Você está na página 1de 43

Universidade Nove de Julho

Diretoria de Ciências Exatas

Graduação em Engenharia Civil

de Ciências Exatas Graduação em Engenharia Civil Água – Aspectos Gerais Disciplina: Ciências do

Água Aspectos Gerais

Disciplina: Ciências do Ambiente Profª. Mestre Larissa Fernanda Vieira Martins

e-mail: larissamartins@uninove.br

Sumário  Caracterização do recurso Água  Usos do Recurso  Fontes Poluidoras  Poluentes
Sumário  Caracterização do recurso Água  Usos do Recurso  Fontes Poluidoras  Poluentes

Sumário

Caracterização do recurso Água

Usos do Recurso

Fontes Poluidoras

Poluentes Aquáticos

Danos ocasionados pela poluição da água

Indicadores de Qualidade de Água

Água- Características Gerais  Líquido sem sabor, cor e odor;  Solvente universal;  Recobre

Água- Características Gerais

Líquido sem sabor, cor e odor; Solvente universal; Recobre 70% da superfície terrestre; Recurso natural dotado de valor econômico, estratégico e social; Recurso indispensável a vida no planeta.

Água- Características Gerais

Distribuição da água no planeta

A cada 1000 L

97,5% nos oceanos

975 L

1,8% em geleiras

18 L

0,6% nas camadas subterrâneas

6 L

0,015% nos lagos e rios

150 mL

0,005% de umidade no solo

50 mL

0,0009% em forma de vapor na atmosfera

9 mL

0,00004% na matéria viva

0,4 mL

Água- Características Gerais Usos múltiplos da água  Abastecimento doméstico/humano (uso nobre, prioritário);

Água- Características Gerais

Usos múltiplos da água

Abastecimento doméstico/humano (uso nobre,

prioritário);

Abastecimento industrial;

Irrigação;

Dessedentação de animais;

Preservação da flora e fauna;

Recreação e lazer;

Geração de energia elétrica;

Navegação;

Diluição de despejos.

Água- Características Gerais Usos múltiplos da água Grupo 1 – Uso Consuntivo – aquele em

Água- Características Gerais

Usos múltiplos da água

Grupo 1 Uso Consuntivo aquele em que há

perda entre o que é derivado e o que retorna ao

corpo d’água

Abastecimento público;

Abastecimento industrial; Dessedentação de animais;

Irrigação¹.

¹Exceção.

Água- Características Gerais Usos múltiplos da água Grupo 2 - Usos não consuntivos – não

Água- Características Gerais

Usos múltiplos da água

Grupo 2 - Usos não consuntivos não há

retirada de água das coleções hídricas:

Recreação e lazer;

Preservação da flora e fauna;

Geração de energia;

Transporte;

Diluição de dejetos.

Fontes poluidoras  Poluição Natural Poluição da água  Chuvas e escoamento superficial;  Salinização;

Fontes poluidoras

Poluição Natural

Poluição da água

Chuvas e escoamento superficial; Salinização; Decomposição de vegetais e animais mortos.

Fontes poluidoras Poluição industrial

Fontes poluidoras  Poluição industrial – Poluição da água resíduos líquidos gerados nos processos

Poluição da água

resíduos líquidos gerados nos processos industriais

principal fonte poluidora

Principais industrias poluidoras:

Papel e celulose

Refinarias de petróleo

Setor sucroalcooleiro

Siderúrgicas e metalurgicas

Químicas e farmacêuticas

Abatedouros e frigorificos

Têxteis

Curtumes.

Fontes poluidoras  Poluição urbana Esgotos domésticos  Poluição Agropastoril Poluição da água 

Fontes poluidoras

Poluição urbana

Esgotos domésticos

Poluição Agropastoril

Poluição da água

Decorrente das atividades agrícolas e pecuária, Defensivos, fertilizantes, excrementos e erosão.

Poluição da água Principais poluentes aquáticos  Poluentes orgânicos biodegradáveis Matéria orgânica

Poluição da água

Principais poluentes aquáticos

Poluentes orgânicos biodegradáveis

Matéria orgânica biodegradável, constituídos principalmente por proteínas, carboidratos e gorduras. Formas de degradação:

Aeróbia se consumo de O 2 for > que a capacidade de reposição = inviabilidade de vida aquática

Anaeróbia geração de metano e gás sulfídrico

Assim, o impacto no meio aquático ocorre pela diminuição do Oxigênio dissolvido e não pela

presença de substâncias tóxicas.

