Você está na página 1de 6

D. Y. M. Delforge et al.

Metalurgia do Pó

Sinterização de uma mistura de cavaco de aço


inoxidável com pó do mesmo material. Uma
nova tecnologia para a reciclagem de metais?
Daniel Yvan Martin Delforge
Depart. Eng. Mecânica, Faculdade de Eng. de Ilha Solteira, UNESP. E-mail: delforge@dem.feis.unesp.br
Itamar Ferreira
Depart. Eng. de Materiais, Faculdade de Eng. Mecânica, UNICAMP. E-mail: itamar@dem.unicamp.br
Cesar Garcia Rocha da Silva
Depart. Eng. Mecânica, Faculdade de Eng. de Ilha Solteira, UNESP. E-mail: cesar.roc@bol.com.br
Eduardo Antônio Geris Paris
Depart. Eng. Mecânica, Faculdade de Eng. de Ilha Solteira, UNESP. E-mail: eduardo_paris@hotmail.com
André Luis Marcelo
Depart. Eng. Mecânica, Faculdade de Eng. de Ilha Solteira, UNESP. E-mail: andréluiz_rp@hotmail.com
Rafael Henrique Novaes
Depart. Eng. Mecânica, Faculdade de Eng. de Ilha Solteira, UNESP. E-mail: peets_unesp@hotmail.com

Resumo Abstract
A reutilização dos materiais recicláveis tem como The reuse of materials has as its main objective to
principais objetivos minimizar os impactos ambientais e minimize environmental impacts and to rationalize the
racionalizar a utilização das cadeias energéticas, sendo use of energy chains. In the present work, samples of
que essa prática deverá, com toda a certeza, ser cada vez scraps of 316 stainless steel mixed with powder of the
mais implementada à medida que o mundo moderno avan- same material were sintered. For this case, the
ça. No presente trabalho, foram sinterizadas amostras de
percentage of scrap was varied from zero to 25% in
misturas de cavacos de aço inoxidável da série 316, com
pó do mesmo material. Nesse caso, a porcentagem de weight, with 5% increases. After compacting, under a
cavaco variou de zero a 25% em peso, de 5 em 5%. Após pressure of 600MPa, the samples were sintered
a compactação, na pressão de 600MPa, as amostras fo- simultaneously at a temperature of 1473 K. The
ram sinterizadas todas elas ao mesmo tempo, numa só mechanical behavior of the final product was evaluated
fornada na temperatura de 1473 K. O comportamento through Assays of Transversal Rupture recommended
mecânico do produto final foi avaliado através de Ensai- and normalized by the MPIF - Metal Powder Industries
os de Ruptura Transversal recomendados e normaliza- Federation. Using Conventional Quantitative
dos pela MPIF - Metal Powder Industries Federation e Metallography, the analyses of the sintered samples
pela ASTM. As análises efetuadas pela Metalografia demonstrated regions of intense diffusion, therefore,
Quantitativa Convencional das amostras sinterizadas regions of sufficiently intense sintering. The mechanical
demonstraram regiões de intensa difusão, portanto re-
resistance of the samples was compared with the
giões de sinterização de longo alcance. A resistência me-
cânica dos corpos-de-prova foi comparada com a resis- mechanical resistance of the sintered stainless steel with
tência mecânica do aço inoxidável sinterizado, sem cava- no scrap. The results were greater than expected,
co. Os resultados obtidos foram muito acima do esperado, demonstrating the viability of this new procedure.
demonstrando a viabilidade desse novo procedimento. Keywords: Powder metallurgy, sintering, stainless steel
Palavras-chave: Metalurgia do pó, sinterização, cavaco scrap.
de aço inoxidável.

REM: R. Esc. Minas, Ouro Preto, 60(1): 95-100, jan. mar. 2007 95
Sinterização de uma mistura de cavaco de aço inoxidável com pó do mesmo material...

