Você está na página 1de 121

PAULUS

DRA. EANN EVEWLYESTMORE N BILLINGS

O MÉTODO BILLINGS

da fertilidade dispositivos

Controle

d

ro

gasesem artificiais

sem

PAULUS

Titulo original The Billings Method © Evelyn L. Billings and Anne Westmore, 1980 ISBN 0-908476-09-4

Tradução

Guilherme Gibbons

Revisão

Pietro Bise/li

Cecília Bhering

Impressão e acabamento PAULUS

1a edição, 1983 16ª reimpressão, 2013

© PAULUS - 1983 Rua Francisco Cruz, 229 04117-091 São Paulo (Brasil) Fax (11) 5579-3627 Tel. (11) 5087-3700 www.paulus.com.br editorial@paulus.com.br

ISBN 978-85-349-0424-7

JJ, FSC www.fsc.org MISTO Papel produzido a partir de fontes responsáveis FSC- C108975
JJ,
FSC
www.fsc.org
MISTO
Papel produzido
a partir de
fontes responsáveis
FSC- C108975

1

O que é o Método

da Ovulação -

Billings

Ao longo da história as mulheres têm buscado controlar e dirigir sua fertilidade. Muitos métodos primitivos têm sido utilizados. Neste século, grandes somas de dinheiro foram investidas no de- senvolvimento de métodos químicos e mecânicos de anticon- cepção. Porém produtos tais como a pílula, condons e dia- fragmas têm suas desvantagens. No caso da pílula a extensão e a severidade dos seus efeitos colaterais se fazem cada vez mais patentes. Muitas mulheres estão deixando a pílula por causa de seus efeitos abrangentes no corpo. A esterilização está sendo praticada em muitos lugares. Mas muitos casais não a consideram um modo aceitável para controlar a fertilidade. Eles veem um vácuo, que não tem sido preenchido pelos métodos naturais tais como o Ritmo e a Temperatura, méto- dos que têm gerado desconfiança e são grandemente restri- tivos. Conscientes dessa lacuna, um grupo de doutores e pes- quisadores médicos de Melbourne (Austrália) tem trabalha- do num simples, mas substancial descobrimento: as mulheres mesmas podem reconhecer quando estão férteis ou inférteis pelas características do muco que elas podem sentir e ver no orifício vaginal. O reconhecimento da importância do muco como um in- dicador de fertilidade é um descobrimento de notável signi-

5

ficado. Durante os últimos vinte e sete anos, meus colegas e eu temos nos dedicado ao estudo e desenvolvimento de um sistema de fácil compreensão, preciso e científico, para que esta informação revolucionária possa ser utilizada por qual- quer mulher. A base do método é o reconhecimento do muco. Este muco pode indicar se você está fértil ou infértil, por sua sen- sação e aparência. É produzido pela cérvix (colo uterino), que é a parte do útero que o une à vagina e que está sob o controle dos hormônios reprodutivos. Só na última década é que o significado do muco na histó- ria maravilhosa da reprodução humana tem sido amplamente reconhecido. Estudos científicos mostraram que o muco não só assinala

o estado de fertilidade, mas também é essencial para que a concepção possa ocorrer. Isso porque, sem o muco, o trans- porte dos espermatozoides é impedido, e essas células germi- nativas masculinas morrem rapidamente no ambiente ácido da vagina. Quando o muco indica possível fertilidade, é necessário evitar o coito, se não for desejada gravidez. Para muitos ca- sais, isso implica que mais ou menos a metade dos dias de um ciclo típico estão disponíveis para o coito. Em geral, os dias disponíveis para relações sexuais estão espalhados pelo ciclo de tal forma que a abstinência sexual não seja exigida por longo tempo em nenhum ciclo. Em ciclos mais longos, uma maior proporção do ciclo fica disponível. Se o casal desejar uma criança, o método pode ajudá-los

a consegui-la. Aliás, muitas senhoras com dificuldade para engravidar têm encontrado sucesso precisamente por ficar atentas ao muco que indica fertilidade e por manter relações nessa época. Este método, agora conhecido como o Método Billings ou Método da Ovulação, é um método natural no qual não se re-

6

quer o uso de remédios (drogas) nem de aparelhos -

somen-

te um reconhecimento simples das modificações no muco e a aplicação desse conhecimento.

Se utilizado corretamente, o método é tão eficaz como qualquer método de controle da fertilidade. Os fatos cientí- ficos são amplamente comprovados. Examinaremos as ba- ses científicas no capítulo 15. Como vários outros métodos,

é suscetível ao fator humano, mas os casais que estão moti-

vados para que neles o método funcione achá-lo-ão segu- ro, confiável e simples de usar. Para assegurar confiança no uso do método, bastam uns poucos ciclos, e, por isso, um gráfico com anotações diárias é essencial, especialmente no princípio.

Muitas mulheres já descobriram elas mesmas o signifi- cado do muco e o utilizaram como sinal da sua fertilidade ou infertilidade, ainda mesmo antes de contar com as bases científicas que, hoje, o método apresenta. Por exemplo, pelo menos três tribos africanas (os Taita, Kamba e Luo) usaram

o muco produzido pela cérvix como indicador da fertilidade

durante muitas gerações. E um velho da tribo aborígene aus- traliana, os Nirangi, recentemente descreveu como as moças da sua tribo foram levadas a um lugar santo pelas mulheres mais velhas e instruídas acerca do muco. Nas sociedades do Ocidente, não é fora do comum ouvir uma mulher dizer que descobriu por si mesma a mensagem do muco. A eficácia do método foi demonstrada recentemente por um estudo em cinco países, patrocinado pela Organização Mundial de Saúde (p. 227). O informe preliminar indica uma eficácia de cerca de 97 por cento. Isto quer dizer que entre 100 casais que seguem as indicações do método durante um ano, três gestações podem suceder. Isto compara-se favoravelmen- te com a eficácia de métodos anticoncepcionais incluindo a pílula e o DIU.

7

Os resultados do estudo patrocinado pela OMS também mostraram que mais do que 90 por cento das mulheres pro- duzem um gráfico reconhecível de seu muco após só um ciclo. Sabemos que a qualidade de ensino afeta significativa- mente o sucesso no entendimento e uso do método. A grande maioria das mulheres poderá aprender o método deste livro, mas algumas encontrarão uma ajuda extra consultando uma instrutora experimentada no método, discutindo com ela suas dúvidas ou circunstâncias especiais. (Damos uma lista de centros de ensino do MOB nas pp. 234ss). Que outros fatores são importantes para o uso certo do método? Mais que muitos outros métodos de controle de fertilidade, este método requer um alto nível de motivação e cooperação.

Casais com um relacionamento estável ordinariamente se adaptam mais facilmente a este método, que requer abs- tinência das relações sexuais por alguns dias no caso de não desejarem uma gravidez. O uso com êxito do método pede que os casais atuem de acordo com os sinais de fertilidade ou infertilidade do muco. Isto quer dizer que às vezes você terá que mostrar seu amor de outra maneira, sem relações sexuais.

O planejamento familiar natural funciona melhor quando

os casais estão claramente decididos a respeito de ter outro filho ou não. Quando não estão bem decididos a respeito, às vezes utilizam o tempo fé~tilou se desviam das indicações de outra forma.

O método atrai os casais que sentem que o controle da fer-

tilidade é uma responsabilidade em comum e que, por isso, a

nenhum dos dois deve ser requerido acarretar um peso para _,, a saúde.

O Método Billings é aplicável durante todas as épocas da

sejam seus ciclos regula-

vida reprodutiva de uma mulher -

8

res ou irregulares, durante a adolescência, quando abando- nando o uso da pilula, durante a amamentação ou acercan-

menopausa. Estaremos discutindo cada uma dessas

situações especiais nos capítulos seguintes. O método não causa efeitos colaterais porque não altera os processos naturais do corpo. Isto pode trazer rejuvenesci- mento a mulheres que tomaram medicamentos anticoncep- cionais que alteram padrões normais dos hormônios e que podem causar irritabilidade, depressão, enjoas e às vezes de- sordens mais sérias.

do -se da

Os casais também estão livres de possíveis objeções es- téticas que podem apresentar contra o uso de aparelhos tais como condons, diafragmas e DIUs. Com este método não se precisa de nenhum equipamento. Toda informação que você necessita para regular sua fertilidade vem de seu próprio pa- drão de muco, que você vai poder reconhecer e interpretar. Mais um incentivo deste método é o sentido de admiração e profunda satisfação que provêm de estar em sintonia com ritmos naturais de seu próprio corpo.

O método também serve para indicar o estado da sua

saúde ginecológica. Irregularidades do ciclo menstrual agora

não lhe vão ser mistér ios. Ao se desenvolver uma anormali- dade, seu muco lhe servirá como sinal numa etapa precoce, quando tratamento eficaz é mais viável.

A insatisfação de mulheres com todos os outros méto-

dos anticoncepcionais conhecidos pode ser ouvida por todo mundo. Só recentemente conseguimos perceber que a pró- pria natureza nos dá a resposta. Reconhecer estes sinais de fertilidade é como recordar algo de nós mesmos esquecido por muito tempo.

Dra. Evelyn Billings

9

Depois de ler este livro, você poderá: • reconhecer os sinais de fertilidade e infertilidade;

Depois de ler este livro, você poderá:

• reconhecer os sinais de fertilidade e infertilidade;

• aplicar essa informação às suas próprias necessidades;

•experimentar, entre os benefícios do método, a sa- tisfação, a alegria e a melhor comunicação com seu esposo.

Observação:

Para entender as palavras mais difíceis deste livro, veja o Glos- sário da página 248 e seguintes.

10

2

O descobrimento do muco

Na década de 1950, a "Tabela de Ritmo" era o único méto- do natural disponível para o planejamento familiar.

O Método do Ritmo se baseia no fato de que a ovulação

ocorre num só dia, dez a dezesseis dias antes do começo da menstruação. Isto dá à mulher, com ciclos bastante regulares,

um modo de calcular os dias em que está apta à fertilidade. Baseando seus cálculos nos ciclos mais curtos e longos, expe- rimentados durante seis a doze meses, ela pode saber melhor os dias de possível fertilidade.

O Método do Ritmo é satisfatório enquanto a duração do

ciclo não se altera muito. Porém tem uma falha inerente. Ne-

nhuma mulher é sempre regular. Inevitavelmente há varia- ções significativas ao longo do ciclo - causadas por tensão emocional ou física, após uma gravidez, ou perto da meno- pausa.

O Método do Ritmo se mostrou insatisfatório e por

demais restritivo especialmente quando os· ciclos eram longos e irregulares. Isto é o padrão natural para algumas mulheres e não requer tratamento, a menos que exista uma anormalidade qualquer. Mas as mulheres C<? m tais ciclos precisam saber interpretá-los, se elas quiserem controlar sua fertilidade. Certamente o que se precisava era de um indicador que as próprias mulheres pudessem reconhecer. Com isto em mente o Dr. John Billings estudou a literatu- ra médica a respeito em 1953. Não sendo um ginecólogo, foi grande sua surpresa ao encontrar vários informes sobre um

11

muco filamentoso e lubrificante, produzido pelas células da cérvix (colo uterino) perto do tempo da ovulação. 1,z, 3 Ainda que este muco fosse observado por médicos du- rante muitos anos, os ginecologistas nunca teriam ques- tionado as mulheres sobre seu próprio conhecimento a respeito. Aliás, há mais de um século (em 1855), Smith 5 afirmou que a concepção tem a maior possibilidade de ocorrer quan- do o muco está "na condição mais fluidà: Sims, 6 em 1868, também apontou a importância do muco, quando ele descre- veu um teste pós-coital para determinar a saúde dos esper- matozoides, dizendo que o teste deveria ser feito quando o muco é "claro e translúcido e de consistência como de clara de ovo".

o trabalho

de Sims, e confirmou a importâncià de um tipo especial de

muco para o teste de Hühner (cf. p. 144). Experimentos por

Seguy e Simmonet, 8

rurgia chamada de laparotomia, onde o ovário é visto di- retamente, confirmou o tempo da ovulação e o relacionou com precisão ao tipo fértil do muco e ao ápice do hormônio estrógeno. O Dr. John Billings reconheceu o possível significado do muco como indicador da ovulação. Era possível também que o muco tipo fértil pudesse ser usado como sinal de fer- tilidade. Depois de questionar um grupo pequeno de mulheres so- bre o assunto, o Dr. John Billings se convenceu de que a ocor- rência de diferentes tipos de muco durante o ciclo menstrual era uma observação comum. Daí em diante, era necessário determinar se um padrão típico existia durante o ciclo e se as mulheres podiam identificar sua fase fértil.

Com a cooperação de centenas de mulheres, um padrão típico de muco foi encontrado rapidamente. Era evidente

4

Em 1913 Hühner 7 investigou mais a fundo

na França em 1933, envolvendo a ci-

12

que a sensação produzida pelo muco, tanto como sua apa-

rência, serviriam para que as mulheres pudessem reconhe- cer o começo da fertilidade. Nem a cegueira era uma barrei- ra para aprender. E o padrão era parecido para mulheres de diferentes locais e diferentes níveis sociais. (Isto foi confir- mado no recente estudo em cinco nações, patrocinado pela OMS.) Comecei a participar diretamente dos estudos e do ensino do método em 1966. Era óbvio que o ensino de mulher para mulher era a ma- neira mais eficaz para a divulgação da mensagem. O proble- ma básico para homens que tratam de ensinar o método é que eles não podem experimentar a ovulação e, por isso, só teoricamente podem transmitir as ideias das observações e sensações do muco cervical, que é a chave do êxito no uso do método. Ademais, para algumas mulheres, é difícil falar abertamente do muco com instrutores masculinos. Pelos meados de 60, um longo estudo clínico do muco ti- nha sido completado, e um elenco de normas ou diretrizes foi formulado para o controle da fertilidade. Nessa época, somente o padrão do muco associado com a ovulação, e a seguir a fase infértil, foram identificados. Cálcu- los baseados no "ritmo" ainda foram usados na primeira par- te do ciclo. Tudo isso mostrava-se inadequado para mulhe- res com ciclos irregulares ou com atraso da ovulação, como acontece com as que estão no tempo pré-menopáusico e as que estão amamentando. Ademais, notou-se que muitas mulheres usando o mé- todo não tiveram necessidade de tomar sua temperatura basal, e desistiram de fazê-lo. Elas acharam que receberam informação adequada apenas através das transformações no muco; em algumas mulheres a mudança de um padrão de secura para um padrão de muco era sinal de fertilidade. Em outras, a mudança de um padrão de muco contínuo e

13

sempre igual, para muco diferente, também era sinal de fertilidade.

