Você está na página 1de 7

Problemas

;

° - -- o número de ponto ; indica o grau de d i ficuldade do problema.

Seção 23-3 Fluxo de um Campo Elétrico

°1 \ A s u pe r fí c ie q ua dr a d a d a F ig . 23-26 tem 3 , 2 m m d e l a d o e está

i m e r sa em um cam po e l é tri co u ni fo rm e de mód ul o E = 1 800 N /C e

com linh as d e cam po faze nd o um â n g ul o de 35 ° co m a n o rm a l , co m o m os tr a a f i g ura . To m e es t a n o rm a l como apo nt a n do " p a r a f ora ", co m o se a s up e r f í cie fo s se a ta mp a d e um a caixa. Cal c ul e o flu xo

elé tric o a t r a v és da superfíci e .

Fig. 23-26 P ro bl e m a 1 .

, ""2 O cub o da F i g. 2 3-27 t e m 1 ,40 m d e l a d o e est á or i e ntad o d a

f o rm a m os tr a d a na f i g ur a e m um a reg i ão o nd e ex i s t e um c amp o e l é -

tric o unifo rm e . D e t e rmin e o f lu xo e l é tr ico a tr avés da f ace dir ei t a do

cub o se o ca m po e l é t r i co , e m n ew t ons p or co ul o mb , é d ado p or ( a)

6 , 0 0 L ( b ) -2, 0 0 1; (c) - 3 , 00 i + 4 , 0 0 k. ( d ) Q u a l é o f lu x o t o t a l

a t ravés d o c ub o n os t r ê s casos ?

Fig. 23-27 Probl e m a s 2 , 6 e 1 3 .

0°3 Um ca mpo e l é tri c o dado por E = 4,0 i

ves s a o cubo g aus si ano da Fig . 23 - 5 . (E é dado em n e wtons por coulomb e x em m e tro s . ) Det e rmin e o flux o e l é trico ( a ) atrav é s da

- 3,0(y2 + 2 , 0) J atr a -

f ace s up e rior ; (b ) atrav és d a f a ce inf e ri o r ; (c) a tr avés da face da es -

qu e rd a; ( d ) a tr avés d a f a ce tr asei r a. (e) Q u a l é o flux o e l é t r ico total

a

trav és do cubo ?

Seção 23-4 Lei de Gauss

"4 N a Fi g . 2 3 -2 8 , um a r e d e par a p ega r b or b o let as está i m e r sa e m um ca mp o e l é t r i c o un i forme d e m o dulo E = 3, 0 m N /C. O pl a n o d a ar m ação d a r e d e, um a ci r c unf e r ê n cia d e r aio a = 1 1 e m é m a ntid o

p e rp e nd ic ular à dir eção d o camp o. A re d e é e l e t rica m ente ne u tra . D e t e rm i n e o fluxo el é tr i c o at r av é s d a r ed e .

"5 Uma c ar g a p o ntu a l d e 1 , 8 f-LC está n o ce ntro d e um a s up e r fíc ie

ga u ss ian a cú bi ca de 55 e m d e l a d o . Q u a l é o f lu xo e l é tri co a tr a és

da s u pe r f í cie?

6 E m t o d os os po nt os d a su p e rfíc i e do c ub o da Fi g . 23 - 27 , o cam po

e l étrico é p ara l e l o a o e i xo z. O c ub o t e m 3, 0 m d e l a d o. N a fa ce

s u pe r ior do cu b o , E = - 34 k N/C ; na f a c e in f e r i o r , E = + 2 0 k

C . D e t e r m in e a carga q u e exis te no i n t e r ior do c u bo .

"7 Na Fig . 23-2 9 , u m pr ó t o n se e n con t ra a u ma d istância ve r tical d:

2 d o ce n t r o de um q u ad r ado d e l a d o d . Qu a l é o m ód ul o d o flu xo

elé t rico atravé s do qu ad r ado ? ( Su ge stã o: p e n se n o q ua d ra d o c orno

um a das faces d e u m cu b o d e l ado d . )

Fig. 23-29 Pr o bl e m a 7 .

oos Qu a ndo um c hu ve iro é a b e rto e m um b a nh e iro f ec h a d o , o s re s - pin gos d e ág u a no pi so d o b oxe p o d e m e nch er o ar d e í on s n e g a ti - vos e pr o du zir um camp o e l étrico n o ar d e até 1000 N/C. C on s id e re

u m b a nh e iro d e dime n sões 2, 5 m X 3, 0 m X 2, 0 m . Suponh a qu e n o

t

eto , n o p iso e n as quatr o p aredes o ca mp o e l étr i co n o a r é p erp end i -

c

ul ar à s u pe r fíc i e e p ossui um m ó dul o uni fo rme d e 6 00 N/ C . Su p o -

nh

a t a mb é m qu e es t as s up erfí c i es forma m uma s up e r f í c i e gau ssia na

qu

e e n vo l ve o ar do b a nh eir o . De t e rmin e ( a ) a d ens id a d e vol u rnétr i-

c

a d e cargas p e (b ) o núm e r o d e ca r gas e l eme nt ares e em exc es so

p

or m etr o cúb i co de a r.

0°9 Ob se rv a - s e ex p e rim e n tal men t e qu e o ca m po e l é t rico e m u ma

c e r ta re g i ão d a a tmo s fera t erre str e apo n t a v e r t ica lme nt e pa r a b ai xo .

A um a a ltitu de de 300 r n , o campo tem u m mó dul o d e 60 , 0 N /C - a

um a a l titud e d e 2 0 0 m , o m ód ul o é 1 00 N/C. D e t e rmin e a car ga e m

excesso co ntida e m u m c u bo d e 1 0 0 m de l a d o , co m faces h o r iz ot ais

a 2 00 e 3 0 0 m d e a ltitud e .

"°10 A Fi g . 23 - 3 0 mo s tra du a s c a scas esfér i cas n ã o- co n d u tar as

m a ntida s f i xas n o lu ga r. A casca 1 p ossui um a d e n s id a de s up er fi ci -

a l d e c arg as uniform e d e +6 , 0 f-LC/m 2 na s uperfície extern a e r a io de 3,0 e m ; a casca 2 po ss ui um a d e n s id a d e s uperficial de car ga s uniforme d e +4 , 0 f-LC/m 2 na s uperfí c i e e xt e rn a e r a io de 2 , 0 em; os

ce ntro s da s casc a s es t ã o separa do s por um a di s t â n c i a L = 10 em , a

n

o t ação d e ve tar es unitá rios , qu a l é o ca mp o elé trico no pont o x =

2

,O c m ?

)

'

~--~----~~ - ----4- x

Fig. 23-30 P rob l e m a 1 0.

