Você está na página 1de 89

PREFEITURA MUNICIPAL DE CABO FRIO

Região dos Lagos – Estado do Rio de Janeiro


Secretaria Municipal de Educação

Caderno Pedagógico
Ensino Fundamental

2ª série a 4ª série

CABO FRIO / 2007

1
SUMÁRIO

A
Matemática
Apresentação e o cotidiano
3 40

Leitura e
escrita no Matemática
primeiro também é
segmento do diversão
Ensino 67
Fundamental
4

Propostas
práticas de
formação de Atividades
alunos desenvolvidas nas
produtores de escolas da Rede
texto Municipal de Ensino
6 72

Trabalhando o
jornal na sala
de aula Referências
31 bibliográficas
88

2
1. APRESENTAÇÃO

Tem sido preocupação constante da Secretaria Municipal de Educação de Cabo Frio a


publicação de documentos que reflitam a proposta pedagógica deste município a fim de oferecer aos
docentes subsídios que venham enriquecer o processo ensino/aprendizagem em nossas escolas.
O Caderno Pedagógico que estamos apresentando aos professores de 2ª a 4ª série do
Ensino Fundamental ressalta a importância de divulgar propostas e práticas pedagógicas que
atendem a essa etapa da aprendizagem.
Neste caderno pedagógico, divulgamos experiências que tivemos em grupos de estudos
com os Supervisores Escolares e incluímos sugestões de atividades desenvolvidas em escolas da
Rede Municipal de Ensino, por considerarmos importante a divulgação do que se vem realizando com
interesse e produtividade pelos profissionais deste município.

Cabo Frio/junho/2007.

Paulo Machado Massa


Secretário Municipal de Educação

3
2. Leitura e escrita no primeiro segmento do Ensino Fundamental

Nós leitores é que fazemos um


Quando lemos estabelecemos o texto ganhar sentido.
tempo todo contato com informações Ninguém lê a partir do zero.
armazenadas em nosso cérebro. Lemos esperando que aquilo que
Um traço fundamental da lemos faça sentido. O que às vezes
leitura: ao ler um texto, ao mesmo não percebemos é que nós, leitores,
tempo que passamos os olhos sobre é que fazemos um texto ganhar
ele, vamos recorrendo a tudo o que sentido.
já sabemos. Ou seja, não lemos Qualquer texto escrito faz
somente com os olhos, mas com tudo sentido para um leitor, quando traz
o que está na nossa cabeça. informações que se articulam com
todas as outras informações de que
ele já dispõe.

SOBRE
A
LEITURA

O aspecto de um texto nos dá Um texto pode ter diversas


pistas concretas do que interpretações por parte de
encontraremos nele antes mesmo de diferentes leitores, mas a
lê-lo.
liberdade de interpretação tem
Observem que a aparência de cada
texto já indica o que podemos limites.
esperar dele. Ex.: Certidão de
Nascimento, receita, convite,
poesia...

Na sala de aula
* Estimule a leitura por parte das crianças
* Faça de sua leitura um exemplo para a classe
* Garanta a leitura no dia-a-dia escolar
* Procure ampliar o repertório de leituras dos alunos

4
A escrita é um sistema de O professor deve incentivar a
regularidades, isto é, funciona a inventividade lingüística da criança,
partir de um conjunto de regras. mas também familiarizá-la com as
normas da língua.
A criança aprende aos poucos
que a escrita é um sistema de
regularidades, convivendo com as
regras da escrita, testando-as,
construindo hipóteses, aprendendo a
aplicá-las.

Sobre
a
escrita

Os sinais da escrita reproduzem A escrita é uma linguagem


os sons da fala, mas essa regra geral que precisa ser “ensinada”.
tem exceções. Há situações nas quais Cabe à escola o compromisso
as soluções adequadas para a
com a norma padrão da língua
oralidade não são adequadas para a
escrita. portuguesa.
Nem sempre os mesmos sons da
fala são representados de uma única
forma na escrita.

A escola deve praticar e incentivar o respeito por todas as formas de fala e de


escrita, mas ela é uma das instituições sociais mais responsáveis pela
aprendizagem da norma padrão, falada e escrita.

A partir da leitura de bons textos, nós nos familiarizamos com convenções,


regras e normas da escrita.

NA ESCOLA

* Comente detalhadamente problemas de ortografia, concordância, com seus


alunos.
* É importante que os alunos se conscientizem do raciocínio que utilizam quando
elaboram hipóteses sobre o funcionamento da escrita.

5
3. Propostas práticas de formação de alunos produtores de textos

Ponto-final seguido de letra maiúscula 


Parágrafo 
Ponto de exclamação ▼
Ponto de interrogação ♥
Vírgula 
Dois-pontos 
Travessão 
Reticências 
Acentuação 
Concordância nominal 
Concordância verbal 

6
3.1. Professor(a):

 Nunca peça ao aluno para redigir sem que antes tenha feito um trabalho oral, discutindo o tema.
Quando o professor se preocupa em desenvolver a oralidade da turma, ela terá menos
dificuldades em redigir.
 Construa textos coletivos, registrando-os no quadro. Faça perguntas e anote as idéias dos
alunos. Pergunte a eles quando deve mudar o parágrafo, que sinal de pontuação usar,
acentuação etc. Enquanto a redação coletiva estiver sendo feita, o aluno não deve copiar nada, o
caderno fica fechado. Quando a classe terminar a redação, o professor deve fazer a leitura com
a turma e só então os alunos copiam.
 Para incentivar a turma, escolha algumas redações, faça uma interpretação escrita e dê como
exercício.
 Para trabalhar paragrafação você pode propor uma série de perguntas. As respostas dadas pelos
alunos serão a própria redação dividida em parágrafos.
Exemplo:
Título: O ENCONTRO
1º parágrafo: Quem saiu de casa? Como estava vestido? Como estava se sentindo?
2º parágrafo: Onde foi o encontro? Foi casual ou haviam marcado? Encontrou-se com
quem? Sobre o que conversaram?
3º parágrafo: No fim... (final livre ou dirigido pelo professor)

3.2. Atividades com texto

Antes da leitura de qualquer texto, é necessário prevê-lo, analisá-lo e fazer o aluno perceber o
que ele já domina em termos de conteúdo e vocabulário. Qualquer uma das propostas a seguir, ou
uma combinação delas, pode ser usada cada vez que se introduz um novo texto para os alunos.

1 – Preparando a turma para a leitura de um texto


a) Observe o título. Do que você acha que o texto está tratando?
b) Olhe as figuras. A que elas se relacionam?
c) Leia o primeiro e o último parágrafos. Novamente, tente deduzir de que trata o texto.
d) Leia o título. Agora rapidamente passe os olhos sobre o texto e circule todas as palavras que
têm alguma ligação com ele (o título).
e) Após olhar o título, as figuras e o primeiro parágrafo, tente elaborar em sua cabeça algumas
perguntas, cujas respostas você acha que o texto traz.

7
f) Selecione algumas palavras do texto e escreva-as no quadro. Peça aos alunos que tentem
localizá-las e circulá-las (dar preferência para as palavras-chave do texto).
g) Finalmente, inicie a leitura, relembrando aos alunos que não parem diante de uma palavra
desconhecida, para não perder o ritmo. Aproveite para introduzir idéias, como previsão,
dedução, interferência etc.

2 – Ler e desenhar
a) Divida a sala em grupos de 5 ou 6.
b) Numere partes do texto (os parágrafos, por exemplo) e então, em cada grupo, diga qual o
número que eles deverão desenhar (não deixar um grupo ouvir o número do outro).
c) Peça aos alunos do grupo que leiam todo o texto, mas desenhem somente a parte a qual lhes foi
designada.
d) Após o término dos desenhos, recolha e tente (com toda a turma) adivinhar qual parágrafo se
relaciona com o desenho, discutindo o que lhes proporcionou identificar cada um, os elementos-
chave, as idéias em comum etc.

3 – Contra a parede
a) Elabore diferentes questões para o texto selecionado, dependendo da turma e da série. Tire
cópias suficientes para cada 2 ou 3 alunos (cada dupla ou trio terá questões, podendo repetir caso a
turma seja grande).
b) Corte uma cópia do texto em diferentes partes e cole-as nas paredes da sala.
c) peça aos alunos para que saiam pela sala em busca de respostas para suas perguntas, e que, ao
encontrarem, tentem memorizá-las ou guardar as partes principais, e que voltem aos seus lugares.
d) Após todos terem sentado, peça que abram o livro e confiram suas respostas.

4 – Um título diferente
a) Antes da leitura do texto, entregue ou escreva no quadro 8 títulos diferentes para ele, sendo 6
parecidos com o original (em idéia ou estrutura) e 2 bem diferentes ou do tipo “pegadinha” .
b) Solicite a leitura pelos alunos ( em duplas) e peça para que julguem cada um dos títulos que você
sugeriu, numerando-os em ordem de preferência de 1 a 8.
c) Discuta as opiniões com a turma.

5 – Quebra-cabeça de textos
a) Divida o texto a ser trabalhado em pedaços e entregue aos alunos, divididos em equipes, cada
uma com o número de pedaços que o texto terá.
b) Estipule um tempo limite e peça para que tentem organizá-los de forma lógica.
c) Observe o trabalho de cada grupo e depois comente com a turma algumas coisas que você
observou em cada equipe individualmente: erros de concordância, falta de seqüência das idéias etc.
d) Peça a alguns que contem as suas seqüências para gerar divergências e discussão na turma.

6 – Leitura rápida
a) Peça aos alunos que abram os livros na página do texto, mas que deixem virados de cabeça para
baixo.
b) Escreva uma pergunta no quadro e, ao sinal, peça que olhem o texto e tentem achar a resposta o
mais rápido possível. Quando encontrar, o aluno grita a resposta. Se estiver correta, segue o jogo,
senão aquele aluno fica fora da rodada. A mesma pergunta ainda vale até que se encontre uma
resposta desejável ou cabível.
c) Caso os alunos estejam respondendo ao mesmo tempo, você pode variar, pedindo que o primeiro
que encontrar corra até a frente, ou levante um lápis ou borracha etc.

8
7 – Respondendo sem o texto
a) Divida os alunos em grupos e entregue um questionário com perguntas sobre o texto a ser
trabalhado.
b) Sem ler o texto, peça aos alunos que tentem imaginar respostas possíveis para as perguntas
apresentadas, pensando em diferentes possibilidades.
c) Após todos terem discutido as respostas no grupo, peça que respondam às perguntas olhando no
texto, para ver o nível de dedução de cada equipe..
d) O professor pode dar alguma recompensa para o grupo que chegou mais perto das respostas.

8 – Sem um dicionário
a) Peça aos alunos que leiam o texto e sublinhem as palavras que eles desconhecem, mas sem parar
para procurá-las no dicionário.
b) Confira com a turma alguma palavra que quase todos tenham sublinhado e peça que tentem criar
uma definição para ela, como num dicionário, a fim de convencer a turma de que aquela é a
definição correta.
c) Recolha algumas sugestões e embaralhe-as, inserindo junto a elas um papel com a definição
correta da palavra em questão.
d) Leia as definições uma a uma e faça uma votação com a turma nas definições apresentadas,
pontuando cada uma.

9– Elementos de coesão
a) Localize no texto um substantivo que apareça várias vezes e as palavras que fazem relação a ele:
adjetivos, pronomes etc.
b) Avise aos alunos que vocês sairão em busca da ocorrência de tal substantivo. Por exemplo, peça
que contem quantas vezes o nome Susana apareceu no texto. Os alunos darão como resposta o
número 5, por exemplo. Diga que ele apareceu mais, 15 vezes, por exemplo, e só então peça que
eles saiam em busca de todas as palavras que fazem referência ao item selecionado.
c) O aluno que encontrar todos, primeiro e corretamente, será o vencedor.

10 – Achando os erros
a) Com base no texto a ser trabalhado, crie um outro bem parecido, trocando somente algumas
palavras de som parecido ou escrita semelhante.
b) Entregue uma cópia para cada aluno e peça que sublinhem a palavra que julgarem estar
“errada”.
c) Discuta as respostas com a turma, comentando: a semelhança de palavras, por que tal palavra
não poderia estar escrita em tal lugar, os elementos de coesão e concordância etc.
d) Solicite aos alunos que confiram a versão original do texto no livro.

11– Criando novos contextos


a) Selecione um parágrafo do texto a ser trabalhado, de preferência algum com muitos adjetivos ou
com uma história simples, mas rica em detalhes.
b) Omita algumas palavras, todos os adjetivos por exemplo, ou algumas outras de acordo com a sua
intenção.
c) Em grupos, os alunos escrevem uma palavra que julguem apropriada nos espaços do parágrafo.
d) Ouça as opiniões dos grupos e veja quais são possíveis de serem aceitas como corretas .

9
12 – Jogos de predição
a) Selecione o texto que você irá trabalhar e registre num cartaz. Em seguida explique aos alunos
que a leitura é também um jogo de dedução, no qual os bons jogadores fazem boas previsões.
b) Vá mostrando o texto aos poucos, parando onde julgar necessário e, a cada parada sua, solicite
aos alunos que escrevam uma previsão da palavra ou frase que está por vir.
c) À medida que o texto transcorra, vá discutindo as previsões corretas e incorretas que os alunos
fizerem.

3.3. Propostas de produção textual

1) Memória auditiva

O professor diz uma frase que deve ser repetida e ampliada pelo aluno.
Exemplo: Fui ao zoológico e vi um elefante ...

2) Ampliando frases

Reescreva as frases, ampliando-as com as palavras apresentadas entre parênteses.

a) As ondas do mar batiam na areia da praia.


( altas - verde - branca - macia )

b) As flores enfeitavam um vaso da sala cheia de sofás.


( belas - enorme - macios)

c) O homem plantou na terra uma árvore.


( trabalhador - fofa - frutífera )

d) As crianças brincavam com a bola na praça debaixo das árvores cheias de folhas.
(alegres - colorida - movimentada - verdes )

3) Completando frases

a) Esqueci o caderno em casa; por isso ______________________________________

b) Vesti a roupa no escuro, por isso _________________________________________

c) Carla chegou atrasada à escola porque ____________________________________

d) Edson está contente porque _____________________________________________

e) Estou com muita fome, mas _____________________________________________

4) Entendendo embalagens dos produtos

Objetivos: reconhecer textos informativos que fazem partem da vida.

Observação: As embalagens possuem unidades de medidas, de tempo (quando é o caso de prazo


de validade), nomes de empresas e cidades. Essas informações podem servir de pretexto para o
desenvolvimento de outros conteúdos e de outros tipos de saberes. Explore tudo que for possível. O
aluno sairá sempre ganhando. Há também a possibilidade de o aluno construir seus próprios rótulos.
Pode-se usar a criatividade e viajar na produção textual. O aluno pode confeccionar um rótulo para
produto similar, pode reescrever um rótulo que não encontre as informações necessárias, pode
interferir no desenho do rótulo e assim por diante. Apresente vários modelos de rótulos para que
seus alunos tenham parâmetros e deixe a liberdade de produção nas mãos dele.

10
ANALISANDO AS EMBALAGENS
- Qual é o produto contido dentro dela? Inicialmente, a professora poderá
- Quanto há de conteúdo? mimeografar um rótulo, para que a
- É líquido? Sólido? Pastoso? classe analise no coletivo.
- Em quais situações é usado? Depois, peça aos alunos para
- Quem é o fabricante? refazerem ou criarem um rótulo.
- Onde foi fabricado? (cidade, estado) Como tarefa de casa, cada criança
- Por quanto tempo é possível armazenar? poderá analisar um rótulo existente em
- Quando foi fabricado? sua casa.
- Quando o produto perderá a validade?

5) Produzindo avisos

O aviso é :
ato ou efeito de avisar toda e qualquer espécie de comunicação, informação ou declaração
prestada a outrem;
documento pelo qual se informa algo a alguém.
Objetivo: que a criança possa perceber a utilidade da escrita em relação aos comandos sociais. Ela
irá descobrir que ordens, despensas, convocações, pedidos, alertas e uma série de comportamentos
sociais são dirigidos por um instrumento chamado aviso.

Inicialmente, explore um aviso com os alunos:


A quem se destina a informação?
Quem é o responsável pelo aviso?
Há prazos para a validade do aviso?
Qual é o conteúdo, mensagem do aviso?

Exemplos que poderão ser trabalhados:


Avisos de jornais do bairro, da cidade.
Avisos de provas.
Avisos de limpeza da escola
Avisos de conservação do material escolar, do livro didático
Etc

6) Redigindo convite

No convite encontramos
o nome da pessoa convidada,
o nome da pessoa ( ou entidade, ou família, ou empresa) responsável pelo acontecimento,
o acontecimento,
o local,
a data,
o horário

Há vários tipos de convite.


1ª Proposta - Inicialmente, reúna com seus alunos alguns convites que receberam. Analise com a
classe os convites e monte um mural que ficará exposto na sala de aula.

1ª atividade para o aluno - Se você fosse convidado para ir a uma festa de aniversário, como seria o
convite. Imagine e escreva.
11
2ª atividade para o aluno – Imagine que você dará uma festa em sua casa. Redija um convite para
um colega da escola.

2ª Proposta - A professora inicia sua aula conversando sobre o aniversário do aluno Lucas e sobre
o convite que o mesmo entregou à turma. Ela leu o convite para a classe e em seguida perguntou:
- Que mensagem transmite o convite?
- Por que o aluno Lucas entregou o convite para os coleguinhas da turma?
- Quando será o aniversário de Lucas?
- Em que dia será a festa?
- Em que horário?
- Onde será a festa?
Em seguida, a professora dirá que há vários tipos de convites e solicitará aos alunos que
peguem os convites que trouxeram para apresentar à classe. Lembrará que esta solicitação foi feita
no dia anterior.
Cada aluno apresentará para a turma o convite que trouxe de casa.
Os convites serão afixados numa folha de papel madeira e presos num mural, na sala de
aula.
Prosseguindo, a professora perguntará à classe quais informações se repetiram nos
convites. As falas dos alunos serão registradas no quadro. Aproveitando os registros feitos, a
professora falará sobre a estrutura de um convite.
Todo convite deve conter:
1º - o nome da pessoa convidada
2º - o nome da pessoa responsável pelo acontecimento
3º - o acontecimento
4º - o local
5º - a data
6º - o horário
Finalmente a professora solicitará à turma que redija um convite.

7) Diário pessoal

Diário pessoal é um escrito em que se registram os acontecimentos de cada dia.

Construindo um diário pessoal


Data:
Como começou o meu dia?
O que me aconteceu antes do almoço?
À tarde, o que fiz?
Fiz alguma coisa hoje que não costumo fazer diariamente?
Houve algum acontecimento que me deixou triste, chateado, com raiva?
Tive uma grande alegria com alguém ou com uma boa notícia?
Como me sinto neste momento?

