Você está na página 1de 11

1.

INTRODUÇÃO

Este trabalho foi realizado de pesquisas da internet e autores renomados para o


aprimoramento do academico e demais profissionaisÉ da natureza humana a extrema
criatividade, não reconhecendo esta qualquer limitação imposta pelos conhecimentos
científicos de uma determinada época. Assim, os limites que a ciência pretende serem
intransponíveis em dada etapa histórica de seu desenvolvimento, vêm se mostrando
apenas como marcos na evolução dela mesma, sendo reiteradamente ultrapassados pelo
desenvolvimento de novas tecnologias.

Na década de 70, para agilizar e garantir o funcionamento e segurança das informações


contidas nos computadores utilizados para fins militares, nos Estados Unidos foi
desenvolvido um sistema de interligação daqueles em rede. O mesmo sistema de
interligação de redes locais veio posteriormente a ser utilizado pelas universidades
americanas e laboratórios de pesquisa.

Este conceito de interligação de redes locais foi que deu origem à rede mundial de
computadores, denominada Internet. Com o seu advento, viu o mundo nascer um campo
inteiramente novo no que diz respeito às relações entre os indivíduos.

Sem sair de casa, o usuário da rede pode se comunicar com outras pessoas que se
encontram nos rincões mais afastados do planeta. Havendo, onde quer que seja, um
computador conectado à rede, haverá comunicação, troca de informações e mesmo
comércio.

As sociedades não são entidades estáticas, evoluindo continuamente com o passar dos
tempos, de forma que o direito, ao visar regular os hábitos e atividades sociais, deve
necessariamente acompanhar esta evolução, alterando ou dando novas interpretações às
regras jurídicas existentes em cada país.

Competindo ao Direito regular as relações entre os indivíduos, dando-lhes segurança e


estabilidade nas relações jurídicas que estabelecem, também a ele compete a
regulamentação das relações que se originam das facilidades proporcionadas pela
Internet.

Um exemplo claro das mudanças levadas a efeito pela crescente utilização das facilidades
e agilidade próprias da rede mundial de computadores, está na presente e crescente
dispensabilidade dos documentos físicos que façam prova da consumação de um contrato.
Mesmo a assinatura deste, até então levada a efeito pela rubrica de próprio punho dos
contratantes, vem sendo substituída pela denominada assinatura digital.

Este novo campo que se abre para as relações transindividuais, contudo, traz consigo um
problema já velho conhecido do Homem, o da segurança na transmissão de informações.
Assim é que, atualmente, se vêm buscando dar segurança e fidedignidade às transações e
transferência de informações via Internet.

Cabe ao Direito regular tais situações, visto que já se constituem numa realidade no dia a
dia daqueles que se utilizam da Internet nas suas transações, seja através de uma
releitura de suas regras, seja por meio da edição de novas normas que permitam lidar
satisfatoriamente com esta nova realidade.

2. TEORIA DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS

Podemos definir contrato como uma espécie de negócio jurídico, de natureza bilateral ou
plurilateral, dependente, para sua formação, do encontro da vontade das partes, que cria
para ambas uma norma jurídica individual reguladora de interesses privados. Assim sendo,
tem ele por fundamento a vontade humana, atuada conforme a ordem jurídica vigente, que
lhe dá força criativa. É norma jurídica individual posto que estabelece direitos e
obrigações, em regra, apenas entre os contratantes.

São, pois, dois os elementos componentes da noção de contrato: o estrutural, que requer
a convergência de duas ou mais vontades contrapostas; e o funcional, que diz respeito à
composição daqueles interesses contrapostos, contudo harmonizáveis, com o fito de
constituir, modificar ou extinguir relações jurídicas de natureza patrimonial.

Por se constituir em um negócio jurídico, o contrato deve atender, para sua validade, aos
requisitos subjetivos, objetivos e formais contidos no art. 82 do Código Civil, que são:
agente capaz, objeto lícito e forma prescrita ou não defesa em lei.

Os requisitos subjetivos são: a existência de duas ou mais pessoas, posto ser o contrato
um negócio jurídico bilateral ou plurilateral; capacidade genérica das partes contratantes
para os atos da vida civil; aptidão específica para contratar; e consentimento das partes
contratantes.

