Você está na página 1de 9

BACKUP PESSOAL

É muito comum aos profissionais da área de informática serem


questionados pelos amigos a respeito dos problemas que
experimentam no seu dia a dia - no meu caso, principalmente quando
é assunto é Microsoft.

Recentemente, me deparei com algumas situações de perdas de


dados, e percebi que existe uma falta de informação do usuário final
das melhores práticas e opções de como fazer backup. Aliado a este
fato, a falta de tempo e a confiança exagerada nos equipamentos
utilizados aumentam ainda mais o risco de perdas de dados. Na
maioria dos casos, fotos digitais, planilhas financeiras, documentos
de teses e trabalhos de fim de ano são perdas inestimáveis.

Este assunto é muito vasto e um post somente não seria suficiente


para abrangê-lo. Por isto, resolvi dividir em três posts:

1 – Política de Backup;

2 – Extração dos dados e ferramentas disponíveis;

3 – Manipulação dos dados e ferramentas disponíveis.

IMPORTANTE: As informações que se seguem são melhores práticas


que desenvolvi para meu uso e de alguns amigos PARA DADOS
PESSOAIS APENAS. Utilize por sua conta e risco. Dados empresariais
geralmente seguem processos e regulamentações específicas e não
são tratados nesta série de posts.
Este é o primeiro post da série, que trata da política de backup para
usuários finais. Nada melhor que iniciar discorrendo sobre as
tecnologias mais comuns para a realização de backup:

CD e DVD: o tempo de vida médio dessas mídias é de 5 a 30 anos,


dependendo do método de armazenagem (NIST). Outro ponto
importante é a compatibilidade em longo prazo, ou seja, em 30 anos
existirão aparelhos de CD/DVD para computadores?

Discos rígidos: A relação preço/capacidade de disco rígido é uma das


melhores atualmente. A principal desvantagem dos backups de disco
rígido é que eles são facilmente danificados, e que sua durabilidade
ao longo de períodos de anos é desconhecida. Fiquem atentos as
interfaces disponíveis do disco, pois ao longos dos anos as interfaces
de discos vão mudando e é provável que não seja possível re-
conectar um disco antigo em um computador novo.

Solid state storage: Também conhecido como memória flash ou USB


flash drives. Estes dispositivos são relativamente caros para sua
baixa capacidade, mas oferecem excelente portabilidade e facilidade
de uso. Eu particularmente acho que eles não devem ser utilizados
como meios para backup permanente, mas para transporte de dados
apenas.

Backup remoto (on-line): É o backup via internet. Ele protege contra


alguns dos piores cenários, como incêndios ou inundações que
destruiriam quaisquer cópias de segurança confinado no mesmo local
físico. No entanto, há uma série de inconvenientes, como as
conexões de internet serem mais lentas do que a velocidade dos
dispositivos de armazenamento de dados local. Um problema para
grandes quantidades de dados. É necessário confiar em um provedor
de serviços que garanta privacidade e integridade dos dados do
backup. Neste caso entra a segurança, que será discutida em outro
post.

1 – Definir os arquivos que você gostaria de fazer backup.

Após identificar as mídias que você vai usar, a primeira tarefa é


selecionar quais os arquivos devem estar no backup. Certamente não
é toda a informação que você tem. A sua resposta vai definir quanto
de espaço é necessário para armazenar os dados.

2 – Definir os tipos de documento

A segunda tarefa é definir os tipos de documentos, para a montagem


de uma política de backup. De uma maneira simplificada, neste post
criei dois tipos:
Documentos estáticos: São aqueles documentos que não devem
sofrem alterações. Ex: fotos, filmes, músicas, formulários, recibos do
IR, documentos de referência, etc

Documentos dinâmicos: São aqueles em que a informação muda


periodicamente. Ex: teses, planilhas financeiras, documentos de
projetos, etc.

3 – Definir a classificação de importância

A terceira atividade para definirmos nossa política de backup é


classificar os dados em relação a sua importância. Gosto muito do
modelo:

Must Have (Obrigatório) – Esses dados devem sempre estar


disponíveis em backup na sua última versão; Ex: fotos, filmes
caseiros, teses, documentos de projetos, planilhas financeiras, etc.