1. Introdução Na atualidade, são inúmeras as apli- A sinterização é um processo em


cações industriais de peças sinterizadas. que a economia de material é levada ao
A metalurgia do pó é o processo extremo, com mínimas perdas de maté-
O controle exato da composição química
metalúrgico de fabricação de peças me- ria-prima. Certas ligas podem ser obti-
desejada do produto final, a redução ou
tálicas, não metálicas e cerâmicas, que das pela metalurgia do pó(5) a custos
eliminação das operações de usinagem,
vem se desenvolvendo numa taxa cada muitas vezes inferiores àquelas produzi-
o bom acabamento superficial, a pureza
vez mais crescente. Distingue-se dos
dos produtos obtidos e a facilidade de das pela metalurgia convencional.
processos convencionais pela ausência
de fase líquida ou presença apenas par- automação do processo produtivo são A teoria da sinterização(6) compro-
cial de fase líquida durante o processa- alguns dos motivos que tornaram a me- va que, ao se aquecer o compactado ver-
mento(1). Trata-se de uma técnica de fa- talurgia do pó uma fonte produtora de de(7), a uma temperatura maior que a me-
bricação que permite a produção de pe- peças para, praticamente, todos os ra- tade da temperatura de fusão do materi-
ças com formas definitivas ou pratica- mos da indústria(4), como o automobilís- al, ocorre união entre as partículas metá-
mente definitivas dentro de tolerâncias tico, o de informática, o aeroespacial, o licas e estas tendem a alcançar as carac-
bastante apertadas, produção de com- de material eletroeletrônico, o de equi- terísticas físicas, químicas e mecânicas
ponentes com certas características es- pamentos e implementos agrícolas, o têx- intrínsecas do material(8),(9). Uma delas é
truturais e físicas impossíveis de serem til e uma infinidade de outros. Atualmen- a densificação, que ocorre via transpor-
obtidas através de qualquer outro pro- te, segundo a Metal Powder Industries te de massa, idealizada na Figura 2 .
cesso metalúrgico(2). Caracteriza-se, tam- Federation - MPIF, nos Estados Unidos
bém, pela fabricação e obtenção de pe- são produzidas, anualmente, mais de um
ças em grandes quantidades e é um pro- milhão de toneladas de peças sinteriza-
cesso que permite um elevado índice de das, ou seja, um crescimento bastante
isotropia estrutural, além de possibilitar acentuado, considerando-se que, em
a fabricação de peças complexas e de meados da década de 80, essa produção
peças simples com o mesmo grau de difi- beirava 350 mil toneladas: A Figura 1 ilus-
culdade. Em princípio, na metalurgia do tra peças típicas obtidas através da me-
pó, não há necessidade de operações talurgia do pó.
secundárias e de acabamento posterior.
Tendo em vista o crescimento cons-
A metalurgia do pó pode ser dividi-
tante da metalurgia do pó, para a fabrica-
da em duas etapas fundamentais: mol-
ção de diversas peças, houve uma maior
dagem ou compactação e aquecimento
motivação de toda a comunidade cientí-
ou sinterização. A compactação(3) se dá
pela aplicação de pressão nos pós, por fica em aperfeiçoar as técnicas envolvi- Figura 1 - Peças típicas obtidas através
intermédio de punções, no interior de das no processo, bem como em buscar da metalurgia do pó. Trata-se de buchas,
um melhor aproveitamento da matéria- pinos, juntas metálicas, bielas de
matrizes cujas cavidades correspondem compressores e de motores a combustão
normalmente à forma e dimensões das prima utilizada. Nesse contexto, o estu- interna e uma infinidade de outras, que
peças finais e resulta no denominado do tecnológico-científico aqui proposto exigem um certo padrão de qualidade, e
compactado verde. A sinterização, que é prevê a utilização de uma determinada que, em inúmeras vezes, poderiam ser
quantidade de cavaco de aço inoxidável fabricadas a partir da sinterização de
realizada em fornos especiais, geralmen- certas misturas de cavaco proveniente
te ocorre em temperaturas que variam da série 316, misturada ao pó do mesmo dos processos de usinagem com metais
entre 70% e 80% da temperatura de fu- material, para a produção e estudo de em pó. Foto: GC3M - DEM/FEIS/UNESP.
são do metal ou liga metálica considera- corpos-de-prova sinterizados. (Foto cedida pela METALPÓ IND. e COM.)
da, sob condições muito bem controla-
das de temperatura, tempo e ambiente,
sendo esta última etapa a que propicia a
resistência mecânica e outras proprieda-
des ao material compactado.
No início do século XX, foram de-
senvolvidos processos para obtenção
de peças de tungstênio e de molibdênio
por sinterização, mas a produção só se
expandiu mesmo após a Segunda Gran-
de Guerra, com a finalidade de atender
às demandas da florescente indústria au- Figura 2 - Evolução de uma certa quantidade de pó para a sua correspondente
tomobilística. quantidade densificada.

