Você está na página 1de 52

Ano V • Nº 47 • Julho 2003 • R$ 6,00

www.embalagemmarca.com.br

T U RA
E R
CO B A DA
L
A MP L
PA
FIS 3
0200

Maior competição
promete impulsionar
mercado brasileiro de

REQUEIJÕES E AZEITES APOSTAM EM APRESENTAÇÃO PARA CRESCER


Luxo é apenas bom gosto
S imultaneamente
com a edição de ani-
versário de EMBALAGEM-
visão e de enfoque dos as-
suntos, especialmente no
tocante ao tema luxo. Nos-
tões de inúmeros leitores,
levou-nos à decisão de
passar a cobrir com maior
MARCA, em junho último, so mérito nisso foi organi- regularidade a área de pro-
foi lançada uma Edição zar com critérios jornalísti- dutos de prestígio, come-
Especial, extra, sobre o cos o precioso manancial çando pela reportagem de
tema Luxo. A distribuição de informações fornecido capa desta edição, de auto-
de ambas foi iniciada na pelas fontes consultadas. ria de Leandro Haberli.
Fispal 2003, onde, em A redação agradece a cola- Ao fazê-lo, procuramos
1999, surgiu a revista que boração de todos. ilustrar com fatos a afir-
logo se tornaria a principal Buscamos naquela Edição mação de que as coisas
referência editorial do se- Especial reiterar de manei- verdadeiramente luxuo-
tor de embalagem. ra um pouco requintada sas, superiores em sua
A apresentação dos dois um conceito em que EM- simplicidade, são aquelas
No fundo, no fundo, volumes, em bonitas em- BALAGEMMARCA acredita feitas com empenho, na
luxo é apenas bom balagens, mais uma vez e que procura difundir medida certa. No fundo,
ressaltou a criatividade e a desde seu lançamento: o no fundo, luxo é apenas
gosto. Quem for inovação permanente que uso adequado das embala- bom gosto. Quem for do
do ramo tem im- caracterizam a revista. gens adiciona valor aos ramo tem importante pa-
Logo depois de completa- produtos, diferenciando- pel – e boas oportunidades
portante papel – e da a distribuição, a reper- os e, muitas vezes, trans- de negócio – nessa mera
boas oportunidades cussão foi mais intensa do formando-os em objetos constatação.
que ocorre a cada edição. de desejo. O eco inusitado Até agosto.
de negócio – nessa A maioria dos comentários a essa verdade tão banal,
mera constatação referia-se ao diferencial de acompanhada de suges- Wilson Palhares

Assinatura por 1 ano (12 exemplares): 1 x R$ 60,00 2 x 32,50


Forma de pagamento - depósito em conta corrente (CNPJ: 57.262.701/0001-16)
Escolha o banco: Itaú Santander
Preencha os dados abaixo e envie a ficha de inscrição por fax e aguarde os dados bancários para depósito.
Se preferir, preencha o formulário em nosso site www.embalagemmarca.com.br).

NOME COMPLETO:
EMPRESA (RAZÃO SOCIAL):
CARGO:
ENDEREÇO:
CIDADE: ESTADO: CEP:
TELEFONE: ( ) RAMAL: FAX: ( )
E-MAIL:
RAMO DE ATIVIDADE DA EMPRESA:
julho 2003
Diretor de Redação
Wilson Palhares
palhares@embalagemmarca.com.br

Reportagem

6 ENTREVISTA:
MARCOS CURY
Fundador da Companhia
22 REQUEIJÃO
Maior competição no
mercado aumenta o
redacao@embalagemmarca.com.br
Flávio Palhares
flavio@embalagemmarca.com.br
Guilherme Kamio
das Ervas fala sobre a escoamento – e também guma@embalagemmarca.com.br
importância da embala- o sortimento – das Leandro Haberli
gem no crescente embalagens da iguaria leandro@embalagemmarca.com.br

mercado de condimentos Colaboradores


e especiarias Josué Machado e Luiz Antonio Maciel
Diretor de Arte
Carlos Gustavo Curado

14 BISNAGAS
Com expansão de
provedores e novas
arte@embalagemmarca.com.br

Administração
Marcos Palhares (Diretor de Marketing)
tecnologias, sistema Eunice Fruet (Diretora Financeira)
promete ganhar maior
Departamento Comercial
visibilidade no mercado comercial@embalagemmarca.com.br
brasileiro Karin Trojan
Wagner Ferreira
Circulação e Assinaturas
Marcella de Freitas Monteiro

28 AZEITES
Sem esquecer consumi-
dores de baixa renda,
assinaturas@embalagemmarca.com.br
Assinatura anual: R$ 60,00

Público-Alvo
óleos compostos EMBALAGEMMARCA é dirigida a profissionais que
investem para crescer ocupam cargos técnicos, de direção, gerência
e supervisão em empresas fornecedoras, con-
nas classes A e B vertedoras e usuárias de embalagens para ali-
mentos, bebidas, cosméticos, medicamentos,
materiais de limpeza e home service, bem

30 FISPAL
Evento registra
crescimento e apresenta
como prestadores de serviços relacionados
com a cadeia de embalagem.

Tiragem desta edição


novidades em 7 500 exemplares
processos e sistemas Filiada ao

Impressa em Image Mate 145 g/m2 (capa) e


Couché Mate 115g/m2 (miolo) da Ripasa
Impressão: Congraf

4 Editorial 42 Painel Gráfico EMBALAGEMMARCA é uma publicação


A essência da edição do mês, Novidades do setor, da criação mensal da Bloco de Comunicação Ltda.
nas palavras do editor ao acabamento de embalagens Rua Arcílio Martins, 53 • Chácara Santo
Antonio - CEP 04718-040 • São Paulo, SP
8 Cartas 46 Display Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463
A opinião, a sugestão e os Lançamentos e novidades – e FILIADA À
comentários dos leitores seus sistemas de embalagem

20 48
FOTO DE CAPA: STUDIO AG

Materiais Panorama www.embalagemmarca.com.br


Alcoa desiste de negócios na Movimentação na indústria de
O conteúdo editorial de EMBALAGEMMARCA é
área de embalagens de PET embalagens e seus lançamentos resguardado por direitos autorais. Não é permi-
tida a reprodução de matérias editoriais publi-
40 Tampas 50 Almanaque cadas nesta revista sem autorização da Bloco
de Comunicação Ltda. Opiniões expressas em
Fechamentos de defensivos agrí- Fatos e curiosidades do mundo matérias assinadas não refletem necessaria-
colas ganham usina de reciclagem das marcas e das embalagens mente a opinião da revista.
nos dá a certeza de que a EMBALA- léia Etti, da Parmalat. Informamos
GEMMARCA sempre será nosso veí- que o diâmetro correto da tampa
culo de lançamentos no mercado, e metálica utilizada é 74mm, não
não só para anúncios comerciais. 64mm, e o fabricante da mesma é a
Marco Antonio Dias de Oliveira AMCOR-White Cap do Brasil, e
Diretor comercial não a Metalgráfica Rojek, como
E-packing creditado na matéria.
São Paulo, SP Marcel Veloso Silva
Desenvolvimento de mercado
CORREÇÕES AMCOR-White Cap
do Brasil Ltda.
Iogurtes São Paulo, SP
Cumprimentos

G ostaria de parabenizar todos da


A gradecemos nossa participação
na edição de março, na reportagem
N. da R.: Pedimos desculpas às em-
presas prejudicadas e aos leitores.
equipe que realizou a embalagem- de capa (“Iogurtes”, edição nº 43,
brinquedo da revista (Projeto Pa- março/2003). No entanto, temos al- Raflatac e Wheaton
pelcartão & Design, edição nº 44, gumas considerações a fazer: a in-
abril/2003). O contraste entre o fos- formação correta sobre nossa parti-
• Na edição nº 46 (junho/2003),
co do papel e o brilho do verniz cipação nesse mercado é de cerca
UV, além de agradável apelo visual, de 30% em chapas e de 70% em co- na cobertura da Fiepag, deixou
demonstrou o quão avançado está o pos pré-formados. Também gosta- de ser informado que a empresa
parque gráfico brasileiro. Parabéns. ria de salientar que seria mais cor- representante no Brasil da Rafla-
Sidnei Paulo Diana reto dizer que, em vez de fornecer-
tac é a Texxud, cujo telefone é
Diretor mos “soluções completas, da má-
Brinquedos Raros quina à matéria-prima”, na verdade (11) 3167-2341 e o e-mail é tex-
São Paulo, SP fornecemos soluções completas, da xud@uol.com.br.

P arabéns pelo crescimento da re-


vista e muito obrigado pela nota so-
máquina de envase à embalagem. É
esse o nosso trunfo competitivo.
Luciana Serrato • Na mesma matéria, na nota so-
bre o Gutenberg System (edição nº Marketing bre a linha de frascos Âmbar da
45, maio/2003). Huhtamaki do Brasil Wheaton do Brasil, o número
Letania Menezes São Paulo, SP
do telefone foi informado com a
Menezes Comunicação
São Paulo, SP Geléias Etti omissão de um algarismo. O nú-

P arabenizo a redação pela ótima


revista, abrangente, objetiva e foca-
P or ser leitor assíduo de EMBA-
LAGEMMARCA, além de ficar bem
mero correto é (11) 4355-1800.

MENSAGENS PARA
da. Seções ótimas, em especial Al- informado caio na obrigação de pe- EMBALAGEMMARCA
manaque. Creio que esta revista de- dir uma correção. No artigo da edi-
Redação: Rua Arcílio Martins, 53
veria estar à disposição de todos os ção de maio de 2003 da revista, so-
alunos de universidades em todo o bre as geléias Etti, está mencionado CEP 04718-040 • São Paulo, SP
País, dos cursos afins com o merca- que o projeto foi desenvolvido pela Tel (11) 5181-6533
do da embalagem. Cisper. Na realidade foi projeto Fax (11) 5182-9463
Heitor Mendes nosso, com muito suor. Refiro-me
redacao@embalagemmarca.com.br
Consultoria em exclusivamente aos frascos.
Embalagens Metálicas Fernando Muniz Simas As mensagens recebidas por carta, e-
Rio de Janeiro, RJ Dil Brands

Q
mail ou fax poderão ter trechos não es-
Santiago, Chile

N
senciais eliminados, em função do es-
uero parabenizar a equipe de
reportagem pela íntegra e fidelida- a edição nº 45 de EMBALAGEM- paço disponível, de modo a dar o maior
de das informações na reportagem MARCA (maio/2003), na reporta- número possível de oportunidades aos
“Abriu a porta, parou tudo” (edição gem “Recurso ao vidro”, observei
leitores. As mensagens poderão tam-
nº 46, junho/2003), em que nosso um grande erro sobre as informa-
bém ser inseridas no site da revista
consultor Marcos Takiyama, da Di- ções das tampas utilizadas para o
visão Farma, foi entrevistado. Isso fechamento da embalagem da ge- (www.embalagemmarca.com.br).

8 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


entrevista

“A embalagem vende conceitos” undador de uma das maiores em-

F
presas do mercado de temperos e
especiarias do Brasil, a Compa-
nhia Das Ervas, Marcos Cury
sempre nutriu interesse pela culi-
nária. Antes de entrar no ramo ali-
mentício, no começo da década passada, ele
foi representante comercial de uma empresa
de material técnico para desenho. Rodava o
Brasil vendendo itens como papel vegetal,
canetas e compassos, mas não deixava de
pensar em pimentas e condimentos.
Nas viagens, visitava mercados municipais
à procura de novidades, e, na volta, curtia as
pimentas compradas país afora para distri-
buir entre amigos. Certa vez, um desses
amigos experimentou o produto e o classifi-
cou como “uma verdadeira ardência no re-
gaço”, diverte-se Cury, contando a origem
de sua primeira marca. O que começou
como pilhéria logo viraria coisa séria.
Ao mesmo tempo que o computador to-
mava mercado dos desenhistas técnicos, um
DIVULGAÇÃO

número cada vez maior de conhecidos enco-


mendava potes de pimenta. “Percebi que era
possível ganhar dinheiro vendendo esse tipo
MARCOS CURY, de produto”, ele lembra. O começo, entre-
tanto, não teve grande glamour.
criador da Companhia das Cury carregava o próprio carro de potes, e
Ervas, fala sobre a percorria mercearias e pequenos mercados
de Campinas (SP), cidade onde morava à
origem de uma das época. Com ajuda do nome espirituoso, seus
principais marcas do mer- picantes produtos começaram a se tornar
conhecidos. Mas ainda faltava muito para
cado brasileiro de condi- sua empresa alcançar o porte atual, balizado
por uma unidade produtiva de 1 800 metros
mentos e especiarias. Na
quadrados de área construída, localizada em
trajetória de consolidação Morungaba (SP), com corpo de setenta fun-
cionários e vendas para todo o país, além de
da empresa, fica claro que exportações para Estados Unidos, Japão,
a escolha do conceito de França e Uruguai.