··11 U m a p a rtícul a de ca r ga + q é co l oca d a e m um d os vértices d e

um c ub o gaussi a n o . D e t e rmin e o múltipl o d e q/8 0 qu e co rres p ond e

ao f lu xo atr avés d e (a) um a d as faces d o c ub o qu e con t ém o v é r ti ce ;

\

00 1 2 Fluxo e cas c as n ão -c o nd u t o r as . U m a p a r t íc u l a ca rr egada es t á

sus pensa n o cent ro d e du as cascas esfér i cas co n cê ntri cas mu i t o fi- na s e feitas de u m m a t e r i al n ão-co nd u t o r . A F ig. 23-3 1 a mos tr a um a

s eção re t a d o s i s tema , e a F i g. 23 - 3 1 b m ostr a o f l u xo < I >at r a v és d e

u ma e s fe r a g a u ss i a n a co m cen tr o n a p a r tí c ul a e m f un ção d o r a i o r

d a es fera. (a) D e t e rmi n e a c a r ga d a pa r tí c u l a ce n t r a l . ( b ) D e t e rmi n e a c a r g a da casca A . (c) D ete r m i n e a c a r ga d a casca B .

, - ' T" r r G 5 - i < , E f -
, -
' T"
r
r
G
5
-
i
<
,
E
f - -
z
O
T
b
-+
e
-5
(
a )
(b)
Fig. 23-31 Pr o bl ema 1 2 .

3 A F ig. 23 - 2 7 mo st r a um a s u pe r fí c i e ga u ssi a n a co m a fo rm a d e c u bo c om 1 , 40 m d e l a d o . D e t e r mi n e (a) o f lu xo <I? através d a

• r fíc ie ; ( b) a

car g a q e n v e n vo l v ida p e la . s up e rf íc i e s~ E = 3 , 00 y j

- : 0A va lores d e (c) < I >e (d ) q e n v se E = [ - 4 , 00

j] te:

i + (6 , 00 +

A u p e rf í c í e ga u ssia n a e m form a de p ara l e l epí p e d o d a F i g .

- ' - : _ e nvolv e u m a car ga d e + 24 , Oê C e est á i m ersa e m um cam p o

~ :: : : . co da do por E = [(10 , 0 + 2,OOx) i - 3, 00] + bz k] N / C , c om met ros e b u m a co n s t a n t e . A f ace i n fer i o r e s tá n o p l a n o x z ; su pe r i or es t á n o pl a no h o ri z o n t a l q u e p assa p e l o po nt o Y2 = Pa r a x, = l O ü m .x , = 4,00m , z, = l ' oom e z 2 = 3 , 00 , qu a l , - 6' '" " "' ' ' 'de b?

o

J

)

' 2

atr avés d e u m a esfera ga u ss i a n a c om ce ntro na p a rtí c ul a em f u n çã o

d o r aio r d a es f e r a . D e t e r min e (a) a ca r ga d a p a r tíc u l a c e ntra l ; ( b ) a

ca r ga d a casca A; (c) a carga da casca B .

(a

)

i: 11 I

.-<

e

-5

-10

(b)

Fig. 23-33 Pro bl ema 1 8.

0019 U m co ndut o r iso l a d o d e f orma a rbit r á ria po ss ui u m a ca r ga d e

+ l O X t O - 6 C . N o i nt e r ior d o co n d ut o r e x i s te um a cavid a d e ; n o

i n t e r ior d a cav id a d e es t á u m a ca r ga po n t u a l q = + 3, 0 X t O - 6 C .

De t e r min e a carga ( a) da s up e r f í c i e i n t er n a d a cav i dad e; ( b ) d a s u -

p e r fíc i e ex t er n a d o co ndut or .

Seção 23-7 Aplicando a Lei de Gauss: Simetria Cilíndrica

o~o A Fi g . 2 3-34 mo s tra u m a s e ção d e u m t ub o lon g o d e m e t a l , d e

p a r e d e fin a , co m u m r aio R = 3 , 00 e m e uma car g a p o r unid a d e d e

comp riment o À = 2, 00 X 10 - 8 Chx: D ete r min e o mód u l o E d o ca m -

p o e l étrico a um a d i stâ n c i a ra d i al (a) r = R/ 2, 00 ; ( b ) r = 2, ooR . (c)

Faça um g r á fico d e E em f unção d e r pa r a O : : ; r : :; 2, ooR .

z

Fig. 23 - 32 Pr o bl e m a 1 4.

Fig . 23 - 34 P ro bl e m a 2 0 .

0 2 1 Uma l i nh a infi nita de carg as prod u z u m ca m p o d e m ó du l o 4, 5

X

1Q4 N /C a um a d istâ ncia d e 2,0 m. C a l c u l e a d e n sid a d e l i n ea r d e

ca

r gas.

- 23 - 6 Um Condutor Carregado

· ~ 2 Um e l étro n é l i b era d o a p a rti r d o r e p o u so a u m a dist â n c i a p e r-

p e nd i c u l a r d e 9 , 0 e m d e u ma b a rra n ã o- co ndut or a r e til í n ea m u it o

l o n ga c om u m a d e n s id ade

Qua l é o mó d u l o d a ace l e r açã o i n i c i a l d o e l étr o n ?

·23 (a) O t a m b o r d a foto c o p iado r a do Prob l e m a 1 6 t e m um co m p ri-

m e n to de 42 em e u m di âme tro d e 1 2 em. Qu a l é a c a r ga t o t a l d o

tamb or ? ( b ) O f a br ica nt e d es e j a p rod u z i r um a ver são comp ac t a da

m á qu ina. P a r a i ss o , é n ece ssár io r e d u z i r o comp r i m e nt o do t a mb o r

p a r a 2 8 c m e o d iâme t ro p a r a 8 , 0 e m . O c ampo elé tri co n a s uperf í - cie d o t a mb o r d eve p e rman ece r o m es mo . Q u a l d eve se r a ca r ga d o

n ov o tambo r ?

.024 Na F i g . 23 - 35, p e q u e n as p a rtes

d e du a s linh as p a r a l e l a s d e c a r gas

m u i t o co mpri d as são m os t r a d as, fi- L i nha 1 xas n o l u ga r , se pa r a d as p o r um a di s-

t â n c ia L = 8, 0 c m . A d e n s i d a d e u ni-

f o r m e d e ca r g a s d a s linh a s é +6 , 0

j.LC/m p ar a a l i nh a I e - 2 , 0 JLC/m

p a r a a l inh a 2 . Em qu e p on t o d o e ixo

esfera co ndut or a un i for m e m e n t e c a rre ga d a com 1 , 2 m d e

a b: t : i : ) p o s s ui um a dens idad e s u per f i c i a l d e ca r gas d e 8,I JLC/m 2 • 1 :) 1~ ~ :: ri : r J l e a carga da esfe r a . ( b ) D ete rm i n e o f lu xo e l étr i co a t ra-

d e ca r ga s un ifo r m e d e 6, 0 JLC p or m e tr o .

c ie d a esfera.

O. : :: !lTI D O elétr ico n as viz i nh a n ç a s d o t a m b o r ca rr eg ad o d e u m a õ :l;x:i : ~! do J ra te m u m m ó d ul o E de 2 , 3 X t0 5 N/ C . Qu a l é a d e n s i -

qu e o t a m b or sej a f e i to d e m a -

1 2 : : 2a: . :l í ! ." : . ulo r ?

