Você está na página 1de 63

Instalação Elétrica sem Segredos

Capítulo 5 – Simbologia

Quando vamos realizar uma instalação elétrica qualquer, necessitamos de vários dados como: localização dos elementos, percursos de uma instalação, condutores, distribuição da carga, e outros.

Os símbolos gráficos usados nos diagramas UNIFILAR são definidos ela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta é indicada a localização exata dos circuitos de luz, de força, de telefone e seus respectivos aparelhos.

- A localização dos pontos de consumo de energia elétrica, seus comandos e indicações dos circuitos a que estão ligados;

- A localização dos quadros e centros de distribuição;

- O trajeto dos condutores e sua projeção mecânica (inclusive dimensões dos condutos

e caixas);

- Um diagrama UNIFILAR discriminando os circuitos, seção dos condutores, dispositivos

de manobra e proteção;

- As características do material a empregar, suficientes para indicar a adequabilidade de seu emprego tanto nos casos comuns, como em condições especiais.

Como a planta baixa se encontra reduzida numa proporção 50 ou 100 vezes menor, seria impossível representarmos os componentes de uma instalação tais como eles os exemplos abaixo.

representarmos os componentes de uma instalação tais como eles os exemplos abaixo. Curso On-line - Ago/2012
representarmos os componentes de uma instalação tais como eles os exemplos abaixo. Curso On-line - Ago/2012

Curso On-line - Ago/2012

40

Instalação Elétrica sem Segredos

Utilizamos uma forma de diagrama reduzido, denominado esquema unifilar, onde os dispositivos de comando, proteção, fontes de consumo, condutores etc., são representados como nos exemplos abaixo:

Lâmpada – Interruptor

Tomada

exemplos abaixo: • Lâmpada – Interruptor • Tomada Estes e outros símbolos são normalizados pela ABNT

Estes e outros símbolos são normalizados pela ABNT através de normas específicas. Este esquema UNIFILAR é somente representado em plantas baixas, mas o eletricista necessita de outro tipo de esquema chamado MULTIFILAR, onde se mostram detalhes de ligações e funcionamento, representando todos os seus condutores, assim como símbolos explicativos do funcionamento, como demonstra o esquema a seguir:

assim como símbolos explicativos do funcionamento, como demonstra o esquema a seguir: Curso On-line - Ago/2012

Curso On-line - Ago/2012

41

Instalação Elétrica sem Segredos

Apesar de semelhantes não existe um modelo padrão de instalação elétrica, pois isso muda de construção para construção.

O esquema elétrico conforme normas recomendadas pela ABNT é uma linguagem que deve ser conhecida tanto pelos engenheiros como pelos projetistas e eletricistas; portanto, é indispensável a todos os que se dedicarem ao ramo específico da eletricidade.

O estudo destes esquemas objetiva capacitar a ler, interpretar e executar esquemas de circuitos elétricos, a fim de que possamos transportar o que foi demonstrado pelo projetista, sob forma de desenho na planta baixa, para a obra a ser executada.

Os desenhos das plantas de arquitetura, dos detalhes, etc., são feitos não com as dimensões reais, pois exigiriam um papel do tamanho daquilo que estamos desenhando. No caso de uma planta baixa, seria tão grande que não caberia no cômodo, além de difícil de ler.

As tabelas a seguir mostram a simbologia do sistema UNIFILAR para instalações elétricas prediais (NBR5444).

Curso On-line - Ago/2012

42

Instalação Elétrica sem Segredos

Instalação Elétrica sem Segredos Curso On-line - Ago/2012 43

Curso On-line - Ago/2012

43

Instalação Elétrica sem Segredos

Instalação Elétrica sem Segredos Curso On-line - Ago/2012 44

Curso On-line - Ago/2012

44

Instalação Elétrica sem Segredos

Instalação Elétrica sem Segredos Curso On-line - Ago/2012 45

Curso On-line - Ago/2012

45

Instalação Elétrica sem Segredos

Instalação Elétrica sem Segredos Curso On-line - Ago/2012 46

Curso On-line - Ago/2012

46

Instalação Elétrica sem Segredos

Instalação Elétrica sem Segredos Curso On-line - Ago/2012 47

Curso On-line - Ago/2012

47

Instalação Elétrica sem Segredos

Capítulo 6 – Tipos de Fornecimento de Energia

As instalações elétricas de baixa tensão são regulamentadas pela Norma Brasileira vigente, a NBR 5410/97 “Instalações Elétricas de Baixa Tensão” da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Essa norma, também conhecida como NB3, fixa os procedimentos que devem ter as instalações elétricas: PROJETO, EXECUÇÃO, MANUTENÇÃO e VERIFICAÇÃO FINAL, a fim de garantir o seu funcionamento adequado, a segurança das pessoas e de animais domésticos e aplica-se às instalações elétricas (novas e reformas das existentes) alimentadas sob uma tensão nominal igual ou inferior a 1.000 Volts em Corrente Alternada (CA).

As Concessionárias de energia por sua vez, fornecem a energia elétrica para os consumidores de acordo com a carga (kW) instalada e em conformidade com a legislação em vigor – Resolução no 456 “Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica” de 29/11/00, da ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica, que estabelece os seguintes limites para atendimento:

Tensão Secundária de Distribuição – Grupo B (Baixa Tensão): Quando a carga

instalada na unidade consumidora for igual ou inferior a 75 kW. Os consumidores do

Grupo B são atendidos na tensão inferior a 2.300 Volts.

Tensão Primária de Distribuição inferior a 69 kV: Quando a carga instalada na

unidade consumidora for superior a 75 kW e a demanda contratada ou estimada pelo

interessado, para o fornecimento, for igual ou inferior a 2.500 kW.

Tensão primária de distribuição igual ou superior a 69 kV: Quando a demanda

contratada ou estimada pelo interessado, para o fornecimento, for superior a 2.500 kW.

Curso On-line - Ago/2012

48

Instalação Elétrica sem Segredos

Capítulo 7 – Padrão de Entrada

Padrão de entrada é o conjunto

instalações composto de:

medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis para que realize todas as

ligações elétricas.

O padrão de entrada indicado para o seu imóvel vai depender do tipo de ligação, que pode ser monofásica, bifásica ou trifásica, e do local adequado para sua instalação, que pode ser em poste, pontalete, muro ou parede.

Com o padrão de entrada correto, você economiza muito tempo, dinheiro, evita danos nos eletrodomésticos.

de caixa de
de
caixa
de

Curso On-line - Ago/2012

49

Instalação Elétrica sem Segredos

Através do circuito de distribuição essa energia é transportada do medidor até o quadro de distribuição, que é chamado usualmete de quadro de luz.

distribuição, que é chamado usualmete de quadro de luz. O quadro de distribuição é o centro

O quadro de distribuição é o centro distribuição de toda rede elétrica residencial ou comercial. É nele que são encontrados os dispositivos de proteções elétricas.

O quadro de distribuição deve estar localizado em lugar de fácil acesso e o mais próximo possível do medidor.

Curso On-line - Ago/2012

50

Instalação Elétrica sem Segredos

A figura abaixo exemplifica um quadro de energia com ligação monofásica.

sem Segredos A figura abaixo exemplifica um quadro de energia com ligação monofásica. Curso On-line -

Curso On-line - Ago/2012

51

Instalação Elétrica sem Segredos

Capítulo 8 – Disjuntores Termoelétricos

Disjuntor é um dispositivo eletromecânico que permite proteger uma determinada instalação eléctrica contra sobre-intensidades (curto-circuitos ou sobrecargas). Sua principal característica é a capacidade de poder ser rearmado manualmente quando estes tipos de defeitos ocorrem, diferindo do fusível, que tem a mesma função, mas que fica inutilizado depois de proteger a instalação. Assim, o disjuntor interrompe a corrente em uma instalação elétrica antes que os efeitos térmicos e mecânicos desta corrente possam se tornar perigosos às próprias instalações. Por esse motivo, ele serve tanto como dispositivo de manobra como de proteção de circuitos elétricos.

Na

arquitetura.

figura

abaixo

podemos

seccionar

um

disjuntor

térmico

para

visualizar

sua

podemos seccionar um disjuntor térmico para visualizar sua 1. Atuador - utilizado para desligar ou resetar

1. Atuador - utilizado para desligar ou resetar manualmente o disjuntor. Também

indica o estado do disjuntor (Ligado/Desligado ou desarmado). A maioria dos Disjuntores é projetada de forma que desarme mesmo que o atuador seja segurado ou travado.

2. Mecanismo atuador - une os contatos juntos ou independentes.

3.Contatos - Permitem que a corrente flua quando o disjuntor está ligado e seja

interrompida quando desligado.

Curso On-line - Ago/2012

52

Instalação Elétrica sem Segredos

4.Terminais

5.Trip bimetálico 6.Parafuso calibrador - permite que o fabricante ajuste precisamente a corrente de trip do dispositivo.

7.Solenóide

8.Extintor de arco elétrico

Existem 3 tipos de Disjuntores Termoelétricos:

elétrico Existem 3 tipos de Disjuntores Termoelétricos: monopolar bipolar 8.1 – Disjuntor Diferencial Residual

monopolar

Existem 3 tipos de Disjuntores Termoelétricos: monopolar bipolar 8.1 – Disjuntor Diferencial Residual (DDR)

bipolar

8.1 – Disjuntor Diferencial Residual (DDR)

bipolar 8.1 – Disjuntor Diferencial Residual (DDR) tripolar Nada mais é que um disjuntor termomagnético

tripolar

Nada mais é que um disjuntor termomagnético acoplado a outro dispositivo, no caso um disjuntor diferencial residual.

Para que serve?

É um dispositivo que protege os condutores do circuito contra sobrecarga e também as pessoas contra choques elétricos.

O DDR não substitui um disjuntor, pois ele não protege contra sobrecargas e curto circuitos. Para estas proteções, devem-se utilizar os disjuntores termoelétricos em associação.

Curso On-line - Ago/2012

53

Instalação Elétrica sem Segredos

8.2 - Instalação do DDR

O DDR deve estar instalado em série com os disjuntores de um quadro de distribuição.

Em geral, ele é colocado depois do disjuntor principal e antes dos disjuntores de distribuição. Para facilitar a detecção do defeito, aconselha-se proteger cada aparelho com dispositivo diferencial. Caso isto não seja viável, deve-se separar por grupos que

possuam características semelhantes.

