Você está na página 1de 29

LIMITES AO PODER DISCIPLINAR DO EMPREGADOR.

A tese do Poder Disciplinar
Compartilhado. (!
"
Enoque Ribeiro dos Santos. Professor Doutor da
Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo
(USP). Mestre (UNESP) e Doutor em Direito pela
Faculdade de Direito da USP. Procurador do
Trabalo do Minist!rio P"blico do Trabalo
(Procuradora #e$ional do Trabalo da %&. #e$ião '
Paran().
Sumário.
1. Introdução. Delimitação do Tema.
2. Princípios Protetivos da Constituição Federal de 19
!. Poder "mpre#atício e seus desdo$ramentos
%. Poder disciplinar& conceito
'. Teorias so$re o Poder Disciplinar
5.1 Poder Disciplinar convencional
5.2 Poder Disciplinar unilateral
5.3 Poder Disciplinar como Dele#ação do Poder P($lico
'.% Poder Disciplinar na )tica empresarial
*. + Poder Disciplinar no ,rasil
*.1 + Poder Disciplinar no Setor P($lico
*.2 + Poder Disciplinar no Setor Privado
*.! -urisprud.ncia& /ul#ados recentes so$re o Poder Disciplinar
*.% Correntes doutrinárias e /urisprudenciais so$re o Poder Disciplinar
0. + Poder Disciplinar no Direito "stran#eiro
0.1 + Poder Disciplinar na 1leman2a
1 Palestra pro3erida no Con#resso de Direito Individual do Tra$al2o4 promovido pelo
Departamento de Direito do Tra$al2o e Previd.ncia Social da Faculdade de Direito da
5niversidade de São Paulo 65SP74 no 8ar#o São Francisco4 São Paulo4em 2' de outu$ro
de 2990.
0.2 + Poder Disciplinar na "span2a
0.! + Poder Disciplinar em Portu#al
8. Tend.ncias da aplicação do Poder Disciplinar& + Poder Disciplinar Compartil2ado
9. Conclus:es
". Introd#$%o. Delimita$%o do Tema
+ poder disciplinar como emanação do poder diretivo do empre#ador trata;se de
temática <ue nos açula4 se e=aminada so$ o prisma do Princípio da Di#nidade da Pessoa
>umana4 <ue constitui;se 3undamento de validade do "stado Democrático de Direito4 insculpido
na Constituição Federal de 194 em seu arti#o 1?.4 inciso III4 mas4 <ue entre n)s4 desde sua
normati@ação com a promul#ação da C8T4 em 19%!4 e ao lon#o de todos esses anos não
so3reu inovaç:es para acompan2ar as tend.ncias e princípios moderni@antes4 postando;se em
está#io semi;primitivo se comparado As evoluç:es em outros ramos do Direito4 não apenas no
,rasil4 como especialmente no Direito "stran#eiro.
Com o presente arti#o4 propomo;nos a tratar de matBria tão insti#ante e <ue a3eta a
vida de mil2:es de tra$al2adores4 2odiernamente so$ o /u#o de poder tão amplo e As ve@es
ilimitado colocado nas mãos de uma (nica pessoa& o empre#ador4 em 3ranca contradição e em
#rau de colisão com os princípios 3undamentais de proteção A pessoa 2umana.
&. Princ'pios Proteti(os da Constit#i$%o )ederal de "*++
C not)rio <ue a Constituição Cidadã de 194 em seu preDm$ulo4 teve como o$/etivo a
instituição de um "stado Democrático4 destinado a asse#urar o e=ercício dos direitos sociais e
individuais4 a li$erdade4 a se#urança4 o $em;estar4 o desenvolvimento4 a i#ualdade e a /ustiça
como valores supremos de uma sociedade 3raterna4 pluralista e sem preconceitos4 3undada na
2armonia social e comprometida4 na ordem interna e na ordem internacional4 com a solução
pací3ica das controvBrsias.
110
Com $ase nesse )ordin$ inicial da Carta Ea#na4 3orçoso B concluir <ue 2ouve tam$Bm
na le#islação in3ra;constitucional a re/eição de condutas 3iscali@at)rias
2
e de controle da
prestação de serviços <ue entrem em c2o<ue e colidam com a li$erdade e com a di#nidade da
pessoa do tra$al2ador.
8o#o4 a se#uir4 o constituinte ori#inário traçou os princípios 3undamentais do "stado
Democrático de Direito& 1rt. 1?. 1 Fep($lica Federativa do ,rasil4 3ormada pela união
indissol(vel dos "stados e Eunicípios e do Distrito Federal4 constitui;se em "stado
Democrático de Direito e tem como 3undamentos& I ; a so$eraniaG II ; a cidadaniaG III ; a
di#nidade da pessoa 2umanaG IH ; os valores sociais do tra$al2o e da livre iniciativa e H ; o
pluralismo político.
Como o$/etivos 3undamentais4 ou se/a4 o pro#rama de ação <ue o "stado deverá
empreender para a consecução de suas metas encontramos no 1rt. !?. da Carta Ea#na& I ;
construir uma sociedade livre4 /usta e solidáriaG II ; #arantir o desenvolvimento nacionalG III ;
erradicar a po$re@a e a mar#inali@ação e redu@ir as desi#ualdades sociais e re#ionaisG IH ;
promover o $em de todos4 sem preconceitos de ori#em4 raça4 se=o4 cor4 idade e <uais<uer
outras 3ormas de discriminação.
"ntre os direitos 3undamentais insculpidos no 1rt. '? prevalecem como re#ra #eral <ue
nin#uBm será su$metido a tratamento desumano ou de#radante 6art. '4 III7G a re#ra <ue declara
invioláveis a intimidade4 a vida privada4 a 2onra e ima#em das pessoas4 asse#urado o direito
de indeni@ação pelo dano material ou moral decorrentes de sua violação 6inciso =7G as re#ras
de <ue nin#uBm será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente4 e de
<ue nin#uBm será privado da li$erdade ou de seus $ens sem o devido processo le#al 6incisos
8III e 8IH7.
Todas essas normas delimitam o poder diretivo do empre#ador4 mais especi3icamente
no <ue respeita ao e=ercício de 3iscali@ação4 de controle e disciplina no e=ercício de seu poder
empre#atício.
Ião o$stante esse aparato constitucional4 en3rentamos no ,rasil um 3ato social de
enorme #ravidade& a aus.ncia de proteção contra a dispensa imotivada.
Como 3icará claro mais adiante em nossa e=posição4 contrariamente a outros países
democráticos4 não e=iste em nosso ordenamento /urídico nen2uma proteção em 3ace do
despedimento do tra$al2ador4 proporcionando a e=tinção sumária do vínculo la$oral4 com
raríssimas e=ceç:es de #arantia temporária no empre#o asse#uradas pela situação pessoal do
2 1rt. !0!;1 da C8T& HI ; proceder o empre#ador ou preposto a revistas íntimas nas
empre#adas ou 3uncionárias.
111
tra$al2ador 6acidentado4 tra$al2adora #estante J proteção A vida da criança7 ou do e=ercício
comunitário de suas 3unç:es 6diri#ente sindical4 inte#rante da CIP14 de Comissão de
Conciliação PrBvia4 diretor de cooperativa etc7.
" visuali@amos toda essa situação em <ue pese o dispositivo le#al insculpido do art. 0?4
inciso I4 da CF 4 in verbis&
* + , rela-ão de empre$o prote$ida contra despedida arbitr(ria ou sem .usta causa/ nos
termos de lei complementar/ 0ue prever( indeni1a-ão compensat2ria/ dentre outros direitos3.
1tB o presente momento não 2ouve <ual<uer re#ulamentação do inciso acima
mencionado4 apesar da e=ist.ncia da Convenção n. 1' da +IT J +r#ani@ação Internacional do
Tra$al2o4 <ue 3oi rati3icada e lo#o ap)s denunciada pelo ,rasil. Ião tivesse ocorrido tal 3ato4
estaríamos alin2ados aos países mais avançados democraticamente na de3esa dos direitos e
#arantias relacionados A proteção contra dispensa ar$itrária ou imotivada do tra$al2ador.
>odiernamente para resolver esse impasse e não a#uardar inde3inidamente a sua
re#ulamentação pelo Con#resso Iacional4 mesmo por<ue o empresariado nacional não tem
nen2um interesse na limitação de seu pr)prio poder de direção4 plenamente compatível com
os interesses neoli$erais4 recomendamos <ue o poder disciplinar se/a discutido e incluído em
capítulo especí3ico nos acordos e convenç:es coletivas de tra$al2o4 3rutos da ne#ociação
coletiva de tra$al2o.
Se a ne#ociação coletiva de tra$al2o 3or in3rutí3era4 o poder normativo dos tri$unais na
prolação da sentença normativa de índole econKmica4 por tratar;se de va@io le#al4 consoante
disposição do pr)prio Supremo Tri$unal Federal4 poderia disciplinar e limitar o poder diretivo
dos empre#adores4 de acordo com os pedidos da e=ordial4 a conveni.ncia e a oportunidade do
caso concreto4 /á <ue operará em /uí@o de discricionariedade4 criando normas de caráter #eral
e a$strato.
,. Poder Empre-at'cio e se#s desdo.ramentos
Para Eaurício Lodin2o Del#ado
!
Mo poder empre#atício B o con/unto de prerro#ativas
asse#uradas pela ordem /urídica e tendencialmente concentradas na 3i#ura do empre#ador4
para e=ercício no conte=to da relação de empre#o. Pode ser conceituado4 ainda4 como o
3 Del#ado4 Eaurício Lodin2o. Curso de Direito do Tra$al2o. *a. "dição. São Paulo& 8tr4 299*4
p. *!1.
112
con/unto de prerro#ativas com respeito A direção4 re#ulamentação4 3iscali@ação e
disciplinamento da economia interna A empresa e correspondente prestação de serviçosN.
De uma 3orma #eral4 a doutrina c2ama o poder empre#atício de poder diretivo do
empre#ador4 com seus desdo$ramentos ou emanaç:es em poder de or#ani@ação4
re#ulamentar4 controle ou 3iscali@at)rio e disciplinar.
