Você está na página 1de 26
 

C6pia

impressa

pelo

Sistema

CENWIN

 

CDU:

697.p4.+621.577:66.045.3

1MAR.11990

1 M B-l

306

Equipamentos unitijlrios de

ABNT-Associa@io

Brasileira

de

Normas

Thnicas

ar-condicionado

DeterminaqBo da capacidade de

e bomba

de calor

-

resfriamento e aquecimento

Rio

Av. Treze

CEP 20003

Rio

de Janeiro

de Janeiro

de Maio,

- Caixa

- RI

- 2@

13

Postal

andar

1680

Tel.:

PABX

(021)

210-3122

Telex:

(021)

34333

ABNT-BR

Enderqo

Teiegr&zo:

NORMATbNICA

 

M&odo

de ensaio

 

Registrada no INMETRO

coma

NBR 11215

NBR 3 - Norma Brasileira Registrada

 

Origem:

Projeto

MB-1 306/90

CB-04

- Comite

Brasileiro

de Mecanica

 

CE-04:08.04

- Comiss%o

de Estudo

de Ar-Condicionado

Central

Copyright

0

1990,

MB-l

306 - Air-conditioners

and

heat pump

- Determination

of heating

ABNT-AssociagHo

de

Normas

Tbcnicas

Brasileira

cooling

capacity

of refrigerating

system/heat

pump

- Method

of test

Printed

in Brazil/

 

Impress0

no Brasil

 

Palavras-chave:

Ar-condicionado.

Bomba

de calor

I

Todos

0s dire&

resewados

operation

and

26 paginas

Todos 0s dire& resewados operation and 26 paginas SUMhO 1 Objetivo 2 Documentoscomplementares 3 Definir$es 4
Todos 0s dire& resewados operation and 26 paginas SUMhO 1 Objetivo 2 Documentoscomplementares 3 Definir$es 4

SUMhO

1 Objetivo

2 Documentoscomplementares

3 Definir$es

4 Procedimento

5 M&odo de ensaio

6 Execu$io dos ensaios

7 Medi@o da vazao do ar

8 Medidas de pressaoestatica

9 Medi@o do condensado

10

11 Prepara@o do ensaio e seu desempenho

12 Resultados

lnstrumentos

ANEXO - Simbolos usadosnasequa@es

1 Objetivo

1.1 Esta Norma prescreve o m&do

determinaracapacidadede resfriamentodoequipamento unit8rio de condicionamento de ar e as capacidades de resfriamentoe aquecimento do equipamento unit&i0 de bombade calor.

de ensaio para

1.2 Esta Norma se aplica a equipamentos unitarios de

condicionamentode ar e de bombade calor, dotados de compressaome&nica, acionadoseletriiamente,consistindo em umaou maispartesque incluemumaserpentinade ar interna,urncompressor,umaserpentinaextemae dispositivo de expansao. Estas partes estabelecem, quer sozinhas ouemcombina@ocom outrosequipamentos,as funqdes

de circula@o e limpeza, desumidifica#o, resfriamento e aquecimentocorn temperatura controlada do ar. Quando o equipamento6 diviiido, aspartesseparadassaoprojetadas para serem usadasem conjunto.

1.2.1 Normalmenteosequipamentosdotipounit&iopodem ser classificadoscoma se segue:

a) arranjo dos componentes:

- unidade corn o compressor,a serpentina de ar

interna e

urn ljnico gabinete;

a serpentina externa agrupados em

- unidadecorno compressore a serpentinaintema agrupadosemurnljnico gabinetee a serpentina externa em outro;

- unidadecorna serpentinaintemaemurngabinete e a serpentina externa e 0 compressor em

outro;

b) m&odo da troca de calor da serpentina externa:

- ar;

- agua;

- condensa@o corn resfriamentoevaporativo.

1.3 Esta Norma n8o se aplica a m&odos que envolvam fatorestaiscomotoleranciasdefabrica@oeprocedimento de controle de qualidade, OSquais e.stFioakm do alcance dela.

envolvam fatorestaiscomotoleranciasdefabrica@oeprocedimento de controle de qualidade, OSquais e.stFioakm do alcance dela.

Copia

2

impressa

pelo Sistema

CENWIN

MB-l

306/l

990

2 impressa pelo Sistema CENWIN MB-l 306/l 990 1.3.1 Esta Norma n&o inclui metodos de ensaio
2 impressa pelo Sistema CENWIN MB-l 306/l 990 1.3.1 Esta Norma n&o inclui metodos de ensaio

1.3.1

Esta Norma

n&o inclui metodos

de ensaio

para

o

3.5 Pressao

barometrica

padrao

seguinte:

Pressao

de 1,013 x 105Pa.

a) de resfriamento

serpentinas

para

uso separado

(MB-l 909);

3.6

Refrigerante

volatil

b) unidades condensadoras

para uso em separado;

Refrigerante

que muda de estado

lfquido

gasoso

no process0

de absorcao

de calor.

para estado

c) de ar de janela (ver ASHRAE

condicionadores

16 e

58);

3.7

Capacidade

de resfriamento

 

d) acionados

equipamentos

por

calor

(ver

Potenciaexpressaem

W, paraaqualoequipamento

retira

ASHRAE

40);

calor

do ar passando

atraves

dele sob

condi@es

de

opera@0

especificadas.

e) unidades resfriadorasde

liquid0 (verASHRAE

30).

2 Documentos

complementares

3.8 Capacidade

frlgoriflca

sensfvel

Potenciaexpressaem

W, paraaqualoequipamentoretira

Na aplicacao desta Norma e necessario

consultar:

calor sensfvel

do ar passando

atraves dele sob condicoes

 

de operagao

especificadas.

MB-1909 - Resfriadores de ar para refrigeradores

-

Determinacao

da capacidade

de resfriamento

e de

3.9

Capacidade

frigorlfica

latente

vazao do ar - Metodo de ensaio

 
 

Potenciaexpressaem

W, paraaqualoequipamentoretira

NB-10020

-

Medicbes

de

temperatura

em

calor latente do ar passando

atraves

dele sob condicdes

condicionamento

de ar - Metodo de ensaio

ASHRAE

conditioners

16 - Method of testing

for rating

room air-

de operacao especificadas.

3.10 Capacidade

Potencia

expressa

de aqueclmento

em

W,

correspondente

ao

calor

ASHRAE

23 - Compressors,

positive

displacement,

adicionado ao ar que passa pelo equipamento na unidade

refrigerant,

methods

of testing for rating

de tempo sob condi@es

de operacao

especificadas.

ASHRAE 30 - Methods of testing liquid chilling packages

3.11 Serpentina

interna

ASHRAE 40 - Heat operated unitary air-conditioning

Trocador

de calor que retira calor de ou adiciona calor ao

equipment for cooling, methods

of testing for rating

espaco

condicionado.

ASHRAE

method of testing for rating

58 - Room air-conditioner

heating capacity,

3.12 Serpentina

externa

 

Trocador

de calor que rejeita calor para uma fonte externa

3

DefiniGdes

ao espaco

condicionado

ou absorve

calor desta fonte.

Para OSefeitos desta Norma, sao adotadas de 3.1 a 3.14.

3.1 Equipamento

unitario

as definicdes

3.13 Lado interno

Parte do sistema que rejeita calor de uma corrente de ar interna ou adiciona calor a esta corrente.

Ver se@0

1.2.