8) Formando frases ou pequenos textos:

Querido aluno, crie frases (ou um pequeno texto) reunindo os seguintes


grupos de palavras:
a) índio - visitar - amigo - fazendeiro
b) professora - música - estudar
c) escritório - notícia - ouvir

12
9) Reprodução de história

1º - O professor lê ou conta uma história;


2º - os alunos recontam (oralmente) a história;
3º - os alunos fazem desenhos sobre a história;
4º - os alunos escrevem a história.

10) Palavra puxa palavra

Nessa atividade, o professor lança uma palavra e os alunos apresentam outras que se
relacionam com a primeira.
Exemplo: Palavra escolhida: FOGO.
Palavras relacionadas: incêndio – dor – ambulância – feridos – bombeiro – gritos – tristeza
– medo – fogão – comida – queimada
Em seguida , os alunos deverão construir um texto utilizando as palavras escritas.

11) Brincando de poeta

O professor oferece aos alunos uma caixa contendo cartões, cada um com uma palavra, sendo que
as palavras rimam entre si.
Exemplo: pato – mato – gato
coelho – Betelho – joelho
abelha – orelha – ovelha
Cada aluno, após ter recebido um dos cartões, deverá procurar entre os colegas aqueles
que têm o cartão com uma palavra que rime com a sua.
Agrupados por terminação, os alunos escreverão outras palavras que rimem com as que já
possuem e construirão uma poesia.

12) De mãos dadas com a poesia

Material: textos sobre amor, amizade, respeito ou outros sentimentos, papel e lápis.
Música: Coração de estudante, de Milton Nascimento (ou outra música)

Ler os textos, ouvir a música.


O professor convida os alunos a analisarem seus corações, dizendo-lhes;
- Abra seu coração.
- O que você vê dentro dele?
- O que sente?
- O que lhe incomoda?
- O que gostaria de dizer em nome dele?
Logo após, passe para o papel o que seu coração gostaria de falar se tivesse voz.
O trabalho pode ser ilustrado.

13) Eliminando as palavras desnecessárias na construção de textos.

 Circule as palavras desnecessárias na frase abaixo:

Eu era um cachorro que vivia numa loja de animais. Eu fiquei na loja uma semana e daí veio
um casal com um menino e daí o menino me escolheu.
Apresentamos a seguir várias possibilidades de escrita de um pequeno texto. Marque a
redação que você acha melhor.
13
a) Eu era um cachorro que vivia numa loja de animais. Eu fiquei na loja uma semana e daí veio
um casal com um menino e daí o menino me escolheu.
b) Eu era um cachorro que vivia numa loja de animais. Eu fiquei na loja uma semana. Veio um
casal com um menino e o menino me escolheu.
c) Eu era um cachorro que vivia numa loja de animais. Fiquei na loja uma semana. Veio um
casal com um menino que me escolheu.
d) Eu era um cachorro que vivia numa loja de animais. Depois de uma semana em que lá
estava, um menino acompanhado de um casal me escolheu.
e) Eu era um cachorro que vivia numa loja de animais. Fiquei na loja durante uma semana,
pois um menino acompanhado de um casal me escolheu.

 Copie o texto que você assinalou na questão anterior.

14) Para fazer essa atividade, não basta ser um bom desenhista, tem de ser também um
ótimo leitor.
Leia as frases abaixo e faça os desenhos correspondentes ao lado de cada uma delas
ou escreva o que o desenho representa.

1- O cachorro mordeu-lhe o pé. 2- O cachorro mordeu-lhe os pés.

3- Os cachorros moderam-lhe o pé. 4-

5- Os cachorros moderam-lhes os pés.

15) Copie os trechos seguintes, eliminando os pronomes que forem desnecessários à


frase.

Papai chegou em casa sorrindo e assoviando...Eu estranhei esta atitude, porque, em geral, ele
quase nunca sorri.
Durante o almoço ele contou-nos que ele tivera um aumento em seu ordenado. Nós ficamos
felizes!
Mamãe começou a fazer projetos como se, de repente, nós tivéssemos tirado a sorte grande.
Eu dei a papai o boletim para assinar e ele, que sempre elogia minhas notas, beijou-me e ele disse:
- Isto vale mais que meu aumento, filho!

14
16) Ampliando frases.

A) Carla levantou cedo.

Quando? Carla levantou cedo hoje.

Para quê? Carla levantou cedo hoje para brincar de corda.

Onde? Carla levantou cedo hoje para brincar de corda na praça.


Carla levantou cedo hoje para brincar de corda na praça com sua
Com quem?
prima.

17) Trabalhando a narração:

A)

Quem são estas O que fazem? Onde? Com quem?


pessoas?

(Texto)____________________________

_________________________________________________________________
_________________________________________________________________
_________________________________________________________________
_________________________________________________________________
_________________________________________________________________
_________________________________________________________________
_________________________________________________________________

B)

Quem é? Profissão O que está


fazendo?

(texto)

15
Diálogo

O diálogo é uma conversa entre duas ou mais pessoas.


Ao transcrever um diálogo, é necessário que no primeiro parágrafo se identifique e se
localizem as pessoas no tempo e no espaço, isto é, dizer onde elas estão e quando se encontraram
para esta conversa.
Após anunciar quem falou primeiro, colocamos dois pontos e na outra linha com travessão,
transcrevemos a frase dita por essa pessoa.
O travessão só aparece na frente da fala de um personagem e reaparece quando o outro
responde e assim até terminar.
É preciso ter cuidado com a pontuação para retratar exatamente a clareza da fala.

18) Leia com atenção o texto abaixo e reescreva-o, empregando adequadamente os sinais
de pontuação e parágrafos.

Quando ouviu o sinal do recreio Edson correu para a quadra da escola Lá ele encontrou alguns
amigos Edson falou Vamos formar os times Marcílio também quis jogar, mas alguns meninos
disseram que ele não participaria Então, Marcílio perguntou Por que eu não posso jogar Edson disse
Não se preocupe Marcílio Você irá jogar sim Venha participar do meu time.

19) Leia a história em quadrinhos e observe o comportamento dos personagens. Depois, transforme
a história num texto em prosa. Não se esqueça de tudo o que aprendemos sobre escrita de diálogo,
pontuação e organização de parágrafos.

16
20)Escreva a história usando os : (dois pontos ) e o _ (travessão):

21) Esta plantinha está com muita sede. O que ela pede à terra? O que o passarinho pede à nuvem?
O que faz a nuvem? Complete o diálogo.

Agora, construa um texto em prosa, contando a história da plantinha que estava com
muita sede.

17
22) Continue a história em quadrinhos:

Agora, transforme a história em quadrinhos num texto em prosa.

23) Leia a conversa entre mãe e filho:

A mãe de Zezinho

Zezinho: _ Mãe, dá dinheiro ?


Mãe: _ Não !
Zezinho: _ Mas é para dar a um velhinho !
Mãe: _ Que velhinho ?
Zezinho: _ Aquele que passa na rua e diz: “Pipoqueiro” !

 Agora escreva a conversa da mãe e do Zezinho nos balões.


 Lembrete: Não se usa travessão nos balões.

18
24)

1) Desenhe a parte que está faltando no corpo das personagens abaixo.

2) Dê nome às personagens:
3) Descreva a roupa da personagem masculina.
4) Descreva a roupa da personagem feminina.
5) Em que ocasião as pessoas usam este tipo de roupa?
6) Onde eles estão?
7) Com base nas respostas que você deu, crie uma história.

___________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

19
25)

1 - Escreva o que você está vendo.


2 – Quais as cores de que você mais gosta?
3 – Na imagem, o que se destaca? Qual a sua cor?
4 – Esta imagem agrada a seus olhos? Por quê?
5 – Agora, crie um texto sobre a gravura.

___________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________

20
3.4. Corrigindo as produções textuais

Diversas atividades podem intervir no texto da criança para, gradativamente, aproximá-lo da escrita mais
elaborada.
A criança aprende a escrever escrevendo. Ao interagir com o meio, ela vai construindo sua
escrita, evoluindo sempre de um plano menos desenvolvido para outro mais desenvolvido. Dessa
forma, sua escrita vai se aproximando cada vez mais de um instrumento de comunicação
compreendido por todos.
É preciso saber intervir no texto da criança, transformando-o, com a intenção de aproximá-lo cada
vez mais de uma escrita convencional. E isso é possível por meio de atividades de ensino-aprendizagem
planejadas com essa finalidade.
Essas atividades devem considerar tanto o conteúdo quanto a forma dos textos, ou seja,
devem visar ao aperfeiçoamento da mensagem como instrumento de comunicação.
Seguem algumas sugestões: autocorreção, codificação, reestruturação, refacção, reescrita,
reconstrução, auto-avaliação, edição final do texto. Essas atividades podem ser desenvolvidas em todas
as séries do Ensino Fundamental e constituem oficinas de texto que podem envolver uma ou mais
atividades na mesma escrita. A exigência, contudo, deve ser equilibrada, para que o aluno faça e
refaça seu texto com prazer, percebendo o significado das ações que realiza.

AUTOCORREÇÃO

O processo de autocorreção tem por objetivo primordial a construção da imagem mental das
palavras. Nesse caso, a ação da criança é sobre as palavras. Ao corrigir um texto, o professor faz
anotações, indicando o que deve ser reescrito.
Uma forma de se preparar para a autocorreção é escrever a palavra corretamente, a lápis,
acima do termo que deve ser corrigido. Ao receber o trabalho de volta, a criança deve observar as
diferenças entre a palavra escrita por ela e a que o professor escreveu, comparando letra por letra.
Ao encontrar uma diferença, a criança apaga apenas a letra diferente e a substitui. Em seguida,
continua a comparação, pois é possível haver mais de uma diferença na mesma palavra. Terminada a
comparação, a palavra escrita pelo professor é apagada pelo aluno.
A tendência natural da criança é apagar a sua escrita e "copiar" automaticamente a certa.
Essa atitude não leva à construção da ortografia por não envolver reflexão; por isso deve ser
evitada. Ao copiar, a criança também pode grafar palavras inadequadamente. Exemplo:

Num segundo momento, as palavras podem ser apenas marcadas com um sinal, um
número, por exemplo, e ter a sua forma correta escrita na seqüência do texto. A criança procederá
da mesma forma: comparando e substituindo as letras diferentes. Note que a reflexão é
imprescindível para a construção da ortografia. Exemplo:

21
Avançando no processo da autocorreção, a criança buscará no dicionário a forma correta de
escrever as palavras, que são apenas assinaladas pelo professor. Exemplo:

Por último, as marcas podem ser registradas à margem do texto. Se, por exemplo, na
primeira linha houver uma palavra escrita não-ortograficamente, o professor fará um X à margem,
nessa mesma linha. Se houver duas palavras com erros, fará XX e assim por diante. Aqui, a criança
analisa todas as palavras da linha, buscando aquela que deve ser modificada. Para confirmar, ela
poderá consultar o dicionário. Exemplo:

Como vimos, a autocorreção não modifica o conteúdo da mensagem, mas aperfeiçoa a


forma de comunicá-la. É bom que seja realizada em todos os textos que as crianças produzem.
Cabe ao professor escolher a melhor forma de autocorreção para a sua série. Registrar
marcas à margem dos textos, por exemplo, não é apropriado para uma lª série.

CODIFICAÇÃO

Pela codificação, professor e aluno vão agir sobre o texto visando transformar a acentuação,
a pontuação e a concordância nominal e verbal.
Para desenvolver esse processo, é preciso iniciar com a convenção dos códigos, construída
com os alunos da classe, de acordo com o que se pretende trabalhar. Segue um exemplo de
codificação:

Ponto-final seguido de letra maiúscula


Parágrafo 
Ponto de exclamação ▼
Ponto de interrogação
Vírgula 
Dois-pontos 
Travessão 
Reticências
Acentuação 
Concordância nominal
Concordância verbal

22
Ao corrigir o texto, o professor coloca os códigos e a criança os decodifica, inserindo as
devidas modificações. Em seguida, apaga os códigos colocados pelo professor. E, pois, uma estratégia
de modificação da forma desenvolvida, preferencialmente, sobre o texto que já foi submetido à
autocorreção.
A acentuação de palavras tanto pode ser trabalhada em codificação como em autocorreção.
Vejamos um exemplo.

REESTRUTURAÇÃO

Esta atividade é uma variante da codificação, mas com maior predomínio da ação
reflexiva. Incide sobre os mesmos pontos. A diferença está na forma de realizá -la.
Enquanto naquela o professor coloca os códigos para cada um dos textos das crianças e
elas os decodificam corrigindo seus trabalhos in dividualmente, na reestruturação o trabalho
é coletivo, com a classe toda ou um grupo de alunos atuando sobre apenas um texto
selecionado.
Esse texto pode estar escrito na lousa, em transparência ou em papel, desde que
seja permitido apagá-lo, riscá-lo ou sobrescrevê-lo. É interessante, ainda, que não seja
muito longo, para evitar que os alunos se cansem antes de terminar a atividade. Para isso,
pode-se tomar um texto pequeno ou parte de um texto.
Quando o texto estiver pronto, um aluno copia o resultado. É possível fazer cópias
dos dois textos (antes e depois da reestruturação) para compará-los, colorir onde houve
modificação, observar sua "silhueta" e analisar a clareza obtida com as mudanças.
A reestruturação possibilita, portanto, reflexão sobre a for ma interferindo
indiretamente no conteúdo, na medida em que a pontuação influi na compreensão do texto.

23
REFACÇÃO

Aqui o professor age basicamente sobre o conteúdo do texto da criança visando clarear e
complementar idéias, dar coerência e coesão ao texto. Consiste em fazer intervenções, isto é, fazer
perguntas, sugerir substituições, cortes e inserção de novos parágrafos. É possível fazer a refacção
de um texto coletivamente. Nesse caso, o professor seleciona um texto bem significativo,
fazendo as devidas intervenções por escrito; providencia cópias para todos os alunos. Em
seguida, discute cada intervenção com a classe, levantando as possibilidades de
transformação. Os alunos então, es crevem o texto fazendo as modificações necessárias.
Contudo, a refacção é preferencialmente uma atividade individualizada, pois cada criança
tem um estilo próprio, um jeito de criar e concatenar idéias. Por isso, as respostas às
intervenções acabam sendo específicas, diferentes de pessoa para pessoa. Um exemplo:

REESCRITA

Uma atividade interessante consiste em pedir que a criança reescreva um texto a partir de
outro, conservando o conteúdo. De um poema, pode-se escrever uma prosa e vice-versa. De uma
narrativa, pode-se escrever uma notícia ou relato. Outra possibilidade é propor que os alunos
passem para o discurso indireto um texto que está em discurso direto.
O essencial é a conservação do conteúdo de algo lido, ouvido ou visto em outra forma
apresentada pela criança. Uma vez que essa atividade não implica a criação de idéias, pode se
concentrar na forma, ou seja, no modo de organizar a mensagem por escrito.
A atividade pode ser tanto individual quanto coletiva, envolvendo pelo menos duas etapas. Na
primeira, o professor fornece um conteúdo por escrito, oralmente ou apresentando um texto
24
extraverbal, e, em seguida, a criança escreve seu texto. Na segunda, ele faz intervenções de
autocorreção, de codificação ou de refacção e o aluno realiza as devidas modificações.
Exemplo: as crianças assistem, em vídeo, ao filme A Bela e a Fera; em seguida, elas escrevem
o conto com suas próprias palavras; só então o professor organiza atividades de autocorreção,
codificação ou refacção.

RECONSTRUÇÃO

Reconstruir é modificar o conteúdo da primeira versão de uma escrita realizada pelo


aluno ou por qualquer outro autor.
Se estivermos analisando uma narrativa, por exemplo, po demos sugerir ao autor
que acrescente uma personagem, que mude a ação de outra, que altere os diálogos entre
duas personagens, que modifique o início ou o desfecho da história, que altere o foco
narrativo, que acrescente elementos ao ambiente ou fale mais sobre a personagem. São
orientações que podem ser colocadas na proposta para a escrita ou na própria redação.
Essa forma de aprofundar o texto pode também ser feita coletiva e oralmente,
sobre apenas um texto. Depois de levantar as possíveis idéias, a classe realiza o trabalho
individualmente, em duplas ou formando grupos pequenos.
A atividade de reconstrução pode ser combinada com a reescrita. Nesse caso, as
orientações podem ser colocadas na proposta de escrita. Por exemplo: "Reescreva a
história do Chapeuzinho Vermelho, inventando outra personagem para substituir o lobo".
A reconstrução pode ocorrer a partir dos textos originais de cada criança, como no
exemplo a seguir.
Proposta:
- Refaça o texto abaixo, alterando o motivo de comemoração, a especialidade das abelhas e os dois
últimos parágrafos.

25
AUTO-AVALIAÇÃO

Ao acabar de escrever o texto, a criança faz uma revisão, com o apoio de um roteiro com
perguntas sobre o conteúdo e a forma do texto solicitado. Essas perguntas visam levar a criança a
refletir sobre sua escrita ainda no rascunho, para que possa alterá-la antes de passar a limpo.
Para isso, o professor, ao propor a escrita de um determinado texto, já prepara também a
ficha que deve ser distribuída a cada criança, colocada na lousa, projetada ou escrita em cartolina e
exposta na sala de aula.
Depois que o aluno responde às perguntas da ficha, pode refazer o texto (segunda versão)
incluindo aspectos do conteúdo e da forma esquecidos na primeira.
Se a proposta for para um estudante da 4ª série escrever uma história utilizando uma
narrativa (sobre fantasmas, por exemplo), a ficha de auto-avaliação poderá conter as questões
abaixo, ou outras adaptadas ao tipo de texto solicitado.

AUTO-AVALIAÇÃO — TEXTO NARRATIVO

SIM NÃO
Estrutura do texto

Coloquei personagens principal e secundárias?


Caracterizei as personagens?
Descrevi o ambiente?
Marquei o tempo?
Criei o conflito?
Escrevi o clímax?
Coloquei o desfecho?
Relacionei a caracterização das personagens e do ambiente com outras partes da
história?

Conservei o foco narrativo?


Forma do texto

Coloquei título?
Fiz parágrafos?
Utilizei o ponto-final?
Utilizei o ponto de exclamação, se necessário?
Utilizei o ponto de interrogação, se necessário?
Utilizei dois-pontos e travessão, se necessário?
Usei letras maiúsculas nos nomes próprios? Depois do ponto-final? No início dos
parágrafos?
Fiz alguma substituição de nomes por pronomes?

Fiz alguma substituição por sinônimos para não repetir muitas vezes a mesma palavra?

