Você está na página 1de 1

De uma maneira geral, constatei que os aspectos focados nas matrizes são

coincidentes, mesmo quando as bibliotecas se situam em zonas geograficamente


distantes. Após a leitura de alguns trabalhos, a minha selecção prendeu-se com uma
Biblioteca em tudo semelhante à minha: público-alvo, o contexto socio-económico e a
localização geográfica.
Constato que, a RBE, a RBEP, as reuniões com os nossos Coordenadores e as
realizadas com as Professoras Bibliotecárias deste concelho foram fundamentais para
quebrar o isolamento e possibilitar o esclarecimento de dúvidas surgidas, que um
trabalho individual, geralmente acarreta. Quantas vezes não pensamos que muitos dos
problemas focados na matriz eram só nossos!
Saliento alguns constrangimentos comuns:
• O facto de alguns docentes continuarem a enviar os alunos para a
Biblioteca com uma tarefa, como forma de castigo conduzem a uma
associação negativa que acaba por afastar alguns alunos. Esta situação
tem vindo a ser alterada, mas muito lentamente, apesar dos pedidos,
apelos em Conselho Pedagógico e o apoio da Direcção.
•Por outro lado, a Biblioteca é também utilizada para aulas, dada a falta de
salas, o que prejudica o trabalho dos alunos, em geral.

•A inexistência de uma prática sistemática de recolha de evidências e nalguns casos a


dificuldade de avaliar alguns domínios inerentes ao nosso trabalho.

• O papel da Biblioteca onde se devem construir saberes depara-se com uma


barreira para conseguir interagir com os docentes. Estes ainda, vêem a
Biblioteca como um lugar onde estão guardados os livros (que não lhes
interessam) e os computadores que requisitam. Nesta escola há docentes
que terminam o ano sem entrar na Biblioteca, assim sendo, não é possível
prestar um apoio eficaz ao currículo!
No entanto, verifiquei na matriz analisada, que a Biblioteca dispõe de uma
equipa adequada às suas necessidades e com formação na área. Considero ser este um
dos pontos fortes para o sucesso do nosso trabalho, pois a descentralização das tarefas e
autonomia dos membros da equipa é fundamental para o professor Bibliotecário gerir de
uma forma eficaz o tempo. O mesmo acontece com os funcionários que na referida
Escola já têm formação e estão afectos a esse serviço, sendo esse um dos problemas
com que me tenho deparado.
Parece-me haver uma ligeira confusão entre fraquezas e ameaças. As ameaças
elencadas, considero-as fraquezas, pois não são problemas exteriores à Escola.
De uma maneira geral, parece-me que os pontos fortes estão em maioria o que
denota uma forte implantação da Biblioteca nessa Escola.
Esta análise permitiu verificar que nas duas Bibliotecas os desafios e as acções a
implementar são semelhantes, o que vai possibilitar o reforço de um trabalho em
parceria, já iniciado no ano transacto e que trará vantagens mútuas.
Parabéns Gracinda e cá/lá te espero/estarei.