Você está na página 1de 9

Práticas e modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares - DRELVT –

4ª SEMANA – 1ª TAREFA - O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

“Ao professor bibliotecário exige-se acção, compromisso e responsabilidade, com implicações nas práticas e na
forma como interage com a escola. Cabe-lhe, como Todd (2001) refere, transformar a biblioteca escolar em
“espaço de conhecimento, por oposição a um espaço de informação”. Cabe-lhe entender a biblioteca escolar
além da colecção, além do espaço. Cabe-lhe transformá-la “num espaço de conexões de links e multi-referências”,
seja ao nível das colecções, seja ao nível da integração/interacção com a escola. Cabe-lhe definir “acções, por
oposição a posições e um trabalho persistente de demonstração do valor e do impacto da BE”. O sentido e a força
desse impacto têm que ser obtidos com recurso a evidências, num movimento cada vez mais pertinente de
1
mudança entre “dizer ou relatar (retórica) ” e a necessidade de “demonstrar” o que se faz (Todd 2008).” V

ALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DEALIZAÇÃO (PARTE I)


1. SELECÇÃO DE UM DOMÍNIO

Domínio B – LEITURA E LITERACIA

A escolha do domínio B – Leitura e Literacia foi em grande parte motivada pelo actual contexto da
escola e das repercussões que tem sobre o funcionamento global da BE. Com efeito, decorrem obras
profundas na escola sede de agrupamento – está a ser edificado um novo e moderno centro escolar – o
que muito tem condicionado o normal funcionamento das actividades lectivas na escola e da BE em
particular (redução do espaço onde está instalada a BE, más condições acústicas; implementação adiada do
PTE na escola e na BE, com consequente utilização de computadores obsoletos e com acesso lento à
Internet; ruído contínuo provocado pelas máquinas; frequência crescente e excessiva da BE (e, por isso, de
difícil controlo) por falta de outros espaços disponíveis para os alunos, tais como sala do aluno);
desinvestimento em mobiliário da BE, na expectativa da mudança para as novas instalações, e aumento da
indisciplina e stress provocados pela falta de espaços exteriores para os poderem brincar e se distrair.
Contudo, apesar de as condições serem adversas, há actividades que não deixam de ser implementadas,
com menores ou maiores dificuldades, tais como as que visam promover a leitura. Assim, foi seleccionado o
domínio B para avaliação no presente ano lectivo.
Esta opção, de entre os quatro domínios ( e respectivos sub-domínios) que compõem o modelo de
auto-avaliação da BE referentes a quatro áreas-chave das BE, enquadra-se ainda no EIXO II do Projecto
Educativo de Agrupamento: melhorar as aprendizagens dos alunos, na consecução do qual o contributo da
BE é fundamental. Por outro lado, tem sido efectuado um trabalho de promoção da leitura, em
colaboração com a coordenadora do PNL e o Departamento de Línguas, parecendo-me por isso
interessante tentar avaliar o impacto que as diversas iniciativas têm tido no desenvolvimento dos hábitos e
das competências de leitura, clarificando desse modo o conhecimento empírico que se vai tendo da
realidade.
O domínio B – Leitura e Literacia abrange a área da aquisição de competências de leitura e de
literacia da leitura. O mesmo subdivide-se em três indicadores – três critérios – que permitem caracterizar
e tornar claros o desempenho da BE nessas três áreas de intervenção/actuação:

1
Gabinete da RBE “NEWSLETTER nº 4”(Abril 2009) - http://www.rbe.min-edu.pt/np4/412.html [25/11/2009]
1
Práticas e modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares - DRELVT –
4ª SEMANA – 1ª TAREFA - O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

 B1 – Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento.