O reconhecimento dos padrões pré-ovulatórios de infer-

tilidade, ou de secura ou de muco contínuo, era ao mesmo tempo um descobrimento fascinante e um alívio tremendo, porque resolveu o problema de abstinência prolongada. En- quanto uma mulher fica com secura ou com muco sempre igual, o que ela identifica corretamente com o seu padrão in- fértil, o coito não pode resultar em concepção. Cada passo no caminho para estabelecer normas confiá- veis e universalmente aplicáveis para o controle da fertilidade foi comprovado muitas vezes e correlacionado com estudos hormonais. Em 1971 abandonou-se o uso de medidas de temperatura e de cálculos de ritmo. O Método da Ovulação - Billings, agora aperfeiçoado por muitos estudos e pesquisas, poderia responder sozinho em todas as circunstâncias da vida repro- dutiva. Mães, sabendo se estavam férteis ou inférteis, podiam continuar a amamentar seus bebês. Não foi considerado ne- cessário o desmame para que ocorresse a ovulação. As mu- lheres nos anos pré-menopáusicos poderiam agora reconhe- cer, com confiança, suas longas fases de infertilidade, livres da ansiedade de uma prolongada espera para uma elevação de temperatura que possivelmente jamais ocorreria.

A oposição ao Método de Ovulação veio de pessoas que o

confundiram com o método de ritmo, ou de pessoas a quem faltou informação correta e experiência para poder ensiná-lo com sucesso. Essa oposição estimulou as contínuas investi- gações científicas e as várias provas que estabeleceram sem dúvida a validade do método. ~ Inicialmente as investigações científicas trataram de obter um perfil dos vários hormônios reprodutivos com medições bem sensíveis. Os participantes de estudos hormonais incluí-

14

raro mulheres com ciclos normais, mães lactantes, mulheres pré-menopáusicas, e mulheres com distúrbios no ciclo, tais como falta de ovulação, padrão de mucosidade não comum, e mulheres com dificuldades para conceber. Os estudos abor- daram também as características do muco cervical durante as fases férteis e inférteis do ciclo. Essas investigações têm ajudado muitos casais com problema de infertilidade, para conseguir a gravidez. Nos anos recentes estes casos recebe- ram ajuda adicional das modernas técnicas de ultrassom e laparoscopia, onde as mudanças na superfície dos ovários se podem ver diretamente. Esses e outros projetos de investigação estão detalhados no capítulo 15, que explica a base científica do método.

Os estudos de laboratório, os dados laparoscópicos, os hormônios e as investigações acerca da infertilidade, to- dos confirmaram que o próprio reconhecimento da mu- lher proporciona uma indicação extremamente precisa ao seu estado de fertilidade.

Nos capítulos que seguem, o significado prático desse des-

o como, o quando e o

cobrimento do muco está delineado -

porquê do uso do Método da Ovulação.

15

3

Conhecendo seu ciclo menstrual

A possibilidade de conceber uma criança em qualquer ci- clo menstrual é limitada a um período de dias férteis. Essa fase fértil usualmente é de cerca de cinco dias num ciclo típico, o qual pode durar de vinte e três até trinta e cinco dias.' Ciclos mais curtos do que vinte e três dias, e ciclos longos de mais que trinta e cinco dias ocorrem, às vezes, em muitas mulheres. Mas a fase fértil fica relativamente constante. Ciclos irregulares são muito mais comuns nos dois extre- mos da vida reprodutiva - adolescência e pré-menopausa - do que na idade de aproximadamente vinte a quarenta anos. Irregularidades menstruais também são comuns depois de desmame, ou quando as mulheres estão largando o uso da pílula. É natural para algumas mulheres serem muito irregulares, mas normalmente férteis. Elas não requerem tratamento mé- dico para regular-se. O Método da Ovulação serve igualmen- te bem se os ciclos estiverem regulares ou irregulares.

As fases do ciclo menstrual

A menstruação. - O número de dias de sangramento menstrual em cada ciclo é comumente de quatro a cinco, em- bora muitas variações sejam conhecidas.

16

QUANDO OCORRE A OVULAÇÃO

menstruação

ovulação

menstruação

menstruação

ovulação

menstruação

I '

menstruação

X

1

ovulação

X

menstruação

1

O intervalo entre a ovulação e o sangramento menstrual tem pe-

quenas variações de mulher para mulher, mas tende a ser cons-

tante para uma mesma mulher.

A duração do ciclo é determinada pelo momento em que ocorre

a ovulação.

que é tomado como

o início do ciclo menstrual- os ovários, que são órgãos den-

tro dos quais os óvulos amadurecem, estão em um nível baixo de atividade. Nesse tempo do ciclo, somente pequenas quan- tidades dos hormônios femininos, estrógeno e progesterona, estão circulando no sangue.

A fase pré-ovulatória. - Como resultado desse baixo nível de atividade ovariana, o hipotálamo, uma coleção de células cerebrais bem especializadas, manda uma mensagem quími- ca, um hormônio, à glândula pituitária na base do cérebro.

A pituitária reage, produzindo seus hormônios que vão atuar nos ovários. Vários grupinhos de células chamadas de fo- lículos, cada um contendo um óvulo primitivo, começam a de- senvolver-se dentro dos ovários, e produzem outro hormônio do tipo estrógeno, conhecido por estradiol. Este é o hormônio que ativa a cérvix (ou colo uterino) para produzir muco, o qual aparece na abertura da vagina e assinala o estado de fertilidade.

No início dos dias de sangramento -

17

O SISTEMA DE MENSAGEIROS HORMONAIS ENTRE O CÉREBRO, O ÚTERO E A PRODUÇÃO DE MUCO NA CÉRVIX

ENTRE O CÉREBRO, O ÚTERO E A PRODUÇÃO DE MUCO NA CÉRVIX glândula pituitária influencia os

glândula pituitária influencia os órgâos reprodutivos

glândula pituitária influencia os órgâos reprodutivos mensageiros ovarianos estrógeno e progesterona 18

mensageiros ovarianos estrógeno e progesterona

18

Usualmente só um dos folículos no ovário chega à plena maturidade em um ciclo. Os outros, depois de um curto tem- po de atividade, cicatrizam-se, e aparentemente não servem

a outra função.

No entanto, o folículo, que está se desenvolvendo, segrega maiores quantidades do hormônio estradiol, assim aumen- tando as características férteis do muco e, ao mesmo tempo, migrando até a superfície do ovário. O óvulo, dentro do folí- culo, também está crescendo. Além disso o endométrio (que forra o interior do útero) começa a crescer também.

Ovulação. - Em qualquer ciclo há somente um dia no qual ocorre a ovulação. A ovulação é o processo no qual o óvulo sai do ovário e está pronto para ser fertilizado por um espermatozoide. Respondendo ao estradiol do ovário, as células que for- ram a cérvix - que está na base do útero e abre para ava- gina - estão produzindo um tipo muito especial de muco:

o "muco fértil': Este muco é essencial para manter a capaci- dade fertilizante dos espermatozoides. Facilita o movimento dos espermatozoides, formando canais pelos quais eles po- dem subir, e dando um ambiente protetor e nutritivo duran- te sua passagem para as trompas de Falópio. Ademais retêm os espermatozoides defeituosos. Tudo indica que a concep- ção não pode suceder se o muco fértil não for produzido

pela c~rvix.

Quando o óvulo deixa o folículo, as células restantes de- senvolvem-se em uma estrutura amarela chamada de "corpo lúteo" que produz o hormônio progesterona e continua a pro- dução de estradiol. Estes hormônios levam o endométrio a crescer mais e tor- nar-se mais grosso e espesso em preparação para uma possí- vel gravidez.

19

A progesterona altera marcantemente as características do muco produzido, de sorte que a mulher mesma pode identi- ficar a mudança. A progesterona também aumenta a tempe- ratura do corpo.

A fase pós-ovulatória. - Após sua saída do ovário, o ó- vulo tem uma sobrevivência, de mais ou menos doze horas, se não for fertilizado por um espermatozoide. Os numerosos "dedos" no extremo do tubo escovam suavente a superfície do ovário, resultando a condução do óvulo dentro da trompa.

Nessas doze horas de vida, o óvulo começa a se mover pela trompa de Falópio, que é estruturada como um funil. Vai na direção do útero, ajudado pelas contrações ondulatórias da trompa e movimento dos cílios, ou pelos microscópicos que forram o tubo.

A fertilização. - A união do óvulo com um espermatozoi- de ocorre no terço superior da trompa de Falópio, menos de

um dia após a ovulação.

A última etapa do amadurecimento do óvulo não ocorre senão depois da fertilização. Esse fato é consolador, porque demonstra a vitalidade do óvulo e evita o desenvolvimento de um óvulo velho.

Quando o espermatozoide penetra na membrana externa do óvulo, seus vinte e três cromossomos se juntam com os vinte e três cromossomos do óvulo e uma nova vida (nessa época chamada de zigoto) começa, com um potencial de du- ração de uns setenta anos.

20

FERTILIZAÇÃO ovo em desenvolvimento trompa de Falópio
FERTILIZAÇÃO
ovo em desenvolvimento
trompa de Falópio

21

Quando o espermatozoide e o óvulo se fundem, as carac- terísticas hereditárias do novo ser, tais como cor do cabelo e constituição física e bioquímica, estão estabelecidas.

O zigoto desenvolve -se rapidamente, enquanto viaja pela

trompa. Perto do sexto dia começa a aninhar-se na camada nutriente do útero chamada de endométrio. Essa implantação é completa cerca de doze dias após a ovulação.

O crescimento do endométrio nutritivo é estimulado tan-

to pelo estrógeno como pela progesterona, sendo que a con- tínua secreção deles está assegurada pelos hormônios pro- duzidos pelo zigoto que se está implantando. Em qualquer ciclo, o tempo no qual o endométrio é de grossura adequa- da e está suficientemente cheio de nutrientes e, assim, apto para receber o zigoto que está em processo de desenvolvi- mento, é somente cerca de trinta e seis horas. Correspon-

dência precisa entre as etapas de desenvolvimento do ovo (o óvulo fertilizado) e do endométrio é essencial para o êxito da implantação.

Se o óvulo não estiver fertilizado, morre e se desintegra .

Cerca de quatorze dias depois (com variações de dez a de- zesseis dias), o endométrio começa a se descamar, resultan - do a menstruação. Essa descamação do endométrio ocor- re quando diminuem os níveis dos hormônios estrógeno e progesterona.

O processo da menstruação assemelha-se a uma árvore

que perde suas folhas no inverno; com o próprio ciclo, novo

crescimento começa outra vez. Novos folículos se desenvol- vem, estrógeno é produzido e um novo endométrio cresce, pronto para uma possível gravidez.

Às vezes ocorre menstruação sem que o óvulo se despren -

da. Entãb o ciclo é chamado de anovulatório. Tais ciclos são

mais comuns no tempo da puberdade ou na pré-menopausa, quando os níveis de hormônios são insuficientes para causar a ovulação.

22

/

Todavia, sob a influência do estrógeno, a camada interior do útero ainda cresce, e perde -se depois sob a forma de mens - truação, quando o nível do hormônio diminui.

Outras mudanças durante o ciclo menstrual

Os acontecimentos hormonais do ciclo menstrual causam

que variam de mu -

lher para mulher. Muitas mulheres estão conscientes de que alterações em seu estado de humor bem como variações nas características físicas correspondem às diferentes etapas do seu ciclo. Altos e baixos de emoção antes e durante a mens- truação têm sido documentados, registrando desde irritabi- lidade, depressão, ansiedade e fadiga até estados de euforia. É comum ocorrer sensibilidade maior nos seios antes da menstruação, e isto pode incomodar. Algumas mulheres sen- tem enxaqueca durante o primeiro dia de sangramento. Do- res de barriga refletem uma variável relação à ovulação. Perto do tempo da ovulação, o muco na abertura da vagi- na mostra mudanças significativas. Esse muco - produzido pela cérvix - é a chave da sua fertilidade. Será discutido com mais detalhes no próximo capítulo. Estando conscientes dos acontecimentos do ciclo mens- trual e especialmente das mudanças no muco, as mulheres podem aprender a reconher sua fertilidade ou infertilidade com precisão.

mudanças tanto psicológicas como físicas

23

4

A chave do controle da fertilidade -

o muco

Quando a terra está seca, uma semente não germina. Mas quando as chuvas vêm, preparam-se para a colhei- ta. Na mulher também: quando ela está úmida com o muco e por três dias depois, pode esperar a colheita de uma criança. - Informe do Ensino do Método da Ovu- lação na pesquisa da Organização Mundial de Saúde, em El Salvador, América Central.

Usualmente representamos o ciclo menstrual começando com o sangramento e terminando com o início do próximo tempo de menstruação. No ciclo fértil, você ovula em um dia só. Mesmo quando dois óvulos se desenvolvem (como pode suceder no caso de gêmeos), os dois são soltos no mesmo dia. Se não ocorrer uma gravidez, seu sangramento menstrual co- meçará cerca de duas semanas após a ovulação.

A sensação de umidade associada com a menstruação

amiúde é sua primeira indicação do sangramento. Assim é também com o muco de tipo fértil.

Às vezes durante o ciclo pergunta-se se começou a mens-

truação. Você sente algo úmido e escorregadio fora da vagina. Quando investiga, encontra um muco que pode ser branqui-

24

nho ou claro e distensível. Talvez pense: ''Ah! não é nada!" Mas, longe de não ser nada, este muco - o muco fértil -

é um sinal importantíssimo de boa saúde e de fertilidade. É produzido pelas células da cérvix (também chamada de colo uterino) durante um período de aproximadamente seis dias

antes

da ovulação. 1

O

muco tipo fértil parece essencial para a fertilidade. Pes-

quisas tanto de laboratório como de clínica mostraram que

o tempo mais fértil no ciclo coincide com o muco tipo fértil,

e que a infertilidade está associada com a ausência do muco desse tipo nas mulheres que são normais noutros aspectos.

Esse muco dá aos espermatozoides um invólucro prote- tor no qual eles retêm sua capacidade fertilizante por três e às vezes até cinco dias (mas só se o muco estiver presente). Sem muco, os espermatozoides deterioram rápido: o ambien - te normalmente ácido da vagina poderia incapacitá-los em minutos. 2

O muco tipo fértil nutre os espermatozoides suprindo-os

da energia que eles requerem. De maneira ainda não enten- dida plenamente, o muco poderia capacitar o óvulo. O muco atua como filtro, destruindo espermatozoides danificados. Cada ejaculação contém uma proporção destes.

Além de fornecer proteção e nutrição, o muco também forma canais para guiar os espermatozoides em sua trajetó- da pela vagina, pela cérvix e útero e nas trompas de Falópio. Aliás, o muco fora da vagina poderá ajudar os espermatozoi- des a chegarem ao óvulo. (Assim é que uma gravidez pode resultar de um contato genital sem que ocorra plena pene- tração.)

Durante o tempo de aprendizagem dos tipos de muco que indicam infertilidade ou fertilidade, é importante fazer um registro diário de suas observações. Sobretudo quando o casal está decidido a não ter logo outro filho.

