Você está na página 1de 14

INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA As fases do processo de investigação

A fase conceptual: a documentação do assunto de estudo

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

o investigador elabora conceitos, formula ideias e recolhe informação

A escolha do tema e a questão preliminar

A revisão da literatura

A elaboração do quadro de referência

A formulação do problema de investigação

O enunciado do objetivo, das questões e das hipóteses

A fase metodológica: a planificação da investigação o investigador determina num desenho a maneira de proceder para realizar a investigação

A escolha de um desenho de investigação

A definição da população e da amostra

Os princípios de medida

A descrição dos métodos de recolha e análise de dados

A fase empírica: corresponde à recolha de dados, organização e análise

o investigador põe em prática o plano elaborado na fase precedente

A colheita de dados

A análise dos dados descritivos e inferenciais

A fase de interpretação e de difusão: o investigador faz ressaltar a significação dos resultados que comunica a

outros

A interpretação dos resultados

A difusão dos resultados

Características distintivas entre a metodologia quantitativa e qualitativa

Quantitativa

Qualitativa

Descrição e explicação

Compreensão e interpretação

Estudos bem definidos e parciais

Estudos holísticos

Verificação de teorias e hipóteses

Menor focalização teórica e voosmais livres

Generalização e abstracção

Concentrar-se na teorialocal, por vezes com generalização

Procura de objectividade; distinção entre factos e julgamentos de valores

Distinção entre factos e valores menos clara; reconhecimento da subjetividade

Abordagem racional, verbal e lógica do objecto de pesquisa

O conhecimento tácito é considerado importante, mas considera-se que nem sempre pode ser articulado em palavras

Processamento quantitativo de dados

Dados mais importantes são qualitativos

1
1

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

Distância entre investigador e o objecto da investigação

Distância e envolvimento do investigador com o objecto de estudo

Distinção entre experiência pessoal e

Investigador admite a influência mútua da experiência pessoal e da ciência e usa a sua personalidade como instrumento

ciência

O

investigador tenta ser

Usa os sentimentos e a razão nas suas ações

emocionalmente neutro, mantendo uma clara distinção entre sentimentos e razão

O

objecto de pesquisa é externo ao

O investigador parcialmente cria o seu objecto de estudo, por exemplo, dando significado a um documento ou processo

investigador

Método científico Abordagem usada por psicólogos para adquirirem um conhecimento sistemático e compreensão sobre o comportamento e outros fenómenos de interesse

Processo utilizado pelos investigadores para chegarem a uma compreensão do mundo

1. Identificar questões de interesse

2. Formular uma explicação

Definir uma teoria

Definir uma hipótese

3. Levar a cabo a investigação

Operacionalizar uma hipótese

Selecionar um método de investigação

Recolher os dados

Analisar os dados

Formular uma explicação Teoria Explicações globais e previsões relativas a fenómenos de interesse

Hipótese Uma previsão feita a partir de uma teoria, definida de maneira a poder ser testada

A investigação em Psicologia Investigação arquivista: investigação na qual registos com dados demográficos de censos, certidões de nascimento, e notícias de jornais são examinados de forma a uma dada hipótese ser confirmada

Observação naturalista: investigação na qual o investigador observa simplesmente um fenómeno de ocorrência natural não interferindo na situação

Investigação por inquéritos: investigação na qual as pessoas escolhidas por representarem uma população maior são alvo de uma série de questões sobre o seu comportamento ou atitudes

2
2

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014 A investigação por inquéritos permite, a partir de amostras pequenas, inferir com grande precisão a maneira como a população responderá.