Separei corretamente as sílabas nos finais de linha?

Apresentação

Separei corretamente as sílabas nos finais de linha?

Meu trabalho está limpo?


Destaquei algumas palavras?
Destaquei o título?

26
3.5. Revendo a concordância, pontuação, ortografia...

1) No texto abaixo, você encontrará seis frases. Copie-as, separando por pontos.

Quando voltou para casa, Carlos estava diferente, descobriu um mundo novo na casa dos
amigos tinha vontade de contar para todo mundo e não podia só contaria para os pais, assim
mesmo, longe do irmão não queria que ninguém atrapalhasse sua amizade chegou em casa e contou
para a mãe.

2) Observe o emprego da vírgula:

a) - Olha lá, mãe. b) - Mãe, olha lá.


– o que foi, filho? - Filho, o que foi?

Agora, copie as frases seguintes, pontuando-as corretamente.

b) - Mãe posso voltar mais tarde?


c) – você está triste Mara?
d) – Fique quieto André.
e) - Carlos não seja chato.
f) – Joana fique atrás do muro.

3) Proponha a seguinte atividade aos alunos, retirando trechos incorretos das redações
criadas pela própria turma:

Querido aluno, leia os fragmentos dos textos abaixo com bastante atenção. Eles foram escritos
de forma incorreta. Reescreva-os, fazendo as correções necessárias.

a) ... precizo de sugestãos para acabar com as brigas na escola ...


... preciso de sugestões para acabar com as brigas na escola ...

4) Reescreva o parágrafo abaixo, contando o mesmo acontecimento ocorrido com pessoas


diferentes.

Eu moro em Cabo Frio. Todo dia pego minha bicicleta e passeio pela Avenida do
Contorno. Saio de casa ao meio-dia e faço o mesmo trajeto na volta. Às vezes, vou à padaria e
compro uns biscoitos amanteigados. Que delícia!

5) A descrição abaixo foi elaborada com base no verbete de uma enciclopédia. Aqui, ela foi
transcrita sem os pontos (.). Copie em seu caderno fazendo a pontuação necessária. Não
esqueça de colocar a letra maiúscula no início das frases.

o morcego é um animal de hábitos noturnos, é o único mamífero dotado da capacidade de voar


existem quase mil espécies de morcegos eles vivem geralmente em cavernas, grutas, árvores,
telhados e outros vãos escuros, pendurando-se de cabeça para baixo para repousar a maioria das
espécies come insetos, mas há também as vegetarianas e as carnívoras existem muitas crenças
falsas sobre esse animal ele não é cego nem agressivo, apenas algumas poucas espécies podem
transmitir doenças como a raiva a maioria delas não é uma ameaça aos seres humanos, pelo
contrário, os morcegos ajudam a controlar a quantidade de insetos eles orientam-se durante o vôo
noturno emitindo sons que ecoam nos obstáculos e são captados por seus ouvidos extremamente
desenvolvidos esse sistema inspirou os cientistas a criarem os radares.

6) Complete o seguinte diálogo:


ANA: - ____________________________________________________
Bruna: - Bem, obrigado.
ANA: - ____________________________________________________
Bruna: - Não posso, tenho de estudar.
ANA: - ____________________________________________________
Bruna: - Que tal amanhã?
ANA: - ____________________________________________________
Bruna: - Está combinado?
27
7) Leia com atenção o trecho abaixo e organize um diálogo empregando adequadamente
estes três sinais de pontuação:

ponto final dois pontos travessão

A mulher correu para o quarto, trancou a porta e telefonou para a amiga Paula Tem um
homem aqui na sala, sentado no sofá A amiga, que ainda não sentira o drama, perguntou Não é seu
pai? Ela exclamou nervosíssima Se for papai, é pior Por quê? Porque papai já morreu!

8) Retiramos o trecho abaixo do livro Serafina e a criança que trabalha para que vocês
conheçam um pouco sobre o assunto. Leia-o e encaixe nas lacunas apenas as palavras
necessárias para dar-lhe sentido.
mas mais pois pôs
trabalhasse trabalha-se atice atiçasse

Você sabia que o carvão é a lenha do eucalipto queimada em fornos chamado “rabos quente” Pois então leia:

Rabo quente é uma espécie de iglu feito de tijolo e barro. Para queimar a lenha é necessário
que alguém _____________________ o fogo durante três dias.
Luciane (15 anos) trabalha com seu pai em um desses fornos desde os 7 anos e nos contou:
- O médico disse que eu não __________________ ________________, ____________ já
tive pneumonia, ou que ______________________ o fogo com uma proteção no rosto para não
aspirar a fumaça, senão terei nova crise.
Adaptado do livro Serafina e a criança que trabalha,
de Jô Azevedo, Iolanda Huzak e Cristina Porta. São Paulo, Ática, 1996.

9) Na transição de um diálogo deve-se colocar o travessão em parágrafo sempre que


mudar a pessoa que fala, no entanto, não foi feito no trecho seguinte. Copie-o, usando o
travessão corretamente.

Ah, meu filho... Onde é que você andou até agora? Quem? Eu? Quem mais? Eu? Eu fui a Praia
do Forte com uns amigos ... Você está mentindo, Carlos. Eu, mamãe? Não estou, mamãe. Juro. Vá
jurar para seu pai. Por que a senhora mesma não explica para papai, hein ? Faça esse favorzinho
para seu filho, mamãe.

3.6 . A narração

A narrativa é um tipo de texto que pode e


deve ser aprofundado na sala de aula, uma vez que as
crianças demonstram um grande interesse por ela.
Contudo, não é só por isso que devemos ensinar a
narrativa. Sua função primordial é desenvolver o
raciocínio lógico da criança.
Por isso, é necessário planejar o trabalho a ser
desenvolvido nas diferentes etapas.
Em cada série são aprofundados elementos
específicos por meio de atividades de ensino-
aprendizagem. Os conteúdos das séries anteriores
continuam sendo abordados nas demais séries, por
meio de atividades de aplicação e de avaliação.
O planejamento escolar pode trazer de forma sistematizada o ensino-aprendizagem dos
elementos da narrativa ao longo de algumas séries. Veja uma proposta, a título de sugestão.

28
Elementos da narrativa nas diferentes séries

Ler e contar histórias. Trabalhar oralmente as três perguntas: • Quem


aparece na história? (personagens) • Onde acontece a história?
Pré-escola — 5 anos (lugar, espaço) • 0 que acontece? (ações) Objetivo: perceber esses
elementos em uma narrativa ouvida; o professor faz as perguntas e as
crianças respondem oralmente.

O mesmo trabalho desenvolvido com as crianças de 5 anos: • Quem?


(personagens) • Onde? (lugar, espaço) • 0 quê? (ações) Objetivo:
1ª série N1 — 6 anos
empregar esses elementos na narração oral; ao contar histórias, os
alunos devem colocar os três tipos de informação, espontaneamente.

• Personagem principal (protagonista)


• Características físicas • Caracterização física do espaço • Enredo
1ª série N2
(sequência de ações — começo, meio, fim) Objetivo: reconhecer esses
elementos no texto lido e empregá-los na escrita.

• Personagem principal e secundária


2ª série • Características psicológicas • Tempo (marcas linguísticas) Objetivo:
reconhecer esses elementos no texto lido e empregá-los na escrita.

• Desenvolvimento do conflito • Clímax • Desfecho


• Distinção entre relato e narrativa • Parágrafo introduzindo diálogos
3ª série
Objetivo: reconhecer esses elementos no texto lido e empregá-los na
escrita.

• Conservação do foco narrativo • Discurso direto e indireto •


Argumentação, explicação, justificativas, julgamento • Identificação
4ª série de aspectos da narrativa em outros gêneros (fábula, apólogo, carta,
notícia, relatos...) Objetivo: reconhecer esses elementos no texto lido e
empregá-los na escrita.

Atividades com narrativas

Ao trabalhar com narrativas, o professor pode voltar a atenção para um dos seus elementos,
como as personagens e o cenário. Uma atividade interessante consiste em criar uma personagem e
desenvolver outros trabalhos a partir dela:
1. Em grupo, criar uma personagem. Pode ser humana, animal, vegetal ou inanimada. Como?
Construindo um boneco de pano ou papel (colocar nele roupas e adereços adequados), desenhando,
fazendo colagens ou destacando algum elemento do ambiente para representar a personagem.
2. Discutir (estimulando a imaginação): a classificação biológica do boneco criado; o nome; as
características físicas (sexo, cor dos olhos, cabelos, pele, tipo físico); características psicológicas
(personalidade, hábitos, preferências, sentimentos); figurino; biografia (história de vida); família a
que pertence; lugar onde vive; dificuldades.
3. Ensaiar uma história com essa personagem a partir dos ítens discutidos.

Outra possibilidade é ler e focalizar suas personagens:

1. Analisar as características físicas e psicológicas das personagens presentes no texto.


2. Inventar características coerentes com a temática do texto(sugestão: utilizar livros paradidáticos
com e sem texto).

29
3. Criar características absurdas para as personagens.
Como sequência da criação de personagens, o professor pode trabalhar a criação de
cenários. O cenário pode ser construído com montagens, recortes, colagens e outras técnicas.
Pode-se montar um lugar na sala de aula e colocar as personagens. Descrever as características
do lugar e o tipo de vida que as personagens teriam ali.
Em seguida, em grupos ou individualmente, a classe utiliza o cenário com as personagens
criadas para produzir textos. Inventa, por exemplo, um conflito para as personagens, no
espaço/ambiente já construído anteriormente, e discute várias possibilidades de solução. O professor
pode propor situações-problema como "ponto de partida":
1. Escrever uma história a respeito de duas crianças que se encontram num país estranho.
2. Escrever uma história a respeito de duas pessoas que querem preparar uma festa-surpresa.
3. Criar uma história a respeito de um grupo de pessoas que vive no fundo do mar.
Depois as crianças escrevem uma narrativa "costurando" as partes trabalhadas separadamente.

FICHA DE AVALIAÇÃO GRAMATICAL DO TEXTO NARRATIVO

Itens Ocorrências
Foco narrativo
Qual é o foco narrativo? Ele foi mantido do princípio ao final do texto? {eu ou nós; ele, ela, eles,
elas)
Tempo verbal
Qual o tempo verbal predominantemente empregado? Presente (aqui/agora), pretérito perfeito
{lá/antes), pretérito mais-que-perfeito ou pretérito imperfeito, por exemplo? É coerente com o foco
narrativo e o tipo de texto?
Encadeamentos
De substituição: Aparecem sinônimos? Aparecem pronomes substituindo nomes? Como estão
designadas as personagens e outros elementos já nomeados uma vez no texto {ele, eles, ela, elas,
estes últimos, aqueles, o menino, o garoto, etc.)?
Nexos: • Cronológicos (em primeiro lugar, depois de, no dia seguinte, finalmente, em seguida,
enquanto isso, ao mesmo tempo). • De relação causa-efeito {assim, pois, por causa de). • De
ruptura {de repente, porém, sem dúvida, ao contrário, inesperadamente). • Lógicos {porque,
assim, ê por isso que).
Diálogos
• Há marcas gráficas de diálogo? (dois-pontos, travessão).
• São introduzidos verbos [dizer ou correspondentes, replicar, falar, perguntar, retrucar, pensar,
declarar, ordenar, etc.)? . • O tempo verbal empregado no diálogo é o mesmo da narrativa? Está
adequado?

Estrutura da frase
• Frases simples-. Termos essenciais (sujeito e predicado) e termos integrantes (objeto direto,
indireto, agente da passiva, complemento nominal, predicativo do sujeito e do objeto).
•Frases complexas: Termos acessórios — adjunto adnominal (adjetivo, locução adjetiva,
locução pronominal, pronome adjetivo, artigo, numeral), oração adjetiva restritiva, adjunto
adverbial (advérbio, locução adverbial, oração subordinada adverbial), aposto e oração adjetiva
explicativa.

Pontuação: Adequada na maioria dos casos?


Concordância nominal e verbal: Adequada? (Os erros de concordância são considerados
erros de gramática, e não de ortografia.)
Advérbios e locuções adverbiais: São utilizados?
Adjetivos: São utilizados?
Metáforas ou comparações: São utilizadas?

30
4. Trabalhando o jornal na sala de aula
O jornal é um poderoso material de apoio pedagógico. Por isso, nos
países mais desenvolvidos o jornal está presente na escola fazendo parte
integrante da vida de alunos e professores.
A leitura do jornal ajuda a aprender a pensar e a entender o que se
passa a nossa volta.
Para os educandos o jornal:
é o mediador entre a escola e o mundo;
leva-os a formar novos conceitos e a adquirir novos conhecimentos
a partir de sua leitura;
ensina-os a aprender a pensar de modo crítico sobre o que se lê.

Para os professores, o jornal é um excelente material pedagógico


(para todas as áreas) sempre atualizando, desafiando-os a encontrar o
melhor caminho didático para usar esse material na sala de aula.
Jornal de sábado /
É importante que o aluno perceba que existem vários jornais. O professor 17/03/07
pode levar seus
alunos a compará-los, observando as semelhanças em vários aspectos: são cotidianos, têm varias
seções, tratam de assuntos variados, têm tamanhos de letras diferentes na mesma página, em sua
maioria são branco e preto etc.
Os alunos devem perceber que a notícia sempre traz uma informação comprometida com a
realidade; portanto, é um texto não-literário. É escrito em prosa.

4.1. A primeira página do jornal

Você já observou que na primeira página do jornal há uma notícia com o título escrito em
letras bem grandes? É a manchete, título da notícia considerada mais importante do dia.
A manchete ocupa sempre um espaço grande na primeira página de um jornal.
Vamos examinar as outras partes que costumam aparecer nos jornais de grandes circulação,
quer dizer, jornais lidos por um grande número de pessoas em todo o país.

1 – Publica-se algum jornal em sua cidade? Ele é diário, semanal ou mensal? Que partes aparecem
na primeira página desse jornal?

2 – Traga um jornal para trabalharmos com a primeira página.


a) Quais as partes que são fixas nessa primeira página do jornal?
b) Qual a notícia mais interessante nessa página?
c) Qual o fato noticiado que afeta direta ou indiretamente o seu dia-a-dia?

4.2. Os cadernos de um jornal

Os jornais de grande circulação geralmente são divididos em cadernos.


Os cadernos têm títulos diferentes, dependendo do jornal.
Há cadernos que são publicados todos os dias; outros saem apenas em determinados dias da
semana.
Além desses cadernos há ainda suplementos.

 Consiga um jornal que seja dividido em cadernos. Recortes uma notícia e cole-a numa folha,
sem indicar o caderno de onde ela foi retirada. No dia seguinte, você e um colega vão trocar suas
folhas. A tarefa de cada um é indicar o caderno de onde foi retirada a notícia selecionada pelo outro.

 O jornal que vocês estão apreciando em classe apresenta quantos cadernos? Qual o nome de
cada um desses cadernos?

 Vamos montar um painel. Recorte e cole

Notícias do Notícias
Notícias nacionais Entretenimentos
mundo esportivas

31
4.3. As seções do jornal

Cada caderno de um jornal está dividido


em seções. Um caderno que se chama CIDADE,
por exemplo, pode ter as seguintes seções:
“Serviços”, com telefones úteis (bombeiro,
pronto-socorro etc); “Falecimentos”, para
anúncios fúnebres; “Cartas”, para o leitor opinar
sobre problemas da cidade; “Saúde”;
“Educação” etc.
Em cada seção agrupam-se informações
do mesmo tipo: notícias policiais, políticas,
nacionais, internacionais, esportivas etc.
Há também as diversas seções dos cadernos de classificados, em que se anunciam a compra
e a venda de diversas coisas, como imóveis, carros, telefones etc. nos classificados anunciam-se
também empregos.
Os jornais prestam também diversos serviços informativos, como programação de televisão,
de cinema, de teatro, roteiro de shows, de apresentações musicais. Alguns jornais trazem ainda
informações sobre restaurantes, museus, passeios etc.
Além de todas essas seções, há uma seção de meteorologia, quando o jornal é diário.
Num jornal pode haver ainda entrevistas, artigos sobre Ciências, coluna social etc.

 De que seções do jornal foram retirados os seguintes recortes? Escolha uma das alternativas
abaixo.

POLICIAL - NOTICIÁRIO NACIONAL - NOTICIÁRIOS INTERNACIONAIS - ESPORTES - LAZER


- METEOROLOGIA - CLASSIFICADOS - MEIO AMBIENTE

a) Previna-se. Os combustíveis vão subir 10%.


b) Brasil goleia EUA e é o favorito ao título.
c) Brigada Militar queima redes de pesca predatória.

 Editor é o jornalista que dirige e coordena o jornal. Se você fosse editor de um jornal, em que
seções você colocaria cada uma das seguintes notícias?
a) registrar notícia esportiva
b) registrar internacionais
c) registrar notícia nacional

4.4. A Notícia

A notícia é um texto jornalístico que informa o que está acontecendo no


Brasil e no mundo. É a narrativa de um acontecimento atual.
Para que um acontecimento vire notícia, é necessário que ela seja
interessante e tenha importância para o público. Isso quer dizer que nem tudo
o que acontece pode virar notícia.
A notícia deve ser verdadeira, curta e clara.
Uma notícia responde quase sempre a estas perguntas básicas:

 1º O que aconteceu?
 2º Quando aconteceu?
 3º Onde aconteceu?
 4º Como aconteceu?
 5º Com quem aconteceu?
 6º Por que aconteceu?

A notícia apresenta ainda um título que resume o fato. Jornal Extra 16/03/07
Vamos imaginar a seguinte situação: um avião pequeno fez um viagem entre duas cidades
brasileiras. A viagem transcorreru absolutamente tranqüila, sem qualquer problema. Isso acontece
centena de vezes por dia! Essas viagens, logicamente, não se transformam em notícia.
Imagine agora que, logo no início de uma dessas viagens, um avião apresente qualquer
problema e caia. Esse fato transforma-se em notícia.
As notícias de um jornal podem ser classificadas em:
internacionais: são aquelas que envolvem outros países além do Brasil ou outros países e o
Brasil.

32
Nacionais: são aquelas que envolvem só o Brasil.
Regionais ou locais: são aquelas que envolvem uma cidade, um Estado ou uma região do país,
apresentando maior interesse para as pessoas que moram nessa cidade, Estado ou região.

 Quais dos fatos seguintes você acha que dariam notícias?


a) Marcos foi aprovado para a 4ª série.
b) ________ ganhou medalha de ouro no Panamericano.
c) Dinheiro público paga presente da esposa do prefeito.
d) Prefeito presenteou sua esposa com um carro novo.

