Você está na página 1de 7

4ª sessão:

de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalizaç

Formanda:
Maria Filomena Alves

1- Introdução
A avaliação pressupõe um processo cíclico: planeamento (estratégico),
execução/monitorização e avaliação.
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE
OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

« It’s important to identify the issue you want to address, identify the data you need to collect,
match the correct evaluative method to gather that data, analyze it, and report it to the
appropriate people»
Everhart, Nancy. Evaluation of School Library Media Centers: demonstrating
quality, Library Media Connection, March, 2003

Este modelo de auto-avaliação da biblioteca escolar vem, por isso, mostrar como se
deve operacionalizar, de forma contextualizada, todo o processo de avaliação da eficácia
deste serviço. Volto a referir “ de forma contextualizada” porque esta auto-avaliação da
biblioteca escolar deve integrar a avaliação interna da escola, sendo, por consequência,
objecto da avaliação externa efectuada pela IGE.
Esta auto-avaliação deverá assim responder às necessidades da escola no atingir da
sua missão e objectivos demonstrando o seu contributo para a aprendizagem e o sucesso
educativo dos alunos. Nesta perspectiva, a auto-avaliação das bibliotecas escolares
centra-se hoje essencialmente nos impactos, isto é, no benefício que os utilizadores
podem obter da sua interacção com a biblioteca traduzindo-se numa mudança de
conhecimento, de competências, atitudes, valores, níveis de sucesso, etc.
Por isso o texto da sessão perspectiva a avaliação das bibliotecas:

ANTES

Relatório Anual baseado em


• Inputs – equipamentos, colecções, instalações…
• processos – actividades realizadas; serviços oferecidos…
• outputs – empréstimos, os materiais produzidos, pesquisas …

Avaliação = medição quantitativa = eficiência

AGORA

Modelo de Auto-avaliação:
⇒ avaliação qualitativa
⇒ baseado em outcomes (impactos)
⇒ visa o sucesso educativo e a melhoria dos resultados
⇒ tem um carácter transversal
⇒ fomenta a interacção entre a BE e os órgãos da escola
⇒ envolve docentes, alunos e pais
⇒ pressupõe um planeamento
⇒ permite uma reflexão
⇒ culmina num plano de melhoria

Para implementar o modelo de Auto-avaliação é necessário preparar e executar um


Plano de Avaliação que envolve diferentes etapas:
➢ Diagnóstico;
➢ Identificação do Domínio a avaliar;

Maria Filomena Alves Página 2


O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE
OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

➢ Evidências a recolher; Instrumentos a utilizar; limitações; levantamento de


necessidades; …
➢ Intervenientes e composição das amostras a utilizar;
➢ Calendarização;
➢ Recolha e análise dos dados;
➢ Identificação de pontos fortes e fracos e posicionamento nos respectivos níveis de
desempenho;
➢ Interpretação e descrição dos resultados da avaliação e definição de acções de
melhoria
➢ Comunicação dos resultados da avaliação e medidas de melhoria a empreender, a
integrar no Relatório de Avaliação interna da Escola/Agrupamento.

Domínio escolhido B – Leitura e literacia


B.1 Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura
Indicadores (Indicador do processo)

B.3 Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências


dos alunos, no âmbito das leituras e das literacias
(Indicador de impacto)

2 - Operacionalização da avaliação do domínio: B. Leitura e literacia

Motivo da escolha:
Este é o domínio em que a biblioteca tem feito um grande investimento ao longo
dos anos anteriores. É necessário, por isso, verificar o impacto que esse trabalho de
promoção da leitura tem no desenvolvimento de competências dos nossos alunos. É de
realçar que a competência leitora é transversal aos diferentes domínios curriculares.
Pretende-se portanto avaliar se tem efectivamente havido uma evolução no processo de
aprendizagem dos alunos.

