Você está na página 1de 7

Dança Profética

Trazendo à Igreja o entendimento da "restauração do tabernáculo caído de Davi" (At. 15); com
unção de vitória e livramento, como Miriã, com restituição e restauração; como Davi;
dançando por causa do grande milagre, como o homem curado por Pedro e João, ao entrar
no Templo; rejeitando a sensualidade de Herodia (que dançou pela cabeça de João Batista) e a
dureza de Mical, que censurou a dança de Davi. Dançamos como a virgem que se alegra, por
que o Senhor tem transformado nossa tristeza em regozijo. Lembramos que a Igreja nasceu
em Jerusalém, não em Roma. Desromanizamos, assim, o nosso entendimento, e profetizamos
que onde está o Espírito de Deus, aí há liberdade. Quando Davi trouxe a Arca do Concerto de
volta, ele vinha dançando à Sua frente. Davi é um "tipo" do Messias. Como um noivo que se
alegra em se encontrar com a noiva, assim a Igreja se prepara para o encontro com o seu
noivo.

Saiba mais sobre... MINISTÉRIO DE DANÇA

A dança é uma linguagem universal


A dança à luz da Bíblia
Expressões físicas durante o louvor e adoração
Adoração profética espontânea
Levitas restaurados pelo Senhor
Dança - atitude de louvor
A serviço de Deus?
A dança é uma linguagem universal, pois torna possível contar uma história com o início, meio e fim, e através dos
movimentos dançados mais as pantomimas, que são peculiares a esta forma de expressão, vencemos as barreiras da
língua e falamos com as emoções.

Os movimentos falam. Um gesto pode ferir mais do que uma palavra, daí a preocupação com essa forma de
linguagem. Preciso saber se o que estou querendo transmitir e comunicar será bem compreendido através dos
movimentos executados. Não devo falar por falar, dançar por dançar e sim pensar, refletir para então me fazer
entender e o mesmo deve acontecer com a montagem coreográfica, ou a dança propriamente dita.

Muitos hoje em dia, profissionais da dança optam pela execução de movimentos sem que necessariamente fale algo,
mas, para mim, nada é mais belo que ir ao Teatro, sentar e me emocionar com uma história contada através das
músicas clássicas e dos movimentos e expressões que fazem calar a nossa alma, é sem dúvida um pedacinho do céu.
Arte é vida e está intimamente ligada ao Artista Maior.

O corpo é uma preciosidade física com qual experimentamos a vida. A dança completa essa experiência porque é a
arte do movimento. Sem dúvida somos um espírito que por um período de tempo passamos pela terra morando num
corpo mas que vivemos ansiando o paraíso eterno!

Nascer, morrer, renascer pelo sangue de Jesus, e morrer para viver com o Eterno a eternidade plena é o anseio dos
que buscam a intimidade com Deus pela amizade com o Espírito Santo para assim revestidos pelo sangue do
Cordeiro, puros de coração e limpos de mãos, possam ver a face de Deus e contemplar a sua glória. Esse é o objetivo
de cada cristão.

A dançarina do Senhor é:

Santa, pura e transparente para o Senhor;


Suas vestes são santas;
Adornada;
Perfumada (com óleo de unção);
Revestida com as armas espirituais, e com todas sabe guerrear;
Firme e convicta do seu chamado;
Sabe dançar, seja pelo Espírito, ou preparada por dançarinos.
1/12/2006 14:05:35
www.montesiao.pro.br

