Você está na página 1de 10

Bacia Hidrográfica

3 BACIA HIDROGRÁFICA (B.H.)
- É a área geográfica na qual toda água de chuva precipitada escoa pela superfície do
solo e atinge a seção considerada.
Sinônimo: bacia de contribuição bacia de drenagem.
!igura ".# $ %squema de uma bacia hidrográfica.
!igura ".& $ 'acia hidrográfica do (io do )acar*.
- +ma '.,. * necessariamente definida por um divisor de águas que a separa das bacias
ad-acentes.
#
Bacia Hidrográfica
!igura "." $ .orte transversal de uma bacia hidrográfica.
- /odos os problemas práticos de hidrologia se referem a uma determinada bacia
hidrográfica.
- É comum tamb*m se estudar apenas uma parte de um curso d0água. 1estes casos a
'.,. a ser considerada * a que se situa 2 montante 3para cima4 do ponto considerado.
!igura ".5 $ '.,. do (io 6arateí a montante da seco 7.
3.1 Delimitação de uma B.H.
É necessário dispor de uma planta plani-altim*trica para se delimitar corretamente uma
bacia hidrográfica. 6rocura-se traçar uma linha divisora de águas que separa a bacia
hidrográfica considerada das vi8inhas.
9o se traçar o divisor de água 3:.94 deve-se considerar:
- ; :.9. não corta nenhum curso d0água<
- ;s pontos mais altos 3=pontos cotados4 geralmente fa8em parte do :.9<
- ; :.9 deve passar igualmente afastados quando estiver entre duas curvas de mesmo
nível<
- ; :.9 deve cortar as curvas de nível o mais perpendicular possível.
!igura ".>
9 figura da página seguinte mostra uma planta com o divisor de uma bacia hidrográfica.
&
Bacia Hidrográfica
!igura ".?
3.2 Caracter!tica! de uma Bacia Hido"r#$ica
Área de dre%a"em
É a área plana 3pro-eção hori8ontal4 inclusa entre seus divisores topográficos. 9 área * o
elemento básico para o cálculo das outras características físicas. 9 área de uma '.,. *
geralmente e@pressa em Am
&
. 1a prática determina-se a área de drenagem com o uso de
um aparelho denominado planímetro por*m pode-se obter a área com uma boa precisão
utili8ando-se o =m*todo dos quadradinhosB.
.abe relembrar aqui a utili8ação de escalas. 6or e@emplo se estivesse trabalhando com
um mapa na escala #: #CC.CCC:
# cm no mapa equivale a #CC.CCC cm ou #.CCC m ou #C Am na medida real.
# cm
&
equivale a #C @ #C D#C Am
&
.
Supondo que a escala do mapa fosse #:>C.CCC:
# cm no mapa equivale a >C.CCC cm D >CC m D C> Am real.
# cm
&
D C> @ C> D C&> Am
&
.
Forma da Bacia
9 forma da bacia influencia o escoamento superficial e conseqEentemente o hidrograma
resultante de uma determinada chuva.
:ois índices são mais usados para caracteri8ar a bacia: índices de compacidade e
conformação.
"
Bacia Hidrográfica
#. Índice de Compacidade 3k
c
4 $ * a relação entre o perímetro da bacia e a
circunferFncia de um círculo de área igual 2 da bacia.
A
P
K
C
&G C ·
3".#4
onde: P $ perímetro da bacia<
A $ área da bacia.
.aso não e@istam fatores que interfiram os menores valores de k
c
indicam maior
potencialidade de produção de picos de enchentes elevados.
&. Índice de Conformação (Fator de forma) $ * a relação entre a área da bacia e o
quadrado de seu comprimento a@ial medido ao longo do curso d0água desde a
desembocadura at* a cabeceira mais distante do divisor de água.
&
L
A
I
c
·
3".&4
onde: A $ área da bacia<
L $ comprimento a@ial.
Rede de dre%a"em (R
d
)
É o con-unto de todos os cursos d0água de uma bacia hidrográfica sendo e@pressa em
Am.