õ: r ~g:;Je"IÍ-[ici.al, d e c a r gas, s u p o n d o

• • •, v e t em os es paci a is qu e a tr ave s sam os c in t ur ões d e r a d iação po dem i nt e rcep t a r u m n úm e r o sig ni f i ca t i vo d e e l é tr o n s . O

u d e c argas res ulta nt e p o d e d a n ifi ca r c o m p o n e n t es e l e t r ô n i-

;'-.mca'

~=::

rr" " ~"

r o f un c iona m e nto d e a l g un s ci r c uit os. S u p o nh a q u e

; ::: ~ s ; : !: . Bli; -eLes fér ic o feito d e m e t a l , c om 1 , 3 m d e d iâ m e tr o , ac u mule

a ( a ) Dete rm i ne a d e nsidade s up erfici a l d e ca r gas d o Calcu le o m ód ulo d o ca mp o e l é t r i co n as v i zi nh a n ça s d o

c <:- ,-~ ,, , ,, ,, , , , ,, ,nà c a r ga s up e r fi c i a l.

~ c asc as c o nd ut oras . U m a p a r t íc ul a c a rregad a é m a nti d a du as c ascas es f é ri cas c o n du t ora s co n cê n t r i cas, c u j a

L i nha 2

{

I --

x

- - -- fl - - - +-

L / 2 L / 2 Fig . 23-35 Pr o b l e m a 2 4 .

~ : /I O. ~ I. ~ t J i 1I . t: Çe

na Fig . 2 3 - 3 3 a. A F i g . 23 - 3 3b m ostr a o f lu xo <I > x o ca mp o e l é trico é ze r o ?

0025 Du as ca scas c il í ndri cas l o n gas, c a rr ega da s, c oa x ia i s , d e p a r e -

d es f i n as, t ê m 3, 0 e 6, 0 m de r a io . A ca r ga p o r uni da d e d e c ompri-

m e nt oé 5 , 0 X 1O - 6 C 1m n a c a sca int e rn a e - 7 , 0 X 1O - 6 C / mn ac a sca

""" ~ O Um c ilindro mac i ç o , lon go, n ã o - c ondutor, c om 4,0 cm d e r a i o ,

p oss ui um a d e n s id a d e v o lumé tri ca d e car g a s n ã o - uniforme p qu e é

f un ção d a d ist â n cia

rad i a l r a p a rti r d o e ix o d o c ili ndro : p = Ar .

ex

t e rn a. D e t e r m in e (a) o m ó du lo E e ( b ) a d ir eç ã o ( p a r a d e ntr o o u

Pa r aA = 2 , 5 p ,C/ m 5 , d e t e rmin e o m ó dul o d o ca mp o e l é tri co (a) p a r a

pa

r a fora) d o camp o e l é tr ico a um a di s t â n c i a r a d i a l r = 4 , 0 c m .

r = 3 , 0 e m ; ( b ) p a r a r = 5 , 0 em.

D eter min e (c) E e ( d ) a dir eção p a r a r = 8,0 e m .

A Fig. 2 3 - 26a m os tr a um c il i ndr o f ino, m aciço , ca rr eg ad o e

um a c a sca cil í ndri ca coaxia l , t a mb é m ca rr eg ad a . O s d o i s o b je t os são

fe itos d e mat e ri a l n ão - co ndutor e p oss u e m um a d e n s id a d e s up e rfi-

c ial d e c ar g as u n i form e na s uperfí c i e ex t e rna . A F ig . 2 3 - 36 b mo s tr a

a c omp o nente radi a l E do campo e l é trico e m fun çã o d a di s t â n c i a

002\

r a dia l r a partir d o e i x o co mum . Qu a l é a d e n s idad e l i n ea r d e ca r g a s

d a casca?

3

 
 

\

2

i

~

:--

I

o

 
 

2

I

'-'l - 1

I

 

i - I -

   

~

 

~

-2

 

(a)

-3

r (e m )

(b)

F i go 23 - 36 P r o bl ema 2 6.

002 7 A Fi g. 23 - 3 7 é um a s eção d e uma b a rr a co ndu to r a d e r a i o R I =

1, 3 0 mm e co mpr i m e nt o L = 11 , 00 m n o i nt e r ior d e um a casca

coa xial , de p a r e d es f i n a s, d e r a io R 2 = 1O , OR I e m esmo co mpri me nto

L . A c ar g a da barra é QJ = + 3 , 40 X 10 - 1 2 C ; a ca r ga

d a c asca é Q2

\

- 2 , OOQI' D e t e rmine ( a) o mód u l o E e ( b) a dir eção ( par a d e ntro ou para fora) do campo e l étr i co a uma dist â n cia radial r = 2 , 00R 2 .

=

D

e t e r mine (c) E e ( d) a di r eção do campo elétrico pa r a r = 5 , 00R I .

D

e t e rmin e a car ga (e) na superfície int e rn a e ( f ) n a s up e r f í cie in te r -

n a d a casca.

Fi g o 23- 37 Pr ob lema 27 .

""28 Uma c arga d e d e n s id a d e lin ea r uniform e 2 , 0 n C /m est á di s tri-

bu i da a o lon g o de uma barr a l o ng a , fi n a, n ã o - condut o r a . A barra e s t á

e n v ol v id a por um a casca l o n ga, cilíndri ca, co a xi a l, c ondutora (r a io

ca rg a d a ca s ca é zero . (a)

D e t e rmin e o módu l o do campo el é tri c o a

da c a s ca . Det e rmin e a d e n s id a de sup e rfici a l de c a r g a s (b ) na super - fíci e int e rna e ( c) na s up e rfí c i e e xt e rn a da c asc a.

int e rn o : 5 , 0 cm ; r a i o e xt e rno , 10 e m) . A

15 e m d e di s t â ncia d o e ixo

""29 U m f i o ret o l ongo p oss ui carg as n ega tiva s f i x a s com uma den -

s ida d e linea r d e 3 , 6 n C /m . O fio é e n vo lvid o por um a casca co ax i a l

d e par e d es fi na s, com 1 , 5 e m d e ra i o. A

casca p oss ui um a car ga p os iti v a n a s up e r f í c ie exte rn a, c o m um a

ci l í ndrica , n ão - co ndu to r a,

S eçã o 2 3- 8 Aplicando a L e i d e Gauss: Sime tria Planar

"31 U m a pl aca m e t á lica qu a dr ada d e 8, 0 e m d e l a d o e es p es s u ra i n-

s i g n i ficant e po ss ui um a ca r ga t o t a l d e 6, 0 X 10 - 6 C . ( a ) E s t i m e o

m ó dulo E d o ca mpo e l é tri c o p e rto do centro d a pl a c a (a 0 , 50 mm d o

c entro , por exe mplo ) s up o nd o qu e a ca r ga es t á di s tribuíd a uni for-

m e m e nte p e l a s du as fa ces d a pl aca . ( b) E s tim e E a 3 0 m d e di s t â n- cia ( um a di stâ n cia g r a nd e, e m co mp a r ação co m as dimen sões d a

pl a ca) s up o nd o qu e a pl aca é um a ca r ga p o ntu a l.

