Você está na página 1de 7

1

O CRISTO CONSOLADOR
Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo, VI. 1-4.

O CRISTO CONSOLADOR
O jugo leve
1. Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o
meu jugo e aprendei comigo que sou brando e humilde de coração e achareis repouso para vossas almas, pois é
suave o meu jugo e leve o meu fardo. (S. MATEUS, cap. XI, vv. 28 a 30.)

2. Todos os sofrimentos: misérias, decepções, dores físicas, perda de seres amados, encontra
consolação em a fé no futuro, em a confiança na justiça de Deus, que o Cristo veio ensinar aos homens. Sobre
aquele que, ao contrário, nada espera após esta vida, ou que simplesmente duvida, as aflições caem com todo o
seu peso e nenhuma esperança lhe mitiga o amargor. Foi isso que levou Jesus a dizer: "Vinde a mim todos vós
que estais fatigados, que eu vos aliviarei.”
Entretanto, faz depender de uma condição a sua assistência e a felicidade que promete aos aflitos. Essa
condição está na lei por ele ensinada. Seu jugo é a observância dessa lei; mas, esse jugo é leve e a lei é suave,
pois que apenas impõe como dever, o amor e a caridade. Consolador prometido

3. Se me amais, guardai os meus mandamentos; e eu rogarei a meu Pai e ele vos enviará outro
Consolador, a fim de que fique eternamente convosco: - O Espírito de Verdade, que o mundo não pode receber,
porque o não vê e absolutamente o não conhece. Mas, quanto a vós, conhecê-lo-eis, porque ficará convosco e
estará em vós. -
Porém, o Consolador, que é o Santo Espírito, que meu Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as
coisas e vos fará recordar tudo o que vos tenho dito. (S. JOÃO, cap. XIV, vv. 15 a 17 e 26.)

4. Jesus promete outro consolador: o Espírito de Verdade, que o mundo ainda não conhece, por não
estar maduro para o compreender, consolador que o Pai enviará para ensinar todas as coisas e para relembrar o
que o Cristo há dito. Se, portanto, o Espírito de Verdade tinha de vir mais tarde ensinar todas as coisas, é que o
Cristo não dissera tudo; se ele vem relembrar o que o Cristo disse, é que o que este disse foi esquecido ou mal
compreendido.
O Espiritismo vem, na época predita, cumprir a promessa do Cristo: preside ao seu advento o Espírito de
Verdade. Ele chama os homens à observância da lei; ensina todas as coisas fazendo compreender o que Jesus
só disse por parábolas. Advertiu o Cristo: "Ouçam os que têm ouvidos para ouvir." O Espiritismo vem abrir os
olhos e os ouvidos, porquanto fala sem figuras, nem alegorias; levanta o véu intencionalmente lançado sobre
certos mistérios. Vem, finalmente, trazer a consolação suprema aos deserdados da Terra e a todos os que
sofrem, atribuindo causa justa e fim útil a todas as dores.
Disse o Cristo: "Bem-aventurados os aflitos, pois que serão consolados." Mas, como há de alguém
sentir-se ditoso por sofrer, se não sabe por que sofre? O Espiritismo mostra a causa dos sofrimentos nas
existências anteriores e na destinação da Terra, onde o homem expia o seu passado. Mostra o objetivo dos
sofrimentos, apontando-os Disse o Cristo: "Bem-aventurados os aflitos, pois que serão consolados." Mas, como
há de alguém sentir-se ditoso por sofrer, se não sabe por que sofre? O Espiritismo mostra a causa dos
sofrimentos nas existências anteriores e na destinação da Terra, onde o homem expia o seu passado. Mostra o
objetivo dos sofrimentos, apontando-os como crises salutares que produzem a cura e como meio de depuração
que garante a felicidade nas existências futuras. O homem compreende que mereceu sofrer e acha justo o
sofrimento. Sabe que este lhe auxilia o adiantamento e o aceita sem murmurar, como o obreiro aceita o trabalho
que lhe assegurará o salário. O Espiritismo lhe dá fé inabalável no futuro e a dúvida pungente não mais se lhe
apossa da alma. Dando-lhe a ver do alto as coisas, a importância das vicissitudes terrenas some-se no vasto e
esplêndido horizonte que ele o faz descortinar, e a perspectiva da felicidade que o espera lhe dá a paciência, a
resignação e a coragem de ir até ao termo do caminho.
Assim, o Espiritismo realiza o que Jesus disse do Consolador prometido: conhecimento das coisas
fazendo que o homem saiba donde vem, para onde vai e por que está na Terra; atrai para os verdadeiros
princípios da lei de Deus e consola pela fé e pela esperança.