+ poder de direção4 portanto4 pode ser conceituado como as prerro#ativas <ue derivam
inclusive da índole constitucional 6livre iniciativa7 <ue atri$uem ao empre#ador o direito de livre
or#ani@ação empresarial4 desde a idBia inicial de seu empreendimento 6pro/eto de criação7 atB
a consolidação do ne#)cio em todas as suas 3ases4 e na seara tra$al2ista4 o poder de
estruturar 3uncional e 2ierar<uicamente as relaç:es internas entre o tra$al2o e o capital4
inclusive a ela$oração do re#ulamento de empresa.
/. Poder Disciplinar0 conceito
Poder disciplinar pode ser de3inido com o poder <ue ca$e ao seu titular4 o empre#ador4
de aplicaç:es sanç:es4 tendo em contrapartida a su/eição do su/eito passivo4 o empre#ado4 o
<ue denota a e=pressão de sua su$ordinação /urídica4 permitindo <uali3icá;lo como um poder
sancionat)rio decorrente da relação de empre#o.
De uma perspectiva 3uncional4 nas palavras de Earia do Fosário Palma Famal2o
%
M
este poder B4 de modo #eral4 relacionado com o poder diretivo4 sendo;l2e atri$uída a 3unção de
#arante da e3icácia deste poder4 sem a possi$ilidade de rea#ir contra o tra$al2ador pelo não
cumprimento das emanaç:es do poder de direção4 careceria este de e3icácia /urídica4 o <ue4
em (ltima análise4 3aria peri#ar a su$sist.ncia de um vínculo ne#ocial todo ele assente no
$inKmio su$ordinaçãoOautoridade J em conse<P.ncia desta li#ação B4 tam$Bm atri$uída ao
poder disciplinar uma 3inalidade eminentemente conservat)ria do vínculo la$oral e preventiva
de novas in3raç:esN.
1inda4 se#undo a retro;re3erenciada autora
'
Mpor aplicação do critBrio temporal4 o poder
disciplinar aparece como o (ltimo dos poderes la$orais e B usualmente considerado de caráter
eventual J #arantindo a e3icácia do poder diretivo4 ele apenas sur#e no momento patol)#ico do
4 Famal2o4 Earia do Fosário Palma. Do 3undamento do poder disciplinar la$oral. Coim$ra&
8ivraria 1lmedina4 199!4 p. 1'
5 Idem4 i$idem4 p. 1*
113
desenvolvimento da relação ne#ocial e4 se e <uando o tra$al2ador não tiver cumprido4 de uma
3orma voluntária4 as emanaç:es do poder de direçãoN.
Dessa 3orma4 podemos in3erir <ue a doutrina ma/oritária atri$ui a titularidade desse
amplo poder ao empre#ador4 como emanação de seu poder diretivo4 <ue assume a 3unção de
#arantia de su$sist.ncia do vínculo la$oral4 devendo ser utili@ado4 dentro de certos limites4 no
momento patol)#ico de desenvolvimento das relaç:es tra$al2istas4 em situaç:es de
inadimplemento 3uncional por parte do su/eito passivo.
Ie#ar esse poder seria destituir o poder de direção de e3icácia /urídica4 ao mesmo
tempo em <ue colocaria em risco a su$sist.ncia do vínculo la$oral4 todo ele assentado no
$inKmio autoridadeOsu$ordinação.
Daí4 a nature@a conservat)ria 6do vínculo de empre#o74 $em como preventiva de novas
in3raç:es4 pelo e=emplo das puniç:es e sanç:es anteriormente aplicadas aos o$reiros4 3a@endo
sur#ir na or#ani@ação uma espBcie de M.urisprud4nciaN4 nos <uais o empre#ador deveria se
$asear na aplicação de 3uturas penas a casos concretos4 levando;se em consideração a
paridade de suas decis:es disciplinares anteriores.
C nessa conte=tuali@ação <ue sur#iram al#umas doutrinas4 <ue procuram e=plicar a
#.nese do Poder Disciplinar4 $em como /usti3icá;las na pessoa do empre#ador4 como
passamos a apresentar no pr)=imo item.
1. Teorias so.re o Poder Disciplinar
"ntre as in(meras teorias so$re o Poder Disciplinar4 selecionamos <uatro delas para
discutir no presente tra$al2o4 <uais se/am&
1." Poder Disciplinar Con(encional
"ssa teoria entende <ue o Poder Disciplinar apresenta uma li#ação direta com o
contrato de tra$al2o4 não podendo e=istir sem a presença deste. Da mesma 3orma4 a e=ist.ncia
do Poder Disciplinar estaria condicionada a sua discussão em sede de ne#ociação coletiva de
114
tra$al2o4 devendo consu$stanciar necessariamente em capítulo pr)prio dos instrumentos
/urídicos dela decorrentes4 mais precisamente4 da convenção coletiva de tra$al2o.
+$serva;se <ue4 por meio dessa teoria4 o Poder Disciplinar não pode ser
unilateralmente e=ercido pelo empre#ador4 /á <ue estaria previsto e=pressamente na
convenção coletiva de tra$al2o4 e toda punição ou sanção disciplinar aplicada pelo empre#ador
não circunscrita ao esta$elecido em ne#ociação coletiva seria nula4 e destarte4 estaria
desprovida de <ual<uer e3eito /urídico.
5.2 Poder Disciplinar 2nilateral
Por essa teoria4 o Poder Disciplinar B atri$uído unilateralmente ao empre#ador4 como
decorr.ncia do Poder de Direção4 podendo ser e=ercido a seu livre alvitre4 dentro dos /uí@os de
ra@oa$ilidade4 $om senso e proporcionalidade. Ião 2á <ual<uer participação do sindicato
pro3issional na ela$oração de suas re#ras4 muito menos do empre#ado4 <ue B e=ercida a seu
talante4 sem restriç:es.
1., Poder Disciplinar como dele-a$%o do Poder P3.lico
Para essa corrente4 considerando <ue o .us puniendi pertence e=clusivamente ao
"stado4 o Poder Disciplinar somente pode ser entendido e aceito como poder individual de
aplicar penas so$ o prisma da dele#ação do Poder P($lico estatal. De outra $anda4
descam$aria para a /ustiça privada4 $em como para 3ormas primitivas de or#ani@ação social.
"ssa concepção ac2a;se um$ilicalmente atrelada A vertente institucionalista4 tendo
como pano de 3undo o modelo autoritário e autocrático <ue prevaleceu na cultura política e
/urídica do sBculo passado.
1./ Poder Disciplinar Empresarial
115
"ssa teoria atri$ui a titularidade do Poder Disciplinar não ao empre#ador4 mas A
empresa4 como or#ani@ação. + Poder Disciplinar pertence A empresa4 ou se/a4 B um poder da
empresa. Hincula tam$Bm o empre#ador e não apenas o empre#ado4 apresentando uma
tend.ncia a produ@ir maior uni3ormidade no modo do seu e=ercício.
1dmite ainda <ue o contrato de tra$al2o B uma relação não i#ualitária4 so$ a
presid.ncia do empre#ador4 como c2e3e da empresa4 en<uanto permite <ue os empre#ados
não ten2am um posicionamento puramente passivo dentro da empresa4 uma ve@ <ue
encontram;se associados aos o$/etivos desta4 vista como (nica 3orma de manter a disciplina e
ao mesmo tempo atin#ir os 3ins o$/etivados pela or#ani@ação.
1 disciplina na empresa B e<uiparada A disciplina de <ual<uer #rupo social4 /usti3icada
como 3orma de asse#urar a so$reviv.ncia do pr)prio #rupo e sua atuação pelo empre#ador
corresponde ao e=ercício de um dever 3uncional em de3esa dos interesses do #rupo4 $em como
para ade<uar o comportamento dos tra$al2adores aos dos demais mem$ros para reali@ação
dos 3ins empresariais.
+ #rupo empresarial por esta teoria poderia ser e<uiparado inclusive A 3amília4 na <ual
o pater e=erce o poder disciplinar4 com le#itimidade e aceitação plena de todos os seus
mem$ros4 sem contestação.
1ssim4 o Poder Disciplinar seria um poder inerente A estrutura 2ierár<uica do #rupo
6empresa74 decorrente das necessidades de or#ani@ação tBcnica do tra$al2o4 e aceito pelo
empre#ado na cele$ração do contrato de tra$al2o.
Portanto4 o o$/etivo das sanç:es disciplinares seria a manutenção dos princípios de
ordem4 de unidade e de autoridade da or#ani@ação empresarial4 em$ora possam 3uncionar
como reaç:es As situaç:es de não cumprimento contratual por parte do empre#ado.
De todas essas teorias4 o$serva;se <ue o Poder Disciplinar apresenta uma intenção
eminentemente intimidativa das in3raç:es ou sanç:es4 o$/etivando dei=ar $em clara a real
posição de su$ordinação do empre#ado no conte=to empresarial4 so$ o /ar#ão popular (0uem
pode manda/ 0uem tem .u51o obedece7G 3a@ com <ue o sistema disciplinar tra$al2ista apro=ime;
se mais do sistema do Direito Penal4 do <ue do sistema do Direito 1dministrativo4 /á <ue neste
(ltimo normalmente a dispensa e a punição do servidor p($lico devem ser motivadas4 com
e=ceção das empresas p($licas e sociedades econKmicas4 <ue desenvolvem atividades
econKmicas 6art. 10!4 par. 14 II4 CF e S(mula !99 do TST7
4
. 4 com 3undamento nos ditames
constitucionais 6art. !0 da CF 74 divorciando;o do sistema de responsa$ilidade civil su$/etiva
6 II ; a su/eição ao re#ime /urídico pr)prio das empresas privadas4 inclusive <uanto aos
direitos e o$ri#aç:es civis4 comerciais4 tra$al2istas e tri$utáriosG
116
ou o$/etiva4 com 3ulcro na culpaOdolo dos arti#os 1*
0
4 10

e 920
9
4 pará#ra3o (nico4 do C)di#o
Civil.
+$serve;se <ue no ,rasil e=iste uma tend.ncia de privati@ação de direitos por parte de
entidades do "stado 6empresas p($licas e sociedades de economia mista7
19
4 <ue $uscam
normas utili@adas pelo empre#ador privado para aplicá;las em relaç:es tra$al2istas
di3erenciadas4 /á <ue nestas situaç:es o empre#ado p($lico celetista B contratado por meio de
aprovação em concurso p($lico e /amais poderia ser dispensado sem motivação4 pois em
assim o 3a@endo 3erem;se os princípios da le#alidade e da moralidade administrativa.