embalagem usado na Da venda de produtos artesanais à criação


maior parte dos itens de uma das maiores empresas de condimen-
tos do país, como resumir a trajetória da
vendidos sob a grife hoje Companhia das Ervas?
teve papel decisivo na Resolvi abrir uma empresa para vender con-
dimentos quando percebi que não havia
expansão do negócio nada diferente nesse setor no Brasil. As pes-

10 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


soas só usavam sal, alho, pimenta do reino, Até então, todos fabricantes usavam saqui-
cebola e cheiro verde. Para os doces, a re- nhos plásticos, ou embalagens de vidro.
gra era açúcar, cravo e canela. Comecei a São sistemas que apresentam algumas des-
procurar importadores, em busca de condi- vantagens que, acredito, o PET não possui.
mentos diferentes, que praticamente não No caso dos filmes flexíveis, quando você
chegavam no Brasil. Em meio a esses pri- abre o saquinho, o consumidor não tem
meiros passos, comecei a pensar num nome como retampá-lo, e o produto fica sujeito
mais sério do que Ardência no Regaço. Foi a umidade. Já o vidro tem o problema de
aí que surgiu a Companhia das Ervas. quebrar. A pré-forma PET é ergonômica,
inquebrável e ainda tem um bom grau de
Qual a importância da embalagem na es- barreira. Quando a conheci, era uma pré-
tratégia da empresa? forma verde, cor que não me agradou. Só
Desde o início percebi que deveria determi- depois eu soube que era possível usar PET
nar um sistema de acondicionamento ino- incolor. Comecei a pesquisar e descobri
vador e eficiente para os produtos que eu que o material é atóxico. Creio que, com a
planejava comercializar. Foi nessa fase que ajuda desse tipo de embalagem, nós acaba-
escolhi o conceito de embalagem que usa- mos vendendo, além do produto, um con-
mos até hoje em grande parte dos nossos ceito.
produtos. Trata-se de uma pré-forma de
garrafa PET de 2 litros. No início, ela era Que outros materiais de embalagem en-
baseada na pré-forma da Coca-Cola, mas tram nesse conceito?
hoje nós temos a nossa própria matriz. As conservas e as pimentas são vendidas
em vidro, porque temos que pasteurizar es-
Por que o senhor escolheu esse material? ses produtos, já que não usamos conservan-
tes, e o PET não agüenta a exposição a al- vamos o rótulo e os folhetos com sugestões
tas temperaturas. Mas nas especiarias e de uso dos condimentos. Hoje temos mais
condimentos para a linha doméstica só usa- condições para cuidar do desenvolvimento
mos PET. Temos também a linha Gourmet, e do acabamento das embalagens Conta-
acondicionada na mesma embalagem, só mos nessa área com uma agência de design
que de 600ml, para estabelecimentos que que conhece muito bem nossa linha de pro-
usam quantidades um pouco maiores, como dutos e sabe o que dá certo em termos de
pequenas lanchonetes. Depois vêm as em- comunicação dos atributos da marca. De
balagens institucionais, de 2 litros e 3 litros, maneira geral, dá para compatibilizar, pois
também de PET, para cozinhas industriais e a embalagem, como eu já disse, é essencial
restaurantes. Fizemos uma experiência re- para que nós vendamos o conceito dos nos-
cente com polipropileno (PP). A aparência sos produtos.
é muito boa, mas, no nosso caso, a resistên-
cia não se revelou apropriada. O senhor citou as dificuldades de retampa-
mento das embalagens flexíveis. A Cia. das
Como é a concorrência com o mer- Ervas não usa esse tipo de material?
cado a granel? A única coisa que embalamos em
Como em qualquer mercado, é pre- No início, o saquinhos plásticos são os cogume-
ciso fazer o cliente entender o tipo de desenvolvimento de los desidratados. Por outro lado, es-
trabalho que está sendo desenvolvi-
nossas embalagens tamos inovando nossa linha de pro-
do. No segmento de food service, dutos com a ajuda de novas embala-
por exemplo, o dono do restaurante era muito intuitivo. gens. Estamos lançando uma linha
pode ir a qualquer mercado munici- Com o tempo, pas- de biscoitos doces com especiarias,
pal e comprar um saco plástico de samos a contar com para a qual desenvolvemos uma lata
orégano de 5 quilos. Mas ali não há de aço, onde há sacos plásticos com
informação sobre a procedência, a ajuda profissional três biscoitos cada. Além disso, esta-
data do envase, muito menos a vali- nessa área, pois mos lançando uma linha de dragea-
dade do produto. Entre outras atri- percebemos que dos de café, cobertos com chocolate
buições da embalagem, há a garantia meio- amargo, que também terá em-
de procedência do produto. Voltando
boa apresentação e balagens novas. Pretendemos, ainda,
ao mercado de food service: se a vi- praticidade são lançar uma linha de biscoitos cober-
gilância sanitária encontrar num res- essenciais nesse tos com chocolate em caixas de pa-
taurante uma embalagem de mais de pel cartão, com berço plástico ter-
mercado
5 quilos que não tenha ao menos um moformado.
rótulo, seu dono terá problemas.
Como surgiu a idéia de usar displays espe-
Como compatibilizar investimentos em me- ciais para a linha, e como é definida a lo-
lhor apresentação nas gôndolas com as calização deles nos supermercados?
veja mais: www.embalagemmarca.com.br

margens do mercado de especiarias? As embalagens de nossos condimentos têm


Desde o início, começamos apenas com tra- uma particularidade: elas não param em pé.
balho, o capital era muito pequeno. Viemos A idéia dos expositores surgiu para resolver
de Campinas e fomos para Morungaba, ou- isso. Neles, a maior parte dos produtos fica
tra cidade do interior de São Paulo, onde a pendurada. Mas o expositor tem capacida-
empresa foi oficialmente fundada, em de para toda nossa linha de produtos, inclu-
1994. Foi quando começamos a sair para sive os potes de vidro. No entanto, muitos
vender de maneira séria, mas numa tática produtos acabam expostos nos dois lugares:
ainda bem familiar. Minha filha acabou se no nosso display exclusivo e na gôndola de
formando em design de embalagem, e hoje condimentos do supermercado. Normal-
nos dá uma grande ajuda. Já meu filho se mente, nossos expositores ficam na parte
formou chefe de cozinha, pelo Senac. Mas das frutas, legumes e verduras. Mas há lo-
não tivemos ajuda profissional no início. jas que preferem colocar nossas gôndolas
Tudo era muito intuitivo, nós mesmos criá- perto da peixaria ou do açougue.

12 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


reportagem de capa

Tubos buscam cons


Novos fabricantes prometem disseminar bisnagas plásticas no país
Por Leandro Haberli
omo outros estudantes de pintura de sua Principais materiais - É claro que o processo de

C época, o americano John Goffe Rand gas-


tava boa parte de seu tempo triturando pig-
mentos coloridos para seus professores.
Misturado com óleo, o material precisava ser transferi-
produção dos tubos flexíveis evoluiu muito desde que
os primeiros fabricantes de creme dental decidiram
adotá-los. Como demonstra o próprio caso da C-Pack,
empresa de capital suíço-brasileiro que se instalou no
do às telas rapidamente, para evitar que a ação do oxi- Brasil com a intenção de produzir inicialmente 2,5 mi-
gênio o enrijecesse. Farto de trabalhar conforme os hu- lhões de bisnagas plásticas por mês, o estanho já não
mores criativos de seus mestres, Rand buscava uma tem importância no setor. Na verdade, hoje há basica-
embalagem que preservasse a consistência da pasta co- mente três tipos de materiais de tubos flexíveis: alumí-
lorida por mais tempo. Foi com esse propósito que ele nio, plásticos e filmes laminados.Unindo os dois pri-
criou, em 1841, um sistema de acondicionamento que meiros (alumínio por dentro e plástico por fora), estes
faz sucesso até hoje, o tubo flexível. últimos ficaram conhecidos por terem suplantado os
Feita inicialmente de estanho, a nova embalagem tubos metálicos no mercado de cremes dentais, proces-
foi devidamente patenteada, mas só ganhou notorieda- so que no Brasil foi deflagrado no início dos anos 90.
de quando alguém pensou em substituir as jarras de Apesar dos diversificados conceitos, é na área de
porcelana, em que os antigos cremes dentais eram con-
sumidos, pelos tubos concebidos por Rand. Isso acon-
Exemplos
teceu em 1892, por obra do dentista americano Was- do mercado
hington Sheffield. Além de impulsionar a indústria de americano
dentifrícios, a idéia eliminou um anti-higiênico ritual: mostram
possibilidades
sem uma embalagem que permitisse obter uma porção
dos tubos
de creme dental com um simples aperto, flexíveis
as pessoas eram obrigadas a imergir as es-
covas no produto, prática compartilha-
da por toda a família.
Desde a eclosão dos tubos flexíveis
entre os fabricantes de cremes dentais,
tudo indica que esse conceito de
acondicionamento nunca esteve tão
prestigiado. Os tubos, ou bisnagas,
como essas embalagens também são
conhecidas, acondicionam atualmente
uma grande variedade de produtos. No
Brasil, esse tipo de embalagem não é
tão disseminado quanto nos mercados
americano e europeu, mas novos forne-
cedores iniciaram recentemente suas
operações por aqui, sublinhando um ci-
clo de grandes investimentos em favor
do sistema. “Considerando o aumento de
fabricantes, o mercado brasileiro passou
FOTOS: DIVULGAÇÃO

por uma revolução”, define Fábio Yassu-


da, diretor-comercial da C-Pack, uma das
empresas que recentemente aterrissaram no
país para produzir tubos flexíveis.

14 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


olidação

Acondicionando principalmente cosméti-


cos, bisnagas produzidas pela C -Pack

STUDIO AG
também podem ser vistas nas gôndolas de
produtos industriais e de candies (acima)

bisnagas plásticas, onde se estima que o Brasil consu- ção de bisnagas plásticas no Brasil.
ma 12 milhões de embalagens a cada mês, que têm se De maneira geral, as empresas que estrearam ope-
concentrado os grandes lances do mercado de tubos. rações brasileiras com bisnagas plásticas acreditam
Confiantes no aumento da participação desse tipo de que o consumo atual pode ser duplicado em até três
embalagem, importantes nomes do mercado de emba- anos. Para isso, depositam esperança no fortalecimen-
lagem também inauguraram linhas de tubos plásticos to dessas embalagens entre produtos tão diversos como
no Brasil. “Não temos dúvidas de que há uma grande alimentos, itens industriais, veterinários, farmacêuticos
demanda não atendida por esse tipo de embalagem no e, principalmente, cosméticos. Além de explorar con-
país”, diz Paulo Renato Mendonça, diretor industrial ceitos como requinte e luxo, e assim garantir a possibi-
da Impacta, fornecedor latino-americano de tubos de lidade de agregar valor também através da embalagem,
alumínio, que há um ano anunciou o início da produ- o setor de cosméticos é o mais importante para os fa-

Movimentação de fornecedores desperta interesses


A chegada de novos fabricantes de valor dos equipamentos que operam tros (35, 40 e 50 mm), e quatro orifí-
bisnagas plásticas no Brasil abriu no- por ultra-som. “Queremos fornecer cios de vazão (3; 5,4 e 8 mm.). Outro
vas oportunidades para a cadeia de para as empresas que hoje são obri- fornecedor de fechamentos que am-
embalagem. Na área de equipamen- gadas a fazer o enchimento de suas pliou a oferta para o mercado de tu-
tos, é notável a estratégia de atender bisnagas pela boca”, conclui o profis- bos flexíveis foi a Crown Cork Tam-
pequenos e médios fabricantes de sional da JHM. pas Plásticas. A empresa está trazen-
cosméticos. “O setor estava limitado Terceirizando o fornecimento de tam- do ao Brasil uma linha de tampas da
a seladoras totalmente automáticas e pas, parte dos novos fabricantes de alemã Zeller Plastik. “Os volumes ain-
de alta freqüência”, afirma Julio César bisnagas também impulsionou a ofer- da são restritos, mas a demanda
Moleti, da JHM Máquinas, acrescen- ta de sistemas de fechamento no se- deve crescer à medida que novas
tando que o alto custo dessas solu- tor. Produtora de tampas e frascos empresas demonstrarem
ções leva muitos usuários de bisna- plásticos, a Igaratiba investiu três mi- interesse em lançar
gas a comprar as embalagens já sela- lhões de reais numa linha de 12 dife- seus produtos em bis-
das. Pensando nisso, a JHM desen- rentes tampas para bisnagas. Fabrica- nagas”, prevê Gustavo
volveu uma alternativa que, de acordo dos em versões lisa e flip top, os pro- Alvarez, gerente comer-
com Moleti, chega a custar 10% do dutos são vendidos em três diâme- cial da empresa.

jul 2003 • EMBALAGEMMARCA – 15


bricantes de bisnagas plásticas em função dos altos vo-
lumes demandados.
No Brasil, estima-se que apenas a americana Avon
utilize cerca de 2,5 milhões de bisnagas plásticas por
mês. Apesar disso, a maior parte dos cosméticos brasi-
leiros é vendida em frascos e potes. Na visão dos fabri-
cantes, as bisnagas podem reverter essa situação com a
ajuda de diferenciais competitivos em relação aos às
vezes elementares frascos e potes. Um deles é o fato de
os tubos flexíveis serem enchidos e selados pelo fun-
do, característica capaz de agilizar as linhas produtivas.
Ademais, com a evolução dos sistemas de fechamento,
as bisnagas passaram a contar com um importante di-
ferencial: a exposição vertical nas gôndolas.