"32 A F ig . 23 - 38 mostra as seções r eta s d e du a s pl acas d e g r a n d e

exte n são , pa r a l e l as, n ão-co n d ut oras, p os i t i va m e nt e ca rregada s ,

amb a s co m um a di s t r i b u ição s up e r fic i a l d e ca r gas ( J ' = 1 , 7 7 X 1 0 - 2 2

C /m 2 . D e t e rmi n e o ca mp o e l é tri co Ê , n a not aç ã o d e ve t a r es un i t á r i-

os , (a) a cim a d as pl acas; ( b ) e ntre as pl ac a s ; ( c ) ab a i x o d as pl ac as .

y

x

Figo 2 3-3 8 Pr o blem a 32 .

033 A Fig . 23 - 39a m os tra três plac a s de pl ás tico d e g r a nd e exte n sã o

p a r a l e l as e uni f orme m e nt e carrega d as. A Fi g . 23 - 9 b m os tra a c o m p o -

n e nt e x d o ca m po e l é tri co e m f un ção d e x. D e termin e a r a z ã o e n tre a den s id a d e d e ca r ga n a pl aca 3 e a d e n s idad e d e ca r ga n a pl aca 2 .

 

1

2

3

(a)

I

I

I

x

 

6

G

<

,

4

 

Z

 

,

o 2

 

'-'l

 

O

x

 

(b)

Fig . 23- 3 9 Pr o bl e m a 33 .

"34 N a Fi g . 23 - 40 , um pe q uen o f ur o c ircular de raio R = 1,80 em foi

a b e rto no m e i o de um a plac a fina , infinit a , n ão - co ndut o r a , co m u m a

d e n s id a de s up e r fic i a l de c a r g a s (J' = 4, 50 pClm 2 . O e ix o z, cuja o ri g em

es t á n o ce ntro d o f uro , é p e rp e ndi c ul a r à p l ac a. D e t e rmi n e , na n ot a ç ã o

d e veto r es un i t á rios , o ca mp o e l é tri co n o p o nt o P , s itu a do e m z = 2 , 5 6

c m . (S uge st ão : u s e a Eq . 22-2 6 e o pr i n c ípio d e s uperp o siç ã o .)

z

d

e n s id a d e s up e r f i cia l (J ' , qu e anul a o ca mp o e l é tri co d o l a d o d e f o r a

d

a casca . D e term i n e o va l or d e (J' .

i g. 23- 4 0 P ro bl e m a 3 4.

F

"35

a Fig. 2 3 -41 , d u as pla c a s

0°40 A Fig . 23 - 44 m o s t r a u ma p l aca não-co n d u to r a m u ito ext ensa

nas , de gra nd e extensão , s ão

q

u e possui u r n a de n sidade s up erfi cia l de cargas un ifo rme (J = - 2 , 00

m a nti das p a r ale l as e um a p e qu e-

f

LC/m2;

a fig u ra mo s tra t a mb é m um a p a rtícul a d e ca r g a Q = 6, 00

di

s tâ n cia uma d a o utr a . N a s

i nt e rna s , a s placas po s s u e m

i da d es s u p e r fic i ai s de c arga s

si n a is o p os t os e va l o r a b so lut o - . 00 x 1O - 22 C / m 2 . Na n o t a ção d e eto r e s unitários , d e ter m i n e o po e l é trico (a) à e s q u er d a d as ; ( b ) à dire it a d as pl acas; (c)

as p l ac as .

x

F i g. 23-41 Problema 3 5 .

-36 1 a Fig . 23 - 42a, um e l ét r on é arreme s s a d o verti ca lme n te p a r a

c

o m um a ve lo c id a d e d e 2, 0 X 10 5 m/ s, a p a rtir d as viz inh a n -

- de pla c a d e pl á s tico u n i f orm e m e nt e car r egada . A p l aca é n ão - to r a e m u ito exte n sa . A Fig. 23 - 42b mo s t r a a velocid a de es-

~ .e m fu n ção d o tempo t até o e l é t r o n voltar a o po n to d e p arti-

Q

u

a l é a d e n s id a d e s up e r fic i a l d e c argas d a pl aca ?

2 I I 1 • ' " o , I " I i'. , .
2
I
I
1
'
"
o
,
I
"
I
i'.
, .
- 1
I
J i
i
-
-
: ,~
'~ ' -:
--
--
-2
"
l (ps )
(a)
(b)

Fig. 23-42 P roblema 36 .

. m el é t r on é arre m essado n a d i r eção d o c e n t r o de um a p l aca

l i ;;;l! : 1 i l.i cqua e poss ui um a d e n si d a d e s uper f i c i a l d e cargas d e - 2,0 O m 2 • Se a e n e r g i a c in ética ini c i a l d o e l é tro n é 1 , 60 X 10 - 17

mo v i mento do elét r on m u da de sentid o ( dev i do à re pu ls ã o

stá tic a da pla c a ) a um a d i s tâ n ci a i n sign i fi c a nt e d a p l a c a , a qu e

·

,

,

Ada. 1 ·p, al aca o e l é tr o n f oi a rr e m essa d o ?

D u a s grandes pl acas de met a l com 1 , 0 m ? de á r ea são m a n t id a s

p : !: : u l a s a 5 , 0 em de dis t â n c i a e p o s s u em ca r gas d e mesmo va l o r , ~~: :lO e si n a is o p ostos n as s up e r fíc i es int er n as. S e o m ó dul o E d o

e l é tr ico e ntr e as pl acas é 55 N/C , q u a l é o mó dul o d a c arga

= í C 1 ! da p lac a ? D esp r eze o efei t o d e bo rd a .

• -a Fi g . 23 - 43 , um a peq u e n a esfe r a n ão - co ndut ora d e m assa m a e c arga q = 2, 0 X 10 - 8 C ( di s tribuí d a unif or m e m e nt e e m

r ol u m e ) está p en du rad a e m um f i o n ão - co ndut o r qu e faz u m = 3 0 ° com uma p l aca ver t ica l , não - con du tora , uni forme-

c ar r e g ada (v i s t a de p e r f il ). C o n s id e r ando a fo r ça grav it ac i-

q ue a esfe r a es t á s ubm e tid a e s up o nd o que a plac a po ss ui

g r an de extensão, calcul e a den s id a d e s u pe r fi ci a l d e ca r gas ( J

a uma di s t â n cia d d a p l aca. Am b as estão f ixas n o lu gar . S e d =

0 ,2 00 m , para q u e coorde n a da ( a ) po s itiva e ( b ) n egativa sobre o eixo

x ( a l é m d o in fini to) o ca m po elé t rico to t a l e .; é zer o? (c) S e d =

0,800 m , p ara qu e coo rd e n a d a so br e o e i xo x o ca mp o ElO! é O ?

f

LC,

y

---- ~ ---- --~~ - - - -x

Q

d

Fig. 23-44 P r ob l ema 4 0 .

---41 A F i g. 23 - 45 most r a u ma seção r eta de u ma pl aca n ã o-

co ndut o r a muito ex t e n sa co m um a es pe ss u ra d = 9 ,40 mm e um a

d e n s id a d e v o lu métri ca d e ca r gas uni fo rme p = 5 ,8 0 fC /m 3 . A or i -

gem do eixo x es t á n o ce n t r o d a placa . D e t er min e o m ó dul o d o ca m-

po e l é t rico (a) emx = O; (b) emx = 2 , 00 m m; (c ) ern x = 4 , 70 mm ;

(d) emx = 26, 0 m m .

d/2

- ---- -x

d

Fig. 23-45 Problema 41 .