Estudo de caso: investigação profunda e intensiva de um indivíduo ou de um pequeno grupo de pessoas

Investigação correlacionala: relação entre dois conjuntos de fatores é examinada para verificar se eles se encontram associados “correlacionados”

A correlação positiva indica que, quando um fator aumenta, o valor do outro fator irá também aumentar

A correlação negativa diz-nos que, enquanto um dos fatores aumenta, o valor do outro diminui

Investigação experimental: investigação baseada numa experiência, de modo a se perceber as relações de causa e efeito

Investigação experimental

Tratamento: manipulação implementada pelo experimentador Grupo experimental: qualquer grupo recebendo um tratamento Grupo de controlo: Um grupo que não passa pela condição experimental/tratamento Variável independente: a variável que é manipulada pelo investigador Variável dependente: a variável que é suposto mudar em função das mudanças introduzidas pela manipulação experimental

Estratégias de Investigação

Investigação correlacional Processo global: O investigador observa uma situação preexistente mas não intervém
Investigação correlacional
Processo global:
O investigador observa uma situação preexistente mas
não intervém
Resultado pretendido:
Identificar associações entre factores
Tipos:

Investigação experimental

O investigador manipula a situaçã observar os resultados da manipu

Aprender como as mudanças num mudanças no outro

3
3
Investigação de arquivos (examina registos com vista a confirmar hipóteses) Observação naturalista (observação do
Investigação de arquivos (examina registos com vista a
confirmar hipóteses)
Observação naturalista (observação do comportamento
ocorrendo naturalmente, sem intervenção)
Investigação com questionários (fazer perguntas a uma
amostra de pessoas que representam uma população
maior)
Estudos de caso (investigação intensiva de um
indivíduo ou pequeno grupo)

Os métodos de estudo das organizações

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

Experiência (investigador produz num dos factores para observar o mudança em outros factores)

Complementaridade entre a metodologia Qualitativa e a metodologia Quantitativa

A metodologia qualitativa

realidade
realidade
cofronto da teoria com a realidade
cofronto
da teoria
com a
realidade
revisao da teoria
revisao da
teoria
observação
observação
teoria
teoria
teste de hipoteses
teste de
hipoteses

Características gerais Permite conhecer e compreender:

Os significados dados pelos indivíduos aos acontecimentos

A construção desses significados, tendo em atenção o contexto social imediato dos indivíduos (interação do grupo e dimensão temporal) e o contexto social mais vasto em que o grupo está inserido

Cada fenómeno de um determinado nível através da relação que estabelece com fenómenos situados a níveis diferentes

No desenho e gestão do projeto de investigação podem distinguir-se quatro fases:

Acordo sobre a área de investigação e escolha das questões iniciais

Ações de observação e registo dos comportamentos relacionados com as questões da investigação

Imersão nas atividades e experiências e desenvolvimento de novas ideias criativas sobre a investigação

Modificação e reformulação das questões iniciais da pesquisa, adotando novas questões de acordo com as observações da fases anteriores

4
4

A metodologia quantitativa Permite:

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

medir e descrever, comparar (ex. sujeitos, grupos, organizações)

caracterizar trabalhadores (ex. satisfação)

controlar as circunstâncias que influenciam o fenómeno

Grounded theory (Teoria fundamentada em dados)

Objectivos:

Compreender um determinado fenómeno

Como e porque os sujeitos agem de determinada maneira

Como e porque determinado fenómeno se desdobra de diferentes modos

De modo rigoroso e sistemático:

Utiliza métodos diversificados de recolha de dados

Reúne grande volume de informação

Compara, codifica, extrai regularidas (unidades de sentido)

Estudos de caso Objectivos:

Inseridos na Grounded theory estudo para aumentar os conhecimentos num determinado assunto ou refinar uma teoria Exploratório estudo-piloto que pode ser usado para formular questões precisas e hipóteses testáveis Descritivo descrever o que acontece numa determinada situação, não realizando previsões ou prescrições

O desenho de investigação:

Desenho da

investigação

Inquérito

transversal

Inquérito

longitudinal

Estudos de

campo

Estudos de

predição

Características

Grande quantidade de informação recolhida por questionário. Dados obtidos numa amostra representativa de uma população com base em critérios defin idade, formação…). Podem ser testadas hipóteses de correlação entre variáveis. Validade es constructo de escalas é fundamental.

