Você está na página 1de 5

1

AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES

COMO PODEM OS PROFESSORES DERROTAR ESTA LEGISLAÇÃO

Nota Introdutória

Colegas, ao longo da marcha da humanidade, desde a antiguidade, ficou


demonstrado que a inteligência vence sempre a força bruta, a arrogância e a
prepotência. Mesmo quando esta força bruta consegue alguma pretensa
vitória, ela é sempre efémera e os valores de justiça e solidariedade acabam
por se impor.
100 000 Professores manifestaram-se no dia 08 de Março de 2008,
numa “marcha da indignação” contra um governo e uma equipa ministerial que,
desde 2005, nada mais tem feito que desvalorizá-los, humilhá-los, desautorizá-
los e manipular a opinião pública contra eles.
Nunca os verdadeiros interesses do Ensino Público, da qualificação, da
formação e da valorização dos recursos humanos foram o principal objectivo
desta equipa ministerial e deste governo.
É hoje notório que este ministério da educação foi empossado com dois
objectivos políticos prioritários: o primeiro, era o de criar mecanismos
administrativos que impedissem a maior parte dos professores de progredir na
carreira, e, portanto, poupar milhões e milhões de euros aos cofres do estado;
o segundo, era o de criar uma máquina propagandística que fizesse crer à
opinião pública que o insucesso estava a diminuir drasticamente devido à sua
acção, o número de alunos estava a aumentar nas escolas e por último que se
apostava em grande na qualificação dos recursos humanos.
Nada mais falso… O insucesso não diminui por decreto. Assim como os
acidentes rodoviários nunca diminuirão por decreto, mas antes pelo aumento
da educação e civismo dos cidadãos, aliados a medidas de prevenção
rodoviária ao longo de dezenas de anos. Também o insucesso escolar é fruto
entre outros, do tipo de formação cultural e da estrutura socioeconómica da
nossa população. Querer resolver o insucesso escolar em três ou quatro anos
2

é mera questão propagandística que se baseia numa pressão intolerável


sobre os professores, para que estes, administrativamente, acabem com ele.
As estatísticas podem dizer que o insucesso está a diminuir, mas o
conhecimento, a educação, os valores e a civilidade estão claramente num
plano inclinado descendente, nas nossas escolas e na sociedade, porque
essas não são as prioridades deste ministério nem deste governo.
Relativamente ao aumento do número de alunos nas escolas, ele é
meramente conjuntural, e, se bem que muito positivo, ele não representa uma
vaga de fundo que contrarie o abandono escolar por motivos económicos e
educacionais, cujas causas não estão na escola, mas na sociedade e nos seus
graves problemas.
Quanto à qualificação dos recursos humanos, o exemplo de toda a
falsidade da política deste governo e deste ministério são as “Novas
Oportunidades”. Não há, nem nunca houve, maior traficância de

habilitações literárias em Portugal, do que o programa “Novas


Oportunidades”.
Dezenas de milhares de portugueses com a antiga “quarta classe” ou
pouco mais do que isso, são habilitados com o nono ano, em apenas três
meses. Nada de transcendente aprendem que verdadeiramente os qualifique,
mas preenchem as estatísticas que em 2009 serão exibidas em época de
eleições, como um passo fundamental no progresso futuro do país… Ó
Portugal que tão mal vais…
Mas o que se passa nas “Novas Oportunidades” a nível do
secundário é muito mais grave. Dezenas ou centenas de milhar de
candidatos provenientes das “Novas Oportunidades” do terceiro ciclo,
lançam-se na aventura de conseguirem o diploma do décimo segundo
ano. É legítimo. Pois se fazer o terceiro ciclo foi tão fácil porque não continuar?
O problema reside, mais uma vez, em que nada de importante e
qualificante (excepto nos de dupla certificação) é fornecido a estes candidatos,
e eles lá vão escrevendo as suas histórias de vida, onde, muito a custo,
os formadores vão descortinando as mais bizarras competências que
lhes atribuirão o 12º ano.
São estas as coroas de glória desta ministra e deste governo ???
3

Nós que estamos por dentro deste processo dizemos… “que DEUS nos
acuda”. A actual legislação sobre a avaliação dos professores não é um fim
em si mesma, ela é, apenas, um elo de uma cadeia legislativa que começou
com o estatuto da carreira docente e tem por fim último, com dissemos
atrás, impedir a maioria dos professores de progredir na carreira.