PONDERAÇÕES:
As dificuldades que nos faz difícil de entender o estudo de o Cristo Consolador, é devido aos
condicionamentos em que nos encontramos nestes dias em virtude de estarmos inundados de vários dogmas e
opiniões de ambiente cotidiano, mas pelos vistos se prestarmos atenção nas palavras de Allan Kardec, a nossa
compreensão se abre, vejamos:
1
Estudo ‘O Cristo Consolador’, dado no Centro Espírita, Joana d’Arc, a 01/ 12/ 2009.

1
No item 2 (dois) “Todos os sofrimentos: misérias, decepções, dores físicas, perda de seres amados,
encontra consolação em a fé no futuro, em a confiança na justiça de Deus, que o Cristo veio ensinar aos
homens... Essa condição está na lei por ele ensinada. Seu jugo é a observância dessa lei; mas, esse jugo é leve
e a lei é suave, pois que apenas impõe como dever, o amor e a caridade. Consolador prometido”.

***
No item 4 (quatro) “Se, portanto, o Espírito de Verdade tinha de vir mais tarde ensinar todas as coisas, é
que o Cristo não dissera tudo; se ele vem relembrar o que o Cristo disse, é que o que este disse foi esquecido ou
mal compreendido”...
“Disse o Cristo: “Bem-aventurados os aflitos, pois que serão consolados.” Mas, como há de alguém
sentir-se ditoso por sofrer, se não sabe por que sofre”? O Espiritismo mostra a causa dos sofrimentos nas
existências anteriores e na destinação da Terra, onde o homem expia o seu passado ““...
“Mostra o objetivo dos sofrimentos, apontando-os como crises salutares que produzem a cura e como
meio de depuração que garante a felicidade nas existências futuras. O homem compreende que mereceu sofrer
e acha justo o sofrimento.”...
“O Espiritismo lhe dá fé inabalável no futuro e a dúvida pungente não mais se lhe apossa da alma”.
Dando-lhe a ver do alto as coisas, a importância das vicissitudes terrenas some-se no vasto e esplêndido
horizonte que ele o faz descortinar, e a perspectiva da felicidade que o espera lhe dá a paciência, a resignação e
a coragem de ir até ao termo do caminho.
Assim, o Espiritismo realiza o que Jesus disse do Consolador prometido: conhecimento das coisas
fazendo que o homem saiba donde vem, para onde vai e por que está na Terra; atrai para os verdadeiros
princípios da lei de Deus e consola pela fé e pela esperança.”