 B2 – Integração da BE nas estratégias e programas de leitura ao nível da escola/agrupamento.
 B 3 – Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos no âmbito da leitura e
literacia.
A observação e avaliação deste domínio permitirão clarificar o desempenho da BE nos seguintes
aspectos:
 Acção na promoção da leitura.
 Pertinência das referências/orientações no âmbito da promoção da leitura e da literacia constando
dos documentos de referência da escola/agrupamento.
 Capacidade para a criação de contextos/situações que estimulem a leitura e a produção de
informação.
 Grau de envolvimento na dinamização de acções/projectos destinados a promover as
competências de leitura.
Tendo em conta que o domínio seleccionado vai ser profundamente trabalhado ao longo do ano, a
decisão final de opção por este domínio, só será tomada após terem sido ouvidos e envolvidos a direcção
do agrupamento, a coordenadora do PNL, a coordenadora do Departamento de Línguas e as
coordenadoras pedagógicas dos 2º e 3º ciclos.

2. SELECÇÃO DE DOIS INDICADORES

B.1. Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento.

Indicador centrado no processo


(verificação/ aferição do que se está a fazer na promoção da leitura - incluindo a análise e
adequação da colecção disponibilizada - ; promoção de iniciativas que visem superar lacunas
nesta área; promoção/envolvimento da BE em actividades que fomentem o desenvolvimento das
competências de leitura; materiais produzidos; procedimentos globais que incentivem nos alunos
a leitura, o gosto e o prazer de ler )
B.3. Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos,
no âmbito da leitura e da literacia.
Indicador centrado no impacto/outcome
(verificação dos resultados da acção da promoção do livro e da leitura sobre o público-alvo;
aferição das finalidades da utilização feita dos livros e das consultas efectuadas; aferição dos
progressos no desenvolvimento das competências de leitura; aferição dos reflexos que o recurso
aos documentos da BE têm na qualidade global dos trabalhos realizados e dos resultados obtidos;
aferição do grau de envolvimento dos alunos nas iniciativas, actividades e projectos que visam
promover a leitura)

2
Práticas e modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares - DRELVT –
4ª SEMANA – 1ª TAREFA - O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

3. PLANO DE AVALIAÇÃO

Indicador B.1. Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento.

Evidências recolhidas com base em


Factores Críticos de Sucesso Intervenientes
diversos instrumentos/documentos
1. A BE disponibiliza uma colecção Horário de funcionamento da BE Professor bibliotecário
variada e adequada aos gostos, Catálogo Equipa da BE
Listagens de necessidades de Comunidade escolar
interesses e necessidades dos grupos/departamentos
utilizadores. Sugestões de aquisições efectuadas pelos
utilizadores
QD2
QA2
2. A BE identifica novos públicos e Projecto Curricular de Agrupamento Professor bibliotecário
adequa a colecção e as práticas às Projectos curriculares dos diferentes cursos Equipa da BE
Oferta curricular e extracurricular da escola Coordenadores de cursos
necessidades desses públicos Actas e registos das reuniões do PB com os específicos (CEF, EFA, CNO…)
(CEF, EFA, CNO, outros). coordenadores dos cursos referidos Prof. Educação Especial
Registos de encontros com prof. da Educação Outros docentes
Especial Alunos
Registos de projectos
Registo de sugestões
QD2
QA2
3. A BE identifica problemáticas e Registo de dados recolhidos na observação directa Professor bibliotecário
dificuldades neste domínio e Actas de reuniões de coordenação vertical Equipa da BE
Actas de reuniões de coordenação do PNL Grupos de trabalho com
delineia acções e programas que Registo de reuniões do GTC docentes de que faz parte o
melhorem as situações Registos de reuniões de coordenação do PE, PAA e professor bibliotecário (PE;
identificadas. Projectos PAA; Projectos…)
Documentos de apoio produzidos pela BE /guiões GTC de Tomar
Boletins informativos Docentes
QD2 Alunos
4. A BE promove acções PAA da BE Professor bibliotecário
formativas que ajudem a Sessões, na BE, de leitura orientada Equipa da BE
Mapa de registos diários das sessões de leitura Grupos de trabalho
desenvolver as competências na que ocorrem na BE Docentes
área da leitura. Fichas de leitura Encarregados de educação
Sugestões de leitura efectuadas pelos utilizadores Alunos
Fotos de Exposições, cartazes, iniciativas diversas
Folhetos informativos para os Enc. de Educação
sobre a importância da leitura
Registo de Formação específica realizada para
alunos, professores e Enc. de Educação
Guiões diversos
Notícias publicadas nos jornais locais
Dossier da BE
QA2
QD2