25

OS ESPERMATOZOIDES E O MUCO

OS ESPERMATOZOIDES E O MUCO Dia 2 3 4 5 Dia 2 3 4 5 Figura

Dia

2

3

4

5

OS ESPERMATOZOIDES E O MUCO Dia 2 3 4 5 Dia 2 3 4 5 Figura

Dia

2

3

4

5

Figura 3

IJ?I

 

·~J ~ li

Dia

2

3

4

5

Figura 4

 

1 Ili

Dia

2

3

4

5

Dseco ºMuco -M fértil

udança

no muco

1X1Ápice [] Ovulação

Os espermatozoides usualmente retêm sua capacidade fertilizante por três dias (figura 1), mas sob condições ótimas do muco, às vezes até por cinco dias (figura 2). Se o coito ocorrer num dia seco (figura 3), a capacidade fertilizante dos espermatozoides é rapidamente di- minuída. Se o coito ocorrer no dia de Ápice ou imediatamente depois (figura 4), a concepção é o mais possível.

26

depois (figura 4), a concepção é o mais possível. 26 Não se aflija se seu padrão

Não se aflija se seu padrão não for conforme o pa- drão de outras mulheres. Tempos de muco tipo fértil podem ser mais longos ou mais curtos e a quantidade pode ser maior ou menor. Cada mulher reconhecerá que ela tem seu próprio padrão, que é tão individual como ela é.

Esteja atenta para mudanças na sensação e na aparência

do muco. Essas mudanças são indicadores vitais de alteração em sua fertilidade. Quase todas as mulheres entendem rapidamente o padrão de sua fertilidade, mas uma instrutora experimentada lhe as- segurará que está interpretando seu registro corretamente. Às vezes, é também uma boa ajuda falar com outras mulheres que estejam usando o método. Durante o aprendizado é necessário evitar relações se- xuais (qualquer contato genital) durante o primeiro mês da anotação. Isso facilita a percepção e o bom entendimento do seu padrão de muco. Isso porque a associação de fluido semi- nal com secreções vaginais no coito poderia confundi-la no seu aprendizado durante o período de conhecimento do seu padrão de muco.

O padrão básico de infertilidade (PBI)

Num tipo comum de ciclo, a sensação que você experi- menta após o sangramento menstrual é secura. Nenhum muco se vê ou se sente; isto se descreve como o Padrão Básico

de Infertilidade, tipo seco.

No outro tipo comum, não ocorrem dias secos após a menstruação. O muco usualmente visível é espesso e em pe-

Fotografia das págs. seguintes: espermatozoides movendo-se através do muco fértil.

27

quena quantidade. Pode produzir uma sensação de viscosi- dade (ou de "pegajoso"). E pode continuar dia após dia sem alteração. Isto se descreve como Padrão Básico de Infertilida -

de, tipo mucoso.

No ciclo típico de 28 dias, o PBI de secura ou de muco dura dois ou três dias após a menstruação. Enquanto os dias secos podem ser determinados durante o primeiro mês de registro das observações, é possível que você precise de mais alguns ciclos para que possa interpretar com confiança o PBI de muco e o ponto de mudança para muco de tipo fértil.

O muco de tipo fértil

A primeira indicação da mudança para a ovulação pode- ria ser muco de tipo pegajoso e filamentoso depois dos dias secos; ou poderia ser a sensação de umidade depois de uma série de dias secos. Essas sensações são experimentadas na região da vulva. Você poderá notar um coágulo de muco escuro que estivera descansando como um tampão no colo uterino. Com o pas- sar dos dias, notará que o muco se torna menos espesso e mais claro, filamentoso e abundante. As mulheres descrevem este muco fértil de várias manei- ras: como fios de clara de ovo cru, liso ou escorregadio. Pode ser claro, turvo ou manchado de sangue; neste caso aparecerá um pouco rosado, cor de café, vermelho ou ama- relo. Esse muco fértil sempre aparecerá como úmido e escorre- gadio, devido à sua própria estrutura e composição química. Um cheiro característico do muco fértil é notado por mui- tas mulheres, especialmente as senhoras cegas.

28

A fase fértil começa com a mudança do PBI, nos seis dias,

mais ou menos, antes da ovulação.

Muitas vezes o muco se apresenta e perdura, dando sufi- ciente aviso da vinda da ovulação e da necessidade de evitar completamente as relações e todo contato genital se uma gra- videz não é desejada, porque os espermatozoides se conser- vam vivos e sadios por meio desse muco fértil.

O muco fértil pode ser acompanhado pela sensação de in-

chaço e intumescência nos tecidos ao redor da abertura da vagina. É como se os tecidos estivessem maduros, algo que muitas mulheres associam claramente com fertilidade. Ou- tros sinais da fertilidade, tais como a dor ou as manchas de

sangue, não são tão precisos nem seguros como é o muco.

Quando a região vaginal em geral está lubrificada por este muco fértil, o desejo de relações sexuais pode ser maior. Mas ao contrário da opinião de algumas mulheres, a secreção não

é produzida pelo desejo sexual.

O ápice, ponto máximo da fertilidade

O último dia de qualquer das características férteis do muco - isto é, o último dia em que ele aparece filamentoso

e distensível ou produz a sensação de lubrificação - é o dia

mais fértil do ciclo.

Você o conhecerá como o último dia somente em retros- pecto (quando já passou). Tal dia se chama o Ápice ou Pico de fertilidade, porque é o dia em que o coito é mais apto para resultar numa gravidez. É importante entender que não é ne- cessariamente o dia de máxima quantidade do muco. Pensar assim é um erro comum.

A chave do dia de Ápice está em que ele é o último dia de

isto é, o último

29

qualquer das características do muco fértil -

O SISTEMA REPRODUTIVO FEMININO, INDICANDO O EFEITO DO MUCO NO MOVIMENTO DOS ESPERMATOZOIDES

válvula biológica fechada - fase pré-ovulatória
válvula biológica fechada - fase pré-ovulatória
válvula biológica aberta - ovulação espermatozoides normais chegam ao óvulo; células anormais são filtradas
válvula biológica aberta - ovulação
espermatozoides normais
chegam ao óvulo;
células anormais
são filtradas pelo
muco no colo uterino
formando canais
e dando proteção
aos espermatozoides
mistura de espermatozoides
normais, velhos
e anormais
(cerca de 300 milhões)

30

1 1 f.

'

dia em que o muco na abertura vaginal aparece filamentoso ou é sentido como lubrificante. A sensação lubrificante pode durar mais um dia ou dois depois do desaparecimento de fios de muco, indicando que você ainda está altamente fértil. A sensação é o sinal de mais valor. Algumas mulheres não verão nenhum muco. Estudos mostram que o sinal Ápice do muco usualmente ocorre dentro de um dia após a ovulação (veja p. 206s) . Mais de 90 por cento das mulheres podem identificar a fase fértil e o dia Ápice no primeiro mês de observação (estu- do da Organização Mundial de Saúde, p. 227). Encorajamen- to e prática podem aumentar essa estatística. A ocorrência de um período menstrual aproximadamente duas semanas após seu reconhecido dia do Ápice confirmará suas observações, e sua confiança crescerá com os ciclos seguintes.

O pequeno número de mulheres que não podem iden- tificar um padrão de muco reconhecível requer assistência especial; elas têm que estar especialmente alertas para a sen- sação que o muco produz fora da vagina. Às vezes só uma pequena quantidade de muco é produzida e a sensação será

a guia principal. Isto é importante para uma mulher que está

encontrando dificuldade em conceber. Umas poucas mulheres podem ter dificuldade, no início, em crer que existam sinais de fertilidade; elas podem pensar que não têm muco. Podem ter-se enganado nas observações eventuais de umidade como se fossem resultantes do coito, estímulo ou ainda de infecção.

Não desanime. Se você estiver alerta para a mudança nas sensações produzidas por apenas uma mínima quantidade de muco, você aprenderá logo os sinais de sua própria fer- tilidade. Se você está com dificuldade em determinar sua fase fértil ,

a tomada diária de sua temperatura durante uns poucos ci- clos pode auxiliá-la a indicar se está ou não ovulando.

31

A fase pós-ovulatória

Num ciclo típico, o tempo entre a ovulação e o começo da menstruação é de cerca de quatorze dias. Esse intervalo tende a ser constante em cada mulher individualmente. Durante os três dias após o sinal de Ápice, deve observar as características do seu muco com muito cuidado. Se o muco de tipo fértil reaparecer dentro de três dias de um Ápice duvi- doso, isto sugere que a ovulação atrasou. Quando a ovulação ocorre, o muco se torna pegajoso, es- curo e seco até o fim do ciclo. Ou pode parar completamente. Quando a mulher estiver completamente seca ou com este muco pegajoso e contínuo de tipo infértil durante três dias sucessivos após o dia Ápice, pode-se assumir que a ovulação ocorreu e que o óvulo já está morto.

32

5

Mantendo o registro do seu muco

A maneira mais adequada para aprender a reconhecer os sinais do seu muco é anotar suas observações diariamen- te num gráfico. O propósito é identificar se o coito em um dia determinado pode ou não resultar numa gravidez. Você estará pronta para usar o método depois de um mês de ob- servações. Para facilitar o registro, um jogo de selos coloridos foi criado para recordar as observações. No início, as observa- ções são feitas usando somente selos de cor vermelha, verde e branca. Após esta etapa de aprendizagem, os padrões do muco podem ser identificados e anotados como infértil ou possivelmente fértil. Sempre as observações devem ser anota- das, não as interpretações. Manter a registro do seu muco torna-se logo uma coisa bastante natural. Requer apenas que você cole o selo apro- priado ao registrar cada tarde, e junte algumas palavras para descrever a sensação produzida pelo muco fora da vagina, e a aparência dele, durante esse dia. Gráficos e selos encontram- -se nos centros de ensino do MO (ver pp. 234ss). Se você não puder encontrá-los, poderá tentar desenhar seu próprio grá- fico utilizando lápis de cor. Vários sistemas de registro foram desenvolvidos para re- cordar os ciclos. Algumas cegas põem botões ou contas de formas diferentes num fio. Instrutores em países em desen- volvimento adaptaram o sistema de registro às necessidades

33

da comunidade local. Mulheres em algumas partes da Índia fazem nós num cordão ou faixa levada à cintura, enquanto em outros países a informação é marcada no tronco de uma árvore. As mulheres em Papua-Nova Guiné põem pérolas co - loridas num fio. Anotações diárias ajudam a familiarizar-se com seus pa- drões de muco em ciclos normais, quando emoções retardam a ovulação; e em circunstâncias reprodutivas alteradas, tais como quando uma gravidez é desejada, ou durante a ama- mentação ou na pré-menopausa. Exemplos típicos de gráfi- cos de mulheres que estão aprendendo o método e para ciclos longos e curtos, são ilustrados nas figuras 1, 2 e 3 (veja p. 82).

Código de cores, Método da Ovulação

Vermelho

Para dias de sangramento ou manchas

Verde

Quando o muco não é observado e quando

uma sensação de secura

Branco

Para o muco que pode ser fértil

Amarelo

Para muco infértil, isto é, muco que fica constante dia após dia. Muco infértil pode ser reconhecido só depois de observar um ciclo ou dois. Depois, o selo amarelo sig- nifica infertilidade e o selo branco possível fertilidade.

A distinção entre muco infértil e muco

possivelmente fértil é necessária quando o muco ocorre frequentemente antes da ovu- lação. Selos amarelos são usados também para muco após a ovulação. Estes dias são inférteis porque o óvulo está morto.

34

O primeiro e mais importante passo para aprender o mé-

todo é desenvolver o conhecimento do muco e das mudan- ças nele.

Se seus sinais mucosos não são claros, seria útil falar deles

com uma instrutora do Método da Ovulação. muitas delas no mundo. Para informação escreva ao mais próximo Centro do Método da Ovulação.

Se está ovulando apenas raramente, por exemplo quando

acercando -se da menopausa, ou se não ovulou desde o nas - cimento de um filho, pode aprender a reconhecer seu Padrão Básico de Infertilidade após marcar seu gráfico mais ou me-

nos por duas semanas. Qualquer mudança desse padrão signi-

fica

uma possível volta à fertilidade.

Durante o mês inicial, quando está aprendendo a deter- minar seus sinais mucosos pelas anotações no seu gráfico, é recomendado que não tenha relações sexuais e que evite todo contato genital, incluindo coito interrompido. Aparelhos an - ticoncepcionais, tipo barreira, tais como o condom (camisi- nha-de-vênus) e o diafragma, não devem ser usados, porque o padrão de muco cervical pode ser escurecido pelo fluido seminal ou pelas secreções vaginais produzidas durante a ati- vidade sexual.

Muitas mulheres deixam de fazer a anotação diária quando têm confiança na sua habilidade para interpretar seu muco com precisão. Porém é aconselhável manter um registro do muco, se houver uma razão séria para evitar a gravidez.

Como você observa o muco?

Sensação. -

O muco produz uma sensação na pele fora da

vagina. Esta é a observação mais importante.

35

Durante suas atividades normais no corre-corre diário, você pode reconhecer uma sensação de umidade, de viscosi- dade ou de nada (secura). Uma quantidade mínima de muco, ainda não visível, pode mudar a sensação de seca até não seca, pegajosa, apenas úmi- da, escorregadia ou muito úmida. Algumas mulheres ficarão desanimadas se esperam ver muco que se parece com a clara de ovo cru e que é distensível sem se romper.

Aparência. - Quando você sentir a presença do muco, você deve reparar na aparência dele. Cada mulher tem sua maneira própria para fazer isso. Algumas passam um pedaço de papel (higiênico) na abertura vaginal antes de urinar. Uma mulher aprende assim a avaliar suas observações pessoais. É recomendável fazer suas observações habitual e consistente- mente. Se existe muco suficiente para ver e recolher, ele deve ser observado com atenção quanto à sua clareza, distensibilida- de, mudanças na cor (por exemplo, pode ser manchado com sangue), ou notando se é pegajoso, com grumos ou com mu- danças na quantidade. O muco altamente fértil tem uma fluidez que permite dis- tendê-lo facilmente e que assegura a presença fora da vagina logo depois da sua produção no colo uterino. Você não tem que examinar dentro da vagina. Confusão pode resultar de proceder assim, porque lá sempre é úmido. Roupa de baixo bem apertada às vezes não permite sentir as sensações fora da vagina. Porque tais sensações são indica- dores extremamente importantes do seu estado de fertilida- de, é preferível usar roupa de baixo suficientemente solta para você estar em sintonia com suas sensações.

36

Quando se revisa o muco?