 Apresentamos títulos de notícias. Qual deles tem algum interesse para você?
a) Jovens gostam de ler histórias em quadrinhos.
b) Os alimentos sobem menos e a inflação cai na capital.
c) Ladrões jogam dinheiro para o alto e fogem.

 Leia esta notícia e explique por que o fato interfere na vida de espécies marinhas.

Folha dos Lagos / 2ª quinzena de março

 Com base na notícia acima, respondendo às perguntas:

1º) O que aconteceu?


Resposta: O IBAMA decidiu proibir a pesca em toda a Lagoa de Araruama.

2º) Quando aconteceu?


Resposta: Desde segunda-feira, dia 19 de março de 2007.

3º) Onde aconteceu?


Resposta: Na Lagoa de Araruama.
4º) Como aconteceu?
Resposta: Por meio de instrução normativa do IBAMA, publicado em Diário Oficial da União

33
5º) Com quem aconteceu?
Resposta: Com pescadores.

6º) Por que aconteceu?


Resposta: Porque houve uma mortandade de peixes na laguna, entre 13 e 14 de janeiro de 2007.
O objetivo é permitir que peixes e crustáceos cresçam até um tamanho mínimo para a pesca
comercial.
Leia a notícia abaixo e responda às perguntas.

Folha da Cidade / 1ª quinzena de abril/ 2007

1º) O que aconteceu?


Resposta:_______________________________________________________________
________________________________________________________________________

2º) Quando aconteceu?


Resposta:_______________________________________________________________
________________________________________________________________________

3º) Onde aconteceu?


Resposta:_______________________________________________________________
________________________________________________________________________

4º) Como aconteceu?


Resposta:_______________________________________________________________
________________________________________________________________________

34
5º) Com quem aconteceu?
Resposta:_______________________________________________________________
________________________________________________________________________

6º) Por que aconteceu?


Resposta:_______________________________________________________________

 Recorte de jornais ou revistas uma notícia.


Cole e responda as perguntas.

 1º O que aconteceu?
 2º Quando aconteceu?
 3º Onde aconteceu?
 4º Como aconteceu?
 5º Com quem aconteceu?
 6º Por que aconteceu?

 Agora, você é o repórter. Com suas palavras escreva uma notícia recente de sua cidade. Depois,
ilustre.

 Proposta com base em notícia jornalística


1) Inventar manchetes para notícias jornalísticas.
2) Inventar notícias jornalísticas com base em manchetes ou fotos.
3) Recortar e comentar notícias jornalísticas.
4) Escrever notícias jornalísticas ouvidas no rádio ou na TV.

4.5. As ilustrações num jornal: A fotografia

A fotografia é uma invenção importantíssima, porque permite registrar fatos que


acontecem uma única vez, em determinado momento.
No jornal, as fotos ou seqüências de fotos têm alguns objetivos principais. Entre eles:
Contar resumidamente um fato.
Ilustrar um trecho da notícia.
Identificar pessoas que participam do fato anunciado.
Provocar no leitor alguma reação diante do fato noticiado.

O mais importante é que as fotos de jornal são uma espécie de “prova” de que o fato
anunciado realmente aconteceu. Por isso, aumentam a confiança do leitor naquilo que lêem.

 Recorte de um jornal fotos que provoquem em você cada uma das seguintes sensações:
alegria, tristeza e medo.
 Cole cada foto em uma folha. O professor fará em sala de aula exposição de todos os
trabalhos.
 Escolha, do jornal com que está trabalhando, a foto que mais o impressionou, sem ler a
notícia. Depois escreva um texto a partir da foto selecionada.

4.6. Os classificados

Todo jornal tem uma seção de anúncios classificados. É nessa seção que se anunciam
produtos e serviços.
Esses anúncios têm esse nome porque aparecem classificados de acordo com o produto ou
serviço que oferecem.
Os classificados são impressos em corpo menor (corpo é o tamanho das letras) e geralmente
vêm separados um do outro em retângulos.
Nos classificados aparecem anúncios de venda e compra de imóveis, de animais, de veículos,
de utensílios domésticos, de máquinas etc. Há também ofertas de emprego e ofertas de profissionais
que procuram emprego.

Folha
dos
Lagos
20/03/07

35
 Recorte classificados de diferentes tipos, extraídos de diferentes jornais. Divida-os em grupos,
de acordo com os seguintes títulos: empregados procurados, profissionais que procuram
trabalho, imóveis, utilidades domésticas, outros.
 Leia alguns classificados de emprego e indique as profissões que você conhece.
 O professor vai dividir a classe em grupos. Cada grupo vai pesquisar anúncios relacionados a
uma área profissional. Depois, escreva um resumo das principais características exigidas para os
profissionais da área pesquisada.
 O que você gostaria de vender, trocar etc? Desenhe e anuncie. O texto deve ser pequeno e
direto.

4.7. A Propaganda

Todo jornal apresenta propagandas, pois elas representam fonte de renda para que o jornal
possa se manter.
A propaganda tem o objetivo de estimular a compra de um produto por meio de anúncio, e é
veiculada através dos meios de comunicação (rádio, jornal, televisão etc)
A propaganda aparece no jornal basicamente de duas formas:
1- Distribuída ao longo do jornal, com ou sem ilustração.
2- Na seção de anúncios e classificados.

Jornal Extra 18/03/07


 Escolha um produto e faça a sua propaganda. Não se esqueça de ilustrar ou colar o rótulo da
embalagem desse produto.

4.8. A Charge

Charge é uma forma de representar uma situação ou pessoa através de desenhos ou


caricaturas engraçadas. A charge pode vir ou não acompanhada de texto.
O termo charge é francês, vem de charger, exagerar ou até mesmo atacar violentamente. A
charge satiriza um fato específico tal como uma idéia, um acontecimento, situação ou pessoa, em
geral de caráter político, que sejam de conhecimento público. As características físicas das pessoas
são quase sempre exageradas para despertar o humor.

 Recorte uma charge de um jornal. Cole abaixo e faça um comentário sobre o que você entendeu.
Anote também o nome do jornal que publicou a charge.

36
4.9. A entrevista

Um recurso bastante utilizado nos jornais é a entrevista. Essa é uma maneira de passar
informações por meio de perguntas e respostas. Numa entrevista, as pessoas fazem comentários,
emitem opiniões, relatam experiências. Para fazer um bom trabalho, o entrevistador precisa obter
informações sobre o assunto ou a pessoa que está sendo objeto da entrevista.

 Procure nos jornais uma entrevista de alguém que diga algo que chame sua atenção. Você
concorda com o ponto de vista do entrevistado ou discorda dele? Justifique sua resposta.
 Cole no mural da classe ou da escola as entrevistas mais interessantes selecionadas por
você e por seus colegas.
 Agora, é a sua vez de entrevistar alguém e para isso precisa se preparar. Se quiser, siga as
orientações abaixo.

a) Escolha alguém de sua cidade que tenha algo interessante e importante para dizer.
b) Faça uma pesquisa inicial sobre o assunto a respeito do qual o entrevistado vai falar. É
importante que você tenha uma certa familiaridade com o assunto da entrevista.
c) Elabore as perguntas que vai fazer ao entrevistado.
d) Com um gravador na mão, vá ao encontro da pessoa. Você não precisa restringir-se às
perguntas que elaborou previamente; podem surgir muitas outras que não haviam sido
planejadas. Deixe a entrevista acontecer de forma mais espontânea possível.
e) Fique atento para gestos e expressões fisionômicas do entrevistado. Às vezes, elas dizem mais
do que as próprias palavras.
f) Transcreva a entrevista.
g) Não se esqueça de fazer uma pequena introdução, dando os dados biográficos e profissionais do
entrevistado. Escreva também ao lado da fala da pessoas, seus gestos e expressões dignos de
nota.
h) Conclua a entrevista com um pequeno parágrafo, resumindo a importância do assunto e o papel
que o entrevistado desempenha na sociedade local.

4.10. A Resenha crítica

Em quase todos os jornais há uma seção ou até um caderno especial com comentários e
horários dos programas culturais: cinema, teatro, vídeo, shows, programas de TV etc. Muitas vezes
o jornalista faz apenas um pequeno resumo do filme ou do espetáculo. Nesse caso, ele está fazendo
apenas uma resenha ou sinopse.
Em outros casos, o jornalista comenta alguns aspectos do filme ou do espetáculo, como: enredo,
fotografia, desempenho dos atores etc. quando procede assim, o jornalista está fazendo uma
resenha crítica.
 Escolha uma resenha crítica de filme publicada num jornal e resuma em três ou quatro linhas a
opinião do jornalista sobre esse filme.
 Escrevendo uma resenha crítica. Escolha, juntamente com o professor e os colegas, um filme a
que gostariam de assistir. Assistam ao filme juntos, revendo-o quantas vezes for necessário.
 Discutam em sala de aula alguns aspectos essenciais para sua resenha:
- A trama do filme é boa? Consegue prender a atenção do espectador?
- Que cena(s) se destaca(m) no filme?
- Como é o desempenho dos atores? Há algum que sobressaia?
- As imagens do filme são bem feitas?
- Você recomendaria o filme para seus amigos?

 Redija agora a sua resenha crítica. Esse trabalho deve ser feito individualmente, pois cada um
tem uma opinião sobre o filme.
 Troque de texto com um colega e dê opinião sobre o texto dele. Procure ver se ficou claro, se ele
conseguiu fundamentar bem o seu ponto de vista.

4.11. O Editorial

Trata-se de um texto sem assinatura que registra a opinião do jornal sobre determinado
assunto.

 Escolha um editorial publicado num jornal da sua região. Escreva em poucas linhas qual é o
objetivo do editorialista.
 Elaboração de um editorial. Escolha de um tema sobre o qual você tenha uma opinião definida.
Você pode escrever sobre fatos que acontecem na escola, por exemplo:

37
- Faça um levantamento das idéias e dados que você tem sobre o assunto.
- Estabeleça um plano com: INTRODUÇÃO (seu ponto de vista sobre o problema);
DESENVOLVIMENTO (fatos e dados que comprovam seu ponto de vista); CONCLUSÃO (retomada da
sua opinião apresentada na introdução, agora mais fundamentada pelos dados que colocou no
desenvolvimento.
- Redija seu editorial
- Dê-lhe um título.
- Leia seu editorial para a classe.

4.12. Informação e entretenimento

Além das partes informativas, geralmente os jornais também apresentam seções de


entretenimento.
Na página de entretenimento pode haver quadrinhos, palavras cruzadas, charadas,
horóscopos etc.

Fórum de Notícias / abril 2007

4.13. Os serviços de informações

Os jornais trazem muitos serviços de informações.


Chama-se serviço de informações o conjunto de seções que fornecem a programação dos
canais de televisão, dos cinemas e teatros, além de indicações de shows e até de restaurantes.
Outro serviço prestado pelos jornais é a seção de meteorologia, que se dedica à análise e à
previsão do tempo em cada região e no país. Geralmente essas informações são prestadas através
de um mapa meteorológico.

38
4.14. Carta ao leitor

É um espaço dentro do jornal destinado ao leitor, onde o mesmo manifesta o seu ponto de
vista sobre determinado assunto.

 Escolha num jornal de sua região uma carta que tenha um ponto de vista diferente do seu sobre
um assunto qualquer.
 Escreva uma carta a essa pessoa mostrando-lhe que ela está enganada.

4.15. Elaboração de um jornal da turma

Sua turma vai escrever seu próprio jornal! Escolha um nome para ele e mãos a obra!!!!
Não esqueça que essa atividade requer um planejamento cuidadoso. Para ajudá-lo um pouco
nessa tarefa, siga o roteiro abaixo.

Escolher os itens que vão aparecer no jornal.


Sugestão: editorial, charge, notícias, entrevista, esporte, resenha crítica de filme, shows,
entretenimento.
Dividir as tarefas entre os alunos da turma: escrever artigos, ilustrar e paginar o jornal,
fazer a entrevista, redigir as notícias.
Observação importante: A parte gráfica, isto é, o visual do jornal é muito importante para
despertar o interesse do leitor. Deve ser feita por alguém que goste de artes e desenho.
Digitar, ilustrar e distribuir os artigos nas páginas do jornal.

Fórum de Notícias – Cabo Frio – Abril de 2007

39
5. A Matemática e o cotidiano

5.1. Tabelas e gráficos

Atualmente, milhares de informações são divulgadas a cada momento. Esse volume não
era tão significativo no passado, quando pouca gente tinha aparelho de TV e não existiam satélites
de comunicação, computadores pessoais, Internet.
Hoje em dia, inúmeras informações divulgadas incluem dados numéricos (índices, taxas,
porcentagens...).
Há um ramo da Matemática, a Estatística, que visa organizar, resumir, apresentar e
interpretar as informações. A estatística trabalha com médias, porcentagens, tabelas, gráficos
etc.
Para ler jornais e revistas é indispensável saber também ler e compreender tabelas e
gráficos, pois por meio deles é possível visualizar melhor certas informações. Precisamos, porém,
estar preparados para interpretá-los.
Vamos aqui dar alguns exemplos de atividades que podem ser desenvolvidas na sala de
aula, particularmente o trabalho com tabelas e gráficos.

Atividades:

I) Observe o gráfico e responda às questões a seguir.

1) Em 1940, no Brasil, moravam mais pessoas no campo ou na cidade? ____________


2) Quantas pessoas moravam no campo? ___________________
3) Quantas pessoas moravam na cidade? ___________________

4) A partir de que ano passou a ter mais gente na cidade do que no campo? ___________

5) Em 1991, a população urbana era:


( ) maior do que a rural.
( ) menor do que a rural.
( ) igual à rural.

6) Observando o gráfico percebe-se que, até algum tempo atrás, viviam mais pessoas no campo do
que na cidade. Hoje, há mais pessoas nas cidade do que no campo. Por que esta mudança acontece?
(ouça os comentários dos alunos)

A maioria das pessoas que se transferiu do campo para a cidade estava em busca de
melhores condições de vida.
A vida dos pequenos agricultores é muito difícil, tornando-se ainda mais complicada quando
estes se vêem obrigados a concorrer com a tecnologia das grandes propriedades agrícolas.
A seca, as enchentes, as estiagens podem fazer com que os pequenos agricultores percam
tudo o que têm. Como solução procuram emprego em fazendas maiores ou tentam uma vida
melhor, mudando-se para as cidades.

40
II) Explorando a certidão de nascimento dos alunos
Professora: use papel quadriculado para a produção do gráfico pelos educandos.
Cada aluno deverá levar para a escola a xerox da Certidão de Nascimento e/ou copiar os dados
da sua Certidão numa folha que será entregue pela professora.
Querido educando, transcreva as informações contidas na sua Certidão de Nascimento para
esta folha.

República Federativa do Brasil


ESTADO DO RIO DE JANEIRO
PODER JUDICIÁRIO

REGISTRO CIVIL
Cartório de Paz _------ Distrito do Município de -------------

Escrivã: _____________________________________

Escrivã de Paz e Oficial, por nomeação na forma da lei etc.

Certifico que no livro Nº ____ Fls. ________ sob Nº _____ consta nesta data o assento de
nascimento de uma criança do sexo _______________________ nascida no dia ______ de
_________________ às _______ horas em _____________ com o nome
_______________________________filha de _____________________________________
natural de _________________________________ e de dona
________________________________________ natural de ____________________________
sendo avós paternos ______________________________________________ e dona
_____________________________________________________ sendo avós maternos
____________________________________________ e dona _____________________________.
Foi declarante _____________________________________ e serviram de testemunhas:
________________________________________________________________________
Observações: ________________________________________________________
________________________________________________________________________

O referido é verdade que dou fé

______________________, _____ de _________________de_______.

____________________________________________
OFICIAL DO REGISTRO CIVIL

41
Legenda:
Alunos que nasceram no mês de dezembro
os que nasceram no mês de junho
os que nasceram no mês de março
os que nasceram em Cabo Frio
os que nasceram em outros municípios
os com nomes registrados no livro A 43
os que nasceram no Hospital Santa Izabel
os que nasceram na Casa de Saúde e Maternidade Cabo Frio
os que nasceram em outros Hospitais
os que nasceram no ano de 1994
os que nasceram no ano de 1995

 Sugere-se também, que sejam trabalhadas questões relacionadas à ortografia, através da


pesquisa, pelos próprios educandos, em suas Certidões de Nascimento. Veja exemplo:
Nome dos alunos que começam com a letra (C).
Nome dos alunos que começam com a letra (W).
Nome dos alunos que começam com a letra (G).
Nome dos alunos que começam com a letra (L).
Nome dos avós paternos que começam com a letra (M).
Nome dos avós maternos que começam com a letra (A).
42
 A partir do trabalho com as Certidões de Nascimento a professora também poderá propor as
seguintes atividades:
Registro da hora em que o educando nasceu.
Total de alunos do sexo masculino.
Total de alunos do sexo feminino.
Consulta em mapas (Brasil, Estado do Rio de Janeiro e outros estados) para observar os locais
onde os alunos nasceram.
Entrevista com os familiares para colher informações sobre o lugar onde cada educando nasceu.
Conversa, destacando, pelo próprio educando, as características do lugar onde nasceu.
Elaboração de uma tabela com os nomes de meninas e meninos da turma, separando-os por e
idade (ordem crescente e decrescente).

III) Análise de um gráfico de venda de frutas

 O gráfico abaixo mostra o resultado das vendas de laranjas e mangas em alguns mercados
de Cabo Frio. Observe o gráfico e resolva as questões propostas.

900 -- laranjas

850 -- mangas

800 --

750 --

700 --

650 --

600 --

Mercado do Juca Mercado Dois Irmãos Mercado Paraná

1) Qual foi o mercado que vendeu mais laranjas?

2) Qual foi o mercado que vendeu menos mangas ?

3)Registre, no quadro abaixo, o número de laranjas e mangas que cada mercado vendeu.

Escola laranjas mangas

Mercado do Juca

Mercado Dois Irmãos

Mercado Paraná

43
4)Consulte o quadro acima e responda:
a) Escreva o nome dos mercados que venderam a mesma quantidade de laranjas.
b) Escreva em ordem decrescente os números que aparecem no quadro.

5)Assinale no quadro abaixo os resultados corretos:


a 2.100 3.100 1.200
a) Triplique a quantidade de mangas vendida no Mercado do Juca
b) Subtraia 246 do resultado b 2.438 854 1.854

c) Agora, some 369 c 2.432 2.223 2.347


d) Dobre a quantidade
d 4.446 2.446 3.456
e) Pegue a metade
e 2.223 1.223 1.323

IV) O quadro seguinte mostra o número de casa populares


que foram construídas numa cidade, no período de 1992 a
1997.

