Apresentação

Resumo do livro “O Fio da Espada” de Charles de Gaulle.
Introdução
Apesar de se dizer que a guerra está superada, como assim poderá ser equato
os pequeos dese!arem crescer, os "ortes dese!arem domiar e os velhos dese!arem
su#sistir$ Como pode haver equil%#rio, "roteiras e poder esta#ilizados se a evolu&'o
cotiua$
('o e)iste lei sem "or&a e, por isso, garate*se a cotiuidade dos e)+rcitos.
Da ação de guerra
A a&'o de guerra depede essecialmete do caráter da cotig,cia.
O iimigo varia, sua "or&a tam#+m, assim como o terreo e todas as
circust-cias evolvidas, iteras e e)teras. Ou se!a, uma guerra possui, at+ certo
poto, situa&.es imprevistas.
A itelig,cia humaa, para se adaptar / a&'o de guerra, deve descosiderar o
costate e o "i)o e se cocetrar a muda&a e a ista#ilidade. A itelig,cia 'o +,
por+m, su"iciete para a a&'o, mas pode iserir, por atecipa&'o, alguma "irmeza em
tatas icertezas.
0 importate, para isso, o cohecimeto do maior 1mero poss%vel de variáveis,
o que permite miimizar as possi#ilidades de erros coletivos. 2sso passa pelo
cohecimeto da meor "ra&'o de tropa dispo%vel, tato o campo quatitativo, quato
qualitativo.
3edo assim, aplicado*se as "aculdades ordiárias da imagia&'o, do
racioc%io, de !ulgameto, de mem4ria e recorredo aos procedimetos de e)ame que
lhe s'o peculiares * dedu&'o, idu&'o, hip4teses * para aalisar as diversas categorias de
variáveis * o iimigo, o terreo, os meios 5 pode*se preparar a cocep&'o da a&'o, mas
'o coce#,*la.
Aliado / itelig,cia deve*se com#iá*la com o istito para se perce#er
pro"udamete e impulsioar a criatividade. 0 pelo istito que o homem perce#e a
realidade das coisas que o cerca, ele + a "aculdade que os liga mais de perto / atureza.
6uitos che"es cosiderados #rilhates te4ricos "alharam em tempos de guerra e tatos
outros se revelaram #em sucedidos esses tempos por cota de suas aptid.es istitivas
'o mai"estadas em tempos de paz.
As sugest.es do istito s'o ecessárias / cocep&'o7 a itelig,cia lhes dá uma
"orma determiada, "azedo um todo de"iido e coerete, torado*o pass%vel de ser
aplicado metodologicamete.
0 ecessário, como complemeto, uma poderosa capacidade de re"le)'o para se
aperce#erem das partes em rela&'o ao todo. “O homem de guerra deve ser capaz de
cosiderar "ortemete e durate muito tempo os mesmos o#!etos sem se "atigar deles”,
segudo (apole'o 8oaparte.
A cocep&'o e)ige, portato, uma a&'o alicer&ada o #i9mio istito*
itelig,cia.
Cocep&'o "ormada, "az*se ecessária a a&'o em si, o que pode desecadear
coseq:,cias ide"iidas. ;eosa + a decis'o a guerra, que tra&a a sorte de tatas
vidas e s4 + !ulgada pelos seus e"eitos.
A decis'o deve ser, portato, sempre de cuho moral. ;or mais completas e
precisas que se!am as ordes, admitido*se que se ecotrem dadas e cheguem a tempo
oportuo, 'o podem e em devem tudo prescrever.
O che"e deve ter iiciativa que, loge de ser um perigo em si mesmo, "az*se
ecessária para liderar os outros. <eve ter o dom%io so#re as almas de seus liderados *
+ preciso que ele teha autoridade. Autoridade que e)trapola as "roteiras da hierarquia
e da disciplia que imp.em, ates, uma o#edi,cia impessoal.