São objetivos os seguintes requisitos, que dizem respeito ao objeto do contrato: objeto
lícito, ou seja, que não seja contrário à lei, à moral, aos princípios da ordem pública e aos
bons costumes; possibilidade física ou jurídica do objeto; determinação do objeto, que
deve ser certo ou, ao menos, determinável; e ser o objeto susceptível de valoração
econômica.

Os requisitos formais dizem respeito à forma do contrato, sendo que atualmente a regra é
a liberdade das formas, donde a simples declaração de vontade tem o condão de originar
uma relação obrigacional entre as partes, gerando efeitos jurídicos independentemente da
forma de que seja revestida. Nos casos onde a forma é da essência do contrato, a lei
assim o determinará. Não o fazendo, vigora o princípio da liberdade das formas.

O acordo de vontades, indispensável para a formação da relação contratual, se expressa


de um lado pela oferta e de outro pela aceitação. São esses dois os elementos
indispensáveis para a formação dos contratos.

A oferta ou proposta é a declaração de vontade, dirigida de uma pessoa a outra, através


da qual a primeira manifesta a sua intenção de se vincular, caso a outra parte aceite. É ela
a declaração unilateral de vontade oriunda do proponente. Tem por característica vincular
aquele que a formula, salvo se o contrário resultar dos próprios termos da proposta, da
natureza do negócio ou das circunstâncias do caso concreto. Posto ser vinculante, deve
conter todos os elementos essenciais do negócio jurídico proposto, de forma que deve ser
séria, completa, precisa e inequívoca.

A policitação implica na sua obrigatoriedade, como regra geral, constituindo-se, pois, no


ônus de o policitante não a revogar por um determinado período de tempo, sob pena de
ressarcimento das perdas e danos. Esta obrigatoriedade, contudo, não é absoluta,
prevendo o Código Civil, em seus arts. 1.080 e 1081, as situações onde a oferta não será
obrigatória, que são: existência de cláusula expressa que lhe retire a força vinculante; se
da própria natureza do negócio flui a falta de obrigatoriedade da proposta; deixa de ser
obrigatória a proposta se, feita sem prazo a uma pessoa presente, não é imediatamente
aceita, ou se, feita sem prazo a pessoa ausente, ocorrerem uma das seguintes situações:
estando o oblato ausente, haja transcorrido tempo suficiente para que dela tomasse ele
conhecimento e enviasse resposta ao policitante (prazo moral); tendo sido estipulado
prazo para a espera da resposta, não seja ela expedida dentro dele; tendo o proponente
se arrependido de oferta já remetida, não haverá obrigatoriedade caso a retratação
anteceda ao recebimento daquela ou lhe seja concomitante.

Fora dos casos acima expostos a oferta é obrigatória ao ofertante, sob pena de
indenização dos prejuízos causados ao oblato pela recusa em cumpri-la.

Aceitação é a manifestação de vontade por parte do oblato, que, levada a efeito dentro de
determinado prazo, em aderir à oferta feita pelo policitante, em todos os seus termos,
através da qual se tem por concluído o contrato, caso chegue oportunamente ao
conhecimento deste último.

Poderá a aceitação ser expressa ou tácita, salvo nos contratos solenes. Deve ainda ser
oportuna, ou seja, que tenha sido formulada dentro do prazo concedido pelo policitante.
Não havendo prazo determinado a oferta perdurará até que haja retratação, desde que
esta preceda à expedição da aceitação.

A aceitação deve, ademais, ser integral e nos moldes da oferta feita. Caso a oferta seja
alternativa, deverá o oblato indicar a de sua escolha, ou do contrário o policitante
entenderá haver ele consentido com qualquer uma delas.

Caso o oblato ofereça sua aceitação, sem, contudo, se submeter aos requisitos
componentes da oferta, haverá, em realidade, uma nova proposta, ficando o proponente
da primeira liberado dela. O mesmo ocorre na aceitação intempestiva, que será entendida
como nova proposta, à qual o primeiro policitante pode ou não acordar.

