Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB

LICENCIATURA EM LETRAS – ESPANHOL
PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO








HELLEN TATYANNE DA SILVA BARBOSA














CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET E VYGOTSKY PARA O PROCESSO
PEDAGÓGICO




















PARNAMIRIM/RN
2014
CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET E VYGOTSKY PARA O PROCESSO
PEDAGÓGICO

1) Quem está certo?
Não é possível afirmar quem está certo ou errado e sim, que as duas teorias se
completam. As diferenças entre Piaget e Vygotsky parecem ser muitas, mas eles partilham
de pontos de vista semelhantes. Ambos entenderam o conhecimento como adaptação e
como construção individual e concordaram que a aprendizagem e o desenvolvimento são
autorregulados. Discordaram quanto ao processo de construção, ambos viram o
desenvolvimento e aprendizagem da criança como participativa, não ocorrendo de
maneira automática. Estavam preocupados com o desenvolvimento intelectual, porém
cada um começou e perseguiu por diferentes questões e problemas. Enquanto Piaget
estava interessado em como o conhecimento é construído, e com isso, a teoria é um
acontecimento da invenção ou construção que ocorre na mente do indivíduo, Vygotsky
estava interessado na questão de como os fatores sociais e culturais influenciam o
desenvolvimento intelectual.

2) Os dois se completam?
Em primeiro lugar, ambas colocam a necessidade de estudar a gênese dos processos
mentais, isto é, como esses processos são construídos ao longo da vida do indivíduo. Em
Piaget, essa construção ocorre a partir do mecanismo de equilíbrio e seus dois
componentes: a assimilação, no qual o indivíduo atua sobre o meio, transformando-o, a
fim de adequá-lo às suas estruturas; e a acomodação, no qual o sujeito é modificado para
se ajustar às diferenças impostas pelo meio. Vygotsky, por sua vez, explica essa
construção através do mecanismo de internalização. Para ele, no desenvolvimento cultural
da criança, todas as funções ocorrem duas vezes: primeiro no nível social e depois no
nível individual.
Pode-se observar que os dois consideram essa construção como ocorrendo a partir da
interação do sujeito com o seu meio. Contudo, enquanto Piaget enfatiza a interação com o
meio físico, Vygotsky da ênfase sobre a interação com meio sociocultural. Ambos os
autores, entretanto, consideram o sujeito como um ser ativo que constrói ou reconstrói seu
próprio conhecimento.


3) Falta alguma coisa?
Não se pode afirmar o que falta nas teorias dos pensadores abordados. Pois, as mesmas
levaram bastante tempo e olhares assíduos dos pensadores sobre o que estava sendo
pesquisado.
As duas concepções sobre aprendizagem devem ser complementares, não adianta
acreditar unicamente na constituição do próprio sujeito, e nem contar com meios externos.
Deve haver senso de percepção para perceber o que a criança necessita no momento, a
utilização inerente de construção ou uma espera do meio, por isso a utilização dos dois
processos deve ser considerada.

4) O professor precisa conhecer essas teorias para fazer um bom trabalho?
O professor tem como papel essencial conhecer e praticar essas teorias. Pois, através
delas, é possível criar metodologias adequadas para os discentes, já que os mesmos
possuem diferentes perfis.
A noção de “Zona Principal do Desenvolvimento” interliga-se de maneira muito forte
à sensibilidade do professor em relação às necessidades e capacidades da criança e a sua
aptidão para utilizar as possibilidades do meio a fim de obter possibilidades de passar do
que sabe fazer para o que não sabe. Além disso, é a partir das teorias sobre o
desenvolvimento cognitivo que os educadores podem trilhar um caminho que leve os
alunos a uma condição de resolução de problemas. Um caminho no qual o professor
perceba que a consciência da criança não é só individualidade e sim, o reflexo da
sociedade da qual participa, das relações existentes na família, na vizinhança, na escola
etc.
Apenas conhecendo o que as crianças são capazes de resolver com e sem a ajuda
externa que se pode conseguir planejas as situações de ensino e analisar os progressos
individuais.








REFERÊNCIAS



PIAGET, J. A linguagem e o pensamento. São Paulo: Martins Fontes, 1986.


VYGOTSKY, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987.


VYGOTSKY, L. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1988.