin!0tico é estudada desde os
prim.rdios' ainda *ue 1a+a grande
di!iculdade de(ido ao delicado aspecto e a
colora#$o transl%cida dos (asos lin!0ticos)
Autores como 5educ' apresentam o sistema
lin!0tico e o di(idem em componentes'
dentre as *uais podemos citar> os capilares
lin!0ticos' (asos pré/coletores' os troncos
lin!0ticos' o ducto lin!0tico' lin!onodos e
lin!a) L um sistema *ue transporta a lin!a
da peri!eria ao centro em um sentido %nico)
Esse sistema n$o possui um .rg$o
"om"eador e associa/se a estruturas
denominadas lin!onodos) 2a,em parte desse
sistema os (asos lin!0ticos e o tecido
lin!oide' *ue est0 presente em .rg$os como
o intestino e !orma outros como os
lin!onodos' "a#o' timo e as am3dalas) A
circula#$o lin!0tica é o !inal de um processo
*ue se inicia com o sistema sangu3neo
6?ORGES' 899M:)
O !luido 6lin!a: dos tecidos *ue n$o (olta
aos (asos sangu3neos é drenado para os
capilares lin!0ticos e-istentes entre as
células) Estes se ligam para !ormar (asos
maiores *ue desem"ocam em (ias *ue
c1egam ao cora#$o atra(és dos capilares
lin!0ticos e estes coletam a lin!a nos (0rios
.rg$os e tecidos sendo em maior
*uantidade na derme da pele 6GUITONK
Nall' DEE@:)
Os (asos lin!0ticos condu,em a lin!a
dos capilares lin!0ticos para a corrente
sangu3nea) N0 (asos lin!0ticos super!iciais e
(asos lin!0ticos pro!undos) Os super!iciais
est$o so" a pele acompan1am (ias
super!iciais) Os pro!undos' em menor
n%mero' porém maiores *ue os super!iciais'
acompan1am os (asos sangu3neos
pro!undos' mas todos os (asos lin!0ticos
têm (0l(ulas unidirecionais *ue impedem o
re!lu-o' como no sistema (enoso da
circula#$o sangu3nea) 6GUITONK Nall DEE@:)
O sistema lin!0tico é considerado como
um sistema de Blimpe,aC corporal) <esmo
tendo se desen(ol(endo +untamente com o
(enoso' como parte do es*uema circulat.rio
de retorno' ele di(ersi!ica e participa de
outros !enOmenos como os in!ecciosos'
carcinomatosos e imunit0rios) A !un#$o de
interc&m"io e capta#$o de l3*uido dos
espa#os intersticiais' para transport0/los
!inalmente ao sangue é primordialK sem a
elimina#$o das prote3nas destes espa#os'
pro(a(elmente morrer3amos em (inte e
*uatro 68=: 1oras) Os capilares lin!0ticos
têm suas células su+eitas a !ilamentos de
ancoragem *ue regulam a passagem de
macromoléculas 6GOPOI' ?E5CQAH'
GOPOI' 899R:)
L$1!,"1$(,2!
Illou, introdu,iu a lipoaspira#$o para o
mundo em DE@E 6Illou, I) ?odG' DE;J:)
Como todo procedimento no(o' nos
primeiros anos' ocorreram muitas
complica#4es' como> irregularidades'
depress4es' 1ematomas' seromas' !adiga
por anemia' per!ura#$o de ca(idade
a"dominal e ."ito 6Teimourean ?RS'
GRAQER 2PFR' 8999:)
A técnica cir%rgica da lipoaspira#$o
e(oluiu ao longo dos anos' passando do
método BsecoC' em *ue n$o 10 in!iltra#$o
local de solu#$o anestésica' podendo
resultar em sérias complica#4es p.s/
operat.rias' para a técnica tumescente'
com a utili,a#$o de solu#$o de Hlein' *ue
diminui os riscos p.s/cir%rgico 6UTIAIA<A'
I' C1iacc1io:)
A técnica tumescente en(ol(e a
in!iltra#$o su"cut&nea de grande (olume de
solu#$o' contendo "ai-a concentra#$o de
lidoca3na' epine!rina e "icar"onato de s.dio
com o o"+eti(os anestésicos e 1emost0ticos
6H5EIN FT' DEE9:)
2oi compro(ado *ue o limite de dose
m0-ima de lidoca3na' de @mgUVg' n$o se
aplica para anestesias locais tumescente no
tecido adiposo' com a utili,a#$o da solu#$o
de Hlein) O limite seguro proposto era de
JRmgUVg' ou se+a' cinco (e,es acima do
con(encional) osteriormente !oi
compro(ado' sendo 1o+e aceito
uni(ersalmente' *ue o limite seguro para
liposuc#$o seria de RRmgUVg 6?erggren R?'