Poluição da água Principais poluentes aquáticos  Poluentes orgânicos recalcitrantes ou refratários  São

Poluição da água

Principais poluentes aquáticos

Poluentes orgânicos recalcitrantes ou refratários

São aqueles compostos orgânicos não

biodegradáveis ou com taxa de biodegradação lenta.

O impacto destes compostos associa-se a

toxicidade; Bioacumulativo em alguns organismos; Ex:

Fertilizantes Sintéticos

Detergentes sintéticos (camada interface água-ar)

Petróleo.

Poluição da água Principais poluentes aquáticos  Metais pesados  Apresentam características carcinogênicas,

Poluição da água

Principais poluentes aquáticos Metais pesados

Apresentam características carcinogênicas, mutagênicas e/ou teratogênicas

Toxicidade e/ou bioacumulação

Ex:

Arsênico, bário, cádmio, cromo, chumbo e mercúrio

Poluição da água Principais poluentes aquáticos  Nutrientes  Excesso de nutrientes (sais de nitrogênio

Poluição da água

Principais poluentes aquáticos

Nutrientes

Excesso de nutrientes (sais de nitrogênio e fósforo) = crescimento excessivo de alguns organismos aquáticos (proliferação de algas) = eutrofização Causas: processos erosivos, fertilizantes sintéticos, decomposição da matéria orgânica biodegradável.

Poluição da água Principais poluentes aquáticos  Organismos Patogênicos  Agentes causadores de doenças 

Poluição da água

Principais poluentes aquáticos Organismos Patogênicos

Agentes causadores de doenças

Vírus, Bactérias e protozoários.

Segundo OMS 25 milhões de pessoas morrem por ano por doenças relacionadas a vinculação hídrica.

Poluição da água Principais poluentes aquáticos  Sólidos em Suspensão  Aumentam a turbidez; 

Poluição da água

Principais poluentes aquáticos Sólidos em Suspensão

Aumentam a turbidez; Redução nas taxas de fotossíntese;

Poluição da água Principais poluentes aquáticos  Radioatividade  Em elevadas concentrações podem ocasionar

Poluição da água

Principais poluentes aquáticos

Radioatividade

Em elevadas concentrações podem ocasionar características carcinogênicas, mutagênicas

e/ou teratogênicas

Poluição da água Danos ocasionados pela poluição Danos ao abastecimento público  Encarecimento no tratamento

Poluição da água

Danos ocasionados pela poluição Danos ao abastecimento público

Encarecimento no tratamento de água devido a

baixa qualidade;

Variações rápidas e imprevisíveis na qualidade de

água problemas na operação da ETA;

Poluição química com a inclusão de substâncias não

removíveis ocasionam:

Dureza excessiva;

Corrosão de tubulações;

Desenvolvimento de algas;

Formação de espumas.

Poluição da água Danos ocasionados pela poluição Danos ao uso industrial  Encarecimento e interrupções

Poluição da água

Danos ocasionados pela poluição

Danos ao uso industrial

Encarecimento e interrupções no processo

produtivo;

Corrosão e incrustações em tubulações.

Poluição da água Danos ocasionados pela poluição Danos à agricultura e pecuária  Poluição bacteriana

Poluição da água

Danos ocasionados pela poluição Danos à agricultura e pecuária

Poluição bacteriana condenação de leite e

plantações

Poluição química doenças e morte de criações;

Elevação de despesas;

Desvalorização econômica da terra;

Outros

Poluição da água Danos ocasionados pela poluição Danos à navegação  Formação de banco de

Poluição da água

Danos ocasionados pela poluição Danos à navegação

Formação de banco de lodos;

Danificação de estruturas das embarcações; Encarecimento na conservação de canais e estruturas de regiões navegáveis.

Poluição da água Danos ocasionados pela poluição Danos à recreação e lazer  Contaminação da

Poluição da água

Danos ocasionados pela poluição Danos à recreação e lazer

Contaminação da população por contato direto; Incômodos relacionados aos aspectos estéticos e maus odores

Qualidade de Água  Parâmetros indicadores da qualidade da água Indicadores Físicos Indicadores Químicos

Qualidade de Água

Parâmetros indicadores da qualidade da água

Indicadores Físicos

Indicadores Químicos

Indicadores Biológicos

Parâmetros indicadores de qualidade de água Parâmetros Físicos  Cor - característica derivada da existência

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Parâmetros Físicos

Cor - característica derivada da existência de

substâncias em solução.

Turbidez - A turbidez, propriedade de desviar

raios luminosos, é decorrente da presença de

material em suspensão na água, finamente

divididos ou em estado coloidal e de organismos microscópicos.