·
·
n
i
i d
l
#
3"."4
onde: l
i
$ comprimento dos cursos d0água.
De%!idade de dre%a"em (D
d
)
9 densidade de drenagem indica eficiFncia da drenagem na bacia. %la * definida como a
relação entre o comprimento total dos cursos d0água e a área de drenagem e * e@pressa
em AmH Am
&
. 9 bacia tem a maior eficiFncia de drenagem quanto maior for essa relação
A
L
!d ·
3".54
&'mero de ordem
9 classificação dos rios quanto 2 ordem reflete o grau de ramificação ou bifurcação
dentro de uma bacia.
;s cursos d0água maiores possuem seus tributários que por sua ve8 possuem outros at*
que chegue aos minIsculos cursos d0água da e@tremidade.
Jeralmente quanto maior o nImero de bifurcação maior serão os cursos d0água< dessa
forma pode-se classificar os cursos d0água de acordo com o nImero de bifurcaçKes.
1uma bacia hidrográfica calcula-se o nImero de ordem da seguinte forma: começa-se a
numerar todos os cursos d0água a partir da nascente de montante para -usante
colocando ordem # nos trechos antes de qualquer confluFncia. 9dota-se a seguinte
sistemática: quando ocorrer uma união de dois afluentes de ordens iguais soma-se # ao
5
Bacia Hidrográfica
rio resultante e caso os cursos forem de nImeros diferentes dá-se o nImero maior ao
trecho seguinte.
!igura ".?
Decli(idade do #l(eo
9 velocidade de um rio depende da declividade dos canais fluviais. Luanto maior a
declividade maior será a velocidade de escoamento< neste caso os hidrogramas de
enchente terão ascensão mais rápida e picos mais elevados.
:eterminação da declividade equivalente 3ou m*dia4:
#. 6elo quociente entre a diferença de suas cotas e sua e@tensão hori8ontal:
L
H
I
e"

·
3".>4
onde: ∆H $ diferença entre as cotas do ponto mais distante e da seção considerada<
L $ comprimento do talvegue principal.
&. 6elo m*todo de =compensação de áreaB: traça-se no gráfico do perfil longitudinal
uma linha reta tal que a área compreendida entre ela e o ei@o das abcissas 3e@tensão
hori8ontal4 se-a igual 2 compreendida entre a curva do perfil e a abcissa.


9
#
D 9
&


L
A #
H$
L H
A
%
%

· ∆ ⇒
⋅ ∆
·
&
0
>
Bacia Hidrográfica
L
H
I
e"
0 ∆
·

L L
A
I
%
e"


·
&

&
&
L
A
I
%
e"

·
.omo a área do triMngulo retMngulo * igual 2 área abai@o do perfil longitudinal do
talvegue pode-se escrever a equação de I
e"
da seguinte forma:
&
&
L
perfil do a&ai'o área
I
e"
×
·
3".?4
". 6ela m*dia harmônica 3mais utili8ada4
9 declividade equivalente * determinada pela seguinte fNrmula:
&
#
1
1
1
1
1
]
1

¸

·

·
n
i
i
i
e"
I
L
L
I
3".O4
onde L * a e@tensão hori8ontal do perfil que * dividido em n trechos sendo L
i
e I
i

respectivamente a e@tensão hori8ontal e a declividade m*dia em cada trecho.
)em*o de co%ce%tração (t
c
)
É o tempo necessário para que toda a água precipitada na bacia hidrográfica passe a
contribuir na seção considerada.
!Nrmula para o cálculo de t
c
:
#. !Nrmula de Pirpich
"G> C
&
>O

,
_

¸
¸
·
e"
c
I
L
t 3".G4
onde: I
e"
$ declividade equivalente em mHAm<
L $ comprimento do curso d0água em Am.
&. !Nrmula de 6icAing
"
#
&
" >

