Você está na página 1de 40
Capacidades Coordenativas
Capacidades Coordenativas
Capacidades Coordenativas ROMÁRIO CARDOSO COSTA PROFESSOR - M.Sc EM CIÊNCIAS UFV /CAMPUS FLORESTAL

ROMÁRIO CARDOSO COSTA

PROFESSOR - M.Sc EM CIÊNCIAS UFV /CAMPUS FLORESTAL

Coordenar significa:

"ORDENAR JUNTO”

• Coordenar significa: "ORDENAR JUNTO” • Habilitam o atleta a dominar de forma segura e econômica,

Habilitam o atleta a dominar de forma segura e econômica, ações motoras em situações previsíveis e imprevisíveis e também aprender movimentos esportivos.

O desenvolvimento das capacidades coordenativas é o objetivo principal da aprendizagem motora.

O desenvolvimento das capacidades coordenativas é o objetivo principal da aprendizagem motora.
O desenvolvimento das capacidades coordenativas é o objetivo principal da aprendizagem motora.

Exercitação das capacidades

Exercitação das capacidades

Exercitação das capacidades Exercitação das capacidades coordenativas com bola coordenativas com bola • As

coordenativas com bola

coordenativas com bola

capacidades coordenativas com bola coordenativas com bola • As capacidades coordenativas constituem a

As

capacidades

coordenativas

constituem

a

base

decisiva

da

"inteligência

sensório-motriz

"-

quem

possui um alto nível coordenativo pode aprender movimentos novos de forma mais fácil.

As

capacidades

coordenativas

são

altamente

treináveis ao longo do tempo.

CAPACIDADE P M G TÉCNICA AQUISIÇÃO DE NOVOS MOVIMENTOS CAPACIDADES COORDENATIVAS AS CAPACIDADES COORDENATIVAS SERVEM

CAPACIDADE

CAPACIDADE P M G TÉCNICA AQUISIÇÃO DE NOVOS MOVIMENTOS CAPACIDADES COORDENATIVAS AS CAPACIDADES COORDENATIVAS SERVEM

P M G

CAPACIDADE P M G TÉCNICA AQUISIÇÃO DE NOVOS MOVIMENTOS CAPACIDADES COORDENATIVAS AS CAPACIDADES COORDENATIVAS SERVEM

TÉCNICA

AQUISIÇÃO DE NOVOS MOVIMENTOS

CAPACIDADE P M G TÉCNICA AQUISIÇÃO DE NOVOS MOVIMENTOS CAPACIDADES COORDENATIVAS AS CAPACIDADES COORDENATIVAS SERVEM

CAPACIDADES COORDENATIVAS

AS CAPACIDADES COORDENATIVAS SERVEM COMO BASE PARA A EXECUÇÃO DE QUALQUER MOVIMENTO HUMANO.

OBJETIVO - CONTEÚDO - MÉTODO

OBJETIVO:

A melhoria da coordenação geral com a bola.

CONTEÚDO:

Elementos

superação

de

atividades

contêm diferentes exigências informacionais.

MÉTODO:

Exercitar habilidades motoras básicas com bola + variabilidade + condicionantes de pressão.

para

a

para a que

que

TREINABILIDADE / DESENVOLVIMENTO

Estágio de desenvolvimento

6 A 14 ANOS - Fase universal e orientação.

9 A 13 ANOS - Podem ser estimuladas e aperfeiçoadas com aproveitamento máximo - ênfase.

COMPONENTES BÁSICOS DAS CAPACIDADES COORDENATIVAS

FONTE: MEINEL, SCHNABEL, 1987.

OPERAÇÕES

MNEMÔNICAS

OPERAÇÕES

EFERENTES

MNEMÔNICAS O P E R A Ç Õ E S EFERENTES CAPACIDADES COORDENATIVAS OPERAÇÕES PERCEPTIVAS
MNEMÔNICAS O P E R A Ç Õ E S EFERENTES CAPACIDADES COORDENATIVAS OPERAÇÕES PERCEPTIVAS
CAPACIDADES COORDENATIVAS
CAPACIDADES COORDENATIVAS
CAPACIDADES COORDENATIVAS

CAPACIDADES

COORDENATIVAS

CAPACIDADES COORDENATIVAS
CAPACIDADES COORDENATIVAS
CAPACIDADES COORDENATIVAS
CAPACIDADES COORDENATIVAS
OPERAÇÕES PERCEPTIVAS
OPERAÇÕES
PERCEPTIVAS
OPERAÇÕES COGNITIVAS
OPERAÇÕES
COGNITIVAS

CLASSIFICAÇÃO DAS

CAPACIDADES COORDENATIVAS

( MODELO DE ZIMMERMAN )

Acoplamento

Diferenciação

Equilíbrio

Orientação

Ritmo

Reação

Mudança

• Acoplamento • Diferenciação • Equilíbrio • Orientação • Ritmo • Reação • Mudança
• Acoplamento • Diferenciação • Equilíbrio • Orientação • Ritmo • Reação • Mudança
• Acoplamento • Diferenciação • Equilíbrio • Orientação • Ritmo • Reação • Mudança

ACOPLAMENTO

Refere-se a capacidade de unir movimentos parciais

diferentes do corpo, tornando-os uma só seqüência,

acoplados entre si, coordenados.