Responda:

a) Em qual ano foram construídas


mais casas? No ano de 1996. Foram construídas 850
casas.
b) Quantas casas foram construídas
em 1997 ? 450 casas.

c) Quantas casas foram construídas


no período de 1992 a 1997? 2 850 casas.

V) Em 2006 foi comemorado o CENTENÁRIO (100 anos) do Campeonato Carioca que se


iniciou no ano de 1 906, tendo o FLUMINENSE como campeão.
Após pesquisa estatística sobre os CAMPEÕES CARIOCAS, chegamos ao quadro
abaixo contendo os seguintes dados:
1 906 Fluminense 1 937 Fluminense 1 968 Botafogo 1 999 Flamengo
1907 Fluminense e Botafogo 1 938 Fluminense 1 969 Fluminense 2 000 Flamengo
1 908 Fluminense 1 939 Flamengo 1 970 Vasco 2 001 Flamengo
1 909 Fluminense 1 940 Fluminense 1 971 Fluminense 2 002 Fluminense
1 910 Botafogo 1 941 Fluminense 1 972 Flamengo 2 003 Vasco
1 911 Fluminense 1 942 Flamengo 1 973 Fluminense 2 004 Flamengo
1 912 Botafogo e Paysandu 1 943 Flamengo 1 974 Flamengo 2 005 Fluminense
1 913 América 1 944 Flamengo 1 975 Fluminense 2 006 Botafogo
1914 Flamengo 1 945 Vasco 1 976 Fluminense
1 915 Flamengo 1 946 Fluminense 1 977 Vasco
1 916 América 1 947 Vasco 1 978 Flamengo
1 917 Fluminense 1 948 Botafogo 1 979 Flamengo
1 918 Fluminense 1 949 Vasco 1 980 Fluminense
1 919 Fluminense 1 950 Vasco 1 981 Flamengo
1 920 Flamengo 1 951 Fluminense 1 982 Vasco
1 921 Flamengo 1 952 Vasco 1 983 Fluminense
1 922 América 1 953 Flamengo 1 984 Fluminense
1 923 Vasco 1 954 Flamengo 1 985 Fluminense
1 924 Vasco e Fluminense 1 955 Flamengo 1 986 Flamengo
1 925 Flamengo 1 956 Vasco 1 987 Vasco
1 926 São Cristóvão 1 957 Botafogo 1 988 Vasco
1 927 Flamengo 1 958 Vasco 1 989 Botafogo
1 928 América 1 959 Fluminense 1 990 Botafogo
1 929 Vasco 1 960 América 1 991 Flamengo
1 930 Botafogo 1 961 Botafogo 1 992 Vasco
1 931 América 1 962 Botafogo 1 993 Vasco
1 932 Botafogo 1 963 Flamengo 1 994 Vasco
1 933 Botafogo e Bangu 1 964 Fluminense 1 995 Fluminense
1 934 Botafogo e Vasco 1 965 Flamengo 1 996 Flamengo
1 935 Botafogo e América 1 966 Bangu 1 997 Botafogo
1 936 Fluminense e Vasco 1 967 Botafogo 1 998 Vasco

44
Para organizar os dados elaboramos a seguinte tabela. Ela mostra quantas vezes cada
time foi campeão:

time Nº de vezes em que foi campeão


América
07
Bangu
02
Botafogo
18
Flamengo
27
Fluminense
30
Paysandu
01
São Cristóvão
01
Vasco
22

No final, para visualizar a tabela, construímos um gráfico de barras. Aproveitamos para


organizar as informações.

Paysandu Bangu América Botafogo Vasco Flamengo Fluminense


São Cristóvão

45
Conversando sobre o gráfico
a) Quantas vezes o Fluminense foi campeão? E o Flamengo? Fluminense 30 e Flamengo 27.
b) Quais os times que venceram apenas uma vez o Campeonato Carioca? Paysandu e São Cristóvão.
c) Botafogo foi campeão 18 vezes e Vasco foi 22 vezes. Quem foi campeão mais vezes? Qual é a
diferença? Foi Vasco. A diferença é de 4 vitórias.
d) Quanto falta para o América alcançar o Flamengo em títulos do Campeonato Carioca? 20 vitórias
e) Nessa pesquisa estatística que dados foram coletados? Times Campeões Cariocas desde 1906
f) Quantos times fizeram parte da pesquisa? 8 times.
g) Quantos times obtiveram títulos no Campeonato Carioca? Quais times? 8 times: Paysandu, São
Cristóvão, Bangu, América, Botafogo, Vasco, Flamengo, Fluminense
h) Qual é a vantagem de fazer a tabela? Organizar os dados coletados.
i) Onde se visualizam melhor os resultados da pesquisa: na tabela ou no gráfico? No gráfico.

VI) Em dezembro de 1997, representantes de 170 países reuniram-se em Kioto, no Japão, para uma
conferência sobre a poluição ambiental. Alguns ecologistas acham que o aquecimento do nosso
planeta, também chamado de efeito estufa, pode causar um desastre climático e destruir a TERRA
em algumas dezenas de anos.
O aumento da temperatura causado pelas emissões de gases das fábricas, dos
escapamentos de carros, da queima de carvão mineral e de florestas provocaria o derretimento das
geleiras e calotas polares, elevaria o nível dos oceanos, provocando inundações nas regiões costeiras
e desestabilizando o clima global.
Para se ter uma idéia de como é séria essa ameaça, veja, no gráfico, o quanto aumentou a
emissão de gás carbônico na atmosfera, desde 1860 até a ano 2000.

1) Em que período você observa o maior crescimento da emissão de gás carbô nico?
2) Qual a estimativa do nível da emissão de gás carbônico na atmosfera para o ano 2 000?

VII) - Sugestões para trabalhar tabelas e gráficos com seus alunos:


quantidade de irmãos dos alunos da classe;
idade dos alunos;
sexo dos alunos;
altura dos alunos;
times de futebol para os quais os alunos torcem;
como os alunos chegam até a escola: a pé, de transporte escolar, de bicicleta, de carro, a
cavalo, de ônibus etc;
aniversariantes da turma em cada mês;
nº de habitantes nas regiões do Brasil.

Professora: Para trabalhar tabelas e gráficos de barras com seus alunos, use papel quadriculado e
siga as seguintes orientações:
1º – Comece pela pesquisa estatística (coleta de dados)
2º – Faça a tabela (É uma maneira prática de organizar e apresentar informações)
3º - Construa o gráfico de barras
4º – Interprete o gráfico

46
5.2. Explorando Nota Fiscal

BAZAR DO CACÁ 0657


_____________________________________
Carlos – MATERIAIS DE PAPELARIA
Rua Dois Irmãos, 34 Tel.: 3245-7689 – CEP 28 900-100 NOTA FISCAL DE VENDA AO
Centro – Cabo Frio CONSUMIDOR – SÉRIE A-2
____________________________________________________________________
Insc. Estadual: 256.345.768-345

Cliente: Marcos da Silva Porto


Endereço: Rua da Esperança, nº 07, Bairro Peró
Data de emissão: 20 de maio de 2006
Quantidade Descriminação do produto Valor unitário Valor total R$
9 Caixa de lápis de cor 3,00
8 Pasta 4,50
6 caderno 3,55
4 Estojo 12,25
TOTAL

Atividades

1) Complete a Nota com o valor total de cada produto.

2) Qual o valor total da nota fiscal? Faça o cálculo no caderno. Depois, use a calculadora para
conferir o resultado.

3) O vendedor recebeu duas notas de R$ 100,00 para o pagamento dessa compra. De quanto será o
troco? Escreva a operação em seu caderno e, depois, confira o resultado na calculadora.

4) Observe a Nota Fiscal e responda:


Qual o telefone da loja?
Qual o número da Nota Fiscal?
Em que número da rua está situada a loja?

5) Que produtos foram discriminados na Nota Fiscal?

6) Que números indicam a quantidade de cada produto vendido?


caixa de lápis de cor
caderno
pasta
estojo

7) Qual o valor unitário de cada produto vendido?

8) Se tivessem sido vendidos apenas 1 estojo e 1 caixa de lápis de cor, qual teria sido o valor total
da NOTA FISCAL?

9) E se tivessem sido vendidos 2 estojos e 2 cadernos? Qual seria o valor total da NOTA FISCAL?

10) Calcule o valor total destas vendas. Observe os preços unitários na NOTA FISCAL.
6 caixas de lápis de cor e 2 cadernos.
7 estojos e 1 caderno.
5 pastas e 1 caixa de lápis de cor.
4 cadernos, 2 estojos e 6 pastas.

47
5.3. Número racional

Os números fracionários surgiram no momento em que o homem passou a sentir


necessidade de medir.
Se ele dividia um pedaço de corda em duas partes que tinham o mesmo comprimento,
cada parte passava a ter a metade do comprimento da corda inicial. Se ele necessitava de três
canecas d'água para encher um recipiente, cada caneca continha um terço da quantidade de água do
recipiente.
Assim, o homem começou a usar os números fracionários, trabalhando inicialmente com
frações de numerador 1, como: ½, 1/3, ¼, 1/5 etc.

O ENSINO DAS FRAÇÕES

Frações de figuras

É necessário começar o trabalho usando unidades concretas, como um círculo ou retângulo


de cartolina, e suas partes.
Antes mesmo de falar em fração, a professora entrega aos estudantes uma unidade de
cartolina e meios, terços, quartos e sextos dessa unidade, também em pedaços de cartolina, nas
cores diferentes.

amarelo laranja lilás vermelho verde

Os alunos devem manipular essas peças e, aos poucos, perceberem as relações de


tamanho entre elas. Por exemplo, perceberem que duas laranjas fazem uma amarela ou duas verdes
fazem uma lilás.
Depois dessa percepção podemos nomear as peças: a amarela corresponde a 1, cada
laranja corresponde a ½, cada lilás corresponde a 1/3, etc). Depois disso, podem-se traduzir para a
linguagem das frações as descobertas dos alunos em relação ao material. Por exemplo, o fato de
duas verdes terem o mesmo tamanho que uma lilás significa que 2/6 = 1/3. desse fato, outros
podem ser deduzidos (como 1/6 < 1/3). Repare que o material permite aos educandos descobrirem
e visualizarem uma série de fatos sobre as frações que, somente a partir de desenhos, parecem
incompreensíveis.
O professor deve utilizar diversos materiais, de várias formas, para trabalhar frações.
Podemos ter 1/3 de uma xícara, de uma peça de tecido, de um comprimento, de uma lata de tinta,
de uma lata de leite condensado, de um círculo etc.

Professora: proponha a atividade a seguir. A turma adorará!!! Além disso,


você poderá utilizar os textos construídos para trabalhar nas aulas de Língua
Portuguesa.

Atividade: Finalizando o trabalho com figuras, cada grupo deverá criar


gravuras, paisagens, pessoas... utilizando as partes das gravuras geométricas que
foram recortadas. Em seguida, criará uma história e apresentará para a classe. A
história deverá conter situações matemáticas.

Frações de quantidades

Frações de retângulos ou círculos ajudam a formar o conceito de fração, mas não bastam.
É preciso estender a idéia para situações do dia a dia, como nas receitas de bolo (Encha ¼ de xícara
de água) ou na linguagem comum ( Que fração da tarefa já foi feita?).
Finalmente, é preciso chegar às frações de quantidades. Para esse trabalho, deve-se usar o apoio de
material de manipulação, acompanhado da representação simbólica. Copinhos plásticos, palitos,
fichas e grãos de cereais compõem um bom material de apoio.

Atividades:

1) Reparta igualmente 16 palitos que estão em um copo branco entre 2 copos verdes.
A coleção inicial (16 palitos) representa o “inteiro”. Os palitos de cada copo verde representa ½ da
coleção inicial e totalizam 8.
48
2) Reparta igualmente os 16 palitos do copo branco em 4 copos azuis.
Depois que os alunos representarem cada copo azul como sendo ¼ da coleção do copo branco,
podem ser levantadas algumas questões. Peça à classe que sempre represente as suas respostas
com números fracionários:

a) Quantos copos brancos formam a coleção inicial? E quantos azuis?


b) Que parte da coleção é maior: ½ ou ¼; ½ ou 2/4; ½ ou ¾ ?
c) Quantos palitos estão em ¾ da coleção? E em ½?

3) Uma coleção de lápis tem 45 elementos. Quantos lápis há em 1/9 da coleção.

4) Uma caixa tem 30 laranjas. Quantas laranjas há em 3/5 da caixa?

5) Uma caixa está cheia de limões. Em cada 1/8 dela há 4 limões. Quantos limões há na caixa toda?

6) Calcule 2/3 de 15 laranjas.

7) Em uma classe, ¾ dos alunos correspondem a 24 crianças. Quantas crianças, ao todo, tem a
classe?

8) Pedro comprou 1 lata de tinta. Ele deverá adicionar ¼ de água à tinta antes de usá-la. Represente
esta situação através de desenhos.

9) Cristina vai fazer um bolo. Ela deverá utilizar 1 ½ (xícara de chá) de açúcar. Represente esta
quantidade de açúcar através de desenho.

10)Sabendo que são necessários dois copos de água para encher totalmente uma jarra, então cada
copo contém que fração do volume de água da jarra?

11)Para encher uma xícara com farinha são necessários oito colheres de farinha. Cada colher de
farinha representa que fração da quantidade de farinha que se pode colocar na xícara?

12) Roseli pretende fazer dois bolos FLORESTA NEGRA. Ela tem a receita abaixo. Como deverá
proceder para dobrar a quantidade de ingredientes. Refaça apenas a lista de ingredientes:
Ingredientes:
5 ovos (claras e gemas separadas)
1 colher (sopa) de óleo
1 ¼ xícaras (chá) de açúcar (represente através de desenhos)
2 xícaras (chá) de chocolate em pó
½ xícara (chá) de água quente (represente através de desenhos)
1 colher (sopa) de fermento em pó peneirado
calda de cereja (para molhar o bolo)

Preparo:
Na batedeira, coloque os ovos e o açúcar, deixando bater até formar um creme homogêneo.
Diminua a velocidade da batedeira e acrescente os demais ingrediente.
Coloque para assar em forma untada e enfarinhada, por 25 minutos, em forno de 180º C.
49
Recheio
300g de cerejas
1 litro de creme de leite fresco
2 colheres (sopa) de leite condensado.
Bata o creme de leite até virar chantili. Coloque o creme no bolo já cortado e pique as cerejas
sobre ele. Em seguida,espalhe 2 colheres de leite condensado.

Cobertura
300g de chocolate em barra
100g de cereja
Faça raspas de chocolate em barra e decore com as cerejas.

13) Um equipe de basquete é formada por 5 jogadores. Um grupo de 3 jogadores representa que
fração dessa equipe? Calcule e Ilustre.

14) Se um ano está dividido em 12 meses, um semestre representa que fração do ano?

15) Uma pessoa tem um terreno e quer construir uma casa, de tal modo que:

a) ¼ do terreno seja ocupado pela casa;

b) ½ do terreno se destine ao pomar;

c) 1/8 para o jardim;

d) 1/8 para circulação.

Desenhe uma planta para essa casa.


Há diferentes soluções para esse problema, como por exemplo:

É muito importante discutir com a classe todas as possibilidades encontradas pelos alunos.

50
16) Foi feita uma pesquisa entre os 360 alunos de uma escola para saber os tipos de calçados mais
usados pelos alunos.

Resultado da pesquisa:
a metade dos alunos usava sandália.
Um quarto dos alunos usava tênis
um quarto dos alunos não usava sandália e nem tênis.

a) Use o círculo abaixo para fazer um gráfico que represente o resultado da pesquisa:

b) Responda:
Quantos alunos usavam sandália? __________
Quantos alunos usavam tênis? _________

17) Nossa turma tem 25 alunos. 2/5 são mulheres e 3/5 são homens.
Quantas mulheres há em 2/5 dessa turma? ________________
Quantas homens há em 3/5 dessa turma? ________________

 Desenhe 15 barcos a vela. Eles estão no mar, num dia bem ensolarado.
Atenção! Um terço dos barcos têm vela vermelha; os demais têm vela amarela.

* Quantos desses barcos têm velas amarelas?


* Quantos desses barcos têm velas vermelhas?

18) Preencha o quadro ao lado com o número de alunos de cada série.

 Uma escola tem 600 alunos, assim distribuídos:


Série Número de alunos
na 1ª série estudam 1/3 dos alunos da escola;
na 2ª série, 2/5 dos alunos da escola; 1ª
na 3ª série, 1/6 dos alunos da escola; 2ª
na 4ª série, os demais. 3ª

TOTAL

19) Uma hora tem 60 minutos. Quantos minutos há em ¼ de hora? _______________

20) Pedro coleciona selos. Ele tem 366 selos. 1/6 de seus selos são portugueses.
Quantos selos portugueses ele tem? ________________

21) Resolva os problemas:

a) Stella tinha 524 reais. Ela deu 1/4 para Luís. Calcule
Quantos reais Luís ganhou?
Quantos reais sobraram para Stella?

51
b) Joana ganhou um pacote de balas com 265 bombons. Ela deu 2/5 para seus colegas de classe.
Calcule:
Quantas balas os colegas de Joana ganharam?
Quantas balas sobraram para Joana?

c) Lucas dividiu uma pizza em partes iguais e repartiu entre alguns amigos. Considerando esta
situação obtivemos a seguinte fração: 6/8 . Agora, responda:

* Qual é o numerador?
* Qual é o denominador?
* Em quantas partes iguais Lucas dividiu a pizza?
* Quantas dessas partes foram distribuídas aos amigos de Lucas (juntos) ?
* Quantos pedaços de pizza sobraram?
* Faça um desenho que represente a situação acima

d) Tio Zeca comprou uma dúzia de laranjas e já chupou a metade. Quantas laranjas tio Zeca
chupou?

e) Numa sala de aula com 35 estudantes 2/7 deles já completaram 50 anos. Quantos estudantes já
completaram 50 anos?

f) Valdir recebe dois salários mínimos. Ele reserva ¼ para pagar o aluguel da casa onde mora.
Calcule o valor desse aluguel.

5.4. TANGRAN

Milenar jogo de quebra-cabeça chinês, O TANGRAN é


formado por sete peças com formas geométricas, resultantes da
decomposição de um quadrado. São 2 triângulos grandes, 2
triângulos pequenos, 1 triângulo médio, 1 quadrado, 1
paralelogramo.
A história mais contada sobre o Tangran é que ele teria
surgido há milhares de anos. Um filósofo chinês derrubou um
ladrilho quadrado que se partiu exatamente em sete pedaços. Ao se
abaixar para recolher os cacos, ele intuiu que podiam ser dispostos
de modo a formarem um retângulo, sem faltar e nem sobrar peças.
Mais alguns instantes e o retângulo virou um triângulo.
Depois de algum tempo e diversos movimentos, surgiram
a figura de um velho camponês, a de um bicho, a de um barco e
tantas outras.
A filosofia do Tangran é de que um todo é divisível em partes, as quais podem ser
reorganizadas num outro todo. A idéia do jogo é que se reproduzam figuras apresentadas em
silhueta, utilizando-se todas as 7 peças sem que haja sobreposição de nenhuma delas.
Há silhuetas desde as mais simples até aquelas muito difíceis de se obter.
O TANGRAM diverte e estimula o raciocínio; aprimora a visão espacial e facilita o
aprendizado de Geometria.

