Você está na página 1de 1
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

O CONCEITO DE SIMETRIA EM

THOMAS KUHN

DE CIÊNCIAS SOCIAIS O CONCEITO DE SIMETRIA EM THOMAS KUHN Autor: AMES, Valesca Both; Co-autores: LUI,

Autor: AMES, Valesca Both; Co-autores: LUI, Lizandro; BECK, Luiza; FREITAS, Marília. ALÉSSIO, Pedro. Orientador: NEVES, Fabrício Monteiro.

Área do conhecimento:

Sociologia da ciência

INTRODUÇÃO

O trabalho insere-se na área de pesquisa denominada sociologia do conhecimento científico, que tem como estudo pioneiro a obra de Thomas Kuhn intitulada A estrutura das revoluções científicas. A partir de então a

sociologia amplia seu campo de pesquisa,

analisando o conteúdo e a natureza das teorias científicas, elementos considerados anteriormente como passíveis apenas de uma explicação filosófica. Esta mudança com relação às possibilidades da sociologia na análise da ciência foi sistematizada através do chamado programa forte, cunhado por David Bloor e que se constitui como um programa de pesquisa que tem como objetivo nortear o trabalho sociológico na

explicação de formas verdadeiras e falsas de conhecimento, realizando desta maneira uma análise simétrica da ciência.

OBJETIVOS

O

objetivo

do

trabalho

consiste

em

compreender o quanto a teoria de Kuhn influenciou no desenvolvimento da sociologia do conhecimento científico, tendo como categoria de análise o conceito de simetria e sua relativa

importância.

Palavras-chave: simetria, ciência, programa forte

RESULTADO

Através da análise da obra de Kuhn percebemos que a rejeição de uma teoria por parte de uma comunidade cientifica não resulta apenas da falta de correspondência desta com a realidade.

Assim, aspectos relacionados ao contexto

social, como interesses econômicos, controvérsias, negociações, entram na analise da ciência e fazem parte da estruturação do conhecimento.

CONCLUSÃO

Demonstra-se

que

Kuhn

antecipa

elementos que Bloor trabalhará posteriormente em seu princípio de

simetria, visto que para ambos os autores

causas sociais podem ser indicadas tanto para a análise da verdade quanto para o erro, não havendo a distinção entre estes dois contextos científicos.

METODOLOGIA

O trabalho toma a forma de uma revisão bibliográfica, elaborada a partir de material já publicado, constituindo-se de livros, artigos de periódicos e dissertações. A pesquisa consiste em uma análise conceitual comparativa entre os dois autores anteriormente citados, trabalhando

com o princípio de simetria, tendo como foco a

obra “A estrutura das revoluções científicas” de T. Kuhn.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BLOOR, D. Conhecimento e imaginário social. São Paulo: UNESP, 2008. CRESPI, F. & FORNARI, F. Introdução à sociologia do conhecimento cientifico. São Paulo: EDUSC, 2000. KUHN, T. A estrutura das revoluções

científicas.5º Ed. São Paulo: Perspectivas,

1998