Não há um tempo especial. Muitas das mulheres que usam

o método automaticamente anotam mentalmente qualquer

muco que ocorra quando urinam. Aliás estão alertas em qual- quer tempo para as sensações que percebem na vulva. Utilize suas próprias palavras, ao fim do dia, para anotar as sensações e a aparência do muco, especialmente o sinal mais fértil que experimentou durante esse dia. Sua descrição não tem de ter sentido para outras pessoas. Simplesmente anote suas observações acerca do muco sem tratar de interpretá-las no princípio. Mulheres que dizem que não sentem nem veem muco nenhum se surpreendem amiú- de pelo que notam assim que recebem a informação básica sobre o que procurar. Elas amiúde produzem um padrão clás- sico já na primeira observação. Numa situação nova, tal como durante amamentação ou pré-menopausa, é aconselhável continuar registrando no seu gráfico. Em tais circunstâncias, infertilidade pode ser o esta- do dominante; ápices de fertilidade podem ocorrer raramen-

te, ou podem não ocorrer. Reconhecimento de infertilidade é

agora a chave para controlar sua fertilidade. Uma vantagem importante do gráfico para alguns casais

é que isto abre áreas de discussão entre os esposos acerca de assuntos íntimos e vitais, incluindo a regulação da fertilidade.

Já que o método requer comunicação acerca de emoções e

sexualidade, isto amiúde enriquece o relacionamento. Alguns homens gostam de ver o gráfico para se acomodar

ao comportamento que ele requer. Por exemplo, saberão se é

ou não desejável ter o coito neste tempo particular do ciclo,

se a intenção é evitar uma gravidez. Dessa forma, eles podem

dar força e segurança às esposas para seguir as indicações do método.

37

Esse empenho comum dos esposos para o controle da fer- tilidade está na linha da conscientização do que é a fertilidade combinada de ambos os parceiros, homem e mulher, o que determina se num tempo particular pode ou não ocorrer uma gravidez. Partilhar a responsabilidade pela gravidez remove o peso do controle da fertilidade de um parceiro, e estimula a atitude de se amar mútua e responsavelmente, que é a base do êxito e do inteligente planejamento familiar.

Quando você está fértil?

O prazo da fase fértil depende da fertilidade combinada de você e seu companheiro. Quer dizer, depende do rápido transporte e manutenção da capacidade fertilizante dos espermatozoides (tipicamente dois ou três dias e às vezes até cinco dias), o que está rela- cionado diretamente com a presença do fértil muco cervical tanto como do tempo preciso da ovulação e da sobrevivência do óvulo (o óvulo vive mais ou menos doze horas). Para a média dos casais, o tempo durante o qual a concep- ção pode resultar de coito em qualquer ciclo é de três a seis dias. Isso pode estender-se a sete dias em casais de alta fertili- dade. Em outros casais o tempo pode ser apenas de meio dia, devido à curta duração da presença do muco, e porque esta curta fase fértil pode ocorrer somente em alguns ciclos. As normas descritas no próximo capítulo dão um amplo fator de segurança para minimizar a possibilidade de uma gravidez não planejada.

38

6

Aplicando o Método as normas gerais

.

Nessas normas, abstinência de relações sexuais inclui evitar todo contato genital. A razão é que espermatozoides sadios podem mover-se de fora da vagina até as trompas de Falópio, quando o muco tipo fértil está presente. Assim, sem intenção, poderá ocorrer uma gravidez. Quando relações sexuais não são aconselháveis, não evite toda expressão de amor.

"Temos encontrado uma série ilimitada de possibilidades em nosso relacionamento sexual, usando o Método da Ovu- lação. A sexualidade dá-se amando, entendendo, tocando, estando perto e explorando uma vasta gama de experiências em comum."

Normas para evitar a gravidez

Os primeiros dias inférteis -

as normas dos primeiros dias.

Os primeiros dias inférteis são os dias antes de ocorrer qual- quer mudança. Tais dias podem ser secos, sem qualquer sinal de muco, ou pode ocorrer algum tipo de muco que, sendo quase seco, pegajoso ou espesso, fica constante dia após dia. Ambos os padrões são chamados de Padrão Básico de ln - fertilidade (PBI). O primeiro é um PBI de secura, o segundo é de muco constante sem mudança. Ambos indicam que você

39

está infértil. Uma mudança em qualquer caso indica possível fertilidade.

Relações sexuais devem ocorrer só nas noites dessa pri- meira parte do ciclo para que o PBI se possa confirmar du- rante o dia. De outro modo uma mudança ao muco tipo fértil pode ocorrer durante a noite, e você e seu companheiro, sem terem conhecimento de que sua fertilidade está aumentan- do, tendo relações sexuais pela manhã, podem incorrer numa gravidez.

O coito em noites alternadas dará segurança maior, por-

que o sêmen e as secreções vaginais tendem a obscurecer o muco no dia após o coito. Vinte e quatro horas bastam para o sêmen desaparecer completamente.

Se seu PBI é de dias secos, e estes são interrompidos por

um dia de muco, é aconselhável evitar coito nesse dia e nos três dias depois. Esse período de três dias permite que opa- drão mude ou para possivelmente fértil ou para obviamente infértil. Se o PBI de secura voltar sem que você reconheça o Ápice, mais uma vez deve-se usar as noites alternadas para relações sexuais. Se o PBI é de muco contínuo sem mudança, e isto é in- terrompido por um dia em que o muco mudou, evite o coito neste dia e nos três dias depois. Se seu PBI de muco volta a ocorrer, pode ter relações sexuais com segurança nas noites alternadas. O PBI ocorre só antes da ovulação.

Dias férteis -

a norma do dia Ápice. -

Qualquer mudan-

ça na quantidade, cor, viscosidade, filamentosidade ou umi- dade do muco indica alguma atividade nos ovários e a possi- bilidade de que você esteja fértil. Abstinência de coito deve começar tão logo qualquer mu- dança no PBI seja observada ou sentida. Continue a evitar relações sexuais durante os dias de muco tipo fértil e nos três dias após o último dia de qualquer sinal fértil. O último dia de uma sensação de lubrificação ou do aparecimento de muco

40

claro ou filamentoso, se chama de dia Ápice de fertilidade. Esse dia coincide de perto com a ovulação (ver cap. 15).

Os últimos dias inférteis. - Esses dias começam no quarto dia após seu Ápice (o que quer dizer, depois de você reco- nhecer o Ápice e evitar o coito pelos três dias seguintes) e continuam até o fim do seu ciclo. Nesses dias, a sua fertilidade combinada (a sua e a de seu companheiro) é zero. A ovulação

já terminou e o óvulo está morto. Uma vez que o Ápice já foi

identificado corretamente, não se requer abstinência depois do terceiro dia completo após ele. Relações sexuais em qual-

quer hora do dia ou da noite não levam a possibilidade de gravidez.

Os casais devem evi-

tar o coito durante esses dias. Isso assegura que os sinais da ovulação não sejam obscurecidos pelo sangramento. Durante

um ciclo curto, a ovulação pode acontecer antes do sangra-

mento terminar; e o conselho para evitar o coito nesse tempo

Durante o sangramento menstrual. -

já está levando isso em consideração.

Durante qualquer dia de sangramento antes da menstrua-

ção. - Evite o coito no dia em que aparecerem quaisquer manchas de sangue e nos três dias seguintes. É que tal sangra- mento pode coincidir com a ovulação e pintar o escorregadio e distensível muco rosado, cor de café, vermelho ou amarelo.

A identificação correta do muco é difícil se o sangramento

estiver forte.

Situações de stress. - Ansiedade, stress, viagens, enfermi- dade ou mudanças de ambiente podem retardar ou suprimir a ovulação num ciclo, mesmo que a cadeia de eventos que levam à soltura do óvulo comece a mover-se. Se você experimentar sério stress, por exemplo, deve contar com a possibilidade de

41

uma ovulação retardada, e tomar precaução especial para ava- liar o Ápice de fertilidade. Em caso da confusão do padrão de- vido ao stress, adiar o coito seria uma tática de bom senso.

''Minha razão para utilizar o método é que não desejo mais filhos, por enquanto. Acho que minha capacidade para cuidar de meus três queridos filhos já está bastante sobrecarregada. Acho que se alguém quiser usar o método por esta razão, deve entendê-lo bem, e não sair fora das normas para não cor- rer riscos. No princípio meu marido e eu achamos o método muito limitante, e certamente nem tudo era doçura e luz. O não po- der ter relações sexuais em toda ocasião é uma situação que tem que ser plenamente compartilhada e aceita por ambos os parceiros. Contudo, com o correr do tempo, achamos este as- pecto menos frustrante; sentimos que ficamos mais sensíveis às necessidades e sentimentos de um para outro. Sinto que nosso relacionamento se desenvolveu e nosso amor se aprofundou. Já faz quatro anos desde que a Dra. Lyn Billings explicou o método para mim, e acho que agora estou numa posição muito melhor para enfrentar a situação da família, e que a vida desta família é muito mais pacífica e estável. (É certo que outros fato- res entram nisso também.) Quero acrescentar que antes de começar com o método de ovulação, tomava a pílula por doze meses. Não gostei disso de nenhuma maneira, me senti mais como uma coisa do que como uma pessoa. Não gostei de usar produtos químicos que sabia poderiam ter efeitos colaterais e prefiro saber em qual fase do ciclo normal estou".

Normas para engravidar

Tente ter relações sexuais duas ou três vezes por semana antes que apareçam os sinais de fertilidade, e mantenha uma

42

vigilância sobre o padrão do seu muco para poder notar os sinais de fertilidade. Se ordinariamente você tem vários dias de muco fértil num ciclo, tente ter relações sexuais nesses dias, o mais perto possível do dia Ápice. Se você produz muco tipo fértil só em alguns ciclos, e só por um tempo curto no ciclo, tenha o coito nesse tempo, pre- cisão é importantíssimo para a concepção. Muco presente durante apenas uma parte do dia é, em algumas mulheres, suficiente para a concepção acontecer.

43

7

Perguntas mais frequentes

P. O método da Ovulação Billings é mais adaptável a al-

guns casais do que a outros?

R. É, sim. Casais com relacionamento estável geralmente

acham mais fácil aceitar um método que exige uns dias sem relações sexuais.

O método requer compromisso. Apela mais fortemente a

casais que estão motivados a usar um método natural e com vontade de assumir responsabilidade em comum pelo con- trole da fertilidade.

O método é mais indicado para um homem e uma mulher

que se amam. Ajuda a gerar o amor. Na ausência do interesse amoroso, não funciona.

P. Como vou saber quando estou fértil?

R. Seu muco cervical lhe indicará se está fértil ou infértil

por suas características.

• Uma sensação de secura, sem muco, indica infertilidade.

• Muco que é quase seco, opaco, pegajoso e pouco em quan- tidade, e que continua sem mudança dia após dia também indica infertilidade.

• Muco que se distingue desses dois padrões sugere que

já veio uma alteração a nível de fertilidade. Se o muco se

apresenta liso (escorregadio) e úmido, parecido com clara

de ovo cru e pode distender-se para formar um fio delica-

44

do antes de romper, provavelmente você está no seu tem- po mais fértil.

Manter um gráfico diário ajuda a mostrar a você como

o muco muda com o decorrer dos dias. A avaliação do comportamento do padrão do muco durante vários dias é

a melhor maneira para reconhecer tanto a fertilidade como

a infertilidade, em vez de fazer avaliação acerca de um tipo particular de muco. O padrão do muco de cada mulher é um pouco diferente, mas ela mesma rapidamente aprende

a reconhecê-lo.

P. Como encontro o muco?

R. Encontrará o muco na abertura da vagina. Você não

tem que procurar dentro da vagina, o que provocaria con- fusão porque a vagina sempre é úmida. Revise-se rotineira- mente durante o transcurso do dia. Esteja alerta à sensação

que o muco produz e também à sua aparência. Sintonizan- do-se com a sua fertilidade, logo ela se tornará familiar a você.

P. Devo manter um registro do meu padrão do muco?

R. Quase todas as mulhers acham que algum tipo de re-

gistro é necessário durante sua aprendizagem no reconheci- mento dos vários tipos de muco associados com a fertilida-

de ou a infertilidade. É melhor não confiar somente na sua

memória. Um gráfico pode ajudar seu companheiro também, dan- do-lhe conhecimento das mudanças do muco e comunican- do-lhe seu estado de fertilidade. Com o propósito de apren- der, é aconselhável manter o gráfico por vários meses. Uma vez que tem confiança no reconhecimento do seu padrão de muco, pode continuar com o registro ou concen- trar sua atenção na sensação e na aparência do seu muco quando quiser saber seu estado de fertilidade. É aconse-

45

lhável continuar com o registro se tiver uma razão grave para evitar uma gravidez, ou numa situação de fertilidade alternada, tal como a pré-menopausa, ou então quando quiser gerar uma criança.

P. Quando estiver aprendendo o método, devo manter o

gráfico do meu muco por um ciclo menstrual ou por um mês do

calendário?

R. É necessário registrar seu muco somente durante um

mês do calendário; e é recomendável abster-se de relações se-

xuais durante este tempo. (Se a ovulação for retardada por longo tempo num ciclo, o ciclo completo pode requerer vá- rios meses; mantendo seu registro por tanto tempo, isso im- plicaria muita abstinência desnecessária.) Um mês é tempo suficiente para você avaliar seu estado de fertilidade.

P. Durante quantos dias no

ciclo menstrual o casal é fértil?

R. Três a seis dias. Estudos científicos mostram que o óvu-

lo vive cerca de doze horas, e que os espermatozoides podem manter sua capacidade fertilizante de três a cinco dias se sus- tentados pelo muco tipo-fértil que vem do colo uterino. Por isso, relações sexuais no dia Ápice da fertilidade ou dentro de três a cinco dias anteriores ao Ápice, tanto como antes da mor- te do óvulo após o Ápice, podem resultar numa gravidez.

P. Quantos dias estão disponíveis para relações sexuais num ciclo típico de vinte e oito dias? Isto varia segundo a du- ração do ciclo ou as circunstâncias da vida reprodutiva - por exemplo, durante a amamentação ou na pré-menopausa?

R. Resultados preliminares do estudo da Organização

Mundial de Saúde acerca do método indicam que cerca de

46

metade dos dias de um ciclo de vinte e oito dias geralmente

estão disponíveis para o coito. Os dias de abstinência incluem

o período menstrual, o tempo em que o muco indica possível

fertilidade e uma margem segura de dias para levar em con- ta as situações da fertilidade individual. Com experiência no método, os casais sabem que podem aumentar o número de dias disponíveis para o coito.

Em ciclos curtos, menos do que a metade dos dias po- dem ser disponíveis, enquanto em ciclos longos (por exem- plo, quando está amamentando ou na pré-menopausa, muito mais dias estão disponíveis.

Séries de dias de abstinência intercalam-se com séries de dias disponíveis para o coito, de tal forma que a abstinência não é exigida por longos períodos num mesmo ciclo. Isso é uma grande vantagem sobre outros métodos naturais e é uma importante ajuda psicológica para levar os casais a guarda- rem as normas.

Quando o coito não é aconselhável, não evite outras de- monstrações de amor. Existem muitas maneiras para você mostrar seu amor, e com imaginação esses dias podem ser tão revigorantes como os outros.