As mesmas variáveis são medidas repetidas vezes ao longo de um período. Estas séries tem mudanças nas variáveis em observação e nas relações entre elas.

Objectivo é conhecer processos e padrões em acção nas organizações. Enfatizam a inter-rel componentes do sistema organizacional (ex. estrutura, subsistema social) e dos indivíduos q Informação recolhida por questionário, observação ou entrevista.

Caso particular do inquérito. Procura estimar o nível de uma variável (ex. desempenho) a pa medido um grande número de variáveis de uma população com o objectivo de identificar o preditores de um determinado indicador de sucesso ou insucesso (ex. falência, inovação.

5
5

Experimentos

laboratoriais

Experimentos de campo

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

O investigador cria uma situação com as condições desejadas e na qual manipula umas vari

mantém as outras controladas. São observados os efeitos da manipulação das variáveis ind

variáveis dependentes. Limites éticos à manipulação.

O investigador aproveita a ocorrência ou introdução de mudanças naturais ao contexto nat

dado um curso de formação a um grupo de indivíduos numa organização e o seu desempen serem comparados com um grupo semelhante que não recebeu essa formação. Este curso da prática da organização ou ser introduzido apenas para efeitos de investigação. Controlo modeladas e limites éticos à investigação.

Métodos de recolha de informação Questionários Escalas Entrevistas estruturadas Observação sistemática e classificação do comportamento Avaliação por peritos

A ética na investigação

A investigação pode violar potencialmente os direitos dos participantes, logo os psicólogos devem aderir a um conjunto de regras éticas estritas tendo como objetivo proteger os participantes (Associação de Psicólogos Americanos, 1992)

Regras:

Protecção dos participantes relativamente a danos físicos ou mentais Assegurar o direito à privacidade do seu comportamento Assegurar que a participação na investigação é integralmente voluntária Tornar necessária a informação prévia dos participantes relativamente à natureza dos procedimentos a utilizar na experiência

à natureza dos procedimentos a utilizar na experiência Consentimento informado Ameaças às experiências: as

Consentimento informado

Ameaças às experiências: as expectativas do experimentador e dos participantes

Viés experimental: fatores que distorcem o entendimento do experimentador sobre a maneira como a variável independente afeta a variável dependente Placebo: um falso tratamento tal como uma pílula ou droga ou outra substância sem nenhumas propriedades químicas significativas ou ingredientes ativos

O Significado da investigação

Resultado significativo: resultados conscientes que tornam possível aos investigadores ter confiança na continuação das suas hipóteses

6
6

A ESCOLHA DO TEMA DE ESTUDO E A QUESTÃO PRELIMINAR

A avaliação da pertinência da questão

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

A exequibilidade (depende de número suficiente de participantes, do seu consentimento, dos prazos, dos recursos

pecuniários, do material e dos locais disponíveis);

A justificação (deve-se ser capaz de demonstrar que vale a pena explorar o tema escolhido que responde às

preocupações actuais, pode ser útil para a prática profissional e contribuir para o avanço da ciência; precisar o que a

investigação vai trazer para o investigador, à disciplina e à comunidade);

A operacionalização (enuncia claramente e reporta-se a factos observáveis e verificáveis; descreve, explica ou prediz

fenómenos).

A revisão da literatura

A revisão da literatura é um inventário e um exame crítico do conjunto das publicações tendo relação com um tema de estudo.

Os objetivos da revisão da literatura consistem em determinar o que foi escrito sobre um tema e clarificar a forma como este foi estudado.

As fontes primárias são documentos originais.

