Você está na página 1de 4

2ª PARTE DA TAREFA

COMENTÁRIO AO TRABALHO DO COLEGA ANTÓNIO PINTO, DO


AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANCEDE - EB 2.3 DE EIRIZ - ANCEDE
– BAIÃO

Por não existir qualquer critério de selecção, decidi fazer uma escolha
aleatória de um trabalho. A “sorte grande” saiu ao António Pinto!! Por
ser homem?! Talvez… O lado pragmático estaria mais evidente…

Esta minha reflexão seguirá a ordem dos domínios que constam da


tabela matriz. Assim:

• Competências do professor bibliotecário:


 Partilho da opinião do colega quando diz que o
professor bibliotecário deve estar aberto à mudança e ser
capaz de inovar; quando realça a importância da
formação nas literacias de gestão de informação; quando
referência a sua dupla função na mudança do paradigma
educativo.
Acrescentaria, no entanto, que ao PB não basta ser
conhecedor de práticas e modelos pedagógicos, mas deve
ter a capacidade de contribuir de forma colaborativa e
articulada com os docentes dos vários departamentos
curriculares. Considero ainda importante referir a
necessidade de formação/qualificação na área da
biblioteconomia e o trabalho realizado em equipa.
Tendo em conta que o PB deve ter uma grande
capacidade de liderança e de gestão de ideias (que
implicam flexibilidade e actualização), questiono o facto
de o colega apresentar estas competências como uma
fraqueza. Também não partilho do seu conceito de
oportunidade, já que para mim, fazer com que a BE
responda aos desafios do contexto actual insere-se no
âmbito das acções a implementar. Oportunidade será
então, frequentar Formação e participar de toda a
dinâmica proposta pelos RBE e PNL, a título de exemplo.

• Organização e gestão da BE:


 Partilho da opinião do colega, quando considera a BE
como um espaço sócio-educativo e formativo, de
pesquisa, de partilha de informação, onde o aspecto
lúdico e a afectividade também têm lugar.
Acrescentaria, ainda, a importância do PB ter assento no
Conselho Pedagógico; da BE estar presente no
Regulamento Interno do Agrupamento (e/ou da escola);
da formação de todos os membros da equipa, do aumento
do crédito horário global, de forma a não condicionar o
crédito horário da equipa.

• Gestão da colecção:
 Partilho da opinião do colega quando diz que a BE
deve estar capacitada para responder aos novos desafios
tecnológicos e de informação; que deve ter um acervo
organizado, com um conjunto de recursos actualizados,
em extensão e em qualidade.
Acrescentaria, a necessidade de um sistema
informatizado de gestão bibliográfica; uma boa
organização do espaço, de forma a facilitar a identificação
das áreas e a importância dos apoios externos (ex. RBE).

• A BE como espaço de conhecimento e aprendizagem. Trabalho


colaborativo e articulado com Departamentos e docentes:
 Partilho da opinião do colega quando fala da
importância da articulação dos Departamentos e restante
comunidade educativa na planificação e desenvolvimento
de actividades educativas e de aprendizagem.
Acrescentaria o papel informacional, transformativo e
formativo da BE; o reconhecimento do contributo da BE
para o sucesso educativo; a capacidade de resposta da BE
às solicitações dos docentes e discentes quer ao nível de
recursos humanos quer materiais.

• Formação para a leitura e para as literacias:


 Partilho da opinião do colega quando refere o papel
determinante da BE na escola, ao contribuir para o
desenvolvimento de hábitos de leitura e ao promover as
literacias e o acompanhamento curricular das
aprendizagens.
Acrescentaria a importância da variedade e adequação
da colecção bem como da implementação de projectos de
promoção da leitura, em colaboração com o PNL.
Questiono o facto de apontar a divulgação de
passatempos e de concursos, comemorações de
efemérides e convites a escritores como pontos fortes…
Não serão actividades?? Também o envolvimento de todo
o agrupamento não é para mim uma fraqueza mas sim
uma mais valia… (talvez o colega queira dizer que não
existe esse envolvimento!).
Pelo facto de não depender da BE a autonomia financeira,
não colocaria este item como desafio/acção a
implementar, mas considerá-la-ia como uma
oportunidade.

• BE e os novos ambientes digitais:


 Partilho da opinião do colega quando considera
fundamental trabalhar transversalmente as práticas da
informação e educativa, considerando os novos espaços
virtuais.
Questiono o facto de considerar um professor de TIC
uma ameaça. Este elemento não só deve fazer parte integrante
da equipa como é sem dúvida uma mais-valia na BE. No quadro
das oportunidades, o colega deveria especificar o que pretende
operacionalizar.

• Gestão de evidências/avaliação:

 Partilho da opinião do colega quando considera como


desafio a gestão de evidências.

Acrescentaria o facto de existirem factores internos e


externos que condicionam as acções que realizamos ou
perspectivamos na BE. Assim a autoavaliação da BE é
fundamental, porque permite a aferição da eficácia dos serviços
prestados, bem como do impacto que tem nas atitudes,
comportamentos e competências dos utilizadores. Considero
ainda que existe uma ameaça comum a todas as BE: a
multiplicidade de tarefas exigidas ao PB, que dificulta essa
gestão de evidências.

Questiono: elaborar mapas estatísticos dos documentos


requisitados bem como descodificar através de inquéritos, a
alunos e professores, da leitura que fazem do serviço da BE não
serão indicadores de medida??

• Em Síntese:
 Partilho da opinião do colega, quanto aos factores de
sucesso apontados, bem como os obstáculos a vencer e as
acções prioritárias a implementar.
Acrescentaria, como acção prioritária, a implementação
do modelo de autoavaliação da BE, de modo a podermos
perspectivar a mudança.

António Pinto, esta maratona está apenas no início… não podemos


desanimar… a nossa boa vontade será um bom ponto de partida para
esta viagem… se não pudermos ir de alfa, vamos no regional!!

Um abraço,

Célia César