STUDIO AG
Compensação de custos - Apoiadas em suas
tampas e sem precisar de embalagens secundárias, elas
diferem de outras embalagens que ficam em pé por se-
rem vistas de ponta-cabeça. Além de uma disposição
PET chega e processos diferenciada nas prateleiras, os profissionais do setor
de sopro evoluem reforçam a observação de que os tubos podem ser usa-
Feitas em sua maior parte de polietileno (PEAD e dos por marcas de alto prestígio. Somados à conve-
PEBD) e polipropileno (PP), as bisnagas plásticas niência de consumo, eles entendem que tais diferen-
podem ser obtidas a partir de distintos processos ciais podem compensar o maior custo das bisnagas
produtivos, com destaque para a tecnologia de plásticas em relação aos frascos e potes plásticos.
coextrusão, que permite adicionar camadas e bar- “A qualidade de impressão e acabamento da indús-
reiras às resinas que compõem os tubos. Outros tria brasileira de bisnagas já não fica a dever para os fa-
métodos comuns são a injeção e o sopro, conside-
bricantes estrangeiros”, coteja o diretor da
rados menos sofisticados em relação à coextrusão.
Impacta. Nesse ponto, cabe dizer que, além
Os especialistas reconhecem, entretanto, que as
de acabamentos metalizados, impressões
bisnagas plásticas sopradas ou injetadas podem
ser resistentes e estáveis, como demonstram algu-
precisas e tampas práticas, os tubos pro-
mas linhas da OX Cosméticos, cujos tubos foram duzidos lá fora passaram a agregar no-
soprados pela Herplast. vas utilidades e acessórios.
Ainda na área de sopro, uma novida- Exemplo curioso e providencial é o
de que promete agitar o setor vem da de uma espuma de barbear americana
suíça Aisa, uma das maiores fornece- cuja bisnaga é dotada de aplicador e lâmi-
doras de equipamentos para produ- nas próprias. Produzida pela Norden And-
ção de tubos plásticos e laminados Bro Inc, a embalagem foi uma das vence-
do mundo. Através da MagPlastic, doras da edição de 2002 do Tube of The
braço da empresa que atua no merca-
Year Award, premiação promovida anual-
do de PET, a Aisa criou no ano passa-
mente pelo Tube Council – associação que
do uma tecnologia própria para sopro
reúne os fabricantes de bisnagas flexíveis
de bisnagas feitas desse material.
Sob a marca Pakido, o sistema foi di-
nos Estados Unidos.
vulgado no Brasil durante a Fispal. Por aqui, atender o mercado de cosmé-
No estande da Aisa, podiam ser vistas ticos de luxo é o caminho vislumbrado não
bisnagas de PET acondicionando pro- só para aumentar pedidos, mas também
dutos como mel, pasta de amendoim para evitar uma indesejada diminuição
e geléia. Segundo Alain Dumani, ge- das margens de lucro. Ocorre que, se os
rente de vendas da MagPlastic, a li- novos fornecedores apostam no cresci-
berdade de concepção de formatos e mento do mercado brasileiro, as empresas Bisnaga- barbeador
a resistência à compressão são os que atuam no setor há mais tempo acreditam foi premiada lá fora
grandes diferenciais do sistema.
que a capacidade produtiva corrente ultra-

16 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


passa excessivamente a demanda. Obviamente, quem
investiu alto para iniciar suas operações no país con-
testa essa visão.
“Ao invés de saturação, os novos jogadores en-
frentam um processo de conquista da confiança dos
grandes produtores de cosméticos e de consolidação
desse conceito de embalagem entre empresas que até
agora nunca acondicionaram seus produtos em bisna-
gas”, analisa Valdivo Begalli Jr., gerente de marketing Tubos da Cebal usados por grandes fabricantes de
da Cebal, empresa do grupo francês Pechiney, consi- cosméticos: aumento de vendas sem guerrear preço
derada uma das maiores produtoras mundiais de tubos
flexíveis.
Sediada em Mogi das Cruzes (SP), a Cebal chegou
ao país depois de adquirir a Metalpack Embalagens,
em novembro de 2000. Desde então, já demarcou es-
paço na almejada carteira de fornecedores dos grandes
fabricantes de cosméticos, com projetos desenvolvidos
para Avon, O Boticário e Natura. “Percebemos nesse
início de atuação brasileira que redução de preços não
está diretamente ligada a aumento de vendas”, diz o
gerente da Cebal. “Ao contrário, o triunfo dos novos
jogadores do mercado brasileiro de bisnagas plásticas

STUDIO AG
depende de fatores como competência técnica, inova-
ção, qualidade e estratégia”, completa ele.
Embora haja quem queira distância de uma compe-
tição baseada apenas em orçamentos convidativos, é Tubos da Embale
revelam foco também
inegável que a demanda dos grandes fabricantes de em usuários de
cosméticos, em teoria as empresas potencialmente ca- pequeno porte
pazes de vender produtos de maior custo, não encerra
o mercado brasileiro de bisnagas plásticas. “Todos
querem fornecer para Natura, O Boticário e Avon”, ob-
serva Roberto Veiga, diretor da Embale, divisão da In-
plavel Indústria de Plásticos criada há oito anos para
produzir bisnagas plásticas. “Mas o segredo do cresci-
mento do mercado também é descobrir novos cami-
nhos, numa estratégia em que os pequenos fabricantes
de cosméticos têm papel central”, ele avalia.

STUDIO AG
Liderança assegurada - Tal estratégia poderia evi-
tar o desconforto decorrente do atual quadro de estag-
nação da economia brasileira. A área de cosméticos, cas. Entre os clientes mais importantes da empresa,
por exemplo, recuou 0,85% nos primeiros quatro me- destacam-se, além dos grandes usuários de cosméticos,
ses deste ano. Por enquanto, as reclamações são min- marcas de alimentícios, como a maionese Hellmann’s,
guadas, mas o tropeço pode vir a ser um estorvo nos cujas bisnagas foram decoradas pela Mazz Design.
planos dos novos fabricantes de bisnagas plásticas. “Até agora a carteira de clientes da Globalpack per-
“Permanecemos mais de vinte anos praticamente sozi- manece intacta”, diz Fábio Yassuda, profissional da C-
nhos no mercado, pois, além de constituir um nicho de Pack que trabalhou por dezoito anos na atual concor-
mercado, o retorno de investimentos em bisnagas plás- rente. Para quem suspeita que os novos players jogarão
ticas é muito lento”, analisa Elcio Pellegrini, vice-pre- o mercado para baixo, Yassuda tem uma declaração
sidente comercial da Globalpack, empresa que lidera o que sintetiza o discurso dessas empresas. “Antes de
fornecimento dessas embalagens no Brasil. pensar em enfraquecer o líder do setor, viemos para
Coligada à Filtrona, um dos maiores fabricantes de consolidar a bisnaga plástica no Brasil”. Não há moti-
filtros de cigarro do país, a Globalpack foi constituída vos para duvidar do incremento de vendas dessa ver-
em 2001. Entretanto, desde o início da década de 70, o sátil embalagem, mas com crescente número de brasi-
grupo do qual faz parte atua no mercado brasileiro de leiros cortando gastos até com produtos básicos como
transformação plástica. “Na área de bisnagas, nossa es- sabonetes e cremes dentais, os novos fabri-
tratégia integra alta velocidade, flexibilidade e fabrica- cantes precisão adotar estratégias fle-
ção interna das tampas e de seus respectivos moldes”, xíveis para atingir seus objetivos.
afirma Pellegrini. No que pesem tais características,
não há como dissociar a tradição da Globalpack à ma- Aisa Herplast
nutenção da liderança do mercado de bisnagas plásti- www.aisa.com (47) 635-0547
+41 (0) 24 4820 820
No Brasil: (19) 3281-1753 Igaratiba
www.igaratiba.com.br
Cebal (19) 3821-8000
www.cebalbrasil.com.br
(11) 4723-4700 Impacta
www.impacta-brazil.com.br
C-Pack (11) 4447-7318
www.c-pack.com.br
(11) 5562-8671 JHM Máquinas
www.jhm.com.br
Crown Cork (11) 4723-3744
www.crowncork.com
(11) 5054-4011 Mazz Design
www.mazz.com.br
Embale (11) 3842-7880
www.inplavel.com.br
(47) 439-5454 Tube Council
www.tube.org
Globalpack +1 (973) 744 4551 Metalização em
www.globalpack.com.br cosméticos: luxo
Bisnagas da Globalpack em alimentos: nicho potencial (11) 5641-5333 agrega valor

18 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


materiais

Longe do sopro
Alcoa vende seus negócios em PET para a Amcor
ixar-se nas voca- na região clientes globais

F ções, ou no core
business, como
se diz no lingua-
jar empresarial, virou pala-
como Coca-Cola e Pepsi.
Além disso, fabricantes re-
gionais também estão na
mira da empresa, que já pos-
vra de ordem entre as gran- sui 13 plantas de recipientes
des companhias nos últimos PET e 14 linhas in-house
anos. E o ramo da embala- instaladas na América Lati-
gem não é exceção dentro na. “Trata-se de uma das re-
dessa tendência de racionali- giões com maior velocidade
zação de atividades. Recente de crescimento no mundo
episódio foi o anúncio da saí- para os recipientes de PET e
da da Alcoa do negócio de a população jovem de mui-
pré-formas e garrafas de tos dos países garante que
PET, através da venda de essa alta taxa de crescimento
seus ativos na América do continue”, afirma Russell
Sul para a australiana Amcor, Jones, diretor administrativo
numa transação de 75 mi- da Amcor.
lhões de dólares. A transição Apesar do desinvestimen-
definitiva é aguardada para o to em pré-formas e garrafas,
terceiro trimestre deste ano. que segue a estratégia de ali-
Os ativos sul-americanos nhamento mundial do seu
da Alcoa envolvidos no ne- portfólio de produtos, a Al-
gócio – nove unidades de coa já informou que conti-
produção localizadas no nuará atendendo os clientes
Brasil, Argentina, Chile, Co- de embalagens e da indústria
lômbia, Peru e Uruguai – de bebidas na América Lati-

DIVULGAÇÃO
eram os únicos da multina- na através de seus negócios
cional americana na área de em tampas plásticas. Para
embalagens de PET em todo tanto, contará com o apoio
o mundo. Com a sua incor- tecnológico da Alcoa Closu-
poração, a Amcor atingirá res Systems International, Sem liner para águas
uma posição privilegiada por meio de suas operações Na área de tampas, que continua forte como
para expandir seus negócios no Brasil, Argentina, Chile, uma de suas unidades de negócios, a Alcoa
na América do Sul, visto que Peru e Colômbia. Os clientes anunciou na Fispal uma novidade para águas
as vendas anuais da Alcoa na e funcionários já foram infor- minerais. Trata-se da tampa Triplet, que, mesmo
região atingem a casa dos mados, através de comunica- sem utilizar vedantes, foi desenvolvida também
130 milhões de dólares. do da empresa, sobre a venda para garrafas com gás. Segundo Sérgio Nasci-
do negócio de PET, que em- mento, gerente comercial da Alcoa, a ausência
Maior escala prega atualmente 380 pes- do liner é possível graças à estrutura especial
Com a aquisição, a Amcor soas na América Latina. da tampa. “A Triplet possui três pontos de veda-
ção, na forma de pequenas divisões internas”,
visa aumentar seus negócios
ele esclarece. “Ela só não é recomendada em
nas áreas de bebidas carbo-
Alcoa Amcor águas altamente gaseificadas”. Feita de polipro-
natadas e águas minerais, (11) 4195-3727 (11) 4589-3060 pileno (PP), a tampa possui diâmetro de 28mm.
atendendo com maior escala www.alcoa.com.br www.amcor.com

20 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


requeijões

Sortimento Com a explosão de


marcas, apresentação
de requeijões

cremoso e há setores produtivos que pe-


é valorizada
Por Guilherme Kamio

S nam para encontrar o arco-íris


dos produtos de valor agregado,
há aqueles para os quais a solu-
ção parece acenar da esquina. Pegue-se o
caso da indústria de laticínios: ela tem no
requeijão um produto que não exige gran-
des investimentos na fabricação, goza de
grande receptividade junto ao brasileiro e,
decididamente, é percebido como um ali-
mento elaborado.
Essa atrativa equação não passa em
brancas nuvens pelas empresas de leites e
derivados, que lançam seguidas fichas para
ganhar seu quinhão de mercado, seja em
Copos de vidro da
praças regionais ou em distribuições mais Nadir: tradicionais, adeptos entre os laticínios, são os copos e os
amplas. Marcas de referência vêm ganhan- mas cada vez mais potes plásticos – especialmente os termo-
do, paulatinamente, companhia nos balcões personalizados formados de polipropileno.
e sofisticados
refrigerados – até de marcas próprias do va- “A fragmentação do mercado lácteo
rejo, vale lembrar. Assim, não só tem au- vem realmente contemplando um maior
mentado o escoamento, mas também o sor- uso do copo plástico para requeijão, o que é
timento das embalagens de requeijões. até um movimento natural, pois ela faz sur-
gir fabricantes com necessidades e prefe-
Militantes do PP rências peculiares”, afirma Paulo Eduardo
Um bom indicador dessa injeção de compe- Bernardes Silva, coordenador de mercado
titividade, no tocante à apresentação do da Fibrasa, empresa que há 31 anos atua no
produto: aquilo que se poderia chamar de ramo das embalagens plásticas rígidas. Se-
paradigma na comercialização do requei- Copos e potes gundo ele, o aumento dos clientes nessa
jão, o copo de vidro com tampa metálica de plásticos, como os área tem sido acentuado nos últimos anos.
da Poly-Vac, vêm
fácil abertura, vem descobrindo contendo- Tal movimento também é acusado por
ganhando adeptos
res. Rivais emergentes, que vêm ganhando entre requeijões outra tradicional fornecedora de recipien-
tes de PP, a Poly-Vac, que diz já contar com
mais de quarenta clientes na área de requei-
jões em sua carteira. Entre os atrativos dos
copos e potes plásticos, a empresa destaca
o fato de tais embalagens permitirem o en-
caixe umas nas outras (são “telescopá-
veis”, segundo o jargão industrial). Além
disso, elas são mais leves. Esses dois fato-
res são, sem dúvida, relevantes nos proces-
FOTOS: STUDIO AG

sos de transporte e estocagem. “Inegavel-


mente, porém, a maior atração é o preço”,
afirma Benilde Carneiro Lodi, supervisor
de marketing da Poly-Vac.

