Você está na página 1de 5

O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização

(Conclusão)

A avaliação externa e o modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar


O Modelo de avaliação externa
Modelo Proposto pela IGE proposto pela I.G.E. e o Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares, proposto pela RBE, têm
algo em comum, visto que
ambas prevêem uma recolha de evidências, a definição de pontos fracos e fortes e ainda a elaboração de um plano de
MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES
acção/melhoria.
Pode-se cruzar a informação resultante da auto-avaliação da BE nos seus diferentes domínios com os campos e tópicos estabelecidos
CAMPOS DE TÓPICOS DOMÍNIOS /SUBDOMÍNIOS
pela I.G.E. tal como se constata na seguinte tabela.
ANÁLISE DESCRITORES
Indicadores

1.Contexto 1.1.Contexto físico e A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à


e social formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida.
caracterizaç
D.1.1.Integração da BE na escola /Agrupamento.
ão geral da
escola D.1.3.Resposta da BE às necessidades da escola e dos utilizadores;

D.2.3. Adequação da BE em termos de espaço e de equipamento às necessidades da


escola/agrupamento.
D.3.1. Planeamento da colecção de acordo com a inventariação das necessidades
curriculares e dos utilizadores.
D.3.2.Adequação dos livros e outros recursos de informação (no local e online) às
necessidades curriculares e de informação dos utilizadores.

D.3.6. Gestão cooperativa da colecção.

1.2.Dimensão e D.2. Condições humanas e materiais para prestação dos serviços


condições físicas da D.2.2. Adequação da equipa em número e qualificação às necessidades de
escola funcionamento da BE e às solicitações da comunidade educativa.
D.2.3. Adequação da BE em termos de espaço e de equipamento às necessidades da
escola/agrupamento.

D.2.4. Resposta dos computadores e equipamentos tecnológicos ao trabalho e aos novos


desafios da BE.

A formanda
Eufémia Fernandes Página 1
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização
(Conclusão)

1.3.Caracterização da D.2.2. Adequação da equipa em número e qualificações às necessidades de


população discente funcionamento da BE e às solicitações da comunidade educativa.

D.3.1. Planeamento da colecção de acordo com a inventariação das


necessidades curriculares e dos utilizadores.

1.4.Pessoal docente D.1.2. Valorização da BE pelos órgãos de gestão e de decisão pedagógica.

D.2.1. Liderança do(a) professor(a) coordenador(a).

D.2.2.Adequação da equipa em número e qualificações às necessidades de


funcionamento da BE e às solicitações da comunidade educativa.

1.5.Pessoal não docente D.2.2. Adequação da equipa em número e qualificações às necessidades de


funcionamento da BE e às solicitações da comunidade educativa

1.6.Recursos financeiros D.1.2. Valorização da BE pelos órgãos de gestão e de decisão.

O projecto 2.1.Prioridades e A.1.1. Cooperação da BE com os órgãos pedagógicos de gestão intermédia da


educativo objectivos escola/agrupamento.
A.2.1.Organização de actividades de formação de utilizadores.

A.2.2.Promoção do ensino em contexto de competências de informação

A.2.3.Promoção das TIC e da Internet como ferramentas de acesso, produção e


comunicação de informação e como recurso de aprendizagem.

B. Leitura e literacia.

C.1.1. Apoio à aquisição e desenvolvimento de métodos de trabalho e de estudo


autónomos.

D.1.1. Integração da BE na Escola/Agrupamento.

D.1.2. Valorização da BE pelos órgãos de gestão e de decisão pedagógica

A formanda
Eufémia Fernandes Página 2
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização
(Conclusão)

2.2.Estratégias e planos A.1.Articulação Curricular da BE com as Estruturas Pedagógicas e os Docentes. ( E todos


de acção os seus indicadores)
A. 2. Promoção da Literacia da Informação.

B.2. Trabalho articulado da BE com os departamentos e com o exterior, no âmbito da


leitura.

C.1.2. Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural.

C.1.3. Apoio à utilização autónoma e voluntária da BE como espaço de lazer e livre


fruição dos recursos.
C.1.4. Disponibilização de espaços, tempos e recursos para a iniciativa e intervenção
livre dos alunos.

A 3.1.Estruturas de gestão A.1.1. Cooperação da BE com os órgãos pedagógicos de gestão intermédia da


organização escola/agrupamento.
D.1.1. Integração da BE na Escola/Agrupamento.
e gestão da
escola D.1.2. Valorização da BE pelos órgãos de gestão e de decisão pedagógica.

D.2.1. Liderança do(a) professor(a) coordenador(a).

3.2.Gestão pedagógica A.1.Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes

C.1.1. Apoio à aquisição e desenvolvimento de métodos de trabalho e de estudo


autónomos.

D.2.1.Liderança do(a) professor(a) coordenador(a).

D.2.2. Adequação da equipa em número e qualificações às necessidades de


funcionamento da BE e às solicitações da comunidade educativa.

A formanda
Eufémia Fernandes Página 3
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização
(Conclusão)

3.3.Procedimentos de
auto-avaliação
institucional D.1.4. Avaliação da BE

A ligação à 4.1.Articulação e C.2.1.Envolvimento da BE em projectos da respectiva Escola/Agrupamento ou


comunidade participação dos pais e desenvolvidos em parceria, a nível local ou mais amplo.
encarregados de
educação na vida da C.2.4. Estímulo à participação e mobilização dos Pais/EE’s em torno da promoção da
escola leitura e do desenvolvimento de competências das crianças e jovens que frequentam a
escola.

C.2.5. Abertura da biblioteca à comunidade.

4.2.Articulação e C.2.3. Participação com outras Escolas/Agrupamento e, eventualmente, com outras


participação das entidades (por ex. DRE, RBE, CFAE), em reuniões da BM/SABE ou outro Grupo de
autarquias Trabalho a nível concelhio ou inter - concelhio.

4.3.Articulação e C.2. Projectos e parcerias e actividade livres e de abertura à comunidade.


participação das
instituições locais- C.2.1. Envolvimento da BE em projectos da respectiva Escola/Agrupamento ou
empresas, instituições desenvolvidos em parceria, a nível local ou mais amplo.
sociais e culturais
C.2.2. Desenvolvimento de trabalho e serviços colaborativos com outras escolas,
agrupamentos e BEs.

C.2.5.Abertura da BE à comunidade.

Clima e 5.1.Disciplina e A.2.5 Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à


ambiente comportamento cívico formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida.
educativos

5.2.Motivação e C.1.1. Apoio à aquisição e desenvolvimento de métodos de trabalho e estudo


empenho autónomos.

A formanda
Eufémia Fernandes Página 4
O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização
(Conclusão)

A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à


formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida.

Resultados 6.1.Resultados A. 2.2. Promoção do ensino em contexto de competências de informação


académicos
A.2.4 Impacto da BE nas competências tecnológicas, digitais e de informação dos alunos
na escola/agrupamento.

6.2.Resultados sociais
da educação
A.2.5 Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à
formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida.

Outros B.3 Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da
elementos leitura e das literacias.

relevantes D.3.3.Alargamento da colecção aos recursos digitais.


para a D.3.4.Uso da colecção pelos utilizadores da escola /agrupamento.
caracterizaç
ão D.3.5. Organização da Informação. Informatização da colecção.

da escola

A formanda
Eufémia Fernandes Página 5