96 REM: R. Esc. Minas, Ouro Preto, 60(1): 95-100, jan. mar. 2007
D. Y. M. Delforge et al.
Nesse caso, observa-se que A1 >> Na qual: O pó utilizado na confecção das
A2 e que M1 = M2 [A=área e M=massa]. amostras, juntamente com o cavaco, pas-
J = fluxo de átomos (átomos/s).
A área superficial do pó solto caracteri- sou por um processo de secagem em es-
za-se por um “excesso de energia” su- D = coeficiente de difusão atômica (cm²/s). tufa na temperatura de 348K (75°C) du-
perficial, correspondente às ligações atô- rante seis horas. Após o resfriamento,
(dc/dx) = gradiente de concentração atômica.
micas não satisfeitas. Desse modo, do esse material foi dividido em seis amos-
ponto de vista macroscópico, a redução Com base nessa teoria, o trabalho tras (A1;A2;......;A6) de cinco corpos-de-
de área, conseqüente da compactação, é aqui apresentado tem como finalidade o prova cada uma, sendo que, na amostra
proporcional ao potencial termodinâmi- estudo de uma metodologia eficiente e A1, não houve adição de cavaco, a amos-
co do processo o qual pode ser escrito vantajosa, tanto para o meio ambiente, tra A2 continha 5,0% de cavaco, até a
como segue: quanto financeiramente, de reciclagem de amostra A6 com 25% de cavaco em mas-
cavaco de aço inoxidável da série 316(10) sa. A composição química do aço inoxi-
∆F = ∆A . γ (1)
via metalurgia do pó. A avaliação da re- dável utilizado está relacionada na Ta-
Na qual: sistência mecânica dos corpos-de-pro- bela 1 e a Tabela 2 exibe a distribuição
va será avaliada através dos resultados granulométrica percentual do pó utiliza-
∆F = potencial termodinâmico [J].
de uma série de ensaios de ruptura trans- do.
∆A = área superficial considerada [m²]; versal, apoiados em três pontos, e serão,
Em seguida, foi misturado a cada
também, apresentadas algumas fotomi-
γ = energia absorvida pelo sistema [J/m²]. amostra, separadamente, de 0,8% a 1,0%
crografias exibindo regiões de sinteriza-
Quanto ao potencial para o trans- em peso de estearato de lítio e 0,2% de
ção bastante intensa entre cavacos e pó.
porte de massa, sabe-se que esse meca- Kenolube em misturador Y, a uma rota-
nismo intervém em resposta a um gradi- ção de 60rpm por um período de 30 mi-
ente de concentração tendendo a anulá- 2. Materiais e métodos nutos, que é o tempo suficiente para se
lo. Em outras palavras, considerando-se garantir uma boa homogeneização da
No presente trabalho, foram utiliza- mistura. Para lubrificação da cavidade da
uma liga metálica composta pelos ele- dos cavacos de aço inoxidável da série
mentos A e B, nas regiões ricas em B, o matriz e dos punções, utilizou-se uma
316 e pó do mesmo material, comercial- solução contendo 10% de estearato de
potencial químico (µB) desse elemento é mente puro. O estearato de lítio foi utili-
maior do que nas regiões pobres em B. zinco e 90% de acetona(11). Os corpos-
zado como lubrificante sólido. Os cava- de-prova foram compactados em forma
Desse fato, decorre que há um fluxo de cos passaram por um processo de limpe-
átomos que visa a equilibrar as concen- de pequenos paralelepípedos, em matriz
za com uma solução de 25% de acetona, fechada acoplada a uma prensa hidráuli-
trações, fazendo com que m tenda a zero 25% de álcool etílico, 15% de ácido oléi-
(m→0). O fluxo J de átomos é dado pela ca convencional da marca Solitest com
co e 2% de ácido nítrico, dissolvidos em capacidade de até 1200kN (120 tonela-
equação 2: 33% de água destilada, com o objetivo das). A carga de compactação foi de
de promover a retirada de restos de flui- 250kN (25toneladas) em uma área de pra-
⎛ dc ⎞
J = −D ⋅ ⎜ ⎟ (2) do de corte e de outras impurezas. ticamente 4,2 cm². Portanto a pressão de
⎝ dx ⎠ compactação ficou próxima de 600MPa

Tabela 1 - Especificação da composição química do aço inoxidável da série 316 utilizado.

Tabela 2 - Distribuição granulométrica do pó de aço inoxidável utilizado.