Nice to Have (Importante) – Alguns dados que podem ser obtidos de


outra maneira que não somente o seu backup, mas dariam certo
trabalho. Ex: músicas, filmes, documentos de referência, etc

Optional (Opcional) – Dados que somente se tiver espaço sobrando


você faria um backup. Ex: músicas.

4 – Definir a política de backup pessoal

A última atividade é definir a política de backup. O modelo depende


do modo de trabalho. Usuários móveis nem sempre tem acesso aos
discos rígidos ou DVDs dos locais em que estão, e estão mais sujeitos
ao roubo ou perda da informação. Usuários que estão
constantemente no mesmo local físico utilizam outro modelo de
política de backup.

Abaixo um exemplos de política de backup para usuários finais. No


próximo post iremos atualizar essa política apontando a forma de
extração de dados.
Esse post é uma continuação do anterior, o segundo da séria de
backup pessoal. Antes de iniciarmos o assunto de extração de dados,
gostaria de dar umas dicas de como organizar os diretórios para que
a configuração do backup seja mais fácil. Vamos usar como exemplo
um usuário que tem vários projetos, arquivos de referência, fotos e
música no seu computador. (Seguindo os tipos de arquivo e graus de
importância definidos no último post)

A separação do que é obrigatório ou importante e estático ou


dinâmico torna mais é fácil configurar as ferramentas de backup que
serão apresentadas abaixo.

Decidir como fazer backup é mais difícil do que parece. Se os dados


forem redundantes o repositório de dados irá encher muito rápido. Se
o backup armazenar uma quantidade insuficiente de dados,
eventualmente, informações críticas serão perdidas, se o processo de
atualização não leva em conta os arquivos modificados o tempo de
backup é sempre elevado.

Outro ponto que deve ser levado em consideração é a forma que o


backup é realizado. As formas mais comuns são: sincronização ou
replicação dos dados. A sincronização é o modo onde QUALQUER
alteração realizada na origem, tanto criação, alteração e exclusão de
um arquivo é replicado para o destino. A replicação não apaga os
arquivos no destino, apenas sobrescreve e cria os novos arquivos .
Os tipos de extração podem ser utilizados tanto para sincronização
como para replicação dos dados. Os mais comuns são:

Copia de arquivos: é a maneira mais simples e comum para executar


um backup. Geralmente os arquivos já existentes são sobrescritos,
mesmo que tenham o mesmo conteúdo.

Identificação de alteração: alguns sistemas de arquivos têm um


sistema de arquivamento de bits para cada arquivo que diz se o
mesmo foi alterado recentemente, ou a identificação se da por
comparação do tamanho do arquivo e data de criação dos arquivos
origem e destino.

Versionamento: o programa ou sistema operacional controla todas as


alterações dos arquivos e disponibiliza restauração das versões
anteriores.

FERRAMENTAS:

Listo abaixo as ferramentas que eu uso para realizar os meus


backups e outras que recomendo. Sintam-se a vontade para sugerir
ou comentar sobre elas.

BONUS: Um amigo meu resolveu (KOLA) montar vídeos


demonstrativos de cada uma das ferramentas abaixo para facilitar a
adoção de vocês. Ele é um profissional muito competente e dedicado.
Quem quiser conferir os vídeos acesse:
http://nckolarik.spaces.live.com/

Live Mesh - https://www.mesh.com/welcome/default.aspx

O Live Mesh é um sistema de sincronização de dados da Microsoft


que faz parte dos serviços do Live. O serviço oferece sincronização e
compartilhamento dos dados.

Uma vez que é definida uma pasta para sincronização no seu


computador, a mesma estará disponível no Live Mesh Deskop. É
possivel sincronizar os arquivos com outros computadores
previamente cadastrados no Mesh. Qualquer alteração feita na pasta
será sincronizada em todos os dispositivos e no Desktop do Mesh.
O Mesh é perfeito para fazer sincronização dos dados obrigatórios e
dinâmicos na Internet e em um disco em outro computador,
AUTOMATICAMENTE, pois as pastas se sincronizam pela Internet.

Um dos principais benefícios é que você pode acessar os arquivos de


qualquer lugar com um browser e compartilhar pastas com outros
usuários.

Tenha em mente que como se trata de um serviço prestado na


Internet é preciso de um link de banda larga para uma melhor
utilização. O Mesh também tem um limite de espaço de 5GB.