ATIVIDADES

1) Construindo o TANGRAN com os alunos


Entregar uma folha de papel ofício a cada aluno e pedir
que com ela desenhe o maior quadrado possível
(aproveitar o mostrar que o quadrado possui 4
lados iguais, que tem 4 ângulos retos);

A seguir, o professor pede aos alunos que dividam


o quadrado ao meio, de modo a formar dois triângulos.

Um triângulo vai ser dividido ao meio. Atenção:


estas peças já fazem parte do TANGRAN.

52
Do outro triângulo, o aluno vai fazer as cinco peças restantes.
Os alunos manipulam, observam e comparam as peças

- sua forma,
- número de lados,
- número de ângulos,
- relação entre elas.

2) O professor solicita que os alunos, usando as sete peças, formem figuras de fácil identificação. A
seguir, desenhem o contorno das mesmas; troquem com o colega ao lado (o contorno) e procurem,
usando suas peças, recompor a figura anteriormente formada pelo colega.

3) Querido aluno, das peças do TANGRAN que você recortou, separe as que possuem a mesma
forma.

a) Quantos lados tem essa forma? 3 lados.


b) Qual o nome dessa forma? Triângulo.

53
4) Observe agora as duas peças que sobraram.

a) Quantos lados têm essas formas? 4 lados

Essas formas são chamadas de quadriláteros porque têm quatro lados.


QUADRI= quatro e LÁTEROS= lados.

b) Quais as diferenças que você observa entre essas duas peças do seu quebra-cabeça?

Professora: nessa conversa, é interessante, também, explorar os


nomes desses quadriláteros: quadrado e parelelogramo.

5) Manuseie as sete peças do TANGRAM, observe-as e copie as frases abaixo substituindo


cada pelas frações ½ ou ¼.

* Cada (triângulo pequeno) representa do (triângulo médio).


(½ )

* Cada (triângulo pequeno) representa do (paralelogramo).


(½ )

*O (triângulo médio) representa do (triângulo grande).


(½ )

* Cada (triângulo pequeno) representa do (triângulo grande).

* Cada (triângulo grande) representa do TANGRAM.


¼

6) Agora, pense, troque idéias com algum colega, manuseie o TANGRAM e responda:

* Qual das peças representa 1/8 do TANGRAM?


Possíveis respostas: O triângulo médio, o quadrado e o paralelogramo.

7) Usando os triângulos menores, tente cobrir estas figuras.

54
8) Agora, tente cobrir o triângulo maior usando:

* os dois triângulos pequenos e o quadrado;

* os dois triângulos pequenos e o triângulo médio.

* Represente em seu caderno como ficaram as suas montagens.

9) Para montar o triângulo grande usando apenas triângulos pequenos, quantos seriam necessários?
4 triângulos.

10) Junte os seus triângulos pequenos com os de um colega e tentem montar o triângulo grande.
Represente no caderno como ficou a montagem de vocês.
* O triângulo maior ficou dividido em 4 partes iguais? Sim
* Que fração do triângulo maior cada triângulo menor representa? Um quarto.

11) Agora, você vai montar quadrados usando apenas triângulos. Ao final, desenhe em seu caderno
como ficou cada montagem. Monte um quadrado usando:
* dois triângulos;

* três triângulos;

* Quatro triângulos ( os alunos poderão juntar suas peças com as de outros colegas)

12) Reúna-se com um colega e juntos tentem montar um quadrado usando as sete peças do
TANGRAM. Quando terminarem, cada um deverá representar em seu caderno como ficou a
montagem.

Para facilitar a montagem do quadrado, sugerimos que a professora


ofereça aos alunos uma folha com um quadrado para que eles posicionem as
7 peças do TANGRAM.

13) O professor apresenta as figuras que compõem uma história; solicita, então, que os alunos
façam desenhos usando suas peças do TANGRAN e criem um final para a história, utilizando as
peças, construindo novos elementos.

55
... construíam cata-ventos
... soltavam pipas

Jovens e adolescentes queriam voar...

Será que conseguiram?


A resposta só você poderá nos dar...
observavam os pássaros...

Sonhavam em voar...

14) Transformações de figura:


a) Construa um triângulo usando 3 peças.
b) Agora construa um quadrado usando 3 peças.
c) Forme um retângulo e transforme-o num triângulo movendo apenas uma peça;
d) A partir do triângulo, mover a mesma peça e construir um trapézio;
e) A partir do trapézio, construir um paralelogramo;
f) A partir do paralelogramo, mude a posição de duas peças e construa um quadrado;
g) Finalmente, volte ao retângulo inicial;
h) Peça que tentem reconstruir o TANGRAN (usando todas as peças).

15) Reúnam-se com três colegas e verifique, das peças do TANGRAN, quantas seriam necessárias
para formar este quadrado, usando apenas:

a) triângulos grandes: 4
b) triângulos médios: 8
c) triângulos pequenos: 16

16) Que fração do quadrado representa cada triângulo


a) grande? 1/2
b) médio? 1/8
c) pequeno? 1/16

17) Quantas peças de ¼ são necessárias para formar ½ do quadrado? Duas


* Podemos dizer que 2/4 é o mesmo que ½ ? Sim

18) Copie esta figura cinco vezes, recorte e faça o que se pede:

a) Escreva uma fração em cada peça do TANGRAN para mostrar


que parte do quadrado ele representa.
b) Pinte metade do quadrado de duas maneiras.
c) Pinte ¼ do quadrado de duas maneiras.

56
19) Responda às seguintes perguntas, observando suas peças do TANGRAM:

A) Quantas peças de 1/8 são necessárias para formar ¼ do TANGRAN? DUAS.

B) Podemos dizer que 2/8 é o mesmo que ¼ ? SIM.

C) 4/8 do TANGRAN é o mesmo que 2/4 do TANGRAN? SIM.

D) Quantas peças de 1/16 são necessárias para formar ½ do TANGRAN? OITO

E) Podemos dizer que 8/16 é o mesmo que ½ ? SIM

F) Copie e complete esta operação com números: 1 = 2 = 4 = 8


2 4 8 16
20) Com os dois triângulos menores, tente montar estas figuras e desenhe em seu caderno como os
triângulos foram arrumados:

21) Tente formar figuras:


a) Com 2 peças do TANGRAN, monte um quadrado e, depois, faça o desenho.
b) Com 3 peças, monte um retângulo e, depois, faça o desenho.
a) Com 2 peças, monte um triângulo e, depois, faça o desenho.

22) Agora, junte-se a alguns colegas e construam figuras com as peças do TANGRAN. Usem a
imaginação!! Em seguida, criem uma linda história.

Triângulo médio Quadrado

Triângulos
pequenos

Triângulos
grandes

paralelogramo

57
58
59
5.5. O dinheiro na nossa vida

A moeda oficial do Brasil é o REAL, cujo símbolo é o R$.

R – significa REAL
$ - ( cifrão) indica dinheiro em muitos países

Estas são as cédulas do nosso sistema monetário.

Estas são as moedas do nosso sistema monetário

Atividades (Professora: use o dinheiro mimeografado.)

1) Utilizando as notas e moedas que seu grupo possui, realize as atividades propostas:

a) Demonstre o valor do salário mínimo pago no Brasil, usando o maior número de cédulas e
moedas possível.

b) Demonstre o valor do salário mínimo pago no Brasil, usando o menor número de cédulas e
moedas possível.

c) Demonstre a metade do salário mínimo pago no Brasil.

d) Represente quanto falta para completar as quantias indicadas pela professora.

2) Veja quanto tenho, quanto quero ter e escreva quanto me falta .

Tenho Quero ter Quanto falta

R$ ________
R$ 57,00

R$ ________
R$ 35,00

R$ _______
R$ 42,00

R$ _______
R$ 25,00

60
3) Lia trabalha como faxineira e lavadeira. Descubra quanto ela ganha em uma semana de trabalho.

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira


Faxina Lavagem de roupa Faxina Lavagem de roupa Faxina

4) Marcos fez compras. Descubra de quanto foi o troco.


Gastou Pagou com troco
Na farmácia
R$ 19,00
_______________

Na feira
R$ 26,00
________________

Na padaria
R$ 1,50
________________

5) Maria ganha R$ 352,50 por mês. Circule as cédulas e as moedas que formam essa quantia.

a)

b)

61
6) Represente de 4 maneiras diferentes o preço de cada produto . Retrate primeiro na carteira,
utilizando o dinheiro mimeografado e depois desenhe.

1ª maneira 2ª maneira

3ª maneira 4ª maneira

1ª maneira 2ª maneira

3ª maneira 4ª maneira

1ª maneira 2ª maneira

3ª maneira 4ª maneira

7) Pinte a metade das notas e moedas referentes à metade da quantia.

R$ 64,00

A metade é __________________________________________

R$ 362,00

A metade é __________________________________________

62
5.6. Sistema de numeração decimal

Professora: O sistema de numeração que usamos é um sistema decimal, pois a base é


DEZ.
A base dez ou decimal é adotada em quase todo o mundo. Contamos em grupos de dez.
Assim:
10 unidades formam 1 dezena.
10 dezenas formam 1 centena.
10 centenas formam 1 unidade de milhar.

Nosso sistema de numeração também é posicional, pois cada algarismo (de 0 a 9) tem um
determinado valor, de acordo com a posição que ocupa na representação do número.
Cada posição contada da direita para a esquerda recebe o nome de ordem.
Cada 3 ordens forma uma classe.

Classe das unidades simples


Classe dos milhões Classe dos milhares

U
C D U C D U C D

9ª ordem 8ª ordem 7ª ordem 6ª ordem 5ª ordem 4ª ordem 3ª ordem 2ª ordem 1ª ordem

Para que o aluno possa compreender melhor o nosso sistema de numeração decimal e
resolver operações com números naturais o Quadro Valor de Lugar tem-se revelado um ótimo
recurso.

Apresentação das cédulas de R$ 1,00 , R$ 10,00, R$ 100,00 no Quadro Valor


de Lugar:

CENTENA DEZENA UNIDADE

R$ 100,00 R$ 10,00 R$ 1,00

1) Represente as quantias abaixo, utilizando o Q.V.L e o DINHEIRO mimeografado. Desenhe como


ficou.

R$ 125,00
C D U

R$ 300,00
C D U

63
2) Descubra quais são as quantias que estão representadas.

C D U

C D U

3) Complete a seqüência de dez a mais:

R$ 10,00 R$ 20,00

R$ 5,00 R$ 15,00

R$ 125,00 R$ 135,00

5.7. CEM partes, cem avos,...centavos!

Como vimos, a unidade de nosso sistema monetário é o Real. Ela é simbolizada por R$.
Esta unidade está dividida em 100 partes iguais. Você sabe como é chamada cada uma dessas 100
partes? _________________________

Uma moeda de equivale a 100 moedas de .

é a centésima parte de ; R$0,01 ou 1/100 do Real.

1) Calcule quanto falta a cada uma das quantias para completar 20 centavos.

A) R$ 0,07 ___________________ B) R$ 0,03 ___________________

C) R$ 0,14 ___________________ D) R$ 0,19 ___________________

64
5.8. Atividades diversas explorando medidas

1)Complete a tabela

3 km 3 000m
7 km
12 m 120 dm
12 m cm
4 cm mm
20 cm mm

2) Metros, centímetros, milímetros ou quilômetros? Diga qual é a unidade adequada para medir:
a) a altura de um prédio;
b) a espessura do vidro da janela;
c) a largura e o comprimento do vidro da janela;
d) o comprimento do Rio São João.

3)Usando a fita métrica vamos medir a altura de cada colega do grupo. Em seguida, organizaremos
uma tabela com as medidas. E, finalmente, com os dados da tabela montaremos um gráfico para
colocar no mural. (vamos utilizar folhas inteiras e tiras de papel madeira)

De acordo com o gráfico construído, respondam:


Quem é o mais alto do grupo?
Quem é o mais baixo?
Qual a diferença de medida entre o mais baixo e o mais alto?
Compare as alturas dos colegas do grupo e faça anotações.
Apresente para a classe as observações feitas.

4)Observe o desenho deste lápis e responda:

a) Quantos centímetros ele possui?


b) Quanto mede a ponta amarela?
c) Se a ponta desse lápis quebrar, com quantos centímetros ele ficará?
d) Quantos milímetros tem esse lápis?

5) André, Beto e Celso subiram juntos na balança da farmácia. Ela marcou 144,5 kg.Então André
desceu da balança, que passou a marcar 99,2 kg. Depois foi a vez de Beto descer, e Celso disse: “
Eu peso 48 quilos e 200 gramas” .
Qual o peso de cada amigo?

6) Aproveitando ofertas, o senhor Alfredo comprou 1,5 kg de carne, 5 kg de batatas, 2 kg de feijão.


Ele está com r$ 20,00 na carteira. Será que dará para ele levar também 250 kg de queijo mineiro?
Verifique o preço de cada produto na tabela a seguir.

Queijo mineiro R$ 6,00 o quilo


Cebola 2 kg por R$ 6,00 kg
Carne de 1ª R$ 5,00 kg o quilo
Feijão 2 kl por R$ 3,20
vinagre 500 ml por R$ 0,80
batata R$ 1,20 kg o quilo

65
7) Uma pessoa precisava saber o peso do seu cachorro para medir a quantidade de remédio que o
animal devia tomar. Foi então à farmácia, onde havia uma balança. Só que, na farmácia, o cachorro
estava tão assustado que foi preciso mantê-lo no colo. Como saber o peso do cachorro, já que não
se podia pô-lo na balança?

8) Para tirar água de um poço você possui apenas dois baldes: um de 5 litros e um de 3 litros. Você
precisa de exatamente 1 litro de água. Como você pode fazer?

9) Um farmacêutico deve aviar uma receita em que se pede para colocar 32 ml de uma substância,
120 ml de outra e completar ¼ de litro com soro fisiológico. Que quantidade de soro fisiológico será
colocada?

10)Observando as embalagens, responda:

a) Quantas destas embalagens é preciso comprar para se obter

kg? 1 l?
_________________ _________________

b) Comprando as três embalagens de detergente,


você obtém mais, ou menos de um litro?_______

c) Podemos dizer que há 1,5 l nestas três


embalagens? ________________

d) Quanto você gastaria para comprar


1,5 Kg de mistura para pão de queijo? _______

e) E para comprar 1 kg de chá mate,


quanto você gastaria? ______________

11) Na figura abaixo, o perímetro do quadrado ABCD é 20 cm. Qual o perímetro do triângulo
equilátero DCE?

12) Calcule o perímetro de um terreno retangular cujo lado menor mede 15 m e o maior 27 m.

13)Mamãe colocou renda em volta de uma manta de 3 m de comprimento por 2 m de largura.


Quantos metros de renda mamãe gastou?

66
6. Matemática também é diversão

Gincana da Matemática

Programação

1º - Entrada das turmas


- Bom dia!
Para darmos início a I Gincana da Matemática
da Escola_______________ chamaremos as
turmas envolvidas:
3º série, turma 300, Bandeira Azul,
professora(s) _________________________
;
3º série, turma 301, Bandeira Vermelha,
professora(s) ____________________ ;

2º - Composição da mesa de jurados


- Agora, faremos a chamada das pessoas que farão parte do nosso corpo de jurados:

3º - Hino Nacional
- Neste momento, todos deverão ficar de pé para cantarmos o Hino Nacional Brasileiro.

4º - Agradecimentos
- Agradecemos aos jurados que gentilmente vieram participar I Gincana da Matemática da
Escola___________________________.
- Agradecemos aos pais e responsáveis pelos nossos alunos pela participação na Gincana e
pelo apoio ao nosso trabalho.
- Agradecemos também à direção e a todos os profissionais da escola pela presença e ajuda
prestada.
- Agradecemos a Deus por estarmos vivendo este momento de alegria e integração.

5º - Lembretes importantes
- A classificação final da gincana será a seguinte:
1º lugar – Medalha de ouro e troféu – A bandeira que alcançar maior número de pontos.
2º lugar - Medalha de prata – A bandeira que alcançar menor número de pontos.

- Cada bandeira foi dividida em equipes para que todos os alunos tenham a oportunidade de
participar em pelo menos uma prova da gincana. Cada membro da equipe está identificado
por uma cor no seu crachá. Antes de iniciarmos cada prova será feito um sorteio (de cores)
para determinar as equipes que participarão da mesma.

- Os pais decidirão entre eles as equipes que participarão de cada prova.


- Caso haja empate, ao final das provas, realizaremos uma prova surpresa para o desempate.

67
1ª PROVA
Estafeta (alunos)
Esta tarefa da gincana consta de provas de Educação Física e Matemática.
Os dois grupos sorteados formarão duas filas (cada fila com 6 alunos).
O primeiro aluno da fila deverá rolar o pneu até o final da quadra, onde encontrará
uma carteira contendo seis envelopes.
Deverá escolher um envelope e resolver a questão que está dentro do mesmo.
Um professor deverá receber a resposta. O aluno deverá voltar, rolando o pneu e
passando-o ao segundo aluno da fila que deverá realizar a mesma tarefa. E assim
sucessivamente até que seja dado o sinal de encerramento da prova. (tempo 05 minutos)

A pontuação será a seguinte:


* 05 pontos – Tarefa não concluída no tempo determinado;
* 10 pontos – Tarefa concluída no tempo determinado com menor número de acertos;
* 15 pontos – Tarefa concluída no tempo determinado com maior número de acertos.

2ª PROVA
Jogo da Memória (responsáveis pelos alunos)
Um elemento de cada grupo sorteado deverá tirar par ou ímpar para ver quem começa
o jogo. Cada grupo tem direito de virar duas peças.
O grupo que conseguir formar par, ou seja, pergunta e resposta correta, guarda os
cartões consigo e tem direito a mais uma jogada.

A pontuação será a seguinte:


* 05 pontos – o grupo que tiver conseguido o menor número de cartões;
* 15 pontos – o grupo que tiver conseguido o maior número de cartões.

3ª PROVA
Ampliação de gravuras (alunos)
Cada grupo sorteado deverá reproduzir o
desenho do quadro 1 no quadro 2, de modo que os
desenhos fiquem proporcionais, em no máximo 05
minutos.

