Você está na página 1de 6

Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5

Tabela matriz a utilizar para a realização da 1ª parte da tarefa, conforme indicações do Guia da Sessão

Conhecimento na área Biblioteca escolar

Aspectos críticos
que a Literatura Desafios. Acções
Domínio Pontos fortes Fraquezas Oportunidades Ameaças
identifica a implementar

Papel de liderança. Maior apoio no Percepção negativa Evidenciar os seus Sobrecarga de Concepção de um
Facilitador do processo de ensino – do seu papel, por contributos para o responsabilidades, programa para a BE,
conhecimento. aprendizagem. parte dos outros apoio ao aumento de com a colaboração
Difusor da Articulação e docentes. desenvolvimento exigências dos docentes e órgãos
informação/gestor da acompanhamento Acções desadequadas curricular. burocráticas, falta de de gestão.
informação. curricular das ao desenvolvimento As transformações na tempo para colaborar Acções de
Constante formação e aprendizagens. das literacias e sociedade em com os docentes e sensibilização junto
actualização de Articular com os competências e articulação com as algum desrespeito por dos docentes sobre a
aprendizagens/conhec docentes para direccionadas para a competências do parte deles. BE e da importância
imentos. desenvolvimento de colecção. Prof. bibliotecário e Falta de apoio. do desenvolvimento
Ter uma postura de competências que Falta de formação missão da BE. Desvalorização do das competências da
Competências do
investigação e de suportam as necessária tendo em papel do PB em favor informação e das
professor bibliotecário aprendizagem aprendizagens e a vista o desempenho do fácil acesso ao literacias.
contínua. construção do das suas funções. conhecimento. Divulgação da BE.
Mudança de atitudes, conhecimento. Frequentar formação.
planeamento de Envolvimento dos
acções de promoção e alunos no processo de
desenvolvimento da aquisição dos
BE. conhecimentos.
Formar para as Atitude positiva face
diferentes literacias. aos novos desafios.

Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 1


Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5

Conhecimento na área Biblioteca escolar

Apoio a todos os Falta de formação. Promoção dos


Constituição de uma Organização de
utilizadores e às suas Número reduzido de recursos da BE Falta de recursos
equipa para a BE. equipas por
diferentes elementos na equipa através dos meios económicos.
Qualidade da equipa Agrupamento.
necessidades. da BE da EB1. informáticos. Dificuldade em
da BE. Gestão do horário e
Integração na escola Falta de formação na Adequar o horário da articular o horário
Organização e Gestão da Trabalho actividades de forma
(PEE, PCA, PAA, área do tratamento BE às necessidades para assegurar a
colaborativo entre a a garantir que grande
BE equipa e a BE e os
PCT) e no processo documental. da escola e dos utilização do espaço
parte dos alunos do 1º
de ensino alunos. da BE a todos alunos
professores. CEB e Pré – Escolar
aprendizagem. Articulação com a do 1ºCEB e do Pré –
A BE como um lugar tenham acesso à BE.
Recolha sistemática equipa da BE do Escolar do
centro de
de evidencias. agrupamento. agrupamento.
difusão/coração da
Reuniões com os
escola.
conselhos de Apoio dos
Integrar a BE no
docentes (1ºCiclo e coordenadores inter
PEE.
Pré - Escolar). concelhios.
Integrar a BE no
Dinamização de
currículo.
actividades
Realizar a auto
(exposições,
avaliação.
encontros, divulgação
de trabalhos, …).
Espaço onde os
alunos se sentem
bem, apelativo e que
faz parte do dia à dia
estudantil.

Organização, Falta de apoio técnico Apoio da Biblioteca Redução dos Formar o pessoal
Gestão da Colecção Qualidade e divulgação e para desenvolvimento do Agrupamento no elementos da equipa. auxiliar nesta área.
adequação ao informatização da de uma rede tratamento do fundo Elaborar o documento
público. colecção. concelhia. documental. que define o
Diversidade de Adequação da Ausência de desenvolvimento da
recursos e suportes. colecção e de outros Biblioteca Municipal. Colecção”Política de
recursos de gestão da colecção.”.

Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 2


Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5

Conhecimento na área Biblioteca escolar

Avaliar a colecção
informação às existente.
necessidades dos Definir uma política
alunos da escola. de empréstimos no
Agrupamento.

Promoção do trabalho Desenvolvimento de


Alguns professores Falta de comunicação Descentralização da
de pesquisa e da metodologias que Desenvolvimento de
A BE como espaço de orientam este tipo de entre alguns sala de aula como
autonomia dos apoiem o trabalho de novas metodologias
conhecimento e aprendizagem. trabalho com o apoio professores – alunos núcleo de
alunos. pesquisa e alunos que apoiem os alunos
Trabalho colaborativo e da BE/aprendizagem – BE. aprendizagem.
Promover papel da colaborantes, (aprender a aprender).
articulado com Departamentos tem lugar noutro Relutância de alguns Aumento da
BE na escola. parceiros activos e Tornar públicos os
e docentes. espaço – BE. professores em responsabilidade do
Trabalho produtores de resultados desses
Desenvolvimento da colaborarem neste professor
colaborativo. conhecimento. Agrupamentos.
Literacia da processo. bibliotecário.
Articulação e RBE reforça a missão
Informação. Métodos de trabalho Currículos extensos.
planificação conjunta da BE do órgão de
Participação do sem a inclusão da BE Avaliações externas
das actividades a Gestão.
professor e os seus recursos. (Provas globais).
desenvolver de
bibliotecário nas Competências
acordo com o
reuniões Conselho de baseadas nos
currículo.
Docentes. O conteúdos e não a
Espaço de ligação ao
conhecimento e a construção do saber.
mundo actual e não
aprendizagem Estudantes como
de armazenamento de
acontecem receptor passivo e
colecções.
informalmente e consumidor de
Lugar activo e não
acidentalmente informação.
passivo. Age e quer
(acesso livre à BE).
causar mudança
Métodos de ensino
(atitudes e
activos e de
mentalidades).
construção do
Espaço de formação e
conhecimento e de
desenvolvimento das
descoberta.
várias literacias.

Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 3


Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5

Conhecimento na área Biblioteca escolar

Algumas BE usam a Necessidade de Motivar, com Falta de verba para Encontrar novos
Identificação de
estratégia: “caixa de formação na área de resposta aos alunos e aquisição de todas as patrocínios, participar
necessidades de
sugestões”. animação da leitura. docentes que sugestões. em concursos. Criar
leituras e preferências
A vertente lúdica da Inclusão das TIC nas colaboram. pequenas
dos alunos.
leitura/leitura por áreas curriculares. comunidades de
Falta de capacidades
prazer. Falta de capacidades A adesão espontânea leitores.
nos alunos e com
Conhecimento do nos alunos e com dos alunos do 1º CEB Convidar
baixo nível de
fundo documental. baixo nível de à BE (formal e especialistas na área
competências e
Adequação do fundo competências e informalmente). da animação da
Formação para a leitura e para literacias.
documental aos literacias. leitura e/ou
as literacias Reconhecimento da
alunos e à escola. importância da
BE como espaço para
Dinamização de leitura.
o desenvolvimento
projectos em Divulgação da BE e
das competências e
articulação com os das suas acções de
das literacias.
docentes. promoção da leitura.
O auxiliar para o
Articulação com os
sucesso dos alunos.
PCT.
Envolvimento dos
alunos nas
actividades da BE.

BE e os novos ambientes A sociedade do séc. A BE tem na sua Promoção de Diversidade de Desactualização e a Reforçar a articulação
digitais. XXI como a posse os recursos actividades que não recursos. rapidez com que da BE com as NACs
sociedade da Internet para se manter ligada conseguem competir Divulgação do fundo surge novos onde exista o fomento
e das novas às exigências da com os interesses dos da BE. conhecimentos. das TIC.
tecnologias sociedade. utilizadores. Apoio aos Adaptar o modelo de
A relação dos alunos Identificação das Falta de recursos utilizadores, de pesquisa do
com as novas áreas de informático nas EB1 acordo com o seu Agrupamento às
tecnologias e a articulação/intervençã para integrar com nível, na selecção e necessidades do 1º
grande diversidade de o da BE nas áreas sucesso as TIC nas utilização dos media. CEB.
informação que disciplinares. práticas de Produção de
precisa de ser tratada, Colaboração com o ensino/aprendizagem materiais
descodificada/compre cumprimento do informativos e de

Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 4


Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5

Conhecimento na área Biblioteca escolar

endida e
PTE. apoio à utilização dos
transformada em
recursos.
conhecimento.

Existência de um
Modelo de Auto –
Avaliação.
Gerir para o sucesso
educativo e melhoria
das aprendizagens,
Encontrar formas de Demonstrar, com Falta de tempo, por
Avaliação como optimização do Continuar a
quantificar o base em evidências, a parte do professor
Gestão de evidências/ instrumento de processo que frequentar a formação
envolvimento da BE importância da BE no bibliotecário, para
avaliação. implementação de produzam resultados. sobre o modelo de
no sucesso e nos desenvolvimento de realização desta
mudança e eficácia. Capacidade de auto - Auto - Avaliação
resultados dos alunos, competências. avaliação.
avaliação como
forma de atingir o
sucesso e a
desempenhar
eficazmente e missão
da BE.

Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 5


Sessão 1 – Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares/DREC5

Gestão da mudança
SÍNTESE Factores de sucesso Obstáculos a vencer Acções prioritárias

A Biblioteca Escolar tem um Inverter os papéis de poder no processo


Trabalho colaborativo. Relutância de alguns docentes e órgãos de
papel central na escola. ensino/ aprendizagem.
Reconhecimento da importância de praticas gestão para entender o papel da BE, nesta
A compreensão e o Definir um rumo para a mudança de acordo
direccionadas para a construção do mudança de século.
conhecimento são essenciais com as transformações tecnológicas.
conhecimento e da compreensão. Maior desagrado por parte de alguns docentes,
para o desenvolvimento de BE = lugar de conhecimento em vários
podem sentir-se desautorizados.
cidadãos activos. suportes e de contribuição para o
Falta de recursos/desadequação dos recursos
desenvolvimento do conhecimento.
aos utilizadores.
A BE pode incentivar para mudança de
Encarar a BE como centro de informação
metodologias e de paradigmas educacionais.
estática.

Glória Maria Vilar da Silva Lopes Page 6