Você está na página 1de 1

Região Sul: SEM EDUCAÇÃO NÃO HÁ DESENVOLVIMENTO 1 de 1

Director: José Mateus Moreno


Chefe de Redacção: João Vargues

Região Sul > Opinião > Artigo

SEM EDUCAÇÃO NÃO HÁ DESENVOLVIMENTO


Uma das “bandeiras” que o Engº. Sócrates prometeu empunhar, quando chegasse ao Poder, foi a da educação. O
mesmo já o seu correligionário Guterres fizera quando por lá passou (lembram-se da sua “paixão” pela educação?). E o
mesmo fizeram tantos outros primeiros ministros e ministros da dita.

Se tivéssemos vivido, desde há décadas, noutra galáxia e estivéssemos agora prestes a aterrar neste “cantinho à beira
mar plantado”, tendo previamente tido conhecimento daquelas promessas, seríamos, naturalmente, levados a ter como
certo que aqui viríamos encontrar um país:

a) com escolas em que os professores tivessem autoridade sobre os alunos – imprescindível para impor a indispensável
disciplina nas aulas, para que estas corram com normalidade e eles possam aprender o que é de ensinar-lhes e a viver
em sociedade;

b) com escolas em que os alunos sentissem que há regras para cumprir e que a única pessoa, ali, que os obriga a esse cumprimento é o
professor;

c) em que os alunos sentissem que a escola é um local de aprendizagem e de educação;

d) em que os alunos reprovassem por faltas de comparência às aulas ou por falta de conhecimentos mínimos para transitarem de ano,
como há 40 anos (não tenhamos medo de invocar o passado, quando dele colhemos ensinamentos) – um dos meios eficazes de transmitir
aos jovens a tão necessária noção da responsabilidade;

e) em que os alunos entrassem nas universidades preparados, isto é, com a capacidade necessária para compreenderem e assimilarem as
matérias que aí lhes fossem ministradas e com conhecimentos de português, para saberem escrever e entenderem o que lêem e o que
ouvem;

f) em que não fosse possível a vergonha da existência de estabelecimentos, ditos universidades privadas – que negócio chorudo! –, a
venderem licenciaturas, cujos titulares, enganados, saem de lá praticamente como entraram, em termos de conhecimentos;

g) enfim, um país desenvolvido, que sem educação não há desenvolvimento.

Porém, aqui aterrados, o que constataríamos era uma país em que os jovens estão mal educados, são indisciplinados e déspotas, no seio
das famílias, como nas escolas – porque aquelas, com raras excepções, já foram educadas nos parâmetros impostos por políticas
educacionais profundamente erradas, que nas escolas foram e continuam a ser implementadas.

Também por isso, a escola já não pode suprir a falta de educação que o aluno traz de casa e o mais grave é que também muitos dos
professores já foram educados na bagunçada criada pelas referidas políticas. O problema é, pois, muito mais grave do que à primeira vista
pode parecer.

Mesmo que se invertesse agora o curso que nas últimas décadas a educação tem vindo a seguir, provavelmente só daqui a 40 ou 50 anos
é que das escolas – em todos os seus níveis – deixaria de sair a mediocridade que, com raríssimas excepções, têm vindo a debitar ano
após ano.

* Advogado

António Grosso Correia *


20:51 terça-feira, 01 abril 2008

http://www.regiao-sul.pt/print.php?refnoticia=82598