3.14 Lado externo

Parte do sistema

que rejeita calor para uma fonte externa

Parte do sistema que rejeita calor para uma fonte externa Termo que se refere exclusivamente ao

Termo que se refere exclusivamente ao equipamento unitario a ser ensaiado.

4 Procedimento

3.2

Equipamento

a corrente

de ar interna ou absorve

calor desta fonte.

3.3 Aparelho

Termo que se refere exclusivamente aos instrumentos e disponibilidades da sala de ensaios.

3.4 Ar padrao

Ar tendo uma massa especifica de 1 ,2kg/m3, equivalente

a ar seco a uma temperatura

pressao barometrica de 1,013 x 105Pa.

de 294,15K

(21°C)

e uma

Para

o

uso

adequado

desta

Norma,

recomenda-se

a

seguinte

seqiiencia:

 
 

a) selecionar

as condi@es

a serem

empregadas

 

no

 

ensaio;

 
 

b) selecionar

OS metodos

de ensaio

(Capftulo

5)

e

 

respectivos

roteiros

(Capitulo

6);

 

c)

selecionar

OS aparelhos

e instrumentos

(Capitu-

 

Ios7

a 10);

C6pia

MB-l

impressa

306/l

990

pelo Sistema

CENWIN

3

990 Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 3 d) conduzir 0 ensaio (Caphulo 11); e) calcular
990 Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 3 d) conduzir 0 ensaio (Caphulo 11); e) calcular

d) conduzir

0 ensaio (Caphulo

11);

e) calcular os resultados (Capitulo 12) e os paragrafos aplic&veis (Caphulo 6).

pelos metodos descritos na Tabela 1, respeitando limita@es descritas no Capltulo 6.

as

6.2.2

Para

equipamentos

que tenham

a capacidade

de

5 Mhtodo

de ensaio

 

5.1

Mbtodos

de ensaio

padrso

OS seguintes

metodos

de ensaio

estao

descritos

nesta

Norma:

a)

metodo da entalpia do ar, lado interno (ver 6.1);

b)

m&do

da entalpia

do ar,

lado externo

(ver 6.1);

c)

metodo da calibragao

do compressor

(ver 6.2);

d)

metodo da vazao de refrigerante

volatil (ver 6.3);

e)

metodo da serpentina

externa de agua (ver 6.4).

5.2 Emprego

dos

mbtodos

de ensaio

6.2.1 OS equipamentos

unitarios

devem

ser

ensaiados

resfriamento menor que 409OOW, nas condi@es de ensaio, devem ser realizados ensaios simultaneos pelo m&do da

entalpia do ar, lado interno (ensaio metodo padrao.

A),

e por

urn outro

6.2.3 OS equipamentos

de capacidade

de resfriamento

igual ou superior

a 4696OW

podem

ser

ensaiados

por

apenas

urn

dos

metodos

descritos

mas,

no ciclo

de

resfriamento,

quando

o m&do

da entalpia

do

ar,

lado

interno,naoforempregado,avazaointemaeacapacidade

 

de resfriamento latente (desumidificacao)

devem

ser

determinadas simultaneamente conforme especificado nos Capltulos 7 e 9.

5.2.4 OS metodosdescritosnesta

Norma podem ser usados

para ensaiar equipamentos

unitarios

nao classificados

na

Tabela

1,

mas

considera@%

adequadas

devem

ser

asseguradas no calculo da capacidade para ratificar OS

principios

do equilibrio de energia.

/TABELA

1

devem ser asseguradas no calculo da capacidade para ratificar OS principios do equilibrio de energia. /TABELA
 
Cópia não autorizada   Tabela 1 - Wtodos de ensaio de aquecimento ou de resfriamento  

Tabela

1 - Wtodos

de ensaio

de aquecimento

ou de resfriamento

 

I

I

Ensaio A @)

Ensaio B (3 Selecione urn

T

(0)

Referhcia

da se@0

5

6

7e9

@) Ensaio B (3 Selecione urn T (0) Referhcia da se@0 5 6 7e9 Bomba de

Bomba de calor e condicionador

de ar

 

Classifica@o

(se@0

1.2.1)

 

I

Arranjo dos componentes

M6todo de rejei@o de

 

M&odo

MBtodo

M&odo

da

calor durante o ciclo

de

de

calibra@o

de resfriamento

entalpia

entalpia

do

 

do ar

do ar

compressor

intern0

externo

 

I

I

I

 

Resfriada

a a,r e evapo-

 

X

X

X

Unidade compacta simples

 

rativamente

1

Resfriada

a &ua

I

x

I

I

x(d)

Trocador

de calor remoto

Resfriado

a are

evapo-

do lado extemo;

compres-

rativamente

X

X

X

sor dentro do ambiente condicionado

Resfriado

a agua

X

X

Compressor

e trocador

de

Resfriado

a are evapo-

 

calor remotos

do lado externo

 

rativamente

X

X

X

 

Resfriado

a agua

X

X

w

M&odo

do

(9

M&odo

da

Condensador

fluxo do

serpentina

resfriado

e

refrigerante

de agua

medida indi-

evaporado

externa

reta da vazao do ar

 

X

 

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X X X X X X X X X X X Notas: a) 0 ensaio A

Notas:

a)

0 ensaio A simultaneamentecorn urn dos ensaios B para equipamentoccm capacidademenor do que 40000W (Resfriamento).

b)

Aplic&el somente para equipamentocorn capacidade menor do que40000W (Resfriamento).

c)

Ensaio conforme 6.1.6, quando 0 compressor 6 ventilado independenteda wrente

de ar exterior.

d)

Nao aplicavelse a serpentina de agua externa estiver localizada na corrente de ar interna sem isolamento (6.2.1.l).

e)

Ensaio conforme 6.3.1.

9

Ens&o conforme 6.4.1.1. Nao aplitivel

se o compressor for ventilado fora da corrente de ar interna.

g)

Para equipamentos corncapacidade de 4OOOOWe acima (Resfriamento), no minima,6 neces.s&io urn metodo prescrito (5.2.2). OSmetodos Sao identicos par-aananjos de componentes corn0 mostrado

nos ensaios A e B, exceto que 0 tm%dO

deve ser medidoe a quantidadede ar internodeterminadasimultaneamentecoma especificado nos Capitulos 7 e 9.

da entalpia do ar extemo nao 6 aplic&el (6.1.l .l). No ciclo de resfriamento, quando 0 m&odo da entalpia do are empregado, 0 condensado do resfriarnento

C6pia

impressa

MB-1 306/l 990

peio

Sistema

CENWIN

5

990 Cópia não autorizada peio Sistema CENWIN 5 6 Execuqgo dos ensaios numinv6lucro.
990 Cópia não autorizada peio Sistema CENWIN 5 6 Execuqgo dos ensaios numinv6lucro.

6 Execuqgo

dos

ensaios

numinv6lucro. Esseinv6iucrodeveser bemvedado

 

e isolado. Deve ser suficientemente amplo para

6.1 Mbtodo

da entaipia

do

ar

permitiraiivrecircuia@iodearentreoequipamento

 

e o inv6iucro e, em nenhumcase, a distanciaentre

6.1 .l Descri@o

geral

o

inv6lucro e o equipamento deve ser inferior a

6.1.1.1 No metodo da entalpia do ar, as capacidadessao

determinadaspelas medidasdas temperaturasde bulbo secoe bulbotimid0do ar, na entradae safdada serpentina, e pelavazao do ar.

