Você está na página 1de 15

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO

4

2 PONTE DE ESPAGUETES

5

2.1 CÁLCULO DAS FORÇAS NOS ELEMETOS DA TRELIÇA

6

2.2 CÁLCULO DO MÚMERO DE FILETES

12

2.2.1 Tração

12

2.2.2 Compressão

13

3

CONSTRUÇÃO DA PONTE

14

3.1 MATERIAIS E MÉTODOS

15

3.2 CUSTO E PESO DA PONTE

15

4

CONCLUSÃO

16

REFERÊNCIAS

17

4

1 INTRODUÇÃO

Neste trabalho será apresentada a proposta de dimensionamento de uma ponte de macarrão para a disciplina de Mecânica Geral do curso de Engenharia Mecânica do IST – SOCIESC, visando aplicar os conceitos vistos em sala de aula de forma prática e interativa. Será apresentada a geometria da ponte (HOWE) definida pelos alunos integrantes da equipe, juntamente com os cálculos de dimensionamento de cada barra da mesma e os cálculos de compressão e de tração que cada barra será submetida para o peso dimensionado. Ainda apresentará dados referentes a valores dos materiais utilizados desde a concepção até a montagem final da ponte

5

2 PONTE DE ESPAGUETES

Para realizar a construção da ponte, optou-se em utilizar duas treliças Howe conforme figura abaixo:

em utilizar duas treliças Howe conforme figura abaixo: Figura 1 – Geometria da Ponte A equipe
em utilizar duas treliças Howe conforme figura abaixo: Figura 1 – Geometria da Ponte A equipe

Figura 1 – Geometria da Ponte

A equipe optou em projetar a ponte para que esta suporte uma carga de 40 Kgf, com um coeficiente de segurança 1,5.

6

2.1 CÁLCULO DAS FORÇAS NOS ELEMETOS DA TRELIÇA

1 – Diagrama de corpo livre

NOS ELEMETOS DA TRELIÇA 1 – Diagrama de corpo livre 2 – Dados: P = 40

2 – Dados:

P = 40 Kgf = 392,4 N

Ax = ? Ay = ? Gy = ? FAB = ? FAL = ?

FBC = ? FBL= ? FBK = ? FLK = ? FCK = ?

FCD = ? FCJ = ? FKJ = ? FDE = ? FDJ = ?

FEF = ? FEJ = ? FEI = ? FIJ = ? FFI = ?

FFH = ? FFG = ? FGH = ?

3

– Hipóteses justificativas:

4 – Fórmulas

- Treliça plana;

- Fx = 0;

- Corpo rígido;

- ∑ Fy = 0;

- Carga gradativa;

- ∑ M = 0;

- Peso da treliça desprezível.

- Método dos nós; - Método das seções.

5

– Cálculo

- ∑ M = 0; - Peso da treliça desprezível. - Método dos nós; - Método

7

7

8

8

9

9

10

10

11

11 6 – Resultados

6 – Resultados

11 6 – Resultados

12

Como P assume o valor de 392,4 N obtém-se:

FAB = 98,1 N (T); FAL = 138,73 N (C); FBL = 98,1 N (T); FLK = 98,1 N (C); FBC = 196,2 N (T); FBK = 138,73 N (C); FCK = 98,1 N (T); FKJ = 196,2 N (C); FCD = 294,3 N (T); FCJ = 138,73 N (C); FDJ = 196,2 N (T);

FDE = 294,3 N (T); FIJ = 196,2 N (C); FEJ = 138,73 N (C); FEI = 98,1 N (T); FEF = 196,2 N (T); FHI = 98,1 N (C); FFI = 138,73 N (C); FFH = 98,1 N (T); FFG = 98,1 N (T); FGH = 138,73 N (C)

2.2 CÁLCULO DO NÚMERO DE FILETES

2.2.1 Tração

Para o cálculo do número de filetes para os elementos submetidos à esforços de tração utilizou-se a fórmula abaixo:

Onde:

n =

4.P

π.d 2 .Tadm

n = número de filetes;

d

= diâmetro do filete de macarrão (1,815 x 10 -3 m);

P

= carga de tração no elemento (N);

T adm =

T

rup _ , onde T rup = 16,5 MPa e Fs = 1.5, T adm = 11 MPa.