22 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


Prenúncio de maior disputa também em tampas
Há um bom tempo fazendo dobradi- co – só que este na forma de anel. dicional diâmetro de 74mm, mas a
nha de sucesso com os copos de vi- Esse diferencial, diz Luiz Carlos Co- versão de 67mm já está em desen-
dro no mercado de requeijões, numa velo, diretor comercial da Aro, facili- volvimento.
conjugação praticamente hegemôni- ta a abertura do produto somente

DIVULGAÇÃO
ca, a tampa Abre Fácil, da Rojek, com os dedos da mão, dispensando
está na mira da concorrência. Uma utensílios domésticos. “Ademais, o
solução alternativa foi lançada em anel não solta totalmente da tampa,
maio pela Aro, tradicional fabricante o que evita que crianças o ingiram
de rolhas metálicas para bebidas e inadvertidamente, e o furo da tampa,
de latas para tintas e vernizes. Trata- próprio ao sistema de envase a vá-
se da tampa Prática, que, como a cuo do requeijão, não fica exposto,
solução da Rojek, conjuga uma tam- evitando contaminações”, ele ilus-
pa metálica com um vedante plásti- tra. A Prática está disponível no tra-

Frente a essa constatação, e no cotejo vestida do plástico não é ignorada.


com o que aconteceu na área de bebidas, Todavia, não se acomodando diante do
surge, contudo, uma pergunta inevitável: o handicap da ligação praticamente umbilical
crescimento da participação dos copos plás- de seu produto com o requeijão, a empresa
ticos para requeijões não evidencia certo lembra que vem afinando com seus clientes,
“efeito tubaína” no mercado, tomando em- nos últimos anos, projetos de copos com de-
prestada a definição criada para rotular o sign diferenciado ou dedicados a ações pro-
crescimento das marcas mais modestas de mocionais, que ganham atributo de item
refrigerantes na esteira da popularização para colecionar – a exemplo do que pôde
das garrafas de PET? ser visto, num caso relativamente recente,
Lodi diz que não e aponta, em seu port- através da marca Danúbio, da Dan Vigor, na
fólio, a presença de copos de marcas de última Copa. “Vimos igualmente aumentar,
“qualidade reconhecida”. Um deles, num num período recente, o uso dos copos com
exemplo providencial, segundo o profis- bocal menor, no diâmetro de 67mm, e de
sional, é o da chancela Curral de Minas, perfil mais alongado, que reforçam o apelo
vencedora, nos últimos dois anos, da cate- de reuso pelo consumidor”, comenta Mau-
goria de requeijão cremoso no Concurso rício Goulart de Faria, gerente da divisão de
Nacional de Produtos Lácteos, prêmio tra- embalagens de vidro da Nadir.
dicional no setor. Aliás, a larga reutilização do copo de vi-
dro pelos consumidores, como copo mes-
Reuso pesa mo, vasilho, porta-lápis e outras funções,
No balcão da Nadir Figueiredo, referência Promoções, como constitui o fator de “maior agregação de va-
no fornecimento de copos de vidro para re- a feita pela Dan lor frente a outras embalagens vazias”, nas
Vigor, reforçam
queijões cremosos, segmento em que afir- palavras de Faria. E trata-se de um trunfo
apelo dos copos
ma deter mais de 90% de participação, a in- decorados que ele considera um porto seguro. Até por-
que, segundo o executivo, esse apelo tem
sido reforçado pelo fato, verificado em mo-
nitoramentos do mercado feitos pela Nadir,
de as redes de varejo virem estipulando uma
diferença pequena de preço entre os requei-
jões acondicionados em vidro e os que
usam copos de plástico.
Nesse ponto, um possível contra-argu-
mento da concorrência seria o de que o be-
nefício do reuso vale enquanto a retenção
dos copos nos lares não atinge a saturação.
Em outras palavras, só dura enquanto hou-
ver espaço no armário. O executivo da vi-

24 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


Requeijão ianque quer maiores fatias Aro
(11) 6462-1700
Nos Estados Unidos, o queijo cremoso ma- Philadelphia, líder mundial na categoria, www.aro.com.br
tinal também é uma tradição. O deles, no que de 1994 a 1997 esteve presente nas
Fibrasa
entanto, é diferente do brasileiríssimo re- gôndolas daqui através de importações – (11) 5051-2984
queijão, e atende pelo nome de cream interrompidas devido à volatilidade cambial www.fibrasa.com.br
cheese. Acreditando no potencial do mer- e à complexidade logística.
Grati
cado nacional para o produto, a Kraft A marca, presente em mais de 100 países e
(11) 5642-0820
Foods está relançando no país a sua marca com vendas anuais de mais de 1 bilhão de grati@grati.com.br
dólares mundialmente, será encontrada nas
gôndolas nas versões Original e Light, em Huhtamaki
(11) 5504-3500
potes de 200g da Huhtamaki, tradicional
www.huhtamaki.com.br
fornecedora de recipientes plásticos para
alimentos. Para viabilizar a produção do Nadir Figueiredo
Philadelphia, a Kraft construiu uma fábrica (11) 6967-1633
www.nadir.com.br
dedicada junto às suas instalações em Cu-
DIVULGAÇÃO

ritiba (PR), “a mais moderna no mundo Poly-Vac


para a produção do cream cheese”, segun- (11) 5541-9988
do a empresa. www.poly-vac.com.br

draria, no entanto, acredita que esse os cozinheiros de fim de semana.


esgotamento é relativo, “pois o hábito Tais embalagens foram mantidas, na
de doar copos a conhecidos, ou mesmo transição do canal institucional para o gran-
de levá-los para uma casa de campo ou de varejo, pela sua praticidade: ao cortar o
de praia, é arraigado entre as famílias”. bico do envoltório, o consumidor pode do-
Longe da disputa entre os copos, ou- sar a aplicação do requeijão em sua receita.
tro sistema de embalagem vem ganhando “Com a ampliação do mercado, tive-
espaço no campo dos requeijões, mas no mos de adaptar formatos e volu-
nicho dos chamados requeijões culinários. mes para melhor atender a
cada público”, conta Luiz Fernan-
Flexíveis na área do Redoschi, sócio-proprietário da Gra-
São os aplicadores de filmes flexíveis, ti, convertedora que se especializou no sis-
também conotados como bisnagas. Inicial- tema e, hoje, produz embalagens que va-
Bisnagas: para
mente desenvolvidos para atender o food food service riam dos 100g e 400g, para o varejo, e de
service, paulatinamente eles ganharam o e também 1kg a 10kg, para o food service. Segundo
varejo, para contemplar as donas-de-casa e para o varejo ele, as estruturas usuais das bisnagas são as
laminadas, de poliéster e polietileno, ou as
Aposta na força da chancela coextrudadas, de náilon e polietileno.
Famosa pelo seu Copocrem. “O novo Queiroz, gerente
Em meio a essa segmentação do merca-
requeijão diferen- produto é dirigido comercial da Catu- do, na qual a embalagem vem desempe-
ciado, de apelo pre- ao segmento de re- piry. Para o produ- nhando papel decisivo, o chavão torna-se
mium, a Laticínos queijões em copo, to, a Nadir Figueire- inevitável: quem ganha, no fim das contas,
Catupiry está utili- portanto não com- do desenvolveu um é o consumidor. Dele, os laticínios e as em-
zando, pela primei- petirá com nosso copo de desenho presas de embalagens só esperam maior
ra vez, uma embala- requeijão tradicio- exclusivo. No rótu- disposição – e condição, é claro – de com-
gem de vidro. No nal”, explica Léo lo, o logotipo da prar requeijão.
entanto, ela não Catupiry ganhou Isso porque, como é sublinhado pelos
acondiciona o car- destaque. “Acredi-
fabricantes, o consumo individual brasileiro
ro-chefe da empre- tamos que o consu-
de queijos para untar pães, torradas e bis-
sa, mas sim uma midor irá valorizar a
coitos é de apenas 300g anuais, enquanto
nova marca de re- tradição de nossa
queijão cremoso marca no momento
em alguns países europeus chega aos 15kg.
que está sendo lan- da compra”, arre- É a evidência de que o mercado interno tem
çada no mercado, a mata Queiroz. tudo para vir a ser, para os requeijões, um
canapé mais saboroso.
DIVULGAÇÃO

jul 2003 • EMBALAGEMMARCA – 25


CONGRAF

26
CONGRAF

27
azeites

Sem estratificação
Óleos compostos investem para crescer nas classes A e B
esmo sem poder de compra suficiente, ou acaba de ganhar uma versão sofisticada, composta de

M simplesmente refratários a gastar um


pouco mais e levar para casa aquilo que
desejam, os consumidores raramente dei-
xam de querer sentir o gostinho de possuir um produ-
azeites europeus e óleo de soja brasileiro. Contando
com ervas suspensas e seis diferentes versões, o re-
cém-lançado Maria Premium está sendo vendido em
garrafas de vidro desenvolvidas pela Cisper. Com ca-
to bem reputado. Tal afirmação pode ser transposta em pacidade de 500ml, a embalagem tem fundo abaulado
estilo literal para o crescente mercado de óleos com- concebido para evitar que as ervas se acumulem em
postos. Normalmente vendidos na escala de 85% de sua base.
óleo de soja e 15% de azeite, ao longo dos anos esses
produtos têm permitido aos brasileiros menos privile- Ar nobre - Não bastasse a presença do vidro, mate-
giados servir em suas mesas um iten normalmente im- rial que se tornou um símbolo de sofisticação no mer-
portado e caro como o óleo de oliva. cado de azeites, os acessórios da garrafa do Maria Pre-
No entanto, frente à explosão de marcas favoreci- mium reforçam a semelhança visual entre o produto e
da pelo vaivém cambial e pelo insistente achatamento os mais celebrados azeites europeus. Feita de alumínio
do poder aquisitivo da população, tradicionais forne- com acabamento dourado, a tampa da versão luxuosa
cedores de óleos compostos começaram a diversificar do óleo Maria é rosqueável e tem a marca do produto
seu público-alvo para além das classes mais baixas. impressa em alto-relevo. O projeto do sistema de fe-
Numa jogada hábil, cujo objetivo é romper a estratifi- chamento foi desenvolvido pela Marcatto. “Como o
cação de mercado que caracteriza o setor e assim am- vidro, o alumínio confere ar nobre e se encaixa perfei-
pliar as margens junto aos consumidores das classes A tamente no conceito do produto”, fala Márcio Bairão,
e B, tais fabricantes passaram a aprimorar o grau de diretor de marketing da Vida Alimentos.
distinção de suas marcas, investindo em inovações Ainda no fechamento, o Maria Premium conta
produtivas resguardadas por embalagens cada vez com batoque plástico dotado de orifício de saída cria-
mais nobres e atraentes. do especialmente para dar vazão às ervas suspensas. O
Pelo menos dois recentes lançamentos do mercado acessório também possui um sistema de corta-gotas,
de óleos compostos comprovam essa tendência. O pri- que não deixa o óleo escorrer no vidro após o uso. Na
meiro deles vem da Vida Alimentos, fabricante do tra- parte de decoração, a Vida Alimentos delegou a pro-
dicional óleo Maria. Líder do mercado brasileiro de dução dos rótulos e contra-rótulos à gráfica Henel. O
óleos compostos, com 68% de participação, a marca design gráfico das peças foi criado pela Seragini Far-
Garrafas de vidro e ervas né, que optou por um padrão cromáti-
suspensas no recém-lançado co distinto para cada um dos seis sabo-
Maria Premium res da Linha Maria Premium.
Outro óleo composto com posicio-
namento premium foi recentemente
lançado pela Cargill. Sem recorrer ao
vidro, mas também buscando referên-
cias de sofisticação através da embala-
gem, a empresa criou a linha Olívia,
que atualmente é vendida em sete ver-
sões (tradicional, orégano, tomate
seco, manjericão, pimenta, cebola e
FOTO: DIVULGAÇÃO

alho e ervas finas). Há pouco mais de


um ano no mercado, os produtos já
contam com 19% de participação no
setor de óleos compostos, segundo da-
STUDIO AG

Linha Olívia, da
dos ACNielsen. A linha é comercializada em latas de aço Cargill: latas
de 500ml que, com a adoção de tampas retráteis, seguem mais resistentes
a tendência do mercado de azeites puros. O visual das e bico dosador
embalagens ficou a cargo da agência B+G Designers.