6.1.1.2 Este metodo deve ser empregado em ensaios

internos, de equipamentos corn capacidade total de resfriamento menor do que 4OOOOW,e pode ser usado para ensaiosinternosde equipamentosde igualou maior capacidade; quando usadopara esta finalidade deve ser designadocorn0 ensaioA. Sujeito aos requisitosadicionais em 6.1.6, esse m&do pode ser usado para ensaios externos de equipamentos resfriados a ar ou evapo- rativamente, corn capacidades menoresdo que 40000W na partede resfriamento,desdequenao usemresfriadores de liquid0 remotos. OS ensaios externos do metodo da entalpiadoarestao, adicionalmente,sujeitosaslimitacoes do arranjo dos aparelhos descritos em 6.1.6.2, se o compressore ventilado independentemente,e ao ajuste da perda na linha permitido por 6.1.7.3 e 6.1.8.3, se o

equipamentoemprega serpentinasexternas localizadas em gabinetesindependentes.

6.1.1.3 Sao recomendados OS seguintes arranjos

ensaios:

para

150mm.A entrada do inv6iucro deve ser oposta a entradadoequipamentopara provocar acirculacao

de ar atravesdetodoo espa$ocoberto.Urnd&posit&

de medigaodavazfio doar 6 conectado adescarga do equipamento. Este dispositivo deve ser bem isoiado na parte onde atravessa o inv6iucro. As temperaturas dos buibos seco e umido do ar, na entrada do equipamento, devem ser medidasna entrada do invbiucro;

d) o arranjo da sala (Figura 4) - o equipamento a ser ensaiado e adequadamente colocado na sala de ensaio.Urndispositivode medigaodoarecoiocado na descarga do ar do equipamento e no retorno ligado a urn equipamento de condicionamento de ar. 0 ar saindo do apareiho de condicionamento fornece as temperaturas de bulbo seco e Clmido

manometrospodem

medir as temperaturas dos bulbosseco e umido e

desejadas, e termometros e

a queda de pressaoconforme exigido;

e) OSarranjos mostrados nas Figuras 1,2,3

e 4 sao

para ilustrar asvarias possibilidadesdisponiveise

nao devem ser interpretados coma aplicacao

especificaouexclusivaparaostiposdeequipamentos

corn OSquaiss?romostrados.Entretanto,urn inv6lucro

comomostradonaFigura3,deveserusadoquando

a)

arranjodo tune1(Figura 1) - 0 equipamento a ser

ensaiadoe colocado adequadamente na sala ou salas de ensaio(ver Capitulo 11). Urn dispositivo

o

compressor esta na parte interna e ventilado separadamente.

o

demedicaodavazaodoarecolocadonadescarga

6.1.1.4

Outros meiosde controle do ar, na saidae entrada,

do equipamento(interna ou externamente a sala de ensaio). Este dispositivo descarrega o ar diretamentenasaladeensaios, aqualeprovidade meios adequadospara manter o ar que entra na

podem ser empregadosdesde que nao interfiram corn a quantidade de ar, temperatura e queda de press&o,nem produzam condifles anormaisem torno do equipamento.

unidadenas temperaturasde bulbo umidoe seco

6.1.2

Requisitos

da sala de ensaio

desejadas. S8o providos OS meios adequados para medic80 da queda de pressao e das temperaturas de bulbo seco e umido do ar, na entrada e na saida do equipamento;

OS requisitos para sala ou salas de ensaios constam em 11.1.2 e 11.1.3, conforme a aplicacao.

 

6.1.3

Medidas

de vaz&

de ar

b)

o

arranjodo circuit0 (Figura 2) - este arranjodifere

do arranjo do tunel, visto que a descarga do dispositivodemedicaodavazaodeareconectada ao aparelhode condicionamento,o qua1e por sua

dispositivo para medida de vazao de ar deve estar de acordo corn o previsto no Capitulo 7.

0

vez conectadoa entradadoequipamento.0 circuit0

6.1.4

Medidas

de queda de pretio

deve ser vedado de tal modoque as perdasde ar r-Gotenham influencia superiora la/a da vazao. A temperatura de bulbo seco do ar em torno do equipamentodeve ser mantidaem k3”c em rela@o

A queda de pressao e as conexoes para as saidas do equipamento devem estar de acordo corn o previsto no Capitulo 8.

temperaturade bulbo secede entrada, desejada no ensaio;

a

6.1.5

Medi@o

de temperatura

c)

arranjodo calorimetro (Figura 3) - neste arranjo o

6.1.5.1

As medic&s de temperatura devem ser feitas de

equipamento,ou a parteapropriadadele,e co!ocado

acordo corn a NB-10020.

 

/FIGURAS

devem ser feitas de equipamento,ou a parteapropriadadele,e co!ocado acordo corn a NB-10020.   /FIGURAS

C6pia

impressa

pelo Sistema

CENWIN

 

6

     

MB-1306/1990

CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo
CENWIN   6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo

OC

-0a

.- 0

5:

6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel
6       MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel

Figura

1 - Arranjo

do tdnel

para o mbtodo

de ensaio

da entalpia

do ar

      MB-1306/1990 OC -0a .- 0 5: Figura 1 - Arranjo do tdnel para

C6pia

impressa

MB-1306/1990

pelo Sistema

CENWIN

7

Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 7 Figura 2 - Arranjo do circuit0 do m6todo de

Figura

2 - Arranjo

do circuit0

do m6todo

de ensaio

da entalpia

do

ar

C6pia

impressa

pelo Sistema

CENWIN

     

8

     

MB-l

306/l

990

  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
  8       MB-l 306/l 990   I n1   0 L ‘0 >
 

I

n1

 

0

L

‘0

>

c

 

\

P

Figura

3 - Arranjo

do calorimetro

do mbtodo

da entalpia

do ar

‘0 > c   \ P Figura 3 - Arranjo do calorimetro do mbtodo da entalpia
 
Cópia não autorizada   Equipamento de Dispositivo de condicionamento mediCGo da vaztio do ambiente de ar
Cópia não autorizada   Equipamento de Dispositivo de condicionamento mediCGo da vaztio do ambiente de ar
Cópia não autorizada   Equipamento de Dispositivo de condicionamento mediCGo da vaztio do ambiente de ar
Equipamento de Dispositivo de condicionamento mediCGo da vaztio do ambiente de ar da tsm- Flux0
Equipamento
de
Dispositivo
de
condicionamento
mediCGo
da vaztio
do
ambiente
de
ar
da tsm-
Flux0
de
ar
I
I
I
A
Lado
interno
do
ambiente
de
en-
saio

Manametro

da vaztio do ambiente de ar da tsm- Flux0 de ar I I I A Lado
da vaztio do ambiente de ar da tsm- Flux0 de ar I I I A Lado
da vaztio do ambiente de ar da tsm- Flux0 de ar I I I A Lado
da vaztio do ambiente de ar da tsm- Flux0 de ar I I I A Lado
da vaztio do ambiente de ar da tsm- Flux0 de ar I I I A Lado
da vaztio do ambiente de ar da tsm- Flux0 de ar I I I A Lado

C6pia

10

impressa

pelo

Sistema

CENWIN

MB-1306/1990

impressa pelo Sistema CENWIN MB-1306/1990 6.1.5.2 As medic&s de temperatura no interior do duto
impressa pelo Sistema CENWIN MB-1306/1990 6.1.5.2 As medic&s de temperatura no interior do duto

6.1.5.2 As medic&s de temperatura no interior do duto

devem ser tomadas no mlnimo em tres pontos, nos centrosde partes iguaisda area de passagem,ou tiradas em amostra adequada, ou corn dispositivos de mistura dando resultados equivalentes. Dispositivos tlpicos de misturase amostragemsao apresentadosna NB-10020. As conexdes para o equipamento devem ser isoladas entre o local da medicao e o equipamento para que a perda de calor atraves das conex6es nao exceda 1% da capacidade.