***
Realmente fica difícil compreendermos as bem-aventuranças, sem entendermos por que se sofre, seria
mais fácil entendermos o sofrimento, se todos sofressem igualmente.
Porém não é assim que se vê acontecer, porque se vê muitos sofrerem mais que outros, e para nos
explicar há as várias opiniões, sendo uma a de que sofremos por nossos antepassados nos primórdios do
mundo terem pecado, e seus pecados recaírem sobre toda a descendência, falo do dogma de Adão e Eva. 2
Mas agora graças ao Espiritismo, que nos trouxe explicações espirituais, sabemos que sofremos por
nossas próprias faltas, e que é devido a termos sido criados ‘simples e ignorantes’, 3 daí termos nosso
crescimento espiritual a nosso próprio passo e experiência, dependendo de nós o avanço moral/espiritual rápido
ou mais demorado de acordo com o impulso do grau espiritual em que estamos colocados ou alcançamos.
Nessa caminhada adquirimos faltas que necessitam serem corrigidas, ao que às vezes trazem
sofrimento, que por incompreensão da causa ou de seu conhecimento, faz muitos rebeldes e revoltados contra
as sociedades ou instituições e até contra Deus questionando Sua proteção ou Seu Amor por nós.
Porém, não há ninguém que não tenha intuitivamente a noção da presença de Deus, por que está
imbuído na alma, no espírito essa intuição, assim como a intuição de que não somos somente matéria, mas algo,
além disso, e o homem sacia em procurar respostas, que satisfaçam suas ansiedades naturais da sua
naturalidade original, que é espiritual, que é uma criação de Deus.4
Muitos já encontraram a luz que os guia, no entanto há ainda muitos que estão vivendo nas dúvidas de o
que são, por que estão aqui neste mundo e porquê, daí suas pesquisas continuam até se realizarem.
Porém, o sofrimento como remédio nos vem curar, essas faltas são em razão de aprendermos aos
poucos com acertos e desacertos, de erros, desvios e correções, pois nosso progresso não é herdado como
presente, mas trabalhado por nós mesmos, conforme nossa vontade e ‘livre arbítrio’. 5
Daí Jesus ter dito: ‘abençoado os que sofrem’, ao que obviamente Jesus via o sofrimento como uma
benção no futuro dos sofredores, de certo modo por muito tempo esse ensino de Jesus era classificado como
mistério, isto é, sem termos uma explicação clara.
Agora com a revelação trazida pelo Espiritismo da imortalidade da alma e da reencarnação ‘quantas
vezes forem necessárias’,6 Jesus se revela ser um Mestre 7 com conhecimentos espirituais específicos com mais
profundidade do que sejamos capazes de avaliar, daí não é por menos que o Consolador nos vem lembrar ou
reensinar ou explicar os ensinos do Senhor, esquecidos pelo homem ou mal compreendidos.8
Os Espíritos a mando do Senhor trazem à luz o entendimento do evangelho.
2
Adão e Eva, pecado original, Gênesis na Bíblia.
3
Livro dos Espíritos, Q. 115-121.
4
Gênesis na Bíblia, I: 26
5
Livro dos Espíritos, Q. 843.
6
Livro dos Espíritos, q. 169.
7
João, XIII: 13 + Mateus, XXIII: 8-10.
8
João, XIV: 26.