As fontes secundárias são textos escritos por outras pessoas que não o autor do documento original

As diferenças entre quadro conceptual e quadro teórico

O Quadro conceptual

O Quadro teórico

É uma breve explicação de um conjunto de conceitos

É uma breve explicação das relações entre os conceitos-

subconceitos interligados e reunidos devido às suas ligações com o problema de investigação.

e

chave de um estudo apoiando-se numa teoria particular ou numa parte de teoria.

Da questão de investigação à escolha do quadro de referência

Questões de investigação

Teoria ou modelo

Quais são os efeitos de uma intervenção de suporte oferecida por um ex-paciente (modelo) sobre a ansiedade, a percepção de auto-eficácia e a retoma de atividade física de pacientes que fizeram fracturas.

A teoria da aprendizagem social (Bandura, 1986)

Quais são as relações entre as percepções de adversidades, as estratégias adaptativas e as expectativas dos estudantes face aos exames.

A teoria stresse-coping (Lazarus & Folkman, 1984)

7
7

FORMAS DE DIVULGAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

Artigo científico: São documentos escritos que apresentam resultados de investigações empíricas ou expõem modelos teóricos ou que confrontam com outras teorias/modelos, destinados à publicação nas revistas científicas.

Estrutura:

Pré-textual

Textual

Pós-Textual.

Pré-textual:

- Título e subtítulo (se houver)

- Autoria (nome do(s) autor(es) e breve currículo que o qualifique na área do artigo

- Endereço de e-mail

- Resumo (conciso, apresenta os objectivos, a metodologia, os resultados 250 palavras, não deve conter citações e deve usar o verbo na voz ativa)

Elementos textuais

- Introdução (assunto, ponto de vista sob o qual o assunto foi abordado, trabalhos anteriores que abordam o tema,

justificação da escolha do tema, o problema da pesquisa, a hipótese, o objetivo pretendido, o método proposto, a

razão da escolha do método)

- Desenvolvimento (apresenta a fundamentação teórica, a metodologia, os resultados e a discussão)

- Conclusões (devem responder às questões da pesquisa, correspondentes aos objetivos e hipóteses; podem

apresentar recomendações e sugestões para trabalhos futuros; artigos de revisão deve-se excluir material, método e resultados)

Elementos Pós-Textuais (título, resumo e palavras-chave em língua estrangeira; referências; agradecimento e a data de entrega do original para publicação)

Introdução ao desenho de investigação

O Que é o desenho de investigação? Define-se como o conjunto das decisões a tomar para pôr de pé uma estrutura, que permita explorar empiricamente as questões de investigação ou verificar as hipóteses.

O Desenho de investigação é um plano que permite responder às questões ou verificar hipóteses e que define os mecanismos de controlo, tendo por objeto minimizar os riscos de erro.

As relações entre o desenho e o objetivo do estudo

O objetivo do estudo depende do estado dos conhecimentos relativos ao tema em estudo:

Desenho descritivo

Desenho correlacional

Desenho experimental

8
8
Os elementos constituintes do desenho de investigação As comparações (comparações entre grupos); Eduardo Serrão

Os elementos constituintes do desenho de investigação

As comparações (comparações entre grupos);

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

A

presença ou a ausência de uma intervenção (quando comporta um tratamento ou intervenção);

O

meio do estudo (justificar a escolha do meio natural - escola, domicílio ou que dá lugar a um controlo rigoroso

como o laboratório);

O controlo das variáveis estranhas (influência de variáveis estranhas pode falsear a relação de causalidade entre a

variável independente e a variável dependente numa investigação experimental);

A comunicação com os participantes (zelar para que sejam fornecidas as mesmas instruções sobre a forma de

preencher os questionários); Os instrumentos de medida (descrever detalhadamente as medidas e as observações utilizadas para recolha de dados);

O tempo acordado para a colheita e para a análise dos dados (decidir o número de vezes que os dados serão

recolhidos junto dos participantes).