Sabor e Odor - São associados à presença de poluentes industriais ou outras substâncias

indesejáveis, tais como matéria orgânica em

decomposição, algas etc.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Químicos  pH  pH < 7 =

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Químicos

pH

pH < 7 = água ácida -> corrosão

pH > 7 = água alcalina -> incrustações

pH = 7 = água neutra

Alcalinidade

Presença de bicarbonatos, carbonatos e hidróxido (sódio, potássio, cálcio, magnésio, etc.)

Corrosividade

Ocasionado pela presença de ácidos minerais ou pela existência em solução de Oxigênio, Gás Carbônico e Gás Sulfídrico.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Químicos  Salinidade – (bicarbonatos, sulfatos e

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Químicos

Salinidade (bicarbonatos, sulfatos e cloretos)

Confere a água sabor salino e características

incrustantes;

Alto teor de cloreto = contaminação por esgotos

domésticos.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Químicos  Dureza –  Presença de sais

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Químicos

Dureza

Presença de sais metais alcalinos terrosos (cálcio,

magnésio, etc) e alguns metais em menor

intensidade; Reduz a capacidade de fazer espuma;

Incrustações

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Químicos Ferro e Manganês  Ferro -> Confere

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Químicos

Ferro e Manganês

Ferro -> Confere sabor sensação de

adstringência e coloração avermelhada; Manganês -> Sabor e coloração marrom. Águas ferruginosas mancham roupas, aparelhos sanitários e depositam-se em tubulações.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Químicos  Impurezas orgânicas, nitrogênio e cloretos 

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Químicos

Impurezas orgânicas, nitrogênio e cloretos

Impurezas orgânicas = constituintes de origem animal e vegetal

Nitrogênio -> permite avaliar pela sua

concentração, o grau e a distância de uma

poluição.

Cloretos -> indicam mistura, recente ou remota com águas residuárias.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Químicos  Compostos tóxicos  Atingem a água

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Químicos

Compostos tóxicos

Atingem a água pelo despejo de efluentes industriais, drenagem de áreas agrícolas ou

atividades de mineração

Bário, mercúrio, prata, selênio, arsênio, cádmio,

cromo, cianetos, chumbo, zinco e cobre.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Químicos  Fenóis  Compostos tóxicos existentes em

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Químicos Fenóis

Compostos tóxicos existentes em esgotos industriais; Causam problemas no tratamento de água -> reagem com o cloro produzindo odor e sabor.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Químicos  Detergentes – principalmente não

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Químicos

Detergentes principalmente não biodegradáveis

Conferem Sabor

Formação de espumas em águas agitadas;

Problemas em ETE e ETA em virtude da espuma e toxicidade.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Químicos  Agroquímicos  Tóxicos a saúde humana

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Químicos

Agroquímicos

Tóxicos a saúde humana e animais quando em

concentrações elevadas;

Danos ao abastecimento público.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Químicos  Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) é

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Químicos

Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) é a quantidade de oxigênio necessária à oxidação da matéria orgânica por ação de bactérias aeróbias.

Representa a quantidade de oxigênio que seria necessário fornecer às

bactérias aeróbias, para consumirem a matéria orgânica presente em um

líquido (água ou esgoto).

Demanda Química de Oxigênio (DQO): é a quantidade de oxigênio

necessária à oxidação da matéria orgânica, através de um agente químico. A

DQO é sempre maior que a DBO

Oxigênio Dissolvido (OD): é indispensável aos organismos aeróbios; a água,

em condições normais, contém oxigênio dissolvido, cujo teor de saturação depende da altitude e da temperatura; águas com baixos teores de oxigênio dissolvido indicam que receberam matéria orgânica; a decomposição da matéria orgânica por bactérias aeróbias é, geralmente, acompanhada pelo

consumo e redução do oxigênio dissolvido da água; dependendo da

capacidade de autodepuração do manancial, o teor de oxigênio dissolvido pode alcançar valores muito baixos, ou zero, extinguindo-se os organismos

aquáticos aeróbios.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Biológicos Algas –  proliferação de algas pode

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Biológicos

Algas

proliferação de algas pode ocasionar:

Produção de grande massa orgânica, consequente maior produção de lodo e a liberação de compostos orgânicos

Geração de compostos orgânicos -> toxicidade

Sabor e odor;

redução de oxigênio;

Entupimento de filtros de areia de ETAs

Ataque as paredes de reservatórios;

Corrosão de estruturas.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Biológicos Microrganismos patogênicos  São introduzidos

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Biológicos

Microrganismos patogênicos

São introduzidos na água junto com material

fecal;

Vírus, bactérias e protozoários Agentes causadores de doenças de veiculação hídrica.