6.1.5.3 A temperatura intema na entrada deve ser medida

no mlnimoemtres pontosigualmenteespacadosna area deentradado equipamentooufomecidapormeioequivalente de amostragem.Para unidadessem conexdes de dutos ou inv6lucro,o instrumentode medigaodetemperaturaou dispositivos de amostragemdevem ficar localizados a aproximadamente 150mmda abertura ou aberturas da entrada do equipamento.

operado nas condi@es desejadas corn o aparelho de ensaiodo lado interno conectado; jamais do lado externo. OS dados devem ser registrados em intervalos de 1Omin num period0 mlnimode 1h apbs ser obtido o equillbrio. 0 aparelhode ensaiodo MO externo podeentZioser conectado

ao equipamentoe as press&s ou temperaturasindicadas

pelos manometrosou parestermoeletricos citados acima sao anotadas; apbs a obtengao do novo equillbrio, a

diferengadasmkiias naodeve exceder &33”c,casecontrarii

a vazao do ar exterior deve ser ajustada ate que o valor desejado seja obtido. 0 ensalo deve continuar por urn perlodode 1h apdsaobten@o doequillbrio nascondi@es apropriadascorno aparelhode ensaioexterno conectado,

e OSresultadosdos ensaios do lado interno durante este

interval0 deverao situar-se em ?2% corn OS resultados

obtidosduranteo perlododeensaiopreliminar. lstoaplica-

se aosciclosde resfriamentoe de aquecimento,masdeve

ser feito para cada urn corn qualquer condigao.

externas na entrada devem ser

medidasem locaistaisque asseguintescondi@es sejam totalmente atendidas:

6.1.6.4 As temperawas

6.1.6.2 Para equipamento cujo compressor 8 ventilado

independentemente da corrente de ar exterior, o metodo do calorimetro deve ser empregado por levar em conta a radiacao do calor do compressor(ver Figura 3).

a) astemperaturasmedidasdevemser representativas da temperatura em torno da secao externa e simular as condicoes encontradas na aplicacao real;

b) no ponto de medicao, a temperatura do ar ngo deve ser,afetada pela descarga do ar da secao externa. E obrigat6rio que as temperaturassejam a montantede qualquerrecirculacao produzida. E claro que a temperatura de ensaio, especificada nasproximidadesda secao externa, deve simular tao pr6ximoquantopossivelumainstala@onormal, operand0corncondicbesdo ar ambienteidenticas as temperaturasespecificadasde ensaio.

6.1.5.5As velocidades do ar nos instrumentosde medicao da temperaturade bulboumidodevem estar pr6ximasde 5mls. Recomenda-seo mesmovalor para as medidasna entrada e saida. As medicdes de bulbo umido acima ou abaixo de 5ml.sdevem ser corrigidas de acordo corn a NB-I 0020.

6.1.6 Requisitoa adicionais da entalpia do ar

para enaaioa

externoa

no m&do

6.1.6.1 Quando o metodo da entalpia do ar 6 empregado

para ensaiosdo ladoexterno, e necessariodeterminar se o acoplamentodo dispositivoda medidade vazao do ar altera o desempenhodo equipamentoensaiado e, se isto ocorrer, deve ser corrigido. Para conseguir isto, o equipamentodeve possuir pares termoeletricos fixados nospontosmediosdecadacurvadecircuitodaserpentina interna ou extema. Equipamentonao sensivel 8 carga de refrigerante pode alternativamente ser colocado corn manometros conectados as valvulas de service ou as linhas de descarga e succao. 0 equipamento deve ser

6.1.6.3Quando a vazao do ar exterior e ajustada corn0 descritoem6.1.6.1, estae usadano c&u10 da capacidade. Neste case, a potencia consumidapeloventilador externo observado durante OS ensaios preiiminares devera ser sempre usada para fins de determinacaode capacidade.

6.1.7

Resfriamento

- Chlculos’

6.1.7.1

As capacidades*de resfriamento, total, SenSlVele

latente, na parte interna, baseadasnos dados de ensaio

do lado interno (ensaioA), saocalculadas pelasseguintes

equacbes:

qti

%i

N Qtni

=

%i

th*l

pa

- t-Q/v’,

(Gl

- fa2)/V’b

(1

+

(1

WJ

+

WJ

Cp,=1000+1860Wb

qLi= 1860 Qmi(w,, - Wa2)/Vb (1 + Wd

6.1.7.2A capacidade total de resfriamento, baseada nos dadosdo ladoextemo,e calculadapelasseguintesequa@es:

ou para equipamentoresfriado a ar, o qual nao reevapora

o condensado:

qb = [IQ-

cpaO,,- f&' v'b(1+ "'9 ]

- Pt

6.1.7.3 Se as corre@es da perda na linhasao necessarias

para obter o balance de calor de 6%, especificado em 12.1.2,estasdevemserinclufdasnosdlculos de capacidade.

A correcao deve ser feita coma indicado a seguir:

A correcao deve ser feita coma indicado a seguir: ’ Paraus0dosslmbolos,ver Anexo.

Paraus0dosslmbolos,ver Anexo. 2EstasSaoascapacidadesfornecidasna rede de dutos

pelo

equipamento

em ensaio.

Nao

6 levada

em conta

a transferencia

de caloratraV&

 

do gabinete

do equipamento,

que normalmente

d inferior

a 2% da capacidade,

ou a entalpia

da agua

widensada,

que normalmente

B inferior

a o,5%.

C6pia

impressa

pelo

Sistema

CENWIN

 

MB-1306/1990

     

11

CENWIN   MB-1306/1990       1 1 a) tubo para de cobre sem isolamento: b)

a) tubo

para

de cobre

sem isolamento:

b) medida

direta

de capacidade

nao

deve

ser usada

 

quando

o compressor

nao

for

isolado

e estiver

s, -

~$06

+ 0,945 (Dp,

(At)‘.= + 79,8 D, At]

L

localizado

no flux0

de ar interno.

 

b) para

linhas

isoladas:

8.2.2 Medi+k#

das propriedades

do n?frigewUe

 

q,, = ~A3154+ 0,583 E-

(Dpm

(At)‘.= 1 L

Nota:

At 6 a diferenca da temperatura media entre o refrigerante e o ambiente circundante.

 

8.1.7.3.1 Para

a finalidade

de obter

o balango

de calor

de

6%,

a corregao

da perda

na linha

deve

ser

adicionada

algebricamente

na capacidade

do lado

externo.

8.1.8

Aquecimento

- Chlculosl

8.2.2.1 0

desejadas

do refrigerante,

interno

compressor,

que

toler&wias

equipamento

de ensaio.

deve

Medic&s

ser

operado

nas

condi@es

e pressao

ou do lado

de temperatura

da segao

e

leituras

na entrada

e na saida

e

na

de

do

equipamento

devem

sucgao

a intervalos

descarga

dentro

do

de 1Omin ate

das

ser tomadas

sete

conjuntos

se

consigam

fiiadas

em 11.6.2 e 11.6.3. Quando

for necessario

urn

ensaio

da entalpia

do ar interno,

essas

leituras

devem

ser obtidas

durante

este ensaio.