Fs Através dos cálculos realizados anteriormente verificou-se três valores de força de tração para os elementos da ponte. Para os elementos AB, BL, CK, EI, FH e FG obteve-se o valor de 98,1 N. Assim, aplicando a fórmula:

n =

4.98,1

π.(1,815 x 10 -3 ) 2 .11 x 10 6

13

n = 3,45

n= 4 filetes

Para os elementos BC, DJ e EF obteve-se 196,2 N.

n

=

4.196,2

π.(1,815 x 10 -3 ) 2 .11 x 10 6

n = 6,89

n = 7 filetes

E para os elementos CD e DE obteve-se o valor de 294,3 N.

n

=

4.196,2

π.(1,815 x 10 -3 ) 2 .11 x 10 6

2.2.2 Compressão

n = 10,34 n = 11 filetes

Para o cálculo do número de filetes dos elementos submetidos à esforços de compressão utilizou-se a fórmula abaixo:

Onde:

de compressão utilizou-se a fórmula abaixo: Onde: n = número de filetes; P = carga de

n = número de filetes; P = carga de compressão (N); I = comprimento do elemento (mm); Ø = diâmetro do filete de macarrão (1,815 mm).

Verificou-se que as barras LK e HI estão submetidas à uma força de 98,1 N. Aplicando a fórmula para I = 180 mm tem-se:

14

n

= 12,96

n

= 13 filetes

As barras AL, BK, CJ, EJ, FI e GH estão submetidas à uma força de 138,73 N. Com I = 254,56 mm tem-se:

n

= 21,79

n

= 22 filetes

Já as barras KJ e JI devem suportar uma força de 196,2 N. Com I = 180 mm

tem-se:

n

= 18,32

n

= 19 filetes

A figura a seguir mostra a treliça e o número de filetes em cada elemento.

mostra a treliça e o número de filetes em cada elemento. 3 CONSTRUÇÃO DA PONTE De

3 CONSTRUÇÃO DA PONTE

De posse dos cálculos e valores de filetes de macarrão de cada elemento, partiu-se para a construção das duas treliças. Para facilitar a construção das mesmas, optou-se em padronizar os elementos, ou seja, utilizar um menor número de barras com diferente número de filetes. A figura abaixo representa o número real de filetes utilizados em cada elemento.

barras com diferente número de filetes. A figura abaixo representa o número real de filetes utilizados

15

3.1 MATERIAIS E MÉTODOS

Para a fabricação das barras que compõem a treliça, utilizou-se espaguete n° 5 da marca Parati. Para realizar a união destes, utilizou-se cola Araldite Professional, a qual foi aplicada em toda superfície dos filetes de macarrão que formaram cada barra da treliça. Ao todo foram necessárias 14 barras de 11 filetes e 18 cm de comprimento, 8 barras de 7 filetes com 18 cm de comprimento, 8 barras de 19 filetes e 18 cm de comprimento, e 12 barras de 22 filetes e 25,4 cm de comprimento. Como elementos de ligação das duas treliças, foram feitas barras de 20 filetes, totalizando mais 7 barras de 18 cm e 8 barras de 25,4 cm. Todas estas barras citadas foram fabricadas de antemão, possibilitando assim um tempo de cura da cola, antes de ser realizada a montagem. Após todas as barras estarem prontas, iniciou-se a montagem das duas treliças. Para facilitar a montagem dos elementos utilizou-se cola quente na união das extremidades das barras. Após as barras das duas treliças estarem unidas, adicionou-se os elementos de ligação e uma barra de ferro com gancho de 8 mm de diâmetro por 18 cm de comprimento, a qual servirá para a aplicação da carga da treliça. Ainda para dar maior resistência à ponte, utilizou-se cola Polypox nos nós da treliça e por fim nas duas extremidades da parte inferior da treliça, colou-se dois tubos de PVC de meia polegada com 20 cm de comprimentos.

3.2 CUSTOS E PESO DA PONTE

Na construção das barras da ponte foram utilizados 785g de macarrão, 160g de cola Araldite e 700g de cola Polypox, totalizando uma ponte com peso de 1,645 Kg. A tabela abaixo mostra a quantidade e o preço de cada material utilizado na ponte:

Tabela 1 – Quantidade e Preço dos Materiais

Material

Quantidade

Preço

Subtotal

Macarrão 500g

2

R$ 2,00

R$ 4,00

Araldite 40g

4

R$ 16,50

R$ 66,00

Polypox 100g

7

R$ 2,80

R$ 19,60

 

TOTAL

R$ 89,60

4 CONCLUSÃO

16

Através deste trabalho pôde-se aplicar os conhecimentos vistos em sala de aula referente ao cálculo dos elementos que compõem uma treliça. Espera-se que a ponte fabricada suporte a carga para a qual foi projetada na competição a ser realizada no dia 03/06/02009. Por fim vale ressaltar o aprendizado adquirido através do trabalho em equipe e a base do conhecimento que será necessária para o prosseguimento dos estudos na área da engenharia.

REFERÊNCIAS

17

HIBBELER, R.C. Estática – Mecânica para Engenharia. 10ª ed. Pearson :

São Paulo, 2005. Pontes de Espaguete. Disponível em <www.pontes-de- espaguete.ubi.pt/conselhos.htm>. Acesso em: 19/maio/2009.