Quanto ao momento da conclusão contratual, este variará conforme se realize entre


presentes ou entre ausentes. Entre presentes a questão não apresenta problemas, posto
que as partes se vinculam no momento mesmo em que o oblato aceita a proposta, quando
então há a união coincidente das vontades dos contratantes.

Caso o contrato se realize entre ausentes, haverá um intervalo de tempo, mais ou menos
longo, entre a aceitação e o conhecimento dela pelo proponente. Assim a doutrina criou
teorias com base na resposta à oferta a fim de estabelecer o momento em que o contrato
pode ser tido como concluído e, consequentemente, obrigatório para as partes.

A primeira teoria é a da informação ou cognição, segundo a qual o contrato é tido por


concluído no momento em que o ofertante toma ciência da aceitação do oblato. Isto
porque, para esta teoria, não se pode dizer que um negócio jurídico esteja realizado sem
que o proponente e o aceitante tenham conhecimento da vontade um do outro.

Esta teoria encontra-se hoje em decadência, posto que dá margem a fraude e má-fé por
parte do ofertante, que poderia, p. ex., conforme a variação do mercado lhe seja mais ou
menos vantajosa, dar por lida ou não uma aceitação. Enorme seria, nesta hipótese, a
dificuldade do aceitante em provar a ocorrência de fraude ou má-fé por parte do ofertante.

A segunda teoria é a da agnição ou declaração, que entende por concluído o contrato no


instante em que o oblato manifesta sua aquiescência à proposta. Esta teoria apresenta 3
subespécies que são: da declaração propriamente dita, segundo a qual o contrato está
concluído no momento em que o aceitante formula sua aceitação em resposta à oferta,
redigindo a carta, telegrama ou e-mail. Não tem boa acolhida posto que facilmente o
aceitante poderia destruir qualquer prova da aceitação formulada, destruindo a missiva
que a continha; da expedição, pela qual não basta a formulação da aceitação, sendo
indispensável a sua remessa ao policitante, quando então se entende ter o oblato feito
tudo o que seria necessário para externar a sua aceitação; da recepção, que entende
concluído um contrato no momento em que o policitante recebe, efetivamente, a resposta
favorável, mesmo que não seja por ele lida. Para esta corrente, não é necessário que o
proponente tome conhecimento da aceitação, bastando apenas que tenha efetivamente
recebido a carta, telegrama ou e-mail que a transmite.

O nosso Código Civil adotou, em seu art. 1086, a teoria da agnição na modalidade
expedição, salvo três exceções, previstas no art. 1085 e incisos II e III, do próprio art.
1086, que adotam a teoria da recepção.

Ao determinar que a aceitação será inexistente caso antes ou juntamente com ela chegue
a retratação, o art. 1085 não está contradizendo o art. 1086, mas confirmando-lhe o
conteúdo. Isto porque coloca a aceitação remetida ao policitante na mesma situação e
submetida à mesma regra da proposta remetida ao oblato ausente.

As outras duas exceções, constantes dos incisos II e III do art. 1086, são as seguintes: o
inciso II estabelece que o contrato se consuma no momento da recepção, caso o
proponente tenha se comprometido a esperar pela resposta; e o inciso III determina que o
contrato não se consuma pela expedição da resposta, caso não tenha ela chegado dentro
do prazo convencionado.

Havendo um momento em que efetivamente, ou por presunção, as vontades convergem,


surgindo o contrato, claro está haver também um lugar determinado para se entender
efetivada a sua celebração.
Apesar de o Código Civil haver adotado a teoria da expedição da aceitação, sob o ponto
de vista do tempo do contrato, adotou, quanto ao lugar da celebração do mesmo, o da
expedição da oferta.

A determinação do lugar onde se tem por concluído o contrato é de suma importância para
se determinar, não apenas o foro competente, mas também a lei a ser aplicada à relação
contratual. Conforme o art. 9º, § 2º, da LICC, a obrigação oriunda de contrato é reputada
constituída no lugar em que reside o proponente, de forma que, se o ofertante residir na
Alemanha, os efeitos do negócio jurídico reger-se-ão pelas leis daquele país.