DEE9:)
Segundo a S?C e o C2< 899J' e-istem
três (ari0(eis maiores a serem analisadas
para de!inir os limites da lipoaspira#$o>
• O (olume aspirado' *ue n$o de(e
ser maior *ue sete por cento
6@A: do peso corporalK
• A composi#$o do aspirado' *ue
(aria con!orme a in!iltra#$o
utili,ada e regi$o aspiradaK
• A super!3cie corporal aspirada'
pois *uanto mais e-tensa a 0rea'
maior ser0 o dano)
Alguns critérios de seguran#a de(em ser
a(aliados no pré/operat.rio' como
medicamentos em usoK ta"agismo' 3ndice
de massa corp.rea' entre outros)
<edicamentos *ue alteram a coagula#$o'
como 0cido acetil/salic3lico' 1eparina' anti/
in!lamat.rios' (itamina E' 1ormOnios e
ginVgo "ilo"a' de(em ser suspensos pelo
menos D semana antes da cirurgia) Os
anore-3genos' por impregnarem as !i"ras
do mioc0rdio' de(em ser suspensos pelo
menos uma semana antes da cirurgia)
Tam"ém os sedati(os' *ue competem com
a 5idoca3na no meta"olismo 1ep0tico'
*uando a cirurgia !or com anestésicos locais
6S?C' 899J:)
A"uso de 0lcool e drogas nos dias *ue
antecedem a cirurgia de(e contra indicar a
cirurgia pela pro"a"ilidade de intera#$o
com os medicamentos anestésicos e com
in!iltra#$o 6Nug1es C)' 899D:)
Assim como em *ual*uer cirurgia' o
ta"agista tem maior pro"a"ilidade de
complica#4es' com recupera#$o mais lenta
pelas altera#4es (asculares *ue causa) N$o
de(e ser !ator isolado para contraindica#$o
de cirurgia' mas de(e ser considerado
dentro de uma a(alia#$o pré/operat.ria
completa 6Nug1es C' 899D:)
A rela#$o entre o peso e a altura ao
*uadrado 6UA²: é de!inida como I<C' e
tem sido cada (e, mais utili,ada para
indica#$o cir%rgica) Assim' 5ipoaspira#$o
em pacientes com I<CWJ9' ou se+a'
paciente o"eso classe I tem contraindica#$o
relati(a' e acima de JR a contraindica#$o é
a"soluta' pois têm maior incidência de risco
respirat.rio pela seda#$o' risco maior de
complica#4es circulat.rias' in!ecciosas e
maior tempo de recupera#$o 6Pe Fong
RG2<' 899DK Ro1ric1 R?S2' DEEEK Nug1es
C)' 899D:)
Com o re!inamento da técnica cir%rgica'
mel1ora dos e*uipamentos utili,ados e
mel1or sele#$o de pacientes' a mor"idade e
mortalidade relacionada X lipoaspira#$o
diminu3ram) Isso atrai tam"ém pro!issionais
n$o treinados' principalmente pelo apelo
comercial de uma cirurgia simples' segura'
com cicatri,es m3nimas' sem necessidade
de interna#$o' reali,ada em consult.rio ou
unidades am"ulatoriais e remo#$o de
grandes (olumes de gordura aspirada' o
*ue aca"ou le(ando a um grande n%mero
de complica#4es 6Commons GN?'899DK
Paane SRS?' DEEE:)
Nas %ltimas três décadas' a lipoaspira#$o
(em sendo aper!ei#oada' redu,indo a
in(as$o da cirurgia e preser(ando a
circula#$o local 6Illou,' DE;JK Hat, ?E'
899D:)
A e!iciência da circula#$o sangu3nea e
lin!0tica é determinante no processo de
cicatri,a#$o' no trauma agudo ou na
in!lama#$o crOnica 6 GUIRRO' E' GUIRRO'
8998:)
Na lipoaspira#$o' o trauma mec&nico
pro(ocado pelo instrumento cir%rgico
promo(e um intenso processo in!lamat.rio
*ue indu, a agrega#$o das pla*uetas *ue
culmina na coagula#$o e por !im' na
!orma#$o de um molde de !i"rina *ue
preenc1e a !erida 6HedeK Sa"oto(ic1'
899J:)
No p.s/operat.rio' o tra"al1o do
tecn.logo em estética tem sido amplamente
indicado de(ido aos e(entos cl3nicos
comuns' como edema' e*uimose' retra#$o
cicatricial' 1ematomas' !i"roses e outros) O
edema pode persistir de três a *uatro
semanas meses) orém' com o