As formas de desenhos de investigação (três grandes classes de desenhos de investigação quantitativa)

Desenhos:

Preditivo-causal

Explicativo

Descritivo

DESCRITIVO: Descrever fenómenos, conceitos, características Descritivo Qualitativo/Quantitativo

Exemplos:

Fenómeno: angústia das pessoas diagnosticadas cancerosas (descritivo qualitativo) Conceitos de dor, ansiedade, coping, etc, População: inquérito visando descrever os hábitos alimentares de uma população.

EXPLICATIVO: Estabelecer relações de associação Descritivo Correlacional Exemplos:

Fatores ligados ao restabelecimento pós-operatório Explorar relações entre variáveis Inquéritos.

Correlacional preditivo Exemplos:

Influência do stresse sobre o sucesso escolar Pôr à prova um modelo teórico servindo para explicar um fenómeno e o seu mecanismo de ação.

9
9
Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014 Preditivo-Causal: Verificar relações de causalidade Experimental/Quase

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

Preditivo-Causal: Verificar relações de causalidade Experimental/Quase experimental

Exemplos:

Intervenção educativa: efeito do regime alimentar sobre a performance dos corredores de 800 metros. Ensaio clínico: comparação de dois regimes alimentares em relação com as performances dos corredores de 800 metros.

Os principais conceitos ligados ao desenho

A manipulação

A causalidade

O enviesamento

O controlo

A validade do desenho experimental

A manipulação

A manipulação é o procedimento que consiste em controlar a aplicação de variável independente de maneira a

poder verificar o seu efeito sobre a variável dependente (ex.: investigação experimental e quase-experimental; uma variável independente é aplicada a um grupo experimental mas não ao grupo de controlo)

A causalidade

Segundo o princípio da causalidade, todo o acontecimento tem uma causa e toda a causa produz efeitos. (ex.: a variável independente X é a causa presumida e a variável dependente Y, o efeito presumido; como as relações causais são complexas, dificilmente este conceito é aplicável às ciências sociais e humanas).

O

enviesamento

O

enviesamento é uma deformação sistemática das conclusões que se retiram de um estudo (ex.: o investigador, o

ambiente, os participantes, os instrumentos de medida, o processo de recolha e análise de dados).

O controlo

Controlo das variáveis estranhas:

Fatores extrínsecos (ambiente) Variáveis: elementos do ambiente. Estratégias: assegurar a uniformidade na aplicação da variável intervenção e a constância na comunicação com os participantes

Fatores intrínsecos (participantes) Variáveis: idade, escolaridade, género, rendimento escolar. Estratégias: randomização, homogeneidade, emparelhamento, Blocos emparelhados, procedimentos estatísticos

A validade do desenho experimental

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

A

validade interna

A validade externa

a característica de um estudo em que parece, fora de qualquer dúvida, que a variável independente é a única causa da mudança surgida na variável dependente.

É

É a característica do estudo que permite

generalizar os resultados do estudo a outras pessoas ou grupos.

A

validade dos conceitos

Refere-se à concordância entre o modelo teórico e as medidas utilizadas para representar os conceitos teóricos.

Os desenhos de investigação não experimentais

Os desenhos descritivos

O estudo descritivo simples fornece informação sobre as características das pessoas, de situações, de grupos ou

de acontecimentos.

O estudo descritivo simples fornece informação sobre as características das pessoas, de situações, de grupos ou

de acontecimentos.

O inquérito/sondagem todo o processo que visa colher dados em amostras representativas de uma população

definida com o objetivo de determinar a distribuição e a prevalência de certos problemas psicossociais, assim como

as relações que os membros da população mantêm com estes. Pode ser por entrevista face a face, telefónica, ou questionário (questionário online).

O estudo de caso consiste no exame detalhado e completo de um fenómeno ligado a uma entidade social

(indivíduo, grupo, família). É apropriado quando se dispõe de de poucos dados sobre o acontecimento ou fenómeno considerado. Pode ser quantitativo ou qualitativo (significação das experiências vividas pelos próprios indivíduos). Podem abrir caminho para estudos de maior envergadura. Os dados podem ser recolhidos por questionários, entrevistas, observação, diário de bordo.