3. CONTRATOS ELETRÔNICOS

Neste item tentaremos correlacionar a teoria das obrigações contratuais, acima resumida,
aos contratos eletrônicos, a fim de verificar a sua eficácia e validade, tendo em vista que,
desde 1916, o contrato verbal é admitido como válido.

Como dito mais acima, contrato pode ser definido como a espécie de negócio jurídico, de
natureza bilateral ou plurilateral, dependente, para sua formação, do encontro da vontade
das partes, que cria para ambas uma norma jurídica individual reguladora de interesses
privados.

Esta definição é perfeitamente aplicável aos contratos eletrônicos, posto que do seu
conteúdo se depreende inexistir qualquer elemento incompatível com os mesmos. A
natureza bilateral do negócio jurídico é perfeitamente identificável nos contratos
eletrônicos, bem como a sua formação pressupõe o encontro da vontade emanada das
partes contratantes, tal qual nos contratos em geral. Assim sendo, são eles perfeitamente
aptos a produzirem os efeitos jurídicos inerentes aos contratos, fazendo lei entre as partes.

Estão presentes também nos contratos eletrônicos os elementos estrutural, que pressupõe
a convergência de duas ou mais vontades; e funcional, pela composição dos interesses
contraposto de ambas as partes, com o fim de constituir, modificar ou extinguir relações
jurídicas de natureza patrimonial.

Quanto aos requisitos de validade dos contratos, verificaremos se os contratos eletrônicos


os observam na sua integralidade.

Os requisitos subjetivos de validade dos contratos, que são: a existência de duas ou mais
pessoas, por serem os contratos bilaterais; capacidade genérica das partes contratantes
para os atos da vida civil; aptidão específica para contratar; e consentimento das partes
contratantes; são absolutamente passíveis de atendimento nos contratos eletrônicos, não
existindo aí qualquer barreira a esta forma de contratação. Por trás de seu computador, o
usuário é uma pessoa real, de forma que, desde que possua capacidade para contratar,
nada impede que, por meio daquele instrumento, contrate com quem quer que seja.

São requisitos objetivos, por dizerem respeito ao objeto da contratação, os seguintes:


objeto lícito; possibilidade física ou jurídica do objeto; determinação do objeto; e ser ele
susceptível de valoração econômica. Aqui também não há empecilhos à aceitação dos
contratos eletrônicos dentro da teoria geral das obrigações contratuais. Ora, o objeto dos
contratos eletrônicos são, comumente, os mesmos dos contratos de compra e venda
comuns, diferindo apenas no que diz respeito à forma da contratação ou meio de entrega,
como no caso de compra de programas, que podem ser recebidos via Internet, pelo
processo denominado download.

Já os requisitos ditos formais requerem uma maior reflexão. Dizem eles respeito à forma
pela qual o contrato deverá ser expresso. Atualmente a regra geral é a da liberdade das
forma para a maioria das contratações, sendo as exceções previstas sempre
expressamente na lei. A contrário senso, inexistindo lei que determine forma pré
estabelecida para um dado contrato, então será ele válido se levado a efeito sob qualquer
forma não contrária ao direito.

Ora, não existe qualquer vedação legal à consumação de um contrato pelos meios
eletrônicos, de forma que, não exigindo o objeto da contratação forma prescrita em lei,
será ele perfeitamente admissível como contrato válido e eficaz, apto a produzir os efeitos
visados pela partes contratantes.

Não tendo encontrado qualquer incompatibilidade dos contratos eletrônicos em face dos
requisitos de validade dos contratos em geral, passamos a estudar a aplicabilidade das
fases de formação dos contratos aos contratos dito digitais.

Como acima referido, o acordo de vontades que permite a formação dos contratos é
expresso pela oferta do policitante e pela aceitação dela por parte do oblato.

A oferta é a declaração de vontade que o ofertante dirige ao oblato, por meio da qual
aquele manifesta a sua intenção de se vincular aos temos do contrato que propõe, caso
haja a aceitação por parte deste último. Em regra a oferta é obrigatória para o policitante,
salvo as exceções já tratadas no item anterior.