Parâmetros indicadores de qualidade de água Indicadores Biológicos  Coliformes Fecais  São utilizados para

Parâmetros indicadores de qualidade de água

Indicadores Biológicos

Coliformes Fecais

São utilizados para indicar que a água recebeu

material fecal;

Não são patogênicos; Por quê são utilizados como indicadores?

Vivem em grande número em material fecal; Algumas bactérias (Eccherichia coli) só se reproduz no trato intestinal de animais de sangue quente;

Alta resistência a agentes externos;

Análise bacteriológica simples e econômica.

Qualidade de água  Os teores máximos de impurezas permitidos na água são estabelecidos em

Qualidade de água

Qualidade de água  Os teores máximos de impurezas permitidos na água são estabelecidos em função

Os teores máximos de impurezas permitidos na água são

estabelecidos em função dos seus usos. Esses teores

constituem os padrões de qualidade, os quais são fixados por entidades públicas, com o objetivo de garantir que a água a ser utilizada para um determinado fim não

contenha impurezas que venham a prejudicá-lo.

Os padrões de qualidade da água variam para cada tipo de uso. Assim, os padrões de potabilidade (água

destinada ao abastecimento humano) são diferentes dos de balneabilidade (água para fins de recreação de

contato primário), os quais, por sua vez, não são iguais

aos estabelecidos para a água de irrigação ou destinada

ao uso industrial. Mesmo entre as indústrias, existem

requisitos variáveis de qualidade, dependendo do tipo de processamento e dos produtos das mesmas.

Qualidade de água  Existe um alto número de parâmetros de qualidade de água. 
Qualidade de água  Existe um alto número de parâmetros de qualidade de água. 
Qualidade de água  Existe um alto número de parâmetros de qualidade de água. 
Qualidade de água  Existe um alto número de parâmetros de qualidade de água. 

Qualidade de água

Existe um alto número de parâmetros de

qualidade de água.

Como incorporar estas informações em um único

índice para saber a qualidade da água de um corpo

hídrico? IQA Índice de Qualidade de Água

Média ponderada de um conjunto de indicadores

Mais utilizados: Coliformes fecais, pH, DBO, Nitrogênio total, Fosforo total, Temperatura, turbidez e OD.

Qualidade de água  Qualidade de água para consumo humano:  Padrão de potabilidade 
Qualidade de água  Qualidade de água para consumo humano:  Padrão de potabilidade 
Qualidade de água  Qualidade de água para consumo humano:  Padrão de potabilidade 
Qualidade de água  Qualidade de água para consumo humano:  Padrão de potabilidade 

Qualidade de água

Qualidade de água para consumo humano:

Padrão de potabilidade “conjuntos de valores máximos permissíveis das características de qualidade de água destinadas ao consumo humanoPortaria do MS 2914/2011 Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade.

Qualidade de água – classificação dos corpo d’água  Resolução CONAMA nº 357/ de 17

Qualidade de água classificação dos corpo d’água

Resolução CONAMA nº 357/ de 17 de mar ç o de 2005,

Estabelece a classificação das águas, considerando diversos aspectos visando uma melhor distribuição dos usos. (treze

classes)

Doces: (salinidade <0,005%):

Classe especial, Classe 1 , Classe 2, Classe 3, Classe 4

Salobras: (salinidade entre 0,005% e 3%)

Classe especial, classe 1 , Classe 2, Classe 3;

Salinas: (salinidade >3%) Classe especial, Classe 1, Classe 2, Classe 3

Qualidade de água classificação dos corpo d’água

Classes recomendadas ao consumo humano segundo a referida Resolução

Águas doces

Classe especial: podem ser destinadas ao consumo humano após

desinfecção;

Classe 1: podem ser destinadas ao consumo humano após tratamento simplificado (filtração, desinfecção e correção do pH);

Classe 2: podem ser destinadas ao consumo humano após tratamento convencional (coagulação, floculação, filtração, desinfecção e correção do

pH);

Classe 3 (Doces) e Classe 1 (salobras):

podem ser destinadas ao consumo humano após tratamento convencional ou avançado (técnicas de remoção ou inativação de

constituintes refratários ao tratamento convencional).

Referências Elaborado por: Professora Mestre em Engenharia Urbana Larissa Fernanda Vieira Martins Embasamento teórico:

Referências

Elaborado por:

Professora Mestre em Engenharia Urbana Larissa

Fernanda Vieira Martins

Embasamento teórico:

BRAGA, B. et al. Introdução à engenharia ambiental. SP: Prentice Hall, 2002.

DERÍSIO, J.C. Introdução ao controle de

poluição ambiental. 2 ed. SP: Signus, 2000.