 

82.2.2 Em equipamento n8o senslvel a cafga de refrigerante,

8.1.8.1

A capacidade

de aquecimento

total,2

baseada

nos

podem-se adaptar man6metros

nas linhas

de refrigerante.

dados

internos,

8 calculada

pela

seguinte

equacao:

 
 

8.2.2.3 No equipamento

SenSfVel

a carga

de refrigerante,

8

 

q’ti p Q,i

‘pa

((2

- t,j)/Vb

(l

+ wJ

necessario

determinar

as press&%

do refrigerante

ap6s

 

esse

ensaio,

uma

vez

que

a IigagZio

de

manometros

de

8.1.8.2

A capacidade

total

de calor

baseada

nos

dados

pressao

pode

resultar

em perda

de carga.

Para se conseguir

externos

e calculada

pela

seguinte

equagao:

 

isso,

medem-se

as temperaturas

durante

o ensaio

por

meiodeparestermoeletricosfixadosascurvas,nospontos

 

4’1, = Q,,

(ha, - heJWb

(1 + W,)

+ P,

medios

nos circuitos

de cada

serpentina

interior

e exterior,

 

ou

em

pontos

nao

afetados

pelo

superaquecimento

do

8.1.8.3

Se as perdas

nas

conexbes

sao necessarias

para

vapor

ou

pelo

sub-resfriamento

do

liquid0

refrigerante.

obter

o balance

de

calor

de 6010, especificado

em 12.1.2,

Prosseguindo-se

o ensaio,

conectam-se

manometros

as

estas

devem

ser

incluidas

nos

calculos

de capacidade

 

linhas

e o equipamento

8 evacuado

e carregado

 

corn

o tip0

(ver 6.1.7.3).

 

e quantidade

de refrigeranteespecificados

pelo fabricante.

6.2 Mhtodo

da calibra@o

do

compressor

8.2.2.3.1 0 equipamento

e, entao,

colocado

novamente

em

 

funcionamento

nas condicbes

de ensaio

e, se necessario,

8.2.1

Descricao

geral

 

adiciona-se

ou retira-se

refrigerante

ate que

as medicbes

     

do par termoeletrico,

referentes

ao vapor

refrigerante

que

8.2.1.1

Neste

metodo,

a capacidade

total

de resfriamento

entra e sai do compressor,

estejam

entre

?1,6’C

dos seus

ou de aquecimento

e determinada

conforme

se segue:

valores

originais

e a temperatura

do liquid0

que

entra

na

 

valvula

de expansao

seja

reproduzida

entre

?0,5”C.

As

 

a) pelas

medicdes

das

propriedades

do refrigerante

 

press&s

de funcionamento

devem,

entao,

ser observadas.

 

na entrada

e saida

da se@o

ou do lado interno

do

equipamento

e da respectiva

vazao

do refrigerante,

 

8.2.2.4As temperaturas do refrigerantedevem

ser medidas

conforme

determinadas

 

por calibracao subsequente

por meio de pares termoeletricos

fixados

as linhas,

em

do

compressor

sob

identicas

condi@es

de

locais apropriados.

 

funcionamento. Medicdes diretas de capacidade devem ser efetuadas quando o superaquecimento

8.2.2.5 Nenhum

par

termoeletrico

 

deve

ser

retirado,

do refrigerante

que

deixa

o evaporador

for inferior

substituido

ou, de qualquer

outra

forma,

alterado

durante

a 5,5%;

 

qualquer

parte

de urn ensaio

complete

de capacidade.

 
 

b)

medindo-se

a capacidade

corn

urn

calorimetro,

8.2.2.8Astemperaturaseaspressi5esdovapor

 

refrigerante

 

sob

as

na succao

e descarga

do compressor

devem

ser tomadas

quando o compressor estiver trabalhando

o ensaio

a aproximadamente

250mm

da suc@o

do

mesmas condicoes encontradas durante do equipamento.

 

compressor,

 

ao

longo

das

linhas

do

e da descarga refrigerante.

Se

a

 

valvula

de reversao

estiver

inclufda

na calibracao,

esses

8.2.1.2

Este metodo

pode

ser usado

para

ensaios

de todos

dados

devem

ser tomados

nas linhas

para

a serpentina

e

0s equipamentos,

exceto:

a aproximadamente

250mm

da valvula.

 
 

a)

equipamento

que

tenha

uma

serpentina

externa

8.2.3 Calibra@o

do compressor

 
 

de

agua,

nao

isolada,

localizada

no

fluxo

de

ar

interno;

8.2.3.1

Deve-se,

entao,

determinar

a VaZaO do refrigerante,

’ Para us0 dos simbolos, ver Anexo.

2 Estas Go as capacidades do gabinete do equipamento,

fomecidas na rede de dutos pelo equipamento

que normalmente

em ensaio. Nao B levada em COntaa tranSfer@nCia

e inferior a 2% da capacidade.

de &Or atraw%

que normalmente em ensaio. Nao B levada em COntaa tranSfer@nCia e inferior a 2% da capacidade.

C6pia

12

impressa

pelo

Sistema

CENWIN

MB-1 306/l

990

impressa pelo Sistema CENWIN MB-1 306/l 990 a partir da calibracao do compressor, a press&%

a

partir da calibracao do compressor, a press&%

6.2.4.4

A taxa de fluxo do refrigerante e calculada Corn0se

e

temperaturas predeterminadas do vapor refrigerante

segue:

na sucgaoe na descargado compressor,atraves de urn

dos metodos primarios de ensaio demonstrados na

ASHRAE

23.

6.2.3.2 OS ensaios de calibracao devem ser conduzidos

corn ocompressore avalvula de reversao (quandousada) na mesma temperatura ambiente, quando funcionando nascondi$es desejadasde ensaiodo equipamentoe no mesmo fluxo de ar do equipamento.

6.2.3.3 Para OSm&OdOS

indicados, calcula-se a vazao de

refrigerante corn0 se segue:

mr

=

q

h g1- hf,

a) calorlmetro do circuit0 refrigerante secundario;

mr =

[ mwc,

0, - 4) + A.&

0, - t.1

1

/(hg2 - f-k.1

6.2.4.5 A capacidade total de aquecimento e calculada

conforme indicado em 6.2.6.

6.2.5 CBlculos

- Resfriamento

Para OSensaiosonde o

for de 55% ou mais,a capacidade total de resfriamento,

corn base nos dados de calibracao do compressor, 6 calculada a partir da vazao do refrigerante, coma se

segue:

superaquecimentono evaporador

q, = m, (h,, - h,)

- Pi

6.2.5.1 Para OSensaios em que 0 superaquecimento no

evaporador for inferior a 5,5%, a capacidade total de resfriamento8 calculada coma se segue:

b) do refrigerante

calorlmetro

primario, sistema

inundado;

q,

- q,, + A.U,

(t, - t,J - Pi

c) calorimetrodo refrigerante primario,sistemaseco;

d) calorimetro de tubo concentrico.

6.2.3.4 0 metodo de medic80 da vazao de refrigerante

gasosoda a vazao de refrigerante diretamente.

6.2.3.5 A capacidadetotal 6 calculadaconformeestipulado

em 6.2.5 ou 6.2.6.