Assim, se o #i9mio o tri9mio istito*itelig,cia + ecessário para a
cocep&'o da a&'o, o tri9mio istito*itelig,cia*autoridade + crucial para a a&'o de
guerra. 2sso ada mais + do que a persoalidade, seus recursos e seu poder. A prepara&'o
para a guerra +, portato, a prepara&'o do pr4prio che"e7 aos e)+rcitos providos e che"es
e)celetes todo o resto será dado por acr+scimo.
Recrutar che"es de valor tora*se di"%cil quado a paz se prologa. Como a "or&a
que impulsioa os melhores e mais "ortes + o dese!o de adquirir o poder * e ehum
poder se iguala ao do che"e em uma guerra * aqueles se dirigem, et'o aturalmete, em
dire&'o /s vias que coduzem ao poder e / cosidera&'o, a#adoado, assim, suas
carreiras militares.
Do caráter
A seguda metade do s+culo =>22 marcou o i%cio de um per%odo decadete
para o E)+rcito "rac,s, re"le)o de um per%odo de trasi&'o a sociedade "racesa.
A situa&'o piora o i%cio do s+culo =2= e seria ecessária uma virtude poderosa para
torar a tropa ovamete coesa. Essa virtude + o caráter.
?omes de caráter, mesmo em "ace de tatos reveses, recorrem a si pr4prios
com o o#!etivo de chamarem para si a a&'o7 loge de igorarem as ordes ou
egligeciarem os coselhos, t,m a pai)'o de querer, a ive!a de decidir e, mesmo que
o sucesso 'o veha, suportas o peso do rev+s com alguma satis"a&'o.
<o caráter procede o elemeto supremo, a parte criadora, o toque divio, isto +,
o "ato de empreeder. O caráter vivi"ica a a&'o.
Esta propriedade de vivi"icar a a&'o implica a eergia de assumir as
coseq:,cias. A di"iculdade atrai o homem de caráter, pois, ao a#ra&á*la, ele se realiza.
6as, vecedo*a ou 'o, + assuto etre ela e ele. Ele procura, acote&a o que acotecer
a amarga alegria de ser o resposável. A pai)'o de agir por si pr4prio + acompahada,
evidetemete, de alguma rudeza esses procedimetos. O homem de caráter icorpora
/ sua pessoa o rigor pr4prio ao es"or&o. Os su#ordiados o suportam e, muitas vezes,
so"rem. Al+m disso, um tal che"e + distate, pois a autoridade 'o camiha sem
prest%gio, em o prest%gio sem o distaciameto. A#ai)o dele, murmura*se cotra sua
altivez e suas e)ig,cias. ;or+m, durate a a&'o, mais igu+m pode cesurá*lo. As
votades, os esp%ritos a ele se dirigem. >ida a crise + a ele que seguem, pois + ele que
susteta o "ardo os #ra&os, que, se rompidos, ele o carregaria as costas.
Reciprocamete, a co"ia&a dos pequeos e)alta o homem de caráter. Ele se sete
agradecido por essa !usti&a sigela que lhe + "eita. 3e tiver ,)ito, distri#ui largamete as
vatages e, o caso de um rev+s, 'o admite que a cesura des&a a#ai)o dele. Rece#e
de volta em estima o que o"erece em segura&a.
(a prese&a dos superiores, seguro dos seus !ulgametos e cosciete de sua
"or&a, 'o "az cocess.es ao dese!o de agradar.
;or e)trair de si mesmo * e 'o de uma ordem * sua decis'o e sua "irmeza, o
a"astam muitas vezes da o#edi,cia passiva. Ele pre"ere que lhe d,em a miss'o e que o
dei)em sehor de sua opii'o, e)ig,cia isuportável a muitos che"es que, por "alta de
alca&ar o todo, cultivam os detalhes e se utrem de "ormalidades. E"im, receia*se a
sua audácia que 'o aceita as rotias em as quietudes.
6as quado os acotecimetos se toram graves, imediatamete muda*se a
perspectiva e a !usti&a "az*se setir. @oma*se o seu coselho, louva*se o seu taleto,
remete*se ao seu valor. ;ara ele, aturalmete, a tare"a di"%cil, o es"or&o pricipal, a
miss'o decisiva. @udo o que ele prop.e + levado em cosidera&'o, tudo o que solicita +
cocedido. Etretato, ele 'o a#usa e 'o se mostra ar#itrário quado o ivocam..
