Você está na página 1de 3

O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Análise e

Escolares: metodologias de Comentário Crítico


operacionalização (Conclusão)”
Cristina Assunção

Considerando a amostra de relatórios de avaliação externa de


escolas disponíveis na Plataforma, seleccionei relatórios de três
escolas, sendo um de cada ano lectivo apresentado - 2006/07,
2007/08 e 2008/09.

Realizei uma leitura atenta destes relatórios de avaliação de escolas


que se integram na área da DRELVT. De modo a possibilitar a análise
de realidades de escolas diferentes, por ciclos de ensino, escolhi um
agrupamento em que a escola sede é EBI, outro agrupamento com a
escola sede EB2,3 e uma escola Secundária.

As escolas seleccionadas foram as seguintes:

• Escola Secundária Augusto Cabrita –Alto do Seixalinho-Barreiro


(Março 2007)

• Agrupamento de Escolas de Álvaro Velho – Lavradio-Barreiro


(Janeiro 2008)

• Agrupamento de Escolas de Apelação – Loures (Março 2009)

No relatório do Agrupamento de Escolas de Álvaro Velho a referência


à Biblioteca é sempre breve. É mencionada quando se caracterizam
os edifícios das escolas, evidenciando em alguns casos algumas
deficiências estruturais e sinais de degradação. No entanto, quando
existe essa referência, é designada por Centro de
Recursos/Biblioteca e não por Biblioteca Escolar.

No relatório destacam “...espaços específicos para a


aprendizagem ... o centro de recursos onde funciona a biblioteca, um
auditório, um espaço destinado à produção de material multimédia e
uma sala de estudo.”, revelando que a Biblioteca Escolar está incluída
do Centro de Recursos.

Relativamente ao ponto sobre a valorização e impacto das


aprendizagens, é mencionada a valorização das aprendizagens dos
alunos e a promoção de acções no âmbito do PNL e da RBE. Contudo
não é especificado que actividades foram desenvolvidas na biblioteca.

No ponto “2-Prestação do serviço educativo”, no que se refere à


planificação e definição de estratégias e metodologias de trabalho em
sala de aula, descrevem apenas que ”... o PNL tem tido uma

1 Agrupamento Vertical de Escolas Vale da Amoreira


BIBLIOTECA ESCOLAR 2009/2010
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Análise e
Escolares: metodologias de Comentário Crítico
operacionalização (Conclusão)”
Cristina Assunção

expressão mobilizadora no trabalho conjunto inter e


intradepartamentos. O PNL tem servido como instrumento de
desenvolvimento de aprendizagens da Língua Portuguesa, bem como
do gosto pela leitura.” É mencionado ainda que “...o Agrupamento
convidou escritores, neste âmbito, possibilitando aos alunos a
presentação de trabalhos sobre as obras...”. Sendo a biblioteca o local
privilegiado para estes eventos decorrerem e onde estão “guardados”
os livros do PNL para os alunos lerem e desenvolverem o gosto pela
leitura, como é que não há referência à biblioteca?

No ponto sobre “Gestão dos recursos materiais e financeiros” a


Biblioteca/Centro de Recursos é mencionada como um espaço
polivalente e bem equipado mas destacam que incorpora também a
Sala de Estudo onde os alunos desenvolvem competências
diversificadas ligadas designadamente ao PNL. Mais uma vez, a
Biblioteca é vista como um espaço incluido no Centro de Recursos e
não como um polo central de desenvolvimento de competências e
aprendizagens nos alunos.

É feita referência ao horário alargado do centro de recursos e que


este tem um bom funcionamento, demonstrando algum
reconhecimento pelo trabalho realizado pelos “responsáveis” e pela
“AAE” que nele presta serviço. Não se percebe quem são os
responsáveis, se existe uma equipa de professores e se a funcionária
está neste serviço a tempo inteiro ou apenas parte do dia.

É ainda mencionado que as receitas próprias que a escola realiza,


em termos de verba, possibilita a melhoria dos espaços escolares e,
entre outras aplicações, a aquisição de livros para a Biblioteca.

No ponto sobre “Parcerias, protocolos e projectos” é descrito o


envolvimento do agrupamento em projectos nacionais, incluindo a
RBE e o PNL. Contudo, não é referida qualquer articulação entre o PNL
e a Biblioteca.

No relatório da Escola Secundária Augusto Cabrita, a Biblioteca é


referida no ponto sobre “Caracterização da Unidade de Gestão”,
quando se apresentam os espaços e serviços da escola.

2 Agrupamento Vertical de Escolas Vale da Amoreira


BIBLIOTECA ESCOLAR 2009/2010
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Análise e
Escolares: metodologias de Comentário Crítico
operacionalização (Conclusão)”
Cristina Assunção

No ponto “2-A prestação do serviço educativo” é referida “... a


utilização do Centro de Recursos para favorecer maior igualdade de
oportunidades educativas e para a criação de hábitos de trabalho...”.

No ponto sobre “Parcerias, protocolos e projectos” é mencionada a


participação da escola em projectos nacionais, nomeadamente a RBE.

O Agrupamento de Escolas de Apelação está integrado no programa


dos Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP2) desde
2005/2006. É mencionado diversas vezes os problemas de
indisciplinas e violência na escola. Grande maioria dos alunos não
têm como língua materna o Português e vêm de meios sócio-
económicos desfavorecidos. Contudo, no relatório realizado não é
feita qualquer referência à Biblioteca.

Concluindo, a referência à Biblioteca Escolar é ainda muito ténue,


limitando-se a referências de carácter estrutural e de caracterização
do espaço físico. Regra geral, é mencionado o Centro de Recursos e a
Biblioteca é apresentada como um espaço que se inclui nesse.

Não está evidenciado o contributo da Biblioteca Escolar para a


melhoria das práticas pedagógicas.

Vale da Amoreira, Dezembro 2009

3 Agrupamento Vertical de Escolas Vale da Amoreira


BIBLIOTECA ESCOLAR 2009/2010