Nos contratos celebrados via Internet, a policitação, normalmente feitas nas home pages
daquele que procede à oferta, pode e deve atender aos mesmos requisitos e surtir os
mesmos efeitos imputáveis aos contratos em geral, dentre eles a da obrigatoriedade da
oferta feita. Mesmo as hipóteses nas quais a oferta não é obrigatória (arts. 1080 e 1081,
do CC) se aplicam integralmente aos contratos virtuais (vide item anterior), não havendo aí
qualquer ressalva.

A questão não é diferente na aceitação, manifestação da vontade do oblato em aceitar a


oferta feita, em todos os seus termos, pelo policitante, que nos contratos virtuais produz o
mesmo efeito dos contratos em geral de dar-se por concluída a relação contratual.
Normalmente, nos contratos eletrônicos, a aceitação se perfaz com a remessa do número
do cartão de crédito do oblato, para transferência do valor da mercadoria que pretende
adquirir para o policitante.

A aceitação pode ser expressa ou tácita, devendo obrigatoriamente ser expressa no caso
dos contratos solenes. Assim sendo, como nesta modalidade contratual a forma é requisito
de validade, os contratos eletrônicos não se prestam a veicular-lhes o conteúdo.
No que diz respeito ao momento da conclusão dos contratos, a sua variação conforme se
realize entre presentes e ausentes não apresenta dificuldades no que concerne aos
contratos virtuais. Tais contratos são realizados entre ausentes, posto não haver contato
direito entre os contratantes, que se utilizam da Internet para contratar, não se aplicando
assim a modalidade de realização entre presentes. No mais, se aplica tudo quanto acima
foi dito sobre o tema, inclusive quanto à teoria da agnição, na modalidade expedição, e da
cognição, esta última constituindo-se em exceção à regra geral.

Quanto à retratação da proposta feita ou da aceitação, no caso dos contratos virtuais a


matéria torna-se mais melindrosa. Pela fórmula legal, a eficácia daquela depende de ser
ela recebida antes ou conjuntamente à proposta ou aceitação. Isto não apresenta maiores
problemas quando o meio empregado para a veiculação daquelas são os correios. Se
remetemos nossa aceitação por carta comum, e se, depois, pretendemos nos retratar,
bastaria apenas que enviássemos tal retratação por meio de um Sedex, que chegará ao
proponente ao mesmo tempo, ou mesmo antes, da aceitação formulada.

No caso dos contratos via Internet, que normalmente são levados a efeito por E-mail, a
remessa da proposta ou aceitação é quase que instantânea, o mesmo se dando com a
retratação. Ora, se a eficácia da retratação depende de ser ela recebida
concomitantemente à aceitação ou proposta, não importando a data da remessa de
qualquer uma delas, surge-nos ainda uma indagação: deve-se entender por recebido o e-
mail, que porta a proposta ou aceitação, no momento da recepção delas pelo provedor do
contratante?, ou no momento que esta, do provedor, é descarregada no computador do
usuário da rede?

Entendemos que a melhor solução seria a que entende por recebido o e-mail quando há a
descarga do arquivo no computador daquele a quem é feita a proposta, ou que aguarda a
aceitação, independentemente da data em que o arquivo é recebido pelo provedor de
acesso. De mais a mais, é sabido que, comumente, o login com o provedor pode
apresentar problemas, de forma que, por dias, o usuário pode vê-se impossibilitado de
enviar ou receber e-mails, ou sequer conectar-se à rede.

Não é menor a complexidade da questão sobre o lugar onde se deve dar por concluído o
contrato, como fator que é da determinação da legislação que regerá os efeitos dos
contratos firmados via rede mundial de computadores

O art. 9º, § 2º da LICC, norma de sobredireito aplicável aos contratos em geral, determina
que as obrigações resultante do contrato reputam-se constituídas no lugar onde residir o
proponente.

Ora, residência é a relação de fato, que se constitui no lugar em que determinada pessoa
habita ou tem o centro de suas ocupações, não se confundindo com o conceito de
domicílio, que é jurídico, criado pela lei, pelo qual se pressupõe estar uma dada pessoa
presente em determinado lugar.

