Você está na página 1de 2

introdução

A soldagem por fricção é um processo de soldagem no estado sólido,


que visa unir partes metálicas através de caldeamento, obtidas pelo calor
gerado, através do atrito provocado por movimento das superfícies em contato,
e aplicação de pressão.
Devido ao atrito entre as partes, a energia cinética é convertida em calor,
sendo absorvido pela região imediatamente próxima às superfícies em contato,
coalescendo as superfícies, uma pressão é aplicada e a ação da força
centrífuga faz fluir o metal para fora dos limites da peça na forma de rebarba.
Normalmente as juntas soldadas por este processo têm características
mecânicas e metalúrgicas superiores a no mínimo um dos metais envolvidos
na junta.

Hist

utilização para unir metais por atrito é conhecido a partir de 1891, Ele foi
introduzido na União Soviética, em 1956, Foram feitas inovações nos Estados
Unidos, de tal maneira que o processo modificado foi patenteado em 1966,
Devido a essas patentes existem duas variantes no processo cujas diferenças
estão no modo de geração da energia: a soldagem por atrito convencional
(russa) e a soldagem por atrito inercial (americana)., Na primeira, a energia
para o processo é obtida através de um mandril que gira indeterminadamente e
é mantido por um tempo predeterminado. Na segunda, a energia é obtida por
intermédio de um volante em rotação.

Atrito inercial

As peças são fixadas nas garras da máquina de solda sendo que uma
garra está ligada a um volante acumulador de energia rotacional. Este
volante é acelerado por uma unidade motora até atingir a velocidade de
soldagem.
Quando a velocidade é atingida a unidade motora é desacoplada e a
peça que está parada é deslocada por intermédio de uma força axial de
soldagem até entrar em contato com a peça que está girando. Este
contato aquece as superfícies devido ao atrito até atingir a temperatura de
forjamento. Esta força axial de soldagem é mantida até que as juntas
estejam soldadas.

Equipamentos

Basicamente há duas variações de equipamentos por soldagem por


fricção, onde a diferença principal entre elas está na característica de rotação,
de uma das peças envolvidas.
Na figura 10, na soldagem por atrito convencional, uma das peças é
estacionária e a outra recebe um movimento giratório de um motor elétrico,
esta gira a uma velocidade pré-determinada e constante durante todo o
processo.
Assim, as peças são aproximadas e quando as superfícies chegam a uma
temperatura esperada o movimento de rotação é interrompido através de um
freio e uma determinada pressão é aplicada

Controle de qualidade da solda

A qualidade da solda depende da escolha correta das variáveis de


processo. Por ser um tipo de soldagem no estado sólido e por não necessitar
de metal de adição ou mesmo fluxos, praticamente não ocorrem defeitos como:
poros devido a gases, inclusões de escória e fase frágeis. Os defeitos mais
comuns são: cisalhamento na zona afetada pelo calor e defeitos centrais
causados por pequenos orifícios no centro de uma das peças.
Os tipos de exame mais utilizados são: a inspeção visual e a medida do
comprimento da peça. Os ensaios de tração, flexão, impacto e fadiga podem
ser utilizados para o controle de qualidade. Geralmente faz-se também uma
metalografia da junta soldada, bem como medidas de dureza ao longo da zona
afetada pelo calor.