A dança à luz da Bíblia


Com exceção da dança de Salomé perante Herodes (provavelmente uma espécie de pantomima de
influência romana), os múltiplos casos, exemplos e citações relacionados com a dança na Bíblia nem têm
um caráter de sedução lasciva, nem são danças «a solo», exceto a dança (II Sm. 6:14-16; Cr. 15:29) de
David, o «homem segundo o coração de Deus», tão respeitado pelo Povo do Senhor, ainda hoje.
Geralmente as danças são expressões grupais: de alegria, divertimento e/ou adoração a Deus.
Nomeadamente no livro de Salmos, há convites bem explícitos para louvar a Deus com danças, como por
exemplo em Salmo 149:3, 150:4 (alguns tradutores escreveram flauta em vez de dança!!) .
Algumas outras referências:
Juizes 21:19-23;
I Samuel 30:16;
II Samuel 6:5: “David e toda a casa de Israel dançavam diante de Jeová...”
Salmo 87:7: “Dirão tanto os que cantam como os que dançam: todas as minhas fontes são em ti”;
Cantares 6:13: “Volta, volta ó Sulamita... Porque quereis contemplar a Sulamita, como a dança de
Mahanaim?”.
(Tradução Brasileira, das Sociedades Bíblicas Unidas, corroborada pela ISBE, Enciclopédia Bíblica
Internacional, vol II, p.1169-1170).
Na parábola do Filho Pródigo, (Lucas 15:25) a dança assume um caráter bastante significativo, não só
por ser uma alusão referida por Jesus, o Verbo que atualizou a Palavra de Deus e a personificou
(Hebreus 1:1), mas também porque essa parábola ilustra a relação do homem com Deus, e a alegria que
existe no céu quando um pecador se arrepende. Ora essa alegria é traduzida de várias formas, sendo
uma delas a dança.
Talvez no céu isso aconteça, numa situação como essa e, se assim for, então existem danças no Céu. Os
anjos dançam e cantam de júbilo quando uma criatura humana volta ao Lar Paterno! Não estou a afirmar,
mas é uma possibilidade! Um dia saberemos ao certo, na Sua divina presença. Aleluia!
É também de salientar que a dança fazia parte da vida corrente, entre os judeus, e até dos jogos infantis,
como lemos em Mateus 11:17 e Lucas 7:32.
Perante o que lemos na Bíblia, a dança é uma expressão de alegria, de festa, de convívio e de adoração
a Deus. É de lamentar que, entre os cristãos evangélicos, se dance tão pouco.
Claro que, em todas as práticas, inclusive as artísticas, há sempre o bom e o mau. Existe má literatura,
mas continuamos a ler bons livros. Existe má fotografia, mas continuamos a tirar e a ver fotografias.
Existe má pintura, mas continuamos a pintar e a apreciar as artes plásticas. Existe mau cinema, mas
continuamos a valorizar grandes obras cinematográficas. Existe mau teatro, mas também há bom teatro;
má escultura e boa; péssimos programas de televisão e outros excelentes, etc..
“Examinai tudo, retende o bem”, aconselhou o apóstolo Paulo (I Tess. 5:21).
E podíamos dizer ainda que, infelizmente, dentro das igrejas também existe o bom e o mau. Há pessoas
sinceras e outras hipócritas, há cristãos honestos e outros que o não são, e há também muita vaidade,
muita maledicência, muita falsa santidade, muita inveja, muito fanatismo...
Ao Senhor e só a Ele compete separar o trigo do joio.
Por isso, irmãos, se sentem o desejo de cantar, cantem! Se sentem o desejo de tocar, toquem. Se sentem
o desejo de dançar, dancem... desde que em tudo o que façam não haja maldade, mas sim um espírito
são, de alegria, de comunhão, de louvor a Deus, ou de simples diversão saudável, comunicativa!
Eu próprio tenho dançado, nomeadamente em festas de alunos meus, a seu convite, em ambiente de são
convívio.
Voltemos à Bíblia. Dancemos!

Expressões Físicas durante Louvor e Adoração


Pular, gritar, erguer as mãos, bradar, correr, dançar por horas seguidas... O que é certo? Qual
o limite? Como devemos reagir? Será que eu também devo?

Bem, estas são muitas das perguntas que temos. Geralmente ficamos com um "pé atrás"
quando vemos as coisas acontecendo durante o louvor e adoração. E realmente a nossa
atenção é cativada pelo que os nossos olhos estão vendo.

A pergunta de muitos é: o que tem fundamento bíblico e o que não tem? Como sei onde é o
limite? Existe limite?
Analisemos algo, existem mais de 50 palavras no original para a palavra LOUVOR. E todas
elas, sem exceção, são verbos que transmitem a idéia de AÇÃO.

O louvor nunca é algo contemplativo, meditativo, em silêncio. Ou seja, em outras palavras, se


você diz estar louvando, você tem que estar exercendo alguma ação com seu corpo ou voz.

Por exemplo, a palavra Barak significa louvar, reverenciar, bendizer ('diz bem de... '). A palavra
Yadah significa confessar com mãos levantadas. Zamar, por sua vez, quer dizer fazer melodia
ou dedilhar com cordas. Temos também Shabach, que é aclamar em alta voz, glorificar com
louvor. Uma das palavras que mais gosto é Halal, que significa fazer barulho, fazer um claro e
brilhante som, celebrar, PARECER TOLO!

