Você está na página 1de 15

AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

Da implementação da auto-avaliação

Desenvolvim
ento do
Elaboração do
processo de
Motivação e Constituição, Plano de
avaliação
compromisso sob Avaliação
(tratamento
institucional responsabilida (problema;
e análise de
da direcção, de do PB, do objecto da
dados;
dos órgãos de grupo avaliação;
descrição da
gestão responsável métodos e
situação;
pedagógica e ao nível de instrumentos;
relação com
das estruturas escola pela intervenientes
os standards
de orientação condução do ;
de
educativa processo de calendarizaçã
desempenho;
auto-avaliação o; recolha de
pontos fortes
da BE dados;
e fracos;
tratamento da
definição da
informação;
acção de
divulgação de
_____________________________________________________________________________________________ melhoria; 4
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

Metodologia a seguir

Elaboração do
Identificação do perfil relatório final e
Contextualização da Selecção do domínio a Recolha de
definição do plano
BE e definição do seu avaliar evidências de desempenho de melhoria
perfil

Dados escolares
- taxas de transição;
Dados da Escola:
- taxa de abandono;
- nº de alunos/turma por ano de
- nº de alunos com apoios
escolaridade
educativos;
- oferta curricular;
- nº de alunos com SASE;
-…
Contextualizar a _____________________________________________________________________________________________
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
4
-…
BE
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

- Equipa (elementos, formação em BE, experiência, horas); Ponto


fraco – PB e AO a tempo inteiro + 1 prof/1h + 1 prof/1h + 1 prof/1h + 1 prof/4h

- Horário; Ponto forte – das 8h15 às 18h20, sem interrupção

- Nº de lugares sentados; 62

- Verbas dispendidas pela escola e outras aplicadas na BE;

- Fundo documental; Ponto fraco – Catalogação por fazer; desequilíbrio entre o


material impresso e não impresso; desequilíbrio entre níveis de ensino

- Nº de computadores; 12

Definir o - Estatística referente à requisição domiciliária; Há dados que


permitem fazê-la.

perfil - Estatística referente à frequência por turma; Há dados que


permitem fazê-la.
da BE
- Estatística referente à frequência por turma/professor;
_____________________________________________________________________________________________ 4
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar

-…
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

aquele que tem vindo a ser a alvo de um


maior

investimento

Seleccionar o - um domínio, no mínimo: ou

domínio aquele que é percepcionado como fraqueza e a

necessitar de intervenção;
a avaliar
- os restantes domínios são também avaliados, não com a profundidade
do domínio seleccionado, mas com outro tipo de evidências que permitam
ainda assim sustentar a informação dada sobre o trabalho desenvolvido;
_____________________________________________________________________________________________
- todos
Agrupamento de Escolas de D. Fernando os domínios
II – Escola estarão
Básica 2, 3 de avaliados
D. Fernando ao fim
II - Professora de quatro
Bibliotecária anos,
e Equipa estando
da Biblioteca Escolar
4

assim a BE em posse de dados que cubram todas as áreas de intervenção.


AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

- organização e verificação da pertinência/utilidade da informação


existente à data;

- valoração da informação existente com vista à produção de


conhecimento do que se tem e do que é preciso ter;

- mobilização dos utilizadores para esta etapa de recolha de


informação (não deve ser sentida como imposição, mas como algo
Recolher evidências
que decorre do percurso que tem vindo a ser feito);

- selecção do período e das condições de aplicação dos


instrumentos;

- aplicação dos instrumentos adequados (extensão e linguagem) ao


público-alvo;

- recolha dos dados;


_____________________________________________________________________________________________ 4
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
- interpretação dos dados.
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

- confrontar os resultados da avaliação


com os perfis de desempenho
estabelecidos no modelo de auto -
avaliação;
Identificar o
perfil de - situar a escola no nível correspondente
desempenho à sua situação em cada subdomínio;

- verificar o que terá de ser feito para


atingir o nível seguinte.

_____________________________________________________________________________________________ 4
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

- registar o resultado da auto-avaliação nos documentos próprios que


constam do modelo;

- assinalar as acções necessárias para a melhoria;

- elaborar o relatório, tendo em consideração que este deve:


Elaborar o
. proporcionar uma visão holística do funcionamento da
relatório
BE;
final e
. constituir-se como instrumento de recolha e de
definir o
divulgação de resultados a ser apresentado aos órgãos
plano de
de direcção e de gestão pedagógica;
melhoria
. integrar o relatório anual de actividades da

escola/agrupamento;

. integrar o relatório de avaliação interna de

escola/agrupamento;
_____________________________________________________________________________________________ 4
. sustentar
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando a participação
II - Professora do PB/Equipa
Bibliotecária e Equipada
daBE
Biblioteca Escolar
aquando
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

Da plano de avaliação, segundo Mc Namara

É a recolha cuidadosa de informação sobre um


programa ou parte dele, visando uma tomada
sustentada de decisões.

O programa Permite:

de avaliação - compreender, verificar ou desenvolver o impacto de um


produto/serviço nos utilizadores que dele usufruem (eliminando a
interferência de percepções/emoções pessoais dos que fornecem o
serviço)

- desenvolver mecanismos conducentes a uma maior eficiência/eficácia


dos serviços prestados;

- verificar se está a ser feito aquilo que se pensa estar a ser feito.