A pontuação será a seguinte:


* 05 pontos – Tarefa parcialmente executada;
* 10 pontos – Tarefa concluída corretamente;

4ª PROVA
Estafeta (responsáveis pelos alunos)
Esta tarefa da gincana consta de provas de
Educação Física e Matemática.
Os dois grupos sorteados formarão duas filas.
O primeiro responsável da fila deverá “quicar a
bola” até o final da quadra, onde encontrará uma
carteira contendo alguns papos (bola de soprar).
Deverá escolher um papo, encher até estourar,
resolver corretamente a questão que está dentro do
mesmo e voltar “quicando a bola”. A partir daí deverá
passar a bola para o 2º responsável da fila que
também deverá realizar corretamente a “estafeta”. E
assim sucessivamente até que seja dado o sinal de
encerramento da prova. (tempo 05 minutos)

A pontuação será a seguinte:


* 05 pontos – Tarefa não concluída no tempo determinado;
* 10 pontos – Tarefa concluída no tempo determinado com menor número de acertos;
* 15 pontos – Tarefa concluída no tempo determinado com maior número de acertos.

68
5ª PROVA
Roda Gigante (alunos)
Cada grupo sorteado deverá completar a roda gigante inventando operações cujo
resultado seja 135, escrevendo-as nos locais adequados.
A tarefa deverá ser realizada em, no máximo 5 minutos.
Um aluno de cada grupo deverá tirar o “par ou ímpar” para iniciar a prova.
Não serão válidas operações como: x1, :1, +1, -1, x2, ;2, +2, -2.
A correção será feita por uma professora.

A pontuação será a seguinte:


* 05 pontos – Tarefa não concluída no tempo determinado;
* 10 pontos – Tarefa concluída no tempo determinado com menor número de acertos;
* 15 pontos – Tarefa concluída no tempo determinado com maior número de acertos.

6ª PROVA
Bingo da tabuada (responsáveis pelos alunos)
Cada grupo receberá 1 cartela contendo resultados de tabuadas.
Um professor (o “cantador”) deverá colocar cartões escritos de zero (0) a dez (10) em
duas caixas.
O “cantador” deverá tirar um número de cada caixa. O grupo que tiver o produto desses
números “cantados” deverá marcar em sua cartela.
O “cantador” deverá devolver os cartões às caixas e continuar o sorteio até que um dos
grupos preencha a cartela.
Um professor deverá ficar em cada grupo para fazer a correção dos produtos sorteados.
A pontuação será a seguinte:
* 10 pontos – cartela incompleta;
* 15 pontos – cartela preenchida.

7ª PROVA
Jogo da Memória (alunos)
Um elemento de cada grupo sorteado deverá tirar par ou ímpar para ver quem começa o
jogo. Cada grupo tem direito de virar duas peças.
O grupo que conseguir formar par, ou seja, pergunta e resposta correta, guarda os cartões
consigo e tem direito a mais uma jogada.

A pontuação será a seguinte:


* 05 pontos – o grupo que tiver conseguido o menor número de cartões;
* 15 pontos – o grupo que tiver conseguido o maior número de cartões.

8ª PROVA
Ampliação de gravuras (responsáveis pelos alunos)
Cada grupo sorteado deverá reproduzir o desenho do quadro 1 no quadro 2, de modo que os
desenhos fiquem proporcionais, em no máximo 05 minutos.

A pontuação será a seguinte:


* 05 pontos – Tarefa parcialmente executada;
* 10 pontos – Tarefa concluída corretamente.

69
9ª PROVA
Bingo da tabuada (alunos)
Cada grupo receberá 1 cartela contendo resultados de tabuadas.
Um professor (o “cantador”) deverá colocar cartões escritos de zero (0) a dez (10) em
duas caixas.
O “cantador” deverá tirar um número de cada caixa. O grupo que tiver o produto desses
números “cantados” deverá marcar em sua cartela.
O “cantador” deverá devolver os cartões às caixas e continuar o sorteio até que um dos
grupos preencha a cartela.
Um professor deverá ficar em cada grupo para fazer a correção dos produtos sorteados.
A pontuação será a seguinte:
* 10 pontos – cartela incompleta;
* 15 pontos – cartela preenchida.

10ª PROVA
Roda Gigante (responsáveis pelos alunos)
Cada grupo sorteado deverá completar a roda gigante inventando operações cujo
resultado seja 135, escrevendo-as nos locais adequados.
A tarefa deverá ser realizada em, no máximo 5 minutos.
Um responsável de cada grupo deverá tirar o “par ou ímpar” para iniciar a prova.
Não serão válidas operações como: x1, :1, +1, -1, x2, ;2, +2, -2.
A correção será feita por uma professora.

A pontuação será a seguinte:


* 05 pontos – Tarefa não concluída no tempo determinado;
* 10 pontos – Tarefa concluída no tempo determinado com menor número de acertos;
* 15 pontos – Tarefa concluída no tempo determinado com maior número de acertos.

11ª PROVA
Dramatização (alunos)
Cada grupo de alunos, representantes de cada bandeira, deverá dramatizar uma peça
teatral onde apareçam situações matemáticas.

A pontuação será a seguinte:


* 10 pontos – Tarefa não concluída;
* 15 pontos – Tarefa concluída e melhor dramatização.

12ª PROVA (responsáveis pelos alunos)


Dramatização
Cada grupo de pais, representantes de cada bandeira,
deverá dramatizar uma peça teatral onde apareçam situações
matemáticas.

A pontuação será a seguinte:


* 10 pontos – Tarefa não concluída;
* 15 pontos – Tarefa concluída e melhor dramatização.

13ª PROVA (responsáveis pelos alunos)


Assistencial
Cada bandeira deverá doar alimentos não perecíveis, que serão encaminhados a entidades
assistenciais do nosso município.

A pontuação será a seguinte:


* 10 pontos – menor quantidade de gêneros doados;
* 15 pontos – maior quantidade de gêneros doados.

Entrega dos prêmios


Hino Oficial de Cabo Frio

70
Escola______________________________________________________

Gincana da MATEMÁTICA
Tabela de pontuação

Provas Bandeira Azul Bandeira Vermelha

1ª prova ( ) 05 pontos ( ) 05 pontos


Estafeta ( ) 10 pontos ( ) 10 pontos
(alunos) ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos

2ª prova ( ) 05 pontos ( ) 05 pontos


Jogo da Memória ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos
(responsáveis)

3ª prova ( ) 05 pontos ( ) 05 pontos


Ampliação de Gravuras ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos
(alunos)

4ª prova ( ) 05 pontos ( ) 05 pontos


Estafeta ( ) 10 pontos ( ) 10 pontos
(responsáveis) ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos

5ª prova ( ) 05 pontos ( ) 05 pontos


Roda-Gigante ( ) 10 pontos ( ) 10 pontos
(alunos) ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos

6ª prova ( ) 10 pontos ( ) 10 pontos


Bingo da Tabuada ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos
(responsáveis)

7ª prova ( ) 05 pontos ( ) 05 pontos


Jogo da Memória ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos
(alunos)

8ª prova ( ) 05 pontos ( ) 05 pontos


Ampliação de gravuras ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos
(responsáveis)

9ª prova ( ) 10 pontos ( ) 10 pontos


Bingo da Tabuada ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos
(alunos)

10ª prova ( ) 05 pontos ( ) 05 pontos


Roda-Gigante ( ) 10 pontos ( ) 10 pontos
(responsáveis) ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos

11ª prova ( ) 10 pontos ( ) 10 pontos


Dramatização ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos
(alunos)

12ª prova ( ) 10 pontos ( ) 10 pontos


Dramatização ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos
(responsáveis)

13ª prova ( ) 10 pontos ( ) 10 pontos


Prova Assistencial ( ) 15 pontos ( ) 15 pontos

TOTAL

71
7. Atividades desenvolvidas nas escolas da Rede Municipal de Ensino

Contribuição: Escola Municipal Professor Achilles Almeida Barreto


Professora: Andréa Gonçalves Amado - 3ª série

1)Observe MERCADINHO DA TIA ANDRÉA

2) Analise os produtos do Mercadinho da Tia Andréa e responda:

a) Qual o produto mais barato? R.: ___________________________________


______________________________________

b) Qual o produto mais caro? R.: __________________________________


_____________________________________

c) Qual dos produtos é o mais perecível (estraga mais rápido)? ______________________

d) Calcula o dobro do produto mais barato:

e) Com R$ 20,00, você consegue comprar todos os produtos? Por quê?

f) Qual o valor total dos produtos do Mercadinho da Tia Andréa?

g) Escreva por extenso pelo menos dois valores em reais dos produtos acima:
R$ ___________________________________
R$ ___________________________________

72
Contribuição: Escola Municipal Professor Achilles Almeida Barreto
Professora: Andréia Maria Rabelo Querino - 2ª série

I) Trabalhando com encartes de supermercado


Procedimentos:
Cada aluno receberá encartes de supermercado para observações;
O aluno irá escolher o alimento que mais estiver com desejo de saborear, que há muito
tempo não come, quer matar a vontade e/ou gosta muito.
Será montado no caderno um gráfico com alguns alimentos escolhidos pelos alunos;
Também será montado outro gráfico coletivo, especificando as escolhas da turma.

Atividades realizadas

1) Observe o gráfico e responda:

a) Qual o produto mais desejado, ou seja, mais escolhido pela turma?


b) Qual o produto menos desejado pela turma?
c) Se um cliente comprar o alimento mais desejado pela turma e o menos desejado, quanto
gastará?

2) Consulte os encartes, escolha três produtos de limpeza e escreva por extenso o preço
destacado no encarte.

II) Trabalhando com fichas


1) Pinte as fichas com as cores determinadas::

R$1,00 R$3,00 R$5,00 R$10,00 R$15,00

LARANJA AMARELO AZUL ROSA VERDE

2)Tenho 5 fichas azuis, então tenho R$ _______________________


3) Tenho 4 fichas amarelas, então tenho R$ _______________________
4) Com 8 fichas laranjas, eu tenho R$ _______________________
5) Para eu ter R$ 45,00, preciso de quantas fichas verdes? _____________________
6) Quantas fichas rosa preciso juntar para ter R$ 80,00? ______________________

7) Quantas fichas preciso juntar para ter R$ 30,00?


a) ____________ fichas laranja.
b) ____________ fichas amarela.
c) ____________ fichas azul.
d) ____________ fichas rosa.
e) ____________ fichas verde.

8) Troca-troca:

R$ 60,00 a) _________ fichas rosa.


b) _________ fichas verde.
c) __________ fichas azul.

73
Contribuição: Escola Municipal Professor Achilles Almeida Barreto
Professora: Thaiana Silva Lima de Menezes - 3ª série

Medindo o corpo
“ Uma atividade que foi um sucesso na minha turma foi a de medir o corpo.
Os alunos receberam, em folha mimeografada, uma fita métrica. Cada criança recortou e
montou sua fita. Em seguida, foi pedido aos alunos que medissem as partes do corpo. A surpresa se
deu quando percebi que as crianças estavam medindo tudo, até o que não foi solicitado por mim,
como: mesa, cadeira, janela etc.
Os alunos passaram a comparar, entre eles mesmos, as medidas encontradas. Falavam
que a cabeça de um era maior do que outras; que a perna de um media tantos centímetros e a
colega outros tantos centímetros...
Outra situação percebida foi a comparação entre as medidas do próprio corpo do aluno,
como a perna que é maior que o braço etc.
Percebi também que houve uma solidariedade quanto à medição, pois algumas partes do
próprio corpo não podiam ser medidas pelo aluno sozinho e então, a criança solicitava ajuda aos
colegas para realizar tal tarefa.
Essa atividade foi muito produtiva, pois trabalhamos vários conteúdos, como: medidas
de comprimento, esquema corporal, socialização, relação maior, menor, igual, seqüência numérica...

Sistematizando:

1) Complete:

Medindo o corpo
a) Medida do braço ______________
b) Medida da perna ______________
c) Medida da cintura ______________
d) Medida do pescoço ______________
e) Medida da cabeça ______________
f) Medida do pé ______________

2) Ao juntar 3 pedaços de barbante esticados, um com 2,57 m, outro com 60 cm e o último com 83
cm, que medida será obtida?
a) em metros ____________________________
b) em centímetros ________________________

3) faça algumas medidas com o seu metro.

Objeto Medida
Comprimento da mesa
Comprimento do quadro
Altura de um colega
Altura de outro colega
Largura do quadro
Altura da porta
Largura da sala de aula

4) Usando a fita métrica, vamos medir a altura de cada colega do grupo. Em seguida, organizaremos
uma tabela com as medidas. E, finalmente, com os dados da tabela montaremos um gráfico para
colocar no mural. (Vamos recortar tiras de papel madeira.)

De acordo com o gráfico construído, respondam:


Quem é o mais alto do grupo?
Quem é o mais baixo?
Qual a diferença de medida entre o mais baixo e o mais alto?

74
Compare as alturas dos colegas do grupo e faça anotações.
Apresente para a classe as observações feitas.

75
Contribuição: Escola Municipal Professor Achilles Almeida Barreto
Professora: Valéria Cabral Moreira Ferreira Sanchez 2ª série

Atividade: Cadê o par?

Disciplinas envolvidas: Educação Artística, Língua Portuguesa e Matemática

Objetivos: Desenvolver a capacidade de memorização, atenção e raciocínio lógico;


Fixar conteúdos estudados.

Materiais necessários: canetinhas coloridas, cola branca, embalagens de papelão para ovos, folhas de
papel sulfite, adesivo transparente, pincel, tesoura, tintas guache.

Procedimentos:
Oriente os alunos a recortarem os “cones” das embalagens para ovos e a pintarem todas as
pontas com uma única cor de tinta;
Em seguida, as crianças anotam em pedacinhos de papel, as tarefas do jogo e colam na parte
interna dos “cones”. Essas tarefas são questões relacionadas aos conteúdos trabalhados em
sala de aula. Exemplo:

12+14 26 livro sílaba tônica


li

Depois posicionam as peças do jogo sobre a mesa;


Realizam a atividade seguindo as regras de um jogo de memória.

Na sua vez, cada jogador deve escolher duas peças e tentar fazer um par
(pergunta/resposta). Se conseguir, fica com as peças para si e joga novamente. Se, ao contrário,
nenhuma das peças servirem, deve devolver para a mesa, virada para baixo, passando a vez para o
próximo jogador. A partida termina quando não houver mais peças na mesa.

76
Contribuição: Escola Municipal Deodoro Azevedo
Supervisora: Maria Cristina de Oliveira Chagas

Título: “Espelho, espelho meu, você sabe quem sou eu?”

Introdução
Ao desenvolvermos o projeto Quem Sou Eu? Tínhamos o intuito de despertar a curiosidade
do alunado em relação a sua história de vida para construção de sua cidadania.
Desse modo, trabalhamos com o significado do nome dos alunos e a relação existente com
cada um. Sabemos que o nome vem trazendo um pouco da nossa história, seja pela sua escolha ou
por quem nos presenteou.
As atividades sugeridas permitirão aos alunos o conhecimento de si mesmos, levando-os a
compreender que têm uma identidade e que fazem parte de um grupo social.

Objetivos gerais
 Conhecer a sua história.
 Entender que a vida é um processo de continuidade do passado e presente.
 Reconhecer-se como integrante da sociedade e na construção de seus direitos e deveres como
cidadão.

Desenvolvimento das atividades


1 - Conversar com os alunos sobre o nome. (quem escolheu, se sabem o significado).
2- Criar com os alunos uma ficha intitulada “História da vida” contendo várias perguntas desde o
nascimento até as principais preferências dos alunos, em relação a alimentação, histórias, sonho, e
outras.

HISTÓRIA DA SUA VIDA


a) Qual seu nome completo? g) Qual a sua história preferida?
b) Quem escolheu seu nome? h) Qual a sua brincadeira e música preferidas?
c) Qual foi o dia, mês, ano e hora que você nasceu? i) Você pratica algum esporte? Qual?
d) Qual o nome da maternidade em que nasceu? j) Qual a comida de que você mais gosta?
e) Qual a brincadeira de que você mais gostava quando k) Qual o seu passeio predileto?
era bebê? l) Qual o seu sonho?
f) O que você mais gosta e o que não gosta de fazer?

3 - Cada aluno construirá um acróstico do seu nome.


4- Trabalhar as informações contidas na Certidão de
Nascimento.
 Discutir a importância do documento (iniciar o debate
dos direitos da criança)

 Construir juntamente com os alunos as regras da


“Boa convivência”;

 Observar se existem alunos com o mesmo


sobrenome, ou que nasceram no mesmo dia, no mesmo
mês, no mesmo ano, na mesma maternidade;

 Confeccionar a linha do tempo e um gráfico a partir


do ano de nascimento

5- Entregar um envelope contendo o significado e a origem do nome.


 Explanar um pouco sobre os países apresentados;
 Solicitar que os alunos localizem seu país no mapa mundi.

77
Proposta de trabalho a partir da história: Branca de Neve e os sete anões.

1- Em círculo a professora irá contar a história.


2- Conversar com os alunos sobre a história, enfocando a preocupação da
madrasta em relação a sua aparência.
3- Criar um debate sobre a diferença entre aparência exterior e a aparência
interior.
Cada criança é convidada a entrar no círculo e ao pegar o espelho irá
parodiar a madrasta da Branca de Neve. No entanto, buscamos enfocar a beleza
interior do ser humano, e de modo particular o aluno irá olhar para o espelho e
ao perguntar-lhe: “Espelho, espelho meu, você sabe quem sou eu”?. A resposta
virá do próprio aluno o qual irá se remeter aos dados já trabalhados (história da
vida, certidão de nascimento, o significado e a origem do nome).

Elaboração de um texto coletivo.

1- O professor poderá, a partir das informações trazidas por seus alunos, montar um livro.

2- Com o objetivo de construir a identidade da turma, o professor colocará todos os nomes dos
alunos no quadro e eles irão escolhendo as rimas para cada nome. Pode ocorrer de ter para um único
nome, várias rimas. Sendo assim, o professor colocará em votação.

As rimas Amigos de verdade


Alunos da turma 400
Turma 203 Turma: 200
Daniel come pastel André usa boné
Isabela brinca de bola Ângela tem cara de anjo
Paulo brinca com a Paula Bianca mora na casa branca
Myllena pula na piscina Brenda gosta de fazer renda
Bruneli corre e pula Caroline usa biquine
Thalita anda de bicicleta Damila toma chá de camomila
Gabriel usa chapéu Denis usa tênis
Poliana gosta de banana Elias gosta de fazer acrobacias
Lucas solta pipa Geovana come muitas bananas
Juliana dorme na cama Guilherme é revendedor da Hermes
Sara gosta de arara Isabela gosta de doce com canela
Ana Paula gosta de bola Jaqueline brinca com Aline
Naiana tem medo de aranha Jerferson gosta de ouvir som
João come macarrão
Jonatas gosta de batatas
Márcio trabalha no comércio
Manuela lavou a panela
Michael toma mel
Natanael é filho de papai Noel
Nelisangela chupa laranja
Neusiana é bacana
Raíssa já morou na Suíça
Tayná toma suco de maracujá
Thays ador seu país
Wesly é jogador de vôlei.

