Você está na página 1de 3

A aquisição de vocabulário do ponto de vista da psicologia da aprendizagem e da

memória:
CONTRA O ESQUECIMENTO.
Caroline Schouten-van Parreren

- O aspecto da introdução do vocabulário é importante porque uma explicação bem sucedida


do significado de uma palavra nova é a condição necessária e um passo importante para a
sua aquisição definitiva.
- Os verdadeiros problemas começam quando os alunos têm de lidar com a quantidade muito
maior de palavras menos frequentes de que necessitam para terem um domínio aceitável da
LE.
- A leitura é o meio mais adequado para a aquisição sistemática de vocabulário.

• Apresentação de vocabulário: assim não!


- Os vocábulos novos devem ser apresentados em textos com sentido para o leitor.
- Quatro argumentos contra a introdução isolada e artificial de vocábulos/frases:
(1) Apoio cognitivo (na memória porque não estabelecem ligações com outros items)
(2) Interferência (corrigir o que se aprendeu mal é mais difícil do que aprender)
(3) Realidade linguística (contexto determina o significado)
(4) Realidade psicológica (textos verdadeiros com uma mensagem  emoções)

• A introdução de novas palavras em textos e a teoria dos sistemas de memória


(Parreren)
- Todas as nossas impressões deixam vestígios na memória e alguns desses vestígios estão
ligados uns aos outros, constituindo sistemas de vestígios mais ou menos independentes uns
em relação aos outros.
- A coesão dos vestígios dentro de um sistema depende do número e tipo de ligações entre
eles.  Estas ligações são de grande importância pois são utilizadas como acesso aos
vestígios que se procuram num dado momento.
- A apresentação de palavras novas num texto cria muitas possibilidades de estabelecer
ligações: já existem outras ligações + as palavras podem ser trabalhadas de maneiras muito
diferentes (tirar significado do contexto; ver vários contextos da mesma palavra; dicionário).

- Estas diferentes actividades levam a uma melhor integração do vestígio na memória,
criando melhores condições para a actualização e posterior reprodução do significado
aprendido.
- Por vezes o vestígio ainda existe mas não é actualizado porque não há ligações que
permitam chegar até ele.  Diferentes modos de encontrar o vestígio procurado:
- Recordação da situação descrita
- Imagens mentais dessa situação
- Recordação de uma expressão
- Aparecimento repetido da mesma palavra ou radical
- Posição da palavra no texto
- Recordação de emoções e experiências causadas pelo texto ou pelos alunos

• Condições para a aprendizagem do vocabulário através da leitura


- Material linguístico + actividades
- Condições de texto: não se deve trabalhar todas as palavras novas contidas num texto, mas
apenas as que ocorrem num contexto adequado e que são relativamente frequentes.
- Contexto adequado = cria melhores condições para determinada palavra ser retida na
memória.
- Aparecimento das palavras em pontos importante do texto + contexto claros e não muitas
palavras desconhecidas
- Sequência de actividades eficaz: dedução do significado, verificação do significado, análise
da forma da palavra.
- A profundidade do processamento influencia positivamente a retenção na memória.

• Deduzir

1
- A dedução proporciona muitas possibilidades de integrar as palavras em sistemas de
memória organizados.
- Deve-se em parte Às ligações afectivas com essas palavras criadas durante a dedução.
- Devem-se evitar deduções erradas porque é muito difícil refazer as ligações na memória.
- Os alunos devem deduzir sobretudo o significado.  Domínio da técnica de dedução =
basear-se sobretudo no contexto + muito cuidado na interpretação (maneira como podem
obter informações relevantes a partir do contexto).
- A técnica de dedução ajuda no uso do dicionário (selecção adequada do significado) e na
leitura rápida e global.
- Estratégias mais eficazes: traduzir a frase; considerar o contexto alargado; actualizar e
aplicar os seus conhecimentos gerais; atenção às palavras-chave; analisar ilustrações.
- A dedução deve ser sistematicamente treinada desde o início.  Método (5 etapas):
(1) Tentar adivinhar o significado de palavras desconhecidas; ficha de orientação sobre
a dedução.
(2) Trabalho em pares de dedução das palavras com a ajuda da ficha.
(3) Elaboração de indicações semelhantes.
(4) Novo trabalho de dedução com indicações mais reduzidas.
(5) Novo trabalho sem qualquer indicação.

• Verificar e analisar
- O modo como se chega ao significado é muito importante.  O aluno deve procurar
activamente um significado adequado, claro, e muitas vezes específico para o contexto em
que a palavra nova surge.
- Na fase da análise da forma das palavras, o professor deve ajudar o aluno em tudo o que for
possível.  Deve salientar as relações entre a palavra nova e outras que o aluno já conheça.

• A consolidação de vocabulário novo


- Necessidade de assegurar a sua aquisição definitiva através de actividades
complementares:
- Sublinhar palavras novas relevantes e revê-las periodicamente
- Anotar por conta própria, à margem, os significados
- Fichas de palavras
- Condições de um bom exercício de vocabulário:
(1) Alto rendimento
(2) Orientação adequada
(3) Mínimo possível de interferências (onde a maioria dos exercícios não satisfaz)
- Em exercícios onde não se trabalhe com alternativas, a probabilidade de interferência é
reduzida; trabalha-se em geral com restrições (número de letras ou parte de letras definidas
por antemão).
- É essencial que se faça muita leitura.  Distinção entre duas linhas de leitura:
- Leitura intensiva (dedução, verificação, análise, consolidação – na aula)
- Leitura extensiva (leitura em casa baseada num plano de leitura organizado em várias
fases).  Alunos devem dispor de estratégias de leitura adequadas + conjunto variados
de livros à escolha + possibilidade de assimilar bem e de ter uma opinião crítica.
- As duas linhas de leitura aproximar-se-ão gradualmente.
- No nível de iniciação da língua à língua podem ser já utilizados para esse fim textos
autênticos, neste caso livros para crianças e jovens.  O seu conteúdo + a linguagem viva e
natural + apresentação / ilustrações = efeito motivador.
- Se se prestar desde o início uma atenção especial à aquisição do vocabulário e à leitura, as
aulas de LE podem tornar-se neste aspecto mais eficazes e motivadoras.

• Da recepção à produção
- Os alunos com um vocabulário passivo bem desenvolvido passarão automaticamente a usar
uma parte dessas palavras.
- 3 Tipos de problemas que bloqueiam uso automático das palavras:
(1) O aluno conhece mas não se lembra naquele momento – Solução: activar
conhecimento receptivo da palavra (fichas de diálogo)

1
(2) O aluno conhece algumas palavras com significado semelhante mas não sabe
distinguir. Pode levar a comportamentos de evitação e fossilização – Solução: trabalho
com campos de palavras.
(3) O aluno conhece a palavra correcta mas combina-a erradamente com outras
palavras (sintagmas convencionais; FVG). Esta é uma das causas mais importantes da
estagnação prematura do uso produtivo da língua por parte de alunos avançados. Os
alunos devem ser alertados para a existência de sintagmas convencionais e para o
modo de os identificar (tradução + retroversão + memorização).

• Conclusão: Passos na apresentação de palavras


(melhores resultados + menos tempo + maior envolvimento afectivo de
alunos e professores)
(1) Escolher textos adequados;
(2) Seleccionar as palavras a aprender (através da sua frequência + adequação ao contexto);
(3) Chegar ao significado pela dedução, verificação e análise;
(4) Consolidar vocabulário por meio de anotações à margem, fichas de palavras e exercícios;
(5) Torná-lo produtivo, activando-o, salientando distinções entre palavras semelhantes e
sintagmas convencionais.