_____________________________________________________________________________________________ 4
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

- qual o seu propósito ( o que queremos estar em condições/ser capazes de decidir após
recolha da informação)?
Reflexão
- qual é o público destinatário da informação que vai ser recolhida?
prévia
- que tipo de informação é necessária para a tomada de decisão?
orientadora
- a que fontes ir buscar a informação?
da
- como é que a informação pode ser recolhida, que instrumentos utilizar (tipo de
definição instrumento
do plano de e respectivas vantagens/desvantagens, que instrumentos podem ser combinados)?
avaliação - quando é que a informação deve ser recolhida?

- que meios estão disponíveis para recolha da informação?

_____________________________________________________________________________________________ 4
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

1. Reacções e sentimentos (designados de


“indicadores pobres”)

2. Aprendizagens (melhores desempenhos,

Níveis de aquisição de conhecimento)

avaliação 3. Desenvolvimento de competências

(segundo (aprendizagens traduzidas na melhoria de


McNamara)
comportamentos/desempenhos)

4. Eficácia (uma melhor performance

decorrente da melhoria de desempenhos)

Estabelecida que foi a diferença entre “eficiência” e “eficácia”, diz McNamara que é bastante difícil obter informação fiável sobre a “eficácia” (vimos
anteriormente que dificilmente se consegue determinar o contributo da BE de entre outras variáveis).

_____________________________________________________________________________________________ 4
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

- ter presente os objectivos da avaliação, os motivos que


a

desencadearam;

- organizar a informação (agrupar por tipo, por tema, …);

Para a análise - produzir instrumentos auxiliares de


tratamento/registo
e
dos dados;
interpretação
- estabelecer padrões, associações, relações de causa-

da informação efeito;

- comparar os resultados com aquilo que se esperava;

- manter a informação para que possa constituir


referência posterior;

- elaborar uma síntese dos dados recolhidos.

_____________________________________________________________________________________________ 4
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE Novembro 2009

- Sublinhar a importância do contributo dado


pelos intervenientes;
Na
- Proporcionar ao público-alvo oportunidade para
divulgação
a leitura e explicação do relatório;
de
- Fazer a correspondência entre resultados e as
resultados acções que deles decorrerão

- Fazer referência ao plano de melhoria a


elaborar.

_____________________________________________________________________________________________ 4
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE

Estrutura do plano de avaliação

1. Enquadramento do plano no processo de auto-avaliação

2. Propósito do plano

Domínio/Objecto do plano – Leitura e Literacia

3.1. Indicador: Trabalho da BE ao serviço da leitura na escola/agrupamento

3.1.1. Evidências a recolher

3.1.2. Público-alvo

3.1.3. Intervenientes na aplicação dos instrumentos de recolha de informação

3.1.4. Calendarização
3.
3.2. Indicador: Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos
alunos, no âmbito da leitura e das literacias

3.2.1. Evidências a recolher

3.2.2. Público-alvo

3.2.3. Intervenientes na aplicação dos instrumentos de recolha de informação


4
3.2.4. Calendarização

4. Tratamento da informação

5. Apresentação de resultados

____________________________________________________________________________________________
_
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II -
Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
AUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE

____________________________________________________________________________________________
_
Agrupamento de Escolas de D. Fernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II -
Professora Bibliotecária e Equipa da Biblioteca Escolar
Domínio B – Leitura e Literacia
Factores críticos de Intervenientes na Apresentação de
Indicador Evidências Público Calendarização OBS.
sucessoAUTO-AVALIAÇÃO E PLANO DE AVALIAÇÃO - BECRE aplicação resultados

- A BE disponibiliza uma - Estatísticas de requisição, Há que investir na


colecção variada e adequada circulação e uso de recursos Novembro 2009
adequação da
B.1. Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento

aos gostos, interesses e relacionados com a leitura; colecção


necessidades dos - Estatísticas de utilização - Ao longo do ano (actualmente mais
utilizadores ; informal da BE; direccionada para
- A BE identifica novos - Estatísticas de utilização o 2º ciclo) aos
públicos e adequa a colecção da BE para actividades de - Docentes; - Docentes; interesses/necess
e as práticas às leitura - Alunos. - Alunos; idades dos alunos
necessidades desses públicos programada/articulada com - DT dos CEF e do
(CEF); outros docentes. ensino secundário
- A BE identifica - Registos de (este último
problemáticas e dificuldades actividades/projectos; integrado na
neste domínio e delineia - Questionário aos docentes; - Maio Relatório em Junho: escola desde
acções e programas que - Questionário aos alunos. . Direcção 2008/2009).
melhorem as situações - Maio . CP
identificadas; . CDT As acções de
promoção da
leitura não têm
ainda carácter
sistemática nem
concertado.

Domínio B – Leitura e Literacia


Factores críticos de Intervenientes na Apresentação de
Indicador Evidências Público Calendarização OBS.
sucesso aplicação resultados

- A BE incentiva o - Estatísticas de requisição,


empréstimo domiciliário; circulação e uso de recursos
a escola/agrupamento

- A BE está informada relacionados com a leitura;


relativamente às linhas de - Estatísticas de utilização - Docentes; - Docentes; - Ao longo do ano Relatório em Junho:
informal da BE;
orientação e actividades _____________________________________________________________________________________________
- Alunos. - Alunos; . Direcção
propostas pelo PNL e - Estatísticas de utilização . CP 4
Agrupamento de Escolas dedaD.BEFernando II – Escola Básica 2, 3 de D. Fernando II - Professora Bibliotecária e Equipa
para actividades de
da Biblioteca Escolar
desenvolve as acções - Maio . CDT
implicadas na sua leitura
implementação; programada/articulada com - Maio
outros docentes.