Seção 23-9 Aplicando a Lei de Gauss: Simetria Esférica

-42 A Fig . 23 - 46 most r a o m ó dul o do c a m p o elétr i co do l a d o d e

de n t r o e d o l ado d e fora d e um a esfe r a com u ma distri bui ção un ifor-

m e d e ca r gas pos itivas e m f un ção d a d i s t â n c ia e m r e l ação ao ce ntr o

d a e s fe r a . Qu a l é a carga da esfera?

r UI

2

r(cm)

4

Fig. 23-46 Pro b lema 42 .

°43 Uma esfera c ondu to r a de 10 e m d e r aio pr od u z, a 15 e m d e di s -

t â n c i a d o ce ntro, um ca m po e l é t rico co m um m ó dul o d e 3,0 X 10 3

N / C vo lta d o p ara d e nt ro . Qu a l é a c a r ga da esfera?

-44 U m a carga p o ntu a l pr od u z u m f lu xo e l é tri co de - 7 50 N . m 2 /C

a tra v és d e um a s up e r fíc ie es f é rica ga u s s i a n a d e 10 , 0 e m d e r a i o co m

ce n t r o n a ca r ga . (a) S e o r aio d a s u pe r fíc i e g a u s s iana foi multiplica - do po r d o i s, qu a l será o n ovo v a lor d o flu xo ? (b) Qu a l é o v a l or da carga pontu a l ?

-45 Dua s cas c as esfé ricas c on cê n tri cas ca rrega d as t êm r a i os d e 10 , 0

e m e 1 5 , 0 cm. A ca r ga d a casca men o r é 4 , 00 X 1 0 - 8 C e a d a casca

maio r é 2 ,00 X 1 0 - 8 C . D ete rmi n e o ca mp o e l étr ico (a) e m r = 12 , 0

e m ; ( b ) e m r = 20 , 0 em.

·°46 A Fi g . 2 3 - 4 7 m os t ra du a s c a sca s es f é ricas n ão-co n d u to r a s

mantid as fixas

2 n a s up e r f íci e ex -

d a d e uni fo rme d e cargas s u perfic i a i s +4, 0 f

n o lu gar sob r e o e ixo x . A ca sc a 1 poss u i u ma d e nsi -

LC/m

de uni fo r me de car gas superf i c i a i s - 2 , 0 J.Le/m 2 n a s upe r fíci e e x t e r -

n a e u m raio d e 2,00 em; a distância ent r e os centro s é L = 6 , 0 em.

Det er m i n e o(s) p o n to(s) so b re o e i xo x (a l ém do in f ini to) o nd e o

cam p o e l ét r ico é zer o.

y

~ ~ ~-- - - ~ ------- t - x

Fig . 23 - 47 Prob l e m a 46.

··4 7 Na Pi g. 23 - 4 8, u ma cas ca e s f é r ica n ão - co ndu t o r a com u m ra i o

p o s s ui u ma

de n s ida d e volum é t r ica u niform e de c a rga s p os iti vas p = A/r , o n d e

A é u ma consta n te e r é a distância em r e l ação ao c e n t r o da casca.

A l é m di s s o , um a p eq u e n a esfe r a de carga q = 45,0 fe est á sit u ad a

no ce nt ro da casca. Q u a l de v e ser o va l or de A para q ue o cam p o

i n tern o a = 2,00 e m e u m ra i o exte rn o b = 2 , 40 em

e l é t rico no i n te r io r d a casca (a :: 5 r : : 5 b) seja un ifo r me?

Fig . 23 - 48 P r obl e m a 4 7 .

0048 Uma p a r t í c ul a car regada é ma n tida fixa n o ce ntr o de um a cas-

ca esf é rica . A Fig. 23 - 49 mo s tra o mó dul o E d o cam p o e l ét ri co em

f u nção da di s tân c i a radial r . Estime o va l or da car g a da c asc a .

10 \ \ I 8 r\. \ u \ < , 6 "I "- Z
10
\
\
I
8
r\.
\
u
\
< ,
6
"I "-
Z
r-,
\ .
r-
o
.-
<
4
r-
,
'\
:
. q
< ,
2
I
,
I
O
2
3
4
5

r( c m)

Fig . 23-49 P r ob l ema 48 .

··49 Na Fig. 23 - 50, u ma esfe r a mac i ça d e r a i o a = 2,00 em é con -

cê n trica com u ma casca esfér ica

con d utora d e raio int e rn o b = 2 , ooa

e r a i o ex t er n o c = 2 , 40a. A esfera poss u i u ma carga u n i forme ql = +5 , 00 fe e a cas ca p ossui um a

ca

dulo d o cam p o e l é t rico (a) em r = O; (b) em r = a/2,00; (c) em r = a; (d) em r = 1,50a; (e) em r = 2,30a; (f) e m r = 3, 5 0a . Determine a ca r-

g a (g) na s u perfície i n te rn a e ( h ) na

s u pe r fíc i e exte rn a da casca.

r ga q2 = -ql'

Determi n e o m ó -

Fig . 23-50 P r ob l e m a 49.

005 0 A Fig . 23 - 5 1 m ostra u ma casca esfé rica com u ma d e nsidade

vol u métrica de cargas unifo r m e p = 1,84 nC l m 3 , raio inter n o a = 10,0 e m e r a io externo b = 2,00 . Dete r m i ne o módu l o d o campo

e l é t rico (a) em r = O; (b) em r = a/2 , o o; (c) em r = a; (d) e m r = 1 , 50a; (e) e m r = b; (f) em r = 3,00b .

0·· 51

Fig . 23-51 Problema 50 .

Uma e s fera não - co ndu tora de r a i o R = 5 , 60 em p oss u i u m a

d i s trib ui ção de carga s n ã o- u niforme p = ( 1 4 , 1 pe/m 3 )r1R, ond e r

é a d i s t ânc i a em relação a o cen t ro da esfe ra. (a) Deter m i n e a car ga da esfera . Determi n e o m ó d ulo E do campo e l étrico ( b ) em r = O;

(c ) emr = R/2,OO; ( d )emr = R. (e) Faça um g r áf i co de Eem fun ção

de r .

• 0 0 52 A Fig. 23 - 52

m ostr a, e m se ç ão reta, du a s e s feras maci ç as , d e

raio R , co m di strib uições vo lu métricas u n ifo rmes de ca r gas . O pon-

to P está sobre a re t a q u e l i ga os c en t ro s das esfera s, a u ma di s t â n ci a R/2,00 do c en t ro d a esfe r a L Se o campo e l é t r ico n o po n to P é zer o,

q u a l é a raz ã o

q2/ql en t re a carga d a esfera 2 e a c arga d a esfe r a I ?

~

~.

 

l

~ '

.i;

1

.

2

y.

Fig . 23 - 52 P r o b lema 52.