6.2.4

Medi@io

direta

da capacidade

de aquecimento

6.2.4.1

Para OSensaiosda calibracao do compressor,onde

o superaquecimentonoevaporador,no ciclode aquecimento,

seja inferior a 5,5C, torna-se necessario determinar a vazao do fluxo do refrigerante, usando-sea rejeicao de calor do calorimetro no condensador. 6 indispensavelo uso de urn condensadorresfriado a agua, isoladocontra perdas de calor. 0 condensador pode ser usado corn quaisquerdosarranjosde calorimetro indicadosem 6.2.3.

6.2.4.2 Este metodo pode ser usado, somente, quando a

perdacalculadade calordo condensador,parao ambiente, for inferior a 2% do efeito refrigerante do compressor.

6.2.4.3 0 ensaiode calibracaodeve serconduzidoconforme

especificado em 6.2.3. OS dados adicionais necessaries

sao:

a) press&s e temperaturasdo refrigerantena entrada e saida do condensador;

b) temperatura da agua na entrada e saida do condensador;

c) temperatura ambiente ao redor do condensador;

d) vazao de agua de resfriamentodo condensador;

e) temperaturamediada superfkie externa da camisa do condensadorexposta as condicoesambientes.

6.2.6 Cf~lculos - Aquecimento

A capacidade total de aquecimento,corn base nosdados

de calibracaodo compressor,e calculadaa partir davazao do refrigerante, conforme se segue:

qtc= m, (h,

- h,J + Pi

6.3 Mdtodo da vaz%o de refrigerante volhtil

6.3.1 Descri@o

geral

6.3.1.1 Neste metodo, a capacidade e determinada pela

variacao da entalpia do refrigerante e pela vazao do mesmo. As variacbes de entalpia sao determinadas a partir de medic&s das pressdese das temperaturas de entrada e saida de refrigerante, e a vazao 6 determinada por urn medidor adaptado a linha de liquido.

6.3.1.2 Este metodo pode ser usado para enSai0

equipamentoem que a carga de refrigerante nao 6 critica

de

e onde OSprocedimentosnormaisde instalacaoenvolvam

a conexao, em campo, das linhasde refrigerante.

6.3.1.3 Este metodo nao deve ser usado para enSaiOS

que o liquid0 refrigerante, que sai do medidorde vazao, e sub-resfriadoa menosde 1“C, nem em ensaiosem que 0 superaquecimento do vapor, que sai do equipamento, 8 inferior a 5,5%.

em

6.3.2

Medi@o

da VSZ~O

do N?frigerante

6.3.2.1 A vazao do refrigerante deve ser medida corn urn

medidor de tipo integrante, ligado a linha de liquid0 a montante da valvula de controle do refrigerante. Este medidordeve ser dimensionadode forma que a queda de press80produzida nao exceda a altera@ de pressaodo vapor do refrigerante, equivalente a uma mudanca de 1,5% na temperatura.

6.3.2.2 lnstrumentos de medicdo de temperatUra

e

de

pressao, bem coma urn visor, devem ser instalados imediatamente abaixo (a jusante) do medidor, para

de temperatUra e de pressao, bem coma urn visor, devem ser instalados imediatamente abaixo (a jusante)

C6pia

impressa

MB-1306/1990

pelo

Sistema

CENWIN

13

Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 13 determinarse o lfquido refrigerante esta adequadamente
Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 13 determinarse o lfquido refrigerante esta adequadamente

determinarse o lfquido refrigerante esta adequadamente sub-resfriado.Urnsub-resfriamentode 1% e ausenciade bolhas de vapor no liquid0 que sai do medidor sao consideradosadequados. Recomenda-seque o medidor seja instalado na parte inferior de urn circuit0 vertical descendente da linha de liquido, para se aproveitar a diferencial de pressao estatica que a coluna de liquid0 assimproporciona.

6.3.2.3 Ao final do ensaio, deve-se retirar do equipamento

uma amostrada misturacirculante de refrigerante e 61eo,

e medir a porcentagem de bleo. A vazao total de fluxo

indicadadeve ser corrigida quanto a quantidade de 6leo circulante, conforme MB-1909.

6.4.2 MediHo

da vazh

da hgua

A vazao da agua da serpentina externa deve ser medida

corn urn medidor apropriado de liquid0 (ver Capltulo 10).

6.4.3 Medi@Io

da temperatura

As temperaturas de entrada e salda da agua devem ser medidascorn instrumentosadequados, nas conexiSesdo equipamento.

6.4.4 C&h6

- Resfriamento

6.3.3 f&Ii@0

de temperatura

e da press80

do refrigerante

A temperatura e a pressaodo refrigerante, na entrada e

saidada paneinteriordo equipamento,devem sermedidas corn instrumentosapropriados (ver Capltulo 10).

6.3.4 Cdlculo6

- Resfriamento

A capacidade total de resfriamento, corn base nos dados

da parte externa doequipamento,e calculadaconforme se

segue:

6.4.5 Cdlculos

- Aquecimento

A capacidadetotal de resfriamento,corn base nosdados

de vazao de refrigerante volatil, e calculada conforme se

segue:

6.3.5 Cdlculos

q,

= x.Q, .

- Aquecimento

Y, (hr2- h,)

- Pi

A capacidadetotal de aquecimento,corn basenosdados

de vazao de refrigerante volatil, 6 calculada coma se

segue:

A capacidade total de aquecimento, corn base nosdados

da parte exterior doequipamento, e calculadaconforme se

segue:

6.4.6 Ajuste

qte - mmc,

(to3- fw4)+ Pt

referente

a0 tub0 de interliga@o

Para equipamentoscorn serpentinaexterna remota,deve- se deixar uma margem no calculo de capacidade para OS ganhos ou perdas de calor, atraves da tubulacao de interligacao (ver 6.1.7.3).

qltc= x.Q, .

y, (h,, - hJ

+ Pi

6.4 M6todo da serpentina externa de hgua

7 Medi@io

da vaBo

7.1 Medir$o

do

ar

6.4.1

Deacri@o

geral

 

A

vazao de ar deve ser medidapor meiode urndispositivo

6.4.1.1

Neste metodo, a capacidade total de resfriamento

provido de bocal, conforme descrito em 7.2. Quando nao

ou de aquecimento 6 determinada a partir de medicoes das variacbes da temperatura da agua da serpentina exterior e da sua vazao.

se empregar medicaodireta da vazao de ar (ver 5.2.3) a vazao de ar interna deve ser determinada indiretamente conforme prescrito em 7.5.

6.4.1.2 Este metodo pode ser usado para ensaio de equipamento que emprega agua coma fonte de calor. Podeserusadotanto para equipamentocompact0remoto, corn0 para equipamento corn serpentina externa, se a

setpentinaforisoladaou o fabricanterecomendarisolamento, de mcxfoquenaohajatrocade ca!orsignificativa,equivalente

a 25mmde espessurade fibra de vidro, no minimo. Este

metodonaodeve ser usadopara ensaiarequipamentono qual o compressornao 8 resfriado pelo ar de retorno.

7.2 Dispositivo provldo de bocal

72.1 Estedispositiioconsiste,basicamente,em umacamara

de entrada e umacamara de descargaseparadaspor uma divis6ria providade urnou maisbocais,conforme Figura5.

0 ar do equipamento sob ensaio 6 canalizado para a

camara de entrada, passa atraves do bocal ou bocais e 6, entao, insufladopara a sala de ensaioou canalizado para 0 equipamento.

