Você está na página 1de 4

"Práticas e Modelos de AA das BE"

Reflexão final- Portefólio digital

Introdução:

Próxima do encerramento da Formação, eis que surge o momento da reflexão da acção


“Modelo de Autoavaliação da Bibliotecas Escolares”, requerido para complemento do
portefólio digital, construído para o efeito no blogue http://tamuje.blogspot.com no qual foram
colocados todos os trabalhos efectuados, bem como algumas intervenções desta formanda,
colocadas na plataforma, ao longo da Formação, que foram seleccionadas e transferidas para o
blogue, a fim de melhor retratarem o contexto em que decorreu esta formação,
constrangimentos e enormes expectativas. Em primeiro lugar a formação: Práticas e Modelos de
Auto-Avaliação foi uma boa oportunidade de conhecer melhor e reflectir sobre o Modelo de
Avaliação da Biblioteca Escolar; levou-nos, ainda, a adquirir novas competências ao nível dos
conteúdos com que estou a trabalhar desde Setembro, uma vez que sou professora bibliotecária
nascida pela aplicação da Portaria número 756/2009.

Desenvolvimento:

Embora tenhamos desde o início tomado consciência de que esta formação, pelo seu cariz
online, se iria centrar no trabalho autónomo, através do contacto com os conteúdos disponíveis,
de forma flexível e de acordo com as nossas necessidades de aprendizagem, que o processo se
complementaria pela interacção e comunicação com os restantes formandos e com as
formadoras, as dificuldades sentidas foram imensas, tal como foram sendo manifestadas ao
longo das sessões.

Em primeiro lugar, o carácter assíncrono, de situação de estudo totalmente solitária, não


pôde evitar algumas angústias, que foram sendo geridas e “controladas” pelas formadoras às
quais desde já agradeço.

Em segundo lugar, esta auto-aprendizagem em “auto-gestão” revelou-se demasiado


exigente, sobretudo tendo em conta que para mim tudo é novo, e devido ao tempo “record”

A formanda : Maria João Colaço Sousa


"Práticas e Modelos de AA das BE"

previsto para a realização das actividades. Uma semana após outra, as tarefas tinham de ser
executadas à pressa, sem a devida reflexão sem esquecer que as BE´s cá estavam no
Agrupamento à nossa espera. A calendarização apertadíssima das tarefas e actividades, sem
qualquer hipótese de acumulação de trabalho, uma vez que no sábado encerrava uma sessão e
outra surgiria na segunda-feira subsequente, constituiu um enorme constrangimento e tremendo
cansaço para todos, que originaram alguns problemas de índole pessoal.

Contudo, reconhecemos que esta formação, sendo online, representou uma enorme
redução de custos ao nível de deslocações, moro em Mértola, apenas duas sessões presenciais;
ofereceram a possibilidade de se aprender a um ritmo próprio, de se trabalhar de forma
autónoma em interacção e de forma colaborativa com os restantes colegas da turma e com as
formadoras.

Esta formação exigia um conjunto de pré-requisitos tecnológicos e de competências


inerentes ao uso de ambientes online, que acabaram por ser também, por si próprios, mais ou
menos enriquecedores para todos, conforme os conhecimentos de cada um.

Como momentos positivos destaco a partilha de documentos que a formação proporcionou


entre formandos, bem como o facto de levar os PB a perspectivar a nossa BE com outros olhos e
a descobrir lacunas que poderiam passar desapercebidas a olhos mais incautos como os meus.

Como aspectos negativos da acção destaco o facto de não encontrarmos o feedback


desejado para os trabalhos que realizámos, pois, assim não nos foi permitida qualquer
autocorrecção. No dia 17 de Novembro e 16 de Dezembro , foram colocados na plataforma três
documentos “Síntese da Sessão….” Nele as formadoras fazem uma reflexão generalizada dos
trabalhos pedidos, todavia no meu caso , senti a falta de um acompanhamento mais
personalizado em virtude da inexperiência anteriormente citada.

Senti-me completamente perdida na execução de muitos trabalhos; esta falta de apoio e de


comunicação fez-nos sentir permanentemente em stress.

Lamento, ter ainda que referir outro aspecto negativo, a quantidade de textos que nos
foram apresentados em inglês, nas diferentes sessões. Julgo, ( não afirmo) que devam existir

A formanda : Maria João Colaço Sousa


"Práticas e Modelos de AA das BE"

autores portugueses e teses feitas na área das Bibliotecas, das quais poderíamos ter tirado
partido.

Conclusão:

Como balanço da autoavaliação, podemos dizer que fui capaz de fazer a melhor gestão
possível do tempo, procurando dar “o meu melhor” para responder satisfatoriamente ao que me
era pedido, podendo afirmar que o meu empenhamento se traduziu:

 no respeito escrupuloso dos calendários previamente definidos para cada


domínio de formação;

 na leitura atenta e no estudo reflectido dos textos apresentados e na realização


das tarefas com base nessa sua reflexão sobre eles;

 na participação em todas as actividades agendadas;

 em várias pesquisas em WWW e outros locais sugeridos nos Guiões das


sessões que visitei;

 na realização atempada de todas as tarefas propostas, procurando dar “o meu


melhor” ao nível da qualidade das mesmas;

Agradeço à minha Coordenadora Interconcelhia, o apoio que me deu e principalmente o


facto de me ter seleccionado para realizar esta formação, da qual levo muita bagagem para pôr
em prática nas minhas BE´s.

Finalmente e embora ainda não haja uma distância no tempo que nos permita avaliar
verdadeiramente as mais valias adquiridas, pode a formanda acrescentar que esta Formação
acarretará, sem sombra de dúvida, repercussões futuras que se traduzirão num trabalho mais
disciplinado na BE, que significam enriquecimento para a escola e práticas conducentes ao
sucesso educativo dos alunos.

A formanda : Maria João Colaço Sousa


"Práticas e Modelos de AA das BE"

Em guisa de conclusão final, agradeço a todos os colegas a amabilidade que tiveram em


comentar os meus trabalhos, partilhar os seus textos, conhecimentos e expectativas.

A formanda : Maria João Colaço Sousa