Se toda empresa <ue possui recursos do "stado deve curvar;se perante os princípios
administrativos constitucionais capitulados no art. !0 da CF 6le#alidade4 impessoalidade4
moralidade4 pu$licidade e e3ici.ncia7 não podemos aceitar <ue essas entidades dispam;se do
.us imperium para se i#ualar aos empre#adores da iniciativa privada e4 dessa 3orma4 promover
dispensas imotivadas4 sem 3undamentação4 pois isto B e<uivalente a 3erir princípios
democráticos do "stado de Direito.
4. O Poder Disciplinar no 5rasil
I? !99 ; "ST1,I8ID1D". 1FT. %1 D1 CFO19. C"8"TIST1. 1DEIIISTF1QR+ DIF"T14
15TSFT5IC1 +5 F5ID1CI+I18. 1P8IC1,I8ID1D". "EPF"L1D+ D" "EPF"S1
PU,8IC1 " S+CI"D1D" D" "C+I+EI1 EIST1. II1P8ICSH"8. 6C+IH"FSR+ D1S
+FI"IT1QV"S -5FISPF5D"ICI1IS I?S 229 " 2*' D1 SDI;1 " D1 +FI"IT1QR+
-5FISPF5D"ICI18 I? 22 D1 SDI;27
I ; + servidor p($lico celetista da administração direta4 autár<uica ou 3undacional B $ene3iciário
da esta$ilidade prevista no art. %1 da CFO19.
II ; 1o empre#ado de empresa p($lica ou de sociedade de economia mista4 ainda <ue admitido
mediante aprovação em concurso p($lico4 não B #arantida a esta$ilidade prevista no art. %1
da CFO19.
7 1rt. 1*. 1<uele <ue4 por ação ou omissão voluntária4 ne#li#.ncia ou imprud.ncia4 violar
direito e causar dano a outrem4 ainda <ue e=clusivamente moral4 comete ato ilícito.
8 1rt. 10. Tam$Bm comete ato ilícito o titular de um direito <ue4 ao e=erc.;lo4 e=cede
mani3estamente os limites impostos pelo seu 3im econKmico ou social4 pela $oa;3B ou pelos
$ons costumes.
9 1rt. 920. 1<uele <ue4 por ato ilícito 6arts. 1* e 1074 causar dano a outrem4 3ica o$ri#ado a
repará;lo. Pará#ra3o (nico. >averá o$ri#ação de reparar o dano4 independentemente de
culpa4 nos casos especi3icados em lei4 ou <uando a atividade normalmente desenvolvida
pelo autor do dano implicar4 por sua nature@a4 risco para os direitos de outrem.
10 Hide redação do inciso II da S(mula !99 do Colendo Tri$unal Superior do Tra$al2o
117
+ Poder Disciplinar no ,rasil4 de acordo com a doutrina dominante4 encontra;se em
3ase semi;primitiva no tocante a seu e=ercício pelo empre#ador.
De acordo com Eauricio Lodin2o Del#ado
11
4 não prev. a le#islação ordinária <ual<uer
procedimento especial para a a3erição de 3altas e aplicação de penas no conte=to in3ra;
empresarial4 e=ceto a situação do estável. Euito menos prev. mecanismos de co;participação
e co;responsa$ili@ação no instante de aplicação de penalidades no Dm$ito empre#atício.
1inda se#undo esse autor
12
4 pelo padrão normativo atual4 o empre#ador avalia4
unilateralmente4 a conduta do o$reiro e atri$ui a pena ao tra$al2ador4 sem necessidade de
o$servDncia de um mínimo procedimento <ue l2e asse#ure ampla de3esa do apenado e sem
necessidade de consulta a um )r#ão coletivo o$reiro interno A empresa4 <ue4 raramente e=iste.
+ desnível atual no e=ercício do Poder Disciplinar pelo empre#ador opera com maior
intensidade nas atividades la$orais no setor privado4 no <ual predomina a ampla li$erdade do
empre#ador4 <ue en3ei=a em suas mãos um poder <uase a$soluto4 potestativo4 em uma Bpoca
de desenvolvimento 2ist)rico4 político e cultural em <ue a sociedade /á não tolera mais direitos
a$solutos e <uais<uer 3ormas de discriminação4 especialmente em 3ace de 2ipossu3icientes.
+utrossim4 institutos mais modernos4 como o arti#o %21 do Iovo C)di#o Civil
,rasileira4 disp:e <ue& M1 li$erdade de contratar será e=ercida em ra@ão e nos limites da 3unção
social do contratoN4 os arti#os 109 M1 ordem econKmica4 3undada na valori@ação do tra$al2o
2umano e na livre iniciativa4 tem por 3im asse#urar a todos e=ist.ncia di#na4 con3orme os
ditames da /ustiça social4 o$servados os se#uintes princípios& III J a 3unção social da
propriedade e HIII J o pleno empre#oN e o arti#o 19! da CFO& M1 ordem social tem como $ase
o primado do tra$al2o4 e como o$/etivo o $em;estar e a /ustiça sociaisN privile#iam não apenas
a limitação de poderes a$solutos4 $em como enaltecem a proteção ao valor social do tra$al2o e
da 3i#ura do tra$al2ador.
4." O Poder Disciplinar no setor p3.lico
Como o "stado não pode dissociar;se dos princípios insculpidos na Carta Ea#na de
194 especialmente os elencados no arti#o !04 entre eles4 o da le#alidade4 impessoalidade e
11 Del#ado4 Eauricio Lodin2o. op. Cit.4 p. *02
12 Idem4i$idem4 p. *02 e ss.
118
moralidade4 o le#islador in3raconstitucional 2ouve por $em dispor do Poder Disciplinar do
"stado na 8ei n. .112O994 mais especi3icamente nos arti#os 120 e se#uintes.
+ Processo Disciplinar 1dministrativo está insculpido no art. 1%!4 in verbis6
*7rt. 89:. 7 autoridade 0ue tiver ci4ncia de irre$ularidade no servi-o p"blico ! obri$ada
a promover a sua apura-ão imediata/ mediante sindic;ncia ou processo administrativo
disciplinar/ asse$urada ao acusado ampla defesa3.
+ Supremo Tri$unal Federal emitiu as S(mulas 29 e 21 <ue dão #uarida ao servidor
p($lico4 mesmo durante o está#io pro$at)rio4 <ue consideramos o contrato de e=peri.ncia mais
lon#o do planeta 6art. %1 da CFO& ! anos7.
* <= , > necess(rio processo administrativo/ com ampla defesa/ para demissão de
funcion(rio admitido por concurso.
<8 , Funcion(rio em est($io probat2rio não pode ser e?onerado nem demitido sem
in0u!rito ou sem as formalidades le$ais de apura-ão de sua capacidade3.
Dei=amos de evoluir neste t)pico para não 3u#ir ao nosso tema4 <ue trata
especi3icamente do Poder Disciplinar nas relaç:es la$orais na iniciativa privada.
4.& O Poder Disciplinar no setor pri(ado
C /ustamente este tema o ponto 3ulcral de nosso tra$al2o4 por residir no e=ercício do
Poder Disciplinar do empre#ador nas relaç:es tra$al2istas a maior dissociação e colisão com
os direitos 3undamentais da pessoa 2umana do tra$al2ador4 3erindo princípios $asilares da
Constituição Federal de 19 e mesmo Convenç:es Internacionais da +IT J +r#ani@ação
Internacional do Tra$al2o4 como a Convenção n. 1'4 de 1924 as Fecomendaç:es 1**4 de
192 e a Fecomendação 119
1!
4 de 19*!4 recentemente atuali@ada.
13 "m suas re#ras #erais4 essa Fecomendação assim disp:e so$re a ruptura do pacto la$oral&
*No deber5a procederse a la terminaci2n de la relaci2n de traba.o a menos 0ue e?ista una
causa .ustificada relacionada con la capacidad o la conducta del traba.ador o basada en las
necesidades del funcionamiento de la empresa/ del establecimiento o del servicio3.
De seu arti#o % e=traímos&NEl traba.ador 0ue considere aber sido ob.eto de una terminaci2n
in.ustificada de su relaci2n de traba.o deber5a/ a menos 0ue la cuesti2n a@a sido resuelta de
modo satisfactorio mediante los procedimientos 0ue pudieran e?istir o 0ue puedan
establecerse de conformidad con la presente #ecomendaci2n en la empresa/ establecimiento o
servicio/ tener dereco/ dentro de un pla1o ra1onable/ a recurrir contra su terminaci2n/ asistido/
119
Aomo e?plicar um poder tão amplo e 0uase ilimitado na pessoa do contratante em um
Estado Democr(tico de DireitoW
"m <ue pese os di@eres da Convenção n. 1' da +IT4 prevalece nos países em
desenvolvimento4 entre eles o ,rasil4 a teoria clássica
1%
4 se#unda a <ual a dispensa do
empre#ado B direito potestativo do empre#ador. Iesse sentido4 o empre#ador4 a seu livre
alvedrio4 tem o direito de rescindir o contrato de tra$al2o unilateralmente4 com ou sem motivo4
por<ue o ato /urídico reveste;se de caráter a$soluto4 não comportando oposiç:es4 <uer do
empre#ado4 <uer da autoridade p($lica
1'
.
Io sistema disciplinar tra$al2ista4 no setor privado4 o empre#ador aplica as sanç:es de
advert.ncia4 suspensão disciplinar4 dispensas com e sem /usta causa. "stas duas (ltimas são
aplicadas livremente e As ve@es a$usivamente pelo 3ato de <ue o inciso I4 do arti#o 04 da CF
ainda não 3oi re#ulamentado.