DIFERENCIAÇÃO

Refere-se a qualidade do movimento executado

de forma perfeita, com economia de esforço,

conforme programa arquivado na memória.

EQUILÍBRIO

Refere-se à capacidade de manter ou

recuperar a estabilidade. Adquirir uma

posição estável pode ser fundamental para a

qualidade do movimento.

ORIENTAÇÃO

Refere-se à capacidade de determinar o espaço

disponível e atuar nele, utilizando todas as suas

possibilidades. É também a capacidade de saber

se relacionar adequadamente com

companheiros, adversários e com o objeto

central do jogo, a bola.

RITMO

Ocorre quando o indivíduo se adapta a um

ritmo externo e executa os movimentos deste

ritmo.

REAÇÃO

Refere-se à velocidade com que um sinal é

detectado, ocorrendo uma resposta a este

estímulo.

MUDANÇA

Refere-se à adaptação a novas situações,

posições, direções. Tem como característica

básica a variação, sem que se perca a

continuidade do gesto.

EXIGÊNCIAS DA COORDENAÇÃO

COM A BOLA

(MODIFICADO POR NEUMAIER E MECHLING, 1995).

EXIGÊNCIAS COORDENATIVAS NAS TAREFAS DE MOVIMENTOS

EXIGÊNCIAS COORDENATIVAS NAS TAREFAS DE MOVIMENTOS ELABORAÇÃO DA INFORMAÇÃO EFERENTE AFERENTE MOTRICIDADE GROSSA
ELABORAÇÃO DA INFORMAÇÃO EFERENTE AFERENTE MOTRICIDADE GROSSA E FINA CINESTÉSICO, VESTIBULAR ÓTICO,
ELABORAÇÃO DA INFORMAÇÃO
EFERENTE
AFERENTE
MOTRICIDADE
GROSSA
E
FINA
CINESTÉSICO, VESTIBULAR
ÓTICO,
ACÚSTICO,
TÁTIL
FINA CINESTÉSICO, VESTIBULAR ÓTICO, ACÚSTICO, TÁTIL PRESSÃO DE TEMPO PRESSÃO DE PRECISÃO PRESSÃO DE
PRESSÃO DE TEMPO
PRESSÃO DE TEMPO
PRESSÃO DE PRECISÃO
PRESSÃO DE PRECISÃO
PRESSÃO DE COMPLEXIDADE
PRESSÃO DE COMPLEXIDADE
PRESSÃO DE ORGANIZAÇÃO
PRESSÃO DE ORGANIZAÇÃO
PRESSÃO DE VARIABILIDADE
PRESSÃO DE VARIABILIDADE
PRESSÃO DE CARGA
PRESSÃO DE CARGA

FONTE: EXIGÊNCIAS DA COORDENAÇÃO COM A BOLA (MODIFICADO POR NEUMAIER E MECHLING, 1995)

CONDICIONANTES

DE

PRESSÃO

PRESSÃO DE TEMPO

Tarefas coordenativas onde é importante a minimização do tempo ou a maximização da velocidade.

Peso do elemento (P.E.): Pressão de tempo – complexidade

A e B têm uma bola cada um e se posicionam um a frente do outro, de 3 a 5 metros. Ao sinal, os dois lançam a bola para cima, trocam de lado e recebem a bola do colega. (Mão –

complexidade III)

VARIAÇÕES:

Tarefas extras durante a troca de posições, como por exemplo: bater palmas com o colega; tocar as mãos no chão; agachar; assentar no chão. (Mão – complexidade III)

Modificar a posição de partida: sentado, de joelhos, etc. (Mão

– complexidade III)

PRESSÃO DE PRECISÃO

Tarefas coordenativas onde é necessária a exatidão

ou precisão nas execuções.

P.E: Pressão de precisão – organização – complexidade.

Dois jogadores. Ambos com um cone pequeno na mão dominante e uma bola na não dominante. Jogar a bola para cima para o colega, que deverá recolher a bola com o cone,

sem deixá-la cair. (Mão – complexidade III)

VARIAÇÕES:

Trocar de mãos. (Mão – complexidade III)

Chutar

bola

cima

meia

a

para

a

complexidade III)

altura.

(Pé,

mão

PRESSÃO DE COMPLEXIDADE

Tarefas coordenativas nas quais há necessidade de superação de muitas e sucessivas exigências (uma após a outra).

P.E: Pressão de complexidade

Com a bola nas mãos, acima da cabeça. Lançar a bola com força ao chão, fazer um giro de 360º e pegar a bola antes dela, novamente, quicar o chão. (Mão – complexidade III)

VARIAÇÕES:

Lançar a bola com salto. (Mão – complexidade III)

PRESSÃO DE ORGANIZAÇÃO

Tarefas coordenativas nas quais há necessidade

de superação de uma série de exigências

simultâneas (ao mesmo tempo).