acompan1amento' pode/se o"ser(ar sua
recidi(a em até sete semanas 6Sil(ia'
899D:)
A técnica mais indicada no p.s/
operat.rio e lipoaspira#$o é a drenagem
lin!0tica manual' com e!eito direto na
circula#$o sangu3nea' redu,indo o edema'
atuando so"re o meta"olismo' na
desinto-ica#$o do tecido e mel1orando a
nutri#$o das células 6<AUAP' 899;:)
D(#n,3#/ L$n0&%$',
A drenagem lin!0tica manual !a, com
*ue a pele (olte ao aspecto normal e
saud0(el mais r0pido ap.s uma
lipoaspira#$o atra(és dos mo(imentos
sua(es' r3tmicos e lentos *ue promo(em a
desinto-ica#$o dos tecidos e mel1orando a
nutri#$o e o-igena#$o celular 6Sinter'
DEER:) Ela é uma técnica espec3!ica' com o
o"+eti(o de!inido' !oi introdu,ido por 7odder
6Aleman1a: e recentemente por 5educ
6?ru-elas: 6RI?EIRO' DEE;:)
A di!eren#a entre os autores est0 no tipo
de mo(imento usado) Os mo(imentos de
7odder s$o com"inados' s$o amplos e
passi(osK +0 5educ prop4e *ue a drenagem
se+a utili,ada em protocolos de algumas
doen#as' sendo *ue seus mo(imentos s$o
mais restritos comparados aos de 7odder
6ITA et a5' 899@:)
Nos traumas mec&nicos' como na
cirurgia pl0stica de lipoaspira#$o' pode
1a(er altera#$o estrutural ou !uncional dos
(asos lin!0ticos causados por lacera#$o ou
compress$o 6<ARY A' CamargonKDE;M:)
Essa o"stru#$o mec&nica modi!icar0 o
e*uil3"rio das tens4es' resultando
ine(ita(elmente em edemas 6QNOSS'
S1mel, A' 899=:)
A indica#$o de drenagem lin!0tica em
cirurgia pl0stica é "asicamente para a
retirada de edema e-cessi(o encontrado no
interst3cio) E ainda assim' s. teremos a
redu#$o de!initi(a deste edema *uando
1ou(er diminui#$o da secre#$o de cortisol'
*ue é li"erado durante o processo de
in!lama#$o' reparo e no término da
!orma#$o do tecido cicatricial' em torno de
(inte 689: a *uarenta e dois 6=8: dias
6SCHSARTQ' DE;@:)
O tratamento inicia/se na !ase aguda'
pois a drenagem lin!0tica é um recurso para
tratar as conse*uências das altera#4es
(asculares' caracter3sticas da !ase inicial
6edema:) orém' de(emos le(ar em conta
*ue a cicatri,a#$o ainda é recente' e a
aplica#$o da técnica de(e ser o mais sua(e
poss3(el' e(itando desli,amentos e tra#4es
no tecido em cicatri,a#$o) 6?ORGES' 899MK
GUIRRO' E' GUIRRO' 8998:)
Além das !un#4es descritas acima' a
drenagem lin!0tica au-ilia na repara#$o de
per3metro' pois o !i"rinogênio da lin!a é o
elemento respons0(el pela !orma#$o de
co0gulos' *ue dar$o origem a "arreira
protetora das les4es) O trauma agudo ou a
in!lama#$o crOnica no processo de
cicatri,a#$o dependem inteiramente da
e!iciência da circula#$o sangu3nea e lin!0tica
6?ORGES' 899M:)
O simples to*ue proporcionado pela
drenagem lin!0tica manual promo(e uma
redu#$o de dor' !i"rose' edema'
rela-amento e sensa#$o de le(e,a 6A<ARA5
et al' 899R:)A drenagem drena os l3*uidos
e-cedentes *ue "an1am as células'
mantendo desta !orma o e*uil3"rio 13drico
dos espa#os intersticiais e tam"ém pela
e(acua#$o dos de+etos pro(enientes do
meta"olismo celular 65educ e 5educ' 899@:)
A drenagem produ, um aumento da
a"sor#$o' do transporte e do !lu-o lin!0tico
super!icial da lin!a mais rapidamente)
Estimula tam"ém pe*uenos capilares *ue
se encontram e aumenta a motricidade da
unidade lin!0tica) A drenagem lin!0tica
manual é uma técnica espec3!ica
representada por um con+unto de
mano"ras' *ue atuam "asicamente so"re o
sistema lin!0tico super!icial' (isando X
