Você está na página 1de 25

Workshop Formativo

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Workshop Formativo :
“O Modelo de Auto - Avaliação da BE”
“(...) é importante que cada escola conheça o impacto que as
actividades realizadas pela e com a BE vão tendo no processo
de ensino e na aprendizagem, bem como o grau de eficiência e
de eficácia dos serviços prestados e de satisfação dos
utilizadores da BE.”
“(...)Pretende-se
avaliar a qualidade e
eficácia da BE e
não o desempenho
individual do
professor
bibliotecário ou de
elementos da equipa
da biblioteca(...)”

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Público-alvo

- Docentes
- Direcção
- Representante Associação de Pais
-Representante do Pessoal Não Docente
- Pais/ E.E
- Professores Bibliotecários

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Objectivo Geral do Workshop:

-Conhecer o Modelo, para reconhecer a importância da Auto


- Avaliação da BE.

“O que verdadeiramente interessa e justifica a


acção e a existência da biblioteca escolar não são
os processos, as acções e intenções que
colocamos no seu funcionamento ou os
processos implicados, mas sim o resultado, o valor
que eles acrescentam nas atitudes e nas
competências dos utilizadores”

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Objectivos Específicos do Workshop:

-Reflectir sobre a pertinência da


existência de um Modelo de
Avaliação para as Bibliotecas - Reflectir sobre o
Escolares; conceito de BE, sua
missão no contexto
-Debater o Modelo enquanto actual de mudança;
instrumento pedagógico e de
melhoria da melhoria; quanto à sua - Reflectir sobre a
estrutura e conceitos subjacentes; necessidade de uma
acção colaborativa
entre todos os
- Analisar as oportunidades e docentes da escola;
constrangimentos relativamente à
implementação do Modelo na
realidade de cada Escola/
Agrupamento, bem como a sua
integração ;

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Metodologia/Estrutura do Workshop
Duração: Entre as 17 e as 20h

1.º Momento: (90 minutos)


- Apresentação do modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares -
Projecção em PowerPoint.
-Debate à volta do mesmo; apresentação de questões.

Intervalo (15minutos)

2.º Momento (75 minutos)


-Os participantes serão divididos em pequenos grupos e concluirão um
levantamento sobre os aspectos facilitadores e os constrangimentos,
relativamente à implementação do Modelo na Escola/ Agrupamento.
-Apresentação das conclusões ao grande grupo. Pequeno debate sobre
soluções a adoptar, a fim de ultrapassar os constrangimentos.
-Recursos Materiais :1 Exemplar do Modelo de Auto - avaliação para cada
grupo participante.

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
.
O Modelo de Auto – Avaliação da BE

Avaliação?

O Modelo de Auto - Avaliação da BE permite:


“ Facultar um instrumento pedagógico e de melhoria contínua que
permita aos órgãos directivos e aos coordenadores avaliar o trabalho da
biblioteca escolar e o impacto desse trabalho no funcionamento global
da escola e nas aprendizagens dos alunos e identificar as áreas de
sucesso e aquelas que, por apresentarem resultados menores, requerem
maior investimento, determinando, nalguns casos, uma inflexão das
práticas.”

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Modelo de Auto – Avaliação da BE-
Objectivos:

“(...)desenvolver uma
abordagem essencialmente qualitativa,
orientada para uma análise dos processos
e dos resultados,
numa perspectiva formativa, permitindo
identificar as necessidades e as
fragilidades com vista à
melhoria(...)”

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Modelo de Auto – Avaliação da BE-
Objectivos:

«(...)Espera-se que o processo de


auto-avaliação mobilize toda a
escola, melhorando através da acção
colectiva as possibilidades oferecidas
pela BE(...) »
Logo, espera-se enriquecer as BE, com
um instrumento que lhes faculte a melhoria
contínua da qualidade.

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
1- Utilizando o Modelo, o
qual indica o percurso a
fazer.
- Avaliando, reflectindo e
reformulando.

2-Com a finalidade de poder


Avaliação: demonstrar o impacto desse
trabalho no funcionamento
1- Como? global da Escola e nas
aprendizagens dos alunos.
2- Porquê? -Ter oportunidade de
evidenciar a função da BE
como coração da escola ;
3- Para Quê? recurso essencial ao serviço
do ensino e da aprendizagem.

3- Para ter a possibilidade


de “identificar as
necessidades e as
fragilidades com vista à
melhoria.”

