Você está na página 1de 30

Edema e

Hiperemia
Edema
60% de líquido

1/3 2/3
extracelular intracelular

Líquido intersticial
Conceito
• Acúmulo anormal de líquido no espaço
intersticial;

• Constituído por uma solução aquosa de sais


e proteínas do plasma.
Homeostase

• Hidrodinâmica entre os
meios intersticial e
vascular;
• Pressão hidrostática do
sangue (Intravascular
“arterial” – Interstício);
• Pressão oncótica
sanguínea (Interstício –
Intravascular “venoso”);
• Vasos linfáticos (líquido
residual nos interstícios).
Causas

Pressão Hidrostática
Elevada
• Saída excessiva de líquido
do vaso;
• Varizes, insuficiência
cardíaca.
Causas

Pressão
Coloidosmótica
Reduzida
- Não deslocamento do líquido do
meio intersticial para o interior do
vaso.
Causas

Obstrução Linfática

- Ex. Elefantíase
Causas
Retenção de sódio e água

Sódio e Pressão Pressão


água Hidrostática coloidosmótica

Ingestão > Excreção (Rins)


Classificação
• Edema Generalizado

- Edema renal
- Edema cardíaco
- Edema da gravidez
- Edema das cirroses hepáticas
- Edema iatrogênico
Classificação
• Edema Localizado

- Edemas alérgicos
- Edemas quimiotóxicos
- Edema pulmonar agudo
- Edema por traumatismo mecânico direto
- Edema por distúrbios da drenagem linfática
- Edema inflamatório
Tipos
• Edema Comum
• Linfedema
• Mixedema
Aspectos clínicos
• O edema pode ser um sinal de doença cardíaca,
hepática, renal, desnutrição grave, hipotireoidismo,
obstrução venosa e linfática.

• Seus efeitos variam desde um leve incômodo até o


êxito letal.
Caso clínico
• Paciente: V.L.S.

• Idade: 37 anos

• Sexo: Feminino

• Queixa principal: Dor latejante no 1º pré-molar superior


esquerdo.

• Sintomas: Dor melhora com o calor, local sensível ao tato, a dor


parece pontadas de agulha, local avermelhado, olhos vermelhos,
febre, ao exame clínico foi observado edema facial.
Caso clínico
• Diagnóstico odontológico: Necrose da polpa com conseqüente
abscesso pulpar.

• Tratamento: Optou-se por drenar o abscesso mas paciente não


suportou a dor impossibilitando a conclusão da intervenção.
Sendo assim, receitou-se o remédio Hepar sulphur.

• Retorno: No mesmo dia o inchaço diminuiu e começou a sair pus


(abscesso drenado). Uma semana após paciente retornou sem
apresentar sintomas. Optou-se pela exodontia do elemento
dental, pois dente não permitia tratamento endodôntico.
Hiperemia
Conceito
• Aumento do volume de sangue num tecido ou
parte afetada.
Classificação
• Hiperemia Ativa

- Vasodilatação arteriolar ou capilar.

- Dilatação arterial:
• Mecanismos neurogênicos simpáticos
• Liberação de substâncias vasoativas (Histamina,
Serotonina, Cininas, PG’s)

- Podendo ser Fisiológica ou Patológica.


Hiperemia Ativa Fisiológica
• Modificações circulatórias adaptativas a
maiores exigências funcionais.

• Aumentar o suprimento de nutrientes e


oxigênio:

Ex: exercício físico,digestão, trabalho mental.


Hiperemia Ativa Patológica
• Modificações circulatória que surgem no
decurso de vários processos patológicos.

Ex: inflamações agudas, injúria térmica,


agressão por irradiação, traumatismos,
descompressão de vasos.
Hiperemia Ativa - Gengiva

Nesse corte de gengiva, notamos que as arteríolas e os capilares (setas) apresentam-se


com grande quantidade de hemáceas, indicando um processo de hiperemia ativa.
Provavelmente, essa gengiva está sofrendo um processo inflamatório.
Classificação
• Hiperemia Passiva (congestão):

- Alteração circulatória decorrente da diminuição da


drenagem venosa, podendo comprometer apenas um
órgão ou quase todo o sistema venoso.

- Podendo ser localizada ou generalizada


Hiperemia Passiva localizada
• Dificuldade do retorno venoso local.

Causas:
Compressão de ramos venosos
Obstruções intrínsecas
Insuficiência das válvulas venosas
Hiperemia Passiva
Generalizada
• Dificuldade do retorno venoso sistêmico.

Causas:
Insuficiência ventricular direita
Alterações da válvula tricúspide cardíaca
Compressão do átrio direito e/ou das veias cavas.
Congestão Passiva Crônica -
Fígado

Corte de fígado em que se observa uma veia centro-lobular completamente


congestionada de hemáceas, indicando uma hipofunção dessa estrutura. No
parênquima do órgão, nota-se grande quantidade de hemáceas, principalmente ao
redor da veia. Esse quadro é indicativo de congestão passiva crônica. Células
periféricas à veia centro-lobular mantêm-se ainda normais (CH). Grande quantidade
de pigmentos de hemossiderina (setas), oriundos da lise de hemáceas.
Conseqüências
• Edema
• Hemorragias
• Fenômenos degenerativos, hipotrofia e
necrose
• Proliferação fibroblástica e colagenogênese
• Tromboses venosas
Hiperemia pulpar
• Agente agressor lesa o dente causando uma
hiperemia (cárie, fraturas, infiltrações em
restaurações)

Tipos:
• Reversível( pulpite focal - hiperemia)
• Irreversível (pulpite aguda - inflamação).
MEU ORKUT:
http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=44383749
50841009761
MEUS ARQUIVOS:

http://www.4shared.com/u/prmtsvp/5a440a58/fac
pymailcom.html
http://www.scribd.com/people/view/963579-
fidelis-alberto

fidelis.alberto@gmail.com
Hiperemia Pulpar