Latas eletro-soldadas - Além de investir no visual e


na diversificação de sabores, a Cargill tem demonstrado
preocupação quanto à modernização dos métodos produ-
tivos de suas embalagens. Fornecidas pela Prada, as latas
de aço utilizadas na linha Olívia passarão a ser produzi-
das com tecnologia de eletro-soldas. Segundo Adriano
Marson, da área de marketing da Prada, trata-se de um
sistema que apresenta vantagens em relação ao método
produtivo tradicional, conhecido como agrafagem.
“Onipresentes em alimentos europeus vendidos em
embalagens de aço, as latas eletro-soldadas possuem fe-
chamentos mais herméticos, além de boa resistência à
queda”, diz o profissional da Prada, acrescentando que, a
despeito dos benefícios, o custo da solução não é maior.
Marson explica ainda que a oferta da nova tecnologia foi B+G Designers
www.bmaisg.com.br
impulsionada pela recente aquisição das linhas produti- (11) 5051-1446
vas da fluminense Real Embalagens pela Prada. “Na área
Cisper
alimentícia, a marca Olívia será a primeira a usar as latas
(11) 6542-8000
eletro-soldadas”, revela Marson. www.cisper.com.br
Sob uma possível linha de interpretação, os investi-
Henel Indústiras Gráficas
mentos em embalagem mostram que a consolidação do (11) 6942-9922
mercado de óleos compostos não depende apenas da di- www.henel.com.br
minuição do poder aquisitivo da população. Tudo indica
Prada
que o uso de blends de azeites consagrados, aromas e sa- (11) 5682-1000
bores cada vez mais diversificados, além de embalagens www.prada.com.br
modernas e atraentes, pode fazer o consumo desses pro-
Seragini Farné
dutores crescer mesmo nas parcelas da população cuja (11) 3088-0477
renda ainda não foi para o vinagre. www.seraginifarne.com
feira

Pelos números, bo
Fispal 2003 mostra que, mesmo com incertezas macroeconômicas, indústri
Por Guilherme Kamio e Leandro Haberli
ornou-se usual entre o se- mente a aquisição de bens de capital, em conjunto com a Techno Plus (Feira

T tor produtivo nacional, nos


últimos meses, alegar ser
preciso aguardar decisões
claras do governo Lula quanto à políti-
itens que via de regra dependem dos
financiamentos e de outras formas de
crédito que surfam no corrente mar da
instabilidade cambial e das taxas de ju-
Internacional de Fornecedores para as
Indústrias Farmacêutica, Cosmética e
Química), movimentou negócios da
ordem de 4,8 bilhões de reais, um cres-
ca econômica, pois só assim seria pos- ros desestimulantes. cimento expressivo de 1,6 bilhão de
sível investir com certa segurança, ou, Só que, ao menos pelo o que se reais em relação ao que foi movimen-
no máximo, correndo um risco calcu- pôde apurar ao fechamento da 19a edi- tado na Fispal de 2002 e 1,5 bilhão de
lado. À primeira vista, e aos olhos dos ção da Fispal Tecnologia – Feira Inter- reais a mais que a expectativa inicial
mais práticos, tal cautela se justifica, nacional de Embalagens e Processos dos organizadores.
ainda mais se as empresas têm em Industriais, que aconteceu de 10 a 13
de junho no Pavilhão de Exposições Maior segmentação
do Anhembi, em São Paulo, parece Outros dados, mais palpáveis, também
que o empresariado resolveu se anteci- deixaram transparecer a dimensão
par aos acenos do condottiere nacional maior da feira neste ano. O número de
– ou então já possui indicativos que expositores saltou de 1 656, em 2002,
lastreiam a previsão de um futuro bre- para 1 838 neste ano, o que demandou
ve favorável. Isso porque a feira de ne- uma área maior para o evento. Neste
gócios registrou um volume expressi- ano, foram 38 000 metros quadrados
vo de transações realizadas, numa evo- ocupados (32 000 metros quadrados
lução consistente em relação a sua edi- para a Fispal e 6 000 metros quadrados
ção anterior. para a Techno Plus), 3 000 a mais que
Nos cálculos do Grupo Brasil Rio, na edição anterior. E o público visitan-
seu organizador, a Fispal deste ano, te aumentou de 54 700 pessoas da edi-
realizada pela quinta vez consecutiva ção 2002 para 68 622 neste ano.

Nova geração para caixinhas e garrafas de PET


A Tetra Pak apresentou novidades nas áreas de RFA-40, que tem uma câmara estéril integrada, eli-
equipamentos para embalagens cartonadas e plásti- minando a necessidade de uma sala limpa na linha
cas e outros sistemas de processamento. Para o for- do cliente. Ela produz até 15 000 garrafas por hora,
mato Tetra Brik Aseptic de 1000ml, a empresa mos- com flexibilidade para vários formatos e volumes –
trou a máquina de envase Tetra Pak A/3 Speed, que de 330ml a 1 500ml – e é indicada para engarrafa-
alcança a produção de 12 mil unidades por hora. Ela dores de chás, isotônicos e sucos.
pode ser conjugada à Tetra Cardboard Packer 22, (11) 5501-3200
lançamento para agrupar as Tetra Brik em bandejas www.tetrapak.com.br
ou caixas wrap around. Na mesma
seara, outro destaque foi a TBA/8,
envasadora para caixinhas Tetra
Brik Aseptic de 355ml a 1500ml
que possibilita a colocação de va-
FOTOS: DIVULGAÇÃO

riadas tampas. Para o envase as-


séptico de embalagens de PET, a
Tetra Pak mostrou a Tetra Plast

30 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


m presságio
a não deixa de investir em tecnologia

Em termos de apresentação, a gran- Processa. Segundo Ricardo Santos lizou um seminário sob o tema “Em-
de novidade da Fispal Tecnologia Neto, presidente do Grupo Brasil Rio, balagem: será este o diferencial com-
2003 foi a setorização da feira, uma essa segmentação foi decisiva para o petitivo para o século XXI?”. A entida-
evolução da tendência de segmentação bom desempenho da feira, “porque de de classe da indústria de embala-
iniciada em 2001, com a divisão da direcionou o visitante às suas áreas de gem ainda participou da Fispal através
feira em dois pavilhões, separando interesse, otimizando seu tempo e, dos estandes de Meio Ambiente, De-
empresas por perfil – uma reivindica- conseqüentemente, facilitando os ne- sign, Exportação e Institucional, sendo
ção tanto dos expositores como do pú- gócios”. que neste último foi promovida nova-
blico em geral. E como vem se tornando tradicio- mente a votação da categoria Voto Po-
Neste ano, as cores dos carpetes nal nos últimos anos, a feira trouxe pular do Prêmio ABRE de Design &
delimitavam os espaços dedicados às uma série de eventos paralelos. A As- Embalagem, com a exposição no local
empresas fornecedoras de equipa- sociação Brasileira Técnica de Flexo- das 177 embalagens inscritas.
mentos de embalagem, que ocuparam grafia (Abflexo/FTA Brasil) promoveu A seguir, EMBALAGEMMARCA apre-
o setor Fispack, e às empresas de uma série de palestras ao longo dos senta as novidades que mais chama-
equipamentos para processamento de quatro dias de evento, e a Associação ram a atenção de sua equipe ao longo
alimentos, que fincaram pé no setor Brasileira de Embalagem (ABRE) rea- dos três dias de evento.

Embarques ágeis
Voltado aos frigoríficos, tanto aos que traba-
lham o mercado nacional como aos que expor-
tam, a fechadora de caixas TB-1452 (foto) foi
coqueluche no estande da 3M. Ela foi desenvol-
vida especialmente para o fechamento de gran-
des volumes de caixas telescópicas (tampo/fun-
do) de papelão com fita adesiva, numa alterna-
tiva às cintas plásticas e aos filmes shrink. Ou-
tro destaque da 3M foi o Aero 120, aplicador de
etiquetas e rótulos para caixas de papelão que
pode operar acoplado a fechadores de caixas.
Ele pode utilizar etiquetas de papel ou BOPP, e
tem velocidade de aplicação regulável, podendo
chegar a 30 metros por minuto.
0800 13 2333 • www.3m.com.br
Estanque e prática
A lata Ploc Off foi a vedete da Brasila-
ta no evento. Ideal para embalar ali-
mentos secos como café solúvel, casta-
nhas, leite em pó e achocolatados, entre
outros produtos, a Ploc Off possui fe-
chamento que combina metal e plástico,
e que agrega lacre de segurança com
mecanismo antiviolação. A nova lata
surge como alternativa de uma só peça
ao sistema baseado em selo de alumínio
Caixinha ao gosto do cliente
com sobretampa plástica ou metálica, A nova linha de embalagens assépticas cartonadas combisha-
dispensando utensílios para a sua aber- pe, lançada mundialmente durante a feira alemã ANUGA
tura. De acordo com a Brasilata, a prin- FoodTec, em abril, foi o destaque da SIG Combibloc na Fis-
cipal vantagem da Ploc Off no envase é pal. O grande diferencial da combishape é a possibilidade de
o fato de ela dispensar recravadeira. ela ter formatos diferenciados, de acordo com o desejo do
Para o consumidor, o maior benefício é cliente – ela pode ser oval, triangular, octogonal ou pentago-
o refechamento estanque, que garante nal, entre outros formatos, numa ampla gama de volumes. As
maior conservação aos alimentos. A combishape são fornecidas em bobinas impressas e não em
inovação já foi premiada em abril, du- embalagens individuais pré-cortadas, como convencional-
rante o evento Cannex, em Cingapura. mente opera a SIG Combibloc, e são dotadas do sistema de
(11) 3871-8500 • www.brasilata.com.br abertura/fechamento shapeTwist, uma tampa de rosca plásti-
ca de três partes.
(11) 3168-4029 • www.sigcombibloc.biz

Aposta em novos segmentos


A Orsa Celulose, Papel e bilizadas a partir de investi-
Embalagens apresentou na mentos de 300 000 reais em
Fispal produtos para alguns tecnologia e desenvolvimento.
segmentos novos em seu port- Tais embalagens, que permi-
fólio. Foram os casos das em- tem impressão em até quatro
balagens para fumo das emba- cores, têm como principais fo-
lagens em papelão microondu- cos aplicações sofisticadas
Rótulos no lugar lado. As embalagens para para o acondicionamento de
Através de sua unidade TIF, da divisão fumo (foto), fruto de investi- alimentos, calçados e cosméti-
de Adesivos Industriais, a Henkel enfa- mentos de 1,5 milhão de reais, cos, entre outros produtos.
tizou durante a feira o Optal LG 11, um têm alta resistência à umidade (11) 4689-8700
adesivo base sintético substituto da ca- e ao empilhamento, um apelo www.orsaembalagens.com.br
seína, com desempenho superior para forte diante do manuseio
rotulagem. Segundo a Henkel, ele foi de- severo e das exporta-
senvolvido para dar maior resistência às ções. São fabri-
variações de temperatura, evitando o cadas com adesi-
descolamento do rótulo de garrafas na vo especial em pa-
refrigeração e na imersão em água. O rede dupla de papéis
Optal LG 11 é fornecido em embalagem virgens, o que dá suporte
com formato de balde e, segundo a Hen- à prensagem do fumo,
kel, já está sendo utilizado pelos fabri- realizada no interior da
cantes das principais marcas de cerveja própria embalagem. Por
no Brasil e na Argentina. sua vez, as embalagens de
(11) 3848-2300 • www.henkel.com.br microondulado foram via-