2
Sabemos também que estamos num mundo de ‘provas e expiações’ 9 até que mereçamos um mundo
melhor, pela evolução e pelo progresso incessante do nosso esforço ou o trabalho 10 de nosso espírito imortal.
Jesus teria falado: ‘em casa de meu Pai há muitas moradas’, 11 mas sem poder explicar a graduação dos
mundos pela falta dos conhecimentos de então, certo que Jesus disse haver a multiplicidade de mundos como
esperança para todos, mas até os recentes séculos era mistério essa revelação dada por Jesus.
Portanto mal compreendida, não por desinteresse da humanidade, mas por falta de conhecimentos
incentivos, que o homem ganha aos poucos, tais como a ciência em geral ter tido progresso em pesquisas
universais astronômicas e físicas, daí quando os Espíritos revelaram a existência da multiplicidade de mundos e
suas graduações, confirmando o que Jesus disse, foi aceito de bom agrado e implicitamente compreendido.
Jesus falou em ‘causas e efeitos’ sem aprofundar essa lei quando disse: ‘quem mata pela espada
perecerá pela espada’, 12 hoje em dia pelo Espiritismo já há estudos profundos dessa lei nomeadamente ‘lei de
causas e efeitos’, inspirado pelos Espíritos que entendemos como sendo o ‘Consolador’ prometido por Jesus.
Mais ainda, sabemos que nos foi dado o ‘livre arbítrio, e que nesse ‘livre arbítrio’, é nos dado ‘segundo
nossas obras’,13 isto é merecimentos de acordo com nosso esforço e vontade, assim como dívidas por nossas
faltas, que não recaem noutra pessoa, pela justa razão de sermos livres e responsáveis em nosso ‘livre arbítrio’.
Pois cada qual é responsável por si, ‘os pecados do pai não recaem no filho, nem as do filho recaem no
pai’, 14 porquanto se assim fosse qualquer um podia pecar, ou seja, errar espiritualmente á vontade, pois sendo
ingrato ou irresponsável, que lhe doeria se outro sofresse por ele em seu lugar. Isso não é de acordo com os
ensinos de Jesus nem da opinião dos Espíritos cuja moral é a de Jesus, ‘amai o próximo como a vós mesmos’ 15.
Entretanto, ninguém pode fazer essa injustiça impune, porque há a lei de ‘causas e efeitos’, que
assegura que o culpado tenha que resgatar suas faltas. E se pergunta: como assim é por que Deus está vendo?
Pois bem, a expressão é essa, mas não é bem necessariamente que Deus está vendo. Nós temos
dentro de nós nosso próprio registro de nossas vidas, que é a consciência, a consciência não é só do corpo
carnal como o é também do corpo perispiritual 16 ou astral se, se quiser assim o chamar, daí ninguém foge de
suas dívidas nem mesmo morrendo, porque como se sabe o Espírito não morre, sua herança é a imortalidade.
Se desencarnar, não é por isso que escapará de pagá-las, porque não são somente os merecimentos
que nos acompanham após a morte, aí é que muitos se enganam, os erros, as faltas, as dívidas morais estão
com a pessoa responsável. E, seu resgate prossegue na forma de cobrança, e uma vez paga a dívida 17 a
“pessoa” fica livre para prosseguir sua evolução, mais responsável e usando seu ‘livre arbítrio’ com muito mais
proveito, liberdade e vontade de progredir, porque sua divida paga lhe desamarra de compromissos endividados.
Neste caso em uma explicação Jesus disse: ‘alguns receberão muitos açoites e alguns receberão
poucos açoites’,18 é conforme as culpas, e podemos dizer que quem vive uma vida justa, por certo não receberá
nenhum açoite, isso é lógico, nisso conforme as leis, não serão esquecidos os que tiverem merecimentos a
receber, pois as leis são minuciosamente justas, porque são criadas por Deus que é infinitamente justo.
Nas leis de Deus não há privilegiados, pois perante as leis todos são iguais, mas há quem diga:
Mas Deus dá exceções, considerando-se cada qual ser cada um, não dá?
As exceções que nos parecem serem exceções, são adentro das leis de Deus, o que acontece é que
não conhecemos todas as leis, já sabemos pelo Espiritismo, que Deus não revoga suas leis, pois elas são
perfeitas, não precisam ser alteradas ou haver exceção.
Porém há a lei de equilíbrio, pois Jesus disse: ‘quem perdoar será perdoado’, no exemplo da oração
dominical ‘perdoa-nos assim como perdoamos’.19 É uma condição da lei, pois nessa ação há o equilíbrio.
Há a lei de atenuação, que é uma lei fluídica atinente à vida moral, pois em exemplo temos que quando
uma pessoa erra ou comete delito, se arrepender-se surge um alívio um bem estar um recomeço em sua vida.
Há a lei do pensamento que disciplinado e bem direcionado traz felicidade, atrai para si coisas boas, mas
se for mal direcionado erra, Jesus falou sem explicar profundamente quando disse: ‘aquele que olha para a
mulher alheia a desejando já comete adultério em seu pensamento’, 20 daí o pensamento pode ser negativo e
condenável ou positivo favorável à sua felicidade ou até equilibrado se viver com amor perante tudo na vida..