O

estudo descritivo-correlacional explora relações entre variáveis tendo em vista descrevê-las.

O

desenho correlacional-preditivo consiste na verificação das relações previstas entre as variáveis.

O

desenho correlacional-confirmativo permite a verificação da da validade de um modelo causal hipotético

(determina, de entre os conceitos considerados, os que mais influenciam o fenómeno em estudo).

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014 Os estudos segundo o tempo O estudo de cohorte – um

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

Os estudos segundo o tempo

O estudo de cohorte um estudo de observação em que um grupo de indivíduos expostos a fatores de risco de um

dado fenómeno é seguido durante um período determinado e comparado a um grupo não exposto aos mesmos

fatores.

O estudo transversal serve para medir a frequência de aparição de um acontecimento ou de um problema numa

população num dado momento.

O estudo longitudinal assenta sobre dados recolhidos em diversas ocasiões junto dos mesmos sujeitos e num

período de tempo determinado.

Outro tipo de estudo: a meta-análise

A

meta-análise é um método de investigação que consiste em combinar os resultados de estudos já publicados sobre

o

tema e em fazer a síntese dos mesmos para chegar a uma conclusão.

OS DESENHOS DE INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAIS

Distinguem-se dos desenhos não experimentais porque o investigador toma neles uma parte ativa, introduzindo uma intervenção ou tratamento, avaliando junto dos grupos, o efeito dessa intervenção sobre as variáveis.

Os desenhos de investigação experimentais

A experimentação:

Numa experimentação, é introduzida uma variável independente numa situação de investigação que é manipulada pelo investigador.

As formas de desenhos experimentais:

Os desenhos experimentais verdadeiros:

Manipulação (introdução de uma intervenção ou de um tratamento);

Controlo (utilização de pelo menos um grupo de controlo);

Randomização (repartição aleatória dos sujeitos nos grupos experimental e de controlo).

Os desenhos quase-experimentais (são estudos que não respondem a todas as condições).

A amostragem, os princípios de medida e os métodos de recolha de dados

Os principais conceitos ligados à amostragem:

A população é o conjunto das pessoas que satisfazem os critérios de seleção definidos previamente (como

raramente se tem a possibilidade de estudar a população alvo na sua totalidade, examina-se a população acessível.

A amostra é uma fracção de uma população sobre a qual se faz o estudo.

A representatividade é uma réplica em miniatura da população. Para ser representativa, uma amostra deve

assemelhar-se, o mais possível, à população.

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014 Representação gráfica das relações entre a população alvo, a população ace

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

Representação gráfica das relações entre a população alvo, a população ace ssível e a amostra

a população alvo, a população ace ssível e a amostra A noção de medida em investigação

A noção de medida em investigação A medida consiste na atribuição de números a objetos ou a acontecimentos segundo regras precisas.

Os níveis de medida

Escala nominal

Escala ordinal

Escala intervalar

Escala de proporções

Nível

Descrição

Exemplos

Escala nominal

Classifica os objetos nas categorias Os números não têm valor numérico

Masculino/Feminino

Diagnóstico

Escala ordinal

Os objetos são classificados por ordem de grandeza Os números indicam ordenações e não quantidades

Graus de escolaridade 1.º, 2.º, 3.º, Secundário

Eduardo Serrão Psicologia 2013/2014

Escala de intervalos

Os intervalos entre os números são iguais Os números podem ser adicionais ou subtraídos Os números não são absolutos, porque o zero é arbitrário

A

temperatura medida na

escala de Celsius

A

temperatura do corpo

medida com a ajuda do

 

termómetro

Escala de proporções

A escala tem um zero absoluto Os números representam quantidades reais e é possível executar com eles todas as operações matemáticas

O

peso, a altura, o

rendimento escolar, etc.