Pensar positivamente acerca dos tempos sem coito ajuda muito: a fase fértil, com sua capacidade para gerar um filho, é um tempo posto de lado por decisão mútua. Depois, durante

a fase il).fértil, você pode manifestar amor totalmente espon- tâneo, livre de remédios ou de aparelhos anticoncepcionais.

Muitos casais acham que seu relacionamento sexual fica revitalizado após um pequeno intervalo sem coito.

P. Você diz que os espermatozoides podem sobreviver até

cinco dias. E se eu .não tiver cinco dias de muco fértil para me

avisar que a ovulação está se aproximando?

47

R. Sem a presença do muco fértil, os espermatozoides

não podem passar pelo colo uterino para fertilizar, porque o ambiente vaginal nessas circunstâncias é hostil para eles. Assim, se você tem muco fértil só por dois dias, ou só por meio dia no ciclo, a sobrevivência dos espermatozoides estará igualmente reduzida. O importante para lembrar é que quan- do você vê ou sente o muco filamentoso ou lubrificante, deve evitar o coito então e por três dias completos depois. Mesmo sendo poucos os dias em que você vê ou sente o muco fértil, sempre terá aviso suficiente da aproximação da ovulação pela mudança no seu padrão de infertilidade.

P. Por que é importante ter relações somente à noite du-

rante a primeira parte do ciclo, antes do aparecimento do

muco fértil?

R. Você tem de estar em pé por algumas horas para que o

muco fértil se faça ver ou sentir. O coito de manhã, ao acordar, não lhe facilitaria reconhecer uma mudança para o muco fértil que ocorresse durante a noite; e assim uma gravidez pode re- sultar. Porém, após ocorrida a ovulação e passados os três dias

seguintes, então o dia e a noite são disponíveis para o coito.

P. Por que você recomenda abstinência tão logo apareça a

mudança do muco infértil ao tipo fértil?

R. É impossível predizer para um ciclo precisamente

quando vai ocorrer a ovulação. Por exemplo, num ciclo curto de vinte e um dias, a ovulação pode ocorrer próximo ao séti- mo dia. O muco fértil facilita o movimento dos espermatozoides nas trompas de Falópio e mantém a vitalidade deles até por cinco dias. Sem o muco, a capacidade fertilizante deles dimi- nui rapidamente. A regra para evitar o coito desde o início

48

dos sinais férteis assegura que os espermatozoides não rete- nham sua capacidade fertilizante até a ovulação.

Os sinais de fertilidade podem começar mais do que cinco dias antes do Ápice (a média é seis dias antes). Por não se saber num ciclo dado, quando aconteceu exatamente a ovula- ção, é que existe a regra dos três dias completos após o desapa- recimento da umidade.

Em alguns ciclos, o muco só aparecerá próximo da ovu- lação. As mesmas regras se aplicam nessas circunstâncias, porque o transporte dos espermatozoides e a vitalidade deles diminui rapidamente sem o muco fértil. A única diferença é que, durante tais ciclos com um número pequeno de dias fér- teis, o tempo de abstinência será mais curto.

P. Você sugere três dias de abstinência após o Ápice ou o

último dia de muco fértil. Mas o óvulo não morre dentro de doze horas após a ovulação? Assim não é impossível conceber tão tarde após a ovulação?

R. Estudos mostram que o Ápice, identificado pela mesma mulher, é bastante correlato à ovulação. Em cerca de 85 por cento das mulheres, ocorre dentro de um dia da ovulação e em 95 por cento dentro de dois dias (veja p .

208).

Após o Ápice, sua fertilidade diminui rapidamente en- quanto o muco fértil é substituído pelo tipo infértil. Um intervalo de três dias após o Ápice dá tempo suficiente para sua fertilidade voltar a zero: dentro desses três dias, morre o óvulo. Esse intervalo de três dias (a regra do Ápice) é um pouco excessivo com relação ao tempo de sobrevivência do óvulo e dos espermatozoides. Contudo, é proposital; dá uma margem de segurança contra um erro na avaliação do seu Ápice.

49

P. Quanto precisa meu marido saber sobre o método? Devo contar-lhe quando noto o muco fértil, para ele saber que não podemos fazer amor?

R. Essa é uma das vantagens de um gráfico. Juntos podem

verificar o desenvolvimento do seu padrão de muco. Quando seu companheiro entender o significado dele, saberá quais são os melhores dias para o coito. Ambos os parceiros podem sentir às vezes que gostariam de abandonar as cautelas, apesar de o muco indicar fertili- dade. Se o casal decidiu anteriormente que este não é o tempo propício para gerar um filho, os esposos podem se ajudar e se encorajar para seguirem as normas. Usuárias que obtiveram sucesso no método arranjaram maneiras diversas e individuais para indicar ao compa- nheiro que é o tempo fértil: uma rosa num vaso, o gráfico em lugar bem visível, ou uma palavra acerca da presença do muco fértil. Muitos maridos experimentados no méto- do "já sabem".

Essa experiência em conjunto é extremamente importan- te. Os casais podem tolerar a abstinência, mas não a confusão.

P. As normas podem ser mais flexíveis quando a mulher

tiver longa experiência na avaliação do seu próprio padrão de

fertilidade?

R. Várias mulheres, depois do uso do método por algum

tempo, descobrem que podem ter, no relacionamento sexual, bem mais liberdade do que se recomenda nas normas.

As normas foram formuladas para máxima segurança e por isso contêm uma margem confiável de segurança. Con-

50

tudo os casais que adotam uma atitude mais flexível devem estar preparados para a possibilidade de uma gravidez.

P. Posso aprender o método com confiança por este livro? É

importante a revisão de minhas observações com uma instru -

tora?

R. Muitas mulheres aprenderão o método deste livro.

Não obstante, algumas encontrarão ajuda ao consultar uma instrutora experiente no Método da Ovulação, especialmente se seu padrão é difícil de interpretar, tal como pode acontecer

após deixar a pílula ou na pré-menopausa.

P. Com quem posso revisar meu gráfico, para saber se es -

tou interpretando corretamente meus sinais mucosos?

R. A melhor pessoa para lhe orientar acerca de seu re -

gistro é uma instrutora experimentada no Método da Ovu- lação. Se uma instrutora não estiver disponível na sua área, uma mulher que tenha usado o método com êxito poderia

dar muito boa informação. (CENPLAFAM, Av. Bernardino de Campos, 110, cj 12, São Paulo, pode ajudá-la a encontrar uma instrutora acredi- tada perto de você, no Brasil.)

P.

Este método não tira a espontaneidade da vivência se -

xual?

R.

O uso de qualquer método natural implica que você

não pode ter o coito sempre que o deseje. Para evitar uma gravidez tem que evitar o coito quando você é fértil. Essa ati- tude tem que ser discutida e mutuamente aceita pelos dois

parceiros, quando o casal decide utilizar o método. Ao con - trário, há muitos dias em que você pode viver o sexo comple- tamente espontâneo, livre de drogas e aparelhos e de qualquer dúvida acerca de seu estado de fertilidade.

51

P.

Que re lação tem o muco fértil com a ovulação?

R.

O muco começa mais ou menos uma média de seis

dias antes da ovulação. Logo torna-se filamentoso e lubrifi- cante e aparece como clara de ovo cru.

Esse muco - o muco tipo fértil - é causado pela ação do hormônio estrógeno no colo uterino (isto é, na cérvix). Toda evidência sugere que o muco é essencial para o movimento dos espermatozoides e para manter a capacidade fertilizante deles, e, ao mesmo tempo, é um confiável aviso e sinal de que você é fértil.

O Ápice de fertilidade - que corresponde de perto ao tempo da ovulação - é o último dia da sensação ou apare-

cimento do muco fértil. Não é o dia da máxima quantidade

de muco. Isso é um erro comum. (A sensação de lubrificação pode continuar mais um dia ou dois após o desaparecimento do muco, mas essa continuação da sensação indica que você ainda é fértil).

P. Como se explicam as mudanças no muco cervical?

R. Vários estudos investigaram as alterações no muco e

as ligam aos hormônios. Basicamente, os diferentes tipos de muco são produzidos em resposta aos diferentes níveis dos hormônios estrógeno e progesterona. Esses hormônios vêm dos ovários. Atuam diretamente na cérvix (colo uterino) para estimular a formação dos diferentes tipos de muco que você vê e sente. O muco fértil aparece enquanto o óvulo começa a amadurecer em resposta à subida do nível do estrógeno. Após a ovulação, a progesterona força a cérvix a produzir o muco que é pegajoso e grosso e que traz uma alteração dramática na sensação. Fotos na página 88 mostram as diferentes carac- terísticas do muco.

52

P.

Posso reconhecer as mudanças na aparência do meu

muco, mas não confio na minha habilidade para notar mu- dança. Isto quer dizer que não devo usar o método?

R. Não. Enquanto ambas, a sensação e a aparência do

muco, são indicadores importantes do estado da sua fertili- dade, a percepção e o reconhecimento ~elespodem requerer tempo para se desenvolver. Persevere com o método e conti- nue a registrar seu padrão de muco. Muitas mulheres acham que sua habilidade para apreciar as sensações se desenvolve

rapidamente. Estudos mostram que quase todas as mulheres produzem um reconhecível padrão de muco após somente um mês de aprendizagem no método.

P.

O muco fértil sempre é claro?

R.

Não, este muco pode ser turvo ou pode ter colorido

vermelho, rosado ou café; isto vem de sangue, gotas que po- dem ser produzidas no tempo da ovulação. Enquanto a aparência desse muco varia, sua consistência aparece como clara de ovo cru, e sempre tem a qualidade de ser escorregadio ou lubrificante. Às vezes, algumas mulheres não veem nenhum muco, mas percebem a sensação lubrican- te, indicando-lhes que são férteis.

P. Sempre é fácil ver o muco?

R. Muitíssimas mulheres veem e sentem os diferentes ti-

pos de muco durante seus ciclos. Muito poucas dizem que

veem bem pouco ou nenhum muco, mas percebem uma sen- sação inegável devida a pequenas quantidades de muco.

P. Uma mulher pode conceber se ela não produz o muco tipo fértil?

R. Toda evidência sugere que o muco fértil tem que ser produzido pela cérvix para a concepção ocorrer (veja capítu- lo 15). Isto é porque o muco ajuda no transporte de esperma-

53

tozoides e dá o ambiente necessário na vagina para manter a capacidade fertilizante deles. Baseada nessa evidência, muita dúvida tem que expressar-se acerca da possibilidade de uma gravidez quando a mulher não produz o muco.

A importância do muco fértil é reconhecida por pesqui- sadores da infertilidade em todo o mundo. Eles estão acon- selhando os casais que estão experimentando dificuldade na concepção que fiquem alerta ao muco com características férteis e que utilizem esses dias para o coito.

P. Perturbação ou stress muda o padrão de muco?

R. A agitação - possivelmente causada por excitação,

enfermidade ou emoção - pode retardar a ovulação ou eli- miná-la completamente de seu ciclo. Também uma viagem pode atrasar a ovulação. Não existe nenhuma evidência de que a agitação acelere a ovulação.

Qualquer atraso na ovulação se reflete no seu muco. Por exemplo, se grave stress ocorrer nos dias imediatamente antes da ovulação, você notará que seu muco fértil passa subita- mente e é substituído ou por um padrão de muco infértil ou por secura.

Porque pode ser difícil ter certeza se nessas circunstân- cias a ovulação ocorreu ou não, um intervalo de três dias deve passar antes de reassumir o coito, e seguir as normas dos primeiros dias (p. 41) utilizadas até reconhecer o Ápice. Uma grave tensão poderia até produzir um padrão confuso de muco; é recomendável adiar o coito durante esse tempo.

P.

O coito pode causar a ovulação?

R.

Estudos hormonais nos humanos não demonstram

nenhuma relação entre o coito e a ovulação.

54

Se os casais não querem gerar outro filho por enquanto, coito deve ser evitado desde o aparecimento dos sinais de fertilidade e por três dias completos após o Ápice.

P. O conhecimento do meu padrão de muco pode ajudar -

-me a identificar infecção ou enfermidade?

R. Pode, sim; mulheres que reconhecem os processos

normais do seu corpo amiúde notam imediatamente se algo funciona mal. Se o padrão de muco muda notavelmente - por exemplo, um aumento súbito na quantidade do muco ou uma alteração na cor ou no cheiro do muco - seria uma boa ideia consultar um médico. Um padrão alterado pode resultar de moléstias tais como ovários policísticos ou uma infecção. Ginecologistas estão se dando conta dessas mudanças, porque podem indicar uma anormalidade ou infecção dos órgãos reprodutores, um problema hormonal ou um efeito colateral de medicação. Quanto mais cedo se faz o diagnósti - co, mais provável é o êxito do tratamento.

P.

Alguns medicamentos alteram o muco?

 

R.

Os

seguintes

medicamentos

alteram

o

padrão

de

muco, com efeitos variáveis em diferentes mulheres:

• Alguns tranquilizantes, por exemplo cloropromazina, que causa uma subida na prolactina, resultando no atraso da ovulação. (Contudo quando a ovulação ocorrer, se reco- nhece pelo padrão mucoso usual) .

• Hormônios, por exemplo progesterona e estrógenos.

• Anti-histamínicos (somente algumas mulheres sofrem al- teração com estes; os registros individuais descobrirão isto logo).

• Remédios citotóxicos utilizados contra câncer. Estes im- pedem a prodµção do muco por uma ação direta sobre os ovários.

55

• Antibióticos. As mulheres que tomam antibióticos contra uma enfermidade grave às vezes notam uma mudança no padrão de muco. Isso pode ser efeito da perturbação cau- sada pela enfermidade e não do remédio. Mulheres que tomam antibióticos continuamente numa enfermidade crônica podem interpretar seu padrão de muco com su- cesso.

P. Os sprays e lavagens vaginais alteram o muco?

R. Alteram, sim. Produzem uma umidade artificial que pode confundir sua interpretação do muco. Também podem causar reação alérgica ou inflamação, resultando num corri- mento infeccioso que altera o padrão do muco. Embora a limpeza seja essencial para boa saúde e um fa- tor importante num relacionamento sexual, não é necessário nem recomendável utilizar tais produtos para limpar a vagina. A própria vagina limpa-se por si e a lavagem externa basta.

P. Quais são as mudanças que posso esperar depois de

uma curetagem? Ainda posso usar o Método da Ovulação Bil-

lings efetivamente?

R. A perturbação duma curetagem pode atrasar a ovula-

ção e por isso adiar a produção do muco fértil. É aconselhável evitar o coito até que o Ápice seja reconhe- cido, porque o padrão de muco pode estar temporariamente perturbado e não na sua forma habitual. Aplique as normas do método como de costume. As mulheres que recentemente sofreram uma cureta- gem é possível que não se sintam suficientemente bem para gozar do coito. Discutindo antecipadamente isso com seu companheiro, esse desinteresse pode ser aceitado com com- preensão.

56

P. Existe uma razão por que meu esposo e eu não devemos

usar o coito interrompido durante meu tempo fértil?