··· 5 3 Uma di s tribuição de ca r ga s não- un iforme mas com s im etr ia esférica pr o du z um camp o elétrico de módu lo E = KI', ond e K é uma co n s tan t e e r é a di s tância em relação ao ce n tro da e s fer a . O camp o a p onta p ara l o n ge d o c entr o da esfera . Q u al é a d istri b u i çã o vo l umétrica de carga s p?

Prob l emas Adic i onais

54 O mis t é rio do c ho c o l ate em pó. Exp l o s õe s provocadas por d e s -

cargas (ce n tel h as) e l é t ricas cons t itu em um sério perigo na s i nd ú s-

t rias que l id a m com pós m u ito finos. Uma d es s a s exp l osõe s a co n te -

ce u e m uma fáb rica de bi s coit os na décad a de 1970 . O s op e r ár i os costum a v a m esvaz i ar em u ma ban d eja o s saco s d e c h oco l ate em . qu e c h egava m à fá brica. D a í o m a t e ria l era tra n s p ortado atra vés

ca n o s d e p l ás t i co até o s ilo ond e era armazenado. No m eio d perc ur s o , fo r am sa t isfeit as du a s co nd ições pa r a qu e u ma e xp io - ocorre ss e : (1) o módu lo do camp o e l é tri co u ltrapa s sou 3,0 X 1 0 ". '

e , pr od u zin do u ma r u pt u ra di e l é t r i ca do a r ; (2) a energ i a d a ce nze - lh a r es ultante u ltr apa ss ou 150 rn J , fazendo com q u e o pó ex p l o d is

s e . Va m os di s c u tir a p r i mei ra co nd ição .

S u ponha q u e um pó e l etricamente ca rregado e s teja pas sa n d o

u m ca n o cilí n d r i c o d e p l ás t i co d e raio R = 5,0 em e q u e as

e l étr i cas n eg ativa s associada s ao pó esteja m di s t rib u ídas un ifo mente c o m uma dens i dade vo l u m étrica p. (a) U s ando a lei d e _

d e termin e u ma expre ss ão p a r a o mód ul o do campo e létric o E

i nt er i or d o cano em funç ã o da distânc i a r em r e l ação ao eixo d o

(b) O va l o r d e E aume nt a ou diminu i q u an d o r a u m e nt a ? (c) O po E aponta para o e i xo do cili n dro o u p a r a l onge do eixo ? (d )

= 1 , 1 X 10 - 3 C/ro 3 ( u m va l o r tí pi co), d e t er m i n e o va l o r m áximo

m áximo oco rr e.

n d e? ( Esta história

E e a q u e d i st â n cia do eixo d o ca n o e s t e cam p o

e O c ampo p o deria produzi r uma ce n tel h a?

O

53

_

. n a no Problema

~ma esfe ra c o m 6 , 00 em de raio poss ui um a d e n sidade

60 do Capí tu lo 24) .

d e car-

u n ifo rme

d e 500 nC/m 3 . Co n si d e r e

um a s up e r fí c ie ga u ss i a n a

com c entro n o ce ntr o d a esfe r a. D e t e rmin e

o f lu xo e l é tri co

'é s da s up e rfí c ie

cúb i ca se o l a d o do cu b o fo r (a) 4,00 em ; ( b )

CID.

3 6 . ma c arga Q es t á distrib u ída un ifo rm emen t e

e

m u ma esfera d e

( a Q u e f r a ção da carga e s t á co n tida em um a esfera de r a io r

_DO? ( b ) Qu a l é a razão e n t r e o m ó dul o do ca m po e l ét r ico no

. r = R f 2 , 0 0 e o campo e l é t rico n a s u pe r fíc i e

d a esfera?

• m e l ét ro n livre é co l oca d o e ntr e du as pl acas p a r a l e l as d e g r a n-

nsão, não - co n d u to r as,

ma nt idas n a h o ri zo nt a l

a 2 , 3 e m d e

ó;t i :xi a uma da o utra . U m a da s p l aca s p oss u i um a carga pos iti va

- =:fCIC l IIC : a o ut r a, uma c a rga n egativa un ifo r me

_ . , , , " ,,, , , . tu ro. A f o r ça exercida

com o mesmo va- E sobre o el é -

pe l o ca mp o e l é t rico

• - ib ra a f orça gravitacio n a l .

Dete rm i n e

(a) o módu l o da d e n -

- - s u pe rficial

de c~ga s

das pl acas ; ( b ) o se n ti d o ( p ara ci m a o u

- o ) do c a mpo E .

o m ó dul o do ca mp o e l é tr ico (a) a 3, S e m e ( b ) a 8,0 em d o c e n t r o da esfe r a.

63 Uma ca s ca cond ut ora

s up erfície exter n a e uma p ar t íc u la ca rr egada na cavida d e inter n a. S e

a carga t ota l da ca s ca é - 1 0 J,LC, d e t e r mi n e

e s férica p oss u i um a carga de - 14 J,LC n a

a c ar ga (a) d a s u pe r fíc i e

i nt e rn a d a casc a ; ( b ) d a p a r tíc ul a.

64 U m a esfera carrega d a d e r a i o R p oss ui um a d e n s id a d e

t úne l r a di a l qu e a tr a -

ve s sa t ota lm e n t e a esfera. Um p r ó t o n p ode ser co l oca d o em q u a l-

q

módu l o da forç a e l etro s t ática

e m termos de R , a q u e

dis t â n c i a da s u pe r fí c ie

O,SOF R quan do o p r ó t o n se e nc o ntr a tún e l ; ( b ) d e nt ro d o tún e l.

65 U m a p l aca i n fin i ta qu e oc up a o espaço e ntr e os p l a n os x = - 5 , 0

em e x = + 5 , 0 em t em u ma densi d a d e

for m e p = 1,2 C/m 3 • D etermin e

p l a n o x = 4,0 cm; (b) no p l a n o x =6 , 0 em .

s i t u a d a n o p l a n o

66 U m a pl aca i n fi n ita d e espess ur a i n sig n ifica nt e ,

xy, p oss ui um a d e n s id a d e s up erf i c ial d e c a r gas uni fo rm e p = 8, 0 nCI

n

d e ca r gas

egativa s uni form e,

exce t o po r um peq u e n o

u er po n to do túnel o u de u m p ro l ongamento

a qu e é submetido

e n co ntr a n a sup e rfí c i e da esfera . D e t er m i n e ,

do túne l. Seja F R o o p r ó t o n qua nd o se

está o p on t o n o qu a l o mód ul o d a fo r ça é

(a) e m u m pr o l onga m e nt o

d o

vo lu métrica

d e carga s un i -

o módulo do ca m po e l é t rico (a) no

.

: . F i g . 2 3 -S3 mos tr a u ma s up erf í c i e

ga u ss i a na

co m a f orm a d ~

m

' . D e t e rmin e

o f lu xo e l é t rico a tr a v és d e uma e s f e r a ga us s i a n a c om

=~ . : I : .; J Ode 2 , 00 m de lado, i m ersa em um ca mp o e l é tri co d a d o p or E

ce

ntr o n a or i ge m e 5 , 0 cm d e r a i o.

:!

