Você está na página 1de 4

TABELA MATRIZ

Conhecimento na área Biblioteca escolar

Aspectos críticos
que a Literatura Desafios. Acções
Domínio Pontos fortes Fraquezas Oportunidades Ameaças
identifica a implementar

Conceber
actividades que,
Capacidade de fugindo àquilo que
Conhecimento
compreender/gerir já está
das tecnologias de Falta de
todos os papéis estandardizado,
informação e reconhecimento
inerentes à função sejam
comunicação. Partilha de da complexidade
do Professor verdadeiramente Continuar a
experiências do papel do
Bibliotecário. promotoras de apostar na
Competências do Aposta na com outros Professor
auto-conhecimento formação, na
professor bibliotecário formação. professores Bibliotecário.
Capacidade de e autonomia. partilha e na
bibliotecários.
liderança nas suas articulação.
Bom Colaboração com
múltiplas facetas. Trazer para o
relacionamento alguns grupos
Necessidade de espaço aqueles que
com a equipa de disciplinares.
uma constante não se encaixam
trabalho.
actualização. no perfil de
utilizador da
BE/CRE.
Conseguir que a A permanência de Ausência de uma Elaboração de um
O apoio da
BE/CRE seja um uma funcionária a equipa plano de
Coordenadora
espaço funcional, tempo inteiro, multidisciplinar. acção/PAA
Interconcelhia.
centrado na com formação e ponderado,
Organização e Gestão da A gestão do
promoção/construç com um forte Horário de assente em
BE Trabalho tempo.
ão do conhecimento empenho e funcionamento que objectivos
colaborativo
e autonomia e não dedicação a todas ainda não cobre concretos e em
coma Biblioteca
um mero depósito as actividades totalmente o tempo actividades que
Municipal.
de materiais e de desenvolvidas. de permanência realmente
PRÁTICAS E MODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES | 1
Rui Manuel de Almeida Festa – Turma 9
Conhecimento na área Biblioteca escolar

acesso à internet. dos alunos na desenvolvam as


A existência de escola. diferentes
dois professores literacias e
bibliotecários. Manter actualizado permitam uma
o blogue da construção
Valorização e BE/CRE. autónoma do
apoio do Órgão conhecimento dos
Directivo da alunos.
Escola.
Conseguir
Fundo documental
avançar com o
desactualizado, Professor
processo de
principalmente em Bibliotecário/ Fundo documental
catalogação/infor
relação a obras de funcionária com desactualizado.
Avançar com o matização da
Gestão da Colecção leitura recreativa. formação.
processo de BE/CRE.
Ausência de obras Catalogação do
catalogação.
que correspondam Software fundo documental.
Aumentar e
às normalizado
diversificar o
expectativas/interes (Porbase 5).
fundo
ses dos leitores.
documental.
Resistência por
Valorização e Formar os
parte dos colegas
Transformar a apoio do Órgão alunos para as Criar uma
A BE como espaço de em conhecer o
BE/CRE num Directivo da potencialidades BE/CRE como
conhecimento e acervo da BE e,
espaço de Escola. da BE/CRE. um espaço
aprendizagem. Trabalho principalmente, a
construção de dinâmico,
colaborativo e articulado falta de Resistência à
conhecimento e de Articulação com Associar a informal, mas
com Departamentos e participação no que mudança.
apoio aos docentes os diferentes prática lectiva ao onde é possível
docentes. respeita à aquisição
na melhoria das departamentos na uso da BE, não uma
de obras/material
suas práticas realização/promo apenas como aprendizagem
de apoio para as os
docentes. ção de espaço físico. real.
seus grupos
actividades.
disciplinares.
PRÁTICAS E MODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES | 2
Rui Manuel de Almeida Festa – Turma 9
Conhecimento na área Biblioteca escolar

Criação
Necessidade de
actividades que Formar novos
produzir novos Desvalorização
visam a promoção leitores.
materiais de apoio do livro e
da leitura.
à promoção da retrocesso nos
Permitir que os
Permitir um leitura e das hábitos de leitura
Articulação alunos
Formação para a leitura efectivo literacias. dos alunos do
estreita com o desenvolvam uma
e para as literacias desenvolvimento As propostas do 3ºciclo,
Departamento de consciência
das competências Fundo documental PNL. principalmente do
Línguas. crítica,
de leitura e das desactualizado, 9º ano.
principalmente no
diferentes literacias. principalmente em
Número elevado que concerne à
relação a obras de O modo como os
de alunos que informação que
leitura recreativa. alunos lidam com
recorrem ao retiram da
a informação.
empréstimo internet.
domiciliário.
Necessidade de
Impossibilidade de A integração
uma constante A rápida evolução
manter o blogue da posterior de um Actualização do
actualização. das ferramentas
Potencialidades biblioteca professor da área blogue da
digitais.
BE e os novos das novas actualizado. das TIC no biblioteca.
Repensar a forma
ambientes digitais. tecnologias e da apoio à equipa.
como os alunos Plataforma
internet. O fraco Criação de uma
lidam com o Moodle”inactiva”
desempenho da A ligação em “Newsletter”.
excesso de .
rede wireless. fibra óptica.
informação.
A recolha de Fichas de registo Ausência de Tratamento dos
Morosidade
evidências como da utilização da referenciais. dados recolhidos
Gestão de evidências/ A formação em associada ao
forma de avaliar o BE. como uma mais
avaliação. curso. tratamento de
desempenho da Inquéritos/sugestõ Tratamento de valia para novas
dados.
BE/CRE. es. dados moroso. formas de acção.

PRÁTICAS E MODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES | 3


Rui Manuel de Almeida Festa – Turma 9
Conhecimento na área Biblioteca escolar

Gestão da mudança
SÍNTESE Factores de sucesso Obstáculos a vencer Acções prioritárias

A valorização e aceitação do Professor


A BE/CRE assumida
Bibliotecário.
como um espaço
dinâmico de construção
A existência de uma equipa Apostar na divulgação de todas as
de conhecimento, onde
multidisciplinar verdadeiramente actividades desenvolvidas pela BE.
os alunos poderão
empenhada. Continuar/intensificar o trabalho de
desenvolver a sua
A resistência à mudança. articulação com todos os
autonomia, tornando-se
A percepção de uma BE/CRE como um departamentos curriculares e outras
aos poucos, seres
espaço de construção de conhecimento e estruturas/entidades.
pensantes e actuantes.
desenvolvimento de autonomia e não Implementar o modelo de auto-
um mero de arquivo/depósito de avaliação da BE’s.
material

PRÁTICAS E MODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES | 4


Rui Manuel de Almeida Festa – Turma 9