3
Práticas e modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares - DRELVT –
4ª SEMANA – 1ª TAREFA - O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

5. A BE incentiva o empréstimo Guião/guia do utilizador da BE Professor bibliotecário


domiciliário. Folhetos diversos Equipa da BE
Estatísticas dos registos relativos aos empréstimos Docentes
domiciliários
QD2
QA2
6. A BE está informada Actas de reuniões com a coordenadora do PNL Professor bibliotecário
relativamente às linhas de Actas de reuniões com o coordenador do grupo Equipa da BE
LPO. Coordenadora do PNL
orientação e actividades Cópias das informações recebidas por email do Grupo de trabalho do PNL
propostas pelo PNL e desenvolve PNL Docentes do Departamento de
as acções implicadas na sua Listagens das obras recomendadas pelo PNL Línguas
implementação. Recomendações de planificações de determinadas Alunos
actividades provenientes do PNL
Planificações de actividades no âmbito do PNL
Registos de aquisições no âmbito do PNL e da
iniciativa da BE
Índice de requisição dos livros do PNL
Planificações de projectos
Portfólio de actividades.
Trabalhos de alunos Registos fotográficos
QD2
QA2
7. A BE incentiva a leitura Registo das requisições de diferentes documentos Professor bibliotecário
informativa, articulando com os da BE para sala de aula Equipa da BE
Fichas de leitura Coordenadora do PNL
departamentos curriculares no Trabalhos de alunos Coordenadores de
desenvolvimento de actividades Guiões de trabalho/leitura Departamento
de ensino e aprendizagem ou em Programação articulada com docentes de Docentes
projectos e acções que incentivem diferentes grupos disciplinares Alunos
Registo de encontros de articulação
a leitura.
Registo de actividades em parcerias com projectos
desenvolvidos na escola
QD2
QA2
8. A BE desenvolve, de forma Programa de sessões de leitura (contos, poesia, Professor bibliotecário
sistemática, actividades no âmbito dramatizações, concursos, saraus…) Equipa da BE
Blog da BE Grupos de trabalho
da promoção da leitura: sessões e Site da BE Coordenadores de projectos
clubes de leitura, fóruns, blogs ou Disciplina da BE na plataforma Moodle do extra-curriculares
outras actividades que associem Agrupamento Docentes
formas de leitura, de escrita ou de Nº de participantes e/ou Alunos
Visitantes nos fóruns e disciplinas da plataforma
comunicação em diferentes
Moodle
ambientes e suportes. Projecções em PPT efectuadas na BE
Jornal de Agrupamento
QA2
QD2
9. A BE promove encontros com Planificação das sessões culturais e de encontro Professor bibliotecário
escritores ou outros eventos com escritores Equipa da BE
Actas/ registos de reuniões Grupos de trabalho
culturais que aproximem os Mapa de actividades da Semana da Leitura Coordenadores de projectos
alunos dos livros ou de outros Fotografias das sessões com escritores, contadores extra-curriculares
materiais/ambientes e incen- de histórias, animadores, actores e outros Livreiros
tivem o gosto pela leitura. mediadores de leitura Comunidade educativa
Fichas de avaliação das sessões
Nº de participantes nas sessões
Notícias publicadas nos jornais locais
QA2
QD2

4
Práticas e modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares - DRELVT –
4ª SEMANA – 1ª TAREFA - O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

10. A BE incentiva a leitura em Listagem de sites recomendados para pesquisas de Professor bibliotecário
ambientes digitais explorando as diferentes temáticas requisitados às Áreas Equipa da BE
Disciplinares Coordenadores das Áreas
possibilidades facultadas pela Listagem das bibliotecas digitais Disciplinares e não
WEB, como o hipertexto, o e-mail, Listagem de e-books Disciplinares (APR; EAC…)
blogs, wikis, slideshare, youtube… QD2
QA2