32 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


Novas máquinas em destaque para pouches e vácuo
Duas máquinas concentraram ferentes de embalagem e possui
atenções no estande da Masipack: sistema eletrônico de todas as fun-
a Ultra Pouch e a MXVAC. A pri- ções, controlado por CLP Allen
meira é uma embaladora automá- Bradley. Já a MXVAC se destina
tica vertical para formar pouches e ao embalamento a vácuo de pro-
stand-up pouches, com produção dutos granulados, como cafés. A
de até 80 pacotes por minuto e sis- maior shelf life proporcionada é
tema opcional para a aplicação de apelo sensível para produtos para
válvulas ou zíperes. Um grande exportação. Sua produção é de até
destaque é sua construção com- 30 pacotes por minuto, e ela se
pacta, que ocupa espaço reduzido adapta aos mais diversos tipos de
na planta do cliente. O Ultra dosadores.
Pouch permite rápido setup para (11) 4178-8099
formar até 20 tipos de formatos di- www.masipack.com.br

Identificação mais rápida Abertura fácil em


A RR Etiquetas destacou a impressora digital de rótulos novos nichos
VP2020, da VIPColor, para processos de identificação e codi-
Grande fornecedora de fitilhos para a
ficação de produtos. Seu principal atrativo é a possibilidade
abertura fácil de embalagens e pioneira
de imprimir etiquetas coloridas com imagens e figuras em alta
na tecnologia de fitilhos auto-adesivos,
resolução, o que facilita a identificação e evita trocas e enga-
a partir da qual trabalha sua marca Su-
nos na remessa e armazenamento de mercadorias. Ademais,
pastrip, a PP Payne mostrou na Fispal
permite a customização de códigos de barras e inserção de da-
algumas aplicações novas de seus pro-
dos variáveis. Baseada em tec-
dutos, incluindo soluções recentemente
nologia ink-jet da HP, a im-
adotadas por clientes nacionais para a
pressora pode ser conectada
abertura de embalagens flexíveis, papel
via rede Ethernet, por cabo
cartão, papelão corrugado e embala-
USB ou através de tecnologia
gens a vácuo. Exemplos dessas novas
sem fio Bluetooth. Depen-
aplicações, mostradas pela PP Payne
dendo do tamanho da etique-
em seu estande, foram os cartuchos da
ta, pode imprimir até 2 900
Farinha Láctea Nestlé, as pastilhas
unidades por hora.
Mentos e Valda em versão flip top, o
(11) 6525-9000 • www.rretiquetas.com.br
snack Club Social Integral e a linha da
Melhoramentos Papéis com a aplicação
Novo couché revestido do fitilho Supastrip para as embalagens
de papel toalha, guardanapos e papéis
Indicado para a produção de grar a carteira de papéis higiênicos.
rótulos secos, auto-adesivos ofertados ao segmento de (11) 5523-2312 • www.pppayne.com
e envoltórios, o Image La- embalagens. A Ripasa ainda
bel, papel couché revestido abrigou em seu estande o
em um único lado, foi apre- Espaço do Cliente, onde
sentado pela Ripasa na Fis- produtos de seus principais
pal. A empresa também clientes, além de ações
aproveitou o evento para in- como o Projeto Papelcartão
formar que sua linha textu- Design, veiculado em EM-
rizada de papel cartão Acá- BALAGEMMARCA, foram exi-
cia, que compreende as va- bidos ao público.
riantes Monopack, Master- 0800 113257
set e Monolux, passa a inte- www.ripasa.com.br

34 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


Sortimento em fitas
A Day Brasil apresentou no evento uma nova
máquina seladora de caixas de papelão com fi-
tas adesivas, a TecTape 551 Red Line. Segundo
a empresa, seu projeto simplificado proporcio-
na um abatimento de custo da ordem de 25%.
Na mesma seara, a Day apresentou novas inte-
grantes da família TecTape de fitas adesivas
aplicáveis na indústria alimentícia. São elas a
TecTape 304, aplicável em altas e baixas tem-
peraturas (até –20º C em câmara fria); a TecTa-
pe 346, fita atóxica que possui adesivo de bor-
racha com características especiais, que não
permitem sua transferência, além de suportar
variações de temperatura e contato com produ-
tos químicos; a TecTape 306, desenvolvida es-
pecialmente para aplicações em caixas de pape-
lão; e a TecTape dupla-face com refile, cujo li-
ner é descartado com maior rapidez, gerando
agilidade em aplicações.
(11) 3613-7744 • www.daybrasil.com.br

Linhas inteligentes
O Robot 3A, máquina multifuncional de sua
controlada Kettner, foi o destaque da Krones
na feira. Com demonstrações do funcionamen-
to da máquina, a Krones procurou ressaltar as
vantagens de rentabilidade dos robôs na com-
paração com várias máquinas embaladoras ou
paletizadoras instaladas conjuntamente em uni-
dades flexíveis de produção. Segundo a Kro-
nes, mais de 600 robôs encaixotadores e paleti-
zadores da Kettner estão funcionando em todo
o mundo. Eles trabalham com caixas plásticas e
de papelão, divisórias e envases individuais,
nas mais diversas tarefas, devido ao princípio
de construção modular.
(11) 4075-9500 • www.krones.com.br
Frutas ganham com bags
A Embaquim lançou uma ser fornecidos individual-
bolsa plástica asséptica (bag) mente ou em bobinas, para
de alta barreira ideal para o uso em linhas automáticas de
acondicionamento de ali- alta produtividade. A Emba-
mentos, especialmente fru- quim também mostrou os
tas. A nova embalagem, obti- lançamentos da Astepo, em-
da a partir de uma estrutura presa italiana do Grupo Ber-
coextrudada laminada com tuzzi, que ela representa com
PET, proporciona vida de exclusividade no Brasil. Resfriados mais
prateleira de até um ano para Exemplo: a linha de enchi-
frutas sensíveis, como man- mento asséptico para peque-
ecológicos
ga e banana, e de até dois nas produções. “Existe um Mais uma alternativa de revestimento
anos para produtos mais re- mercado potencial para essas para embalagens celulósicas de produtos
sistentes, como tomate e máquinas de pequeno porte, refrigerados foi apresentada na Fispal.
goiaba. Ela pode ser forneci- uma vez que as empresas es- Trata-se do EcoBox, cartucho de papel
da em volumes de 200 e tão buscando alternativas cartão revestido à base de parafinas e ce-
1000 litros. Os bags podem mais baratas e de produção ras micro-cristalinas, que tem no apelo
mais flexível para ini- ambiental um de seus pontos fortes. Ape-
ciar novas linhas de sar de ressaltar as características “verdes”
produtos institucio- do produto, a Box Print Grupograf, em-
nais, especialmente presa fornecedora da solução, afirma que
nas áreas de sucos e o revestimento EcoBox apresenta alta re-
polpas”, conta Ronal- sistência a água e gordura, além de se
do Canteiro, diretor da adaptar a processos de fechamento auto-
Embaquim. mático, selagem a quente e ser ideal para
(11) 6161-2333 produtos resfriados e congelados.
www.embaquim.com.br (11) 5570-9275 • www.boxprint.com.br

Aplicação com exatidão Espaço reduzido


Na área de equipamen- alta capacidade produti- Na área de equipamentos de fim de
tos para aplicação de va, que pode chegar a linha, a catarinense Tecno-
rótulos auto-adesivos, a 9 000 aplicações por tok apresentou a Enfarda-
Silk Mac lançou a Ro- hora, a exatidão na ro- deira Maxitok. Com capaci-
tuladeira Automática tulagem. “Trata-se de dade para até 120 pacotes
Cilíndrica Rc01. Se- um equipamento bas- por minuto, o equipamen-
gundo Wagner Andra- tante preciso, voltado a to é produzido com tecno-
de, da área de vendas da clientes que atuam com logia própria. Seu grande
empresa, a máquina alia grandes tiragens”, diz diferencial, entretanto, é a
Andrade. “A Rc01 tra- redução dimensional, que,
balha com rolo e pris- segundo a empresa chega
ma, mas não utiliza pa- a 20% se comparada a
rede para massagear”, equipamentos concorren-
ele completa. Segundo tes. “Hoje a área útil de
a empresa, uma unidade uma empresa é muito cara”,
foi vendida durante a diz Marcelo Rodrigues Knopp, diretor-comercial
Fispal para o converte- da Tecnotok. “Por isso decidimos divulgar na Fis-
dor Power Press. pal um equipamento compacto, mas de grande
(11) 6966-4666 produtividade”, completa.
www.silkmac.com.br (47) 370-2740 • www.empacotamento.com.br

36 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


Mostruário detalhado
Em seu estande, que des- cas especiais e vernizes
tacava um carrinho de su- UV, entre outros. A Suza-
permercado de seis me- no também aproveitou o
tros de altura, a Suzano evento para reforçar a co-
lançou seu Novo Mos- municação do Novo Su-
truário para a linha de Pa- premo Alta Alvura, pa-
pelcartão, que engloba a pelcartão de alto valor
linha completa de cartões agregado, cujas camadas
da empresa e mostra al- são totalmente branquea-
guns dos recursos de aca- das e produzidas a partir
bamento que podem ser de celulose virgem.
neles utilizados, como (11) 3037-9000
Enchimento e embala- hot stamping, relevo, fa- www.suzano.com.br

gem com precisão


A Optima do Brasil apresentou as máquinas Li-
nofill (foto) e SV 122, direcionadas às indústrias
Transparência mantida
farmacêuticas, cosméticas, alimentícias, quími- Fornecedora de cartuchos de polipropileno com foco nos
cas e veterinárias. A primeira é utilizada para en- mercados de cosméticos e higiene pessoal, a Confetti
chimento linear de frascos em pequenos e gran- apresentou uma solução própria para o fechamento des-
des volumes, e a segunda no enchimento e fecha- sas embalagens. Segundo Wilson Vergara, gerente de
mento de seringas de dose única. Ambas utili- marketing da empresa, o sistema, chamado Poliux, é
zam-se de servo-motores, para maior precisão e uma alternativa ao fechamento por encaixe e solda – a
agilidade na troca de formatos e volumes de en- empresa está usando adesivos próprios para a união das
chimento. Os sistemas de dosagem dos equipa- chapas de PP, que têm sua composição química alterada
mentos podem ser através de bombas de êmbo- para facilitar a colagem. “Diferente dos demais proces-
los rotativos, compostas por apenas duas partes sos de fechamento, que geralmente são lentos e inade-
de fácil limpeza; sistema de fluxômetro eletro- quados para produção em escala industrial, esse novo
magnético; sistema de fluxômetro de massa; sis- sistema alia transparência e resistência a variações de
tema de dosagem por tempo-pressão e bombas temperatura”, diz o gerente de marketing da Confetti.
peristálticas. Para o segmento de higiene pessoal (11) 5696-3600 • www.confetti.com.br
(fraldas, absorventes e protetores diários), a Op-
tima mostrou a embaladora e seladora automáti-
ca ODB 300. Segundo a empresa, trata-se de um
modelo ideal para as empresas que queiram ini-
ciar produção ou adicionar uma máquina econô-
mica à sua linha, devido ao seu baixo compro-
misso de investimento e à sua construção modu-
lar, que aceita upgrades posteriores.
(19) 3886-9800 • www.optima-bra.com

Assistência em laminação com amplos recursos


A Coim buscou divul- clientes em sua planta BALAGEM M ARCA , ga- técnico especializado e
gar na Fispal a criação de Vinhedo (SP). A ini- rante agilidade e conve- fidelidade de processos
de sua infra-estrutura ciativa inédita, viabili- niência, pois os clientes (adaptação de regula-
para desenvolver pro- zada através da aquisi- não precisam parar li- gens de acordo com os
dutos e realizar testes ção de uma laminadora nhas para a realização resultados).
de laminação em emba- piloto Labo Combi 400 dos testes. Ademais, (19) 3876-9600
lagens flexíveis de e já divulgada por EM- contam com suporte www.coimbrasil.com.br

38 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


Nova sopradora e anúncio de prestação de serviços
A Sipa destacou em seu es- das similares importadas. A
tande a sopradora SF 8/4, Sipa aproveitou também
fabricada no Brasil. Com para divulgar seu trabalho
quatro cavidades por molde em assistência técnica e fa-
de sopro, a máquina produz bricação de moldes para
até 4 800 garrafas de 2 litros equipamentos de sopro e in-
por hora. Segundo Mala- jeção. Os serviços se esten-
quias Souza, da área comer- dem também a máquinas de
cial da Sipa, a máquina na- outros fabricantes.
cionalizada tem um custo (11) 4154-8300
em média 30% menor que o www.sipasulamerica.com.br