R. Coito interrompido não é uma boa ideia por duas razões.

Primeiro, seu companheiro pode perder uma gota de sê- men antes do orgasmo; esta gota usualmente contém esper- matozoides (as sementes masculinas), que poderiam produ- zir uma gravidez sem vocês quererem. Segundo, o coito interrompido não satisfaz, amiúde, nem

ao homem nem à mulher. Seu companheiro não pode rela- xar porque sabe que ele tem que retirar antes da ejaculação;

e você não pode relaxar porque sabe que ele pode malograr

nisso. Essa ansiedade não vale a pena, porque agora é esta- belecido que o muco fértil fora da vagina facilita o transpor-

te das sementes masculinas até as trompas de Falópio onde

o óvulo está esperando. A penetração não é necessária para

efetuar-se a concepção. Também, o coito interrompido ocorre antes de uma mu- lher chegar ao orgasmo. Isso pode levar a uma frustração no- tável e a um desagrado mútuo. Informes clínicos indicam que o coito interrompido pode ser responsável pela passividade sexual nas mulheres que pre- feririam suprimir suas reações em vez de aguentar repetida frustração quando o coito termina antes do orgasmo.

P. Posso combinar os métodos físicos anticoncepcionais,

tais como a camisinha de vênus e o diafragma, com o Método

da Ovulação?

R. Não. Existe uma boa razão biológica para não usar

métodos de barreira durante sua fase fértil. O fluido seminal

e as secreções vaginais associadas com o coito podem con- fundir seu padrão de muco e assim dificultar notavelmente

a possibilidade de avaliar corretamente seu estado de fertili- dade. Não existe uma maneira mais segura para evitar a gra-

57

videz que evitar o coito durante o tempo fértil. Além disso, todos os métodos de barreira têm sua taxa de falha e usando um condom ou um diafragma no tempo fértil pode resultar numa gravidez.

P. Parece que tenho pouco muco. É importante a quantida -

de de muco produz ido?

R. Para a concepção ocorrer, é essencial que algum muco

seja produzido, porque sem ele os espermatozoides não so- brevivem para alcançar e fertilizar o óvulo. Contudo, fre- quentemente as mulheres pensam que têm pouco ou nenhum muco até elas começarem a manter um registro diário. Então ficam alertas ao muco e notam que produzem muito mais do que pensavam. Se, depois de registrar, você acha que está produzindo so- mente um pouco de muco, isso pode ser normal. Seu Padrão Básico de Infertilidade (PBI) pode ser um de secura; quando muda o seu nível de fertilidade, você vai notar uma pequena quantidade de muco fértil. A sensação também mudará. Se está completamente seca durante o ciclo, sua fertilidade pode ser baixa e seria prudente consultar um médico.

P. Experimento bastante umidade antes de relações se -

xuais depois de sentir-me seca todo o dia . É isso o muco fértil?

R. Pode ser o muco fértil que a cérvix já está começando

a produzir. Mas pode ser o muco lubrificante produzido pela vagina como resposta à excitação sexual. Se revisasse o seu muco durante o dia e na tarde, ainda antes de pensar em ter relações, teria uma indicação clara do estado da sua fertilidade. Os dias férteis usualmente começam com um muco que é turvo e pegajoso depois de uns dias secos. Ou você pode notar

58

um tampão de muco. Esse padrão muda-se em muco distensível e lubrificativo, mais perto do dia Ápice. Mantendo seu gráfico, ele revelará seu padrão individual. Logo vai poder reconhecer o efeito do coito no seu padrão de muco. Um gráfico que mostra o efeito de coito no padrão mucoso é ilustrado na p. 83.

P. Eu sinto mais interesse no sexo quando meu muco é do

tipo fértil.

Há uma explicação biológica para isto?

R. Há, sim. O muco é intensamente lubrificativo no tem-

po da ovulação e por isso ideal para o coito. Isso pode ser a

razão do aumento da sua libido nesse tempo. Outros fatores que alguns casais notam são um cheiro provocativo associa- do com o muco fértil e um inchaço ao redor da vagina. Estas características se devem ao alto nível do hormônio estrógeno produzido pelos ovários quando você está fértil.

P. Após a fase fértil, às vezes sinto-me desinteressada em

relações sexuais. Por que isto? Pode ser superado?

R. A razão básica por esse desinteresse é hormonal. De-

pois da ovulação, o nível do hormônio estrógeno diminui. Associada a isto, há uma diminuição do muco lubrificante produzido pela cérvix, o qual ajuda o coito. Este é substitui- do por um muco que é mais grosso e seco, produzido pela cérvix sob a influência de progesterona. A secura que resulta pode ser superada por uma preparação para o amor sem pressa; isso permite secreções desenvolverem-se nas glân- dulas ao redor da abertura da vagina e também permite a lubrificação da vagina.

O nível de progesterona cresce após a ovulação. Isso pode trazer uma queda nas emoções também. "Não devia fazer quando queria, agora já não quero" é amiúde uma rea- ção inicial. É possível que se tenha de fazer um esforço para ser amável. Essa capacidade é algo que cresce; o marido tem

59

que entender isso e estimulá-la com sua atenção especial nesse tempo. Mudanças hormonais durante o ciclo são apenas um fator no bem-estar emocional da mulher e do seu gozo nas relações sexuais. Fazer amor na parte infértil do ciclo pode dar mui- ta satisfação porque é baseado na consideração amorosa dos dois cônjuges.

P. Posso engravidar com uma relação sexual no primeiro

dia depois de notar uma mudança do meu Padrão Básico de

Infertilidade?

R. A mudança de um padrão infértil indica uma alteração

nos níveis dos hormônios e por isso indica possível fertilida-

de. Assim, você aumenta suas possibilidades de engravidar se tiver relações sexuais nessas circunstâncias. Alguns casais experimentam nesses primeiros dias de muco fértil e verificam que não concebem. Mas se os esposos estão fortemente motivados para evitar uma gravidez, devem evitar o coito em qualquer dia quando o muco indica possível fertilidade, porque tarde ou cedo o relaxamento dessas normas pode resultar em concepção. Isto pode acontecer como uma surpresa aos casais que regular- mente acharam tal dia infértil.

P. Uma amiga me contou que ela concebeu em uma re-

lação durante sua regra (isto é, durante sua menstruação). É

possível?

R. Sim, é possível conceber durante a menstruação, espe-

cialmente se seus ciclos são curtos. Quanto mais curto o ciclo, mais cedo você ovula, porque ovula cerca de duas semanas antes do seguinte período menstrual. Por exemplo, se tiver relações no sexto dia do sangramento e ovular no dia nove de um ciclo de vinte e quatro dias, você pode ficar grávida.

60

MANEIRAS SIMPLES PARA EXPLICAR O MÉTODO

o o ".:f:,,:::,

i

~

~

semente em

Chuva chega;

Chuva termina

chão seco

flor cresce

chão úmido ainda

a flor morre

~

~

~

~

~

Uma ilustração utilizada para explicar o método às mulheres

aborígenes em

Darwin , Austrà li a

o método às mulheres aborígenes em Darwin , Austrà li a Ensinando o método às mulheres

Ensinando o método às mulheres num povoado em Ruanda

li a Ensinando o método às mulheres num povoado em Ruanda Ensinando o método em EI

Ensinando o método em EI Salvador, América Central

Ruanda Ensinando o método em EI Salvador, América Central Um gráfico - de uma missão semelhanças

Um gráfico - de uma missão

semelhanças dos tempos do ano com o ciclo da mulher.

perto de Darwin , Austrália - mostrando

Sangramento

Secura

Muco

1 2 3

61

Seu muco lhe avisará do aumento na sua fertilidade, tor- nando-se filamentoso e lubrificante. Contudo, porque pode ser escurecido pela menstruação, é aconselhável evitar o coito durante o tempo da menstruação.

P. Quase todos os livros dizem que a menstruação ocorre

quatorze dias após a ovulação, mas você cita de dez a dezesseis

dias. Não é certo que quase todas as mulheres experimentem uma fase pós-ovulatória de quatorze dias?

R. Cerca da metade de todas as mulheres férteis quase sempre têm treze ou quatorze dias na fase pós-ovulatória. As outras têm dez a doze ou quinze ou dezesseis dias entre a ovu- lação e a menstruação. A mulher tende a conservar o mesmo intervalo entre a ovulação e menstruação.

P. Venho usando a pílula já há três anos. Posso mudar

para este método imediatamente?

R. Pode, sim. O primeiro passo é parar de tomar a pí- lula. Então, comece a registrar seu padrão de muco. Depois de mais ou menos um mês de registrar no gráfico você deve poder reconhecer se está fértil ou não. Durante esse mês é aconselhável evitar o coito, para que seu padrão não seja es- curecido pelo fluido seminal ou pelas secreções associadas com o coito. Depois desse tempo você poderá usar as normas do método. Muitas mulheres são inférteis por vários meses após dei- xar a pílula, e o padrão de muco terá características inférteis que você reconhecerá logo. Qualquer mudança desse padrão sugere uma alteração na fertilidade e a necessidade de um pe- queno período sem relações sexuais no tempo em que a fer- tilidade está voltando. As circunstâncias especiais acerca de deixar a pílula são discutidas no capítulo 9. O gráfico de uma mulher que deixou de lado a pílula está na p. 84.

62

P. Quando estou deixando a pílula, devo esperar minha

primeira menstruação antes de começar o gráfico do meu pa- drão de muco?

R. Não, não é necessário esperar a primeira menstruação,

que pode se atrasar por vários meses. Tão pronto tiver deixa -

do a pílula, comece a registrar. Será capaz de reconhecer se está fértil ou não pelo padrão do seu muco.

P. Tenho vinte e três anos e meus ciclos são longos e irregu-

lares. Para poder utilizar o Método da Ovulação, eu precisaria

de tratamento hormonal para reduzir os ciclos aos do tipo mais regular?

R. Irregularidade de ciclos não é nenhum obstáculo ao uso do método. Isso porque avaliará seus sinais mucosos de fertilidade ciclo por ciclo em vez de fazê-lo por uma rígida regra baseada no calendário. Não há necessidade de alterar a duração dos seus ciclos. Tratamento hormonal com esse propósito, para eminentes autoridades médicas, não é aconselhável agora porque rompe

o normal dos padrões físicos e emocionais. Em alguns casos,

a perturbação causada pelo tratamento hormonal pode ser

tão grande que resultaria numa infertilidade prolongada. A medicação hormonal elimina o padrão normal do muco, por isso é impossível usar o Método da Ovulação durante tal tra- tamento.

Uma possível causa de ciclos irregulares é que você não está ovulando. Isso pode resultar de muitos fatores (veja p. 147s). Se seu gráfico indica que não está ovulando, uma in- vestigação médica é necessária.

P. É necessário continuar a abstinência durante a mens-

truação se seu corpo, durante longo tempo, não tem ciclos cur- tos?

63

R. Não há garantia de que seu corpo seguirá sempre no

mesmo padrão. Amiúde o começo da pré-menopausa está indicado por um ciclo curtíssimo no qual a ovulação ocorre durante a menstruação. Assim, se você relaxar as diretrizes tendo relações sexuais durante a menstruação está abrindo- se a possibilidade de uma gravidez.

P. Meus ciclos são de vinte e um dias em média. Logo após

os dias do sangramento menstrual, noto o muco de tipo fértil. Posso usar o Método da Ovulação?

R. Pode, sim. A dura ção do ciclo não altera a aplicabilida -

de do método. Sua precoce ovulação, indicada pelo muco fér- til, significa que você tem poucos dias inférteis, ou nenhum, na primeira parte do ciclo. Porém, o coito pode ser reassumi- do depois de três dias após o dia Ápice. Se os ciclos são curtos, sua infertilidade pós-ovulatória, que é livre de toda limitação, volta mais frequentemente.

P. Estou tentando ter um nenê há um ano, mas sem suces-

so. Posso usar o M étodo da Ovulação para consegui-lo?

R. Para aumentar ao máximo suas possibilidades de ter um nenê, é preciso seguir as normas do método, mas ao contrário. Uma vez que leu este livro com cuidado e en- tendeu os princípios da fertilidade, comece a registrar seu muco para averiguar se e quando está ovulando. O muco fértil indicará sua fase fé r til. Possivelmente não ocorrerá em cada ciclo. O muco fértil pode durar por vários dias ou ape- . nas meio dia num ciclo; assim é que terá que observar-se e procurá-lo com cuidado. Trate de ter relações sexuais com intervalos de poucos dias, enquanto está observando bem

o muco; quando o muco fértil aparecer, utilize esses dias. Quando o muco é filamentoso como clara de ovo cru e dá

a sensação lubrificante, os espermatozoides terão a ótima possibilidade de fertilizar o óvulo.

64

Clínicas para fertilidade no mundo inteiro agora reconhe- cem a importância do muco cervical. Por exemplo, os médi - cos que trabalham na inseminação artificial acham que é inú- til inseminar uma mulher a não ser que ela esteja produzindo muco fértil.

P. O Método da Ovulação pode ser usado para escolher o

sexo do nenê?

R. A evidência científica a respeito é discutível.

Algumas usuárias dizem que relações sexuais cedo no pe- ríodo de desenvolvimento do muco fértil - sem outro coito durante o ciclo - resultaria em menina, enquanto o coito res- tringido ao dia do Ápice da fertilidade resultaria em menino. Uma pesquisa recente na Nigéria parece confirmar este ponto de vista. O estudo baseou-se na teoria de que um úni- co ato de coito no Ápice resultaria em menino, enquanto o coito perto do tempo de mudança do muco antes do Ápice, sem outro até depois da fase fértil, resultaria em menina. Se- gundo a coordenadora do estudo Dra. I. Leonie McSweeney: 1 "Sucesso na pré-seleção de um menino foi logrado por 310 casais; de uma menina por 90 casais. Falha na pré -seleção de um menino ocorreu para quatro casais; de uma menina para dois casais':

Outros que tentaram usar o método para pré-selecionar o sexo do nenê, geralmente informam sobre um índice de su- cesso mais baixo. Pré-seleção do sexo do nenê provavelmente nunca será 100 por cento confiável.

P. O uso de hormônios ou outros tratamentos ajudará a

mulher a produzir o muco fértil e assim poder conceber?

R. O uso do produto químico etinilestradiol tem obtido sucesso na produção do muco com qualidades lubrificantes e filamentosas. Contudo, o sucesso em engravidar não acon-

65

teceu. Pesquisas sobre essa forma de tratamento estão conti- nuando.

P. Em casos de violentação, qual a razão da taxa estatisti-

camente baixa de gravidez?

R. Segundo as estatísticas, são mínimas as possibilidades

de que a violentação coincida com a ovulação ou com o muco fértil. Pode ser também que a severa agitação pela violência do ataque retarde o processo da ovulação. Assim as células espermáticas morreriam antes do óvulo ser solto do ovário. Muitas vezes se pensa que a curetagem tira os espermatozoi- des. Isso não é verdade. A curetagem tira a camada interior do útero de forma que, se um óvulo fertilizado vier, não há local adequado onde se possa implantar. É importante que cada mulher saiba identificar os sinais de fertilidade, para que, no caso de violentação, ela possa jul- gar imediatamente a possibilidade de concepção.