E então? Como pode? Essas palavras só têm sentido quando colocamos em prática. Quando
olhamos para um irmão, e ele está rolando, caído no chão, rindo, correndo pelo templo, ou
pulando feito louco, por que é que muitas vezes nós o julgamos?

A palavra nos manda fazer barulho, nos manda levantar um glorioso louvor, e para isso,
poderemos até "parecer tolos". O nosso louvor tem que ser claro e brilhante: "Bendizei, ó
povos, o nosso Deus; fazei ouvir a voz do seu louvor" (Sl 66:8).
Algo distintivo sobre louvor é que ele TEM QUE SER EXPRESSO seja através de canto, dança,
instrumentos, gritos, proclamação, etc. Ou seja, ele tem uma natureza e forma extrovertidas.

Meditação não é louvor. Se você estiver assentado, observando, quieto, ou imóvel, você não
estará louvando. Você pode até estar adorando, mas não está LOUVANDO!

E para terminar, quero deixar algumas razões pelas quais devemos louvar:

1) Porque somos ordenados a faze-lo. (Sl 150:1)


2) Porque Deus habita no meio dos louvores. (Sl 22:3)
3) Há poder no louvor (Sl 149:6).
4) Porque é bom louvar a Deus (Sl 92:1; Sl 135:3)
5) Porque fomos criados para isso (I Pe 2:9; Is 43:21)
6) Acima de tudo, porque ELE É DIGNO E MERECEDOR! (Sl 48:1; Ap 4:11)

Nós louvamos a Deus quando nos achegamos a Ele. Quando Ele se achega a nós, então
nossa única reação é adorar! Louvor é o que fazemos para que Ele venha! Adoração é o que
fazemos quando Ele se manifesta!

Louvor nos traz à presença de Deus! Adoração responde à presença de Deus! Portanto, abra
sua boca aí mesmo onde você está! Que os altos louvores do Senhor sejam ouvidos em sua
vida!

Adoração Profética e Espontânea


Vamos primeiro definir alguns significados:

Adoração: Honra, reverência, homenagem, sentimento, ou ações dedicadas à Deus. Prostrar-se, curvar-se,
humilhar-se, serviço, atitude reverente da mente e corpo, obediência, venerar ...

Profeta: (heb) roeh-vidente, (heb) nabi- É relacionada com a palavra para um ribeiro borbulhante e com o
verbo jorrar, com o sentido de proferir abundantes sons e palavras.

Espontâneo: (lat tard spontaneu). Que se origina em sentimento ou tendência natural, em determinação livre,
sem constrangimentos, sincero, que se pratica de livre vontade, voluntário...

Promessas de Deus para os últimos dias: Ml 3:1-3; Ml 4:5,6; At 2:17,18

Adoração Profética:
Antes do profeta poder funcionar como boca, ele precisa receber revelação e "borbulhar"com os propósitos,
pensamentos e sentimentos do coração de Deus. O profeta é chamado para ser um amigo de Deus Sl 25:14; Jô
15:15; Nm 12:8.

A verdadeira adoração é uma via de mão dupla, é o resultado de uma vida de busca e intimidade com Deus.
Quando estamos diante do Senhor temos a oportunidade tanto de expressarmos o que sentimos por Ele quanto
de ouvirmos a sua voz e conhecermos o que está em Seu coração.

A verdadeira adoração libera a voz profética 2 Re 3:15, 1 Sm 10:5-10.

Principio da integridade profética: 1 Re 17:1- Elias vivia sua vida diante de Deus e não diante de homens. O
profeta é comprometido com as verdades de Deus, não podemos falar a pura palavra de Deus até que sejamos
libertos do temor de homens e do desejo de ser reconhecido e aceito pelo homem. A primeira prova da
integridade e qualidade profética de uma mensagem ou ação é saber se provém de uma visão espiritual e de
um genuíno contato com Deus e se testifica com as verdades da palavra de Deus. 2Pe 1:19,20

A palavra profética é aquela que traz uma visão sobrenatural de destino, e esperança, sem a qual "o povo se
corrompe". Pv 29:18. E também traz uma revelação ampla da pessoa de Deus e do Seu propósito eterno. 1 Pe
2:9

Algo muito importante para a pessoa que flui no ministério profético é de andar juntamente com os outros
ministérios da igreja. Somos parte do corpo de Cristo e é importante para o equilíbrio e edificação deste corpo
que estejamos fluindo em unidade e uns aprendendo e somando com os outros.