Existem algumas recomendações para a instalação de um DDR, e são elas:

Todos os fios do circuito têm que obrigatoriamente passar pelo DDR;

O fio terra (proteção) nunca poderá passar pelo interruptor diferencial;

O neutro não poderá ser aterrado após ter passado pelo interruptor.

O

botão de teste para o DR de 4 pólos está entre os pólos centrais F/F (220V), mas o

DDR funciona normalmente se conectado F/N (127V) nestes pólos.

Temos abaixo alguns exemplos de DDR.

(127V) nestes pólos. Temos abaixo alguns exemplos de DDR. Exemplo de Disjuntor DR Exemplo de Disjuntor

Exemplo de Disjuntor DR

Temos abaixo alguns exemplos de DDR. Exemplo de Disjuntor DR Exemplo de Disjuntor DR Associação com

Exemplo de Disjuntor DR

de DDR. Exemplo de Disjuntor DR Exemplo de Disjuntor DR Associação com Temoelétricos Curso On-line -

Associação com Temoelétricos

Curso On-line - Ago/2012

54

Instalação Elétrica sem Segredos

Capítulo 9 – Circuitos de Distribuição

O quadro de distribuição pode ser entendido como o “coração” de uma instalação elétrica, já que distribui a energia elétrica por toda a edificação e acomoda todos os dispositivos de proteção dos diversos circuitos elétricos.

Veja os itens abaixo para uma melhor compreensão da função de quadro de fusíveis ou disjuntores.

Qualquer instalação deve ser dividida, de acordo com as necessidades, em vários circuitos, devendo cada circuito ser concebido de forma a poder ser seccionado sem risco de alimentação inadvertida, através de outro circuito.

Qualquer instalação deve ser dividida em tantos circuitos quantos forem necessários, de forma a proporcionar facilidade de inspeção, ensaios e manutenção, bem como a evitar que, por ocasião de um defeito em um circuito, toda uma área fique desprovida de alimentação elétrica.

Circuitos de distribuição distintos devem ser previstos para partes das instalações que necessitem de controle específico, de tal forma que estes circuitos não sejam afetados pelas falhas de outros (minuterias, sistemas de supervisão predial, etc.).

Em função da ocupação do local e da distribuição de circuitos efetuada, deve-se prever a possibilidade de ampliações futuras, com a utilização de circuitos terminais futuros. Tal necessidade deverá se refletir, ainda, na taxa de ocupação dos condutos elétricos e quadros de distribuição.

Os circuitos terminais devem ser individualizados pela função dos equipamentos de utilização que alimentam. Em particular devem ser previstos circuitos terminais distintos para iluminação e tomadas de corrente.

Curso On-line - Ago/2012

55

Instalação Elétrica sem Segredos

Em unidades residenciais e acomodações de hotéis e similares, devem ser previstos

circuitos independentes para cada equipamento com corrente superior a 10 A. Nas instalações alimentadas com duas ou três fases, as cargas devem ser distribuídas entre

as fases, de modo a obter-se o maior equilíbrio possível. Quando houver alimentação

a partir de vários sistemas (subestação, gerador, etc.), o conjunto de circuitos alimentados por cada sistema constitui uma instalação.

Cada uma delas deve ser claramente diferenciada das outras, observando-se que: um quadro de distribuição só deve possuir componentes pertencentes a uma única instalação, com exceção de circuitos de sinalização e comando e de conjuntos de manobra especialmente projetados para efetuar o intercâmbio das fontes de alimentação; os condutores fechados só devem conter condutores de uma única instalação; nos condutos abertos, bem como nas linhas constituídas por cabos fixados diretamente em paredes ou tetos, podem ser instalados condutores de instalações diferentes, desde que adequadamente identificados.

As cargas no quadro abaixo "são exemplos para você ter uma ideia". Cada imóvel necessita de cargas especificas e uma distribuição destas cargas também especifica.

necessita de cargas especificas e uma distribuição destas cargas também especifica. Curso On-line - Ago/2012 56

Curso On-line - Ago/2012

56

Instalação Elétrica sem Segredos

Capítulo 10 – Circuitos Terminais

Uma instalação elétrica deve ser dividida em circuitos. Por menor que seja a edificação, as normas prescrevem que devem existir no mínimo dois circuitos definidos, um deles alimentando as tomadas (pontos de força) e outro as lâmpadas (pontos de iluminação).

Cada circuito representa um agrupamento de pontos no projeto, contendo uma fiação comum e partindo de uma ligação única em um mesmo quadro.

Existem dois tipos de circuitos:

- Circuitos Terminais:

Circuitos que partem de um Quadro e agrupam Pontos do projeto. São criados como parte de um pavimento do projeto, fazendo parte de sua lista de circuitos disponíveis. Um pavimento pode ter tantos circuitos terminais quanto for desejado pelo usuário.

- Circuitos de Distribuição:

Circuitos que ligam um Quadro a outro. São criados sempre que um Quadro é criado, fazendo parte deste.

Quando a norma selecionada for a AEA 90364, se faz as seguintes considerações ao dimensionar um circuito contendo mais de um ponto (ou seja, não é considerado de uso específico):

Para os circuitos contendo apenas pontos de Luz, se a maior corrente individual no circuito for inferior a 10 A e a corrente total for inferior a 16 A, classifica o circuito como de uso geral;

Curso On-line - Ago/2012

57

Instalação Elétrica sem Segredos

Para os circuitos contendo pontos de força, se a maior corrente individual no circuito for inferior a 10 A e a corrente total for inferior a 20 A, classifica o circuito como de uso geral;

Em todos os demais casos (por exemplo, um circuito de iluminação com corrente total 20 A ou contendo um ponto de corrente 12A), classifica o circuito como de uso especial.

corrente 12A), classifica o circuito como de uso especial. Dicas: - A pequena regra geral universal

Dicas:

- A pequena regra geral universal vale aqui também: menos é mais, ou seja, em caso

de dúvida e falta de conhecimento do que fazer com a energia elétrica, é melhor não

fazer nada, não acrescentar nada à rede elétrica, pois o risco de se aumentar o conteúdo harmônico da energia elétrica é muito maior do que reduzi-lo, sem um conhecimento detalhado da situação.

- A utilização de uma fiação dedicada e exclusiva, saindo do quadro geral elétrico de entrada do estabelecimento para os equipamentos de áudio e vídeo é recomendável, pelo fato de reduzir um pouco a contaminação de harmônicos no sistema de áudio/vídeo a ser alimentado.

Curso On-line - Ago/2012

58

Instalação Elétrica sem Segredos

- Como disjuntores e fusíveis são componentes de proteção utilizados em série com a rede elétrica, os que tiverem menor impedância, ou seja, os fusíveis, devem ser empregados nas aplicações de alimentação elétrica para áudio e vídeo. Portanto, em todos os circuitos destinados ao áudio e vídeo deveremos dar preferência ao emprego de fusíveis. Isto é muito pertinente, principalmente em estúdios. A razão para isto é que os elementos interruptores nos fusíveis, normalmente chamados de elos-fusíveis, possuem impedâncias menores do que a soma da bobina de curto-circuito e das resistências dos bimetais dos disjuntores.

- A fiação dedicada para a alimentação dos equipamentos deverá empregar fios

sólidos, também chamados de fios rígidos, para a fiação das fases e do neutro e fiação flexível para o aterramento. Os fios sólidos, em comparação com os cabos flexíveis de mesma bitola, apresentam um aumento maior da impedância em altas frequências, devido ao efeito Skin, também chamado de efeito pelicular. Esta característica dos fios sólidos corrobora na redução do fluxo dos harmônicos pela rede elétrica.

Capítulo 11 – Condutor de Proteção - PE (Terra)

11.1 - O Que é um Aterramento Elétrico?

O termo aterramento se refere à terra propriamente dita ou a uma grande massa que

se utiliza em seu lugar. Quando falamos que algo está "aterrado", queremos dizer então que, pelo menos, um de seus elementos está propositalmente ligado à terra.

Em geral, os sistemas elétricos não precisam estar ligados à terra para funcionarem e, de fato, nem todos os sistemas elétricos são aterrados. Mas, nos sistemas elétricos, quando designamos as tensões, geralmente, elas são referidas à terra. Dessa forma, a terra representa um ponto de referência (ou um ponto de potencial zero) no qual todas as outras tensões são referidas. De fato, como um equipamento

Curso On-line - Ago/2012

59

Instalação Elétrica sem Segredos

computadorizado se comunica com outros equipamentos, uma tensão de referência "zero" é crítica para a sua operação apropriada.

A terra, portanto, é uma boa escolha como ponto de referência zero, uma vez que ela

nos circunda em todos os lugares. Quando alguém está de pé em contato com a terra, seu corpo está aproximadamente no potencial da terra. Se a estrutura metálica de

uma edificação está aterrada, então todos os seus componentes metálicos estão aproximadamente no potencial de terra.

11.2 - Objetivos do Aterramento

Aterrar o sistema, ou seja, ligar intencionalmente um condutor fase, ou, o que é mais comum, o neutro à terra, tem por objetivo controlar a tensão em relação à terra dentro de limites previsíveis. Esse aterramento também fornece um caminho para a circulação de corrente que irá permitir a detecção de uma ligação indesejada entre os condutores vivos e a terra. Isso provocará a operação de dispositivos automáticos que removerão a tensão nesses condutores.

O controle dessas tensões em relação à terra limita o esforço de tensão na isolação dos

condutores, diminui as interferências eletromagnéticas e permite a redução dos perigos de choque para as pessoas que poderiam entrar em contato com os condutores vivos.

O primeiro objetivo do aterramento dos sistemas elétricos é proteger as pessoas e o patrimônio contra uma falta (curto-circuito) na instalação. Em termos simples, se uma das três fases de um sistema não aterrado entrar em contato com a terra, intencionalmente ou não, nada acontece. Nenhum disjuntor desliga o circuito, nenhum equipamento para de funcionar. Os sistemas não aterrados foram muito populares nas instalações industriais na primeira metade do século 20, precisamente porque as cargas acionadas por motores, que eram muito comuns na época, não parariam simplesmente por causa de um curto-circuito fase-terra.

Curso On-line - Ago/2012

60

Instalação Elétrica sem Segredos

No entanto, uma consequência desse tipo de sistema é que é possível energizar a carcaça metálica de um equipamento com um potencial mais elevado do que o da terra, colocando as pessoas que tocarem o equipamento e um componente aterrado da estrutura simultaneamente, em condições de choque.