P. Às vezes vejo a perda de um pouco de sangue cerca de

duas semanas antes da menstruação. Que significa isso?

R. Tais manchas podem indicar a ovulação. São devidas ao alto nível do hormônio estrógeno atuando sobre o endo- métrio, a camada interior do útero, causando a exsudação do sangue, um dia ou dois antes da ovulação. A perda de sangue usualmente é pouca e dá ao muco um leve colorido. Às vezes está mais forte, especialmente durante um ciclo longo, e pode escurecer o muco. Por isso é impor- tante a norma de evitar o coito em qualquer dia de sangra- mento e por três dias depois. Ainda que essa perda de sangue usualmente ocorra perto da ovulação, não se nota em grande porcentagem de mulheres; por isso, não é uma indicação con- fiável da ovulação.

P. Tenho um corrimento crônico devido a quistos na cér-

vix. Posso usar o Método da Ovulação?

66

/, ,•

R. Pode, sim. Registrando seu muco cada dia, você apren -

<lerá logo a reconhecer o padrão de muco associado a uma condição crônica. Ainda que um corrimento crônico exista, nota-se uma mudança no padrão quando o estado de fertili- dade se altera. O corrimento acompanhando quistos na cérvix é variá- vel e pode ser um muco contínuo, úmido e escorregadio. A anormalidade deve ser retificada, daí resultando a volta do seu padrão normal. No caso de uma infecção aguda, tal como monília (cau- sada pelo fungo ou cogumelo Candida albicans), seu padrão de muco será alterado, como pode ser alterado também pelas infecções de T-micoplasma, gonorreia e tricomonas. Estas requerem tratamento médico, durante o qual é aconselhável evitar as relações sexuais. A razão é que o coito pode atingir e romper as colônias dos organismos patológicos e causar sua difusão, por exemplo, ao sistema urinário ou ao seu compa- nheiro. Remédios locais usados no tratamento de monília usualmente secam o corrimento e o muco. Por isso, espere até depois do tratamento e da volta ao seu padrão normal de muco antes de reassumir as relações sexuais.

P. É possível ovular duas vezes no mesmo ciclo? Isso afeta a

confiabilidade das normas?

R. É possível soltar dois ou mais óvulos no mesmo ci- clo, mas estudos mostram que isso sempre ocorre no mes- mo dia. Assim é que todos os aspectos do Método da Ovu- lação são válidos: as normas não são afetadas pela múltipla ovulação.

P. Durante meu ciclo, às vezes sinto dor aguda nas costas

ou abdome. Isso é um sinal de ovulação?

R. Algumas mulheres comumente experimentam tal tipo

de dor durante seus ciclos. Pesquisas mostram que isso pode

67

ser relacionado com o aumento geral de hormônios associa- do com a ovulação. A dor pode ser aguda ou fraca, parecida à dor da menstruação.

O mecanismo da produção dessa dor não é completamen- te conhecido. Em muitos casos ocorre com o aumento de es - trógeno ainda que não ocorra a ovulação. Pode resultar de contrações de tecidos musculares no útero, reagindo aos hor- mônios; ou a dor pode resultar de químicas (como as prosta- glandinas) encontradas no fluido seminal. Estas sensibilizam os músculos e podem iniciar uma reação hormonal e afetar a atividade dos músculos nos órgãos reprodutores femininos.

Porque a dor nem sempre coincide com a ovulação, não é um indicador confiável da ovulação.

P. Quão precisa é a elevação de temperatura para indicar

a ovulação? Registrar a temperatura ajuda no reconhecimento da fase fértil? Tem valor a medida de temperatura no controle de nascimentos por métodos naturais?

R. Temperatura não é completamente confiável ou preci - sa, como indicador da ovulação. Pesquisas revelam que eleva- ção de temperatura pode ocorrer de quatro dias antes até seis dias após a ovulação 2 , ainda que em alguns ciclos ocorra no dia da ovulação. Uma febre pode dar uma temperatura alta que confundiria. Se confiar nessa temperatura como prova de ovulação, você pode engravidar. E em alguns ciclos, nenhuma elevação de temperatura ocorre no tempo da ovulação.

A tomada de temperatura não tem valor para predizer quando vai ovular, o que é uma necessidade em qualquer mé- todo eficaz de controle natural da fertilidade.

Outra desvantagem é que adiar o coito até depois do tem- po em que ocorra uma elevação de temperatura, e se demorar

68

para ocorrer no seu ciclo, o tempo disponível para relações sexuais é desnecessariamente curto. Além disso, há a desvantagem no ato de tomar a tempe- ratura: você é aconselhada a fazê -lo por alguns minutos cada manhã depois de pelo menos três horas de sono e antes de sair da cama, comer ou beber. Isso pode ser pesado e aborre- cido, e pode ser impossível no caso de uma mãe que tem que atender as crianças que acordam durante a noite. Ainda quando a medida de temperatura está combinada com a percepção do muco, o resultado não é sempre satis- fatório. Isso porque a elevação da temperatura pode ocorrer

durante vários dias depois de você ver ou sentir o muco fértil. Assim é que o gráfico da temperatura pode causar confusão

e pode distrair a atenção do muco, que é o indicador mais

confiável a respeito do estado da sua fertilidade. Em circunstâncias normais, a tomada rotineira da tempera- tura não é indicada. Contudo, a medida de temperatura pode ser de valor quando nenhum padrão reconhecível de muco aparece (por exemplo, no caso de um defeito na cérvix ou quando o muco está temporariamente escurecido por um cor- rimento errante), no caso em que a ovulação está ocorrendo. Quando uma mulher está tentando conceber e não reco- nhece um padrão de bom muco, uma elevação de temperatu- ra basal do corpo lhe indicaria que está ovulando e que deve investigar mais o assunto.

P. P.osso ovular sem produzir nenhum muco fértil?

R. É possível, sim. O ciclo então será infértil, porque

a capacidade dos espermatozoides para fertilizar diminui

rapidamente sem o muco fértil. Estudos clínicos mostram que essa situação ocorre em algumas mulheres que têm di- ficuldade em conceber. O problema está recebendo intensa investigação.

69

Não é incomum que uma mulher jovem experimente oca- sionalmente um ciclo sem muco. A ocorrência de ciclos infér- teis é mais comum nas mulheres pré-menopáusicas, quando a cérvix se torna não responsável por aumento de hormônios. Isso é uma das razões para a diminuição da fertilidade.

P. Acho o coito doloroso e incômodo e uso lubrificante para

ajudar a superar esse problema. Enquanto quero conceber, é aconselhável o uso deles?

R. Lubrificantes artificiais amiúde contêm químicos que

matam as células reprodutoras masculinas ou tornam -lhes prejudicial o ambiente na vagina. Assim, é melhor evitar o uso de lubrificantes artificiais se você quiser um nenê. Aliás, os lubrificantes são propensos a escurecer o muco fértil pela sua umidade artificial. Assim torna-se mais difícil escolher o tempo de coito para coincidir com seu Ápice de fertilidade. Se está desejosa de conceber, deve poder reco - nhecer quando seu muco é filamentoso e lubrificante, como a clara de ovo cru, e assim saber que está na época de máxima fertilidade.

P. Tive três filhos em rápida sucessão, sem notar uma

menstruação nesse tempo. O Método da Ovulação pode aju-

dar-me a saber quando volta a fertilidade to de um filho?

depois do nascimen -

R. Pode, sim. A percepção do seu muco lhe ajudaria a reconhecer quando sua fertilidade volta após dar a luz. Se- guindo as normas do Método da Ovulação, você e seu esposo poderão espaçar seus filhos como vocês quiserem. O nascimento de seus filhos bem próximos indica que concebeu durante seu primeiro ciclo fértil depois de dar à luz.

70

P. Estou amamentando e não tive períodos ainda; por isso

estou confiando nas mudanças do muco para avisar-me de mi- nha primeira ovulação. Contudo, parece que estou produzindo muco úmido todo o tempo. Isso quer dizer que já estou fértil?

R. Se seu muco é continuamente úmido e tem ficado igual dia após dia por duas semanas ou mais, isso é seu PBI (Padrão Básico de Infertilidade) e indica infertilidade. Tão logo haja qualquer mudança dessa situação constante, você saberá que os níveis dos seus hormônios estão subindo. Os estrógenos .flutuam por um mês ou dois antes da primeira ovulação e menstruação. A volta de fertilidade depende mui- to da idade e dos hábitos do seu nenê. Se desejar evitar a gravidez, aplique as "normas dos pri- meiros dias''. Se seu padrão de muco muda frequentemen - te, assim causando confusão, adie as relações sexuais até o quarto dia depois do Ápice. Uma instrutora experimentada no Método da Ovulação é a melhor pessoa para guiá-la nesse tempo de ajuste hormonal. Quando está se preparando para uma experiência agradá- vel e com êxito na amamentação da sua criança, é muito im- portante entender a infertilidade associada com esse tempo. Se for necessário um período temporário sem coito quando sua fertilidade está voltando, os casais podem evitar a frustra- ção discutindo antecipadamente essa possibilidade.

P. Depois do nascimento da minha filha, notei que as

menstruações começaram aproximadamente uma semana após a ovulação, segundo as indicações do muco fértil e do dia Ápice. Esse seria um ciclo fértil?

R. O ciclo não é fértil se a menstruação começa menos de dez dias após a ovulação. Essa situação é comum duran- te e após a lactação e é devida aos efeitos do "hormônio do leite", prolactina. Um intervalo mais curto entre a ovulação e

71

a menstruação pode ocorrer também quando você se aproxi- mar da menopausa.

P. Meus períodos menstruais vêm apenas cada poucos me -

ses agora que tenho quarenta e três anos de idade. Que deveria fazer para evitar a gravidez?

R. Se não tem período menstrual frequente, então tam- bém não está ovulando com frequência; ou pode ser que nem esteja ovulando. Você pode confiar no muco cervical para lhe informar da possível fertilidade. Estando alerta às mudanças do muco e seguindo as normas do método, você pode evitar uma gra- videz. Depois de ler este livro, registre seu muco por um mês enquanto evita o coito, para assegurar um claro reconheci- mento do seu padrão de muco. Tipicamente, o padrão na pré- -menopausa é de longas fases de infertilidade interrompidas com episódios ocasionais de possível fertilidade. O reconhecimento de infertilidade é de máxima importância. Uma instrutora experiente no Método da Ovulação a aju- dará a passar por essa fase da sua vida reprodutiva, se estiver com dificuldades. Ela poderá dar-lhe informação sobre como superar qualquer problema; soluções para esses problemas usualmente não são difíceis.

P. Tenho quarenta e seis anos de idade e meus ciclos são

muito irregulares. Estou preocupada a respeito de gravidez, embora meu médico não aconselhe a pílula porque sofro de hi- pertensão. Eu poderia usar o Método Billings?

Pode, sim; o Método da Ovulação é de grande ajuda

em situações tais como a sua. Após a idade de quarenta, a fertilidade diminui substancialmente e os ciclos se tornam ir- regulares enquanto os hormônios flutuam.

R.

72

Registrando seu muco, verá que, apesar de seus períodos continuarem, você está ovulando raramente e que está quase sempre infértil. Assim, você precisa reconhecer a infertilidade. Esse positi- vo reconhecimento de infertilidade é um elemento do Méto- do da Ovulação não oferecido pelos outros métodos naturais tais como o Ritmo ("tabelinha") e o Método da Temperatura.

Depois de registrar por um mês, poderia reconhecer quando está infértil. Qualquer mudança no muco sugere possível fertilidade. Não há necessidade para ansiedade sobre a pergunta se já chegou à menopausa. Tudo o que tem que reconhecer são as mudanças no padrão de infertilidade. Às vezes virão dias de muco para lhe recordar que sua fertilidade ainda está flutuando.

P. Pesquisas do Método da Ovulação indicam uma "efi -

cácia do método" entre 97 e 99 por cento. O que significa isso?

R. Esses índices baseiam-se em um número de pesquisas

em várias partes do mundo (veja capítulo 16). Indicam que se cem casais usarem o método de acordo com as normas durante um ano, uma a três gestações poderão ocorrer. Não sabemos por que isso acontece, mas estudos estão continuan- do para investigá-lo.

A eficácia desse método compara-se muito bem com a de outros métodos: a pílula (99 por cento), a minipílula (96 por cento), DIU (94 a 96 por cento), Ritmo ou "tabelinha'' (53 a 86 por cento).

P. A taxa atual de gravidez em algumas

pesquisas do Mé -

todo de Ovulação éde cerca de 20 por cento. Por que isso?

73

R. A grande maioria das gestações ocorre quando reco -

nhecidamente os casais não observam as normas do método. Isso se dá porque eles não estão bem definidos com respeito ao desejo de ter ou não filhos. Outras razões existem que são muito complexas e pessoais. Os casais estão livres para usar o método como quiserem.

Uma minoria das gestações resultam de ensino inade- quado; outras, quando os casais interpretam mal o muco. A gravidez é extremamente rara entre os casais que cooperam entre si e que estão bem informados sobre o método e moti- vados para que ele funcione.

P. A expressão "taxa de continuação" é mencionada mui-

tas vezes nas discussões acerca de métodos de controle da ferti - lidade. O que é?

R. Estatisticamente a frase se refere à porcentagem das

pessoas que ainda usam um método mesmo depois de um tempo determinado. A taxa de continuação pelo Método da

Ovulação era 98 por cento após quatro anos num estudo em Melbourne (Austrália) com mulheres pré-menopáusicas, 3 80 por cento após um ano na Índia, 4 99 por cento após um ano em outro estudo na Índia, 5 e 70 por cento após dois anos em

uma pesquisa nos Estados Unidos. 6

P. Existem ou são disponíveis alguns aparelhos para regis-

trar se a ovulação está iminente ou se já ocorreu?

R. O Professor J. B. Brown, da Universidade de Mel -

bourne, está desenvolvendo um equipamento simples de teste para indicar quando a ovulação está próxima, e depois para confirmá-la.

Os níveis hormonais básicos para essa prova foram deter- minados com a cooperação de um grupo de mulheres, das quais a maioria são instrutoras do Método da Ovulação.

74

As fases de infertilidade e de fertilidade, julgadas pelas mucanças no muco, foram correlacionadas com análises hor- monais.

O equipamento de teste será de valor especial para confir-

mar o ponto de mudança quando alguma anormalidade, tal como dano cervical ou uma infecção, altera o padrão típico. Também ajudaria as mulheres que estão com qualquer dúvi- da acerca do significado do seu muco, e por isso será um sub- sídio confiável no ensinamento. Não seria necessário utilizá-

-lo mais do que uma ou duas vezes num ciclo.