Nem todo músico é chamado para ser profeta, mas é possível a um músico profetizar na música. Eu encontrei
em I Samuel 10, que o profeta Samuel tinha seguidores os quais estavam em treinamento sob a sua direção.
Estes homens eram músicos caminhando no ofício de profeta e também como tangedores.

Na concordância exaustiva grego/hebraico define profeta como:

Nabi- orador dos oráculos, aquele quem estava atuando pelo espírito divino. No tempo de Samuel, havia um
homem que o seguiu, louvando a Deus com uma canção tentando assim chamar o povo de volta para Deus.
Quando eu li esta definição, eu compreendi a razão pela a música tem tanto poder atraente. Tem força para
modificar as mentes, e transformar corações. E pode fazer as pessoas se voltarem para Deus. I Samuel 10:5-6

" Então, seguirás a Gibeá-Eloim, onde está a guarnição dos filisteus; e há de ser que, entrando na cidade,
encontrarás um grupo de profetas que descem do alto, precedidos de saltérios, e tambores, e flautas, e harpas,
e eles estarão profetizando.

O Espírito do SENHOR se apossará de ti, e profetizarás com eles e tu serás mudado em outro homem".

Todo crente é potencialmente um profeta. O derramamento do Espírito sobre toda a carne traz consigo os seus
próprios resultados: "e profetizarão" At 2:18. Paulo exortou os crentes de Corinto.

Levitas restaurados pelo Senhor


Vivemos um tempo onde o Senhor está dando um enfoque ao ministério levítico, um chamado a servir,
um ato que foi ensinado por Jesus na prática, para que tivéssemos um modelo a ser seguido, numa total
abnegação em função de um chamado de morrer na cruz sem murmurar.

Há muito tempo esse ministério já não fazia parte real da nossa história, salvo alguns que devido um
temperamento mais calmo o desenvolviam em parte. A submissão, o respeito à autoridade e o considerar
o outro como superior já não existiam e Deus viu que era péssimo. Já não era necessário nem ser santo
para servir a igreja.

Os levitas hoje têm sido restaurados pelo Senhor, pois a igreja necessita de homens e mulheres que
entendam que para servir, em qualquer área, o requisito mais importante é ser santo, ou seja, separado,
obediente à voz e aos comandos do Senhor. São necessários modelos reais que abdiquem de
"achismos", para realizarem uma tarefa com excelência, sabendo que o que fazem é ao Senhor que
fazem.

O Senhor nos tem mostrado ainda a necessidade de os levitas entenderem que são uma família sarada
onde o amor e o respeito são recíprocos, onde cada indivíduo precisa do outro e sente saudade quando o
outro está longe.
É preciso que cada levita volte ao primeiro amor, que sempre nos faz chorar ao lembrarmos que Jesus
morreu para que tivéssemos vida. E, sem dúvida, é preciso entender o chamado a ser servo. Então, o
orgulho, a soberba e o complexo de superioridade não fazem parte de um verdadeiro levita.
Tudo que Deus faz é bom e Ele está fazendo com que a igreja entenda seu principal chamado: ser um
modelo cem por cento dependente do Espírito Santo, onde Jesus receba sempre os méritos atribuídos
indevidamente a mim e a você, pois tudo que fazemos de bom na essência nos é motivado por Ele, o
Autor da nossa fé.

Sejamos como Jesus, servos excelentes e cheios de amor!

Dança - atitude de Louvor


Nos dias de hoje temos muitos conceitos sobre dança, sendo em sua maioria o de que ela induz a
expressões carnais, o que não é verdade quando há uma atitude pura, feita no espírito diante do Senhor.

A dança é o reflexo de sentimentos contidos em nosso ser e acontece em várias ocasiões:

Quando Davi foi ungido por Samuel (I Sam 16:13), o Espírito do Senhor se apossou dele e desde aquele
dia foi cheio do Espírito.

Em II Samuel 6: 12 - 16, Davi extravasa toda sua alegria dançando diante do Senhor por estar
transportando a Arca para Jerusalém, que representava a presença de Deus no meio deles.

"Então disseram a Davi: O Senhor abençoou a casa de Obede-Edom, e tudo o que tem, por causa da
arca de Deus. Assim foi Davi, com alegria. Quando os que levavam a arca do Senhor tinham dado seis
passos ele sacrificava bois e carneiros cevados. Davi dançava com todas as suas forças diante do
Senhor, e estava Davi cingido de uma estola sacerdotal de linho. Assim Davi e toda a casa de Israel
subiam, trazendo a arca do Senhor com júbilo e ao som de trombetas.

