Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE QUÍMICA



DEPARTAMENTO – PROCESSOS QUÍMICOS








GESTÃO DA QUALIDADE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA






Professor: Vinícius de Oliveira



Grupo: Carina
Guilherme
Jessica
Marcel
Rafaela



Data de entrega: 30/07/2014
ABNT NBR ISO 9001:2008/ ABNT NBR ISO 1400:2004


A ABNT NBR ISO 9001:2008 fornece um meio sistemático de gerenciar os
processos de seus negócios fazendo com que você possa entregar seus produtos e
serviços atendendo a expectativa de seus clientes. A ISO 9001:2008 conecta os
processos de seus negócios e a qualidade do sistema geral da sua empresa e gera
melhorias continuas.
Certificado ISO 9001:2008 significa respeito ao cliente!

A ABNT NBR ISO 14001 é aplicável a qualquer tipo de organização que tem por
objetivo obter um desempenho ambiental correto bem como buscar sua certificação por
uma organização externa competente. A norma visa orientar a implementação de
sistemas de gestão ambiental nas organizações visando à sua conformidade com a
realidade do empreendimento e ainda servir de subsídio para uma análise intra ou
externamente da conformidade entre esta certificação e uma auto declaração de um
empreendimento, e por fim, mas não menos importante, tem como objetivo dar as
diretrizes para a confirmação de sua conformidade frente a algum requisito pré-
estabelecido por algum cliente.


RESUMO

As questões relativas aos problemas ambientais, apesar de antigas, vêm tornando-
se cada vez mais presente na vida da população mundial. Em função das mais variadas
catástrofes naturais que estão a ocorrer em todo o mundo surgem na população um
anseio por sustentabilidade. Nesse enfoque, as empresas devem adotar novas formas de
interagir com o meio ambiente, para garantir a continuidade de seus negócios. É o caso
dos postos de combustíveis, que são empresas potencialmente poluidoras, em função
dos produtos comercializados e dos resíduos gerados em suas atividades. Nesse sentido,
este trabalho buscou abordar como as normas técnicas ABNT NBR ISO 9100:2008 e
ABNT NBR ISO 14001:2004 podem ser aplicadas em postos de revenda de combustíveis.
Definindo os principais processos desenvolvidos no posto, seus desmembramentos e os
principais impactos ambientais decorrentes das atividades, produtos e serviços desse
empreendimento;


PRINCIPAIS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO POSTO DE COMBUSTÍVEL

Nos postos de combustíveis são realizadas as atividades de lavagem de veículos,
troca de óleo, filtros e lubrificação e de loja de conveniência, além, é claro, de
armazenamento e abastecimento de combustíveis, que são as atividades principais da
entidade, como é demonstrado no organograma da Figura 1.












Figura 1 – Organograma das atividades principais desenvolvidas no posto de combustível


OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

 CEDAC – Comissão de Estudo de Distribuição e Armazenamento de Combustíveis
da ABNT
 PN-031: Armazenamento de Líquidos Inflamáveis e Combustíveis – Operação e
Manutenção de Posto Revendedor Veicular

– Procedimentos mínimos para operação segura e ambientalmente adequada
– Capacitação da equipe de operação

 Procedimentos Críticos:
– Operação de descarga
– Abastecimento


OPERAÇÃO DE DESCARGA

 Caminhão corretamente estacionado, área isolada por cones de sinalização, placa
de perigo – não fume; extintor de incêndio.
 Verificação do nível de seta por profissional capacitado; detalhe da tubulação de
respiro.
 Aterramento do caminhão evitando o risco de faísca devido à eletricidade e o spill
container (Câmara de Calçada) aberto para iniciar a descarga.
 Câmara de contenção de descarga e de acesso ao tanque devidamente selada,
com válvula anti-transbordamento;
 Operação de descarga;
 Câmara de calçada e acesso para descarga nos tanques. Os combustíveis são
identificados por cores que são checadas com as cores de identificação dos
tanques do caminhão;
 Operação de calibragem das bombas após descarga de combustível na unidade de
reserva correspondente;
 Retorno do combustível retirado para calibragem da unidade abastecedora ao
tanque de reserva correspondente;
 Esgotamento do spill container (câmara de calçada) mediante o bombeamento
manual do combustível ali retirado para o interior do tanque de reserva.


OPERAÇÃO DE ABASTECIMENTO

AUTOMÓVEIS

 Abastecer sempre como motor desligado
 Não permitir fumar, ou falar no celular na pista;
 Confirmar com o motorista o combustível utilizado no veículo
 Não derramar produto, evitar seu contato com a pele e limpar com água no caso
de derramar produto no carro;
 Colocar a mangueira no suporte, sem obstruir a pista, não desligando a bomba
com o bico de abastecimento.