REM: R. Esc. Minas, Ouro Preto, 60(1): 95-100, jan. mar. 2007 97
Sinterização de uma mistura de cavaco de aço inoxidável com pó do mesmo material...
(6,0ton/cm²). Essa etapa foi realizada no pressivas estão apresentadas nas Figu- tagem de cavaco sem se comprometer a
laboratório de metalurgia do pó do De- ras 3 e 4. Uma primeira análise revela que resistência mecânica requerida pelo pro-
partamento de Engenharia Mecânica da a sinterização de misturas de pós de aço jeto de certos tipos de peças que possi-
Faculdade de Engenharia de Ilha Soltei- inoxidável e cavacos do mesmo material bilitem essa prática, sem se comprome-
ra - DEM/FEIS/UNESP. é possível. Pode-se visualizar regiões de ter, também, o desempenho das mesmas.
sinterização muito intensa, entre cavaco
A sinterização dos corpos-de-pro-
e a matriz formada pelo pó sinterizado. A
va foi realizada de batelada, numa atmos-
fera protetora composta de, aproximada-
fração volumétrica de vazio se manteve 4. Conclusão
em torno de 12%, o que é um valor acei-
mente, 70% de nitrogênio e 30% de hi- No presente trabalho pôde-se ava-
tável para materiais metálicos sinteriza-
drogênio(12). Primeiramente realizou-se liar que a reciclagem de aço inoxidável
dos.
um pré-aquecimento lento das amostras da série 316 misturados ao pó desse mes-
a uma temperatura de 623K(350°C) por O gráfico da Figura 5 revela que a mo aço, via metalurgia do pó, pode ser
um período de uma hora, com o objetivo sinterização do pó puro, como já era es- uma rota alternativa para o reaproveita-
de realizar a queima do estearato de lítio perado, oferece uma maior resistência à mento do cavaco desse tipo de material.
e demais resíduos de lubrificante sólido ruptura transversal, cerca de 7000N Além disso, tal reaproveitamento é um
e estabilizar os corpos-de-prova para (700kgf). Observa-se, ainda, que a resis- procedimento que envolve menor apor-
evitar empenamentos e outras ocorrên- tência mecânica diminui à medida que se te de energia, pois, nesse caso, o cavaco
cias provenientes do aquecimento. Em aumenta a porcentagem de cavaco. En- não passa por processos de fundição e
seguida, prosseguiu-se o aquecimento tretanto essa perda de resistência, nas dos ensaios de flexão em três pontos.
lento até 1473K(1200°C), por uma hora. amostras de 5% de cavaco, é de cerca de Dessa forma, conclui-se que:
As amostras permaneceram a essa tem- 1000N (100kgf) e, nas amostra com 10%
1. A resistência mecânica dos corpos-
peratura por um período de quarenta mi- de cavaco, cerca de 2000N(200kgf), em
de-prova diminui à medida que se
nutos, seguido de resfriamento lento por relação às amostras isentas de cavaco.
aumenta a porcentagem de cavaco
cerca de uma hora até a temperatura am- Isto sugere que, para determinados fins,
de inox.
biente de aproximadamente 305K(32°C). pode ser empregada uma certa porcen-

Os corpos-de-prova sinterizados
foram preparados e analisados de acor-
do com as técnicas da metalografia quan-
titativa convencional. Foram feitas foto-
micrografias de algumas regiões de inte-
resse, sem ataque, e, em seguida, as mes-
mas regiões foram atacadas por proces-
so eletrolítico em uma solução compos-
ta de 40% de ácido nítrico P.A em 60% de
água destilada e uma corrente de 1,2
volts por noventa segundos, com a fina- A1 A2
lidade de se visualizarem as regiões sin-
terizadas, em nível micrográfico. Esse en-
saio metalográfico possibilitou a visua-
lização das regiões entre o pó metálico e
os cavacos, efetivamente sinterizadas.
Os ensaios de flexão em três pon-
tos foram realizados numa máquina uni-
versal de ensaios, MTS, do Departamen-
to de Engenharia de Materiais -DEMA-
da Faculdade de Engenharia Mecânica
da UNICAMP de Campinas - SP.
B1 B2 60µm

3. Resultados e Figura 3 - Fotomicrografias de amostras de cavaco de aço inoxidável e de pó do


mesmo material, sinterizados. A1 e B1, sem ataque. A2 e B2, com ataque eletrolítico em
discussão solução de ácido nítrico P.A 40% , água destilada 60% e tensão de 1,2 volts por um
Algumas fotomicrografias mais ex- período de noventa segundos. Observam-se áreas com sinterização de longo alcance.