/FIGURA

5

impressa

pelo Sistema

CENWIN

C6pia

14

MB-1 306/l

990

pelo Sistema CENWIN C6pia 14 MB-1 306/l 990 MarSmetro CUmara de entrada CZmara de descarga -Flux0
pelo Sistema CENWIN C6pia 14 MB-1 306/l 990 MarSmetro CUmara de entrada CZmara de descarga -Flux0

MarSmetro

CENWIN C6pia 14 MB-1 306/l 990 MarSmetro CUmara de entrada CZmara de descarga -Flux0 1 ar

CUmara

de

entrada

CZmara

de

descarga

990 MarSmetro CUmara de entrada CZmara de descarga -Flux0 1 ar de a .- k el

-Flux0

1

ar

de

a

.-

k

el

‘zi I

01

*I- I

:

de descarga -Flux0 1 ar de a .- k el ‘zi I 01 *I- I :
de descarga -Flux0 1 ar de a .- k el ‘zi I 01 *I- I :

Tubo

Pilot

(opciona

I)

Figura

5 - Dispositivo

de mediCgo

7.2.20 dispositivo

do equipamento

vazamento

esta sendo medida.

corn bocal e sua ligacao corn a entrada

devem

ser

selados,

de forma

que

o

a 1,O% da vazao que

de ar r&o seja superior

7.2.3 A distancia de centro a centro entre OSbocais em us0 nZiodeve ser inferior a tres vezes 0 diametro da garganta do bocal, e a distancia do centro de qualquer bocal a parede lateral mais pr6xima da camara de descarga ou de recebimento n8o deve ser inferior a 1,5 vez o diametro da garganta do bocal.

7.2.4Nacamaradeentradadevemserinstaladosdifusores

aumadistancia

do maior bocal, antes da parede divisoria,

descarga, aumadistCmciaminimade2,5vezesodiametro da garganta do maior bocal, depois da parede divis6ria.

minimade

1,5vezodiametrodagarganta

e na camara de

7.2.6Urn ventilador devolume

ser instalado em uma das paredes da camara de descarga corn capacidade de manter a pressao estatica na saida do equipamento.

variavel para exaustao

deve

7.2.6 A perda de pressa

deve ser

uma exatidao

manometro

estatica

atraves

do(s)

bocal(is)

corn

do

medida corn urn (ou mais)

de +l%

deve

ser

manometro(s)

da leitura. Uma extremidade

ligada

ao adaptador

de pressao

da vazso

do ar provido

de bocal

estatica, localizado em linha corn a parede interna da camaradeentrada,eaoutraextremidade, aum adaptador

a parede

internadacBmaradedescarga,ou,preferivelmente,varios adaptadores em cada camara devem ser ligados a varies manometros em paralelo ou &ados todos a urn manometro. Alternativamente, pode-se medir a press~odinamica doar

que deixa o(s) bocal(is) atraves de urn tuba “Pilot”. Todavia,

quando foram empregados

mais de urn bocal, devem ser

determinadas as leituras no tubo “Pilot” para cada bocal.

de pressao

estatica,

localizado

em linha corn

7.2.7Devem-seproporcionarmeiosdedeterminara massa

especifica

do ar na garganta

de cada bocal.

7.3 Bocais

7.3.1A velocidadedo ar na garganta de qualquer bocal, em

uso, n8o deve ser inferior a 15mls nem superior

a 35mls.

7.3.2 Quando OSbocais fOV3TI construidos de acordo corn

7.2 e 7.3, podem ser

usados

a Figura 6 e instalados

conforme

sem

calibracao.

Se o diametro

da garganta

for

127mm ou maior, pode-se adotar 0 coeficiente 0,99. Para

bocais corn gargantasdediametros menoresque 127mm,

ou

usar OSvalores seguintes ser calibrado.

onde se deseja urn coeficiente

mais precise,

podem-se o bocal deve

ou, de preferencia,

C6pia

impressa

MB-1 306/l

990

pelo Sistema

CENWIN

15

990 Cópia não autorizada pelo Sistema CENWIN 15 Numero de Reynolds N Re 50.000 100.000 150.000

Numero de Reynolds

N Re

50.000

100.000

150.000

200.000

250.000

300.000

400.000

500.000

D

AXD,

4

Coeficiente

de descarga

C

0,97

0,98

0,98

0,99

0,99

0,99

0,99

0,99

Eixos

da

elipse

0,99 0,99 0,99 0,99 Eixos da elipse + 0 t WQ n > ;I SecGo da

+

0

t WQ

0,99 0,99 0,99 Eixos da elipse + 0 t WQ n > ;I SecGo da garganta

n

>

;I

SecGo

da garganta

Eixos da elipse + 0 t WQ n > ;I SecGo da garganta - Transforma$Go eliptica
Eixos da elipse + 0 t WQ n > ;I SecGo da garganta - Transforma$Go eliptica

-

Transforma$Go

eliptica

0 t WQ n > ;I SecGo da garganta - Transforma$Go eliptica Figura 6 - Bocal

Figura

6 - Bocal

para medi@o

da vazao

do

ar

7.3.2.1 0 nljmero de Reynolds

7.3.2.2

0

fatOr

Temperatura,

-10

0

e calculado corn0 se segue:

7.4.2 Quando mais de urn bocal for usado, a vazao total de

ar e a soma das vaz0es

conforme

7.4.3 A vazao do ar 6 calculada coma se segue:

dos bocais individuais,

calculadas

NRe= fVBD

7.4.1.

de temperatura,

“C

f, 8 corn0 se segue:

Fator, f

Q, p

Q,i /(l

t2 "J

10,3

7.5

Determina@o

lndlreta

da vazao

de ar

98

10

930

20

83

30

830

40

75

50

791

6070

::;

Quando nao se empregar medicao direta da vazao de ar, ela deve ser determinada atraves de calculos, corn0 se segue:

Qi

Qi = qti Vai(h.2 - h,,) (aquecimento)

p q,i V,i (ha, - ha2) (resfriamento)

7.4 caxJlos

7.4.1 A vazao de ar, atraves

pelas seguintes

equacoes:

de urn s6 bocal, e calculada

Qmi = C A, (2p, v’$O,~

Vlb =

l,013.105

‘,

(’

+

wb)

b

8 Medidas

8.1 Unidade

8.1.1 Como mostrado

ser fixado no lado de descarga

medidas da pressao estatica externa sao feitas. Este plenum deve descarregar no dispositivo de medic&o de ar (ou ser adaptado a urn dispositivo de desvio, quando a medida direta do ar nao 6 empregada), e deve ter dimensks da secao transversal igual as da saida do equipamento.

de pressSo

esthtica

corn ventlladores

na Figura

e descarga

simples

7, urn plenum curt0 deve do equipamento, onde as

de pressSo esthtica corn ventlladores na Figura e descarga simples 7, urn plenum curt0 deve do

impressa

pelo Sistema

CENWIN

C6pia

16

MB-l

306/l

990

pelo Sistema CENWIN C6pia 16 MB-l 306/l 990   Para o dispositivo.de mediG   da vazBo
 

Para

o dispositivo.de

mediG

 

da

vazBo

de

ar

 

I

 

1

Tomadas

de

I

1

I

I

pressGo

es-

I

t

I

 

hlanametro

Plenum

A

e

B = dimensees

 