Deve;se o$servar <ue em relação As sanç:es de advert.ncia e de suspensão
disciplinar não encontramos disposição le#al para sua aplicação desmesurada a todos os tipos
de empre#ados. 1 primeira B oriunda dos costumes tra$al2istas e a se#unda4 a suspensão
disciplinar s) B permitida4 pelo pra@o má=imo de !9 dias nos casos envolvendo o tra$al2ador
estável4 para apuração de 3alta #rave. He/amos&
MC8T. 7rt. 9B9. 7 suspensão do empre$ado por mais de := dias consecutivos importa
na rescisão in.usta do contrato de trabalo3
1 suspensão do contrato de tra$al2o4 a nosso sentir4 somente pode ser aplicada nos
tra$al2adores estáveis4 nos casos de instauração de in<uBrito para apuração de 3alta #rave.
Sendo assim4 em uma interpretação sistemática e teleol)#ica4 o$/etivando;se usu3ruir o
3im social da norma 6art. '?. da 8ICC7 4 o arti#o %0% da C8T deve ser interpretado em con/unto
si as5 lo desea/ por una persona 0ue lo represente/ ante un or$anismo instituido en virtud de un
contrato colectivo o ante un or$anismo neutral/ tal como un tribunal/ un (rbitro/ una .unta de
arbitra.e u otro or$anismo an(lo$oN.
Io arti#o ' encontramos& M8) Cos or$anismos mencionados en el p(rrafo 9 deber5an estar
facultados para e?aminar las causas invocadas para .ustificar la terminaci2n de la relaci2n de
traba.o @ todas las dem(s circunstancias relacionadas con el caso @ para pronunciarse sobre la
.ustificaci2n de la terminaci2n3.
14 Iascimento4 1mauri Eascaro. Curso de Direito do Tra$al2o& São Paulo& Saraiva4 29914 p.
!0
15 Santos4 "no<ue Fi$eiro dos. + dano moral na dispensa do empre#ado. !X. "dição. São
Paulo& 8tr4 p. %1
120
com o art. %9% e art. '!4 da C8T4 nunca de 3orma isolada4 como o 3a@ atualmente a doutrina e
/urisprud.ncia.
Di@ o art. %9% da C8T&
*7rt. 9%9. D empre$ado acusado de falta $rave poder( ser suspenso de suas fun-Ees/
mas a sua despedida s2 se tornar( efetiva ap2s o in0u!rito em 0ue se verifi0ue a proced4ncia
da acusa-ão3.
M7rt. FG:. Para a instaura-ão de in0u!rito para apura-ão de falta $rave contra
empre$ado $arantido com estabilidade/ o empre$ador apresentar( reclama-ão por escrito H
Iunta ou Iu51o de Direito/ dentro de := dias/ contados da data da suspensão do empre$ado3.
+s casos e=pressamente previstos de suspensão disciplinar em nosso ordenamento
/urídico são os encontrados no art. 1!1
1*
4 art. !%*
10
6<uímico74 art. ''!
1
6diri#ente sindical74 art.
*24 par. !
19
6auditor 3iscal do tra$al2o74 art. %0*;1 da C8T 6suspensão do empre#ado para
participar em cursos de <uali3icação pro3issional74 suspensão do pa#amento dos salários na
16 1rt. 1!1. Ião será considerada 3alta a serviço 6...7& H ; durante a suspensão preventiva
para responder a in<uBrito administrativo ou de prisão preventiva4 <uando 3or impronunciado
ou a$solvidoG
17 1rt. !%*. Será suspenso do e=ercício de suas 3unç:es4 independentemente de outras penas
em <ue possa incorrer4 o <uímico4 inclusive o licenciado4 <ue incidir em al#uma das
se#uintes 3altas& a7 revelar impro$idade pro3issional4 dar 3also testemun2o4 <ue$rar si#ilo
pro3issional e promover 3alsi3icaç:es4 re3erentes A prática de atos de <ue trata esta SeçãoG
$7 concorrer com seus con2ecimentos cientí3icos para a prática de crime ou atentado contra a
pátria4 a ordem social ou a sa(de p($licaG Pará#ra3o (nico. + tempo de suspensão a <ue
alude este arti#o variará entre um m.s e um ano4 a critBrio do Consel2o Fe#ional de
Tuímica4 ap)s processo re#ular4 ressalvada a ação da /ustiça p($lica.
18 1rt. ''! 6Y7$7 suspensão de diretores por pra@o não superior a !9 6trinta7 diasG
19 1rt. *2. Salvo o disposto nos arts. *20 e *20;14 a toda veri3icação em <ue o 1uditor;Fiscal
do Tra$al2o concluir pela e=ist.ncia de violação de preceito le#al deve corresponder4 so$
pena de responsa$ilidade administrativa4 a lavratura de auto de in3ração.
Z !?. Comprovada má;3B do a#ente de inspeção do tra$al2o4 <uanto A omissão ou lançamento
de <ual<uer elemento no livro4 responderá ele por 3alta #rave no cumprimento do dever4
3icando passível4 desde lo#o4 da pena de suspensão atB !9 6trinta7 dias4 instaurando;se4
o$ri#atoriamente4 em caso de reincid.ncia4 in<uBrito administrativo. 6Iote;se <ue o auditor
3iscal do tra$al2o encontra;se re#ido pela 8ei n. .112O91 J Fe#ime -urídico Unico7
121
#reve 6art. 0
29
da 8ei 00!O9974 $em como os atinentes ao servidor p($lico4 no art. 120
21
da 8ei
.112O99.
1nalisando;se so$ este prisma4 estariam vedadas ao empre#ador4 não devendo ser
suportadas pela /urisprud.ncia4 a aplicação da punição ou sanção disciplinar so$ a modalidade
de MsuspensãoN ao tra$al2ador4 so$ tr.s aspectos& a um4 por 3alta de previsão le#al em nosso
ordenamento /urídicoG a dois4 pelo 3ato de <ual<uer interpretação le#al <ue ten2a por 3im a
punição ou sanção4 se#undo a mel2or doutrina deve ter sempre uma interpretação restritiva4
/amais ampliativa e a tr.s4 pelo 3ato de a suspensão disciplinar implicar em um enri<uecimento
sem causa do empre#ador 6/á <ue não e=iste previsão le#al7 e um pre/uí@o ao empre#ado4 na
medida em <ue este (ltimo dei=a de rece$er seus salários e não conta;se o tempo de serviço
para todos os e3eitos le#ais contratuais.
Io <ue re3ere;se A /usta causa e=iste o sistema ta=ativo4 no <ual o art. %2 da C8T
apresenta um rol de situaç:es 3áticas so$ o 3oco da tipicidade le#al4 <ue ainda poderia ser
acrescentado das situaç:es de dívida contuma@ do tra$al2ador $ancário 6art. '9
22
da C8T74
2o/e muito contestado pela doutrina e /urisprud.ncia4 3raude na o$tenção do vale transporte
2!
pelo empre#ado <ue deslealmente in3orma endereços 3alsos e4 recusa do empre#ado em usar
os e<uipamentos de proteção individual 6"PIs7
2%
. 1 multa como sanção disciplinar não B
permitida no ,rasil4 e=ceto aos atletas pro3issionais4 con3orme a 8ei 9.*1'O94 atB o limite de
%9[ do salário.
1 ri#or4 na aplicação de sanç:es ao empre#ado4 o Poder Disciplinar do empre#ador
nas relaç:es privadas&
• Funciona como uma /ustiça privadaG
20 1rt. 0?. +$servadas as condiç:es previstas nesta 8ei4 a participação em #reve suspende o
contrato de tra$al2o4 devendo as relaç:es o$ri#acionais durante o período ser re#idas pelo
acordo4 convenção4 laudo ar$itral ou decisão da -ustiça do Tra$al2o.
21 1rt. 120. São penalidades disciplinares& I ; advert.nciaG II ; suspensãoG III ; demissãoG IH ;
cassação de aposentadoria ou disponi$ilidadeG H ; destituição de car#o em comissãoG HI ;
destituição de 3unção comissionada.
22 1rt. '9. Considera;se /usta causa4 para e3eito de rescisão de contrato de tra$al2o de
empre#ado $ancário4 a 3alta contuma@ de pa#amento de dívidas le#almente e=i#íveis.
23 Decreto n. 9'.2%0O0. 1rt. 0 6...7 Z 2?. + $ene3iciário 3irmará compromisso de utili@ar o Hale;
Transporte e=clusivamente para seu e3etivo deslocamento resid.ncia;tra$al2o e vice;versa.
Z !?. 1 declaração 3alsa ou o uso indevido do Hale;Transporte constituem 3alta #rave.
24 1rt. 1' 6C8T7. Ca$e aos empre#ados. 6...7 Pará#ra3o (nico. Constitui ato 3altoso do
empre#ado a recusa in/usti3icada& a7 A o$servDncia das instruç:es e=pedidas pelo
empre#ador na 3orma do item II do arti#o anteriorG $7 ao uso dos e<uipamentos de proteção
individual 3ornecidos pela empresa.
122
• + empre#ador posta;se como /ui@G
• 1cumula as prerro#ativas de /ui@ e empre#ador4 titular a$soluto deste poderG
• 1 aplicação da pena B #eralmente $aseada em 3atores meramente su$/etivosG
• 5tili@a;se de seu poder discricionário4 com $ase em /uí@o de conveni.ncia e
oportunidade no /ul#amento e aplicação da penalidade ao empre#adoG
• + tra$al2ador B ao mesmo tempo a vítima da in3ração e da punição e credor da
prestação la$oral.
Io direito pátrio4 na aplicação de sanç:es ao empre#ado4 o /ui@ do MprocessoN para
apuração da autoria e materialidade do delito do empre#ado nos casos patol)#icos do
vínculo la$oral B o pr)prio empre#ador4 o <ue não apresenta paralelo no domínio
penal4 e muito menos do domínio do Direito 1dministrativo4 /á <ue tenderá a aplicar a
pena <ue mel2or l2e conven2a4 so$ ponto de vista empresarial4 e não em 3unção da
#ravidade da in3ração e da culpa do o$reiro4 na medida em <ue B a ele a <uem ca$e
a3erir em concreto a proporcionalidade e a ra@oa$ilidade4 tendo;se ainda em
consideração a 3ra#ilidade do empre#ado4 <ue encontra;se diminuído pelo receio da
perda de seu lu#ar na empresa.
C )$vio <ue raramente o poder discricionário do empre#ador utili@a;se das re#ras
da ra@oa$ilidade e proporcionalidade em cada in3ração e respectiva sanção4 /á <ue
ca$e ao empre#ador determinar a #ravidade da in3ração e a culpa$ilidade do
empre#ado in3rator.