98 REM: R. Esc. Minas, Ouro Preto, 60(1): 95-100, jan. mar. 2007
D. Y. M. Delforge et al.
2. Quando se acrescenta 15 ou 20% de
cavaco de inox em massa ao pó des-
se mesmo material, a resistência me-
cânica sofre uma mínima alteração,
se compararmos com as alterações
ocorridas com os corpos-de-prova
que possuem a mesma variação da
porcentagem de cavaco adicionada
(5 e 10%; 20 e 25%).
3. A deformação sofrida pelos corpos-
de-prova produzidos com pó puro,
ou seja, 0% de cavaco, é muito maior
quando comparada com os outros
corpos-de-prova produzidos a partir
da mistura pó + cavaco. Porém, à
medida que se vai aumentando a por-
centagem de cavaco, não há uma
grande variação da deformação.
4. A utilização da mistura pó + cavaco 60µm
de aço inox torna-se viável para cer-
tos tipos de peças e para algumas Figura 4 - Fotomicrografias de amostras de cavaco de aço inoxidável e de pó do
aplicações. Além disso, percebe-se, mesmo material, sinterizados, todas com ataque eletrolítico em solução de ácido nítrico
também, que, além da vantagem fi- P.A 40% , água destilada 60% e tensão de 1,2 volts por um período de noventa segundos.
nanceira, o uso do cavaco é uma for- Observam-se, nas regiões adjacentes aos cavacos (regiões mais claras), áreas com
sinterização de longo alcance.

Figura 5 - Influência da variação da porcentagem de cavaco na resistência à ruptura transversal.

REM: R. Esc. Minas, Ouro Preto, 60(1): 95-100, jan. mar. 2007 99
Sinterização de uma mistura de cavaco de aço inoxidável com pó do mesmo material...
ma de se diminuir o impacto sobre o 6. Referências [7] Metal Powder Industries Federation.
meio ambiente, diminuindo a quanti- Method for determination of green
dade de resíduos sólidos, uma preo- bibliográficas strength of compacted metal powder
cupação cada vez mais crescente nos [1] GHADIRI M., FARHADPOUR, F.A., specimens. Princeton, N.J.,08540,
CLIFT R., SEVILLE, J.P.K. Particle USA,1985.
dias atuais.
characterization size and morfology, The [8] FERRANTE M., SINKA V. Tenacidade
Atualmente estão sendo conduzi- Institute of Metals Series on Powder à fratura dos aços sinterizados. São
dos vários outros experimentos da mes- Metallurgy - An Overview. London,p.56- Carlos, SP: UFSC.
75, 1991. [9] Kaysser W.A., Solid State Sintering. The
ma natureza com outros metais, como li- [2] STADTLER W.A. Production of institute of metals series on powder
gas ferrosas e ligas cuprosas. Posto isto, Metallurgy Parts. ASTM, Powder metallurgy - an overview. London, p45-
estudos futuros deverão revelar dados Metallurgy, Ohio, p.449-463, 1989. 53, 1991.
mais elaborados e, portanto, mais con- [3] LENEL F.V. The early stage of the [10] Metal Powder Industries Federation,
clusivos. mechanism of sintering, in powder
Method for determination of green
metallurgy for high-performance
strength of compacted metal powder
application. Syracuse University Press,
Binghamton, N.Y., p.119-137, 1972. specimens, Princeton, N.J.,08540,
5. Agradecimentos [4] KEMPTON H.R. Powder systems and USA,1985.
applications. ASTM, Metals Handbook, [11] THOMPSON C.B. Lubrication of metal
Os autores agradecem à powder. ASTM, Metals Handbook, 9ed.
9 ed., Ohio, p.568-574, 1988.
FUNDUNESP pelo apoio financeiro; à [5] Powder metallurgy - an overview. 1. ed. Ohio, USA, p.190-193, 1988.
METALPÓ IND. E COM. pelo forneci- The Institute of Metals Series on Powder [12] WILYMAN, P.Q., VANDERMEIREN,
mento dos pós de aço inoxidável e pela Metallurgy, London, Great Britain, 1991. M. Selection of atmospheres for
[6] KUCZYNSKI G.C. Fundamentals of sintering. The institute of metals series
sinterização das amostras em ambiente sinterig theory, in powder metallurgy for on powder metallurgy - an overview.
industrial; ao DEMA/FEM/UNICAMP high-performance application. Syracuse London, p.208-218, 1991.
pelos ensaios mecânicos. University Press, Binghamton, N.Y.,
Artigo recebido em 30/07/2006 e
p.101-117, 1972.
aprovado em 05/10/2006.

******
Rem - Revista Escola de Minas
70 anos divulgando CIÊNCIA.
6 - 2007
93 ******
-R
nas - 1

www.rem.com.br
71
evista

******
M i

Es
cola de

100 REM: R. Esc. Minas, Ouro Preto, 60(1): 95-100, jan. mar. 2007