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Pertinência da Existência de um Modelo de Avaliação

- «(...)Numa época em que as tecnologias e as pressões económicas


acentuam a necessidade de fazer valer o papel e a necessidade de
bibliotecas, a avaliação tem um papel determinante, permitindo-nos validar
o que fazemos, como fazemos, onde estamos e até onde queremos ir, mas
sobretudo o papel e intervenção, as mais-valias que acrescentamos. (...)»

- Foram desenvolvidos estudos internacionais que « (... )mostram ainda, de


forma inequívoca, que as bibliotecas escolares podem contribuir
positivamente para o ensino e a aprendizagem, podendo-se estabelecer
uma relação entre a qualidade do trabalho da e com a BE e os resultados
escolares dos alunos. É neste contexto que surge o presente modelo para
a auto-avaliação das bibliotecas escolares integradas na RBE.(...)»

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Conceitos subjacentes ao Modelo

Conceito de Valor associado à Avaliação - processo beneficiador da BE-

Que Valor?

-«(...)Na sua condição de modelo, este documento aponta para


uma utilização flexível, com adaptação à realidade de cada escola
e de cada BE.(...)»
-«(...) Pretende-se que a aplicação do modelo de auto-avaliação
seja exequível e facilmente integrável nas práticas de gestão da
equipa da biblioteca. Não deve, portanto, representar uma
excessiva sobrecarga de trabalho, na qual se consomem grande
parte das energias da equipa. (...)»
- Deverá ser orientador e regulador , de molde a originar mudanças;
deverá comprometer e envolver toda a Escola.
- Apoia-se no conceito de evidência – desenvolvimento de práticas
sistemáticas de recolha de evidências relacionadas com o trabalho
quotidiano.
Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Organização funcional e estrutural do Modelo
Composto por quatro DOMÍNIOS
A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular
A.1 Articulação curricular da BE com as estruturas de coordenação
educativa e supervisão pedagógica
e os docentes
A. 2 Promoção das literacias da informação, tecnológica e digital

B. Leitura e Literacia

C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à


Comunidade
C.1 Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento
curricular
C.2 Projectos e parcerias

D. Gestão da Biblioteca Escolar


D.1 Articulação da BE com a escola/ agrupamento. Acesso e serviços prestados
pela BE
D.2 Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços
D.3 Gestão da colecção/da informação
Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Organização funcional e estrutural do Modelo

«(...)Cada domínio/subdomínio é apresentado num quadro que inclui um


conjunto de indicadores temáticos que se concretizam em diversos
factores críticos de sucesso. Os indicadores apontam para as zonas
nucleares de intervenção em cada domínio(...)»
Em cada DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO é apresentado um quadro, de modo a
facilitar a reflexão:

Indicadores Factores críticos Recolha de Acções de


de sucesso Evidências melhoria
Fazem alusão às Mostram - se Dão-se exemplo de Oferecem-se
zonas nucleares de exemplos de possíveis sugestões de
intervenção em situações, instrumentos de acções a
cada domínio. ocorrências e recolha de implementar, caso
acções que evidências para o seja necessário
operacionalizam o indicador melhorar o
indicador apresentado. desempenho da BE
apresentado. (actas , relatórios, no indicador
trabalhos dos apresentado.
alunos,
questionários...)

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Organização funcional e estrutural do Modelo

Perfis de Desempenho:

Em cada DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO também são apresentados os Perfis de


Desempenho que caracterizam o que se espera da BE através de uma listagem de
descritores na área analisada.
Os Perfis de Desempenho são organizados numa escala de quatro níveis:

Descrição
4 - EXCELENTE
A BE é muito forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de grande qualidade e
com um impacto bastante positivo.
3 - BOM
A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio mas ainda é possível
melhorar alguns aspectos.
2- SATISFATÒRIO
A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo necessário melhorar o
desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo.
1- FRACO
A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, o seu impacto é bastante
reduzido, sendo necessário intervir com urgência.

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Organização funcional e estrutural do Modelo

«(...)A selecção, em cada ano, de um ou mais domínios para ser objecto de


avaliação representará um investimento mais significativo nesse ou nesses
domínios, no sentido de procurar aferir, de forma sistemática e objectiva,
os resultados efectivos do trabalho desenvolvido nessa(s)área(s).
O trabalho e a acção educativa da BE efectivam-se, no entanto, em cada
ano, nos quatro domínios. A opção pela avaliação de um dos domínios não
pode significar, por isso, o abandono dos restantes domínios. ( ...)»