2.1 - Plano de Avaliação

Período de Avaliação ano lectivo 2009/10


1º Período ➢ Analisar os factores críticos de sucesso;
➢ Identificar o tipo de evidências necessárias para a
recolha;

Maria Filomena Alves Página 3


O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE
OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

➢ Escolher alguns alunos para aplicar a grelha de O2;


➢ Recolher dados estatísticos de requisição e utilização
de recursos relacionados com a leitura

2º Período ➢ Aplicar o questionário QA2 (de acordo com os


seguintes critérios: 10% do número de alunos em
Etapas cada nível de escolaridade, sendo a aplicação do
de instrumento feita em Área de Projecto).
desenvolvimento
➢ distribuição do questionário QD2 a 20% do número
do
processo total de professores ( de forma equitativa por
Departamento)
➢ Tratar os dados dos inquéritos construindo tabelas e
gráficos que facilitem a interpretação dos dados;
➢ Sistematizar os dados estatísticos que a biblioteca
costuma recolher;
➢ Fazer o levantamento de todas as actividades em
torno da promoção da leitura

3º Período ➢ Aplicar novamente o questionário QA2 e o


questionário QD2 aos mesmos alunos e professores
➢ Tratar os dados
➢ Reflectir sobre os dados recolhidos;
➢ Posicionar a Biblioteca no “Perfil de desempenho”
atingido;
➢ Preencher o quadro-síntese
➢ Elaborar o relatório final, com indicação de pontos
fortes/pontos fracos e acções de melhoria
➢ Divulgar os resultados:
• ao órgão de gestão;
• ao Conselho Pedagógico;
• à RBE

O que se pretende avaliar?

Domínio B. Leitura e Literacia

➢ A actualização permanente da colecção


➢ desenvolvimento sistemático de actividades de
promoção da leitura e de escrita (hora do conto,
Maria Filomena Alves Página 4
O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE
OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

Indicador B.1 concursos literários, concursos de leitura,


leitura em vários sotaques…)
Trabalho da BE Acções
➢ Actividades que desenvolvam a leitura
ao serviço da promoção A
informativa em articulação com as actividades
da leitura avaliar curriculares
➢ Encontros com escritores e outros eventos
culturais que incentivem o gosto pela leitura
(a Feira do Livro, a vinda de escritores à escola,
sessões de poesia, Ler+ no Natal…)
➢ Implementação de actividades propostas pelo
PNL (através da Área de Projecto; participação
nos concursos do Plano)
➢ Promoção da leitura em ambientes digitais
(através do blogue da BE)

Evidências • Questionários aos professores QD2

• Questionários aos alunos - QA2

• Estatística de ocupação para leitura informal

• Estatística de requisição domiciliária

• Questionários de balanço das actividades

• Grelhas de observação

• PAA da BE

• Inscrição e participação nos concursos do PNL

• Plano de Actividades de Área de Projecto e de


Língua Portuguesa

Domínio B. Leitura e Literacia

Maria Filomena Alves Página 5


O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE
OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

➢ De que forma usam os alunos o espaço da


Biblioteca para os diferentes tipos de leitura
➢ Se os alunos demonstram progressos nas
competências da leitura (lendo mais e com
Acções maior profundidade)
Indicador B.3 A ➢ Se os alunos demonstram competências de

Impacto do trabalho avaliar leitura e literacia quando desenvolvem trabalhos


da BE em vários ambientes informacionais
nas atitudes e ➢ Se os alunos participam activamente nas
competências actividades associadas à promoção da leitura
dos alunos, no âmbito
das leituras
e das literacias
• Questionários aos professores QD2

• Questionários aos alunos - QA2

• Estatística de ocupação para leitura informal


Evidências
• Estatística de requisição domiciliária

• Questionários de balanço das actividades

• Grelhas de observação

• PAA da BE

• Inscrição e participação nos concursos do PNL

• Plano de Actividades de Área de Projecto e de


Língua Portuguesa

• Trabalhos realizados pelos alunos em diferentes


suportes

• Fotografias

• Blogue

• Relatórios de actividades

• Actas de reuniões de L.Portuguesa

Em suma, avaliar a biblioteca significa avaliar a sua acção e os resultados obtidos


com esse trabalho.

Maria Filomena Alves Página 6


O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE
OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

Bibliografia:
• Texto da sessão
• Basic Guide to Program Evaluation,
• Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares,
• Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: instrumentos de recolha de dados.

Maria Filomena Alves Página 7