Para caixas Válvula amiga


e cartuchos para bag-in-box
Os adesivos termoplásticos Embalagens do tipo bag-in-box
Brascomelt AVXB e Bras- – bolsas flexíveis acondiciona-
comelt XB-18 foram os das em caixas de papelão –com
destaques da Brascola válvulas da francesa Vitop fo-
Tec. O primeiro é indicado ram mostradas pela Qualipack
para a rotulagem e o fecha- na Fispal. O conjunto promove
mento de caixas de papel e um apelo considerável no acon-
papelão, e, uma vez desco- dicionamento de produtos como
lado, não permite nova co- Mais um sistema vinhos e cachaças, entre outras
lagem, “diferentemente do de selos higiênicos bebidas. A válvula Vitop (foto)
que acontece com caixas tem lacre de segurança, não per-
O uso ainda incipiente – porém cres-
que só apresentam uma fita mite gotejamentos e nem a pe-
cente – de selos higiênicos em latas de
adesiva”, segundo Roberto netração de ar no interior da bol-
alumínio de bebidas fez com que a La-
Cestari, gerente de vendas sa, preservando o aroma e o sa-
tincomex trouxesse para o Brasil o sis-
da empresa. Já o XB-18 é bor da bebida. As bolsas são
tema Ecocap’s, da empresa homônima
voltado ao fechamento de confeccionadas com estruturas
italiana. A solução consiste em selos de
caixas e cartuchos e cola- de filmes para dar a barreira ne-
alumínio de 35 micra, capazes de se-
gem de canudos de polieti- cessária exigida por cada produ-
rem impressos em até oito cores em
leno em embalagens carto- to, e as caixas de papelão que as
flexografia, mas com diferenças em re-
nadas assépticas. envolvem são empilháveis e pa-
lação ao sistema já existente no Brasil:
(11) 4176-2020 letizáveis e têm dimensiona-
os selos são aplicados nas latas por in-
www.brascola.com.br mento adequado para exporta-
dução, sem o uso de cola, o que, segun-
ção em contêineres de 20” e 40”.
do Manuel Sallovitz, diretor da Latin-
(11) 6591-2520
comex, “proporciona uma solda supe-
www.qualipack.com.br
rior entre selo e lata, garantindo alta re-
sistência ao descolamento e impedindo
a contaminação na imersão das latas
em água, como nas vendas por ambu-
lantes”. Os Ecocap’s também podem
ser utilizados em vending machines,
onde há aquecimento das embalagens,
e resistem a baixas temperaturas.
(11) 6953-9975 • www.ecocaps.com

jul 2003 • EMBALAGEMMARCA – 39


tampas

Adeus à fogueira
Tampas de PP de itens agroquímicos serão recicladas no Brasil
or falta de soluções inteli-

P gentes para o seu pós-uso, as

DIVULGAÇÃO
tampas plásticas de defensi-
vos agrícolas, quando não
descartadas irresponsavelmente, so-
frem no Brasil o cruel destino dos here-
ges dos tempos medievais: a incinera-
ção. Tal quadro, no entanto, promete
mudar a partir do segundo semestre
deste ano. É nesse período que a Gar-
boni, tradicional fabricante de tampas
Fechamentos retornarão ao mercado
em polipropileno (PP) para os mais di- identificadas e para o mesmo uso
versos mercados, pretende colocar em
prática seu projeto inédito de recicla- e que garante vedação e segurança ne-
gem de tampas plásticas de produtos cessárias para os defensivos agrícolas”,
Garboni
agroquímicos, que vem sendo desen- (24) 2244-3300 explica Giovanni Garboni, presidente
volvido há um ano em parceria com o www.garboni.com.br da empresa.
Instituto Nacional de Processamento de
inpEV
Embalagens Vazias (inpEV). (11) 3069-4400 Meio a meio
Para tanto, uma usina de reciclagem, www.inpev.org.br As tampas de PP usadas já chegarão la-
com capacidade para reciclar 100 tone- vadas das centrais de coleta e passarão
ladas de tampas de defensivos agrícolas por uma etapa inicial de moagem. De-
por mês, foi construída em Petrópolis pois de passar pela extrusora, o mate-
(RJ), onde a fornecedora está baseada, rial volta à forma granulada e vai para o
a partir de investimentos de 2 milhões processo de injeção.
de reais. Assim, tais fechamentos esca- As novas tampas terão como base
parão da fogueira e poderão voltar ao 50% de material reciclado e 50% de
mercado para o mesmo uso. matéria-prima virgem, e receberão um
“Desenvolvemos um projeto de rea- selo em alto relevo para que possam ser
proveitamento capaz de produzir novas identificadas e rastreadas.
tampas com qualidade idêntica ao ma- No inpEV, o trabalho antecipado ao
terial feito com matéria-prima virgem, início da operação da planta de reci-
clagem já começou. Para se ter idéia,
por ora a entidade possui 300 toneladas
de tampas armazenadas, apenas aguar-
dando o sinal verde.
Do lado da Garboni, a usina de reci-
clagem significa um investimento em
um mercado-chave: a empresa, que está
completando 25 anos em 2003, alega
deter 75% do fornecimento de tampas
para os produtores de fitossanitários.
“Trata-se também de um compromisso
com o meio ambiente”, arremata o pre-
sidente da Garboni.
)
)

u u

)
)
i i
k st m p bl sh ng *
e
`

`
`

[custom p ublishing]

* Há alguns meses, as publicações personalizadas


ganharam a mídia. São vistas como a grande revolução
na comunicação empresarial.
A Bloco de Comunicação se orgulha de ter nascido jus-
tamente para fazer isto. Só que em 1987, muito antes
de saber que buscar soluções individualizadas para
cada cliente teria um nome tão pomposo.

BLOCO DE COMUNICAÇÃO
Solução para os seus problemas de comunicação
(11) 5181-6533
Iniciada corrida pelo Prêmio Max Feffer In-mold e impres-
A Cia. Suzano de Papel e Celulose
anunciou a abertura das inscrições
berão prêmios de 12 000 e 5 000
reais. Ao todo, 16 trabalhos serão
são digital de
da segunda edição do Prêmio Max premiados. As inscrições podem rótulos na mira
Feffer de Design Gráfico, que irá ser feitas gratuitamente até o dia 30 A possibilidade de ganho de parti-
laurear trabalhos desenvolvidos nos de setembro. Os trabalhos serão cipação das etiquetas in-mold está
papéis Supremo Duo Design e Re- classificados em cinco categorias repercutindo no setor gráfico. De
ciclato. Na edição anterior, o con- (editorial, promocional, embalagem, olho nas necessidades de impres-
curso recebeu mais de 600 peças corporativa e miscelânea). são desse tipo de rótulos, que são
inscritas. Os primeiros e segundos www.suzano.com.br inseridos em embalagens plásticas
colocados em cada categoria rece- (11) 3037-9000 no momento em que o molde des-
tas é injetado ou soprado, a Gidue
anunciou novidades em algumas de
suas linhas de impressoras. Uma
delas é o modelo E-Combat, que foi
lançado junto com o novo sistema
de saída IML-EDL. Segundo a em-
presa, a tecnologia elimina proble-
mas como encanoamento das eti-
quetas após o envernizamento. Os
equipamentos são comercializados
Sem acordo Reforço no no Brasil pela Comprint, empresa

Depois de dois anos de parceria, telemarketing que aproveitou a participação na


Fispal para divulgar suas soluções
a Gutenberg Máquinas e Materiais Interessada em dinamizar a comuni-
de impressão digital para rótulos.
Gráficos encerrou a representa- cação entre seus distribuidores e
Interessada também em pequenas
ção comercial dos equipamentos clientes finais, a Ripasa anunciou o
tiragens, a Comprint mostrou as
da linha de impressoras digitais lançamento de um manual sobre possibilidades dos equipamentos
HP Indigo. O rompimento ocorreu gestão de telemarketing. Dividida em HP Indigo Press ws 4000 e ws
depois que os produtos HP Indi- dois volumes (Manual de Implanta- 2000. “São soluções que permitem
go passaram a ser distribuidos ção e Gestão de Telemarketing e obter alta qualidade em baixas ti-
no Brasil por outras empresas Guia do Profissional de Telemarke- ragens”, diz Cláudio Ogawa, ana-
além da Gutenberg. Classificando ting), a cartilha aborda procedimen- lista de marketing da empresa.
o caso como um “conflito de es-
tos para implementação e práticas www.comprint.com.br
tratégias”, a companhia alemã
de gestão desse tipo de canal de re- (11) 3371-3371
alega que o contrato de represen-
lacionamento. Com o início da distri-
tação e os prazos de entrega não
buição previsto para julho, o material
foram cumpridos.
foi Impresso em papel Image Mate.
www.gutenberg.com.br
www.ripasa.com.br
(11) 3225-4400
0800 16 06 06

Investindo no relacionamento
A KSR Distribuidora - unidade de ne- Card, cartão de compras para clientes.
gócios da Votorantim Celulose e Papel No total, a estimativa da empresa é in-
(VCP) - está investindo em novas fren- vestir um milhão de reais nessas
tes para ampliar o relacionamento com ações. “Oferecer serviços e benefícios
seus clientes. Na área tecnológica, a que estreitem o relacionamento com
empresa anunciou a implantação de nossos clientes já faz parte da cultura
um CRM (sistema de gestão de rela- da empresa”, declara João Lalli Neto,
cionamento com clientes). Ao mesmo diretor da KSR Distribuidora.
tempo, a companhia lançou o KSR www.ksr.com.br • 0800 987654

42 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


Long neck para ice de caipirinha
A Caipirinha Ice é a aposta da
South American Beverages (SAB)
para conquistar o mercado externo
de bebidas ready to drink – “como
uma marca brasileira de forte valor
agregado”, segundo a empresa. O
drinque, gaseificado e baseado na
cachaça premium multidestilada Itap em mais um
Thara, tem graduação alcoólica de
7,5% e está sendo lançado em gar-
biscoito da LU
rafa long neck de 300ml fornecida A LU Aymoré está lançando um
biscoito salgado inédito: trata-se
pela Saint-Gobain, com rótulo auto-
do Ayrado, que traz formulação
adesivo da Hervás. A identidade vi-
aerada exclusiva, que dá uma
sual do produto foi concebida pela
textura especial ao produto. Outro
designer Flávia Sarno. diferencial, segundo a fabricante,
é a embalagem, fornecida pela
Lata para estar mais presente Itap Bemis, que traz três pacotes
internos com fitilho de fácil abertu-
Para ampliar sua presença em Ambos os produtos serão comer-
ra, na medida certa para o consu-
pontos-de-venda mais exclusivos, cializados em latinhas de alumínio
mo familiar ou individual.
como hotéis, restaurantes, lojas no volume de 350ml.
de conveniência e bares, a Schin-
cariol está lançando uma nova li- Grupo Rouge
nha de bebidas não-alcoólicas
através dos produtos Schin Tônica
veste PVC
O novo álbum do grupo musical Rou-
e Schin Citrus. Produzida à base
ge traz uma inovação no mercado
de quinino, a Schin Tônica é uma
de embalagens de CDs: uma sobre-
aposta da empresa em uma cate-
capa de PVC, em vez das tradicio-
goria cujo consumo chegou a 81
nalmente usadas de papel cartão.
milhões de litros em 2002. Já a
Feita pela Rigesa MeadWestvaco, a
Schin Citrus é uma bebida leve
luva tem “resistência, transparência e
que combina sabores de frutas.
brilho, e é colada com cola incolor,
o que dá acabamento superior”, se-
NOVA VERSÃO E NOVA IMAGEM DA LINHA gundo Caio Azeredo, analista de
marketing da Rigesa. O design nela
Apostando no sucesso que o produ- Bestfoods está lançando no merca-
impresso foi desenvolvido pela Sony
to faz em outros países, a Univeler do nacional a maionese com sabor
Music, gravadora do conjunto.
Hellmann’s Azeite de Oli-
va. O produto, de baixas
calorias (40 calorias por
porção de 15g), chega ao
mercado através do pote
de vidro de 190g já carac-
terístico da linha Hell-
mann’s de maioneses com
sabor, da Saint-Gobain.
Em tempo: todas as ver-
sões da linha estão com
os rótulos reformulados.

44 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


Novos frascos para a Água de Cheiro
A Água de Cheiro Água de Cheiro rea- as colônias sofistica-
coloca no mercado lizou uma pesquisa das. As novas em-
colônias em frascos no mercado nacional balagens ganharam
de 100ml em substi- e internacional de válvulas, agregando
tuição aos de 80ml, perfumes e um le- valor ao produto.
incluindo ainda uma vantamento das ten- A agência responsá-
reformulação no vi- dências para emba- vel pela criação vi-
sual dos cartuchos e lagens no segmento sual das novas em-
embalagens. As co- de perfumaria. O re- balagens foi a New-
lônias que sofreram sultado mostrou que Design, de Belo Ho-
alterações visuais o layout das colô- rizonte. Os frascos
foram Água Fres- nias necessitava de de vidro são da
ca, Linha Fresh, um reposicionamen- Wheaton, as válvu-
Absinto, Cairo, to. A empresa optou las da Emsar, as
Duna, Aragem, por dois frascos: um tampas da Augros e
Sofist e Obelisk. cilíndrico, para as os cartuchos são
Para iniciar as colônias jovens; e fornecidos pela Fê-
mudanças, a um triangular, para nix e pela Lavezzo.

