Você está na página 1de 9

Auto-avaliação da Biblioteca Escolar no Contexto da Escola

1

H I L Á R I A J O RG E

E S C O L A

E B 2 , 3

A R I S T I D E S

D E

S O U S A

M E N D E S

Auto-avaliação da BE no contexto da Escola

Novembro 2009

Sumário

2

Introdução O papel e mais-valias da auto-avaliação da BE O processo e o necessário envolvimento da escola A relação com o processo de planeamento A integração dos resultados na auto-avaliação da escola

Auto-avaliação da BE no contexto da escola

Novembro 2009

Introdução

3

Este trabalho foi realizado no âmbito da formação promovida pela RBE: Práticas e Modelos de auto- avaliação das BE.

O objectivo é divulgar e envolver a comunidade educativa no processo de auto-avaliação da BE, através dos seus representantes no Conselho Pedagógico.

Auto-avaliação da BE no contexto da Escola

Novembro 2009

O papel e mais-valias da Auto-avaliação da BE

4

A Biblioteca Escolar é hoje um centro de aprendizagem ao serviço da escola contribuindo para o sucesso dos alunos.

A auto-avaliação permite avaliar o trabalho desenvolvido pela BE e o seu impacto nas aprendizagens dos alunos.

É um processo pedagógico regulador da gestão da BE, porque:

Permite detectar problemas Estabelece prioridades Aponta caminhos para a melhoria

A

mudança e

desenvolvimento, colocando a BE de forma efectiva no Projecto

auto-avaliação

é

fundamental

para

a

Educativo da Escola .

Auto-avaliação da BE no contexto da Escola

Novembro 2009

O processo e o necessário envolvimento da escola

5

Medir o impacto da BE implica uma atitude de forte liderança do professor bibliotecário.

Este deve ter uma prática que conduza ao objectivo essencial que é a ligação ao currículo e ao sucesso educativo dos alunos.

Pressupõe o envolvimento de toda a escola.

Auto-avaliação da BE no contexto da Escola

Novembro 2009

O processo e o necessário envolvimento da escola

6

Director

Envolvimento da Escola

Professor

Bibliotecário

Conselho

Pedagógico

Professores

Alunos

Pais

Auto Avaliação da BE

Auto-avaliação da BE no contexto da Escola

Novembro 2009

O processo e o necessário envolvimento da escola

7

Director : líder

coadjuvante em todo o processo

Professores, Alunos e Pais:

Preenchimento de inquéritos e outros instrumentos

Processo de auto- avaliação e envolvimento da escola

Professor

bibliotecário:

Líder aglutinador de todos os intervenientes

CONSELHO

PEDAGÓGICO:

Discute e aprova

Auto-avaliação da BE no contexto da Escola

Novembro 2009

PEDAGÓGICO: Discute e aprova Auto-avaliação da BE no contexto da Escola N o v e m
PEDAGÓGICO: Discute e aprova Auto-avaliação da BE no contexto da Escola N o v e m
PEDAGÓGICO: Discute e aprova Auto-avaliação da BE no contexto da Escola N o v e m
PEDAGÓGICO: Discute e aprova Auto-avaliação da BE no contexto da Escola N o v e m

Relação com o processo de planeamento

8

validação por toda a a escolar

id

d

novas práticas
novas
práticas

identificar o problema

id d novas práticas identificar o p r o b l e m a recolher evidências

recolher

evidências

identificar o p r o b l e m a recolher evidências interpretar evidências participação de

interpretar

evidências

participação de toda a a escolar

id

d

consequências e novas orientações
consequências e
novas orientações

auto-avaliação da BE no contexto da escola

Novembro 2009

comun

e

comun e comun e

comun

e

A Integração dos resultados na avaliação da escola

9

Professor bibliotecário elabora o relatório de auto-avaliação e o plano de melhoria.

Apresenta-os ao Director e ao Conselho Pedagógico.

O Conselho Pedagógico discute e aprova o relatório e plano.

A avaliação da BE integra o Relatório de Avaliação da Escola.

A avaliação da BE é, deste modo, alvo de avaliação externa.

Auto-avaliação da BE no contexto da Escola

20-11-2009Novembro 2009