MOTOCICLETAS, TRICICLOS OU SIMILARES

 Abastecer sem pessoas sentadas nos veículos;
 Abastecer cuidadosamente e com vazão lenta da unidade abastecedora,
diretamente no tanque do veículo, sem o auxilio de funil ou outro recipiente;
 Manter o contato entre o bico e o recipiente durante o abastecimento.

ABASTECIMENTO GNV

 Estacionar corretamente
 Abastecer com a mangueira esticada
 Motorista e/ ou passageiro fora do veículo;
 Tampa do motor e porta-malas abertos.

Para melhor entendimento das atividades ligadas ao setor de postos de
abastecimento de combustíveis, faz-se necessário, proceder a sua descrição e
caracterização.

1) Atividade de armazenamento de combustível: a unidade conta com tanques
subterrâneos que deveram estar localizados ao lado do posto, sendo que geralmente,
estes tanques são ecológicos, ou seja, de PVC. A unidade deve ser subdividida em
tanques menores, distribuídos de forma que abrigue álcool e gasolina comum, estoque
gasolina comum e gasolina aditivada e contenha óleo diesel separadamente. Ao lado dos
tanques a empresa deve manter poços de monitoramento, para realização semestral de
testes para a verificação da qualidade das águas subterrâneas.

2) Atividade de abastecimento de veículos: para seu desenvolvimento, são utilizadas
unidades de abastecimento, as chamadas bombas de abastecimento eletrônicas. Essas
bombas são automatizadas Revista Gestão Industrial 120 por valor ou por litragem, o que
permite maior precisão na hora do abastecimento. As bombas também possuem, em seus
bicos, um sensor que aciona quando da presença de calor excessivo ou do contato com o
combustível, quando o tanque encontra-se cheio, impedindo assim o derrame de
combustível e também possíveis explosões. Elas contam ainda, com um sistema interno
que impede a volta de combustível para a bomba, impedindo, em caso de incêndio, que o
fogo atinja maiores proporções, reduzindo a probabilidade de explosões.
Além da adoção de equipamentos mais modernos como medidas de segurança, os
frentistas devem utilizar uma flanela para realizar o abastecimento, com a qual limpam o
bico da bomba, após sua retirada do veículo no término do abastecimento, para evitar
gotejamento de combustível tanto no veículo como no piso do estabelecimento.

3) Atividade de lavagem de veículos: Ocorre em local apropriado a esta atividade. A
água utilizada para a lavagem dos veículos é proveniente de um reservatório, construído
pelo posto de combustível para reserva e captação de água da chuva; Um local todo
cercado por canaletas, que conduzem a água da lavagem diretamente para uma caixa
separadora, onde os resíduos químicos serão separados da água.

4) Atividade de troca de óleo, filtros e a lubrificação: as atividades ocorrem numa
rampa construída especificamente para esse fim, de forma a facilitar o desenvolvimento
dessa atividade com o mínimo de esforço humano, proporcionando um trabalho mais
tranquilo, ágil, e seguro. É importante salientar, ainda que a condução do óleo queimado,
proveniente da atividade de troca de óleo, é realizada através de tubulações, sendo,
portanto, encaminhado da rampa de troca até o tanque reservatório de forma canalizada,
como manda a legislação. Este local deve ficar dentro de um perímetro maior, todo
cercado pelas mesmas canaletas encontradas na área de lavagem, que irá conduzir os
resíduos líquidos a caixa separadora, ao passo que os resíduos sólidos e as embalagens
de lubrificantes serão armazenadas e passarão pelo processo de logística reversa.

5) Atividade de loja de conveniência: ela não produz alimento de tipo algum, apenas
revende lanches. Toda a parte de produção dos alimentos é terceirizada e a única
atividade nela realizada, além obviamente da revenda desses alimentos, consiste na
lavagem dos talheres e louças utilizados para servir os alimentos aos clientes.

Vale, ainda, ressaltar que todo o perímetro das atividades do posto é cercado por
canaletas, desde a área dos tanques até a pista de abastecimento, para condução dos
efluentes líquidos, gerados pela atividade, para a caixa separadora de água e óleo, onde
deverão receber tratamento adequado.
Tais atividades, por manipularem produtos químicos (combustíveis fósseis), são
consideradas potencialmente poluidoras, podendo, impactar o meio ambiente, em função
dos resíduos gerados.
Os principais resíduos gerados nessas atividades consistem em vapores de
combustíveis, flanelas e estopas contaminadas, efluentes líquidos, como águas oleosas,
filtros usados, óleo queimado, lodo toxico das caixas separadoras de água e óleo e
embalagens de lubrificantes.