Auase 'o sa#oreia o sa#or de sua revache, pois a a&'o o a#sorve iteiramete.
6as se cada um em seu escal'o dese!ar agir por si mesmo, de acordo com os
"atos pre"erecialmete / co"ormidade com o regulameto, es"or&ado*se em realizar
em vez de agradar, uca escodedo o pesameto quado deveria e)terá*lo, custe o
que custar e que, de alto a #ai)o se volte ao caráter, distiguido*o, e)ortado*o e
e)igido*o, ver*se*á cedo a ordem ascer e triu"ar. >er*se*á, so#retudo, o E)+rcito
retomar todo o seu vigor moral.
Do prestígio
Os tempos atuais s'o di"%ceis para a autoridade. Em todo lugar ela suscita a
impaci,cia e a cr%tica em lugar da co"ia&a e da su#ordia&'o.
Etretato, os homes t,m ecessidade de serem dirigidos, por terem
ecessidade de orgaiza&'o, isto +, de ordem e de che"es.
3urge, et'o, uma ova classe de che"es, ode o valor idividual e a asced,cia
s'o levados em cota. @udo aquilo que as massas, há algum tempo, creditavam ao cargo
ou ao ascimeto, ho!e + atri#u%do apeas /queles que sou#eram impor*se.
Essa tras"orma&'o a"eta, sem d1vida, a disciplia militar. O homem que
comada, em qualquer escal'o que este!a colocado, para ser seguido deve co"iar mais
o seu valor que a sua proemi,cia. ('o mais se deve co"udir o poder com os seus
atri#utos. A autoridade e)ercida so#re outros depede, aida, em grade parte, do
recohecimeto do posto e da "u&'o. ;or+m, há muito tempo, a asced,cia do mestre
a!uda a su#ordia&'o7 as cove&.es de o#edi,cia v'o e"raquecedo e o prest%gio
pessoal do che"e tora*se a "or&a oculta do comado.
O prest%gio depede, iicialmete, de um dom elemetar, de uma aptid'o atural
que escapa / aálise * o que chamamos de carisma.
Etretato, o carisma deve vir acompahado de gestos e palavras que torem e"icazes os
procedimetos. Apesar disso, a so#riedade do discurso acetua o relevo da atitude. (ada
ressalta melhor a autoridade do que o sil,cio. Os regulametos sempre prescreveram a
cocis'o das ordes7 a autoridade se arru%a pela vaga de pap+is e a torrete de
discursos.
<e resto, domiar os acotecimetos e eles imprimir a sua marca, assumido as
coseq:,cias, +, ates de tudo, o que se espera do che"e. A eergia do che"e "ortalece
os su#ordiados porque sa#em que, em havedo algum cotratempo ele estará lá para
decidir.
Da doutrina
Os pric%pios que regem o emprego dos meios * ecoomia de "or&as, ecessidade
de agir em etapas, surpresa para o iimigo e segura&a para si mesmo * s4 t,m valor
quado s'o adaptados /s circust-cias e aalisar essas circust-cias costitui a
miss'o essecial do che"e. 0 so#re as cotig,cias que se deve costruir a a&'o.
0 a chamada doutria do real e o es"or&o em coduzi*la se traduz em uma
mao#ra di"erete para cada caso particular.
O Político e o Soldado
Em tempos de paz o homem p1#lico + o cetro das ate&.es, em tempos de
guerra o che"e militar det+m esse papel. Apesar disso, em tempos de guerra há uma
iterdeped,cia etre eles.
O pol%tico se es"or&a para domiar a opii'o do moarca, do coselho ou do
povo, pois + da% que ele e)trai a a&'o.
;ara torar*se sehor ele "az*se de servidor e demostra co"ia&a aos rivais.
Fige sempre porque sem poder permaece precário por maior que se!a7 qualquer
articula&'o pol%tica pode derru#á*lo.
