Você está na página 1de 3

Março de 2009

Lixo espacial

A colisão entre um satélite russo e outro americano em meados de fevereiro reacendeu o debate sobre os riscos do
acúmulo de lixo espacial para a humanidade. Desde o lançamento do Sputnik, o primeiro objeto a entrar em órbita, em
1957, a evolução tecnológica permitiu que naves, foguetes e outras centenas de satélites explorassem o espaço
tranquilamente. Após perderem a utilidade, porém, esses objetos permaneceram no mesmo local e passaram do status de
exploradores para o de poluidores espaciais. Atualmente, cerca de 17.000 destroços com mais de 10 centímetros giram
em torno do Planeta Terra, provocando colisões e danificando naves (na imagem acima, uma montagem feita em
computador mostra o acúmulo do lixo ao redor do planeta). Saiba as consequências disso e quais são as possíveis
soluções para a realização de uma “faxina no espaço”.

1. O que é lixo espacial?


O lixo espacial é composto detritos de naves, combustíveis, satélites desativados, lascas de tinta, combustível, pedaços de
mantas térmicas e foguetes, objetos metálicos e até mesmo ferramentas perdidas por astronautas durante as suas explorações
espaciais. “O que existe é uma grande nuvem de objetos dos mais variados tamanhos e pesos, desde um grama até toneladas”,
explicou Petrônio Noronha de Souza, chefe do laboratório de Integração e Testes do Instituto Nacional de Pesquisas
Espaciais (Inpe).

2. Quando surgiu? Como está a situação atualmente?


O grande precursor do acúmulo de detritos no espaço foi o Sputnik, o primeiro satélite artificial da Terra, lançado em 1957
pela antiga União Soviética. Hoje em dia, com a evolução tecnológica, há cerca de 800 satélites ativos em órbita. Enquanto
isso, segundo o chefe do laboratório do Inpe, a órbita se tornou um “vasto lixão espacial”. De acordo com dados divulgados
em 2008 pela Nasa, a agência espacial americana, foram contabilizados no espaço aproximadamente 17.000 destroços acima
de 10 centímetros, 200.000 objetos com tamanho entre 1 e 10 centímetros e dezenas de milhões de partículas menores que 1
centímetro.

3. Então a evolução tecnológica só serviu para “poluir” o espaço?


Não necessariamente. Para Souza, a contrapartida da sujeira produzida pela evolução da tecnologia foi o benefício que ela
trouxe para sociedade. “Não podemos dizer que tudo é lixo e apenas nos causa mal. Tudo que está lá sempre teve um
propósito, nada foi colocado só para poluir. O lixo acumulado é um preço que se paga em função de um beneficio adquirido”,
lembra ele.

4. O que acontece com os detritos que ficam no espaço e ninguém retira?


Nem tudo o que foi colocado no espaço permanece em órbita. Souza explicou que os detritos vão paulatinamente perdendo
altitude e, mais cedo ou mais tarde, caem na Terra. Segundo o chefe do laboratório do Inpe, detritos que estão em altitudes
baixas caem mais rápido, em meses. Já os mais altos permanecem por décadas. “Quando um satélite é lançado, ele permanece
lá por meses ou anos e, ao final da vida útil, é simplesmente desligado. Ao ser desligado, o satélite deixa de ser usado e se
transforma em lixo. É como se alguém abandonasse um carro e o deixasse ali. Porém, é viável pegar um carro velho e levar
para o pátio. E no caso do satélite não existe um pátio”, compara Souza.

5. É possível ser atingido por um pedaço de satélite, por exemplo?


Essa possibilidade existe, mas a chance de ser atingido é reduzidíssima. Desde o início da corrida espacial, foram inúmeros
os registros de quedas de detritos em diversas localidades, como os Estados Unidos, a Austrália e a África. Conforme Souza,
porém, muitas vezes o lixo acaba queimando antes de cair na Terra. Quando consegue atravessar a atmosfera, o lixo espacial
ainda enfrenta a probabilidade de cair no mar, já que os oceanos ocupam 75% da Terra. “Nunca vai acontecer uma
tempestade de lixo espacial, a física não permite isso. É ficção científica”, esclarece o especialista.

6. Na pior das hipóteses, quais são os riscos do acúmulo de lixo espacial?


O cenário mais remoto, porém fisicamente demonstrável, é a Síndrome de Kessler. A hipótese, apresentada por um físico da
Nasa, sustenta que haverá um momento em que o espaço terá tantos detritos que será impossível utilizá-lo para as
necessidades da humanidade. Isso porque, quando dois objetos se chocam, eles geram mais fragmentos, multiplicando assim
o número de elementos em órbita. “Isso lembra uma reação em cadeia, em que choques vão gerando choques e mais choques,
como se quase tudo que estivesse em orbita criaria um cinturão e inviabilizaria completamente o uso do espaço”, diz Souza.