Assim, por etapas, em cada ano a BE selecciona um Domínio a ser objecto de


aplicação de instrumentos. Ao fim de quatro anos os quatro domínios terão
sido avaliados.
Em cada ano a BE seguirá este percurso:

Cada etapa compreende um ciclo:


- Identificação de um problema ou de um desafio;
- Recolha de evidências;
- Interpretação da informação recolhida;
- Realização das mudanças necessárias;
- Recolha de novas evidências acerca do impacto dessas mudanças.

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Etapas do processo de aplicação do Modelo nas
Escolas:
-Selecção do domínio a avaliar e sua fundamentação
-Calendarização do processo
-Escolha da amostra (20% de professores; 10% de alunos, etc.)
-Definição dos instrumentos de recolha
-Produção e adaptação dos instrumentos
-Recolha de evidências
-Interpretação das evidências recolhidas
-Identificação do perfil de desempenho da BE
-Elaboração do relatório de auto-avaliação
-Apresentação e discussão do relatório em reunião do CP
-Integração de uma síntese do relatório no documento de avaliação da
escola
-Elaboração do Plano de Acção, com base nos pontos fracos e fortes
identificados, definindo acções de melhoria

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Etapas do processo de aplicação do
Modelo nas Escolas:

1- Divulgação do modelo na escola;


2 - Implementação do processo;
3 -Comunicação dos resultados;

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
«(...)A avaliação da BE deve apoiar-se em evidências,
E cuja leitura nos mostra os aspectos positivos que
v devemos realçar e fazer sobressair comunicando os
i resultados, ou aspectos menos positivos que nos
podem obrigar a repensar formas de gestão e maneiras
d
de funcionamento. (...) »
ê
n Exemplos de EVIDÊNCIAS:
c Plano Anual de Actividades
i Grelhas de observação
Estatísticas de utilização
a Trabalhos escolares dos alunos
s Acordos de parcerias
? Checklist
Catálogos informatizados
Questionários
etc.

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Oportunidades e
Constrangimentos?
-Que oportunidades a implementação deste
Modelo poderá vir a desenvolver?

-Que constrangimentos poderá


desencadear?

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Oportunidades
Promove:
- O trabalho colaborativo dentro da escola/agrupamento e o necessário
envolvimento de todos;
- O reconhecimento da importância da BE nas aprendizagens e resultados
escolares;
- A responsabilização de alunos e professores em todo o processo;
–O sucesso educativo dos alunos;
-O desenvolvimento de uma cultura de avaliação;
Permite:
- Ajuda a estabelecer prioridades ;
-Permite diagnosticar pontos fracos e pontos fortes;
-Permite o incremento de uma cultura de rigor, baseada na recolha de
evidências;
-Permite que aconteça um impacto nas atitudes e competências dos alunos.

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Constrangimentos:
-Receio de enfrentar a comunidade Escolar
com um Modelo tão ambicioso;
-Dificuldades em aceitar os resultados negativos;
-A inexperiência e falta de metodização na recolha das
evidências;
-Dificuldades na administração do tempo;
-No início talvez exista a tendência para confundir Auto –
Avaliação da BE , com avaliação do responsável da BE, e a
sua equipa.
- Processo muito burocrático e demorado.

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Envolvimento dos diferentes tipos de
utilizadores

Autoavaliação da BE – Necessidade de envolvimento de


todos os intervenientes no Processo Educativo
-Coordenador e equipa da BE
- Órgão de Gestão
-Professores/ Alunos /EE
-Conselho Pedagógico

Unidade, para a adopção de uma Cultura de Avaliação.

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
.

(...)Tradicionalmente, o impacto das bibliotecas aferia-se


através da relação directa entre os inputs (colecção
existente, staff, verba gasta com o funcionamento da
biblioteca escolar...) e os outputs (número de empréstimos,
número de visitas, sessões realizadas pela equipa...)(...)
(...)Hoje, a avaliação centra-se, essencialmente, no impacto
qualitativo da biblioteca, isto é, na aferição das modificações
positivas que o seu funcionamento tem nas atitudes, valores e
conhecimento dos utilizadores. (...)

No Contexto da Mudança, exige-se da BE e do PB


Liderança e Acção

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar
Bibliografia:

Modelo de auto-avaliação (Gabinete da RBE);


Texto da sessão
Eisenberg, Michael e Miller, Danielle - «This Man Wants to Change
Your Job», School Library Journal, 9/1/2002
Todd, Ross (2002) - «School librarian as teachers: learning
outcomes and evidence-based practice» 68th IFLA Council and
General Conference August.

Todas as citações utilizadas, foram retiradas dos documentos


mencionados.

Práticas e Modelos de Auto – Avaliação das B. Escolares / DREA - Turma 2 / Lucília Barôa – BE/CRE do AVE de Almodôvar