11. A BE organiza e difunde Dossiers temáticos em suporte papel Professor bibliotecário


recursos documentais que, Dossiers temáticos digitais, agrupados em pastas Equipa da BE
no computador Coordenadores dos
associando-se a diferentes Publicitação do acervo documental em vários Departamentos e das Áreas
temáticas ou projectos, suportam ambientes Curriculares não Disciplinares
a acção educativa e garantem a Guiões diversos (APR; EAC…)
transversalidade e o desenvol- Blog da BE Alunos
Site da BE
vimento de competências Plataforma Moodle do Agrupamento
associadas à leitura. QA2
QD2

12. A BE apoia os alunos nas suas Publicitação das novidades em placares, vitrina, Professor bibliotecário
escolhas e conhece as novidades blog, plataforma Moodle Docentes
Registos de contactos efectuados com livrarias Livreiros
literárias e de divulgação que Catálogos recebidos/ recolhidos e divulgados
melhor se adequam aos seus QA2
gostos. QD2

Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da


Indicador B.3. leitura e da literacia.

Evidências recolhidas com base em


Factores Críticos de Sucesso Intervenientes
diversos instrumentos/documentos
1. Os alunos usam o livro e a BE Estatísticas de utilização da BE para actividades Professor bibliotecário
para ler de forma recreativa, para de leitura recreativa e informativa Equipa da BE
Estatísticas de ocupação da BE para actividades
se informar ou para realizar variadas
trabalhos escolares. Estatísticas da requisição domiciliária
Estatísticas de requisição de documentos para
utilização em contexto sala de aula.
Grelhas de Observação da utilização da BE (O3 e
O4)

2. Os alunos, de acordo com o seu Trabalhos realizados pelos alunos Professor bibliotecário
ano/ciclo de escolaridade, Análise diacrónica das avaliações dos alunos Equipa da BE
Grupos de trabalho do
manifestam progressos nas Observatório de Qualidade
competências de leitura, lendo Coordenadores Pedagógicos
mais e com maior profundidade. dos 2º e 3º ciclos

3. Os alunos desenvolvem Registo das observações directas Professor bibliotecário


trabalhos onde interagem com Qualidade dos trabalhos produzidos, através de Equipa da BE
grelhas de observação Grupos de trabalho
equipamentos e ambientes
informacionais variados,

5
Práticas e modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares - DRELVT –
4ª SEMANA – 1ª TAREFA - O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

manifestando progressos nas suas


competências no âmbito da leitura
e da literacia.

4. Os alunos participam Índices de participação nas actividades associadas Professor bibliotecário


activamente em diferentes à promoção das literacias. Equipa da BE
Artigos e comentários publicados em vários Coordenadores de Clubes e
actividades associadas à promoção suportes ( jornais locais, posts dos blogues, …) Projectos Extra-curriculares
da leitura: clubes de leitura, fóruns Questionários aos docentes e aos alunos QD2 e Grupos de trabalho
de discussão, jornais, blogs, QA2
outros.

4. AMOSTRA PARA RECOLHA DE DADOS

No âmbito da recolha de dados serão implicados alunos, professores e encarregados de educação. Prevê-se
que os elementos mais solicitados para o preenchimento dos inquéritos e fornecimento de dados diversos sejam os
seguintes:

DEPARTAMENTO CURRICULAR MAIS Departamento de Línguas


ENVOLVIDO
ÁREA DISCIPLINAR MAIS ENVOLVIDA Área disciplinar de Língua Portuguesa
Coordenadores de Departamento Curricular
Membros do Conselho Pedagógico
Coordenadora do PNL
Coordenador dos CEF
DOCENTES MAIS ENVOLVIDOS
Coordenadores de Clubes e Projectos
Coordenador das Áreas Curriculares não Disciplinares
Coordenadores Pedagógicas dos 2º e 3º ciclos
Directores de Turma
ALUNOS Alunos da escola sede de agrupamento - 2º e 3º ciclos
ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO MAIS Os dos alunos da escola sede -2 e 3º ciclos
ENVOLVIDOS

