Você está na página 1de 2

Escritores da Liberdade

Direção: Richard Lagravenese


Produção: Richard Lagravenese (EUA, 2007)
Roteiro: Richard Lavagranese, Erin Gruwell, Freedom Writers
Elenco: Hillary Swank; Patrick Dempsey; Scott Glenn, Imelda Staunton; April Lee
Hernandez; Kristin Herrera; Jacklyn Ngan; Sergio Montalvo; Jason Finn
Duração: 123 min.
Genero: Drama.
Resenhado por: Adriana M.Oliveira

O drama "Escritores da Liberdade" aborda de uma forma bem emocionante, o desafio da


educação em um contexto social problemático e violento. A história se passa por volta do ano
de 1992, onde a cidade de Los Angeles vive uma verdadeira guerra nos seus bairros mais
pobres, causados por gangues que são movidas pelas tensões e preconceitos raciais.

O filme conta a história de uma jovem professora, Erin (interpretada por Hilary Swank), que
sem experiência, começa a lecionar as disciplinas de Língua Inglesa e Literatura em uma
instituição de ensino médio. O perfil da turma são adolescentes na faixa etária entre 14 e 15
anos, considerados violentos, inclusive, envolvidos com gangues.

Cheia de expectativas, Erin chega à instituição imaginando que todos os alunos iriam
corresponder ao seu modelo educacional. Os primeiros encontros tornam-se frustrante, as
brigas, os desencontros e as insatisfações são constantes nas expressões dos alunos.
Simplesmente é ignorada a ponto de ficar sozinha em sala de aula, porém, não desiste. Sem
apoio da direção, decide assumir riscos sozinha, inclusive financeiros.

Estabelecendo um contato maior com alunos e, participando de forma ativa do mundo deles, a
professora conquista a confiança, desse modo supera as dificuldades. Utilizando a escrita em
diários, Erin adota um projeto de leitura e escrita baseado no livro “O diário de Anne Frank”.
O envolvimento dos alunos no projeto é muito positivo, eles lêem o livro e a partir dele,
registram em seus diários tudo o que sentem vontade de escrever a respeito da sua vida.

Dessa maneira, a metodologia adotada por Erin baseou-se primeiramente em fazer uma
avaliação diagnóstica da turma, o que possibilitou verificar as potencialidades dos seus
alunos, levando em consideração os conhecimentos prévios dos mesmos.
Assim, de forma coerente, elaborou a estruturação do processo ensino-aprendizagem de
acordo com a realidade dos alunos. Ampliando o seu projeto, realizou também visitas a
museus possibilitando o enriquecimento e a valorização da cultura.

Nessa perspectiva, o respeito e autoconfiança foram resgatados. Os alunos saem da condição


de marginalidade e iniciam no campo das possibilidades, ao lutarem pelos seus ideais, pelas
suas conquistas ao enfrentarem os obstáculos, não mais com a violência, mais com o
conhecimento.

Finalizando, o filme “Escritores da Liberdade”, deixa uma reflexão para nós educadores,
repensar o ato de inovar o ensino, adequado à realidade cultural dos alunos. Romper com o
tradicionalismo impregnado nos currículos das escolas e comprometer com uma significativa
mudança educativa. Dessa forma, além de ensinar, também possamos adotar uma atitude de
pesquisa-ação constante, inclusive, aprendendo a respeitar a história de vida dos alunos.

Ensinar e educar implica em responsabilidades: pedagógica, político-social e moral, dentro e


fora da escola; implica ainda, na responsabilidade do coletivo docente de educar para
cidadania. De acordo com os PCNs, “questionar a realidade formulando-se problemas e
tratando de resolvê-los, utilizando para isso o pensamento lógico, a criatividade, a intuição,
a capacidade de análise crítica, solucionando procedimentos e verificando sua adequação.”
(Parâmetros Curriculares Nacionais, 1998, p.8).