CARTUCHO DESTACA PARTÍCULAS Proteção a mais para medicamento


Com um investimento de
dois milhões de reais e dois
anos de estudos, a Apsen
Farmacêutica, em parceria
com médicos da Unicamp,
desenvolveu o medica-
mento Postec, que evi-
ta cirurgia de fimose.
A embalagem do pro-
duto tem um diferen-
O Dove Esfoliação Diária é ção da pele, o que agiliza cial: a Apsen desenvolveu
o mais novo integrante da a renovação das células. em conjunto com a Styro- da (15º a 30º), em todo o
família de sabonetes com Ele chega às lojas em car- corte, de São Simão, inte- canal de distribuição, até a
hidratante da Unilever. Seu tucho fornecido pela Brasil- rior de SP, uma caixa de prateleira da farmácia,
principal atributo é a exclu- gráfica, com tons de bran- isopor para acondicionar a mantendo-se a estabilida-
siva formulação com micro- co e azul-claro e uma textu- bisnaga, garantindo que o de de seu princípio ativo
partículas azuis, feitas de ra que remete à idéia de produto fique conservado durante o prazo de valida-
polietileno, para a esfolia- partículas. em temperatura adequa- de de 24 meses.

Frescor em vários volumes


A Colgate-Palmolive está au- 50g, 90g e 180g, e com iden-
mentando sua chancela Sor- tidade visual e slogan
riso de cremes dentais – lí- (“Ah!”) emprestados da mar-
der de mercado e Top of ca Kolynos, pertencente à
Mind da categoria, segundo mesma fabricante.
a empresa – com o lança- As bisnagas do Sorriso Su-
mento de Sorriso Super Re- per Refrescante são da Dixie
frescante. O produto chega Toga, e os cartuchos da Im-
ao varejo em volumes de pressora Paranaense.

46 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


Paulista tem novo apelo visual
A linha dos produtos lácteos da
Paulista está de cara nova. A figu-
ra da vaquinha, que ao longo de
anos procurou mostrar a qualida-
de dos produtos da empresa, foi
resgatada. A agência 100% De-
sign criou um ícone onde ela apa-
rece trocando afagos com um be-
zerro dentro de um coração estili-
zado. O novo desenho, inserido
no logotipo, busca o apelo emo-
cional do produto, remetendo à
relação mãe e filho. A tipologia do
logo foi modernizada, substituin-
do-se os traços retilíneos e o tra-
tamento chapado por linhas cur-
vas e volumosas. Todas as emba-
lagens das linhas de naturais, lí-
quidos, leites, sobremesas, re-
queijão, creme de leite e polpas,
também foram renovadas, enfati-
zando a marca Paulista.

Bob Esponja ganha picolé com tatuagem


A Kibon transformou em
picolé um sucesso recente
entre os desenhos animados
infantis: o Bob Esponja.
Como brinde, tatuagens, fa-
bricadas pela Autopack, re-
presentada no país pela
Tradepack, vêm no interior
da flow pack do produto.
São 56 desenhos diferentes
para serem colecionados.
Dentro de um sistema inte-
grado, a fornecedora de
soluções E-Packing desen-
volveu e acoplou à linha de
produção da Kibon o equi-
pamento de inserção das ta-
tuagens nas embalagens.

PARTICIPE DESTA SEÇÃO


Quando sua empresa tiver algum lançamento que se encaixe no perfil
desta seção, é importante que no material enviado para a redação de
EMBALAGEMMARCA constem informações referentes ao material da embalagem
(se for uma mudança de material, informar qual era o anterior), quem
é o fornecedor da embalagem e quem é o responsável pelo design.
Assim, sua informação ganha em conteúdo.
Distinção Para tampas, PE de média densidade
No dia 9 de junho a Brasilata re-
A resina IJ-33 D é novidade da Poli- linear de média densidade, que visa
cebeu, em São Paulo, a distinção
teno para a produção de embala- eliminar processos de misturas de
Brasil Premium, em seu Ciclo
gens, peças flexíveis e tampas para alta e baixa densidade na transforma-
2002, pelo seu fechamento Bi-
alimentos. Trata-se de um polietileno ção. De acordo com a Politeno, a
plus. A premiação é chancelada
nova resina garante alta fluidez,
pela Agência de Promoção de Ex-
maior produtividade e um produto fi-
portações do Brasil (Apex), pelo
nal com maior brilho. Um dos princi-
Instituto de Pesquisas Tecnológi-
pais alvos da IJ-33 D é o mercado de
cas (IPT) e pelo Ministério do De-
tampas para óleos comestíveis e vi-
senvolvimento, Indústria e Co-
nagres. Por já vir aditivada com des-
mércio Exterior.
lizante, a resina proporciona maior
facilidade de abertura e fechamento
Rubricada
das tampas, o que reverte em maior
A Unidade Manaus da Orsa Celu-
praticidade ao consumidor final.
lose, Papel e Embalagens rece-
0800 704 0110 • www.politeno.com.br
beu, pelo segundo ano consecuti-
vo, a certificação Top Supplier
pela BIC Brasil e BIC Amazônia, Fácil automação para a cadeia
em reconhecimento à qualidade
A EAN Brasil – Associação Brasileira para a implantação de operações lo-
no fornecimento de materiais. A
de Automação está lançando o guia gísticas alinhadas com os requisitos dos
empresa também está inaugu-
“Ferramentas de Gestão da Cadeia de clientes, proporcionando uma vanta-
rando novo endereço na web:
Suprimentos para a Indústria de Emba- gem competitiva para as empresas de
www.orsaembalagens.com.br.
lagens”, que estabelece os padrões de embalagens, que podem converter sua
identificação, código de barras e men- estratégia logística a partir da redução
Bom ganho
sagens eletrônicas para as empresas de da complexidade e do aumento da efi-
A Ripasa fechou o primeiro tri-
embalagem e aos usuários e fornece- ciência em relação ao custo em receita
mestre com lucro líquido de R$
dores que procuram iniciar a implanta- e melhoria de margens. O guia está
48,3 milhões – 149% acima do
ção de padrões do Sistema EAN•UCC disponível para consulta e download
mesmo período de 2002. As ven-
para a gestão da cadeia de suprimen- na Biblioteca Técnica do site da EAN
das líquidas somaram R$ 272,5
tos. A publicação fornece as bases Brasil. www.eanbrasil.org.br
milhões, 42,6% a mais que no ano
passado. Os crescimentos deve-
ram-se principalmente ao au-
Visibilidade às vantagens
Durante duas semanas, entre os meses de julho e agosto, a Alcan estará en-
mento das exportações e à ele-
campando nova campanha publicitária. Sob o slogan “O alumínio da lata re-
vação dos preços.
torna lata de alumínio. Sempre”, a empresa quer enfatizar as vantagens das

Troca latinhas de alumínio quanto à preservação ambiental e à busca do consumo


A Dow Química trocou de nome: consciente, “uma vez que essas embalagens retornam 100% ao seu ciclo
agora ele é Dow Brasil. original, sem perda de qualidade e economizando energia”, como afirma
Adriana Stecca, gerente de desenvolvimento de mercado da Alcan. Com in-
Na rede vestimentos de 300 000 dólares, a campanha terá outdoors, painéis eletrôni-
A Toledo do Brasil, tradicional cos e anúncios em revistas e jornais em Brasília e São Paulo. As peças, cri-
fabricante de balanças industri- adas pela agência Light, utilizam latas formando símbolos como o do infinito
ais, recebeu credenciamento do e o de non-stop. “O alvo não é somente o mercado usuário”, diz Adriana,
Inmetro para seu Laboratório de “mas também o consumidor final, que pode escolher conscientemente sua
Calibração de Massa, que presta embalagem a partir do momento em que sabe dos atributos de cada mate-
serviços de reforma e calibração rial”. A difusão da ação da Alcan será auxiliada pelo
de pesos-padrão para a indús- seu Projeto Ecolata, que está completando um ano.
tria. Com isso, a empresa passa a (11) 5503-0808 • www.alcan.com.br
integrar a Rede Brasileira de Ca-
libração (RBC).

48 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003


Pequeno varejo também livre de furtos
PDV Report é o nome da nova ver-
são do software de segurança ele-
trônica para o varejo PDV Alert, que
a Plastrom Sensormatic está lançan-
do no mercado nacional. O progra-
ma permite, por meio do monitora-
mento de um conjunto de exceções
(operações de risco) que podem
ocorrer no dia a dia, a identificação
de perdas resultantes de falhas de dade de processar um milhão de
procedimento e de práticas crimino- unidades por dia. O investimento
sas de funcionários. Segundo a for- visa corresponder ao crescimento da
necedora, trata-se de uma versão demanda por programas de etique-
básica, adequada a pequenos vare- tagem na origem, puxado pelas mais
jistas. A Plastrom Sensormatic tam- diversas indústrias.
bém inaugurou uma fábrica de eti- 0800 704 0024
quetas em Barueri (SP), com capaci- www.sensorbrasil.com.br

Expansão sul-americana
A partir de julho, a SIG Combibloc, tradicio-
nal fornecedora global de embalagens carto-
nadas assépticas (longa vida) para alimentos
e bebidas, contará com escritórios próprios
em Santiago, no Chile, e em Buenos Aires,
na Argentina. Até então, a empresa suíça tra-
balhava nessas regiões através de represen-
tantes, mantendo como base o Brasil. Segun-
do Achim Lubbe, diretor geral da SIG Combi-
bloc, a iniciativa faz parte de uma estratégia
de reestruturação da atuação da empresa na
América do Sul. A própria contratação do ale-
mão Lubbe para o cargo diretivo na região,
na qual tem quinze anos de vivência, também
faz parte da estratégia.
(11) 3168-4029 • www.sigcombibloc.biz

Investimento em Triunfo com PP


A Braskem anunciou que irá investir reais anuais. “O compromisso reafir-
7 milhões de dólares em suas plan- ma nossa intenção de tornar o pólo
tas de polipropileno no Pólo Petro- gaúcho cada vez mais forte, atraindo
químico de Triunfo (RS), para am- novas empresas transformadoras de
pliar a produção da resina em plástico para a região e buscando
100 000 toneladas por ano, ou 20% oportunidades de mercado”, diz
de sua capacidade atual. Com a con- José Carlos Grubisich, presidente da
clusão do processo, prevista para o Braskem. A petroquímica também re-
final do primeiro trimestre de 2004, a novou convênios de cooperação
companhia terá capacidade produti- com universidades gaúchas, como
va de 650 000 toneladas de PP por parte de seu processo de desenvol-
ano, e um potencial de receita adi- vimento tecnológico.
cional da ordem de 250 milhões de www.braskem.com.br
Almanaque
De onde vem?
Política da boa vizinhança
• O nome Doriana
No início do século pas- frascos de vidro, aconte-
é originário de
sado, o mercado nacio- ciam na própria casa de
nal de cosméticos ainda Francisco, no bairro ca- uma outra marca
era incipiente e guarda- rioca das Laranjeiras. de margarina da
va ótimas oportunida- Para não incomodar os Unilever, a Dorina,
des. Percebendo isso vizinhos, ele costumava comercializada em
quando chegou ao Rio fechar as caixas de ma- diversos países.
O Leite em 1929, de Janeiro, em 1929, o deira, usadas para des- • Já o nome Dano-
quando foi lançado...
seringalista amazonense pachar a mercadoria, ne foi criado pelo
Francisco Olympio de martelando-as somente
fundador da com-
Oliveira tratou de de- na hora em que o bonde
panhia, o espanhol
senvolver uma fórmula passava em sua rua.
com a ajuda de um ami- Num trocadilho infame, Isaac Carasso, ao
go farmacêutico. Nas- pode-se dizer que o pro- juntar o apelido de
cia, assim, o tradicional duto realmente não per- seu filho Daniel
Leite de Rosas. Inicial- deu o bonde. Afinal, ele (“Dan”) a “one”,
mente, a produção e o continua firme no mer- pelo fato de ele ser
...e num visual mais recente, envase do creme, em cado até hoje. o primogênito.
com seu frasco rosa

“La vecchia tradizione”, como sempre, persevera


Criado em 1863 a partir da combinação de mais de prestados” em rótulos de várias marcas-clone da
70 ervas, essências e especiarias por Alessandro Martini e estão preservados no novíssimo visual do
Martini e Luigi Rossi, em Turim, na Itália, o ver- produto, que está sendo lançado simultaneamente
mute Martini mantém até hoje sua receita original. na Europa e no Brasil. É mais um caso do eterno
Tal consideração à tradição também se aplica, ain- desafio de marketing, como reconhece a fabricante
da que de forma menos radical, ao rótulo da bebi- Bacardi-Martini, de rejuvenescer e atualizar marcas
da, inegavelmente um dos mais famosos do mundo. sem desvalorizar sua história e sua herança. Ou
Ele exibe, desde o seu lançamento, o brasão de ar- seja, de mudar, ma non troppo, em bom italiano.
mas que representa a Casa Real de Savóia e a cida-
de de Turim. Outro detalhe marcante foi incorpora-
do com o passar do tempo: o registro das várias
medalhas e condecorações que a bebida recebeu.
São elementos que verdadeiramente caracterizam
equities da marca, tanto que eles aparecem “em-

1863 1870 1925 1940 1980 1997 Linha 2003

50 – EMBALAGEMMARCA • jul 2003