A distribuição dos instrumentos de recolha de dados envolverá aproximadamente 20% dos docentes, 10 por
cento dos alunos e 10 % dos pais e encarregados de educação, escolhidos de forma aleatória.
Número estimado de inquéritos a recolher:

ALUNOS
5ºAno: 12
6ºAno: 12
7ºAno: 8
8ºAno: 8
9ºAno: 8
CEF: 4

6
Práticas e modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares - DRELVT –
4ª SEMANA – 1ª TAREFA - O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

Percurso Alternativo: 2
EFA: 4
PROFESSORES: 17
ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO
2º Ciclo: 24
3ºCiclo: 24
CEF: 4
Percurso Alternativo: 2

5. CALENDARIZAÇÃO

ACTIVIDADE REALIZAÇÃO
Constituição de uma equipa formada pelo coordenador da BE e outros Dezembro
professores (ex: coordenadora do PNL, coordenadora do Departamento
de Línguas, um elemento da Direcção…)
Elaboração/ Selecção/ Adaptação de instrumentos a utilizar para a Dezembro/Janeiro
recolha de evidências
Aplicação à comunidade da 1ª fase de questionários Fevereiro
Tratamento e análise dos dados obtidos Março/Abril
Aplicação à comunidade da 2ª fase de questionários Maio
Tratamento e análise dos dados obtidos Junho
Reflexão sobre os resultados
Preenchimento dos quadros-síntese
Aferição do nível de desempenho da BE
Elaboração do relatório de auto-avaliação
Apresentação dos resultados em reunião de Conselho Pedagógico
Divulgação dos resultados à comunidade educativa (plataforma Moodle,
blog da BE, placard informativo…)
Julho
Integração dos dados da auto-avaliação da BE no relatório de auto-
avaliação de agrupamento
Definição de estratégias de aperfeiçoamento e de desenvolvimento a
incluir no Plano de Melhoria da BE
Envio ao Gabinete da RBE do relatório de auto-avaliação Setembro

6. LIMITAÇÕES

Afiguram-se vários aspectos que poderão ter uma influência negativa na implementação do processo de
auto-avaliação:
 Constrangimentos inerentes ao facto de a escola sede se encontrar em obras (stress acrescido, falta de
espaços adequados para realizar actividades, falta de condições globais de funcionamento da escola…)
 Dificuldades no envolvimento de vários agentes educativos (falta de trabalho cooperativo, individualismo,
resistência/renitência em aceitar a exigência de uma avaliação rigorosa dos serviços educativos como
7
Práticas e modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares - DRELVT –
4ª SEMANA – 1ª TAREFA - O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

componente essencial numa estratégia de melhoria da qualidade do serviço educativo prestado,


desmotivação de alguns docentes…)
 Carências da escola em vários domínios (humanos, materiais, financeiros) que terão um impacto negativo na
concretização do processo de auto-avaliação.
 Complexidade global do modelo de auto-avaliação da BE e sobrecarga de trabalho inevitável que a sua
implementação vai representar para o professor-bibliotecário, para a Equipa da BE e para os principais
agentes educativos mais directamente implicados neste processo de auto-avaliação.

7. TRATAMENTO DOS DADOS

É fundamental poder recorrer ao maior número possível de evidências, de modo a permitir realizar
um retrato o mais próximo possível da realidade da BE. Estas poderão ser recolhidas a partir de várias
fontes e perspectivas, sendo importante efectuar o cruzamento dos dados obtidos. Apesar de toda a
variedade de elementos que poderão ser utilizados, e da importância da auto-avaliação sustentada em
elementos concretos para o desenvolvimento estratégico da BE, temos de estar conscientes de que, como
afirma Jennifer Cram:

“We are never going to measure value precisely or perfectly. The information we gather is going to be
incomplete, biased by the organisation’s focus, and by self-interest of stakeholders. Nonetheless,
developing a performance measurement regime that balances traditional notions of efficiency and
effectiveness (that is, fulfilling the organisation’s strategic intent) with the resulting benefits to
customers and beneficiaries, is critical to the survival of libraries, and a prerequisite for strategic
development of library services. I reiterate that the purpose of measuring a library’s value is primarily not
to see whether the library is doing better or worse than others, but if it is doing well. There is, therefore,
is no more powerful or public signal of what your library stands for than the way it defines and measures
2
its performance, and particularly, how it addresses the issue of measuring its value.”

É também importante definir atempadamente os instrumentos e os tipos de documentos que serão


utilizados no âmbito da recolha de evidências. Alguns deles deverão ser criados e outros adaptados. Este
trabalho preparatório deverá estar concluído o mais tardar até ao final do mês de Dezembro/princípio do
mês de Janeiro.
Para o tratamento dos dados recolhidos será de prever a colaboração da Coordenadora TIC, de
modo a prestar auxílio na apresentação informatizada dos mesmos.
Com base nos resultados obtidos será possível elaborar o relatório final de auto-avaliação e
caracterizar o nível de desempenho da BE, no domínio seleccionado para avaliação no presente ano lectivo.
Após a identificação dos pontos fortes, dos pontos a necessitar de melhoramento, dos aspectos ainda não
implementados ou sobre os quais não se obteve informação.

2
Cram, Jennifer (1999) “SIX IMPOSSIBLE THINGS BEFORE BREAKFAST: A multidimensional approach to measuring the value of
libraries”. 3rd Northumbria International Conference on Performance Measurement in Libraries and Information Services, 27-31
August. <http://www.alia.org.au/~jcram/six_things.html> [25/11/2009]
8
Práticas e modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares - DRELVT –
4ª SEMANA – 1ª TAREFA - O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BE: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I)

Os resultados do relatório serão divulgados à Equipa da BE, à Direcção, à RBE. Serão analisados em
reunião de Conselho Pedagógico, Conselho Geral e Departamentos Curriculares. Serão ainda apresentados
a toda a comunidade através da página Moodle do agrupamento e do blogue da BE. Este relatório integrará
ainda o relatório de Auto-avaliação do agrupamento.
Finalmente será delineado um Plano de Melhoria – integrando sugestões de várias estruturas
pedagógicas da escola/agrupamento – prevendo a realização futura de acções concretas prioritárias para
melhorar a qualidade do serviço prestado pela BE, referindo os objectivos a alcançar, os intervenientes e a
calendarização prevista.
A implicação da BE, da sua equipa e da comunidade educativa em geral no processo do seu
aperfeiçoamento deve ser uma constante:

“À biblioteca escolar cabe um papel de liderança, assumindo-se como um recurso indutor de inovação, um
recurso que contribua e tenha um papel activo e de resposta às mudanças que o sistema introduz, trazendo valor
3
à escola no cumprimento da sua missão e no cumprimento dos objectivos de ensino/ aprendizagem.”

Tomar, 29 de Novembro de 2009


Hugo Vaz

8. BIBLIOGRAFIA

Cram, Jennifer (1999) “SIX IMPOSSIBLE THINGS BEFORE BREAKFAST: A multidimensional approach to
measuring the value of libraries”. 3rd Northumbria International Conference on Performance Measurement
in Libraries and Information Services, 27-31 August. <http://www.alia.org.au/~jcram/six_things.html>
[25/11/2009]

Gabinete da RBE “NEWSLETTER nº 4”(Abril 2009) - http://www.rbe.min-edu.pt/np4/412.html [25/11/2009]

Gabinete da RBE, Modelo de Auto-avaliação da RBE –


http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/mod/resource/view.php?id=10234[23/11/2009]

McNamera, Carter, Basic Guide to Program Evaluation -


http://www.managementhelp.org/evaluatn/fnl_eval.htm#anchor1585345[23/11/2009]

Texto da Sessão 4- http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/mod/resource/view.php?inpopup=true&id=9609

3
Gabinete da RBE “NEWSLETTER nº 4”(Abril 2009) - http://www.rbe.min-edu.pt/np4/412.html [25/11/2009]