Você está na página 1de 18

Agrupamento Vertical de Escolas de Vendas Novas

4ª Sessão

O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares:


metodologias de operacionalização

Plano de Avaliação das Bibliotecas Escolares

Trabalho realizado por:


Dulce Garcia
Elisabete Marques

Página 1 de 18
ÍNDICE

 Enquadramento/Diagnóstico…………………………………………..….. 3

 Metodologia de operacionalização……………………………………….4

 Intervenientes……………………………………………………………………..8

 Planificação da recolha e tratamento de dados…………………….8

 Elaboração de relatório e respectivo plano de melhoria………10

 Comunicação de resultados…………………………………………………10

 Anexos……………………………………………………………………………..…11

Página 2 de 18
Enquadramento / diagnóstico
O nosso plano de avaliação foi concebido tendo por base a consulta de documentos–
chave emanados pelo órgãos de gestão do Agrupamento Vertical de Escolas de Vendas
Novas, nomeadamente o Projecto de Intervenção da Directora da Escola e o Projecto
Educativo.

O primeiro, que teve como base o Relatório de Avaliação Interna apresentado à


comunidade escolar em Setembro de 2007, procede à constatação de debilidades
várias, das quais se destacam:

Constatação de insucesso escolar em disciplinas nucleares e existência de uma


divergência assinalável entre os resultados obtidos na avaliação interna e na
avaliação externa, em certas disciplinas

Níveis de literacia e hábitos de leitura reduzidos.

e pretende

Desenvolver acções que visem a melhoria dos resultados escolares,… e implicar


individual e colectivamente os vários agentes educativos ( professores, alunos,
pais/ encarregados de educação e pessoal não docente) na obtenção de
resultados.

Promover uma cultura de avaliação contínua do serviço prestado pelo


agrupamento, com vista à definição concreta de medidas que conduzam a um
acréscimo na qualidade do serviço prestado pelo agrupamento.

O segundo documento, no capítulo Práticas Pedagógicas, refere que se deverão


“privilegiar metodologias e estratégias de trabalho que permitam a concretização e
realização do presente projecto. O Projecto Educativo, em face da concretização dos
seus objectivos operacionais, poderá implicar o condicionamento do trabalho docente
(práticas, modelos, estratégias e metodologias), nomeadamente:

Em face da resolução das dificuldades das aprendizagens;


Da definição de estratégias ao nível da motivação e interesses do aluno;
Mediante a configuração de estratégias de metodologias de trabalho,
compensação, recuperação ou reforço;
No incentivo ao trabalho colaborativo e apoiado de docentes, na assumida
consideração que juntos fazemos mais e melhor;”

Página 3 de 18
O mesmo documento preconiza que um dos objectivos da BE deverá ser “Promover as
competências de literacia e os hábitos de leitura.”

Neste contexto e tendo em conta a selecção de uma área de interesse ou considerada


prioritária face às metas da própria escola, como a bibliografia aponta, optou-se pela
selecção do domínio B – Leitura e Literacia – seleccionando-se o indicador B1,
considerado de processo e o B3 considerado de impacto, na perspectiva de avaliar o
trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento e o impacto
do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e da
literacia, pretendendo-se, deste modo, identificar os pontos forte e fracos deste
domínio; e implementar e / ou alterar procedimentos e estratégias de modo a superar
os aspectos menos positivos.

Metodologia de operacionalização
A implementação da auto-avaliação passa por um processo que implica o
cumprimento de:

Divulgação do modelo em sede de Conselho Pedagógico;


Co-responsabilização de todos os intervenientes (órgão de gestão e docentes)
Constituição, sob a responsabilidade do Professor Bibliotecário, de um grupo
responsável ao nível da escola/agrupamento pela condução do processo de
autoavaliação da BE, com definição e partilha de tarefas entre os elementos do
grupo .
Desenvolvimento do processo.

Para proceder à avaliação a que nos propomos, recorreu-se ao modelo de auto-


avaliação das BE’s, desenvolvido pelo gabinete da RBE. De acordo com este modelo, e
no seguimento do diagnóstico apresentado seleccionou-se o domínio supracitado, cuja
avaliação decorrerá durante o ano lectivo 2009/2010.