Assim sendo, à primeira impressão, não apresenta a questão dos contratos virtuais grande
dilema no que concerne à matéria, sendo eles tidos como concluídos no local da
residência do proponente, seja ele na Alemanha, França, etc.
Contudo, alguns autores vêm questionando a simplicidade da questão, como o faz Walter
Douglas Stuber e Ana Cristina de Paiva Franco, no artigo de autoria de ambos A Internet
Sob a Ótica Jurídica (RT 749;66). Afirmam eles que, nas relações jurídicas originadas via
Internet, é praticamente impossível se determinar em qual território foram levadas a efeito,
sendo, portanto, impossível de se determinar qual a legislação a ser aplicada aos casos
concretos.

Não entendemos assim, porque, se a referida indeterminação decorre da impossibilidade


de se precisar a localização do computador utilizado nas transações por uma ou ambas as
partes, a procedência da proposta e da aceitação será perfeitamente identificável pela
sigla final do E-mail do policitante ou oblato (p. ex. .BR -> Brasil; .PT -> Portugal). E,
ademais, é óbvio que o oblato haverá de se certificar do local onde o proponente tem
fixada a sua residência, antes mesmo de assumir qualquer obrigação que seja, posto ser
ela o que realmente importa na determinação da legislação pertinente, e não o lugar onde
se encontra o computador utilizado nas transações.

Lembremo-nos de que a expressão residência não se confunde com o conceito de


domicílio, de forma que o que realmente importa para determinação da legislação que
regerá os efeitos de um dado contrato, não é a do lugar onde se encontra o computador do
qual provém a policitação, mas sim a do lugar onde efetivamente resida o policitante.

4. SIGILO E FIDEDIGNIDADE DA PROPOSTA E DA ACEITAÇÃO

Para que as partes interessadas em contratar tenham certeza da identidade uma da outra,
faz-se necessário o emprego de uma tecnologia ainda em desenvolvimento. Isto porque
ambas as partes devem estar perfeitamente identificadas para que o contrato a ser levado
a efeito produza os efeitos desejados por elas.

A tecnologia citada é denominada assinatura digital, que se constitui num conjunto de


caracteres alfanuméricos, resultante de complexas operações matemáticas de criptografia,
efetuadas por um computador sobre um documento eletrônico, à qual se dá o nome de
"sistema assimétrico de encriptação de dados".

Este sistema assimétrico de encriptação de dados requer a utilização de um par de


chaves, uma denominada chave privada e outra chave pública, uma deverá ser utilizada
para encriptar a mensagem, e a outra para desencriptá-la,. Apenas a chave de um dado
par é capaz de desencriptar uma mensagem encriptada pela outra do mesmo par, e vice
versa.

Para se ter a certeza de que uma dada assinatura procede de uma determinada pessoa,
se faz ainda necessário um sistema de certificação, que recebe o nome de Autoridade
Certificante, encarregado de fornecer os referidos pares de chaves, após a devida
comprovação da identidade do interessado em adquiri-las.

Vejamos com mais detalhes o procedimento empregado para a produção de uma


assinatura digital.
Como dito acima, uma das chaves componentes do par é denominada chave privada, e a
outra chave pública. Pública porque pode ser conhecida por quem quer que se interesse
em se comunicar com o seu possuidor, é ela de domínio público. Já a chave privada é de
conhecimento exclusivo do seu possuidor, devendo permanecer em sigilo a fim de dar
eficácia ao sistema assimétrico de encriptação.Também já foi dito que apenas uma chave
do par é capaz de desencriptar a mensagem encriptada pela outra. Daí duas
conseqüências importantes são tiradas:

Primeiro, empregando a chave pública de alguém se tem a certeza de que apenas e tão-
somente o possuidor de um dado par de chaves poderá ler uma mensagem por ela
encriptada, posto que apenas ele possui a Chave Privada correspondente capaz de
proceder à desencriptação. Está aí garantido o sigilo de uma proposta. Basta para tanto
que o proponente envie a proposta encriptada pela chave pública do oblato. Terá assim o
policitante a certeza de que apenas o oblato teve acesso à proposta feita.