C=l · ~~)

- 4, (0 ) i +

6,00} + 7,00 k N/ C, co m x em me tr os . Qual

" , _ lOtal co n ti d a no c u bo?

z

y

x

Fig. 23·53 Problema 58 .

g , :!.3-54 m o s tra u ma su p erfíc i e

o e _

co m a fo rm a de

.0 0 m de l a do, co m u m vé rt ice no p o nt o x J = S, o o m,

m , O c ubo es t á i mer so e m um ca mpo e l é tri co d a d o por E

i - 4 , 00 - ; J + 3, 00 k N/ C, c o m y em m e tr o s . Q u a l é a co nti d a n o cubo ?

ga u ss i a n a

67 U m a esfera metá l ica d e espess ur a i n s ig nifi cante poss u i um r aio

o valor d e E

d a esfera; (c) a 3 , 00

m d e di s t â n cia do ce ntr o da esfera.

68 O ca mp o el é tri co e m um a ce rt a reg i ão d o e s p a ç o é d a do p or E =

(x + 2) i N/C , co m x e m m e tr os . C on s id e r e uma s u pe r f í c i e ga u ssia n a

ci l í nd rica ,

d o ci l ind r o es t á em x = O. (a) D ete r mine

e l ét r i c o atravé s da o u tra bas e d o ci l in dr o, sit u ada em x = 2,0 m. (b) Determin e a carga n o int erior do c il i n dro .

69 Uma ca r ga d e 6,00 p C está d ist ri b u í d a uni fo r meme nt e

esfe r a de r a i o r = 4, 00 em. D e t e rmin e

( a ) a 6 , 00 em d o ce ntr o d a esfe ra ; (b ) a 3, 00 e m d o ce ntr o da esfe r a.

70 A Fig. 23- 5 5 m o s t r a um a v i s t a d e perfil d e tr ês pl acas não -

co

(

de 2 5 , 0 cm e u ma ca r ga d e 2 , 00 X 1 0 - 7 C . D e t ermine

a ) n o interior d a e s fera ; (b ) junto à s u perfíc i e

co m 2 0 e m de raio, coaxia l com o e i xo x . Uma d as b ases

de grande exten s ão

o va l o r abso lut o d o f l uxo

e m um a

o m ó dul o d o ca mp o e l é tri co

co m um a d e n s id ade

uni fo rm e d e

n d u to r a s

z

ca

r gas . As d ensi d ades supe r ficia i s

d e cargas são O"J = +2,00 J,LCI

m

' , 0" 2 = +4,00 J,LC/m 2 e 0" 3 = - 5 ,00 J,LC/m 2 ; L = 1 ,50 em. N a

Fig. 23-54 P rob l e m a 59.

era p o s ui uma d e n s id a d e

d

e carg as u niforme.

Em ter -

~15 0 0 n! lO R d a e s fera , a q u e d is t â n cia d o ce n tro o m ó dul o do campo

~o . : ::c é i g u al ao 1 /4 d o va l o r m áx im o do l ado d e fora?

Oca r a o o elét rico no po nt o P , a um a p eq u e n a di s t â n cia d a s upe r -

( a ) d o l ado d e d e n tro da

de u ma c as ca esfér ica

m e t á li ca com 1 0 c m d e raio in -

em de r a io ex t e rno, tem u m m ódulo de 4S0 N/C e apo n ta

.

" do cent r o. Quando

u ma carga pontu a l desco n hec i da Q é

ce ntro d a casc a , o se n tido d o campo pe rm anece o me s - i lX l r o ü lO OlHO di m i nui para 1 80 N/ C . (a) D ete rmin e a ca r ga d a casca.

= ~ De~ mi · n e

o va lor da carga Q. D e p o i s qu e a carga Q é co l oca d a ,

àl~ i : ll i Je

a d e ns idade s up erfici a l

d

d e ca r ga (c) na s up e r fí c i e

int e rn a

) na s uperfíci e

e s fer a não - condutora

ex t er n a d a casca.

com 5,0 e m de raio p oss u i u ma d e n -

u mét rica uni f orme de car g as p = 3,2 J,LC/m 3 • Dete rm i n e

n o t ação de veto r es uni tá ri os,

qu a l é o ca m po e l ét r ico n o p o nt o P?

~ =- P_·=rL_/_2

_

I

I

2L

J

L

x

a2~--~--------~'----~--~-

a

J

*i

L

_

Fig . 23 - 55 Prob l ema 70 .

71 O f lu xo de ca mp o e l é tr ico e m ca d a f a ce d e um d ado t e m u m va l o r

a b so lu to, e m unid a d es d e 10 3 N - m 2 /C, i g ual a o núm e r o N d e pon-

t os d a face ( I S ; N s ; 6) . O f lu xo é p a r a d e ntro s e N for ímp a r e p a r a fora se N fo r p a r . Q u a l é a c arga no int e ri o r d o d a d o?

d e

cargas u nifo rm e p . ( a) M o s tre q ue o ca mp o e l é tr ico em um po n to P

n o in t erio r da e s f e ra é igual a p r 136 o , onde r é o vetor qu e liga o

72 U m a esfe r a n ão-co ndu to r a

t e m u ma d e n s ida de vo lum é t rica

ce n t r o d a esfera ao p o nt o P . ( Ob serve q u e est e r esul ta d o é ind e p e n-

82 A Eq. 23 - 11 (E = CTlE: o )pode s er u sada para ca l c ul a r o c a m p o

d

e n t e do r a io da e s fera) . (b) U m a cavidade e s férica é a b e r ta na e s fe -

e

l é t rico em ponto s s itu ados n as vizin h a n ças de uma e s fera condu tar a

r

a , como mos tr a a F i g . 23-56 . Usan d o o prin c í p io da s u perposição,

c

arrega d a . Ap l iq u e es t a equação a uma esfe r a con dut ora de r ai o r e

mo s tr e qu e o campo e l é trico no i n terior d a cavidad e é u niform e e

i g u a l a /3e o , onde ã é o ve t ar qu e l iga o cent r o da esf e ra ao c e n -

tro da cavida d e (Ob s er v e q u e este res ul tado é in d epe n de n t e d o raio

d a e s fera e do r a io da c avidade. )

Fig. 23-56 Pr o bl e m a 7 2 .

73 U m a s upe r fíc i e ga u ssiana e m form a de he m isfério , de raio R = 5,68 em , es t á i mersa em um campo elétrico un ifor m e de módu l o E

=

2 , 50 N / C . Não exi s te n e nhu ma carga n o i n te r ior d a superfície .

N

a b ase ( p la n a) d a s u perfí c ie, o ca mp o é perpe n dic ul ar à s u pe r fíc i e

e

apo nt a p a r a o int e ri o r d a s up e r fíc ie . D ete rmin e o f lu xo (a) at r avés

da b ase; ( b ) a t rav és d a p a rt e cur v a d a s up e r fí ci e .

74 U m a ca r ga p on tu a l q = 1 , 0 X 10 - 7 C é co l oca d a n o ce ntr o d e

u ma cav i dade esfér i ca de 3,0 em de r aio a b e rt a e m u m bl oco de

m etal . U se a l e i de G a u ss p ara d ete r mina r o ca m po elé tr ico (a ) a

1 , 5 em de dis t â n cia d o cen t r o da cavidade; (b) n o i n te r io r d o bl oco

d e meta l.