O segundo objetivo de um sistema de aterramento é oferecer um caminho seguro, controlado e de baixa impedância em direção à terra para as correntes induzidas por descargas atmosféricas.

para as correntes induzidas por descargas atmosféricas. 11.3 - Funções Básicas 11.3.1 - Segurança pessoal A

11.3 - Funções Básicas

11.3.1 - Segurança pessoal A conexão dos equipamentos elétricos ao sistema de aterramento deve permitir que, caso ocorra uma falha na isolação dos equipamentos, a corrente de falta passe através do condutor de aterramento ao invés de percorrer o corpo de uma pessoa que eventualmente esteja tocando o equipamento.

invés de percorrer o corpo de uma pessoa que eventualmente esteja tocando o equipamento. Curso On-line

Curso On-line - Ago/2012

61

Instalação Elétrica sem Segredos

11.3.2 - Desligamento automático

O sistema de aterramento deve oferecer um percurso de baixa impedância de retorno

para a terra da corrente de falta, permitindo, assim, que haja a operação automática,

rápida e segura do sistema de proteção.

automática, rápida e segura do sistema de proteção. 11.3.3 - Controle de Tensões O aterramento permite

11.3.3 - Controle de Tensões

O aterramento permite um controle das tensões desenvolvidas no solo (passo, toque e

transferida) quando um curto-circuito fase-terra retorna pela terra para a fonte próxima ou quando da ocorrência de uma descarga atmosférica no local.

quando da ocorrência de uma descarga atmosférica no local. 11.3.4 - Transitórios O sistema de aterramento

11.3.4 - Transitórios

O sistema de aterramento estabiliza a tensão durante transitórios no sistema elétrico

provocados por faltas para a terra, chaveamentos, etc, de tal forma que não apareçam sobretensões perigosas durante esses períodos que possam provocar a ruptura da

isolação dos equipamentos elétricos.

Curso On-line - Ago/2012

62

Instalação Elétrica sem Segredos

11.3.5 - Cargas Estáticas

O aterramento deve escoar cargas estáticas acumuladas em estruturas, suportes e

carcaças dos equipamentos em geral.

estruturas, suportes e carcaças dos equipamentos em geral. 11.4 - Ligação a Terra O sistema elétrico

11.4 - Ligação a Terra

O sistema elétrico de uma aeronave em vôo possui um terminal de aterramento,

condutores de aterramento, etc., sem, no entanto, haver "terra" no local. Para uma pessoa trabalhando no décimo andar de um edifício que possua a sua estrutura metálica aterrada, qual é o valor do potencial da terra (no nível do solo) não tem o menor significado. Se ela for transportada para o térreo, onde o piso tem contato direto com o solo, então a terra se torna a sua referência mais apropriada para a qual uma tensão de toque ou de passo deve ser referenciada.

Dessa forma, o terra de referência a ser utilizado para expressar as intensidades da tensão pode ser, às vezes, a terra mas, em outros casos, pode ser um condutor metálico de aterramento. Em certas ocasiões, o potencial de terra pode ser muito diferente daquele do condutor de aterramento. Sendo assim, é muito importante que

as tensões de toque e passo sejam expressas em relação ao terra de referência mais apropriado.

A terra em si é um condutor elétrico muito ruim, cuja resistividade é da ordem de um bilhão de vezes maior do que a de um condutor de cobre. A resistência de aterramento pode ser imaginada como sendo a soma de várias resistências em série, cada uma

Curso On-line - Ago/2012

63

Instalação Elétrica sem Segredos

relativa a uma camada cilíndrica de terra. Na prática, metade da resistência total de aterramento concentra-se na vizinhança imediata (15cm) do eletrodo de aterramento.

Imagine uma resistência de aterramento de 25 Ω, e uma corrente de 1000A fluindo por ela. Temos então, entre o ponto de injeção da corrente no solo e 15cm dela uma diferença de potencial de 12500V (25 Ω/2 x 1000A). Uma pessoa em pé nessa região, estará submetida a essa tensão de passo (figura). A colocação de uma malha metálica aterrada nessa região, à qual estejam ligadas todas as carcaças metálicas, assegurará uma equipotencialidade e afastará a possibilidade da ocorrência de uma tensão de passo (ou de toque) perigosa.

O objetivo mais amplo de um sistema de aterramento é o de se obter, o mais possível, uma condição de diferença de potencial zero (chamada de equipotencialidade) entre os condutores de proteção dos equipamentos, as carcaças dos equipamentos, os condutos metálicos e todas as demais massas condutoras da edificação, incluindo as suas ferragens estruturais e tubulações metálicas. Para qualquer pessoa dentro da edificação, mesmo se houver um aumento do potencial dos elementos mencionados em relação ao potencial de terra, não haverá o risco de choque elétrico, uma vez que todos os elementos estarão referidos ao mesmo potencial.

Os condutores de aterramento devem ser instalados próximos aos condutores vivos dos circuitos e não devem ser percorridos por correntes de carga normais da instalação.

Com isso, eles irão manter a diferença de potencial zero desejada entre os diversos equipamentos. Apenas quando da ocorrência de uma falta é que irá circular uma corrente pelos condutores de aterramento, ocasião em que serão observadas diferenças de potencial no sistema.

Curso On-line - Ago/2012

64

Instalação Elétrica sem Segredos

11.5 - Tipos de Eletrodos

11.5.1 - Eletrodos Existentes (Naturais)

Prédios com estruturas metálicas são normalmente fixados por meio de longos parafusos a seus pés nas fundações de concreto. Esses parafusos engastados no concreto servem como eletrodos, enquanto que a estrutura metálica funciona como

condutor de aterramento.

Na utilização desse sistema, deve-se assegurar que haja uma perfeita continuidade entre todas as partes metálicas (verifica-se a resistência de aterramento).

Também deve ser realizada a ligação equipotencial entre as partes metálicas que, eventualmente, possam estar desconectadas da estrutura principal;

11.5.2 - Eletrodos Fabricados

Normalmente são hastes de aterramento. Quando o solo permite, geralmente, é mais satisfatório o uso de poucas hastes profundas do que muitas hastes curtas;

11.5.3 - Eletrodos Encapsulados em Concreto

O concreto em contato com o solo é um meio semicondutor com resistividade da ordem de 3000 Ωcm a 20 °C, muito melhor do que o solo propriamente dito. Dessa forma, a utilização dos próprios ferros da armadura da edificação, colocados no interior do concreto das fundações, representa uma solução pronta e de ótimos

resultados.

Qualquer que seja o tipo de fundação, deve-se assegurar a interligação entre os ferros das diversas sapatas, formando assim um anel. Esse interligação pode ser feita com o próprio ferro da estrutura, embutido em concreto ou por meio do uso de cabo cobre.

Curso On-line - Ago/2012

65

Instalação Elétrica sem Segredos

A resistência de aterramento total obtida com o uso da ferragem da estrutura ligada

em anel é muito baixa, geralmente menor do que 1 Ω e, frequentemente, ao redor de 0,25 Ω.

Observe-se que apenas os ferros da periferia da edificação são efetivos, sendo muito pequena a contribuição da estrutura interna.

11.6 - Outros Eletrodos

Quando o terreno é muito rochoso ou arenoso, o solo tende a ser muito seco e de alta resistividade. Caso não seja viável o uso das fundações como eletrodo de aterramento, fitas metálicas ou cabos enterrados são soluções adequadas técnica e economicamente. A profundidade de instalação desses eletrodos, assim como as suas dimensões, influenciam muito pouco na resistência de aterramento final.

11.7 - Proteção Contra Choques Elétricos

Quando se fala em proteger as pessoas contra choques elétricos, deve-se lembrar que

o perigo está presente quando o corpo da pessoa está sendo percorrido por uma

corrente elétrica superior a um dado valor por um tempo maior do que o suportável.

Como a questão é limitar (ou eliminar) a corrente que atravessa o corpo ou permitir que ela circule apenas durante um tempo determinado, temos que agir sobre essas duas variáveis para enfrentar o problema do choque. Para tanto, há algumas maneiras possíveis de prover essa proteção:

Se a pessoa estiver isolada da fonte, não haverá como circular corrente pelo seu corpo. Ela poderá estar calçando botas e luvas isolantes, porém essa não é uma situação

Curso On-line - Ago/2012

66

Instalação Elétrica sem Segredos

habitual, possível de ser garantida durante muitas horas do dia. Por outro lado, se a pessoa, mesmo descalça e sem luvas, estiver posicionada sobre um piso e junto a paredes isolantes, não haverá caminho de circulação da corrente e ela estará protegida. A NBR 5410/97 considera pisos e paredes isolantes quando sua resistência for superior a 50k Ω. De fato, conforme a figura 14, uma pessoa de resistência mão-pé da ordem de 1k Ω em série com um piso de 50k Ω, submetida a uma tensão fase-terra de 127V, será percorrida por uma corrente elétrica de aproximadamente 127V / 51 k Ω= 2,5 mA.

Esse valor é insuficiente para causar problemas para a pessoa. Infelizmente, a enorme maioria dos pisos e paredes que nos cerca não é isolante (R > 50k Ω), o que limita esse tipo de proteção apenas a lugares especialmente construídos para tal finalidade.

11.8 - Projeto de Aterramento Moderno, Eficiente e Integrado.

Resumindo tudo o que foi exposto, podemos verificar que um projeto de aterramento que satisfaça às exigências atuais de funcionalidade e atenda às normas em vigor deve possuir as seguintes características:

• Utilização da ferragem da estrutura, interligada em anel por um condutor de cobre nu, como eletrodo de aterramento;

• Presença do TAP no quadro geral de baixa tensão, interligado ao anel enterrado por meio de um cabo de cobre isolado;

• Ligações, por meio de cabos de cobre nus ou isolados, de todos os elementos

metálicos não energizados que entram na edificação, tais como tubulações de água, esgoto, etc, até o TAP. Essas ligações devem ser radiais, as mais curtas possíveis;

Curso On-line - Ago/2012

67

Instalação Elétrica sem Segredos

• Utilização de protetores contra sobretensões na entrada instalação, seja na

linha de força, na linha de telefonia, de sinal etc. Os terminais de terra desses protetores devem ser ligados ao TAP por meio de cabos de cobre isolados;

• Ligação dos terminais de terra dos protetores de sobretensão instalados juntos aos aparelhos eletrônicos no interior da instalação, através dos condutores de proteção dos circuitos terminais até o TAP;

• Ligação de todos os terminais de terra dos equipamentos da instalação elétrica

(Chuveiros elétricos, torneiras elétricas, aquecedores, motores, etc), através dos

condutores de proteção dos circuitos terminais até o TAP;

• Ligação das malhas de aterramento dos equipamentos eletrônicos sensíveis ao

TAP através de condutores de equipotencialidade os mais curtos e retos possível. Caso não se utilize a malha e sim o sistema de ponto único, ligar os condutores de proteção ao TAP de forma radial e a mais curta possível;

• Ligar todos os condutores de equipotencialidade da instalação ao TAP do modo mais curto e reto possível.

Capítulo 12 – Dimensionamento de Carga

Para determinar a carga de uma instalação elétrica residencial, deve-se somar todas as cargas elétricas previstas para: as tomadas de uso geral, a potência das lâmpadas e dos demais equipamentos elétricos.

Norma vigente da ABNT, a NBR 5410/97 "Instalações Elétricas de Baixa Tensão" determina que a previsão de cargas em VA, dos equipamentos deverão ser de acordo com as seguintes prescrições a seguir.

Curso On-line - Ago/2012

68

Instalação Elétrica sem Segredos

12.1 - Tomadas de Uso Geral

• Em banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias:

para as 3 (três) primeiras tomadas, a carga mínima por tomada a ser considerada, deverá ser de 600 VA. A partir da quarta tomada (se existir), deverá ser considerada a carga mínima de 100 VA para cada tomada.

IMPORTANTE:

A determinação da carga deverá ser feita, considerando cada um desses cômodos

separadamente;

• Em subsolos, garagens, sótão, varandas: deverá ser prevista no mínimo uma tomada de 1.000 VA;

Nos demais cômodos ou dependências, no mínimo 100 VA por tomada.

12.2

- Tomadas de Uso Específico

Considerar a carga do equipamento elétrico a ser ligado, fornecida pelo

Fabricante; ou então, calcular a carga a partir da tensão nominal, da corrente nominal

e do fator de potência do equipamento elétrico.

12.3 - Iluminação

A iluminação adequada deve ser calculada de acordo com a Norma vigente NBR

5413/92 "Iluminação de Interiores", da ABNT. Entretanto a Norma NBR 5410/97 estabelece como alternativa que para determinar as cargas de iluminação em unidades consumidoras residenciais, poderão ser adotados os seguintes critérios:

Curso On-line - Ago/2012

69

Instalação Elétrica sem Segredos

• Em cômodos ou dependências com área igual ou inferior a 6 m2 deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA;

• Em cômodos ou dependências com área superior a 6 m2 deve ser prevista uma

carga mínima de 100 VA para os primeiros 6 m2, acrescidas de 60 VA para cada aumento de 4 m2.

IMPORTANTE:

Os valores apurados correspondem à potência destinada a iluminação para o efeito de dimensionamento dos circuitos elétricos e não necessariamente à potência nominal das lâmpadas.

Exemplo:

Qual a carga de iluminação incandescente a ser instalada numa sala de 3,5 m de largura e 4 m de comprimento?

•A área da sala: 3,5 m x 4 m = 14 m2

• Carga para a Iluminação:

• Para os primeiros 6 m2: 100 VA. Para os outros 8 m2: 60 VA + 60 VA;

• A Carga total será: 100 VA + 60 VA + 60 VA = 220 VA

A Tabela a seguir fornece os dados para calcular, de uma maneira prática, a carga de iluminação incandescente para cômodos, com área variando de 6 a 30 m2.

 

ÁREA DO CÔMODO

CARGA DE ILUMINAÇÃO

Até 6

100

De 6,1 a 10

160

De 10,1 a

14

220

De 14,1 a

18

280

De 18,1 a

22

340

De 22,1 a

26

400

De 26,1 a

30

460

Curso On-line - Ago/2012

70

Instalação Elétrica sem Segredos

12.4 - Número Mínimo de Tomadas por Cômodo

Cada cômodo de uma residência deverá ter tantas tomadas, quantos forem os parelhos elétricos a serem instalados/ligados dentro do mesmo. Uma sala de estar, por exemplo, deve ter tomadas de uso geral individuais: o televisor, os aparelhos de som, vídeo, abajures, aspirador de pó, etc.

A Norma vigente, a NBR 5410/97 determina as seguintes quantidades mínimas de

Tomadas de Uso Geral em uma residência:

• 1 tomada por cômodo para área igual ou menor do que 6m2;

• 1 tomada para cada 5 m, ou fração de perímetro, para áreas maiores que 6 m2;

• 1 tomada para cada 3,5 m ou fração de perímetro para copas, cozinhas, copas-

cozinhas, áreas de serviço, lavanderias, sendo que acima de cada bancada de 30 cm ou maior, deve ser prevista pelo menos uma tomada;

1 tomada em sub-solos, sótãos, garagens e varandas;

1 tomada junto ao lavatório, em banheiros.

NOTA:

O perímetro de um cômodo, é calculado somando o comprimento de cada lado deste

cômodo. Exemplo: A sala referenciada é de 3,5 m de largura e 4 m de comprimento,

em o seguinte perímetro: 2 x 3,5 m + 2 x 4 m = 15 m

12.5 - Divisão de Circuitos Elétricos

A Norma vigente, a NBR 5410/97 - "Instalações Elétricas de Baixa Tensão", determina

que sejam separados os circuitos elétricos de Tomadas de Uso Geral e o de Iluminação.

Curso On-line - Ago/2012

71

Instalação Elétrica sem Segredos

Deverá ser previsto u m circuito elétrico, também separado, para cada equipamento elétrico de corrente nominal superior a 10 A (1.270 VA em 127 V), como os chuveiros elétricos, fornos elétricos, fornos de micro-ondas, etc.

É importante que uma instalação elétrica seja dividida em circuitos elétricos parciais para facilitar: a inspeção, a manutenção, a proteção será melhor dimensionada, reduz as quedas de tensão e aumenta a segurança.

Se na residência tiver um só circuito para toda a instalação elétrica, o disjuntor deverá ser de grande capacidade de interrupção de corrente, sendo que, um pequeno curto- circuito poderá não ser percebido por ele.

Entretanto, se na residência tiver diversos circuitos e com vários disjuntores de capacidade de interrupção de corrente menores e dimensionados adequadamente, aquele pequeno curto-circuito poderá ser percebido pelo Disjuntor do circuito em questão, que o desligará. Com isso somente o circuito onde estiver ocorrendo um curto-circuito ficará desligado (desenergizado).

Cada circuito elétrico deve ser concebido de forma que possa ser seccionado sem risco de realimentação inadvertida, através de outro circuito.

IMPORTANTE:

Norma NBR 5410/97 determina que o condutor Neutro deverá ser único para cada circuito elétrico, isto é, cada circuito elétrico deverá ter o seu próprio condutor Neutro. Este condutor só poderá ser seccionado, quando for recomendado por esta Norma (NBR 5410/97).

Curso On-line - Ago/2012

72

Instalação Elétrica sem Segredos

12.6 - Interruptores e Tomadas de Uso Geral

Existem diversos tipos de Interruptores e Tomadas de Uso Geral, sendo que cada um, é adequado para uma determinada utilização. Sempre devem ser consultados os catálogos de fabricantes com o objetivo de identificar, quais os dispositivos mais apropriados para cada situação.

Os Interruptores podem ser simples, duplos, triplos, intermediários, paralelos, bipolares, "dimmers", pulsadores, etc, sendo que cada um é próprio para ser usado em uma determinada função específica. Uns tipos proporcionam mais conforto e segurança, economia de energia do que os outros. Os "dimmers" são interruptores que, através de um circuito (geralmente eletrônico), variam a intensidade luminosa da lâmpada instalada em seu circuito, podendo proporcionar economia de energia elétrica.

Existem interruptores tipo "dimmer" nos modelos de interruptor simples e interruptor paralelo.

A

correspondente.

instalação

do

"dimmer"

é

feita

NOTA:

Para

"dimmer" específico.

as

lâmpadas

incandescentes

e

do

mesmo

fluorescentes

modo

que

tubulares,

a

do

existe

interruptor

um

tipo

de

As Tomadas de Uso Geral, recomendadas são as de 2P + TU, para conter os condutores Fase, Neutro e o de Proteção (PE ou fio terra). Essas Tomadas de 3 pólos apresentam disposições e tipos de pólos diferentes para cada encaixe de plugues.

Também existem as Tomadas de 2 pólos.

Curso On-line - Ago/2012

73

Instalação Elétrica sem Segredos

Os Interruptores e Tomadas de Uso Geral para serem utilizados em instalações elétricas residenciais, são feitos para suportar com segurança, uma determinada corrente e tensão, máximas. As correntes elétricas máximas para as Tomadas, geralmente são de 10, 15 ou 20 A. A tensão elétrica, normalmente é de 250 V.

O significado dos dados técnicos dos dispositivos projetados para suportar uma corrente elétrica máxima de 10 A e uma tensão elétrica de 250 V, é o seguinte:

• Em termos de corrente elétrica: não ligar uma carga em 127 V, maior do que

1.270 VA (10 A x 127 V).

• Em termos de tensão elétrica: não ligar esses dispositivos em um o circuito elétrico, quando a tensão elétrica for maior do que 250 Volts.

Outros dispositivos para o uso em instalações elétricas residenciais, geralmente são projetados para capacidades diferentes, como por exemplo: os "dimmers" carga de 40 VA a 300 VA em 127 V. Em 220V de 60 VA a 500 VA. Os pulsadores corrente de 2 A em 250 V.

OBSERVAÇÃO:

Existem diversos dispositivos com valores de carga diferentes (menores ou maiores) dos mencionados anteriormente. Por isso, sempre deve ser consultado os catálogos dos fabricantes de dispositivos, para se certificar para qual a corrente e tensão, máximas, foi projetado o dispositivo para funcionar.

12.7 - Conformidade dos Interruptores e Tomadas

É importante que todo produto esteja em conformidade com as normas vigentes da ABNT. Para exemplificar, serão relacionados alguns testes que um interruptor tem que se submeter para comprovar que está dentro de norma da ABNT e receber a marca de

Curso On-line - Ago/2012

74

Instalação Elétrica sem Segredos

conformidade do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO. Para os Interruptores a Norma NBR 6527 e para as Tomadas de Uso Geral a NBR 6147.

• Os organizadores que irão conhecer a fábrica, analisam as máquinas,

laboratórios e a equipe técnica. Após aprovarem tudo, iniciam as provas nos produtos.

• Isolamento e rigidez dielétrica: o interruptor tem que resistir a 2.000 V, sem

deixar passar corrente de fuga, com resistência superior a mínima aceitável, que é de 5 Megaohms.

• Elevação de temperatura: ligam um condutor apertando um pouco o parafuso

do borne do interruptor, durante 1 hora, passando 35% da corrente nominal e o interruptor não pode aquecer mais de 45 ºC.

• Sobrecorrente e durabilidade: primeiro o interruptor tem que resistir a 200

mudanças de posição, ou seja, 100 "liga-desliga" com tensão 10% e corrente 25% superior a nominal, além de um fator de potência extremamente desfavorável (0,3). Segundo, o interruptor passa por mais de 40 mil mudanças de posição, com corrente e

tensão nominal, ou seja, 250 V e 10 A.

• Resistência mecânica: recebe o impacto de um martelo com 150 gramas a uma

altura de 10 cm, e o produto não pode apresentar rachadura por onde pudesse ter acesso as partes energizadas do produto.

• Resistência ao calor: o produto é colocado em uma estufa a 100 ºC, sem

umidade, durante uma hora e não pode apresentar deformações.

• Prova de resistência ao calor anormal ou fogo: um fio incandescente a 850 ºC

que provoca fogo é colocado sobre o produto e embaixo deste produto é colocado um

papel de seda a uma altura de 20 cm. Retira-se o fio em menos de 30 segundos e o papel de seda não deve inflamar com o gotejamento.

Como pode ser observado, o interruptor terá que resistir a 40 mil mudanças de posição (manobras), com tensão e corrente nominal, bornes enclausurados, evitando contatos acidentais e a resistência a impactos.

Curso On-line - Ago/2012

75

Instalação Elétrica sem Segredos

Tomadas de Uso Geral - 10 mil mudanças de posição (inserção e retirada do plugue), bornes enclausurados, evitando contatos acidentais, resistência a impactos.

Plugues monoblocos - 10 mil mudanças de posição (inserção e retirada da tomada), prensa-cabo que não permite que o cabo solte quando puxado.

NOTA:

Todo componente de uma instalação elétrica, tem que obedecer uma ou mais Normas da ABNT. É importante identificá-las e conhecê-las.

12.8 - Esquema de Ligação Elétrica de Interruptor e Tomada

A seguir apresenta-se esquema de ligações elétricas de interruptores e tomadas de uso geral:

elétricas de interruptores e tomadas de uso geral: Observação: O condutor Neutro deve ser sempre ligado

Observação: O condutor Neutro deve ser sempre ligado em um ponto (ou polo) do Receptáculo (ou porta-lâmpada) da luminária e o Condutor Fase em um ponto Interruptor. O Condutor Retorno sai do outro ponto do Interruptor, indo até ao outro ponto Receptáculo, completando assim, o circuito elétrico.

Curso On-line - Ago/2012

76

Instalação Elétrica sem Segredos

12.9 - Tomada e interruptor na mesma caixa

sem Segredos 12.9 - Tomada e interruptor na mesma caixa Observação: Apesar da Tomada e do

Observação:

Apesar da Tomada e do Interruptor estarem na mesma caixa, os circuitos elétricos devem ser distintos. Nas Tomadas, além da seção mínima dos condutores ser de 2,5 m2 e das cores de Isolação serem diferentes deve-se ligar o Condutor Fase, o Condutor Neutro e o Condutor de Proteção (PE).

A seguir, serão feitos comentários sobre as Tomadas de Uso Geral que ainda não estão em de acordo com a NBR 14136. Geralmente as Tomadas de Uso Geral, existentes, têm orifícios "redondos" junto com orifícios "chatos".

Os orifícios "chatos" de encaixe na Tomada de 3 pólos (2P + T), são diferentes entre si. O plugue do aparelho elétrico, só é encaixado em uma determinada posição, o que dá mais segurança.

elétrico, só é encaixado em uma determinada posição, o que dá mais segurança. Curso On-line -

Curso On-line - Ago/2012

77

Instalação Elétrica sem Segredos

É importante salientar que na Tomada de 3 (três) pólos, os fios do circuito de tomadas da instalação elétrica, devem ser ligados desta forma:

• Condutor Fase - Deve ser ligado ao lado direito da Tomada. Esse pólo é do tipo "chato" e menos largo do que o do Neutro.

• Condutor Neutro - Deve ser ligado do lado esquerdo da Tomada, onde

geralmente poderá estar escrito a letra "W". Esse pólo do tipo "chato", é mais largo do que o da Fase.

Atenção: Por uma Norma americana, o condutor Neutro deverá ser identificado pela cor branca ("White", daí a identificação pela letra "W"). Os aparelhos elétricos de procedência americana, um dos fios de ligação do aparelho, o de lista branca, está no mesmo lado desse pino "chato" mais largo.

• Condutor de Proteção (PE) - Deve ser ligado na parte inferior da Tomada, onde

geralmente está escrito a letra "G" (do inglês "Ground", que significa aterramento).

Também está mostrado o símbolo do aterramento.

Observação:

Essas tomadas não permitem que um pino do condutor Fase, entre no local onde é destinado para o condutor de Proteção (PE), por exemplo.

Será apresentado a seguir, o esquema elétrico da seguinte situação: considerando o cômodo de um quarto, que tem o interruptor ao lado da porta com uma tomada abaixo dele (a 30 cm do piso) e uma tomada em outra parede.

Curso On-line - Ago/2012

78

Instalação Elétrica sem Segredos

Capítulo 13 – Controles de Iluminação

13.1 – Interruptores

O interruptor é o equipamento mais simples e conhecido dos controles de iluminação. O acionamento, a rigor é manual e local, promovendo o ligar e desligar os circuitos. Seu princípio de funcionamento consiste em interromper o fornecimento de energia às lâmpadas “cortando” a fase de alimentação.

às lâmpadas “cortando” a fase de alimentação. Diagrama de instalação Interruptor Simples – Lighting

Diagrama de instalação Interruptor Simples – Lighting Now

Os interruptores podem ser Simples, Duplos, Triplos e por último os modulares que você pode configurar a quantidade de acionamentos que precisar.

Os interruptores paralelos, mais conhecidos como “tri way”, são muito utilizados em escadas, salas e corredores, onde existe a necessidade de comandar o mesmo ponto de luz por dois interruptores distintos.

o mesmo ponto de luz por dois interruptores distintos. Exemplo do uso de um Interruptor Paralelo

Exemplo do uso de um Interruptor Paralelo – Elétrica.info

Curso On-line - Ago/2012

79

Instalação Elétrica sem Segredos

A seguir, apresentamos o diagrama elétrico da instalação de um interruptor paralelo.

elétrico da instalação de um interruptor paralelo. Diagrama de instalação Interruptor Paralelo – Lighting

Diagrama de instalação Interruptor Paralelo – Lighting Now

Quando existir a necessidade de comandar o mesmo ponto de luz por três interruptores distintos, utilizamos um interruptor intermediário, sistema conhecido como “four way”.

intermediário, sistema conhecido como “four way”. Interruptor Paralelo com 1 intermediário – Pial Legrand O

Interruptor Paralelo com 1 intermediário – Pial Legrand

O interruptor intermediário funciona como um “X” comutando 4 pontos da seguinte forma:

como um “X” comutando 4 pontos da seguinte forma: Comutação do Interruptor Intermediário – Lighting Now

Comutação do Interruptor Intermediário – Lighting Now

Curso On-line - Ago/2012

80

Instalação Elétrica sem Segredos

A

intermediário.

seguir,

apresentamos

o

diagrama

elétrico

da

instalação

de

um

interruptor

o diagrama elétrico da instalação de um interruptor Diagrama de instalação Interruptor Paralelo +

Diagrama de instalação Interruptor Paralelo + Intermediário – Lighting Now

Em ainda existindo a necessidade de comandar o mesmo ponto de luz por mais de três interruptores distintos, utilizamos interruptores intermediários ao longo do circuito.

interruptores intermediários ao longo do circuito. Interruptores Intermediários – Pial Legrand Curso On-line

Interruptores Intermediários – Pial Legrand

Curso On-line - Ago/2012

81

Instalação Elétrica sem Segredos

13.2 – Minuterias

A minuteria é um dispositivo elétrico que, quando acionado, permite manter acesas as lâmpadas de um ambiente, por um período definido de tempo.

lâmpadas de um ambiente, por um período definido de tempo. Esse sistema pode ser instalado de

Esse sistema pode ser instalado de forma coletiva, quando o seu acionamento, através de um pulsador, liga as luzes da escada de todos os do andares, por exemplo, ou de forma individual, onde seu acionamento apenas acende somente o andar específico. Este segundo modelo do ponto de vista da economia de energia é mais racional, porém tem um custo inicial maior, pois precisamos de uma minuteria a cada pavimento.

As minuterias ainda têm uma grande utilização, mas foram amplamente aplicadas na década de 80 quando surgiram como um forte diferencial no consumo de energia dos edifícios residenciais.

13.3 – Sensores de Presença

dos edifícios residenciais. 13.3 – Sensores de Presença O termo sensor de presença é um tanto

O termo sensor de presença é um tanto quanto mal empregado no mercado, pois o que se convenciona a chamar de “Sensor de Presença” nada mais é que um sensor de movimento. Se um indivíduo adentra a um ambiente com este tipo de sensor, a iluminação se acende e permanece acesa por um determinado tempo mínimo ou enquanto o sensor continue percebendo movimentação. Experimente ficar parado neste ambiente. Embora você esteja “presente”, a iluminação vai se apagar e só acenderá novamente se você se mexer.

Curso On-line - Ago/2012

82

Instalação Elétrica sem Segredos

Basicamente existem dois tipos sensores no mercado e utilizam Infra-Vermelho ou ultrassom para detectar os movimentos.

Os sensores vieram substituindo em grande escala as minuterias, pois são infinitamente mais baratos quando pensamos em controlar de forma individual cada lance de escada, hall ou corredores e não necessitam de serem acionados para colocá- los em funcionamento.

Existem sensores verdadeiramente de presença que trabalham com sistemas térmicos, identificando a presença de um indivíduo pela sua temperatura corpórea, ativando e mantendo aceso a ambiente enquanto houver presença “térmica” no espaço. Estes sensores são bem mais caros devido à tecnologia que utilizam.

13.4 – Células Fotoelétricas

à tecnologia que utilizam. 13.4 – Células Fotoelétricas Este tipo de equipamento é muito utilizado em

Este tipo de equipamento é muito utilizado em áreas externas para o acendimento da iluminação de uso comum em condomínios e em iluminação pública, sendo ativado pela de luz natural. Ao final do entardecer, pela falta de luz natural percebida por este sensor, o mesmo aciona a iluminação artificial para que o espaço em questão fique iluminado no período noturno e quando o dia amanhece, com a percepção da luz natural, desliga a iluminação. Normalmente estes equipamentos têm ajuste de intensidade para calibrar a quantidade de luz natural necessária para o seu arme e desarme. As fotocélulas são bem conhecidas, de fácil instalação e baixo custo.

Curso On-line - Ago/2012

83

Instalação Elétrica sem Segredos

13.5 – Dimmers

Instalação Elétrica sem Segredos 13.5 – Dimmers Dimmers são equipamentos que permitem variar a intensidade do

Dimmers são equipamentos que permitem variar a intensidade do fluxo luminoso de uma lâmpada ou conjunto de lâmpadas, de acordo com sua potência. Com o dimmer, podemos excursionar de 0 a 100% a intensidade da iluminação, ajustando-a para cada finalidade e com isso reduzindo o consumo de energia e aumentando a vida útil das lâmpadas.

Nota 1: As lâmpadas incandescente ligadas diretamente à rede podem ser facilmente dimerizadas, mas cuidado com lâmpadas que utilizam equipamentos auxiliares como:

reatores, transformadores ou drivers. Para dimerizar estes tipos de lâmpadas, os seus respectivos equipamentos auxiliares precisam der dimerizáveis.

Nota 2: A rigor, lâmpadas fluorescente compactas não podem ser dimerizadas, pois o reator que está incorporado na sua base não é dimerizavel.

Nota 3: Dicróicas em 12 Vac utilizam transformadores eletromagnéticos ou eletrônicos para baixar a tensão da rede de 127 – 220Vac para os 12 volts necessários ao seu funcionamento. Para dimerizar este tipo de lâmpada utilize o transformador eletromagnético comum ou o transformador eletrônico dimerizável.

13.6 – Controles Remotos

eletrônico dimerizável. 13.6 – Controles Remotos Os controles remotos para iluminação funcionam com os

Os controles remotos para iluminação funcionam com os outros controles que utilizamos nas TVs, DVDs, etc. Podemos acionar a iluminação sentados no sofá ou deitados na cama. Alguns modelos de mercado permitem a dimerização.

Curso On-line - Ago/2012

84

Instalação Elétrica sem Segredos

Capítulo 14 – Iluminação

14.1 – Fontes de Luz Artificial

A primeira fonte de luz artificial que temos registro é o fogo. Depois vieram as lâmpadas incandescentes. Nesta evolução, que não para, estamos vivendo a revolução dos LEDs e criamos este tópico (fontes de luz artificial) justamente para separar os LEDs das lâmpadas. Devemos explicar que, assim como existem lâmpadas de filamento, existem também lâmpadas de LEDs, ou seja, utilizam a tecnologia de LEDs para gerar a LUZ, portanto LED é uma fonte de luz e não uma lâmpada.

14.1.1 – Tipos de Lâmpadas

14.1.1.1 – Lâmpadas Incandescentes

- Lâmpada Incandescente Comum As lâmpadas incandescentes comuns simbolizam uma das mais antigas e familiares fontes de luz artificial. Sua luz é gerada pelo aquecimento e consequente enrubescimento de um filamento de tungstênio quando uma corrente elétrica passa por ele. Este filamento se desgasta com o tempo e se rompe provocando a sua “queima” e o que diminui seu desgaste prematuro é um gás inerte ou vácuo no interior do bulbo de vidro. Estas lâmpadas têm temperatura de cor quente, de aproximadamente 2700°K e cor amarelada. O índice de reprodução de cores chega bem próximo aos 100 e podem ser facilmente dimerizadas. A eficiência energética e baixíssima, pois apenas 10% da energia consumida se transformada em luz e o restante em calor.

Por sua excelente reprodução de cores e baixo custo de aquisição, ainda é amplamente utilizada, principalmente em instalações residenciais, mas já existem

Curso On-line - Ago/2012

85

Instalação Elétrica sem Segredos

campanhas e processos para sua extinção ou banimento devido a sua péssima eficiência energética.

ou banimento devido a sua péssima eficiência energética. Lâmpada Cristal Lâmpada Leitosa Bolinha Lâmpada Refletora

Lâmpada Cristal

a sua péssima eficiência energética. Lâmpada Cristal Lâmpada Leitosa Bolinha Lâmpada Refletora - Lâmpada

Lâmpada Leitosa Bolinha

energética. Lâmpada Cristal Lâmpada Leitosa Bolinha Lâmpada Refletora - Lâmpada Halógena Estas lâmpadas

Lâmpada Refletora

- Lâmpada Halógena Estas lâmpadas possuem gases halógenos no seu interior que, quando combinados com o filamento de tungstênio incandescente, promovem algumas vantagens, em comparação as incandescentes comuns: Luz mais brilhante e uniforme, maior eficiência energética que (entre 15 e 25 lm/W), vida útil mais longa (2000 a 4000 horas) e menores dimensões.

A vida útil mais longa é conseguida pelo ciclo regenerativo do halogênio que deposita novamente sobre o filamento, as partículas de tungstênio que foram desprendidas pelo aquecimento.

As primeiras gerações das lâmpadas halógenas tiveram sua aplicação mais restrita no uso em faróis de automóveis e projetores. Hoje pela enorme variedade de lâmpadas halógenas disponíveis no mercado suas aplicações são inúmeras.

Curso On-line - Ago/2012

86

Instalação Elétrica sem Segredos

Instalação Elétrica sem Segredos Halógena Palito Par 20 Halógena Bi-pino Cápsula Fosca e Cristal AR 70

Halógena Palito

Instalação Elétrica sem Segredos Halógena Palito Par 20 Halógena Bi-pino Cápsula Fosca e Cristal AR 70

Par 20

Instalação Elétrica sem Segredos Halógena Palito Par 20 Halógena Bi-pino Cápsula Fosca e Cristal AR 70

Halógena Bi-pino

sem Segredos Halógena Palito Par 20 Halógena Bi-pino Cápsula Fosca e Cristal AR 70 Par 38

Cápsula Fosca e Cristal

Palito Par 20 Halógena Bi-pino Cápsula Fosca e Cristal AR 70 Par 38 - Lâmpada Halógena

AR 70

Par 20 Halógena Bi-pino Cápsula Fosca e Cristal AR 70 Par 38 - Lâmpada Halógena Dicróica

Par 38

- Lâmpada Halógena Dicróica O termo “dicróico” vem do refletor, ou seja, a lâmpada halógena associada ao refletor dicróico, conhecida vulgarmente como “lâmpada dicróica”. Com as mesmas vantagens das halógenas normais, as dicróicas possuem um refletor multifacetado que transmite para trás da lâmpada, cerca de 60% da radiação infravermelha emitida (calor) e permite um foco de luz direcionado e mais “frio. Esta vantagem a tornou a “menina dos olhos” das iluminações de destaque (quadros, vitrines, objetos, etc.). Existem vários tipos de lâmpadas com refletores dicróicos e com característica completamente diferentes: soquetes, abertura de fachos, temperatura de cor, tensão de alimentação, etc. Todas podem ser dimerizadas, característica comum a tecnologia incandescente.

dimerizadas, característica comum a tecnologia incandescente. Lâmpada Dicróica MR 16 Curso On-line - Ago/2012 87

Lâmpada Dicróica MR 16

Curso On-line - Ago/2012

87

Instalação Elétrica sem Segredos

14.1.1.2 – Lâmpadas de Descarga A luz de uma lâmpada de descarga não e produzida pelo aquecimento de um filamento, mas pela excitação de um gás (um vapor de metal ou uma mistura de diversos gases e vapores) dentro de um tubo de descarga.

- Lâmpadas Fluorescentes As lâmpadas fluorescentes consistem de um bulbo cilíndrico de vidro, tendo em seu interior vapor de mercúrio ou argônio a baixa pressão e as paredes internas do tubo são recoberta por fósforo. Espirais de tungstênio, revestidas com uma substância emissora de elétrons, formam os eletrodos em cada uma das extremidades do tubo. Quando uma diferença de potencial elétrico é aplicada, os elétrons passam de um eletrodo para o outro, criando um fluxo de corrente denominado de arco voltaico ou descarga elétrica. Esses elétrons chocam-se com os átomos de argônio, os quais, por sua vez, emitem mais elétrons. Os elétrons chocam-se com os átomos do vapor de mercúrio e os energizam, causando a emissão de radiação ultravioleta (UV). Quando os raios ultravioleta atingem a camada fosforosa, que reveste a parede do tubo, ocorre a fluorescência, emitindo radiação eletromagnética na região do visível.

emitindo radiação eletromagnética na região do visível. Esquema de funcionamento das lâmpadas. Durão Jr. As

Esquema de funcionamento das lâmpadas. Durão Jr.

As lâmpadas fluorescentes dependem de um equipamento auxiliar para o seu funcionamento: Os reatores.

Curso On-line - Ago/2012

88

Instalação Elétrica sem Segredos

Os reatores servem para limitar a corrente e adequar as tensões para o perfeito funcionamento das lâmpadas. Os tipos de reatores encontrados no mercado são:

eletromagnéticos e eletrônicos.

A correta aplicação dos reatores garante um melhor desempenho para os projetos elétrico e luminotécnico, contribuindo diretamente para a manutenção do fluxo luminoso e a vida útil da lâmpada.

Nota:

dimerizável.

Para

dimerizar

uma

lâmpada

fluorescente

Tipos de Lâmpadas Fluorescentes

é

preciso

que

seu

reator

seja

Existe atualmente uma imensa gama de tipos de lâmpadas fluorescentes, desde tubulares, até compactas ou de formato circulares, podendo o projetista optar conforme suas necessidades e preferências. Vale dizer, que sempre ao se pensar em um projeto de iluminação, é mais que adequado consultar os catálogos atualizados dos diversos fabricantes de lâmpadas para obter informações sobre os últimos lançamentos e características como: Temperatura de cor, Potência, Fluxo Luminosa, Esquema de Ligação, Equipamentos Auxiliares, etc.

Esquema de Ligação, Equipamentos Auxiliares, etc. Tubulares Circulares Compactas (reator integrado) Compactas

Tubulares

de Ligação, Equipamentos Auxiliares, etc. Tubulares Circulares Compactas (reator integrado) Compactas (reator

Circulares

Equipamentos Auxiliares, etc. Tubulares Circulares Compactas (reator integrado) Compactas (reator externo)

Compactas (reator integrado)

etc. Tubulares Circulares Compactas (reator integrado) Compactas (reator externo) Curso On-line - Ago/2012 89

Compactas (reator externo)

Curso On-line - Ago/2012

89

Instalação Elétrica sem Segredos

- Lâmpada Vapor de Mercúrio

Tem uma aparência branca azulada. A radiação de energia fica na região visível do espectro nos comprimentos de onda de amarelo, verde e azul. Quando se aplica fósforo na camada interna do bulbo consegue-se também o vermelho melhorando a reprodução de cores. Eficiência de 55 – 60 lm/W e IRC de 40 a 48. É utilizada em iluminação pública e industrial.

- Lâmpada Vapor Metálico

Similar em construção a lâmpada de mercúrio tendo, porém, um melhoramento substancial na sua eficiência (70 a 95 lm/W) e reprodução de cor (acima de 90). Além do reator, esta lâmpada necessita de uma tensão maior do que a fornecida pela rede para iniciar a descarga, para isso utilizamos um equipamento auxiliar de partida: O

ignitor. Utilizada na iluminação de estádios e ginásios de esporte, iluminação pública, estacionamentos, etc.

A nova geração de lâmpadas de vapor metálico tem enorme aplicação para iluminação

interna e externa, inclusive fachadas. Podem apresentar bulbo de vidro comum, de quartzo e cerâmico, com e sem filtragem de UV. Temperaturas de cor de 3000K e 4.000K com vida útil entre 8 e 10 mil horas.

- Lâmpada Vapor de Sódio

Tem radiação quase monocromática, na faixa do amarelo (570), alta eficiência

luminosa (200 lm/W) e longa vida. Muito utilizadas em vias públicas, estacionamentos

e galpões onde a necessidade de reprodução de cores não é essencial. Aplicações:

Iluminação pública e demais locais que priorizem a alta eficiência do sistema, uma vez

que as lâmpadas de vapor de sódio são as mais eficientes do mercado. Apresentam qualidade de luz regular (IRC<25).

Curso On-line - Ago/2012

90

Instalação Elétrica sem Segredos

- Lâmpada Mista

A lâmpada de luz mista consiste em um bulbo preenchido com gás, revestido na

parede interna com um fósforo, contendo um tubo de descarga ligado em série a um

filamento de tungstênio. Não necessita de equipamento auxiliar para seu

funcionamento, sua ligação é feita diretamente à rede e opera em 220 V. Possui IRC 61

a IRC 63 conforme modelo, cor amarela e eficiência de até 22 lm/W.

Aplicações: Iluminação de locais que necessitem de grande quantidade de luz, praticidade na instalação e baixo custo inicial, não se preocupando com a eficiência do sistema.

inicial, não se preocupando com a eficiência do sistema. Lâmpadas de Descarga 14.1.1.3 – Lâmpadas de
inicial, não se preocupando com a eficiência do sistema. Lâmpadas de Descarga 14.1.1.3 – Lâmpadas de

Lâmpadas de Descarga

14.1.1.3 – Lâmpadas de LEDs As lâmpadas de LEDs estão vindo com a promessa de substituir as lâmpadas

convencionais e em muitos casos já fazem isso muito bem, porém quando falamos de potência a briga começa a ficar pesada. Uma coisa em que os LEDs são fantásticos é na sua eficiência (lm/W), mas quando comparamos com lâmpadas de alto fluxo luminoso,

os LEDs até conseguem, mas a pergunta que não quer calar é: Com que custo?

A comparação mais freqüente é a da lâmpada de LEDs com uma dicróica. Talvez seja porque as lâmpadas mais comuns em LEDs têm este formato e são focais também.

Vamos analisar os dados de 3 lâmpadas da Philips.

Curso On-line - Ago/2012

91

Instalação Elétrica sem Segredos

Modelo

Facho

Watts

Tensão

Cd

°K

Cd/W

IRC

VU

Dicróica 36F 50w

36º

50W

12Vac

1200

2900

24

100

2000

Dicróica 36F 20w

36º

20W

12Vac

400

2900

20

100

2000

Master Led

24º

4W

12Vac

550

2700

137,5

90

45000

Pela tabela vemos que a lâmpada de LEDs, em intensidade luminosa comparada com uma dicróica de 20watts é superior, além de consumir 5 vezes menos energia e ter uma vida útil 22 vezes maior. Neste caso a substituição em retrofit é mais do que perfeita, mas quando comparamos com o usual, que é a dicróica de 50watts, a intensidade é mais do que 2 vezes menor.

de 50watts, a intensidade é mais do que 2 vezes menor. Dicróica Essential 20W Master Led

Dicróica Essential 20W

é mais do que 2 vezes menor. Dicróica Essential 20W Master Led 4W Podemos colocar então

Master Led 4W

Podemos colocar então 2 lâmpadas de LEDs para fazer o serviço, certo? Pode ser uma idéia, mas nossa relação de investimento inicial sobe. Podemos ainda substituir a dicróica por outro modelo mais potente, certo? Perfeito, mas você vai perceber que uma maior potência em LEDs não cabe no mesmo formato de lâmpada dicróica e talvez você não tenha espaço físico suficiente.

e talvez você não tenha espaço físico suficiente. Dicróica Essential 50W MASTER LED Twist 7W Curso

Dicróica Essential 50W

você não tenha espaço físico suficiente. Dicróica Essential 50W MASTER LED Twist 7W Curso On-line -

MASTER LED Twist 7W

Curso On-line - Ago/2012

92

Instalação Elétrica sem Segredos

Vale a pena ressaltar que a comparação somente pela intensidade luminosa não é correta, ou talvez justa, pois outros atributos e características imbatíveis nos LEDs não podem ser negligenciados:

- Longa Vida Útil;

- Alta Eficiência;

- Ausência de Calor (influência direta no conforto e carga térmica do ar condicionado);

- Ausência e UV;

- Menor Consumo;

- Menor Custo de Manutenção;

- Apelos Sustentáveis.

E quando estamos falando de projeto de iluminação com LEDs devemos tirar partido de tais características e benefícios funcionais.

As lâmpadas convencionais ficam no teto e por isso precisam de grande potência para chegar ao plano de trabalho. Com muita potência, se tornam mais quentes e ai começamos a pensar que é mesmo prudente que elas estejam longe de nós, trazendo-

nos segurança. Com LEDs, estas fontes de luz poderiam se aproximar dos usuários, pois não oferecem o perigo do calor (se queimar na lâmpada) e estando mais próximas do plano de trabalho, oferecem melhores níveis de iluminamento resolvendo de imediato

o problema de falta de potência. Talvez a deficiência dos LEDs seja culpa de nossas

limitações quando de frente ao novo. Precisamos mudar estes paradigmas projetuais?

Hoje os LEDs são mais eficientes que as lâmpadas incandescentes e halógenas, porém menos eficientes que as fluorescentes e de descarga. A tendência e que daqui a 5 ou 10 anos eles sejam mais eficientes do que qualquer outra fonte de luz artificial.

Curso On-line - Ago/2012

93

Instalação Elétrica sem Segredos

Instalação Elétrica sem Segredos AR 111 Led - Brilia UltraLed EA 55 - Golden Lamina Ceramics

AR 111 Led - Brilia

Instalação Elétrica sem Segredos AR 111 Led - Brilia UltraLed EA 55 - Golden Lamina Ceramics

UltraLed EA 55 - Golden

sem Segredos AR 111 Led - Brilia UltraLed EA 55 - Golden Lamina Ceramics JDR Power

Lamina Ceramics

AR 111 Led - Brilia UltraLed EA 55 - Golden Lamina Ceramics JDR Power LED -

JDR Power LED - FLC

UltraLed EA 55 - Golden Lamina Ceramics JDR Power LED - FLC PAR 20 Led -

PAR 20 Led - GE

- Golden Lamina Ceramics JDR Power LED - FLC PAR 20 Led - GE PAR 30

PAR 30 Led - AG

Ceramics JDR Power LED - FLC PAR 20 Led - GE PAR 30 Led - AG

RGB LED - Avant

LED - FLC PAR 20 Led - GE PAR 30 Led - AG RGB LED -

PAR 30 Led - Germany

- GE PAR 30 Led - AG RGB LED - Avant PAR 30 Led - Germany

Parathom - Osram

- AG RGB LED - Avant PAR 30 Led - Germany Parathom - Osram T5 Led

T5 Led - Guimar

Avant PAR 30 Led - Germany Parathom - Osram T5 Led - Guimar MR16 Led -

MR16 Led - Ledmax

- Germany Parathom - Osram T5 Led - Guimar MR16 Led - Ledmax PAR 20 Led

PAR 20 Led - Lumiled

Osram T5 Led - Guimar MR16 Led - Ledmax PAR 20 Led - Lumiled Master Led

Master Led A55 - Philips

Led - Ledmax PAR 20 Led - Lumiled Master Led A55 - Philips Vela Led -

Vela Led - Ourolux

20 Led - Lumiled Master Led A55 - Philips Vela Led - Ourolux G60 80 –

G60 80 – LC Light

- Lumiled Master Led A55 - Philips Vela Led - Ourolux G60 80 – LC Light

MR 11 Led -LLUM

Curso On-line - Ago/2012

94

Instalação Elétrica sem Segredos

14.2.1 – LEDs Os LEDs são reconhecidos como precursores de uma nova era tecnológica na área de iluminação, graças a diversas vantagens que oferecem em relação às fontes de iluminação convencionais. Estes dispositivos representam uma ruptura na iluminação artificial tradicional, introduzindo novos paradigmas e possibilidades de iluminar.

Os diodos emissores de luz - dispositivos conhecidos pela abreviatura em língua inglesa LEDs (Light Emiting Diodes) - são fontes luminosas para iluminação artificial. LEDs são semicondutores em estado sólido que convertem energia elétrica diretamente em luz.

A obtenção da luz através de LEDs ocorre quando os mesmos são diretamente polarizados, permitindo a passagem de uma corrente elétrica. Os elétrons se movem através da junção PN do semicondutor e se recombinam com as lacunas (cargas positivas). Quando as duas cargas são recombinadas, a luz é emitida.

Quando as duas cargas são recombinadas, a luz é emitida. Esquema de emissão de luz de

Esquema de emissão de luz de um LED.

Curso On-line - Ago/2012

95

Instalação Elétrica sem Segredos

Abaixo elencamos vários benefícios que a tecnologia de LEDs podem nos proporcionar:

- Vida útil: atualmente os LEDs de boa qualidade têm especificação de 20.000h a

50.000h com uma perda do fluxo luminoso de 30%, mesmo conceito empregado pelos fabricantes de lâmpadas tradicionais para definir a sua vida útil.

- Alta eficiência: hoje os fabricantes de LEDs divulgam eficiências entre 25 a 65 lm/W e já temos divulgação de LEDs em teste com 90 lm/W.

- Baixo consumo de energia: é inerente à tecnologia, pois os LEDs atuais consomem

pouco, quando comparados às lâmpadas de mercado. Em instalações comerciais o projeto deve considerar a economia proporcionada pela menor emissão de calor ao ambiente o que resultará em menores gastos com refrigeração.

- Ausência de radiações de infravermelho: radiações acima de 780nm são

basicamente calor. Não há componentes de comprimento de onda da faixa do infravermelho nos LEDs, portanto a luz emitida por eles é "fria", não alterando as cores dos pigmentos dos objetos iluminados.

- Ausência de radiações ultravioletas: radiações entre 250nm a 380nm são

extremamente danosas. O LED branco é fabricado a partir de um chip com emissão

azul recoberto com um fósforo amarelo. O comprimento de onda do LED azul é tipicamente de 472nm, portanto não há componentes na faixa de UV.

- Alto índice de reprodução de cor: para os LEDs brancos com temperatura de cor de

3000K, o índice está entre 85 a 90. Já nos LEDs brancos com temperatura de cor em torno de 5000K o índice é 70%. Infelizmente o fluxo luminoso nos LEDs de 3000K é menor que nos de 5000K devido a maior perda introduzida pela camada de fósforo amarelo.

Curso On-line - Ago/2012

96

Instalação Elétrica sem Segredos

- Disponibilidade de temperaturas de cor de 2.700°K a 8000°K: isto é excelente, pois compatibiliza os LEDs com as temperaturas de coe usuais na indústria iluminação.

- Cores saturadas: o LED emite luz diretamente do material que o compõe em um

comprimento de onde específico e monocromático, portando tem maior saturação.

- Dimerização: é possível, desde que a fonte de alimentação (driver) permita a dimerização, como nos reatores dimerizaveis de lâmpadas fluorescente.

- Custos de manutenção reduzidos: sua vida útil é elevada, permitindo menores custos de reposição, mão de obra, paradas não programadas no serviço, etc.

- Controle de cores: com LEDs em RGB, dimerizando cada um dos canais, obtem-se, por síntese aditiva, uma infinidade de novas cores.

- Diversidade de ângulos de abertura de facho: permite aos especificadores escolher os efeitos desejados através do uso de lentes secundárias.

- Pequenas dimensões: permite o design de luminárias menores que as tradicionais e introduz novos conceitos.

- Aspectos ecológicos: não se utilizam mercúrio, chumbo e outros materiais

considerados como potencialmente danosos ao meio ambiente. Infelizmente o processo de fabricação de LEDs ainda utiliza grandes quantidades de energia para a produção dos semicondutores, fato que é parcialmente compensado pela alta quantidade de chips produzida em relação à energia aplicada ao processo. Outro fator

determinante é seu tamanho, reduzindo o impacto do descarte do produto na natureza.

Curso On-line - Ago/2012

97

Instalação Elétrica sem Segredos

- São componentes bastante robustos: possibilita seu uso em ambientes em que

outras fontes de luz necessitariam de proteção extra, como automóvel e aplicações outdoor.

- Baixa tensão de operação: não chega a ser uma vantagem explícita pois na

arquitetura se utiliza um acessório de conversão (fontes de alimentação ou transformadores) da corrente elétrica alternada da rede comercial, mas traz segurança quando os equipamentos são pensados para receber 12 Vca, como por exemplo em aplicações subaquáticas.

- Acionamento instantâneo: não há a partida lenta de alguns produtos da iluminação tradicional que necessitam de alguns minutos para operar a 100%, como por exemplo, as lâmpadas de descarga (sódio e multi-vapores metálicos). Os LEDs são apontados freqüentemente como o futuro da iluminação e neste ponto há um equívoco, pois já são uma realidade do mercado. Graças às suas características e benefícios, os LEDs não são apenas mais uma opção de fontes de luz. Eles trazem consigo novos conceitos, novas possibilidades de iluminar e uma mudança de paradigma, quando comparados às fontes de luz tradicionais.

Neste cenário, a imaginação é o limite.

14.3 – Luminárias

As luminárias têm um papel extremamente importante em um sistema de iluminação, pois elas contribuem diretamente para uma distribuição eficiente da luz no ambiente e o conforto visual das pessoas.

Curso On-line - Ago/2012

98

Instalação Elétrica sem Segredos

Os requisitos básicos de uma boa luminária são:

- Proporcionar suporte e conexão elétrica das lâmpadas;

- Controlar e distribuir a luz;

- Ter um bom rendimento;

- Manter a temperatura de operação da lâmpada dentro dos limites estabelecidos;

- Facilitar a instalação e a conservação; -Ser esteticamente agradável;

- Evitar o desconforto luminoso (ofuscamento)

-Proteger as lâmpadas e equipamentos auxiliares (Índice de Proteção – IP).

uma

luminária, a sua eficiência e suas características de emissão são de considerável

Uma

luminária

eficiente

otimiza

o

desempenho

das

lâmpadas.

Ao

avaliar

importância.

O rendimento é a divisão entre o fluxo luminoso irradiado pela luminária e o fluxo luminoso total da lâmpada. Caso a luminária não disponha de um refletor adequado para a lâmpada ou o refletor não seja de boa qualidade de reflexão, grande parte do fluxo luminoso da lâmpada não será refletida no ambiente e, consequentemente, haverá desperdício da luz e baixo rendimento luminoso. Uma luminária de alto rendimento luminoso possui refletor perfeitamente dimensionado para a lâmpada e excelente reflexão, o que proporciona um alto aproveitamento da luz e, consequentemente, permite reduzir o número de luminárias e lâmpadas em um projeto de iluminação de ambiente.

Quando se avalia a distribuição da luz a partir da luminária, deve-se considerar como ela controla o brilho, assim como a proporção dos lumens da lâmpada que chegam ao plano de trabalho.

A luminária pode modificar, controlar, distribuir e filtrar o fluxo luminoso emitido pelas

Curso On-line - Ago/2012

99

Instalação Elétrica sem Segredos

lâmpadas, desviá-lo para certas direções (refletores) ou reduzir a quantidade de luz em certas direções para diminuir o ofuscamento (difusores).

certas direções para diminuir o ofuscamento (difusores). Exemplo de refletores e distribuição da luz – Imagem

Exemplo de refletores e distribuição da luz – Imagem Internet

A fotometria é um fator importantíssimo em uma luminária, pois sem ela fica praticamente impossível inseri-la tecnicamente em um projeto. Sem este dado o trabalho projetual é feito de forma empírica e os resultados podem não ser satisfatórios.

Uma luminária que não tem sua curva fotométrica não pode ser considerada uma luminária técnica. Quando tratamos de luminárias decorativas, não podemos exigir que esse tipo de produto apresente desempenho ou performance adequados ou aferidos.

A tabela a seguir apresenta a classificação proposta pela CIE (Commission Internacionale d'Eclairage) de luminárias para a iluminação geral, de acordo com o direcionamento do fluxo luminoso total para cima ou para baixo de um plano horizontal de referência.

Curso On-line - Ago/2012

100

Instalação Elétrica sem Segredos

Classificação da

Fluxo luminoso em relação ao plano horizontal (%)

Luminária

Para o teto

Para o plano de trabalho

Direta

0-10

90-100

Semi-direta

10-40

60-90

Indireta

90-100

0-10

Semi-indireta

60-90

10-40

Difusa

40-60

60-40

Tabela de Grau de Proteção (IP) Trata-se do grau de proteção (IP), apresentado na norma NBR IEC 60529 - "Graus de proteção para invólucros de equipamentos elétricos (códigos IP).

 

Tab. I - Graus de proteção contra a penetração de objetos sólidos estranhos indicados pelo primeiro numeral característico

Numeral

Descrição sucinta do grau de proteção

0

Não protegido

1

Protegido contra objetos sólidos de Ø 50 mm e maior

2

Protegido contra objetos sólidos de Ø 12 mm e maior

3

Protegido contra objetos sólidos de Ø 2,5 mm e maior

4

Protegido contra objetos sólidos de Ø 1,0 mm e maior

5

Protegido contra poeira

6

Totalmente protegido contra poeira

 

Tab. II - Graus de proteção contra a penetração de água indicados pelo segundo numeral característico

Numeral

Descrição sucinta do grau de proteção

0

Não protegido

1

Protegido contra gotas d'água caindo verticalmente

2

Protegido contra de gotas d'água caindo verticalmente com invólucro inclinado até 15°

3

Protegido contra aspersão d'água

4

Protegido contra projeção d'água

Curso On-line - Ago/2012

101

Instalação Elétrica sem Segredos

5

Protegido contra jatos d'água

6

Protegido contra jatos potentes d'água

7

Protegido contra efeitos de imersão temporária em água

8

Protegido contra efeitos de imersão contínua em água

Fonte: Revista Eletricidade Moderna (EM), julho, 2005

IP65

Indica que a luminária é hermética contra poeira (6) e resistente a jatos de água (5).

14.4 – Descarte

As preocupações com a sustentabilidade da na iluminação devem ir além da eficiência energética. Como vimos anteriormente, as lâmpadas de descarga utilizam metais que podem causar sérios danos ao homem e ao meio ambiente. Enquanto inteiras, mesmo que “queimadas” tais lâmpadas não oferecem riscos, mas quando quebradas podem gerar contaminação. Como acontece com as baterias e pilhas é necessária a separação e destinação adequadas das lâmpadas para evitar danos ambientais. O armazenamento, manejo, ruptura e reciclagem deverem ser extremamente controladas.

Veja um vídeo que explica o processo de reciclagem de lâmpadas fluorescente pela empresa Apliquim Tecnologia Ambiental.

http://www.youtube.com/watch?v=OPbM4k5Tvn4&feature=player_embedded

Links de Empresas de reciclagem de Lâmpadas:

http://www.apliquim.com.br

http://www.megareciclagem.com.br

http://www.hgmg.com.br

http://wpaambiental.com.br

Curso On-line - Ago/2012

102