Quando a arca do Senhor entrava na cidade de Davi, Mical, a filha de Saul, estava olhando pela janela. E
vendo ao rei Davi, que ia saltando e dançando diante do Senhor, o desprezou no seu coração".

Vemos aqui o exemplo de um homem segundo o coração de Deus, cheio do poder e do Espírito,
expressando toda sua alegria dançando na presença do Senhor.

Em Êxodo 15:20 e 21, vemos Miriã, uma profetisa com muitas mulheres saírem com tamborins e com
danças cantando ao Senhor pela vitória de Israel, pelo povo que saíra ileso do Egito, terra onde eram
escravos.

Miriã, a profetisa (os profetas eram pessoas cheias do Espírito de Deus) dançou pela vitória do seu povo.

"Então Miriã, a profetisa, irmã de Arão, tomou um tamborim, e todas as mulheres saíram atrás dela com
tamborins e com danças. E Miriã lhes respondia: Cantai ao Senhor, pois sumamente se exaltou, lançou
no mar o cavalo e o seu cavaleiro".

As mulheres hebraicas exprimiam por meio da dança os seus sentimentos; quando seus maridos ou
pessoas amigas voltavam a suas casas, vindo do combate pela vida e pela pátria, saíam elas ao seu
encontro com danças de triunfo.

Nos nossos dias não deve ser diferente. Podemos e devemos também ser cheios do Espírito Santo de
Deus e dançar diante d'Ele, extravasando a nossa alegria, saltando, dançando diante do Senhor pela
vitória de Jesus na cruz derrotando todo principado, potestade e dominadores deste século que eram
contra nós ( Col. 2:15), nos libertando do mundo e nos transportando para um reino de luz, purificando
nossa consciência pelo sangue do Cordeiro e nos dando a esperança da vida eterna.

As danças não param por aí. Em I Samuel 18:6 e 7, temos outro exemplo:

"Quando os soldados retornavam para casa, depois de Davi ter ferido o filisteu, as mulheres de todas as
cidades de Israel saíram ao encontro do rei Saul, cantando e dançando alegremente, com tambores e
com instrumentos de música. As mulheres, dançando, cantavam umas para as outras, dizendo: Saul feriu
os seus milhares, porém Davi os seus dez milhares".

Jesus citou em uma parábola a dança como louvor e ações de graças por um filho que se havia perdido e
foi achado (Lucas 15:25 - parábola do filho pródigo).

Existe uma razão específica do povo de Deus em dançar: a de que Ele se alegra com isto. Deus se alegra
de que seus filhos dancem na sua presença, pois Ele próprio promete restaurar as danças de seu povo:

"Naquele tempo, diz o Senhor, serei o Deus de todas as tribos de Israel, e elas serão o meu povo... o
povo que escapou da espada achou graça no deserto... com amor eterno te amei, também com amorável
benignidade te atraí... ainda te edificarei e serás edificada, ó virgem de Israel. Ainda serás adornada com
os teus adufes, e sairás com coro de dança, e também os jovens e os velhos, e tornareis o seu pranto em
júbilo e os consolarei; transformarei em regozijo a sua tristeza". (Jeremias 31: 1-4, 13)

Se você nunca expressou-se a Deus dançando, eu o convidaria a fazê-lo conforme as escrituras nos
convidam:

Salmo 149:3 - "Louvem o seu nome com danças; cantem-lhe o seu louvor com tamborim e com harpa".

Certamente quando você o adorar com sua dança, o próprio Deus te encherá com alegria, com cânticos,
com toda sorte de bênçãos e te mostrará a vitória.

Experimente dançar na presença de Deus!