Serão apresentados a seguir os indicadores, os diversos factores críticos de sucesso, os


instrumentos que vão suportar as evidências e a calendarização:

Página 4 de 18
B. Leitura e Literacia

Indicadores Factores críticos de sucesso Evidências Calendarização

B1 Trabalho da BE ao . A BE disponibiliza uma colecção variada e adequada aos . Estatísticas de requisição, circulação no Ao longo do ano lectivo
serviço da promoção da gostos, interesses e necessidades dos utilizadores. agrupamento e uso de recursos 2009-2010
leitura na . A BE identifica novos públicos e adequa a colecção e as relacionados com a leitura.
escola/agrupamento práticas às necessidades desses públicos (CEF;EFA;AEC’s) Maio – aplicação dos
A BE identifica problemáticas e dificuldades no domínio da . Estatística de utilização informal da BE. questionários)
leitura e literacia e delineia acções e programas que
melhorem as situações identificadas. . Estatísticas de utilização da BE para
. A BE promove acções formativas que ajudem a desenvolver actividades de leitura programada
as competências na área da leitura. articulada com outro docente
. A BE incentiva o empréstimo domiciliário.
. A BE está informada relativamente às linhas de orientação e . Registo de actividades/ projectos.
actividades propostas pelo PNL e desenvolve as acções
implicadas na sua implementação. . Questionário aos docentes (QD2)
. A BE incentiva a leitura informativa, articulando com os
departamentos curriculares no desenvolvimento de .Questionário aos alunos(QA2)
actividades de ensino e aprendizagem ou em projectos e
acções que incentivem a leitura.
. A BE desenvolve actividades no âmbito da promoção da
leitura: sessões de leitura, blogs, jornal escolar ou outras
actividades que associem formas de leitura, de escrita ou de
comunicação em diferentes ambientes e suportes
.A BE promove encontros com escritores ou outros eventos
culturais que aproximem os alunos dos livros ou de outros
materiais e incentivem o gosto pela leitura.
Página 5 de 18
.A BE incentiva a leitura em ambientes digitais explorando as
possibilidades facultadas pela WEB.
.A BE organiza e difunde recursos documentais que,
associando-se a diferentes temáticas ou projectos, e
garantem a transversalidade e o desenvolvimento de
competências associadas à leitura.
.A BE apoia, sempre que possível, os alunos nas suas escolhas
e conhece satisfatoriamente as novidades literárias que
melhor se adequam aos seus gostos.

B.3 Impacto do trabalho . Estatísticas de utilização da BE para Ao longo do ano lectivo


da BE nas atitudes e . Os alunos usam o livro e a BE para ler de forma recreativa, actividades de leitura. 2009-2010
competências dos para se informar ou para realizar trabalhos escolares.
alunos, no âmbito da . Os alunos, de acordo com o seu ano/ ciclo de escolaridade, . Estatísticas de requisição domiciliária. Maio – aplicação dos
leitura e da literacia manifestam alguns progressos nas competências de leitura, questionários)
lendo mais e com maior profundidade. . Observação da utilização da BE (O3;O4).
. Os alunos desenvolvem trabalhos onde interagem com
equipamentos e ambientes informacionais variados, . Trabalhos realizados pelos alunos;
manifestando alguns progressos nas suas competências no
âmbito da leitura e da literacia. . Análise diacrónica das avaliações dos
. Os alunos participam em diferentes actividades associadas à alunos
promoção da leitura
. Questionário aos docentes (QD2)

. Questionário aos alunos(QA2)

Nota: O Modelo será adaptado, sempre que necessário, aos ciclos de ensino do Agrupamento. Os instrumentos a utilizar em momentos específicos
uestionários e grelhas) serão revistos e, caso se justifique ajustados à situação concreta onde serão aplicados. Da análise de todos os dados resultará um
relatório cuja súmula será integrada na avaliação interna da escola.

Página 6 de 18
Intervenientes
Qualquer processo de auto-avaliação só poderá ter os efeitos desejados, ou seja, ser
uma mais-valia para a BE e, consequentemente, para a escola no seu todo, se for
sentido “como um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de
uma melhoria contínua da BE. Neste sentido, a escola deverá encarar este processo
como uma necessidade própria e não como algo que lhe é imposto do exterior, pois de
facto todos irão beneficiar com a análise e reflexão realizadas.” Tal implica
disponibilidade, empenho e responsabilidade. Assim, todos os elementos da
comunidade educativa serão chamados a participar, cada qual com as suas
responsabilidades específicas indicadas na grelha que a seguir se apresenta.

Intervenientes no processo Funções


Direcção executiva Acompanha o processo, disponibilizando as condições
necessárias para aplicação da avaliação.
Professoras Bibliotecárias/ equipa Implementam o modelo de auto avaliação, depois de
seleccionado o domínio
Docentes Participam no processo, designadamente através da
resposta a questionários, preenchimento de grelhas de
observação, fornecimento de informações sobre a
avaliação de trabalhos, de sugestões de actividades, etc.
Alunos Participam na fase de recolha de evidências através da
resposta a questionários e a outras solicitações
específicas feitas pelo professor bibliotecário e
elementos da equipa da BE.