78
Contribição: Escola Municipal Deodoro Azevedo
Professora: Evelyn Rodrigues Alegre, Zenilda Rocha de Almeida, Andréia Sant’Anna de Almeida

Título: Cascão em: Hábitos de higiene

Proposta de trabalho a partir da tirinha do Cascão.

1- Conversar com os alunos sobre a tirinha e o motivo que levou o personagem Cascão a dormir na
calçada de casa.
2- Perguntar a principal característica do Cascão. Se é certo não gostar de tomar banho e quais os
outros hábitos de higiene.
3- Escrever no quadro as respostas dos alunos.
4- A partir da comparação do cascão e os hábitos de higiene iniciar o assunto sobre antônimos.
5- Dividir a turma em dois grupos para desenharem e escreverem as principais características do
Cascão limpo e do Cascão sujo.
Cascão sujo Cascão limpo

Turma da professora Evelyn Rodrigues Alegre

6- Entregar para cada aluno alguns antônimos ( sujo x limpo) e os alunos terão que encontrar seus
pares.
7- Dominó dos antônimos.
8- Trabalhar com encartes e revistas. No primeiro momento, perguntar aos alunos quais os produtos
de limpeza necessários para cada hábito de higiene. Para ilustrar o seu desenho ele colocará o título
com as letras de revistas e recortes dos encartes os produtos de limpeza.

Construção do mural com todos


Ilustração
os hábitos de higiene

Turma da professora Zenilda Rocha de Almeida

9- Construir uma tabela de preço dos produtos de limpeza e criar alguns desafios para serem
resolvidos pelos alunos.
10- Pontuar os tipos de higiene;

79
Elaboração do livrinho dos hábitos de higiene. (Turma da professora Andréia Sant`Anna)

Cascão em: Hábitos de higiene. O Cebolinha está tomando banho


para ficar limpinho e o Cascão está Mônica está lavando as mãos antes das
rindo dele. refeições e depois que foi ao banheiro.

O Cebolinha está tomando banho. O Cebolinha está praticando um O Cebolinha está brincando todo
esporte radical que é muito sujo. Enquanto a Mônica está
saudável.
tomando um banho gostoso para
sair.

Confecção do livrinho “ O menino que não gosta de tomar banho” (Alunas da profª. Evelyn
Rodrigues Alegre)

O menino que não gosta de tomar Era uma vez um menino que se Um dia a mãe cansou de falar: Vai tomar
banho. chamava Daniel. Ele era um banho menino!. E a mãe dele falou para ele
garoto que era muito porco, ele ir dormir. Enquanto dormia ele teve um
não gostava de tomar banho. Todo sonho muito doido.
mundo chamava ele de porco. O sonho dele era assim: Ele passeava pela
A mãe dele sempre dizia: __ Vai rua que tinha duas placas, uma estava
tomar banho menino! E ele nunca escrita: rua da limpeza e a outra estava
ia tomar banho e a mãe dele escrita: rua da sujeira. Ele ficou em dúvida.
ficava com muita raiva. Será que vou para da limpeza ou da
sujeira?

Ai veio voando uma fada ele Ele viu muitas crianças E ai ele foi procurar a fada, quando a
perguntou para ela: obedecendo as mães e tomando encontrou ele disse:
- Dona fada para que rua eu vou? banho sozinhas. - Dona fada eu quero sair daqui. A fada
Ai ela disse: E todo mundo escovava os disse: mais você quer ir para rua da
- Vá para a rua da limpeza é a dentes, lavava as mãos e fazia os sujeira?
mais segura, a rua da sujeira tem hábitos de higiene. O menino disse:
monstros, bichos e muita sujeira. Você pensa que ele gostou da - Sim! Então ela disse:
Ele disse para a fada: idéia? hum nananina não!. Ele não - Não vá! É perigoso!
- Então eu vou para da limpeza. gostou de lá.
- Isso vai meu filho vai. Ah! A que será que vai
Chegando lá ele viu muitas coisas. acontecer?

80
Mas ele é teimoso e foi para a rua Lá dava muito medo tinha sons Então ele olhou, olhou, olhou e disse:
da sujeira. assustadores. Ele foi teimoso, olha - Por que você está chorando? Ela disse:
Hum o que isso vai dar hem? o que deu! e agora o que vai - Não é nada. Vá embora enquanto a
Chegando lá ele ficou com nojo e acontecer? tempo! E ele disse:
também com medo era assustador! E então ele andou, andou, andou - Não vou te deixar aqui!
Tinha monstros e bichos. e encontrou uma pessoa chorando Então aconteceu algo extraordinário com
muito mesmo. a menina. Ela virou uma fada, aquela que
falou com o Daniel no começo da história.
Então quando ela virou uma fada ele
disse:
- Não é possível!
Eu vi que você se arrependeu e vim te
ajudar a ir para casa.

Então a fada levou ele para casa e Então ele acordou e foi direto
ele ficou muito feliz. falar com a mãe dele e disse: Autores
- Mãeeeeeeeeeee! Camille Personagens:
- Oi filho. Anos: 9 Daniel
- Mãe quero ir tomar banho. Cidade: Cabo Frio Fada
- Mais que milagre é esse meu Data: 31/05/ 2007 Mãe de Daniel
filho? Menina
- É que eu aprendi que tomar Borboleta
banho é muito legal e vi que ficar Rhaiana
sujo é muito feio. Você me Anos: 9 Cidade: Cabo Frio
perdoa? Data: 31/05/2007
- Claro que sim meu filho,
agora vá tomar banho direitinho. Alunas da profª. Evelyn Rodrigues Alegre
- Ta bom mamãe.

Outras atividades:

 Conversar sobre o texto das alunas.


 Leitura, interpretação e dramatização da história.
 Correção do texto
 Trabalhar os tipos de frases.

81
Contribuição: Escola Municipal Deodoro Azevedo
Professora: Érika Fernandes dos Anjos – 4ª série
Título: As frases do dia-a-dia

Proposta de trabalho a partir das crônicas de Carlos Drumond de Andrade

1- Leitura e debate dos textos.


2- Pesquisar com os alunos os outros tipos de frases.
3- Realizar um quadro comparativo das frases apresentadas.
4- Listar as frases que utilizamos com mais freqüência e o seu significado.
5- Procurar no dicionário as palavras não compreendidas e reler as frases com as palavras
encontradas.
6- Solicitar aos alunos que levem retalhos de panos, papéis, botões e outros.
7- Pedir que cada aluno construa um desenho com os retalhos.
8- Escrever frases relacionadas com o desenho.
9- Cada um apresentará seu trabalho para turma.
10- Correção dos textos realizados pelos alunos.

82
Contribuição: Escola Municipal Deodoro Azevedo
Professora: Simone Maria Valle Viana – 3ª série

Chico Bento em: Zona urbana e zona rural

... Depois de alguns dias...

Proposta de trabalho a partir da História em quadrinho.


1- Leitura da HQ relacionando as diferenças observadas pelo personagem Chico Bento.
2- Conversar sobre as características dos dois espaços, enfatizando a questão da moradia, emprego, serviços
públicos, preservação ambiental, transportes e outras.
3- Realizar um quadro comparativo: zona rural x zona urbana.
4- Confeccionar maquetes.
5- Explorar as formas geométricas presentes na maquete.
6- Trabalhar os sinais de trânsitos e sua importância.
7- Poluição sonora.

Confecção de maquetes.

Área rural Área urbana

Produção textual

 Solicitar que os alunos construam uma produção textual.


 Escolher uma produção textual e pedir autorização do
aluno para escrevê-la no quadro. ( sem o nome do autor)
 Pedir que os alunos indiquem as palavras incorretas.
 Procurar no dicionário as palavras selecionadas.
 Utilizar a técnica de correção pela qual as palavras
corretas ficam em cima da incorreta.
 Pedir que os alunos escrevam em seus cadernos a
produção analisada.

83
Contribuição: Escola Municipal Deodoro Azevedo
Professoras: Márcia da Silva Loyola e Viviane Pinho Mendonça

Mercadinho Deodoro Azevedo

VALLE. Cristina do. Dia-a-dia do Prof. EJA: Educação para jovens e adultos.Belo Horizonte:FAPI, 2005. p.168-169.

Proposta de trabalho a partir do texto a História do dinheiro.

1. Leitura e interpretação da história.


2. Conversar com os alunos a respeito do texto: se já conheciam a história, o que acharam e outras
questões.
3. Solicitar que circulem do texto as palavras não compreendidas e que procurem no dicionário.
4. Releitura do texto com as palavras encontradas (sinônimos).
5. Construir a linha do tempo com as mudanças ocorridas na moeda brasileira.

Sistema monetário brasileiro

1. Confeccionar as notas e moedas do país.


2. As moedas podem ser confeccionadas com E.V.A ou coloque-as embaixo de uma folha e passe o
lápis de cera por cima.
3. Trabalhar o conceito do sistema monetário
4. A partir dos encartes criar atividades a serem realizadas pelos alunos.

Escrever os valores dos produtos por


extenso

Estipular um valor de compra e o aluno


deverá escolher as mercadorias de
acordo com o preço.

84
Trabalhar preenchimento de cheque a partir da mercadoria escolhida no encarte pelo aluno.

Montagem do mercadinho
1.Solicitar que os alunos levem para sala de aula as embalagens vazias.
2. Limpeza das embalagens e colagem dos preços.
3. Confecção dos cartazes referentes ao tipo de produto (limpezas, cereais...)
4. Montando o caixa.
5. Organizando o espaço do mercado.
6. Cada aluno fará uma lista de compras.
7. Entregar para os alunos: folha de cheque, dinheirinho.
8. Escolha inicial dos “funcionários” (caixa, radialista, empacotador e outros).

Preparando o mercadinho Construindo cartazes de acordo com os produtos Caixa

Radialista

Preparando para as compras Realizando suas compras Pagando as mercadorias

85
lista

Atividades propostas a partir do mercadinho.

1. Trabalhar com as embalagens


 Rótulos( diet, light, instantâneo) – Procurar as informações no dicionário.
 Localizar as indústrias e sua localidade.
 Entregar um mapa do Brasil para cada aluno, e eles pintarão os Estados os quais as indústrias
estão localizadas.
 Construção de gráficos dos Estados encontrados.
 Iniciar o assunto: Produtos primários, secundários e terciários.
 Valores nutricionais.
 Alimentos perecíveis e não perecíveis.
 Produtos de higiene pessoal e de limpeza.

Gráfico de barras Mapa do Brasil

Alimentos perecíveis e não perecíveis Produtos de higiene pessoal e produtos de limpeza

86
Contribuição: Escola Municipal Deodoro Azevedo
Professora: Regina Célia Alves Ramos – 4ª série
Jornal: A expressão da oralidade
O jornal é um importante veículo de comunicação pois nos fornece um rico material de estudo,
como por exemplo: anúncios, crônicas, comentários, notícias de fatos ocorridos. Sendo assim, o jornal
permite não somente a leitura da palavra, mas também a leitura do mundo.
Ao trabalhar com o jornal na sala de aula o educador estará proporcionando ao seu aluno o
desenvolvimento do seu lado crítico, consciente e reflexivo.

Proposta de atividades a partir dos jornais.


1- Solicitar que os alunos tragam jornais para sala de aula.
2- Apresentar o jornal para os alunos, comentando:
> Nome do jornal, data, formato e numeração das páginas.
>Mostrar quantos cadernos possui e cada seção. Como também as notícias
locais, do País e internacionais.
>Comentar sobre a manchete de jornal – explicar que se trata da notícia
principal com um assunto atual.
>Apresentar a seção de anúncios, perguntando sobre a sua utilidade.
3- Dividir a turma em vários grupos, dando a cada um, temas (notícia,
manchete, esportes e outros) para elaborarem um trabalho através de
comentários, debates, murais.
Relatando uma notícia de jornal ou “Reporteca”.
1- Os alunos recortam reportagens ou artigos de jornais ou revistas.
2- Colam o material pesquisado em uma folha de papel e, ao lado, elaboram o
texto da nova reportagem com suas palavras, considerando o tema central.
3- Cada aluno apresenta a notícia pesquisada, lendo-a para os colegas.

O nome do jornal O dia


Apresentador (a) Angelo Miguel Bello
__ Bom dia, garotada! Estamos aqui para mais um jornal da TV Brasil, canal 7.
Apresentador:
___ Agora, as notícias mais importantes do Brasil e do mundo.(lê as reportagens)

Brincando de Repórter

Apresentadores do estúdio –
Repórter de rua
responsáveis em iniciar as Câmara – filma todas
entrevistando nadador que Anúncios
reportagens e de chamarem os os repórteres.
vai concorrer no PAN.
repórteres de rua.

Repórter de rua Repórter de rua


Repórter de rua comentado sobre Repórter comentando
comentando sobre a informando as notícias
as notícias de outros países. a previsão do tempo.
violência locais.

87
8. Referências bibliográficas

 ALMEIDA, Geraldo Peçanha de. A produção de textos nas séries iniciais: desenvolvendo as competências da
escrita. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2005.
 BEDRAN, Bia. Histórias e canções. Niterói: Livraria Romanceiro, s/d.
 BORDEAUX, Ana Lúcia; RUBINSTEIN, Cléa; FRANÇA, Elizabeth; OGLIARI, Elizabeth; MIGUEL, Vânia.
Matemática na vida e na escola. São Paulo: do Brasil, 2005.
 BRASIL. Ministério da Educação – Parâmetros Curriculares Nacionais de Ensino Fundamental. Brasília, DF.
 BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação a Distância - Caderno da TV Escola. PCN
na Escola, ISSN 1516 – 148X; Nº 2, 1998.
 CONDEMERÍN, Mabel; MEDINA, Alejandra. Avaliação autêntica. São Paulo: Artmed, 2005.
 FÁVERO, Clemente de Moraes; OLIVEIRA, Eliana Fernandes. Apostila: Programa de Cursos 2003 - Letramento
dos alunos: processo ininterrupto e constante: POSITIVO, 2003.
 FERREIRA, Deila Magda. Apostila: Projeto Semana da Ortografia.
 GIOVANNI, José Ruy; JÚNIOR, José Ruy Giovanni. Matemática pensar e descobrir. São Paulo: FTD, 2000.
 _________, José Ruy; JÚNIOR, José Ruy Giovanni. Matemática pensar e descobrir. São Paulo: FTD, 2005.
 _________, José Ruy; CASTRUCCI, Benedito; JÚNIOR, José Ruy Giovanni. A conquista da matemática Nova.
São Paulo: FTD, 1998.
 Governo do Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Extraordinária de Programas Especiais. Ler escrever contar
– cadernos 1, 2, 3, 4 . Rio de Janeiro, 1993.
 IMENES, Luiz Márcio; LELLIS, Marcelo. Matemática. São Paulo: Scipione, 1997.
 MASETO, Marcos Tarciso. Didática: a aula como centro. São Paulo: FTD, 1997.
 MEC/SEF - Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas
transversais. Brasília, 1997.
 MELLO, Guiomar de; Ofício do Professor – Aprender mais para ensinar melhor. São Paulo: Fundação Victor
Civita, 2002. NASPOLINI, Ana Tereza. Didática de Português: Tijolo por tijolo: Leitura e produção escrita. São
Paulo: FTD, 1996.
 OLIVEIRA, Maria Alexandre de. Dinâmicas em literatura infantil. São Paulo: Paulinas, 1988.
 OLIVEIRA, Roseli Vidal. Ensino Regular Noturno: Refletindo Metodologias – Matemática. Cabo Frio: Secretaria
Municipal de Educação. 2006.
 PASSOS, Marinez Meneghello. De olho no Futuro: Matemática. São Paulo: Quinteto Editorial, 2005.
 PINHEIRO, Liane Maria Couto Barbosa. Ensino Regular Noturno: Refletindo Metodologias – Português. Cabo
Frio: Secretaria Municipal de Educação. 2006.
 Revista Nova Escola. Especial - Projetos Didáticos. outubro, 2001.
 Revista Nova Escola, São Paulo: Editora Abril. Disponível em WWW. novaescola. COM. BR.
 ROCCO, Maria Trereza Fraga. Viagens de leitura. Brasília, DF:MEC, 1996.
 SALDANHA, Paula. Mata Atlântica. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.
 TOLEDO Marília; TOLEDO Mauro. Didática de Matemática: como dois a dois: a construção da matemática. São
Paulo: FTD, 1997.
 TOSATTO, Carla Cristina. Matemática - Coleção idéias & relações. Curitiba: Positivo, 2004.

Jornais pesquisados
 Jornal Extra – 16/03/07, 18/03/07, 30/03/07
 Folha da Cidade – 1ª quinzena de abril / 2007
 Jornal de sábado – 17/03/07, 20/03/07
 Folha dos Lagos – 2ª quinzena de março, 20/03
 Fórum de Notícias - abril/2007
 Domingo – 13/05/07

88
Caderno Pedagógico
1ª série

 Realização

Secretaria Municipal de Educação

 Elaboração

Professora Roseli Vidal de Oliveira


Professora Luciana Andrade Guimarães
Professora Simone Pimentel Sherman
Professora Tereza Cristina Sherman de Souza

 Colaboração

Escola Estadual Municipal Professor Achilles Almeida Barreto


Professoras:
Andréa Gonçalves Amado
Andréia Maria Rabelo Querino
Thaiana Silva Lima de Menezes
Valéria Cabral Moreira Ferreira Sanchez
Supervisora: Janaína Coelho da Costa Estrella Scherer

Escola Municipal Deodoro Azevedo


Professoras:
Andréia Sant’Anna de Almeida
Érika Fernandes dos Anjos
Evelyn Rodrigues Alegre
Márcia da Silva Loyola
Regina Célia Alves Ramos
Simone Maria Valle Viana
Viviane Pinho Mendonça
Zenilda Rocha de Almeida
Supervisora: Maria Cristina de Oliveira Chagas

Informática
Nilce Helena Dias de Castro Aragutti
Juliane da Conceição Milhorance
Cleber de Mello Costa

 Apoio
Professora Tania Maria Gomes de Ávila
Professora Neide Estelita Pereira

 Revisão
Professora Gilda Maria Pereira de Souza

89

Você também pode gostar