7. Na prática, como os detritos espaciais poderiam afetar a vida do homem?


Para a saúde do planeta Terra, o lixo espacial não tem a menor importância, já que representa uma quantidade de massa
insignificante, segundo explicou o chefe do laboratório do Inpe. A grande afetada, caso o espaço fosse inutilizado, seria a
sociedade. Os satélites que atualmente estão em órbita, por exemplo, são responsáveis por transmitir dados, sinais de
televisão, rádio e telefone, sem contar os equipamentos que observam a Terra, fornecem informações sobre mudanças
climáticas, podem antecipar fenômenos naturais e fazer o mapeamento de áreas. “O grande problema do lixo espacial está lá
em cima: é a probabilidade desses fragmentos danificarem equipamentos necessários para o homem”, explicou o especialista
brasileiro.

8. É possível fazer uma “faxina espacial”?


“Limpar o espaço não é como limpar um terreno baldio. Não existe tecnologia para remover esses objetos em órbita, porque a
limpeza não é viável”, diz Petrônio Noronha de Souza. Ele explica que a tecnologia não existe de fato - há apenas algumas
idéias. A concretização desses métodos, contudo, exige um gasto tão astronômico que a viabilidade técnica acaba sendo
questionada.
9. Quais métodos já foram apresentados?
A seguir, algumas das formas já propostas para tentar tirar o lixo do espaço:
Redes: Sistema de redes gigantes, que formaria um cesto capaz de capturar os detritos e jogá-los mais para baixo.
Lasers: Instalar canhões de laser em alguns pontos estratégicos e disparar contra o lixo, para desviar sua órbita para mais
perto do planeta. Com isso, o lixo queimaria até desaparecer.
Fios: Cabos condutores de cobre poderiam ser acoplados a satélites desativados para que eles pudessem ser atraídos pelo
campo magnético da Terra.
Espuma: Um painel de espuma seria colocado na rota dos detritos. Assim que os objetos passassem por ele, teriam sua
velocidade reduzida, caindo de volta no planeta.
Braço: Uma espécie de nave não-tripulada, guiada por radares e câmeras, seria equipada com braços robóticos para coletar
os detritos.

10. Há alguma alternativa para evitar que os satélites que estão em órbita não se tornem lixo espacial?
Sim. O chefe do laboratório do Inpe explica que, para evitar que as centenas de satélites em atividade se transformem em lixo
espacial ao fim de suas atividades, é preciso programá-los para que eles sigam em direção às chamadas órbitas-cemitério.
Assim, os satélites ficariam em lugares bem distantes da Terra, sem oferecer riscos de colisões. De acordo com a Nasa, a cada
ano, cerca de 200 pedaços de lixo espacial com mais de 10 centímetros entram no espaço.

11. Por que o uso das órbitas-cemitério não é tão comum?


Muitas vezes isso não ocorre por razões financeiras. De acordo com Souza, um satélite é projetado para permanecer em órbita
por cerca de quatro anos. Retirá-lo de lá antes de se auto-desligar para movê-lo em direção a outro lugar significa interromper
um trabalho que custa caro. Se a empresa demora muito, acaba ficando tarde demais. Souza explica que, ultimamente, as
operadoras de telecomunicações, que possuem posições orbitais muito bem determinadas, têm se interessado em alterar a rota
para as órbitas-cemitério. Isso ocorre porque, se o satélite continuar no mesmo local, pode vir a atrapalhar a instalação de um
novo.

12. As agências espaciais se preocupam com esse tema?


A maioria das organizações possui um núcleo para tratar de assuntos relacionados ao lixo espacial. Em 1986, a ESA, agência
espacial europeia, criou um grupo para analisar e estudar os detritos no espaço. Neste ano, a ESA investiu 64 milhões de
dólares em um programa chamado Conscientização da Situação Espacial. Já a Nasa criou, em 1997, o Centro de Estudos de
Órbita e Re-entrada de Destroços. Além dessas, há também a Inter-Agency Space Debris Coordination Committee (IADC),
que se propõe a ser um órgão internacional que coordena atividades relacionadas a assuntos ligados ao lixo espacial. O IADC
agrega agências espaciais de países como Alemanha, Índia, China e Japão. As organizações costumam recomendar práticas
ideais, mas que dificilmente são adotadas, já que não são imposições legais. “As organizações não têm força de lei. Somente
fazem sugestões que as nações adotam ou não”, explica Souza.

13. O Brasil também tem sua parte de responsabilidade na “poluição do espaço”?


Segundo Souza, o Brasil possui dois satélites de coleta de dados e mais três satélites em conjunto com a China. “Nenhum
desses cinco dispõe de um sistema para que seja feita sua remoção em órbita. Por isso, o Brasil não pode se eximir.”

Fonte: http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/perguntas_respostas/lixo-espacial/satelite-colisao-
poluicao-orbita.shtml