Planificação da recolha e tratamento de dados


Selecção da amostra

Segundo o modelo, para além da percentagem de alunos e professores a inquirir, para


que os elementos sejam representativos do conjunto de população que se pretende
estudar, a amostra deverá abranger a diversidade de alunos da escola: os vários anos/
ciclos de escolaridade, os vários cursos; as várias origens/ nacionalidades; rapazes e
raparigas; alunos com necessidades educativas. Deve ainda abranger a diversidade de
docentes da escola, aplicando-se os questionários aos diferentes departamentos, nos
domínios / subdomínios em que se justifique, a docentes mais antigos na escola e a
docentes recém-chegados, etc.

Tendo em conta que o Agrupamento Vertical de Escolas de Vendas Novas tem duas
bibliotecas que servem estabelecimentos de ensino de ciclos diferentes, impõem-se

Página 7 de 18
que sejam definidas duas amostras em conformidade com o número de docentes.
Assim de acordo com o exposto apresentam-se os quadros, 1 e 2.

Quadro 1- Amostra dos questionários aos alunos

Ano de escolaridade/ Nº de Amostra


cursos alunos (10%)

Pré -escolar 100 10


1º ano 45 5
2º ano 43 4
3º ano 42 4
4º ano 88 9
5º ano 120 12
6ª ano 112 11
7º ano 61 6
8º ano 81 8
9º ano 66 7
CEF tipo 2 14 1
CEF tipo 3 16 2
EFA 11 1

Quadro 2- Amostra dos questionários aos professores

EBI de Vendas Novas EB1/JI nº 1 e 2 de Vendas Novas


Nº de professores Amostra(20%) Nº de professores Amostra (30%)
96 20 11 3

Recolha e análise de dados

Para além da utilização de instrumentos fornecedores de dados meramente


quantitativos ( ficha de utilização de serviços e questionários) pretende-se que estes
sejam complementados com a aplicação de outros instrumentos que forneçam dados
de teor mais qualitativo, por forma a que o cruzamento de todos estes elementos
contribua para a elaboração de um retrato fiel da biblioteca que realmente temos.
Assim sendo, haverá dados que serão compilados ao longo do ano e outros que, como
já referimos, serão recolhidos pontualmente em Maio (através da aplicação de
questionários). Os dados recolhidos serão tratados e analisados por uma equipa
constituída pelos docentes afectos à BE e outros elementos com reconhecida
competência na matéria.

Página 8 de 18
Elaboração de relatório e respectivo plano de melhoria

Com base nos resultados obtidos será estabelecida uma relação com os respectivos
standards e benchmarks para se definir o nível de desempenho em que se situa a BE
relativamente ao domínio avaliado, bem como a definição de acções para a melhoria
(Preenchimento do quadro síntese da secção A do relatório). Esta etapa do processo
decorrerá durante o mês de Junho.

Comunicação de Resultados
A comunicação dos resultados terá lugar durante o mês de Julho e será efectuada
através de um relatório final elaborado de acordo com os parâmetros estabelecidos no
modelo de auto-avaliação. Este relatório incluirá as medidas de melhoria a
implementar no ano lectivo seguinte e será apresentado em Conselho Pedagógico.

O relatório apresentado deverá integrar também o Relatório Anual de Actividades do


Agrupamento. Sempre que o Agrupamento proceder à sua auto-avaliação, deverá
constar no respectivo relatório uma súmula do relatório final da BE.

Página 9 de 18
ANEXOS

Instrumentos de recolha de dados e observação a aplicar relativamente


à operacionalização da avaliação do domínio seleccionado – B. Leitura e
Literacia

Nota: Como já anteriormente foi referido, os instrumentos de recolha de


dados, em situação real de aplicação, deverão ser objecto de adaptações,
tendo em conta os anos de escolaridade a que se destinam e as
bibliotecas que pretendem avaliar. Este é um trabalho que não deverá ser
da exclusiva responsabilidade dos Professores Bibliotecários, mas resultar
de uma análise minuciosa, discutida em equipa, processo que não se leva
a cabo nos parcos dias (dois) destinados à realização desta tarefa (uma vez
que não é de todo viável reunir a equipa da BE durante o fim de semana).

Página 10 de 18
Página 11 de 18
Página 12 de 18
Página 13 de 18
Página 14 de 18
Página 15 de 18
Página 16 de 18
Página 17 de 18
Página 18 de 18