7S Uma placa infi ni ta de espess u ra insi g nifica n te , situada no pl ano x y, p oss u i um a d e n sidade s up e r fic i a l de ca r gas un iforme p = 8,00

n

C/m 2 ; uma pl aca semelh an t e, s itu a d a n o pl a no z = 2 , 00, possu i u ma

d

e n si d ade s up e rfi cial d e car gas un iforme p = 3, 0 0 n C/ m 2 • D e t e rm i-

n

e o mó dul o d o cam p o e l é t rico (a) n o pl a n o z = 1 ,00 m ; (b) n o pl a-

n

o z = 3, 00 m.

76 O po n to P es t á s i t u a d o n a r egião e n tre du as pl acas in fi nit as, pa -

r a l e l a s , n ã o-co ndut o r a s, a um a di s t ância d d e u rna da s p l acas, q u e poss u i um a d e n s id ade s u perfici a l d e ca r gas -3,ooCT 1 , e a u ma d is-

t

â n cia 3,ood d a o u tra p l aca , que po s s u i u ma d ensidad e s u pe r f i c i al

d

e car g as +CT 1 Qu a l é o mód ul o

do c ampo e l étrico no ponto P em

u

nida d es de CT/ 8 0 ?

77 U m a casca esférica me t á li ca d e r aio a e e s p essura in s ig n ificante

p oss u i u ma ca r ga qa. U m a seg un da casca, concê n trica com a p rim ei-

r a, p ossui um raio b > a e u ma c a r ga qb. D e t e r mi n e o campo e l é t ri-

co e m po nto s sit u a d os a um a di s t â n c i a r d o ce nt ro d as cascas (a) p a r a r < a; ( b ) p a ra a < r < b ; (c) p ara r > b . ( d ) Di scut a O mé t o d o qu e você u sa r ia p a r a d e t e r mi n a r o m odo como as ca r gas est ão di s t r i b u-

í d a s n a s s up e r fíc i e s in te rn a s e exter n as das cascas.

78 Qu a l é a carga e nvolvid a pe l o c u bo ga u s s i ano do Pro bl e ma 3 ?

79 Uma p a r t í c u l a de c a r ga + 5,00 pC está no cent r o da cavidad e

c r i ad a por u ma cas ca co n d u tora e s fé r ica co m u ma carga d e - 3 , 00 pc . A ca s ca tem um raio inte rn o de 0 , 800 m e u m r a io externo d e

1 , 40 m . Dete rmi n e (a) o mód ul o E e (b) o sentido (para de ntr o o u

pa r a fora) d o campo e l ét r ico e m um ponto s it u a d o a u ma dis t â n cia r

= 0 , 500 m d o centr o d e c u r v at ur a da c asca . Det e r mi n e o va l o r d e E

(c) para r = 1 , 00 m e ( d ) p ara r = 2,00 m .

80 Uma esfe r a d e r aio R p o s s ui um a de n s id a d e vo lur n é t rica de car - gas uni f orm e e p rod u z um camp o el é tri co d e m ó dul o EI n o pont o P ,

sit u a d o a u m a d istâ n c i a 2R d o ce ntr o d a esfe r a . S e um a cavida d e d e

raio R/2,oo é c r iada no i n terior da esfera , qu a l é o n ovo valor d o

campo el é tr i co no ponto P em termo s d e EI?

81 Um p r ó ton de ve l ocidade v = 3 , 00 X 1 0 5 rnIs gira em ó r bi t a em

t omo d e u m a e s fera carregada de raio r = 1 , 00 c m . Q u al é a carg a da esf e ra ?

ca r g a q e mostre qu e o c ampo e l é trico

i g ual ao campo prod u zido por uma ca r ga p o ntu a l s ituad a n o centr o

d a e s fera .

do lado d e fora da e s f e r a é

 

83

Em u m artigo de 1911 , Ernest Ru t h e r ford a firmou o s eg u inte :

"

Pa r a t er u ma idéia das fo r ça s n ecessárias para que u m a partí c u l a a

s

ofra um gra n d e de s vio , co n sidere u m á t omo co m o um a car g a Z e

po s i t iva ce ntra l cerca d a po r um a ca r ga -Z e d e e l e t r i cida d e ne ga ti -

va d i s tri bu ída un ifor m eme n te e m um a esfera d e r a i o R . O cam p o

e l étrico E a u ma di s t â n c i a r d o cen tro , p a r a u m p o nt o no interio r d o át o mo, é dado por

E=~(~- c )"

4 7 T S o

r 2

R 3·

Mo s tre que e sta equa ç ão e s t á c orreta .

84 A F i g . 23-57 mo s t r a u m d i a grama e s quemá tico do c ont ad or Ge i ger , u m a p a r e lh o u sado para d etec t a r r ad i ação ioniza n te ( r ad ia - ção co m e n e r g i a s u ficie n te para io n iza r átomos). O co n tad o r é f or- mad o p or um fio ce ntra l p ositiva m e nt e ca r rega d o e um c ili ndr o c i r-

c ul a r o co, coax i a l , co ndut o r , co m um a ca r ga n ega tiva d e m e sm o

va

da

d e e ntre o c ili n d r o , qu e co n tém u m gás i n er t e ra r efeit o, e o f i o .

Uma p a r tíc u la de r a d iação q u e p e netre n o a p a r e lh o atr avés da p ar e-

d e do cilind r o io n i z a a l gun s átomo s d o gás , pro du z i n do e l é tron s li - vre s, q u e s ão ace l erados n a di r eç ão do fio po s itivo . Entret a n t o. o

c a mpo e l é trico é t ã o in t enso q u e, antes d e c olid i r com o u tro s át o -

m o s do g ás , o s e l é tron s livres adquirem e n e rgia s uficiente p ar a

ionizar estes á tomos, cr i a nd o a s sim out r os elé tron s livres. O pr oc ess o

se repe t e até os elé t r o n s c h egarem ao fio . A "ava l an c he" de e l étr on s

l o r a b so luto. As cargas c riam um ca mp o e l é tri c o de a lta int en si-

re

s u l tant e é r eco lhid a p e l o fio , gerando um sinal q u e é u s ado p a r a

as

s i n a l a r a p assag e m d a p ar t ícul a or i g in a l d e r a di ação . S up onh a q u e

o

f i o ce ntra l t e nh a u m raio d e 2 5 JLm e o cilindro tenh a um r a io i n-

t

e r n o d e 1 ,4 e m e um co m primen t o d e 1 6 em, S e o ca mp o e l é t ri c o

n a supe r f í c ie in ter n a do cil indro é 2,9 X 10" N/C, q ua l é a car g a

po s iti v a do fio centra l ?

Cilindro o co ca rr e gad o

Fig. 23-57 P r ob l e m a 84.

8S U m cil i nd ro i nf i nita m e nt e l o n go d e raio R co n tém u ma di str i -

bu ição uni form e d e ca r gas. (a) Mos t re qu e, a um a d i stâ n c i a r < R

do cil i ndr o ,

E=.!!!

2 so'

onde p é a de n sid a de volumétri c a de cargas . (b) E s creva um a e x -

p r e s são p ara E qua n do r > R .