Para que o oblato tenha a certeza da procedência da proposta, poderá ainda o


proponente "assinar" aquela. Conseguirá ele isto empregando mais uma vez a encriptação
por par de chaves, agora sendo utilizada a sua própria chave privada, de conhecimento
exclusivo seu, que somente poderá ser lida por sua chave pública, a outra o seu par. O
oblato, ao receber a proposta, esta duplamente encriptada, deverá, inicialmente
desencriptá-la com a chave pública do proponente, tendo assim a certeza de que ela
expressa efetivamente a vontade de contratar daquele, posto que a proposta foi encriptada
pela chave privada daquele, chave esta de conhecimento exclusivo seu. Deverá ainda o
oblato proceder a nova desencripatação, empregando agora a sua própria chave privada,
o que lhe garante o sigilo da proposta feita.

Para remeter a sua aceitação à proposta formulada pelo proponente, o oblato


deverá empregar o mesmo sistema, desta vez em sentido inverso, empregando
inicialmente sua chave privada, o que garante a procedência da mensagem, e depois a
chave pública do proponente, como garantia de sigilo. Assim terá este a certeza da
procedência da aceitação recebida e do sigilo da mesma.O universo criado pela Internet é
muito volátil, de forma que é perfeitamente possível a interceptação de uma mensagem
enviada por pessoa estranha ao negócio jurídico em formação, donde poderão querer os
contratantes garantir a integridade dos documentos eletrônicos que veiculam a proposta e
a aceitação, impossibilitando também o repúdio por parte do remetente de uma ou de
outra. Para tanto poderão eles se utilizar da função hash, função que, a partir de uma
mensagem de entrada, produz um código de tamanho fixo na saída. Cada mensagem
sobre a qual se utilize a função hash produz um código aleatório composto de letras e
números, sendo praticamente impossível se empregar o processo inverso a fim de
restaurar a mensagem original.Empregando a função hash o proponente, p. ex., obterá um
código que será remetido junto com a proposta. A função será obtida a partir da
mensagem original, antes de ser procedida as encriptações acima descritas.

Recebendo o oblato a mensagem encriptada mais o código obtido via função hash, deverá
desencripatar duplamente a proposta a fim de ter acesso à original. De posse desta,
deverá empregar novamente a função hash e comparar o código obtido por si ao código
remetido junto à mensagem recebida. Sendo as duas iguais, poderá o oblato estar certo
de que a proposta não sofreu qualquer adulteração no translado. Se diferentes, a
mensagem certamente foi violada.Deverá o oblato empregar o mesmo método acima
descrito para remeter ao policitante a aceitação De posse destes três sistemas, que
poderão ser empregados das mais variadas forma, e não apenas da forma aqui
exemplificada, aqueles que se interessem por contratar utilizando-se da rede mundial,
poderão fazê-lo com um grau razoável de confiabilidade na troca de informações, bem
como cientes de que o contrato assim assumido produzirá os efeitos desejados por
ambos.

5. VALOR PROBANTE DOS DOCUMENTOS DIGITAIS EM JUÍZO:

Este trabalho não objetiva coligir dados acerca do valor probante dos documentos
digitais em juízo. Contudo, faremos um breve comentário sobre o tema, tendo em vista
estar ele intimamente vinculado ao conteúdo do mesmo.

Para Chiovenda, documento, em sentido amplo, compreende toda a representação


material destinada a reproduzir determinada manifestação do pensamento, como uma voz
fixada duradouramente (Chiovenda, Instituições de Direito Processual Civil, vol. 3º, São
Paulo, 1945). Assim sendo, o documento é produto da atividade humana, destinado a
preservar, ao longo do tempo, um fato ocorrido no mundo fenomenológico.No que
concerne aos documentos eletrônicos, podem eles ser entendidos como representação
material de uma dada manifestação do pensamento, fixada, contudo, em um suporte
eletrônico. Em decorrência disto, fica dificultada uma interpretação ampliativa das normas
processuais referentes aos documentos, posto que para elas, em sua maioria, documento
é sinônimo obrigatório de escrito.