9
Evangelho Segundo o Espiritismo, III: 13 + XIV e XV.
10
Evangelho Segundo o Espiritismo, VII: 4.
11
João, XIV: 2
12
Lucas, XXII: 49 + Mateus, XXVI: 52. + Evangelho Segundo o Espiritismo, V: 4-10.
13
Mateus, XXVI: 27 + Marcos, XIII: 34.
14
Deuteronômio, XXIV: 16.
15
Evangelho segundo o Espiritismo, XV: 4 + Mateus, XXII: 34-40.
16
Livro dos espíritos, Q. 43 + 93-95.
17
Mateus, V: 26 + Lucas, XII: 59.
18
Lucas, XII: 47,48.
19
Mateus, VI: 9-13.
20
Adultério por pensamento

3
Daí se pergunta: como assim, a pessoa só se considera culpável por que lhe ensinaram que não se deve
fazer isso, ou seja: desejar a mulher do próximo, mas se nunca for ensinada isso, será que é culpada?
Pois bem, Jesus nas linhas morais ensinou: ‘não fazeis aos outros o que não desejais para vós
mesmos’,21 nesta máxima contém o amor ao próximo automaticamente.
Sim, mas se ninguém nunca lhe disse que Jesus disse: ‘não fazeis aos outros, o que não desejeis para
vós mesmos’, a pessoa não pode ter culpa, pode?
Pois bem, Deus nos deu a consciência 22 que é o arquivo de nossas emoções e sentimentos, o qual nos
guia no que é certo e no que é errado, porque no registro constam as experiências de toda a caminhada
espiritual atravez dos tempos e reencarnações, nas que lhe deram dores e nas que lhe deram contentamento ou
júbilo, assim como estão plantadas experiências de fé e esperança que inspira o espírito a se ascender a Deus.
O básico de todas as leis de Deus é o amor, pois sua fonte é Deus que como todos sabem ‘Deus é
amor’, 23 podemos comparar o amor como regra de bom viver, como “um prumo de mestre pedreiro”, ele usa o
prumo para manter a parede reta sem influir a lei de gravidade.
Nós também do mesmo jeito podemos viver aprumados usando o amor em tudo como regra de viver e aí
não ofendemos nenhuma lei que nos venha a cobrar e prejudicar nosso futuro espiritual; não é assim?
Falo das leis morais, 24 que são acessivas ao engrandecimento do espírito que em nós labuta, para
ascender espiritualmente, ou seja, se libertar da influencia da matéria, que o priva e capta suas energias
sufocando sua libertação e atuação limitando sua realização como espírito que emana de Deus.

Vejamos algumas questões no ‘Livro dos Espíritos’ sobre as leis de Deus:


615. É eterna a lei de Deus?
“Eterna e imutável como o próprio Deus.”

616. Será possível que Deus em certa época haja prescrito aos homens o que noutra época lhes
proibiu?
“Deus não se engana. Os homens é que são obrigados a modificar suas leis, por imperfeitas. As de
Deus, essas são perfeitas. A harmonia que reina no universo material, como no universo moral, se funda em leis
estabelecidas por Deus desde toda a eternidade.”
619. A todos os homens facultou Deus os meios de conhecerem Sua lei?
“Todos podem conhecê-la, mas nem todos a compreendem. Os homens de bem e os que se decidem a
investigá-la são os que melhor a compreendem. Todos, entretanto, a compreenderão um dia, porquanto forçoso
é que o progresso se efetue.”
A justiça das diversas encarnações do homem é uma conseqüência deste princípio, pois que, em cada
nova existência, sua inteligência se acha mais desenvolvida e ele compreende melhor o que é bem e o que é
mal. Se numa só existência tudo lhe devesse ficar ultimado, qual seria a sorte de tantos milhões de seres que
morrem todos os dias no embrutecimento da selvageria, ou nas trevas da ignorância, sem que deles tenha
dependido o se instruírem? (171-222)

621. Onde está escrita a lei de Deus?


“Na consciência.”
a) - Visto que o homem traz em sua consciência a lei de Deus, que necessidade havia de lhe ser ela
revelada?
“Ele a esquecera e desprezara. Quis então Deus lhe fosse lembrada.”

622. Confiou Deus a certos homens a missão de revelarem a Sua lei?


“Indubitavelmente. Em todos os tempos houve homens que tiveram essa missão. São Espíritos
superiores, que encarnam com o fim de fazer progredir a Humanidade.”

625. Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo?
“Jesus.”
Para o homem, Jesus constitui o tipo da perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar na Terra.
Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ensinou é a expressão mais pura da lei do
Senhor, porque, sendo ele o mais puro de quantos têm aparecido na Terra, o Espírito Divino o animava.
Quanto aos que, pretendendo instruir o homem na lei de Deus, o têm transviado, ensinando-lhes falsos
princípios, isso aconteceu por haverem deixado que os dominassem sentimentos demasiado terrenos e por
terem confundido as leis que regulam as condições da vida da alma, com as que regem a vida do corpo. Muitos
21
Mateus, VII: 12.
22
Evangelho Segundo o Espiritismo, XIII: 10.
23
I João, IV: 8.
24
O Livro dos Espíritos, 3ª parte, Leis morais.

4
hão apresentado como leis divinas simples leis humanas estatuídas para servir às paixões e dominar os
homens.”

***
Referindo-nos a Jesus agora vem o dia de seu nascimento que é “o Natal” que recai neste mês de
Dezembro e que todos nós festejamos, cada um a seu modo, daí haver uma grande variedade nos costumes e
culturas, mas o importante é que Jesus é lembrado e não esquecido, pelo menos nestas épocas natalinas:
A vinda de Jesus foi profetizada pelo profeta Isaias, capítulo, IX: 1-7 = Luz, Paz, Justiça:
Luz: João, I: 4,5 + VIII: 12 + X: 12.
Paz: Lucas, II: 14 29-32 + João, XIV: 27; XVI: 33.
Conselheiro em justiça: No velho testamento, Isaias, IX: + Provérbios, XXIV: 6.
No novo testamento, João, XIV: 15-17 + XV: 24-27 + XVI: 7,8 + XXV: 26.

Nas festas e lembranças da vinda de Jesus a este mundo não nos falta meios de lembrá-lo, pois temos:
Decorações natalinas, cestas de natal,
Arvore de natal, presentes de Natal,
Cartão de Natal, ceia de natal, enfeite de Natal,
Papai Noel, presépios, festividades,
Canções Natalinas, tradições, etc,
Foram aproveitados costumes e culturas de todos os povos, pagãos ou não no cristianismo e muito
especialmente no Natal:
A ceia de Natal varia de povo a povo, nem todos usam peru para a ceia, no Brasil fala-se em comer
bacalhau e assar porco para a véspera de Natal, na Madeira falam em preparar carne de vinho-e-alhos, na
Inglaterra não pode faltar o ‘Christmas Pudding’, (pudim natalino) etc..
Papai Natal, tem raiz em São Nicolau, que era um homem bondoso, e em natal é lembrado na forma de
darmos presentes uns aos outros e lembrando também os reis magos que fizeram ofertas a Jesus.
Arvore de Natal começou por São Bonifácio nos anos 680 / 754, que plantou um pinheiro para
representar o amor de Deus e o adornou com maçãs, lembrando o pecado original, com velas como referencia a
Jesus (LUZ do Mundo) e a estrela de Belém guiando-nos para Jesus.
Presépio é atribuído a S. Francisco de Assis, 1221, que fez presépio composto de palha, imagem de
menino Jesus, um boi e um jumento vivo, e a idéia se popularizou e com o tempo no século XVIII virou tradição
espalhada pelo mundo com variedades na sua apresentação.
Algumas peças não podem faltar na composição de qualquer presépio; são elas:
- menino Jesus: é o filho de Deus, foi o escolhido para salvação da humanidade,
- Maria: mãe de Jesus,do seu ventre nasceu o filho de Deus,
- José: pai “adotivo” do menino Jesus – foi quem tomou Maria por esposa,
- curral: no presépio é o local onde está depositada a manjedoura, sobre as palhas,
- manjedoura: é o lugar de aconchego onde Jesus ficou quando nasceu, é como se fosse o berço do
menino Jesus,
- o burro e o boi: os animais representam a simplicidade do local onde Jesus nasceu, e o presépio mais
completo ainda pode-se colocar:
- anjos: anunciam a chegada do filho de Deus aos pastores,
- pastores: são homens do campo, que simbolizam a simplicidade do povo, já que Deus acolhe a todos,
sem se importar com sua condição social.
- estrela: a estrela de Belém é aquela que se coloca no alto da árvore, ou sobre a parte alta do presépio.
Foi ela que serviu de guia para os três Reis Magos quando Jesus nasceu.
- Reis Magos: Melquior, Baltazar e Gaspar eram considerados sábios. Estavam no local onde Jesus
nasceu. Vieram do Oriente conduzidos pela estrela. Presentearam Jesus com mirra, ouro e incenso.
Para a Igreja Católica, a mirra era símbolo da paixão, o ouro representava a realeza e o incenso
significava a oração.