P.E: Pressão de organização – pressão de tempo.

A e B têm cada um uma bola e estão posicionados um de frente para o

outro. A passa a bola com o pé para B e, B simultaneamente, passa a

bola para A com a mão. A bola que é passada com o pé deverá ser

sempre recepcionada e depois passada, enquanto a orientação deve

estar sempre dirigida à bola passada com a mão. (Mão, pé –

complexidade III)

VARIAÇÕES:

Antes de recepcionar a bola do colega, falar em voz alta quantos dedos

da mão ele está mostrando. (Mão, pé – complexidade III).

A lança, com as mãos, a bola para cima na perpendicular ao chão. A passa uma outra bola com o pé para B, que deve recepcioná-la e passá- la de volta com o pé para que na seqüência A pegue a própria bola

lançada para cima. (Mão, pé – complexidade II).

P.E: Pressão de organização – complexidade.

Segurando uma bola na parte interna de cada pé, pular com ela e lançá- la impulsionando-a com os dois pés para cima. Recepcionar a bola na queda de forma controlada com as mãos.

VARIAÇÕES:

Recepcionar a bola com a coxa, pés. (Pés – complexidade III)

Lançar a bola pelas costas, girar e recebê-la. (Mão – complexidade III)

Sentado, pernas estendidas, lançar a bola para cima, ficar em pé e recepcioná-la com as mãos. (Mão – complexidade III)

PRESSÃO DE VARIABILIDADE

Tarefas coordenativas nas quais há necessidade de superação de exigências em condição de meio ambiente modificadas.

P.E: Pressão de variabilidade – complexidade

A e B deslocam-se um ao lado do outro. A passa a bola com as mãos para B no momento em que este cruza seu caminho. B recebe a bola e realiza a mesma ação no momento em que A cruza a sua frente. E assim sucessivamente (Mão, pé –

complexidade II)

VARIAÇÕES:

Utilizar os pés no lugar das mãos. (Pé – complexidade II).

Realizar o oito de dois – Quem passa a bola corre por trás. (Pé – complexidade II).

PRESSÃO DE CARGA

Tarefas coordenativas nas quais a exigência é do tipo física, psíquica ou psicofísica.

P.E: Pressão de carga

Em um setor demarcado com cones ou pratinhos, que será

gradativamente reduzido, os jogadores devem ter uma bola

presa entre os pés, que saltitando deverão evitar trombar-

se nos colegas. (Pé – complexidade I)

VARIAÇÕES:

Prender a bola entre os joelhos, coxas. (Pé – complexidade II).

Capacidades Coordenativas
Capacidades Coordenativas

Parâmetros de pressão

 

É necessário nas tarefas coordenativas:

 

Tempo

Minimizar o tempo ou maximizar a velocidade de execução.

Precisão

A maior exatidão possível.

 

Complexidade

Resolver sequências de exigências sucessivas, uma depois de outra.

Organização

Superar exigências simultâneas, ao mesmo tempo.

 

Variabilidade

Superar

exigências

ambientais

variáveis

e

situações

diferentes.

 

Carga

Superar

exigências

de

tipo

físico-condicionais

ou

psíquicas.

 

FÓRMULA BÁSICA DO

TREINAMENTO DA

COORDENAÇÃO

HABILIDADES BÁSICAS

COM A BOLA

+

VARIABILIDADE ( exigências eferente e aferente)

+

SITUAÇÕES DE PRESSÃO ( do tempo, da precisão, da complexidade, da organização, da variabilidade, da carga)

da precisão, da complexidade, da organização, da variabilidade, da carga) Treinamento de Coordenação com a Bola

Treinamento de Coordenação com a Bola

HABILIDADES BÁSICAS COM A BOLA

HABILIDADES BÁSICAS COM A BOLA LANÇAR - ROLAR - CHUTAR - BATER - QUICAR/DRIBLAR - RECEPÇÃO
HABILIDADES BÁSICAS COM A BOLA LANÇAR - ROLAR - CHUTAR - BATER - QUICAR/DRIBLAR - RECEPÇÃO

LANÇAR - ROLAR - CHUTAR - BATER -

QUICAR/DRIBLAR - RECEPÇÃO -

BALANÇO E MALABARISMO.

EVOLUÇÃO DA METODOLOGIA

IDADE ELEMENTOS / COLEGAS 6 - 8 ANOS 1 ELEMENTO + 1 COLEGA 8 -
IDADE
ELEMENTOS / COLEGAS
6 - 8 ANOS
1 ELEMENTO + 1 COLEGA
8 - 10 ANOS
2 ELEMENTOS + 1 OU 2 COLEGAS
10 - 12 ANOS
3 ELEMENTOS + 1 A 4 COLEGAS

OBRIGADO

ROMÁRIO CARDOSO COSTA

Professor – M.Sc em Ciências UFV/Campus Florestal