O soldado, por sua vez, tem o emprego das armas, mas o poder delas, por+m,
deve ser deve ser orgaizado. A disciplia a que + su#metido apesar de guiá*lo, susteta
suas "raquezas e multiplica suas aptid.es, "az com que reucie / li#erdade, ao diheiro
e, algumas vezes, / pr4pria vida.
A hierarquia que o equadra permite*o asceder ao poder, restado a ele sempre
alguma pro"iss'o a co#i&ar, alguma digidade a atigir. Em troca, sua autoridade, ode +
e)ercida, tem uma qualidade suprema.
O pol%tico e o soldado trazem, pois, procedimetos e cuidados muito di"eretes.
O pol%tico atige o o#!etivo por compromisso, o soldado atige*o diretamete. (as
circust-cias do mometo, o primeiro pesa aquilo que vai dizer, equato o segudo
cosulta os pric%pios.
<essa desigualdade resulta alguma icomprees'o. O soldado cosidera, muitas
vezes, o pol%tico pouco co"iável e icostate e espata*se de tatos "igimetos aos
quais está su!eito o homem de Estado. A a&'o #+lica, em sua terr%vel simplicidade,
cotrasta com os desvios pr4prios da arte de goverar.
0 "ato que o E)+rcito cocede, de má votade, uma ades'o sem reservas aos
poderes p1#licos. <iscipliado por atureza, 'o dei)a uca de o#edecer, mas essa
su#ordia&'o 'o + !amais alegre.
;or outro lado, o pol%tico cosidera o soldado estreito de esp%rito, orgulhoso e
pouco "le)%vel. <evoto das id+ias e dos discursos, de"ede*se mal de qualquer pro#lema
diate do aparelho da "or&a, mesmo quado o utiliza. ;or isso, salvo os mometos de
crise, ode a ecessidade "az a lei, o goverate "avorece com comados em sempre os
melhores, por+m os mais "áceis e desloca, /s vezes, os che"es militares para lugares
med%ocres.
Essa rec%proca "alta de simpatia etre o pol%tico e o soldado 'o +, em ess,cia,
deplorável. Bma esp+cie de equil%#rio de ted,cias + ecessário o Estado. <eve*se,
secretamete, aprovar que etre os homes que o coduzem e os que mae!am a "or&a
ha!a alguma dist-cia.
Em um Estado ode os militares "izessem as leis, termiaria por que#rar as
molas do poder. ;or outro lado, cov+m que a pol%tica, cu!as pai).es declaradas, leil'o
de doutrias, escolha ou e)clus'o de homes segudo as suas opii.es, 'o se misture
uca com o E)+rcito pois logo "ará corromp,*lo, uma vez que o poder deste se a"irma,
primeiro, por sua virtude. Etretato, + ecessário e prudete que se etedam e
cola#orem mesmo que 'o queiram.
0 comprees%vel que pro#lemas de ordem militar idispoham o homem o
poder, mesmo em tempos de paz * pol%ticos procurado coter os custos e os militares
"or&ado a despesa. O soldado, evidetemete, 'o cede a essas ted,cias. ;ara ele, o
poder das armas se reveste de um caráter essecial e como que sagrado. (ada parece
mais ecessário em mais urgete do que acumular os meios de vecer para aqueles que
acreditam estar, a cada oite, a v+spera de lutar. A guerra +, e"im, a raz'o de ser do
soldado, a carreira ode se desevolve a sua oportuidade. Aqueles que pre"erem o
repouso / luta, 'o se deveriam re"ormar$
O há#ito de o#edecer itimida o soldado em suas o#!e&.es e os pol%ticos, há#eis
em maipular os homes, etedem*se para dissolver a resist,cia dos pro"issioais.
Etretato, 'o há disposi&.es relativas / despesa do pa%s que se!am solucioadas sem
cotrov+rsias.
Em tempos de guerra, por+m, a ordem se iverte. O che"e militar sai da
peum#ra e se reveste de uma autoridade estarrecedora. O "uturo da pátria depede,
imediatamete, daquilo que ele decide. E o pol%tico v, esse poder gradioso e violeto
surgir da terra ao lado do seu.