Skydrive - http://skydrive.live.com/

O SkyDrive é uma das melhores opções de online storage quando se


trata de espaço gratuito na Internet. O SkyDrive disponibiliza 25GB
para armazenamento, permitindo que seja definido níveis de acesso e
compartilhamento para cada pasta criada.

Os meus dados obrigatórios e estáticos ficam armazenados lá, com


exceção das fotos. Recomendo o uso do aplicativo skydriveexplorer -
http://www.skydriveexplorer.com/, que integra o skydrive ao
Explorer do Windows. Desta maneira é possivel copiar arquivos com
um simples "arrastar" e "soltar" entre pastas. (Essa operação não cria
os diretório no SkyDrive, é preciso criá-los antes).

O espaço do SkyDrive pode ser uma opção para fotos também com o
Windows Live Fotos -
http://www.microsoft.com/brasil/windows/windowslive/products/phot
os.aspx

Como no Mesh, por se tratar de um serviço Internet é preciso de uma


conexão Internet de banda larga para se ter uma melhor experiência
com o serviço.

Robocopy

O Robocopy copia apenas arquivos que foram alterados (seja no seu


tamanho ou data de alteração). Ele já está disponível no Windows
Vista e Windows 7. Para os que usam o Windows XP ele segue o link
para download -
http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?familyid=9d467a6
9-57ff-4ae7-96ee-b18c4790cffd&displaylang=en

Existem diversas opções de configuração para realizar a copia de


arquivos por meio do robocopy. Eu o utilizo para sincronizar meus
arquivos obrigatórios e estáticos, bem como os opcionais entre Discos
diferentes.
O comando: ROBOCOPY origem destino /MIR /SEC é o suficiente para
isso.

Para quem quiser uma interface mais amigável para configurar o


robocopy recomendo a leitura do artigo:
http://technet.microsoft.com/enus/magazine/2006.11.utilityspotlight.
aspx

SyncToy 2.1

Outra ferramenta pouco conhecida e que trabalha da mesma forma


que o robocopy é o SyncToy -
http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?familyid=C26EFA3
6-98E0-4EE9-A7C5-98D0592D8C52&displaylang=en

Funciona tanto em 32 e 64 bits, e um dos seus pontos fortes é a


capacidade de trabalhar com atribuição dinâmica da letra do disco, ou
seja, quando o disco removível ou pen-drive ficar com letra da
unidade diferente de quando você criou o backup, ele reconhece
automaticamente.

O melhor de tudo, você faz tudo via interface gráfica e tem opção de
linha de comando.

O SyncToy tem três tipos de sincronização:

Echo – sincroniza alterações, novos arquivos e arquivos apagados de


uma origem para um destino.

Sincronismo – sincroniza alterações, novos arquivos e arquivos


apagados de entre os dois diretórios.

Contribuição - sincroniza alterações e novos arquivos entre os dois


diretórios.

Flickr - http://www.flickr.com/

Para fazer os backups online de minhas fotos eu utilize o Flickr. O


Flickr é um site que permite organizar, armazenar e compartilhar
fotos. Como um dos meus hobbies é fotografia, e com mais de
10.000 fotos resolvi utilizar a opção paga do site, que permite fazer
10GB de upload por mês.

Um dos pontos negativos do Flickr é que não existe a opção de


restaurar várias fotos ao mesmo tempo, se houver a necessidade de
recuperar varias fotos do site, a única opção e fazer o download uma
a uma.

Office Live - http://www.officelive.com/

O Officelive é outra forma de armazenar e compartilhar seus arquivos


na Internet. No meu caso, minhas (diversas) planilhas estão
armazenadas lá. A integração do office permite que eu abra as
planilhas diretamente da Internet e as salve lá. Com isso, alguns
dados que não gostaria de deixar no meu notebook eu deixo somente
no officelive. Por isso utilizo o recurso de criptografia do próprio Office
2007 ou Office 2010.

Por fim, gostaria de deixar uma ultima dica para quem gosta de mais
proteção para os seus dados. O Windows 7 aperfeiçoou o então
conhecido Shadow Copy, que agora se chama previous version. Este
é um recurso onde o Windows automaticamente salva copias
(versões) dos seus arquivos para recuperação. Maiores informações:
http://windows.microsoft.com/en-us/windows7/Recover-lost-or-
deleted-files

Fonte:
http://blogs.technet.com/arturlr/archive/2009/11/26/backup-
pessoal-ferramentas.aspx