o"ten#$o da drenagem do e-cesso de
l3*uido acumulado no interst3cio' nos tecidos
e dentro dos (asos' por meio das
anastomoses super!iciais lin!0tica' 0-ilo/
a-ilar e 0-ilo/ inguinal) Sendo assim' as
mano"ras reali,adas s$o denominadas de
e(acua#$o e capta#$o 6GA5INO' SI57A e
Santos' 89D9:)
A drenagem lin!0tica manual se !a,
importante mesmo *ue n$o ocorra o
comprometimento do sistema lin!0tico' mas
até mesmo *uando em so"recarga' como
na lipoaspira#$o) O tratamento inicia/se
ainda na !ase aguda' pois a drenagem
lin!0tica é um recurso imediato para o
tratamento de lin!a *ue est0 no interst3cio'
retirando o ac%mulo de l3*uido mel1orando
assim a o-igena#$o' circula#$o sangu3nea
dos tecidos e au-iliando na tecidual
6A5TO<PRE E <ACNAPO' 899M:)
CONCLUSÃO
Ao se optar por reali,ar uma cirurgia
pl0stica' é necess0rio *ue a pessoa ten1a
consciência dos cuidados *ue de(em ser
tomados no p.s/operat.rio e de poss3(eis
complica#4es *ue podem ocorrer nesse
per3odo) 2icou claro *ue a drenagem
lin!0tica manual é o maior aliado no p.s/
operat.rio de lipoaspira#$o)

REFER4NCIA- C!*!',( n5/#(,2! n,
6$6*$!3(,0$, #/ 0!*+, "$/1*#"
• Amaral G<G) Satos GA' Sim4es
NP) Drenagem Linfática: Uma
Revisão Bibliográfica. Zon/line[)
Zcapturado em 899R out) 9=[)
Pispon3(el em> 7R5>
1ttp>UU\\\)i"ratiscola)com)"rUart
igosUartigosdrenagemlin!atica8)p1
p )
• A5TO<ARE E <ACNAPO) Cirurgia
Plástica: Terapêutica pr e p!s.
In> ?ORGES) 2)S) Dermato
"uncional # $o%ali%a%es.
Terapêuticas nas Disfun&'es
(stticas. S$o aulo> 1orte'
899M
• A7E5AR' Fuare, <orals) Cirurgia
Plástica: )briga&ão %e $eio e *ão
)briga&ão %e "im %e Resulta%o.
S$o aulo> Nip.crates' 8999)
• ?erggren R?) Liposuction # +,at
it +ill an% +on-t Do. 5iposuction
ost Graduate <edicine) DEE9K ;@
6M:
• ?ORGES' 20"io dos Santos)
Dermato "uncional: $o%ali%a%es
Terapêuticas nas Disfun&'es
(stticas. S$o aulo> 1ortes'
899M)
• Ceolin' <)<K 8 ROSAS'R)2) (feitos
%a Drenagem Linfática $anual no
P!s #)perat!rio (me%iato %e
Lipoaspira&ão no .b%/me. Re(ista
23sico ?rasil' Santa Catarina'
<);@' ano DD p)=J/=@' 2e() 899;)
• Cer(0sio' 7)P) P!s0 )perat!rio
1mportante para o 2ucesso %a
Lipo: mul,eres:
]1ttp>UU"ele,a)terra)com)"rUmul1
erUinternaU9''9UDDDRE;=/
ED@M9R)1tmlW acesso em
Setem"ro de 89D9)
• Commons GN?' C1ang CC) Large
3olume Liposuction: . revie4 of
567 Consecutive Cases )ver 78
9ears. lastic and Reconstructi(e
SurgerG 899DK D9;> D@RJ/MJ)
• Paane SRS?) .nal:sis of
$et,o%s for Reporting 2everal
an% $ortal Lipoplast:
Complications. A Est1etic lastic
SurgerG DEEEK 8J 6R:> J9J/M
• Galino' 5)G)K Sil(a' <)<)K Santos'
F)<) (feitos %a Drenagem
Linfática $anual na ;estante:
Revisão 2istemática %e (nsaios
Cl<nicos .leat!rios. Pispon3(el
em> ]1ttp>UUinter!isio)com)"rU^
artigo_IP`=J=_url`e!eitos/da/
drenagem/lin!atica/manual/
nagestante/re(is$p/sistematica/
de/ensaios/clinicos/aleatoriosW)
• GOPOI' F)<))> ?elCQAH' C)E)a)K
GOPOI' <)2)E) Rea"ilita#$o
5in!o(enosa) Rio de Faneiro> Pi
5i(ros' 899R)
• Gra,er 2PFR. "atal )utcornes
from Liposuctions: Census 2urve:
of Cosmetic 2urgions. lastic and
Reconstructi(e SurgerG) 899K
D9R>=JM/=M)
• GUIRRO'E'GUIRRO'R) "isioterapia
em (sttica: "un%amentos=
Recursos e Patologias) S$o aulo'
Z8998[> Editora <anole)
• GuGlon' A)C)K NA55) F)E) Trata%o
%e "isiologia $%ica. R)ed) Rio de
Faneiro> Guana"ara Hoogan'
DEE@)
• Nug1es C) Re%uction of
Lipoplast:0Ris>s an% $ortalit:: .