MEDIDAS DE GESTÃO AMBIENTAIS

Com relação aos sistemas de gestão, Santos (2005), diz que o simples fato dos
postos de combustíveis possuírem um sistema de gestão ambiental e aplicá-lo evitaria
uma série de problemas de ordem ambiental. Para tanto, ele sugere a adoção de um
sistema simplificado de Gestão Ambiental para os postos revendedor de combustíveis,
sintetizado nas seguintes diretrizes:

1) Liderança e Comprometimento: o responsável pela organização deve ser
responsável e comprometido com as diretrizes do sistema de gestão ambiental.

2) Objetivos Estratégicos: aqui as metas, programas e planos para alcançar os objetivos
devem ser registrados. Os objetivos devem seguir os seguintes tópicos: gerenciamento de
combustíveis, gerenciamento de efluentes (sólidos, líquidos e gasosos), administração
predial e limpeza geral, gerenciamento de água, energia e ruído e gerenciamento de
segurança geral.

3) Organização e Responsabilidades: devem ser definidos os papéis e
responsabilidade de cada membro da equipe, com suas respectivas tarefas descritas e
garantida a sua capacidade via treinamento. Revista Gestão Industrial 116.

4) Gerenciamento dos Riscos Ambientais e seus Efeitos: para cada atividade
desenvolvida deve ser feita uma avaliação dos riscos ambientais envolvidos, identificando
os impactos sobre o meio ambiente.

5) Verificação e Controle Operacional: deve ser mantido um monitoramento e
acompanhamento permanente em todas as atividades.

6) Análise da Administração: por fim, deve ser feita anualmente uma revisão do Sistema
de Gestão Ambiental, para verificar as oportunidades de melhorias e necessidade de
alterações no sistema.



As medidas de gestão ambiental adotadas, como podem ser observadas na Figura
2, são basicamente medidas de controle e prevenção ambiental.


























Figura 2 - Organograma de gestão ambiental desenvolvida por atividade.

Como medida de controle ambiental, alguns postos de combustíveis adotam para o
armazenamento de combustíveis, tanques ecológicos anticorrosivos, de forma a evitar
possíveis vazamentos. Além dessa medida, poços de monitoramento na área dos tanques
subterrâneos, donde são retiradas amostras das águas subterrâneas semestralmente
para verificar seu grau de pureza, de forma a assegurar que essas águas não serão
contaminadas.
Como complemento, é adotado o controle dos volumes de combustíveis que
entram e que saem através do Livro de Movimentação de Combustível (LMC). Esse livro
não foi adotado meramente por exigência legal, mas sim como ferramenta para
monitoramento de vazamentos de combustíveis, baseado na premissa de que todo
combustível que entra deve sair, caso o volume de saída de combustível seja inferior ao
volume de entrada, pode haver vazamentos, que podem ser identificados em tempo hábil
para impedir maiores danos.
Caso ocorram acidentes ambientais, o posto possui pessoal treinado e
equipamentos para imediato controle da situação, mas é imprescindível que a FEPAM
seja imediatamente comunicada bem como as refinarias fornecedoras (co-responsáveis)
para que se possa mensurar e controlar plenamente os danos.
Outra medida de gestão ambiental muito importante adotada pelo posto consiste no
aproveitamento da água da chuva e no tratamento dos efluentes líquidos, onde são
retirados da água os resíduos químicos antes de sua devolução para a natureza, através
da caixa separadora de água e óleo, que é formada por uma grande caixa subterrânea,
subdivididas em varias caixas menores, onde a água fica decantando para remoção dos
resíduos de combustíveis. Assim, após a remoção do lodo tóxico da água se obtêm uma
água turva e meio barrenta, não podendo ser reutilizada na atividade, portanto seu
destino consiste no lançamento junto ao esgoto comum, ao passo que os resíduos
químicos provenientes da separação são estocados para posterior coleta por empresa
especializada.

PRINCIPAIS ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS

As atividades desenvolvidas pelo posto de combustível mantêm relações diretas e
intensas com o meio ambiente, através do contato com os compartimentos solo, água e
ar. Esse contato é evidenciado através dos aspectos ambientais apresentados na Figura
3.
Tais aspectos são os agentes causadores dos mais variados tipos de impactos
ambientais, como: a contaminação do ar, das águas superficiais e subterrâneas, das
águas dos rios locais, das águas da bacia hidrográfica da região e a contaminação do
solo.