Cartão de Natal começou na Inglaterra no século XIX, numa escola professores incentivaram os alunos a
escrever um tipo de cartão com dizeres sobre o Natal e dar aos pais, a idéia se espalhou, e cartões hoje em dia
é coisa comum e aceita por todas as sociedades.
E por aí vai, o Espiritismo não dá palpites de costumes para o Natal, no entanto recomenda: ‘vivai como
os homens de vosso tempo’,25 que no caso não proíbe a ninguém a passar o Natal conforme sua fé e costume de
família ou sociedade, convivendo com todos e contribuindo a seu modo para o bem do próximo.
O espírita em seu princípio sabe ou compreende sem ter fanatismo, aceitar as festas natalinas de uma
maneira natural, pacífica e alegre, não menos que a maioria dos cristãos com quem convivemos diariamente.
25
Evangelho Segundo o Espiritismo, XVII: 10.

5
Sim, vamos nos lembrar de o Espírito mais evoluído que jamais desceu à terra no Natal “Jesus”, mas
não devemos nos esquecer que Jesus disse: ‘Estarei convosco até a consumação dos tempos’ 26 e, ‘Onde
estiver dois ou três em meu nome eu estarei no meio’, 27 que neste caso não é só pelo Natal.
Sim, é bom lembrar, que com Jesus é uma convivência contínua, seja no cumprimento do evangelho,
seja em sintonização com o nosso divino Mestre, nós fazemos parte dele e ele faz parte de nós no todo e
sempre, porquanto somos espíritos com afinidades uns pelos outros na vida ou na imortalidade. 28
E, se pergunta por que Jesus veio a este mundo de ‘provas e expiações’; pois bem, Jesus disse:
‘Eu vim para que tenham vida e a tenham mais abundante’, 29 obrigado Senhor por ter vindo!

Bem, que Deus seja conosco, assim como outrora hoje e sempre.

Porém não há ninguém que não tenha intuitivamente a


noção da presença de Deus,
Por que está imbuído na alma, no espírito essa intuição,
Assim como a intuição de que não somos somente
matéria,
Mas algo, além disso, e o homem sacia em procurar
respostas,
Que satisfaçam suas ansiedades naturais da sua
naturalidade original,
Que é espiritual,
Que é uma criação de Deus. 30
Muitos já encontraram a luz que os guia,
No entanto há ainda muitos que estão vivendo nas
dúvidas de o que são,
Por que estão aqui neste mundo e por que,
Daí suas pesquisas continuam até se realizarem.
Porém, o sofrimento como remédio nos vem curar,
Essas faltas são em razão de aprendermos aos poucos,
Com acertos e desacertos, de erros, desvios e correções,
Pois nosso progresso não é herdado como presente,
Mas trabalhado por nós mesmos, conforme nossa
vontade e livre arbítrio. 31

26
Mateus, XXVIII: 20.
27
Mateus, XVIII: 20.
28
Mateus, XVII: 3 + O Livro dos Espíritos, Q. 76-83.
29
João, X: 10.
30
Gênesis na Bíblia, I: 26.
31
Livro dos Espíritos, Q. 843.

6
7