an .2.P2 2urver:. A Est1etic
SurgerG Fournal 899DK 8D 68:>
D89/R)
• Illou, I) Bo%: Countoring b:
Lipol:sis: . ? 9ear (@perience
4it, )ver 6AAA Cases. lastic and
Reconstructi(e SurgerG DE;JK @8>
RED/@)
• Hat, ?E' ?rucV <C' Coleman S
J
rd
) T,e Benefits of Po4ere%
Liposuction 3ersus Tra%itional
Liposuction: . Paere%
Comparision .nal:sis. Permatol
Surg /899DK 8@6D9:> ;MJ/@
• HEPE' <))7)' SA?ATO7ICN)
Dermatologia (sttica. D)ed) S$o
aulo> At1eneu' 899J)
• Hlein FA) Tumescint Tec,niBue for
Regional .nest,esia Permets
Li%ocaine Dose of 6?mgC>g for
Luposuction. F) Permatol Surg
Oncol DEE9K DM> 8=;/8MJ)
• 5educ' AK 5educ'O) Drenagem
Linfática: Teoria e Prática. J)ed)
?arueri> <anoele' 899@)
• <ar- A' Camargo <) "isioterapia
no (%ema Linfático. S$o aulo>
anamedK DE;M)
• <attos' A5C<) Lipoaspira&ão e
Lipoescultura Corporal= uma
Tcnica em Discussão. 899=)
Pispon3(el em>
1ttp>UU\\\)am!)org)"rUartigodere
(isao)doc )
• <AUAP'R) (sttica e Cirurgia
Plástica: Tratamento no pr e p!s
operat!rio. Jb S$o aulo> Senac'
899;)
• ita' ?)R) et al) Drenagem
Linfática. Inter!isio' Rio de
Faneiro' D@ de Pe,em"ro de
899@) Pispon3(el em>
1ttp>UU\\\)inter!isio)com)"rUinde
-)asp^id`JDR_ac`D_id`DJ
acesso> D; de maio de 899;)
• RI?EIRO' Penise Rodrigues)
Drenagem Linfática $anual e
Corporal. Med) S$o aulo' DEE;)
Editora Senac) )D=/8E)
• S?C) ParDmetros %e 2eguran&a
em Lipoaspira&ão. S$o auloK
899J)
• Sil(a' P)?). "isioterapia Dermato
"uncional como PotencialiEa%ora
no pr e p!s0 operat!rio %e
Cirurgia Plástica. 2ISIO_Terapia'
S$o aulo' 7) 8;' n)R' p)D8/DR'
AgoUSet) 899D)
• ScV\art, S) Princ<pios %e
Cirurgia. Rio de Faneiro>
Guana"ara HooganK DE;@
• Teimourean ?RS) . *ational
2urve: of Complications
.ssociate% 4it, 2uction
Lipecton:: . Comparative 2tu%:.
lastic and Reconstructi(e
SurgerG DE;E> ;=> M8;/JD)
• UtiGama I) C1iacc1io NP'
IOHO<IQO 7' ?enemond T<'
<etelmann U) (stu%o
retrospectivo %e 8FF
Lipoaspira&'es RealiEa%as no
2ervi&o %e Dermatologia no
Gospital %o 2ervi%ores PHblico
$unicipal %e 2ão Paulo. An ?ras
Permatol) 899J' @;6=:> =JR/=8)
• Sinter' S)R) Drenagem Linfática
$anual. 8ed) Rio de Faneiro> 7ida
Estética' DEER)
• Q1o\ S' Sc1mel, A' Seu!!erlein T'
5i I' QNAO F' ?ac1em <G)
$)L(CUL.R $ec,anisms of Lo4
1ntensit: Pulse% Ultrasoun% in
Guman 2>in "ibroblasts.
F)"iol)c1em) 899=K 8@8 6R8:>
R=)=MJ/ME)