Condicionador

 

de

ar

de

saida

  Condicionador   de ar de saida Figura 7 - Medi@io de press%0 estatica externa estatica
  Condicionador   de ar de saida Figura 7 - Medi@io de press%0 estatica externa estatica
  Condicionador   de ar de saida Figura 7 - Medi@io de press%0 estatica externa estatica
  Condicionador   de ar de saida Figura 7 - Medi@io de press%0 estatica externa estatica
  Condicionador   de ar de saida Figura 7 - Medi@io de press%0 estatica externa estatica
  Condicionador   de ar de saida Figura 7 - Medi@io de press%0 estatica externa estatica
  Condicionador   de ar de saida Figura 7 - Medi@io de press%0 estatica externa estatica

Figura

7 - Medi@io de press%0

estatica

externa

estatica externa deve ser medida por urn

manometro. Urn lado do manometro deve ser conectado

a quatro tomadas de pressao, interligadas externamente

no

de

duas vezes a media geometrica das dimens&% da secao

Se uma conexao do

duto de entrada for empregada, o outro lado do manbmetro deve ser conectado a quatro tomadas de pressao interligadas externamente e centralizadas em cada face do duto de entrada. Se nenhuma conexao do duto de entrada for

8.1.2 A pressao

plenum

de

descarga.

As

tomadas

devem

estar

centralizadas

transversal

em cada face do plenum,

equipamento.

a distancia

da saidado

empregada, o outro lado do manometro deve set’ aberto para a atmosfera. A conexao de entrada do duto deve ter

uma dimensao de se@0 transversal igual a do equipamento,

e deve

exata.

longa para dar uma leitura

ser

suficientemente

8.2

Unidades

corn ventiladores

e saidas

mtiltlplas

Unidadescom multiplasconex6esdedutodesaidadevem

ter urn pequeno

cada saida.

plenum,

conforme

a Figura

7, ligado

a

em urn duto

Cada plenum deve descarregar

ter urn pequeno cada saida. plenum, conforme a Figura 7, ligado a em urn duto Cada

C6pia

MB-l

impressa

306/l

990

pelo Sistema

CENWIN

17

MB-l impressa 306/l 990 pelo Sistema CENWIN 17 comum, que, por sua vez, descarrega no dispositivo

comum, que, por sua vez, descarrega no dispositivo de

medi@o do ar (ou adaptado a urn dispositivo de desvio quando a medi@o direta do ar n?io 8 empregada). Cada

plenum deve ter urn registro

plenuns sZio conectados ao duto comum corn o prop&it0

de equalizar as pressdes estaticas em cada plenum. Uma unidade de mljltiplos ventiladores, empregando conexao flangeada no duto de descarga, deve ser ensaiada corn

8.1 .l. Qualquer outra n8o deve ser usada,

exceto

urn tinico plenum de acordo corn disposi@o do plenum de ensaio

8.3 Unldades

sem ventlladores

8.3.1 No que se refere B serpentina

que r-Go incorpore urn ventilador, as conex&?s do duto de entrada e de saida devem ter as dimensdes da se@0 transversal igual a abertura do compattimento da serpentina.

de ar,

do condicionador

localizado no plano onde OS

8.3.2 A perda de pres.s~oest~tica

urn man6metro coma mostrado na Figura 8. Urn lad0 do manometro deve ser ligado a quatro tomadas de pressb interligadas externamente no duto de salda, sendo estas tomadas centralizadas em cada face do duto e localizadas a distticia do compartimento da serpentina, coma mostrado.

do ardeve ser medida por

para simular

o projeto do duto, especificamente

recomendado

pelo fabricante

do equipamento.

Para

o dispositivo

de medic&

do ar

Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs

MaGmetro

Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs
Para o dispositivo de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs

Tomadas

de pressdo

de medic& do ar MaGmetro Tomadas de pressdo A & B = dimenshs de saida C

A

& B = dimenshs

de

saida

C

& D - dimensdes

de

entrada

Figura

8 - Medi@o

de perda de pressao

esthtica

para a se$io

da serpentlna

sem 0 ventilador

8.4 Requisitos

gerais

para medi@es

da pressgo

diametro de 1mm, atrav&do

plenum. A periferiados

furos

esthtica

deve estar

livre de rebarbas

e outras

irregularidades

de

superficie.

8.4.1

l! recomendado que as tomadas de pressao consistam

em niples de 6mm de diametro, fixados na parte externa

8.4.2

0 plenum e a se+0

do duto devem ser vedados

para

da superficie do plenum e centralizados sobre furo corn

prevenir

fugas

de ar, particularmente

nas conexaes

do

da superficie do plenum e centralizados sobre furo corn prevenir fugas de ar, particularmente nas conexaes

C6pia

impressa

peio

Sistema

CENWIN

 

18

       

MB-l 306/l 990

  18         MB-l 306/l 990 equipamento e dodispositivo de medi@o do ar,

equipamento e dodispositivo de medi@o do ar, e isolados para prevenir perda de calor entre a saida doequipamento

e OS instrumentos

de medi@es

de temperatura.

10.3.2 A pressao

manbmetro

no duto

que tenha uma exatidao de k2,45Pa.

estatica

pode ser

medida corn

9 Medi@o

do condensado

9.1 MediGBo do condensado (desumidifica@o)

na refrigeraG9o

lo3.s As areas dos bocais devem ser determinadas medindo-

em quatro

iugares

planos, urn na salda e outro no estrangulamento da segao.

45O, em dois

se seus diametros

corn umaexatidao

dek0,2%,

defasados

de aproximadamente

10.4 lnstrumentos

eietricos

Para equipamento que tenha uma capacidade t&mica de 4OOOOWou mais,equandooensaiodaentalpiadoar, iado

latente

deve ser determinada medindo-se a vazao do condensado.

A conexao

o

interno, nao eusado,

a capacidade de resfriamento

do dreno deve ser sifonada

para estabilizar

10.4.1 As

indicadores

medi@es

devem

ou integradores.

ser feitas

corn instrumentos

10.4.2

OS instrumentos

usados

para medir a alimentag80

fluxo do condensado.

 

el&iia, para aquecedores ou outros aparelhos fornecedores

9.2 caicuios

de carga de aquecimento, devem ter exatidao de +l% da quantidade medida. instrumentos usados para medir a alimentaM eletriia dos motores de ventilador, compressor

9.2.1

A capacidade

de resfriamento

latente

6 calculada

ou outros acesdrios do equipamento devem ter exatidao

corn0 se segue:

 

para +2% da quantidade medida.

 

qLi = 2,466

. 106.

m0

10.4.3

As tens0e.s

devem

ser medidas

nos terminais

do

9.2.2 A capacidade

calculada coma se segue:

de resfriamento

sensivel

e entao

equipamento.

10.5 Medi@o

de vaz%o do refrigerante

voihtii

10 lnstrumentos

A vazao do refrigerante

medidor do tipo integrador tendo uma exatidao de 21% da quantidade medida.

volatil pode ser verificada corn urn

da quantidade medida. volatil pode ser verificada corn urn 10.1.1 Todas as medidas de temperatura devem

10.1.1

Todas as medidas de temperatura

devem ser feitas

de acordo corn a NB-1020.

10.1.2

Todas as medidas de temperatura

do ar devem ser

efetuadas antes da tomada de pressio

estatica, na entrada,

10.6.1 As

vazdes

de agua

e de salmoura

devem

ser

verificadas

de quantidade