De outra parte4 não podemos olvidar a incid.ncia patrimonial no caso de dispensa
ou de suspensão do empre#ado4 /á <ue em am$os os casos o empre#ado terá uma
perda patrimonialG se/a pela perda total do salário na dispensa4 se/a pela perda de
renda dos dias em <ue o contrato de tra$al2o estará suspenso.
C di#no de re#istro <ue a pena imposta pelo empre#ador ao o$reiro4 #eralmente
2ipossu3iciente4 B imposta de maneira unilateral4 sem <ual<uer prB;aviso4 não tendo o
o$reiro o direito ao contradit)rio e A ampla de3esa
2'
4 princípios constitucionais
#arantidos a todos.
25 1rt. ' CFO. 8H ; aos liti#antes4 em processo /udicial ou administrativo4 e aos acusados em
#eral são asse#urados o contradit)rio e ampla de3esa4 com os meios e recursos a ela
inerentesG e 8III ; nin#uBm será processado nem sentenciado senão pela autoridade
competente.
123
1dicione;se a esse cenário4 <ue o empre#ado #eralmente não tem direito a
recursos administrativos e /udiciais As penalidades <ue l2e são impostas e o
empre#ador não so3re <ual<uer punição por eventual e=a#ero na sanção4 desvio ou
a$uso de poder4 a não ser por meio da prestação /urisdicional do "stado4 na maioria
das ve@es e=tremamente lenta e ine3ica@ para corri#ir in/ustiças.
Dessa 3orma4 o Mpoder disciplinarN consiste na aplicação de várias sanç:es pelo
empre#ador ao empre#ado pela <ue$ra de re#ras de comportamento esta$elecidas
pela le#islação4 normas internas da empresa4 se/a e=istente no re#ulamento de
empresa ou em <uadro de avisos4 se/a atravBs de ordens ver$ais.
Portanto4 não e=iste na lei tra$al2ista $rasileira4 salvo a suspensão disciplinar do
tra$al2ador estável 6C8T4 art. %0%74 uma #radação das sanç:es aplicáveis aos
empre#ados4 em$ora possa 2aver previsão nas re#ras internas4 por meio de
re#ulamento empresarial ou ne#ociação coletiva de tra$al2o.
4., 6#rispr#d7ncia0 8#l-ados recentes so.re o Poder Disciplinar
Transcrevemos a se#uir4 al#uns /ul#ados de nossos Pret)rios4 <ue alude ao Poder
Disciplinar&
-5ST1 C15S1 J 15S\ICI1 D" PF+P+FCI+I18ID1D" "ITF" + 1T+
F18T+S+ " 1 P5IIQR+ 1P8IC1D1 J Ia esteira da $oa doutrina e da mel2or
/urisprud.ncia o poder disciplinar do empre#ador não deve a$dicar do caráter
peda#)#ico da pena4 so$ pena de consa#rar;se a ar$itrariedade do ato demissionário4
<ue deve ser rec2açado pelo poder /udiciário a 3im de <ue se recompon2am as
#arantias le#ais de indeni@ação con3eridas aos tra$al2adores demitidos sem /usta
causa. 6TFT 19X F. J F+ 91209;299';99';19;99;9 J 2X T. J Fel. -ui@ ,rasilino Santos
Famos J -. 9'.90.299*7 -C8T.1 -CPC.!!! -CPC.!!!.I
F5PT5F1 C+ITF1T518 J -5ST1 C15S1 IR+ C+IFIL5F1D1 J 1us.ncia de
proporcionalidade entre a conduta do empre#ado e a pena má=ima. Para a
con3i#uração da despedida motivada B imprescindível a proporcionalidade entre a
conduta e a punição. Como se não $astasse4 a dispensa por /usta causa aplicada
so$re o empre#ado <ue envolveu;se em $ri#a 3ora da empresa4 em um 3eriado4 As
124
29&99 2oras4 a3ronta tam$Bm o princípio da ra@oa$ilidade4 <ue norteia as ci.ncias
/urídicas como um todo4 pois apesar de ser do empre#ador o poder diretivo 6e o poder
disciplinar4 en<uanto seu su$;produto74 este deve ser mane/ado com $om senso. +
a$uso do e=ercício do direito4 por parte do empre#ador4 atrai os e3eitos do art. 9?
Consolidado. 1cresça;se4 ainda4 o 3ato de o o$reiro /amais ter sido punido
disciplinarmente durante os cinco anos <ue durou o contrato4 o <ue 3a@ presumir
conduta irrepreensível durante todo o contrato. -usta causa não caracteri@ada. 6TFT 2X
F. J F+ 9299;2999;!12;92;99 J 6299'9*%9*27 J %X T. J Fel. pOo 1c. -ui@ Paulo
1u#usto Camara J D+"SP 1!.12.299'7 -C8T.9
1DEIIISTF1TIH+ J 1LF1H+ IIT"FI+ "E 1P"81QR+ J
F"SP+IS1,I8ID1D" CIHI8 D+ "ST1D+ J IID"II]1QR+ J PF+C"SS+
1DEIIISTF1TIH+ DISCIP8II1F J "^"FC_CI+ F"L581F D" DIF"IT+
D"C+FF"IT" D+ P+D"F DISCIP8II1F II"F"IT" ` 1DEIIISTF1QR+ PU,8IC1
J F"C5FS+ D"SPF+HID+ J 1. Fe3lete e=ercício re#ular de direito4 não ense/ando
reparação4 a atuação da administração p($lica consistente no a3astamento preventivo
de servidor e na instauração de sindicDncia4 tendo em vista <ue tais provid.ncias4 alBm
de e=pressamente previstas na le#islação estadual4 estão lastreadas no e=ercício do
poder disciplinar administrativo. Incid.ncia do art. 1*94 inciso I4 do CCO191*4 <ue vi#ia A
Bpoca dos 3atos. 2. Fecurso con2ecido e desprovido. 6T-"S J 1#F#;1C 92%90991991%
J 1X C.Cív. J Fel. Des. 1rnaldo Santos Sou@a J -. 20.9!.29907-CC,.1*9 -CC,.1*9.I
P+D"F DISCIP8II1F J I"C"SSID1D" D" LF1D1QR+ J 1 #radação de
penalidades B o mecanismo de reali@ação do caráter peda#)#ico do e=ercício do poder
disciplinar. Ião o$stante o critBrio peda#)#ico de #radação de penalidades não se/a
a$soluto e universal 6B possível a ocorr.ncia de 3altas <ue4 por sua intensa e en3ática
#ravidade4 propiciem de imediato a aplicação da pena má=ima74 as puniç:es aplicadas
no Dm$ito empre#atício t.m de ser #radualmente dosadas4 em proporção crescente4
desde a penalidade mais $randa atB a mais elevada4 <ue B a demissão por /usta
causa. 6TFT X F. J F+ 9901;299*;190;9;99;' J !X T. J Fel. -ui@ Earia "dilene de
+liveira Franco J -. 11.19.299*7
D1I+ E+F18 J advert.ncias e suspensão. IID"II]1QR+ J 1 comunicação ao
empre#ado <uanto aos erros cometidos4 lo#o <ue detectados pela
con3er.nciaOmonitoria4 encontram;se dentro do poder de 3iscali@ação e disciplina do
empre#ador na direção do tra$al2o Io entanto4 #ravíssimo o 3ato de suspender um dia
de tra$al2o4 a cada ! advert.ncias por erro de di#itação4 e3etuando descontos no
125
salário4 pois a reclamada não trou=e aos autos os procedimentos internos da empresa
ou seu re#ulamento. Proced.ncia parcial. F"C5FS+ P1FCI18E"IT" PF+HID+.
6TFT 2X F. J F+ 99*9;299!;9%9;92;99 J 6299*99%1*7 J 12X T. J FelX -uí@a Sonia
Earia Prince Fran@ini J D+"SP 91.12.299*7 -C8T.02
C+ITF1T+ D" TF1,18>+ S5SP"IS+ ; -5ST1 C15S1 ; Durante a
suspensão4 continua vi#ente o contrato de tra$al2o e4 em$ora as o$ri#aç:es principais
das partes4 <uais se/am4 a do empre#ado de tra$al2ar e a do patrão de remunerar4 não
se/am e=i#íveis4 2á o$ri#aç:es acess)rias <ue permanecem e4 na eventualidade de
essas serem violadas4 poderá o contrato ser rescindido por culpa da parte. 6TFT12X F.
; Proc. F+;H1 999*;2999;99!;12;99;9 ; 1c. 1!%%9O92 ; 1X T ; Fel. -ui@ Lerson Paulo
Ta$oada Conrado ; D-SC 92.12.29927
Direito de Lreve ; Pa#amento dos Dias Parados ; Suspensão do Contrato de
Tra$al2o ; "3eitos ; 1rt. 0? da 8ei 0.0!O9 ; +s salários durante a suspensão contratual
decorrente de #reve são indevidos4 e=ceto se 2ouver previsão em acordo4 convenção4
laudo ar$itral ou decisão normativa4 con3orme disp:e o art. 0?4 da 8ei de #reve. 1
e=pressão adecisão da -ustiça do Tra$al2oa4 na parte 3inal do dispositivo em de$ate4
deve ser entendida como sentença normativa4 e não decisão em dissídio individual.
6TST ; FF 2%2.!9%O9*.2 ; 1c. 'X T. *.990O90 ; Fel. Ein. Ielson Dai2a ; D-5
19.19.19907
+ a3oramento de in<uBrito para apuração de 3alta #rave deve ser levado a e3eito
dentro de trinta dias4 a contar da suspensão do empre#ado estável4 so$ pena de
decad.ncia4 a teor do <ue disp:e o art. '! da C8T e con3orme entendimento
/urisprudencial dominante4 consu$stanciado em ver$ete da Suprema Corte Federal
6S(mula n? %9! do STF7 e do C. TST 6"nunciado n? *27. Portanto4 o empre#ador não
pode propor o in<uBrito senão dentro do pra@o le#al citado4 atendendo4 assim4 ao
princípio da atualidade. Se a propositura do in<uBrito 3or tardia4 a inBrcia do
empre#ador deverá ser entendida como perdão tácito4 não mais podendo ser discutida
a<uela 3alta #rave. +$viamente4 se a lei estipulou um pra@o certo para a parte a#ir
/udicialmente4 trata;se de pra@o de decad.ncia. + a/ui@amento da ação interrompe a
prescrição. "ntendimento <ue decorre do disposto no arti#o 102 do anti#o C)di#o
Civil. 1 decad.ncia4 porBm4 não se interrompe4 nem se suspende. Portanto4 o
a/ui@amento do in<uBrito anterior não interrompeu o pra@o decadencial de trinta dias
contados da suspensão do empre#ado. 6TFT2X F. ; F+ 299992!909' ; 1c.
299%91!''!9 ; 'X T. ; Fel. TDnia ,i@arro Tuirino De Eorais ; D+"SP 1*.9%.299%7
126
S5SP"ISR+ D+ "EPF"L1D+ ; P5IIQR+ 1,5SIH1 ; D"C81F1QR+ D"
I58ID1D" ; 8IEIT" 1+ P+D"F P1TF+I18 D" DIF"QR+ " DISCIP8II1 ; C certo
<ue o empre#ador detBm poderes inerentes A sua atividade4 dentre eles o diretivo e
disciplinar. "ntretanto4 não B menos certo <ue tais poderes encontram limitaç:es e4
<uando e=ercidos de 3orma a$usiva e <uestionados /udicialmente4 so3rem os e3eitos da
declaração de nulidade do ato punitivo4 uma ve@ <ue ao -uí@o B vedado dosar4 redu@ir
ou aumentar a penalidade aplicada pelo empre#ador. In casu4 restou comprovado <ue
o reclamante4 estando le#almente a3astado de suas 3unç:es e no pleno e=ercício de
sua atividade sindical4 adentrou nas depend.ncias da reclamada4 tendo distri$uído4 aos
cole#as4 /ornal de pu$licação da entidade sindical4 contendo notícias de interesse da
classe. Ião 2á no acervo pro$at)rio comprovação de <ue tal ato4 por si s)4 ten2a
comprometido o $om andamento da dinDmica empresarial4 capa@ de respaldar a
punição de vinte cinco dias de suspensão aplicada pelo empre#ador. 1 penalidade B
a$usiva e passível de nulidade4 mormente <uando se veri3ica <ue o empre#ado estava
no e=ercício de sua atividade sindical4 acrescendo;se4 ainda4 <ue não 2á prova de <ue
o 1utor ten2a sido anteriormente punido4 não o$stante la$orar por mais de <uin@e anos
na empresa. Destarte4 a declaração da nulidade do ato se imp:e com o conse<Pente
pa#amento ao reclamante dos respectivos dias. Fecurso empresário desprovido.
6TFT!X F. ; F+;*1O9! 91%!*;2992;992;9!;99;2 ; 'X T ; FelX. -uí@a Earia Cristina
Dini@ Cai=eta ; D-EL 1'.9!.299!7
Suspensão ; Penalidade de Suspensão ; Fi#or "=cessivo ; Deve ser anulada
a suspensão aplicada ao empre#ado4 <uando restar comprovado o ri#or e=cessivo por
parte do empre#ador4 mormente <uando revestido de laivos de perse#uição ao o$reiro.
6TFT11X F. ; F+ 1.99%O9* ; 1c. !.190O90 ; 1E ; FelX -uí@a Hera 8(cia CDmara de Sá
Pei=oto ; D+"1E 2!.99.19907
Suspensão de empre#ado. 1us.ncia de tipi3icação le#al. Interpretação
su$/etiva dos 3atos e redução da pena pelo /ui@. Impossi$ilidade. + /ui@ não tem poder
para aumentar4 diminuir ou dosar penalidades4 sem <ue o 3ato este/a previsto na
le#islação. "le deve analisar o 3ato e ade<uá;lo A norma /urídica. Se n%o ho#(er
norma 8#r'dica pre(endo p#ni$%o9 o :ato n%o ; p#n'(el e <#al<#er p#ni$%o ser=
in8#sta. Eas se o 3ato 3or punível com pena maior4 e o empre#ado rece$eu pena
menor4 o /ui@ deverá manter a puniçãoG e se o 3ato era punível com pena menor4 e o
empre#ado rece$eu pena maior4 s) assim poderá redu@ir a pena ao limite previsto na
le#islação. "m nen2uma 2ip)tese poderá o /ui@ aumentar ou redu@ir pena4 se não
constatar a ocorr.ncia de in3ração <ue possa ser en<uadrada em al#um dispositivo da
le#islação tra$al2ista. 1c)rdão n. 299%9%009. Processo TFTOSP
127
99%0029922'%92992. 91O99O299%. F+. %X. HT Cu$atão. Felator& -ui@ 8ui@ "d#ar Ferra@
de +liveira. Grifo nosso
"m seu voto no ac)rdão acima mencionado4 8ui@ "d#ar Ferra@ de +liveira
mani3estou;se no sentido de <ue Ma lei $rasileira não autori@a a aplicação de penas
constritivas do tra$al2o4 e=ceto em determinadas situaç:es4 em <ue o empre#ador
pode suspender o contrato atB !9 dias para apuração de 3alta #rave4 con3orme se e=trai
da leitura dos arts. %0% e '! da C8T. "ste (ltimo arti#o permite a suspensão do
contrato J o <ue e<uivale A suspensão do pr)prio empre#ado J por atB !9 dias4 para a
instauração do in<uBrito para apuração de 3alta #rave. " o art. %0% disp:e <ue a
suspensão por mais de !9 dias importa em rescisão indireta do contrato de tra$al2o.
"sses dispositivos t.m de ser vistos em con/unto e não separadamente. C e<uivocada4
data v.nia4 a idBia de <ue4 com $ase no art. %0% da C8T4 o patrão pode suspender o
empre#ado 14 ou 24 ou 194 ou 294 ou !9 dias4 de acordo com seu critBrio su$/etivo. 1s
in3raç:es tra$al2istas4 desde a mais leve atB a mais a#uda4 <ue condu@ A rescisão do
contrato4 devem estar re#uladas e=clusivamente na lei. " a lei tra$al2ista não dá
autori@ação ao empre#ador de suspender empre#ado com 3inalidade de puni;lo. 1s
advert.ncias4 os serm:es4 os avisos4 as suspens:es etc.4 são todas medidas de
caráter administrativo <ue o empre#ado pode aceitar ou não. Hindo A -ustiça reclamar4
compete ao /ui@ decidir se o ato do empre#ado 3oi #rave o su3iciente para a rescisão do
contrato4 ou não. 6...7 Se4 porBm4 o ato não representou in3rin#.ncia a nen2um preceito
le#al4 ou contratual4 a punição deve ser cancelada4 assim como seria con3irmada se o
ato 3osse #rave e 2ouvesse a dispensa. 6...7 Se o 3ato representou indisciplinar ou
insu$ordinação4 o correto seria aplicar o art. %2 da C8T4 o <ue não 3oi 3eito. 8o#o4 a
suspensão por !9 dias decorreu de interpretação su$/etiva dos 3atos4 sem respaldo
le#al. Dou provimento ao recurso do reclamante a 3im de tornar sem e3eito a ile#al
suspensãoN.
4./ Correntes Do#trin=rias e 6#rispr#denciais so.re o Poder Disciplinar
Ia doutrina e na /urisprud.ncia encontramos duas correntes <ue procuram
em$asar o Poder Disciplinar do empre#ador. He/amos&
1 primeira corrente4 de tend.ncia ma/oritária4 tende a aceitar como implícito <ue o
Poder Disciplinar emana do Poder de Direção4 e destarte4 o empre#ador pode aplicar
sanç:es disciplinares ao empre#ado4 de 3orma unilateral4 analisando o caso concreto4
128
desde <ue com ra@oa$ilidade e $om senso4 mesmo sem respaldo le#al e com
3undamento apenas nos costumes tra$al2istas.
1ssim sendo4 para essa corrente4 ocorrendo 3alta ou in3ração pelo empre#ado4 no
curso do contrato de tra$al2o4 utili@ando;se de seu poder discricionário e com $ase em
3atores puramente su$/etivos4 se a empresa não se o$ri#ou de 3orma diversa por
re#ulamento interno
2*
4 o empre#ador poderá relevar a in3ração 6perdão tácito74 como
tam$Bm aplicar as sanç:es de& advert.ncia ver$al4 advert.ncia escrita4 suspensão
#radual e crescente ou dispensas sem e com /usta causa.
Para uma se#unda corrente s) se admite a imposição das penas ou in3raç:es aos
empre#ados pelo empre#ador4 <ue este/am devidamente tipi3icadas na lei4 ou se/a4
com e=pressa previsão le#al4 com 3ulcro no $rocardo romano *nullum crimen nula
poena sine le$eN4 nos arti#os 1?
20
do C)di#o Penal e '?.4 inciso ^^I^
2
e II
29
4 da
Constituição Federal de 194 ou se/a4 nos Princípios da 8e#alidade e da anterioridade4
<ue respaldam o "stado Democrático de Direito e não admitem /uí@o de e=ceção4 nem
<ue al#uBm se/a sentenciado senão por autoridade competente4
"ssa se#unda corrente4 A <ual nos 3iliamos4 em$ora com a$randamentos4 tam$Bm
apresenta como respaldo o 3ato de <ue o "stado para aplicar sanç:es a seus
servidores
!9
t.m de recorrer A sindicDncia e ao processo administrativo4 com ampla
de3esa e contradit)rio4 consoante arts. 120 e se#uintes da 8ei n. .112O99.
1creditamos <ue essa se#unda corrente se coaduna não apenas com um
verdadeiro "stado Democrático de Direito4 como tam$Bm com o princípio da di#nidade
26 I? 00 ; P5IIQR+
Iula B a punição de empre#ado se não precedida de in<uBrito ou sindicDncia internos a <ue se
o$ri#ou a empresa por norma re#ulamentar.
27 1rt. 1?. Ião 2á crime sem lei anterior <ue o de3ina. Ião 2á pena sem prBvia cominação
le#al.
28 1rt. '. Inciso ^^^I^ ; não 2á crime sem lei anterior <ue o de3ina4 nem pena sem prBvia
cominação le#al 6CFO7
29 1rt. '4 Inciso II ; Mnin#uBm será o$ri#ado a 3a@er ou dei=ar de 3a@er al#uma coisa senão em
virtude de leiN
30 C di#no de nota <ue em 92 de a#osto de 29904 o Supremo Tri$unal Federal4 concedeu
liminar em 1DII n. 21!'4 para suspender a e3icácia do art. !9 da CFO4 alterado pela
"menda Constitucional n. 19O94 promovendo a repristinação da anti#a redação do art. !9
da CFO. Hale di@er4 com e3eito e?,nunc4 atB o /ul#amento do mBrito4 os entes da
1dministração P($lica Direta4 autár<uica e 3undacional4 a partir da<uela data4 apenas
poderão contratar servidores pelo re#ime /urídico (nico4 ou se/a4 de 3orma estatutária4 e não
mais como empre#ados p($licos4 re#idos pela C8T.
129
da pessoa 2umana do tra$al2ador4 impondo ao poder disciplinar uma sBria limitação4 /á
<ue deverá estar 3undamentado em 3atores o$/etivos e muitas ve@es passar pelo crivo
da ne#ociação coletiva de tra$al2o.
5ma terceira corrente ainda admite <ue o empre#ador4 no uso do Poder
Disciplinar4 o$/etivando manter a ordem4 o ri#or4 a autoridade4 2armonia e os 3ins do
empreendimento tem o direito de promover4 a seu livre alvitre4 a imposição de penas ao
tra$al2ador in3rator4 desde <ue se/a por meio de uma #radação em ordem crescente.
Hale di@er& nas in3raç:es mais leves aplica;se a pena de advert.ncia ver$alG em caso
de reincid.ncia4 a pena de advert.ncia por escritoG posteriormente a suspensão por 1
diaG lo#o a se#uir por 2 ou ! dias e assim por diante. Ias in3raç:es mais #raves4 aplica;
se a dispensa por /usta causa 6art. %2 da C8T74 uma ve@ percorrido o iter retro
mencionado.

7. O Poder Disciplinar no Direito Estran-eiro
C e=tremamente #rati3icante a3erir <ue no Direito "stran#eiro /á e=iste uma
3orte tend.ncia de limitar o Poder Disciplinar do empre#ador em consonDncia com os
princípios da li$erdade4 da di#nidade da pessoa 2umana e da não;discriminação4 o <ue
B 3eito na prática pela discussão com or#ani@aç:es sindicais o$reiras4 por meio da
ne#ociação coletiva de tra$al2o4 $em como com comiss:es internas. "=traímos da
o$ra de Earia do Fosário Palma Famal2o
!1
uma síntese das principais tend.ncias
so$re a matBria no Direito "stran#eiro e as transcrevemos a$ai=o4 como se#ue&
>." O Poder Disciplinar na Alemanha
Ia 1leman2a4 a doutrina mais recente tende a admitir o poder disciplinar
apenas <uando ele se/a e=pressamente previsto e re#ulado nos contratos de tari3a ou nos
acordos de empresa4 sendo admitidos acordos coletivos especi3icamente so$re matBria
disciplinar.
31 Famal2o4 Earia do Fosário Palma. op. Cit.
130
Ios termos do direito de intervenção dos tra$al2adores na #estão da empresa4
e=ercido por meio do Consel2o de "mpresa 6Jetriebsrat) não são admitidas 3ormas unilaterais
de aplicação de puniç:es ou sanç:es aos tra$al2adores.
0.2 O Poder Disciplinar na Espanha
+ Estatuto de los traba.adores esta$elece um sistema #radativo de in3raç:es e
de sanç:es disciplinares4 por meio do <ual e=i#e comunicação escrita do procedimento
sancionat)rio relativo As in3raç:es de maior #ravidade.
Permite a impu#nação /udicial das sanç:es aplicadas aos tra$al2adores. +
"statuto ainda admite a dispensa por motivos disciplinares4 <uando se veri3i<ue uma 3alta #rave
e culposa ou dolosa do empre#ado.
1s convenç:es coletivas de tra$al2o na "span2a dedicam um capítulo
e=clusivo A matBria disciplinar4 impondo4 dessa 3orma4 uma limitação ao poder disciplinar do
empre#ador.
0.! O Poder Disciplinar Port#-#7s
De acordo com Earia do Fosário Palma Famal2o
!2
4 o direito portu#u.s não
3ornece um conceito de sanção disciplinar4 mas esta$elece a tipolo#ia das sanç:es4 num
crescendo de #ravidade. Inclui a repreensão oral4 a repreensão re#istrada4 a multa4 a
suspensão com perda de retri$uição e o despedimento imediato por /usta causa.
+ sistema la$oral portu#u.s4 se#undo a mesma autora4 tam$Bm permite o
esta$elecimento de outras sanç:es por meio da ne#ociação coletiva de tra$al2o4 inclusive o
esta$elecimento de novas sanç:es4 desde <ue com a salva#uarda dos direitos e #arantias dos
tra$al2adores.
"m Portu#al4 as convenç:es coletivas de tra$al2o recon2ecem a e=ist.ncia do
poder disciplinar4 de titularidade do empre#ador4 delimitando4 contudo4 a 3orma concreta do
e=ercício deste poder4 limitação essa operada pela via su$stantiva e pela via ad/etiva.
32 Idem4 i$idem4 op. cit.
131
1 via su$stantiva recai na matBria4 no conte(do das in3raç:es4 ou se/a4 na
tipolo#ia das sanç:es disciplinares. 1 in3ração disciplinar B vista como uma in3ração disciplinar
administrativa4 sendo <ue al#umas convenç:es coletivas de tra$al2o admitem in3ração de
multa e de suspensão do contrato de tra$al2o4 sem retri$uição. +utras convenç:es coletivas
não admitem a in3ração de multa.
Por meio da via su$stantiva4 <ue na prática trata da criação da norma /urídica
<ue vai re#ular o comportamento dos su/eitos do contrato de tra$al2o4 impondo limites ao poder
diretivo do empre#ador4 determina;se tam$Bm as causas de e=clusão da responsa$ilidade
disciplinar do empre#ado4 os aspectos civis e criminais da in3ração disciplinar4 as circunstDncias
atenuantes e a#ravantes4 o comportamento pre#resso do tra$al2ador4 se dili#ente ou não4 $em
como a aus.ncia de pre/uí@o #rave para o empre#ador.
Todos esses 3atores serão considerados na aplicação da sanção disciplinar ao
empre#ado.
-á por meio da via ad/etiva ou instrumental4 visuali@amos um re3orço das
#arantias de de3esa do empre#ado. Hale di@er4 2á uma orientação no sentido de
responsa$ili@ação do empre#ador no e=ercício da ação disciplinar4 para <ue se evitem a$usos
ou e=cesso de poder e desvios de 3inalidade. Se 2ouver e=cesso4 dolo ou culpa do
empre#ador4 o mesmo poderá ser responsa$ili@ado por danos materiais e morais.
Pela via ad/etiva4 a ne#ociação coletiva de tra$al2o rea3irma a e=ist.ncia le#al
do processo disciplinar para aplicação de <ual<uer tipo de sanção ao empre#ado4 e=ceto nos
casos de sanç:es mais leves4 como advert.ncia e repreensão ver$al. Para as demais
in3raç:es4 serão aplicadas as re#ras processuais le#almente previstas para o processo de
despedimento com /usta causa4 <ual<uer <ue se/a a sanção disciplinar4 2avendo a li$erdade de
outras convenç:es coletivas alterarem parcialmente essas re#ras.
+$serva;se <ue o sistema portu#u.s alBm de imprimir e=pressiva limitação ao
Poder Disciplinar do empre#ador4 atenta para os princípios do contradit)rio e ampla de3esa4
inerentes aos re#imes democráticos4 $em como dei=a claro <ue os empre#adores poderão ser
responsa$ili@ados na imputação e=cessiva da pena ou com laivos de a$uso de poder4 em
2omena#em ao princípio da di#nidade da pessoa 2umana.
1inda no <ue respeita ao Poder Disciplinar no Direito "stran#eiro4 1lice
Eonteiro de ,arros
!!
nos ensina <ue Mocorre nesta instDncia do poder empre#atício o mesmo
processo /á perce$ido nas demais mani3estaç:es de tal poder. 1 democrati@ação da sociedade
33 ,arros4 1lice Eonteiro de. Proteção A intimidade do empre#ado. São Paulo& 8tr4 1990 p.
1!0
132
política ocidental e a pr)pria democrati@ação do sistema de poder prevalecente dentro da
empresa t.m levado a um crescente contin#enciamento do poder disciplinar no Dm$ito da
relação de empre#o. Desse modo4 tal como o poder diretivo 6e se se <uiser4 o re#ulamentar e o
poder de controle74 o poder disciplinar tam$Bm tem sido o$/eto de crescente democrati@ação4
em especial nas e=peri.ncias mais consistentes da Democracia ocidental. "sse processo de
democrati@ação consiste4 na verdade4 em uma tend.ncia #lo$al nos países centrais. 1 título de
ilustração4 B o <ue se perce$e na Itália. Com suporte na e=peri.ncia /urídica das (ltimas
dBcadas4 FIH1 S1IS"H"FII+ aponta4 <uanto ao poder disciplinar4 a aadoção de vários
temperamentos da autonomia do empre#adorG inicialmente4 a constante disciplina da matBria
por contrato coletivo4 e a conse<Pente especi3icação apriorística e o$/etiva das sanç:es
disciplinares <ue podem ser in3li#idasG em se#uida4 a necessária comunicação ao tra$al2ador
da 3alta disciplinar4 e a possível intervenção das Comiss:es Internas 6...7 ou das
representaç:es sindicais 6...7a 1 prop)sito4 o "statuto dos Direitos dos Tra$al2adores4 na Itália
68ei n? !99O0974 avançou tanto nessa democrati@ação4 atenuando o unilateralismo e assimetria
do poder intra;empresarial4 <ue 2ouve /uristas4 como C"C_8I1 1SS1ITI e LI5S"PP" P"F14
<ue en=er#aram atB mesmo um a#olpe de mortea des3eito pelo novo diploma le#al no poder
disciplinar.
8. Tend7ncias de limita$%o do Poder Disciplinar do Empre-ador0 a tese do ?Poder
Disciplinar Compartilhado@.
Perce$e;se4 especialmente nos países de economia avançada4 uma crescente
e s)lida preocupação no sentido de asse#urar a de3esa do tra$al2ador no processo disciplinar4
<ue denominamos de Poder Disciplinar Aompartilado4 cu/as principais características mais
recentes podemos discriminar como&
● 1 aplicação da sanção disciplinar deverá4 o$ri#atoriamente4 ser precedida da
instauração de um processo 6id.ntico ao processo administrativoOsindicDncia74
tendente a apurar a #ravidade da in3ração e a culpa$ilidade do in3rator4 e a
determinar a pena ade<uada ao caso concreto4 com 3ulcro na
ra@oa$ilidadeOproporcionalidade.
● "sse procedimento apro=ima o Processo Disciplinar nas relaç:es privadas
tra$al2istas ao Processo Penal e 1dministrativo na apuração da autoria e
materialidade da in3ração cometida pelo tra$al2ador.
133
● concessão de pra@os mais amplos ao tra$al2ador para o e=ercício de ampla
de3esa e do contradit)rioG
● possi$ilidade de de3esa escrita em todos os casos de in3raç:es disciplinares
impostas pelo empre#ador4 atB mesmo as mais leves4 como advert.nciasG
● e=i#.ncia de comunicação ao sindicato pro3issional ou comissão de tra$al2adores4
de todos os trDmites do processo disciplinar4 se/a <ual 3or a sanção a ser aplicada4
e não apenas nos casos de dispensa do empre#adoG
● responsa$ili@ação do empre#ador por a$uso de direito ou e=cessos na aplicação
de medidas disciplinares em 3ace dos empre#ados4 considerando os aspectos da
responsa$ilidade civil su$/etivaG
● e=i#i$ilidade le#al de emissão de nota de culpa le#almente prevista para o
processo de dispensa4 em todos os casos4 da mesma 3orma como ocorre no Direito
Penal e Direito 1dministrativoG
● Iecessidade de 3undamentação 6motivação7 da decisão disciplinar pelo
empre#adorG
● respeito A M/urisprud.nciaN de casos disciplinares anteriores4 ou se/a4 respeito pelo
princípio da e<uival.ncia ou paridade de tratamento4 em relação As in3raç:es
disciplinares anteriores id.nticas para a determinação da sanção a ser aplicada.
Ião podemos olvidar <ue em se tratando de aplicação de punição ao tra$al2ador4
a doutrina mais a$ali@ada orienta;se no sentido de <ue a interpretação deverá ser
sempre restritiva4 /amais ampliativa.
● em al#uns casos4 os instrumentos /urídicos <ue de3luem da ne#ociação coletiva
asse#uram e=pressamente o direito de recurso da decisão disciplinar pelo
tra$al2adorG
*. CONCL2SAES
134
Todas as disposiç:es apresentadas nesse $reve escrito revelam um intuito claro de
diminuição do #rau de discricionariedade do empre#ador no e=ercício de seu poder disciplinar4
em cone=ão com os princípios constitucionais asse#urados no re#ime democrático de direito.
"m pleno sBculo ^^I4 com o sur#imento da <uarta dimensão dos direitos 2umanos4
entre eles4 o direito de in3ormação4 de democracia4 de pluralidade4 da $ioBtica4 a sociedade /á
não tolera mais 3ormas rudimentares e primitivas de tratamento do ser 2umano <ue se/a
colidente com o princípio nuclear da di#nidade da pessoa 2umana4 e B /ustamente nesse
sentido <ue o Poder Disciplinar praticado 2odiernamente nas relaç:es privadas no ,rasil deve
so3rer pro3undas alteraç:es4 para <ue compati$ili@e;se com instrumentos e preceitos modernos
levando;se em consideração o <ue se pratica no Direito "stran#eiro4 especialmente os
preceitos e práticas acima mencionadas.
Daí4 a nossa 3iliação A tese de limitação do Poder Disciplinar do empre#ador4 com
a$randamentos4 <ue denominamos de Poder Disciplinar Compartilhado9 <ue4 se de um lado
não retira todo o poder4 2o/e virtualmente a$soluto4 do empre#ador em aplicar sanç:es ao
empre#ado4 de outro4 o tempera4 com a participação do sindicato pro3issional em todos os
trDmites do processo administrativo.
Por essa tese4 o empre#ador e o sindicato pro3issional4 por meio da ne#ociação
coletiva de tra$al2o4 disporá em capítulo pr)prio no acordo ou convenção coletiva4 da #radação
das penalidades e de seu procedimento4 <ue deverá necessariamente incluir elementos de
ampla de3esa e contradit)rio.
+s acordos e convenç:es coletivas t.m previsão constitucional4 uma ve@ <ue o
constituinte ori#inário atri$uiu importDncia su$stancial ao instituto da ne#ociação coletiva4 como
uma das 3ormas de solução dos con3litos coletivos de tra$al2o. 1ssim sendo4 ocorrendo
ne#ociação coletiva entre empre#ados e empre#adores em torno da matBria disciplinar na
empresa4 o instrumento normativo deverá necessariamente ser o$servado4 so$ pena de
desrespeito ao inciso ^^HI do art. 0o. da Constituição Federal4 <ue asse#ura o recon2ecimento
das convenç:es e acordos coletivos de tra$al2o.
Paralelamente4 essa seria uma das 3ormas de suprir a lacuna do 1rt. 04 inciso I4 da CF
4 por meio do mBtodo auto;compositivo4 /á <ue a ne#ociação coletiva B considerada a mel2or
3orma de solução dos con3litos coletivos4 por levar em consideração as peculiaridades do setor
e das empresas envolvidas.
135
Ias pe<uenas e mBdias empresas4 cu/os empre#ados não se encontram 3iliados a
sindicatos4 uma comissão escol2ida pelos pr)prios empre#ados terá a incum$.ncia de discutir
a matBria disciplinar com o empre#ador4 criando re#ras pr)prias.
+ empre#ador manterá o domínio e a sua autoridade na or#ani@ação empresarial4 mas
na aplicação de penalidades ao empre#ado4 <ue deverá ser motivada4 terá a seu dispor a
prBvia tipi3icação le#al4 os costumes tra$al2istas 6advert.ncia ver$al e escrita74 <ue não
impli<uem perda patrimonial para o empre#ado4 $em como o <ue 3or convencionado com os
seres coletivos por meio da ne#ociação coletiva de tra$al2o. Se aplicar sanç:es <ue 3u/am a
esta re#ra4 as mesmas estarão eivadas de nulidade a$soluta4 e não produ@irão e3eitos
/urídicos4 podendo ser rec2açadas pelo -udiciário.
Suspens:es disciplinares mesmo por um (nico dia4 com o 3ito de punir o empre#ado4
não apenas Btica4 como tam$Bm pecuniariamente
!%
4 <ue não este/am contempladas na
ne#ociação coletiva4 com 3ulcro no Princípio da 1utonomia Privada Coletiva4 e nem ten2am
sido re#ulamentadas le#almente em nosso ordenamento /urídico4 a não ser nos casos de
suspensão do contrato de tra$al2o para apuração de 3alta #rave4 não serão permitidas.
1 tese acima encontra seu 3undamento nos princípios da le#alidade4 da anterioridade e
so$retudo na di#nidade da pessoa 2umana do tra$al2ador 6CFO4 art. 14 III7.
1lvissareiros são os recentes precedentes de nossos Tri$unais do Tra$al2o4 <ue /á
tendem a promover uma limitação do Poder Disciplinar do empre#ador4 remetendo inclusive ao
sindicato a notícia da sanção aplicada4 como re3letem os entendimentos a$ai=o colacionados4
in verbis6
*Precedente Normativo nK <L do T#T: , 7dvert4ncia ou Suspensão , Aomunica-ão Por
Escrito , M7s advert4ncias e suspensEes s2 poderão ter efic(cia .ur5dica 0uando comunicadas
por escrito ao empre$ado/ com men-ão e?pressa dos motivos da pena disciplinar. Faculta,se
ao empre$ador remeter H entidade sindical representativa da cate$oria profissional c2pia do
comunicado da dispensa nos casos de recusa do empre$ado em receb4,la/ salvo se ouver
conselo parit(rio de empresa no estabelecimento/ a 0uem ser( dada ci4ncia do fatoM.
* Precedente Normativo nK BG do T#T8G , Suspensão , Aomunica-ão Por Escrito ,
Defere,se o pleito de presumir,se in.usta a suspensão de empre$ado/ 0uando não le forem
informados os motivos determinantes/ por escrito. Al(usula,Padrão6 Presumir,se,( in.usta a
34 C cediço <ue na suspensão do contrato de tra$al2o4 o <ue si#ni3ica a suspensão do pr)prio
empre#ado4 di3erentemente do <ue ocorre na interrupção4 o tra$al2ador não rece$e salário
pelos dias parados4 nem conta;se tempo de serviço para todos os e3eitos le#ais.
136
suspensão de empre$ado/ 0uando não le forem informados os motivos determinantes/ por
escrito3 .
1 permanecer4 como esperamos4 essa tend.ncia de privile#iar a di#nidade da pessoa
2umana e o direito A in3ormação4 na )tica de <ue a nossa Constituição Federal constitui uma
o$ra inaca$ada e a$erta
!'
aos in3lu=os das novas e crescentes contri$uiç:es do Direito
"stran#eiro e de or#anismos internacionais4 por meio de tratados e convenç:es <ue velem
pela ampliação dos direitos 2umanos4 não 2esitamos em son2ar com novos tempos para as
relaç:es entre o capital e tra$al2o <ue se/am pautadas pelo respeito m(tuo4 Btica4 lealdade4
cola$oração e so$retudo 2armonia e entendimento4 com a participação dos seres coletivos
o$reiros na 3ormulação de novos re#ramentos4 mais condi@entes com a %X. Dimensão dos
Direitos >umanos.
35 1rt. ' CFO& Z 2?. +s direitos e #arantias e=pressos nesta Constituição não e=cluem outros
decorrentes do re#ime e dos princípios por ela adotados4 ou dos tratados internacionais em
<ue a Fep($lica Federativa do ,rasil se/a parte.
137