,
_

¸
¸
·
e"
c
I
L
t 3".Q4
onde: 7 $ comprimento do talvegue em Am<
?
Bacia Hidrográfica
I
e"
$ declividade equivalente em mHm.
%@ercício-e@emplo ".#:
:esenhar o perfil longitudinal do talvegue principal da bacia abai@o e determinar a
declividade equivalente utili8ando o m*todo de =compensação de áreaB e da m*dia
harmônica. :eterminar tamb*m o tempo de concentração para duas declividades.
.om au@ílio de um curvímetro 3aparelho que mede o comprimento de linhas4 mediu-se
a partir do e@utNrio 3ponto 74 para montante as distMncias dele at* os pontos onde o
curso d0água =cortaB as curvas de nível. .om os dados obtidos construiu-se a seguinte
tabela:
6onto :ist. de 7 3m4 .ota 3m4
7
9
'
.
:
%
!
CC
#&.5CC
"C.&CC
5#.CCC
?".OCC
O5.CCC
G".&CC
"O& 3R4
5CC
5>C
>CC
>>C
?CC
?&# 3R4
3R4 $ estimado
a4 6erfil longitudinal
O
Bacia Hidrográfica
350
400
450
500
550
600
650
0 20000 40000 60000 80000 100000
Comprimento (m)
b4 .álculo da declividade equivalente pelo m*todo de =compensação de áreaB
#
m A ?CC . #O"
&
5CC . #& &G
#
·
×
·
#
m A 5CC . Q5" GCC . #O
&
&G OG
&
· ×
+
·
#
m A 5CC . ##& . # GCC . #C
&
OG #&G
"
· ×
+
·
#
m A #CC . 5O" . " OCC . &&
&
#&G #OG
5
· ×
+
·
#
m A QCC . CQC . & "CC . #C
&
#OG &&G
>
· ×
+
·
#
m A &CC . #Q5 . & &CC . Q
&
&&G &5Q
?
· ×
+
·
9
tot
D #O".?CC S Q5".5CC S #.##&.5CC S ".5O".#CC S &.CQC.QCC S &.#Q5.&CC D Q.QGO.?CC
m
&
mHm CC&Q C
&CC . G"
?CC . QGO . Q & &
& &
·
×
·
×
·
L
A
I
tot
e"
ou &Q mHAm
G
Bacia Hidrográfica
c4 .álculo da declividade equivalente pelo m*todo da m*dia harmônica.
mHm CC&" C
5CC . #&
&G
C 5CC . #&
"O& 5CC
#
· ·


· I
mHm CC&G C
GCC . #O
>C
5CC . #& &CC . "C
5CC 5>C
&
· ·


· I
mHm CC5? C
GCC . #C
>C
&CC . "C CCC . 5#
5>C >CC
"
· ·


· I
mHm CC&& C
OCC . &&
>C
CCC . 5# OCC . ?"
>CC >>C
5
· ·


· I
mHm CC5Q C
"CC . #C
>C
OCC . ?" CCC . O5
>>C ?CC
>
· ·


· I
mHm CC&" C
&CC . Q
&#
CCC . O5 &CC . G"
?CC ?&#
?
· ·


· I
mHm CC&G C
CC&" C
&CC . Q
CC5Q C
"CC . #C
CC&& C
OCC . &&
CC5? C
GCC . #C
CC&G C
GCC . #O
CC&" C
5CC . #&
&CC . G"
&
&
#
·
1
1
1
1
]
1

¸

+ + + + +
·
1
1
1
1
]
1

¸

·

·
n
i
i
i
e"
I
L
L
I
Q
Bacia Hidrográfica
350
400
450
500
550
600
650
0 10000 20000 30000 40000 50000 60000 70000 80000 90000
Comprimento (m)
C
o
t
a

(
m
)
Perfil longitudinal
Compens. área
Mdia !arm6oni"a
+,+RC-CIO. /RO/O.)O.
9 partir de um mapa plani-altim*trico foram levantadas as cotas em alguns pontos do
curso principal de um cNrrego e as respectivas distMncias. ;s valores obtidos estão
apresentados na tabela abai@o. .om base nestes dados determinar:
a4 declividade equivalente utili8ando o m*todo da m*dia harmônica<
b4 tempo de concentração 3t
c
4 da bacia.
Seção .ota 3m4 :istMncia
acumulada 3m4
#
&
"
5
>
OCC
OC>
O#>
O">
OGC
C
"CC
OCC
##CC
#5CC
#C