A serviço de Deus?
Se diligentemente obedecerdes a meus mandamentos que hoje vos ordeno, de amar o
SENHOR, vosso Deus, e de servi-lo de todo o vosso coração e de toda a vossa alma, darei as
chuvas da vossa terra a seu tempo, as primeiras e as últimas, para que recolhais o vosso
cereal, e o vosso vinho, e o vosso azeite. Darei erva no vosso campo aos vossos gados, e
comereis e vos fartareis. Guardai-vos não suceda que o vosso coração se engane, e vos
desvieis, e sirvais a outros deuses, e vos prostreis perante eles; que a ira do SENHOR se
acenda contra vós outros, e feche ele os céus, e não haja chuva, e a terra não dê a sua
messe, e cedo sejais eliminados da boa terra que o SENHOR vos dá. Ponde, pois, estas
minhas palavras no vosso coração e na vossa alma; atai-as por sinal na vossa mão, para que
estejam por frontal entre os olhos. (Deuteronômio 11:13-18)

Nesses dias o Senhor tem me confrontado quanto ao que é realmente servi-lo e se isso tem
sido verdade na vida da igreja em nossos dias.
Muitas vezes somos questionados em nossas congregações ou mesmo por nossos amigos se
somos servos de Deus e a resposta parece estar sempre na ponta da língua: "Sim! Claro que
sou! Sirvo ao Senhor!" Mas será que isso é verdade em nós?
A palavra servir significa: estar ao serviço de; consagrar-se ao serviço de; estar às ordens
de; ser criado de; prestar bons ofícios a, ser útil a;
auxiliar; cuidar de; desempenhar, exercer; empregar; usar; pôr na mesa (refeição,
temperos); dar, ministrar (comida, bebida, etc. ); viver como
servo; exercer função; prestar serviços militares, ser militar; ser prestadio; dar serventia;
ouvir; ajustar-se, adaptar-se; ser favorável,
conveniente a; ser causa de; fazer as vezes de; aproveitar-se; fazer uso de; utilizar-se de
uma iguaria (à mesa); dignar-se, haver por bem.
E aí? Será que realmente somos servos do Senhor?
Amados, o Senhor tem procurado uma igreja sincera, que reconhece as suas mentiras e
fraquezas diante d'Ele para que Ele traga a cura e a restauração.
Nos questionamos por que em nossos dias não acontecem sinais e prodígios como os que
Jesus fez se ele nos disse que, se crêssemos, faríamos coisas ainda maiores que as que ele
fez. A resposta é bem simples: maravilhas não acontecem porque além da falta de fé, não
somos totalmente sinceros na nossa vida com Deus e com nossos irmãos.
Temos a mesquinha preocupação de nos parecermos "os espirituais" e sermos referência
para homens quando isso não vale de nada e temos como resultado uma vida de mentiras
para os outros e para nós mesmos.
Começamos a nos enganar achando que somos espirituais, servos de Deus, quando não
somos nada disso e o Senhor nada pode fazer porque Ele não despreza um coração contrito
e um espírito quebrantado, mas nossos corações não têm estado assim.
Servir ao Senhor é fazer o que Ele quer na hora que Ele quiser. É entender que o talento que
lhe foi dado foi para que você O servisse com ele.
Nós que fomos chamados para servir a ele com as danças precisamos entender que há um
propósito para nossa dança. Que estamos ali como meros instrumentos dele para servi-lo.
Talvez para ministrar cura, libertação, comunhão entre irmãos, amor ou qualquer outra coisa
que Ele queira. Mas ele precisa de servos. Autênticos servos para que isso aconteça.
Servos dispostos e sensíveis ao Espírito Santo para fazer o que ele quer que seja feito.
Servos cheios de verdade, fé e vigor para fazer aquilo que está no seu coração.
Servir a Deus é estar andando na rua e ministrar cura se o Senhor ordenar isso, falar sobre
salvação se Deus quiser, exortar um amigo, profetizar libertação.
Isso é servir ao Senhor.
Se essas características têm sido verdade em sua vida então realmente podemos dizer que
estamos servindo ao Senhor caso contrário não passa de mentira.
Precisamos ser sinceros conosco mesmo e com o Senhor para que Ele possa realmente
contar com alguém que espalhe Sua glória, Sua presença e Seu reino nessa Terra.
Queridos, que a verdade seja restaurada entre nós para que o Senhor venha com a cura e
Ele possa aparecer através de sua igreja.
Que não nos importemos mais em ser referência para homens, mas que o Senhor seja visto.
Que possamos reconhecer nossa podridão e nos colocarmos em condição de servos fiéis a
Ele.
Que na sua dança você possa servir ao Senhor naquilo que Ele quiser que você faça, pois aí
sim a glória será toda rendida ao seu amado Senhor, pois você será apenas um instrumento
d'Ele.
Que Deus abençoe sua vida e que ser servo de Deus deixe de ser um chavão e passe a ser
verdade no meio da igreja.