Assim, trasportados pela a#ega&'o e preocupados com o e)emplo a dar, o
goverate e o soldado se etedem, a maioria das vezes, sem di"iculdade.
;or+m, o ava&ar da guerra desecadeia o seu corte!o de lutos e decep&.es. As
pai).es das massas se elevam ao má)imo. O pol%tico deve resposa#ilizar*se pelo
destio dos cidad'os, assim como pelo do pa%s e o seu pr4prio e at+ mesmo pelo dos
homes distates. Essa ag1stia, !utamete com a impot,cia, costitui, em tais
mometos, a pior prova de poder. 3urge*se, et'o algum ervosismo. 2daga&.es
surgem acerca dos resultados. Os comadates que se e)pliquem. O pol%tico demostra
um rosto preocupado com ele, que permaece moroso e sem #oa votade. Bm dos
deveres que se imp.e ao che"e + que ele s4 espere em si mesmo e recohe&a que está
soziho em "ace do destio. Certamete, por+m, e)istem pol%ticos que sustetam os
comadates em reveses momet-eos.
Apesar de tudo isso, o dom%io de si mesmo e o patriotismo impedem muitas
vezes os rivais de chegarem ao e)tremo. Chega um poto, etretato que, em meio a
essa crise, os dois acham isuportável essa deped,cia rec%proca a que est'o
su#metidos. A am#i&'o de domiar, ierete aos dois, os leva ao co"lito. Cogo os
homem de Estado ivade o dom%io do comado e, com autoridade, dita a estrat+gia.
Cogo o soldado, a#usado de sua "or&a, degrada os poderes p1#licos. A a&'o, da% em
diate, tora*se icoerete.
Algumas vezes os povos co"iam sua pol%tica e seus e)+rcitos / sorte de um
1ico homem, o que pode co"erir /s a&.es vit4rias louváveis, mas tam#+m reveses
cru+is.
Os limites de cada um * a codu&'o da guerra so# a #atuta do homem de Estado7
as opera&.es, do militar * devem ser respeitados, mas isso + imprevis%vel em tempos de
guerra.
3em a iterve&'o de ehuma lei em o surgimeto de uma revolu&'o, o
caráter de crise #rutal que reveste a guerra de movimeto co"ere ao comadate militar
a maior parte dos atri#utos pr4prios do govero.
Fi)adas as "retes de #atalha, por+m, este retoma o primeiro plao, o setido de
coduzir a guerra aumetado os e"etivos, mo#ilizado a id1stria, admiistrado o
moral dos cidad'os, a!ustado*se com os aliados.
Em resumo, a a&'o s'o homes em meio a circust-cias. Ap4s haver prestado aos
pric%pios a rever,cia que cov+m, deve*se dei)ar esses homes retirarem de detro de
si a coduta a mater em cada caso particular. “As di"iculdades seriam aumetadas
caso, pretededo*se prever as variáveis dos acotecimetos, quis+ssemos amarrar por
prescri&.es estreitas a li#erdade de a&'o dos resposáveis”, segudo 6. ;ailev+. (ada
se "az de grade sem grades homes, e esses assim o s'o por terem querido.
Aue os pol%ticos e os soldados queiram, pois, a despeito das o#riga&.es e
precoceitos cotradit4rios, come&ar a se ha#ituar, do seu iterior, / "iloso"ia que
cov+m, e se ver'o, quado preciso, #elas harmoias. 2sso aplica*se 'o aos med%ocres,
mas aos am#icioso de primeira liha que 'o v,em a vida outra raz'o a 'o ser
imprimir sua marca os acotecimetos.
Aue esses, a despeito do tumulto e das ilus.es dos acotecimetos, 'o se
egaemD 'o há as armas carreira ilustre que 'o teha servido a uma pol%tica
importate, em um grade gl4ria de homem de Estado que 'o teha dourado o #rilho
da de"esa acioal.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful