Você está na página 1de 7

FACULDADE SANTO AGOSTINHO

FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO – FADISA

FICHAMENTO

MONTES CLAROS
JUNHO DE 2009
JOÃO HENRIQUE SILVEIRA LEITE

FICHAMENTO

Trabalho apresentado como requisito


parcial à avaliação da disciplina
Metodologia da Pesquisa, 1º Período
do Curso de Direito – Noturno, Turma
A, 04 de Junho de 2009.

MONTES CLAROS
JUNHO DE 2009
DEMOCRACIA
1/5

Democracia Grega

MALUF, Sahid. Teoria Geral do Estado. 8a ed. São Paulo: Sugestões Literárias s/a, 1974.

As antigas repúblicas gregas e romanas de vinte e cinco séculos passados, entre as quais
se destaca como tipo clássico o Estado Ateniense, foram as primeiras manifestações de
direito democrático. Foram aquelas experiências as sementes da democracia, que os filósofos
antigos e medievais mantiveram vivas ate que germinassem assinalando o advento dos
tempos modernos.
A Grécia foi o berço da democracia e mesmo atualmente seu sistema político nos é
objeto de estudo.

“(...) nos Estados helênicos da democracia, como mais tarde nos Cantões da
Confederação Helvêtica, a democracia foi idealizada e praticada sob a forma direta,
isto é, o povo governava-se por si mesmo, em assembléias gerais realizadas
periodicamente nas praças públicas. Tal sistema primitivo foi impossível porque
então a Estado-Cidade (Polis, na Grécia, e Civitas, em Roma) era pequeno
restringindo-se aos limites da comunidade urbana. E para bem funcionar a
democracia, a república não podia ultrapassar certos limites”.(p.287)

O sistema de democracia presente na Grécia antiga era a direta, esta na qual o povo
tinha participação direta nas decisões políticas do Estado, essas decisões eram tomadas em
assembléias formadas em praças publicas, visto que os Gregos não se simpatizavam muito
com a escrita preferindo a retórica, esse tipo de governo só poderia realmente ser adotado em
cidades pequenas como as polis gregas, em cidades grandiosas ficaria inviável controlar toda
a extensão territorial com normas emanadas na base da fala.

Maluf faz uma diferenciação da democracia antes e a nossa democracia atual;

“No mundo moderno, porém a democracia surgiu sob a forma indireta ou


representativa. Manteve-se o principio da soberania popular (todo poder emana do
povo e em seu nome será exercido) transferindo-se o exercício das funções
governamentais aos representantes ou mandatários do povo. Democracia e
representação política tornaram-se, no mundo moderno, idéias equivalentes: fala-se
em democracia e subentendesse o sistema representativo do governo”.(p.288)
DEMOCRACIA
2/5

Democracia Grega

MALUF, Sahid. Teoria Geral do Estado. 8a ed. São Paulo: Sugestões Literárias s/a, 1974.

“No mundo moderno, porém a democracia surgiu sob a forma indireta ou


representativa. Manteve-se o principio da soberania popular (todo poder emana do
povo e em seu nome será exercido) transferindo-se o exercício das funções
governamentais aos representantes ou mandatários do povo. Democracia e
representação política tornaram-se, no mundo moderno, idéias equivalentes: fala-se
em democracia e subentendesse o sistema representativo do governo”.(p.288)

A diferenciação que ocorre em relação da democracia totalmente direta na Grécia e


a democracia indireta moderna, é que nesta diferentemente da outra o povo não tem
poder direto nas decisões do Estado, escolhendo seus representantes por voto
democrático e esses representantes é que irão tomar a decisão do Estado atendendo a
necessidade do povo.
Aristóteles, grande filosofo grego e pensador político escreveu grandes obras sobre
a ciência política do Estado e em citações do livro discute-se idéias Aristotélicas;
MALUF, Sahid. Teoria Geral do Estado. 8a ed. São Paulo: Sugestões Literárias s/a, 1974.

“(...) o genial filosofo estagirita pela condenação formal de todas elas, por entender
que a forma ideal seria a constitucional ou política, com a intervenção de todo o
povo no governo. Tal atitude decorreu do fato de que a democracia antiga já era
considerada como governo da maioria, não da totalidade do povo. Efetivamente
governavam os cidadãos, e nem todas as pessoas possuía direitos cívicos (...) nem
sempre é a maioria quem governa. O corpo eleitoral é formado pelos cidadãos, por
aqueles que, reunindo as qualidades exigidas pela lei, exercendo sos chamados
direitos políticos, ou direitos de cidadania”.(p.288).

Aristóteles era defensor da democracia direta, mas ele já tinha a visão de uma
aristocracia na política em que cidadãos eram uma minoria da sociedade, sendo assim era
uma falácia dizer que a política era totalmente democrática, pois apenas poucos tinham
direitos cívicos e grande parcela da população não tinha voz no estado.
DEMOCRACIA
3/5

Democracia Grega

BONAVIDES, Paulo. Teoria do Estado. 3a ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2001.

O conceito de democracia direta ainda nos é uma questão que traz duvidas, será que
houve uma democracia totalmente direta? E no nosso tempo será que pode haver essa
democracia?
“O conceito de democracia direta não pode ser concebido assim em termos
absolutos, conforme o modelo clássico da Grécia nos faz inculcar sempre; mas em
termos relativos, compatíveis com a natureza das estruturas sócias e políticas de
nossa época. Tais estruturas sabidamente não correspondem as da antiga polis
grega”.(p. 353).

Em nosso contexto atual penso não ser possível uma forma de democracia direta, pois
nos é evidente que na sociedade em que vivemos há hierarquização de classes atingiu um
ponto no qual há como mais não haver divergências de poder, e também pela razão de com
uma democracia direta todos os cidadãos devem participar e isso não seria possível, pois hoje
em dia não haveria como reunir uma assembléia com todos os cidadãos por conta da
quantidade demográfica exacerbada.

As relações sócias na Grécia Antiga tinham fundamental importância na democracia


Grega tendo em vista que com suas camadas sócias de homens livres e escravos,
identificavam assim os cidadãos homens políticos, livres.

“O homem político da Grécia, por sua condição de homem livre, se desatara, por
inteiro, dos laços profissionais de trabalho com que prover a própria subsistência.
Cabia ao braço escravo naquela época de privilégios executar todas as tarefas
econômicas essência de produção. O ser livre, o cidadão, ao contrario do que ocorre
em nosso tempo, ficava desse modo capacitado a consagrar cada hora, cada minuto,
cada fração de sua vida as reflexões, meditações e analises do fenômeno político que
lhe envolvia a existência e do qual, sem poder separar-se, pendia a segurança de sua
liberdade”. (p.353)

A divisão das tarefas de cada individuo na sociedade Grega antiga nos mostra a
importância que os Gregos dão aos filósofos que tinham a simples função de pensar, refletir e
DEMOCRACIA
4/5

Democracia Grega

BONAVIDES, Paulo. Teoria do Estado. 3a ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2001.

analisar as questões políticas da polis, enquanto os escravos faziam todo o trabalho físico, de
produção de subsistência material da sociedade, ou seja, os cidadãos que eram possuidores de
bens e homens exerciam poder sobre todas as funções do Estado.
Um aspecto importante da democracia grega era a rapidez e transparência das decisões
tomadas nas assembléias, isso nos mostra porque muitos historiadores consideram esta como
a mais desenvolvida das democracias, o que possibilitou que juntamente a política o direito
também se desenvolve em sua legislação e processo.

“O que se pretende formular por característico dessa democracia em nossa época não
é algo que, de necessidade, tenha de reproduzir ao pé da letra, ou com a
transparência de um espelho, a democracia dos gregos, onde tudo se resolvia por
meio direto na assembléia de cidadãos presentes à “ágora””.(p.354).

A democracia grega nos leva a observar quão diferente são as maneiras políticas atuais
destas que agora estudamos, no sentido de objetividade, rapidez e produtividade onde hoje as
decisões são imbuídas de grandes burocracias e entraves que deixam nosso Estado em suas
funções como o judiciário caro e lerdo, e que na Grécia era barato e rápido apesar de estar
nas mãos de amadores, sem profissionalização.
DEMOCRACIA
5/5

Democracia Grega

MONTESQUIEU. do Espírito das Leis. 1o volume. São Paulo: Brasil Editora S. A, 1960.

A importância da virtude dos políticos populares gregos foi um dos grandes expoentes
da democracia da época, apesar da clara concepção de seleção de cidadania que era
aristocrática, com o passar do tempo e a troca de titulares do poder Estatal esta se esvai.

“Os políticos gregos que viviam no governo popular não reconheciam outra força
que os pudesse sustentar, a não ser a da virtude. Os de hoje não nos falam senão em
manufaturas, em comércio, em finanças, em riquezas e mesmo em luxo”.(p.30).

Virtude é uma das características que faltam quase em sua total maioria aos nossos
políticos de hoje em dia, mas essa idéia não pode também ser generalizada, estes
representantes do Estado de nossos tempos deviam levar em conta a sua importância e poder
que levam consigo, e não esquecer de que o povo é sua finalidade, atender as suas
reivindicações, pois estes sim sabem o que é o melhor para o Estado.
A decadência de Atenas, a perda de sua virtude que era característica de sua democracia
direta, as invasões, foram contribuintes para o seu declínio já com um governo corrompido
pela ambição.
“Quando essa virtude desaparece, a ambição entra nos corações que a podem
receber, e a avareza penetra em todos eles. Os desejos mudam de objeto; aquilo que
antes se amava, não mais se ama; o individuo era livre, vivendo de acordo com as
leis, hoje, cada quer ser livre, trabalhando contra elas, cada cidadão é tal qual um
escravo fugido da casa de seu senhor; aquilo que outrora era máxima chama-se hoje
rigor; o que era regra, chama-se opressão; o que era atenção chama-se temor. A
frugalidade é ai avareza, e não o desejo de possuir outrora o bem dos particulares
formava o tesouro público tornava-se o patrimônio dos particulares. A republica é
um despojo, e a sua força não é mais do que o poder de alguns cidadãos e a licença
de todos”.(p.31).

A ambição da qual vemos nesta passagem é a mesma que se encontra em nossos


representantes atuais e nos fica evidente o poder de destruição que causa a perda das
virtudes de governantes, podem causar na saúde do Estado, coisa que nos fica evidente
analisando a situação atual do nosso Estado.