Depois da marcha da indignação, Sócrates assustou-se e reorganizou


a estratégia. A ministra politicamente está morta, no entanto, enquanto cadáver
político, ela está incumbida de levar até ao fim a missão de aplicar, na prática,
estes diplomas, depois … irá à sua vida….
As instruções foram para que o discurso fosse “adocicado”, parassem os
insultos públicos à classe docente (havia que calar Valter Lemos), ceder em
questões pontuais de pouca importância e manter inalterável o núcleo duro da
avaliação, custe o que custar.
Nós, professores, consideramos fundamental a avaliação. Fazemos
ponto de honra disso. Ela é um instrumento crucial de valorização e de
reafirmação da qualidade do nosso trabalho.
Somos os primeiros a exigir uma avaliação digna, isenta, rigorosa,
valorativa e formativa na perspectiva da ultrapassagem de dificuldades.
Mas como todos já percebemos… a ministra não cede…nem cederá…
(???) A sua estratégia é simples… e pretensamente eficaz!!! Atribuir ás
escolas e aos professores a responsabilidade de se auto e hetero-
avaliarem (diria talvez, se auto e hetero-crucificarem).
A estratégia é velha e já foi aplicada no estatuto da carreira docente.
Dividir para reinar. Ela ficará de fora, cantando e rindo e, em 2009, com uma
classe profissional, das mais qualificadas que existe no país, completamente
esfrangalhada, dirá “…estão a ver que afinal não custou nada, eu afinal é que
tinha razão!!!”
Como aliás diz das aulas de substituição, com a sua infindável
demagogia, que só não engana quem está dentro do sistema e sabe bem o
que por cá se passa.
Os sindicatos, forças importantes na condução da luta dos professores,
estão a chegar a um beco sem saída, onde as alternativas escasseiam.
4

Resta-nos a nós, professores, num quadro de unidade continuar a


luta que iniciámos com as manifestações e que podemos levar mais longe
duma forma eficaz.

QUE ESTRATÉGIA ADOPTAR ?

A mesma que Gandhi adoptou contra o todo poderoso Império Britânico,


aplicando o célebre princípio… “contra a força… haja resistência…
passiva”.
Ou seja:
1º. A ministra quer que sejam as escolas a criar os seus próprios
instrumentos de avaliação…
2º. Que sejam as escolas a adoptar os seus próprios calendários…
3º. Que sejam professores a avaliar outros professores…

ESTRATÉGIA:

1º. Braços caídos… nada fazer…


2º. Protelar indefinidamente a elaboração dos materiais
3º. Negar-se a avaliar…
4º. Negar-se a ser avaliado desta forma…
5º. Criar um ambiente de calma nas escolas… Deixar que seja a
ministra a enervar-se…
6º. Deixar que tudo vá correndo sem que nada seja feito…
7º. Resistência passiva…sempre… sempre…sempre…

Que pode a ministra fazer fazer-nos?


Instaurar processos disciplinares a 140 000 professores? Assim seja!!!

Esta é a minha proposta.

Aplicar os princípios de Gandhi a esta avaliação.


5

NOTA FINAL

Chamaria a atenção para aqueles “colegas” que “mais papistas que o


papa” querem mostrar serviço, desejosos que reparem neles, provavelmente
esperançados em benesses em futuras directorias das escolas, ou quem sabe,
em futuros cargos políticos, sabe-se lá... O seu entusiasmo em fazer cumprir
aquilo que está errado e que afronta toda a classe, não é um bom exemplo
pedagógico e, já agora, lembrar-lhes-ia o episódio da História das Guerras
Lusitanas, quando aqueles que, por meia dúzia de moedas, assassinaram
Viriato à traição, as foram receber junto do Senado Romano, lhes foi dito que
“…Roma não paga a traidores”.
Para bom entendedor…

Francisco da Silva
Professor
francis1000.silva@gmail.com