Figura 3 - Organograma das principais formas desastrosas de interação com o meio ambiente.

Esses impactos relacionam-se direta e indiretamente com a redução da diversidade
da fauna e da flora, podendo, comprometer, da mesma forma, a saúde humana,
especialmente dos colaboradores que desenvolvem as atividades no posto de
abastecimento de combustível. As principais vias do contato desastroso com o meio
ambiente consistem:

a) No derrame de combustível no solo;
b) No contato da água da chuva que cai sobre o posto com o solo, com as águas
superficiais e subterrâneas;
c) No contato da água da lavagem da pista de abastecimento e da área dos tanques com
o solo, com as águas superficiais e subterrâneas;
d) No vazamento de tanques subterrâneos de armazenamento de combustível;
e) No desprendimento de gases dos combustíveis lançados na atmosfera;
f) No acondicionamento inadequado dos resíduos e embalagens de lubrificantes.

A seguir são apresentados, no Quadro 1, os possíveis impactos ambientais que
podem transcorrer em decorrência das operações desse segmento empresarial,
correspondente às atividades relacionadas ao manuseio de combustíveis. Como
demonstrado no Quadro 1, as atividades relacionadas ao manuseio de combustíveis são
o recebimento desses produtos, sua armazenagem, o abastecimento dos veículos, o
sistema de drenagem das pistas e o tratamento dos efluentes líquidos na caixa
separadora de água e óleo. Estas atividades estão sujeitas a uma série de incidentes, que
vão desde a simples emissão de gases até incêndios e explosões. Observa-se ainda no
Quadro 1, que as causas desses incidentes consistem, basicamente, na falta de
manutenção dos respiros dos tanques e por descuidos, que possibilitem a presença de
fontes de ignição na área dos postos, impactando diretamente a qualidade do ar.

Quadro 1 – Impactos Ambientais por atividade desenvolvida / Manuseio de Combustíveis

Fonte: Adaptado de Santos (2005)

Com relação aos serviços agregados oferecidos pelos postos de combustíveis,
como pode ser observar no Quadro 2, são elencadas as atividades de troca de óleo e
lubrificantes, a lavagem de veículos, os escritórios e as lojas de conveniência, que
impactam as águas e o solo através do consumo irracional da água, da disposição
inadequada dos resíduos e da falta de tratamento e reciclagem.
Quadro 2 – Impactos Ambientais por atividade desenvolvida / Serviços Agregados

Fonte: Adaptado de Santos (2005)

Os impactos ambientais causados pelo desenvolvimento das atividades de posto
de combustível podem ser controlados ou até mesmo evitados, desde que, se invista na
adoção de medidas de gestão ambiental (LORENZETT; ROSSATO, 2010). Para tanto, é
necessário conhecer melhor os conceitos e práticas de gestão ambiental.

CONCLUSÃO
As normas voluntárias de gestão ambiental, como a ISO 14 000, fornecem às
organizações os elementos de um Sistema de Gestão Ambiental que as auxilia a
alcançarem seus objetivos ambientais. Os postos de combustíveis realizam atividades
potencialmente geradoras de impactos ambientais, caracterizadas por contaminação do
solo e das águas subterrâneas e superficiais, por meio de vazamentos de combustíveis,
com riscos de incêndios e explosões. Além disso, essa atividade vem se tornando cada
vez mais complexa, visto que o custo de acidentes e incidentes ambientais cresce a cada
dia. Os postos de combustíveis devem, portanto, realizar suas atividades de acordo com
as normas e leis vigentes, bem como, estar atentos às boas práticas de trabalho para
garantir a minimização de riscos ao meio ambiente, e à segurança e saúde dos
empregados e comunidade vizinha.




REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

file:///C:/Users/Renata/Downloads/598-1968-1-PB%20(3).pdf
RONNENBERG, Sh. K.; GRAHAM, M. E.; MAHMOODI. F. The important role of change management in
environmental management system implementation. International Journal of Operations & Production
Management, v. 31, n. 6, pp.631 – 647, 2011. Disponível em: <doi10.1108/01443571111131971>. Acesso
em: 23
maio 2011.
SANTOS, R. J. Sh. dos. A gestão ambiental em posto revendedor de combustíveis como instrumento de
prevenção
de passivos ambientais. 2005. 217f. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Gestão do Meio Ambiente) -
Universidade
Federal Fluminense, Niterói, 2005.