A validade e eficácia dos documentos eletrônicos como meio de prova em muito difere das
dos documentos comuns, isto porque apresentam eles uma série de peculiaridades
técnico-informáticas que lhe são próprias. Em sede de direito comparado, a saída
encontrada foi a elaboração de normas específicas sobre o tema que atendessem àquelas
peculiaridades. Nos Estados Unidos, p. ex., foi abandonada qualquer tentativa de
utilização de processos interpretativos das normas vigentes, tendo vários estados
elaborado legislação específica para a legitimação dos documentos eletrônicos.Assim
sendo, em nossa legislação, por faltarem normas específicas aplicáveis ao caso, os
documentos eletrônicos podem ser admitidos como meio de prova com fundamento no art.
332, do CPC, que determina que "todos os meios legais, bem como os moralmente
legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade
dos fatos, em que se funda a ação ou defesa".Deste artigo se depreende que o rol
existente no código processual é meramente exemplificativo, sendo admitido qualquer
meio de prova desde que legítimo. Aí, indubitavelmente, podem ser incluídos os
documentos eletrônicos.Contudo, o meio eletrônico é extremamente volátil, de forma que
se faz necessário garantir a integridade e a procedência de um documento antes de lhe
atribuir qualquer valor probante. Como acima já foi dito, isto pode ser obtido através do
emprego de um par de chaves, componentes do sistema assimétrico de encriptação de
dados, fornecido este por uma Autoridade Certificante.No Brasil, a única Autoridade
Certificante existente é privada e denominada Certsign, com sede no Rio de Janeiro. Esta
AC segue práticas internacionais a fim de proceder a identificação daqueles interessados
em adquirir um par de chaves. O procedimento empregado pela Certsign, que mantém um
contrato de emissão de assinaturas digitais registrado num cartório de registro de títulos e
documentos, visa garantir àqueles que pretendem trocar documentos via Internet a
identidade daqueles com quem contratarem.Havendo interesse entre duas pessoas de
trocarem documentos virtuais, deverão elas antecipadamente verificar o registro do
certificado uma da outra, junto à CA, a fim de terem por comprovada a identidade do outro
contratante. Sendo praticamente impossível a emissão de dois pares de chaves idênticos,
está garantida a identidade pessoal do futuro contratante, de forma que a certificação
digital, levada a efeito pela CA, tem o condão de legitimar os documentos eletrônicos como
meio de prova.

6. CONCLUSÃO

A Internet é uma realidade que não pode ser negada, como também não podem ser
negadas as facilidades que vem trazendo ao cotidiano das pessoa comuns. Se incumbe
ao Direito regular os negócios jurídicos de uma forma geral, com mais razão deverá ele
tratar dos contratos levados a efeito via Internet, com todas as peculiaridades que os
envolve.Muito trabalho e estudo deverá ser levado a efeito tanto pela legislação e quanto
pela doutrina, posto que nem sempre será possível a aplicação analógica das normas ora
existentes às peculiaridades apresentadas pelos contratos eletrônicos. As modernas
tecnologias de proteção ao comércio eletrônico dão certa estabilidade e confiabilidades às
transações ocorridas no meio eletrônico. Contudo, ao mesmo tempo que tais tecnologias
são desenvolvidas, contra medidas são adotadas por aqueles interessados em se
aproveitar de um meio tão efêmero e volátil para obter vantagens indevidas.Àqueles que
pretendem se utilizar do universo virtual nas suas transações comerciais deve ser
garantido um mínimo de segurança nas relações jurídicas que vierem a criar, cabendo ao
Direito acompanhar a evolução da genialidade humana a fim possibilitar tal garantia.Este
trabalho teve por objetivo fornecer um breve esboço das complexidades jurídicas que
surgiram com o advento da Internet, não tendo qualquer pretensão de fornecer soluções
ou sequer propostas de soluções. Estas deverão germinar de estudos mais aprofundados
do tema, do qual, no momento, a doutrina vem se esquivando, limitando-se a pequenos,
tímidos e esparsos trabalhos, tais quais este que ora apresentamos.