O equipamento simples de teste será de grande valor para

fornecer uma demonstração rápida e fácil da mudança do Padrão Básico de Infertilidade à fertilidade, e proverá mais

evidência do relacionamento entre as características do muco e a sobrevivência dos espermatozoides. Outros pesquisadores, em várias partes do mundo, estão investigando o uso de sistemas como papel de teste, para me- dir os níveis dos vários hormônios, a viscosidade do muco, substâncias na saliva, ou químicas no muco cervical, assim indicando o estado de fertilidade.

A busca minuciosa também está continuando para de-

senvolver aparelhos que predizem a ovulação medindo, por exemplo, mudanças na quantidade do sangue vaginal ou car- gas elétricas do corpo. Essas pesquisas necessitarão investiga- ção completa e comprovação cuidadosa.

Para a maioria das mulheres, sua observação do próprio muco é um simples e confiável indicador de sua fertilidade; nao precisam de nenhum aparelho.

75

8

Aprendendo sobre fertilidade na adolescência

Quando uma menina nasce, cada um de seus ovários con- tém mais ou menos meio milhão de folículos que são esferas de células contendo todos os óvulos que serão soltos durante sua vida fértil. Apenas trezentos a quinhentos deles se desenvolverão em óvulos maduros. Outros folículos degeneram antes do desen- volvimento, muitos antes da puberdade.

Cada moça tem seu próprio "relógio biológico", localizado no cérebro, que inicia seus ciclos menstruais. Na puberdade, geralmente entre a idade de 11 e 14 anos em moças, a glându - la pituitária localizada na base do cérebro, influenciada pelo "relógio", manda sinais aos ovários para começarem a pro- dução do hormônio estradiol, em quantidade suficiente para causar engrandecimento dos seios, maturação dos órgãos se- xuais e mudanças emocionais. Ocorrem mudanças também no útero, o que torna possível a menstruação.

O início dos períodos menstruais se chama menarca, que

usualmente ocorre por volta dos 13 anos de idade, ainda que

possa ocorrer cedo, como 9 anos ou tarde, como 17 anos.

O primeiro ano ou segundo é um tempo de irregularidade

menstrual para quase todas as moças; mas então o ciclo chega a um padrão (usualmente de vinte e três a trinta e cinco dias)

76

desde o começo do sangramento até o último dia antes do co-

próximo período. Essa fase da flutuação de hormô -

nios tem influência importante nos processos de crescimento e na futura reprodução. Irregularidades naturais do tamanho do ciclo não devem sob nenhum pretexto ser manipuladas pela pílula e outros hormônios no esforço de promover regu- laridade. As mulheres podem ser bem saudáveis e ter ciclos irregulares durante toda sua vida reprodutiva; nenhum trata-

mento é necessário. Muitas moças não ovulam durante o primeiro ano, mais ou menos, depois do começo da menstruação; isto é, seus ovários não soltam um óvulo pronto para fertilização e uma possível gravidez. Os hormônios estão preparando o sistema reprodutor, capacitando-o para ser fertilizado mais tarde.

Assim, no início, os sinais da fertilidade podem não estar presentes. Sabendo acerca das mudanças no muco que avi- sam do desenvolvimento da fertilidade do corpo, ela poderá reconhecê-la quando chegar. No princípio haverá presença de muco pegajoso ou flocoso vindo da vagina. Gradualmente, durante vários meses o padrão cíclico do muco liso e disten- sível será notado. (Veja capítulo 4 onde o muco está descrito em detalhes.) Com a ovulação, o segundo hormônio do ovário, proges- terona, começa a influir, produzindo uma mudança do pa- drão de muco fértil. Às vezes, quando começa a ovulação, as menstruações podem ser incômodas, até dolorosas. Tratamentos com hor- mônios para parar a ovulação terminarão com o incômodo, mas sabe-se que tal tratamento também tem efeitos perigosos

estendendo -se ao futuro. Um dos piores é o

de, tanto que sua capacidade para ter um filho pode ser atin- gida. Outros tratamentos contra a dor estão disponíveis e não

são nocivos.

77

meço do

dano à fertilida-

É importante entender claramente os sinais de fertilidade. Tal compreensão é saudável e útil durante toda a vida. Tam- bém uma mulher se sente bem podendo estar em sintonia com os ritmos do seu corpo. Além disso, é conveniente poder prever a data do sangramento menstrual. Ademais é impor- tante saber que o muco fértil não é uma enfermidade que re- queira tratamento: é um sinal normal e saudável.

Os primeiros quatro capítulos deste livro explicam o ci- clo menstrual e descrevem como você pode desenvolver sua percepção do tempo fértil, entendendo os sinais do muco. O muco não somente dá o sinal, mas também é importan- tíssimo na fertilidade, porque ele é essencial para manter a vitalidade dos espermatozoides. O muco fértil é tão favorá- vel aos espermatozoides, que eles podem viajar através dele para dentro do corpo, alcançar o óvulo e fertilizá-lo, mesmo no caso de contato sexual íntimo sem coito. Tudo isso pode acontecer quando o muco está presente na superfície do cor- po fora da vagina.

Não confie o registro do seu muco à memória. É funda- mental manter um gráfico quando está aprendendo acerca de sua fertilidade. Contudo, cada pessoa é um pouco diferente, e seu padrão pode aparecer um pouco diferente também.

Lembre-se que a ovulação ocorre cerca de quatorze dias (com variações de dez a dezesseis dias) antes de seu período menstrual e será indicada com antecipação pelo muco. Al- gumas mulheres foram induzidas a crer que a ovulação sem- pre ocorre no meio do ciclo. Embora isso possa ser verdade num ciclo de vinte e oito dias, não é assim num ciclo curto de dezoito dias, por exemplo (quando a ovulação pode ocor- rer perto do dia quatro, talvez antes do fim da menstruação); tampouco num ciclo longo de trinta e cinco dias, por exem- plo (quando a ovulação ocorreria aproximadamente no dia vinte e um).

78

ovulação ocorreria aproximadamente no dia vinte e um). 78 DIAS MENSTRUAÇÃO POSSIVELMENTE FÉRTEIS ÚLTIMOS DIAS
ovulação ocorreria aproximadamente no dia vinte e um). 78 DIAS MENSTRUAÇÃO POSSIVELMENTE FÉRTEIS ÚLTIMOS DIAS
DIAS MENSTRUAÇÃO POSSIVELMENTE FÉRTEIS ÚLTIMOS DIAS INFÉRTEIS
DIAS
MENSTRUAÇÃO
POSSIVELMENTE
FÉRTEIS
ÚLTIMOS DIAS
INFÉRTEIS

O CICLO MENSTRUAL

O padrão mucoso de fertilidade e infertilidade

CÓDIGO DE CORES DOS GRÁFICOS

1

D

algum sangramento

muco, tipo

possivelmente

fértil

1\71 ápice: máxima

~fertilidade

padrão infértil

de secura

D

padrão infértil

de muco

Selos com números 1, 2, 3 são dias de possível ferti lidade

Primeiro registro de ciclo   10 1 11 1 12 1 13 1 14 1

Primeiro registro de ciclo

 

10

1

11

1

12

1

13

1

14

1 15

1

16

1

17

1

18

1

19

1

20

1

21

1 22

1

23

1

24

1

25

1

26

1

27

1

28

1 29

00

o

"O

1 o

                     

o

00

           
 

o

3

o

"O

o

8 ~

[

 

1

8 :!;!

.,,.

.,,.

[ o

o

"O

 

 

111

'5

liso

1l.

 

5

   

o

10 11 1 13 1 14 1 15 1 16 1 17 1 18 1
10
11
1
13
1 14
1 15
1 16
1 17
1 18
1 19
1 20
1
21
1 22
1
23
1
24
1
25
1
26
1
27
1
28
2 .,
3

Figura 1(c) Aplicando as normas ao ciclo

Menstruação

PBI

::g,';ó~~iEX1 ~ INFÉRTIL óvulo morto após 3° dia aumentam)
::g,';ó~~iEX1
~
INFÉRTIL
óvulo morto após 3° dia
aumentam)

(:~:ó~ 1 :n~~

(:~:ó~ 1 :n~~ 1 2 3

1

2

3

+--- REGRAS DOS

-~

PRIMEIROS DIAS

ÁPICE

+------

REGRA DO ÁPICE APLICA-SE

11 1 12 1 13 1 14 1 15 1 16
11
1 12
1 13
1 14
1 15
1 16

GRÁFICOS:

ALGUNS EXEMPLOS COMUNS

Figura 1(a)

Registre o que você vê e sente:

vermelho = sangue; verde = secura;

branco= qualquer muco. Tente identificar

Primeiro registro de um ciclo.

o Ápice (X).

Figura (b) Registre com selo amarelo

muco após o Ápice.

Figura 1(c) Refere-se ao Capítulo 6 onde

se explicam as normas.

Figura 2

dia 5. O coito deve ser evitado em todos os dias de sangue porque a ovulação pode

ocorrer cedo.

Um c iclo curto com o Ápice no

Figura 3 Um ciclo longo com o Ápice no dia 23. Cuidadosa marcação após o presumido Ápice, porque às vezes as

ca

ra cterísticas de fertilidade voltam.

Figura 4

O efeito de coito no muco. Note o

efeito do fluido seminal no dia após o coito, e aplicação das regras dos primeiros dias

(capítulo 6).

Desde três dias após o Ápice todos os dias

estão disponíveis para rela ções sexuais.

10 1 11 1 12 1 13 1 14 1 15 1 16 1 17
10
1
11
1 12
1 13
1 14
1 15
1
16
1 17
1
18
1 19
1 20
1 21
1 22
1 23
1 24
1 25
1 26
1 27
1 28
1 29
1 30
1 31
1 32
1 33
1 34
1 35
1 36
o
~
1l
2
3
"f ~-~~-'-'---' ~
~
-~
1
~
~
g
g-
liso
seco
liso
~
"
'
~~

-~-------- - ---

O efeito do coito no muco 10 _11 12 1 13 1 14 1 15
O efeito do coito no muco
10
_11
12
1 13
1 14
1 15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
1
25
26
27
28
1
c
e
e
~
o
o
-~
"O
~
1l.
:~
10 11 13 1 14 1 15 16 17 18 19 20 21 22 23
10
11
13
1
14
1 15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
1
1
o
~
o
o o
o
8
"O
~I~
" "
"--- -'--~~-
,~
:Q
~
~
:~
5
.5
i'l.
liso
'L- pegajoso
~
o
:~ 5 .5 .§ .§ i'l. liso 'L- pegajoso ~ o 10 1 11 12 1

10

1 11

12

1 13

1 14

1 15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

1

25

26

27

28

       

e

e

                         

10

1 11

1

12

1

13

1

14

1 15

1 16

1

17

1

18

1

19

1

20

1

21

1 22

1

23

1

24

1 25

1 26

1

27

10 1 11 1 12 1 13 1 14 1 15 1 16 1 17 1
                                   
                Figura 5 Muco contínuo. Quando o muco é
                Figura 5 Muco contínuo. Quando o muco é

Figura 5 Muco contínuo. Quando o muco é contínuo, possivelmente se precisaria

de vários ciclos para identificar o ponto de

mudança do muco infértil para muco fértil.

Neste ciclo , uma mudança na sensação

(dia 8) marca o começo da fase fértil.

Figura 6(a) Dois ciclos inférteis. Análises

hormonais confirmam a ovulação (d ia

14/15) em ambos os ciclos, mas o coito

nessa época não conseguiu a concepção para estas duas mulheres. Nenhum muco

ocorreu em 6(a); muco foi constante em 6(b), mas faltaram características férteis .

Figura 7

dias alternados para o coito facilitou a este casa l reconhecer o início da fase fértil. (Isto

é importante se há pouco muco) . O casa l

então utilizou vários dias para o coito para conseguir gravidez.

Gravidez conseguida. O uso de

Figura 8

no dia 9 avisou esta mulher da possibi- lidade de um atraso na sua ovulação. O casal utilizou as "Normas dos Primeiros

Dias" durante o ciclo inteiro, porque não houve um Ápice identificável.

Um ciclo sob stress. Perturbação

Gravidez conseguida 10 1 11 1 12 1 13 1 14 1 15 1 16
Gravidez conseguida
10 1
11
1 12
1 13
1 14
1 15
1 16
1 17
1 18
1 19
1 20
1
21 1 22
1 23
1 24
1 25
1 26
1 27
1
28 1 29
00
o
o
1
00
o
o
o
o 1.g[.02
~
1 ~-~
~
·~
I
~
"O
"O
I~
I
,§ .§~ .§~
:~
:~
úmido
:~~
Um ciclo com perturbação (stress)
e
o
o
o
o
2
3
3
-~
~ .§
~ I
"
úmido
pouco
;;;
1l.
úmido

2

3

4

5

6

Figura 9 Ciclos mostrando a volta à fertilidade após a pílula 2 1 3 1
Figura 9
Ciclos mostrando a volta à fertilidade após a pílula
2
1 3
1 4
1 5
1 6
1 7
1 8
1 9
110
1 11
112
l 13
l 14
115
l 16
l 17
118
119
120
121
1221231241251261271281291301 31
1 32
1 33
1 34
135
~~
u·~I
1
1
1
1
1
1
1
1
l_J_I---1-i-t--t-r
1
1
1
1
1
1
1
1
1 1
1
1 1
1
1
1
1
1
1
e.
flocoso
flocoso
eg
floc~so1
1 1 P~I1
1 1~·11
I
1
1
1
1
J
1
1
Pbl
1
1
1
1
1 1
1 1
1
1
1
1
1
Padrão
básico
infértil
1
1
1
1 '' 'W
~!
f
.f/
PSI
1 1 pegajos:
1
1
1
1
PSI
PSI
dor
pegajoso
PSI
dor
PSI
pegajoso
o
"O
.E
·::>
PSI
t
pegajoso
~

Figura 9 Depois de deixar a pilula no primeiro ciclo de aprendizagem esta mulher registrou suas observações com selos brancos. Depois da sua pri- meira menstruação ela pode reconhecer seu Padrão Básico de Infertilidade

de muco (veja capítulo 6) e registrou estes dias com selos amarelos. Então usou selos brancos para indicar possível fertilidade quando qualquer mu- dança no muco apareceu. Ela ovulou no último ciclo .

~~~ ~ ~ ~ ~ ~~ ~ ~ - ~~~~~~~~~~~~~~~ ~~ ~~ ~~ ~ ~~ ·

2

3

4

5

6

Figura 10 Distúrbios no ciclo normal devidos a um quisto ovariano 9 l 10 l
Figura 10
Distúrbios no ciclo normal devidos a um quisto ovariano
9
l 10 l 11
l 12 l 13 l 14 l 15 l 16 l 17
~I~
•::J
•::J
o
o
o
"O
"O
.E "O
E
E
·::i
'• :J
•:J
1
l
~
~
f
1
t---+---+---1 tn1
1
1
úmido
o
~I~
·:::::i.
ü
e lºIº
0:2:20
:!2
E
E
cn
E
·:o
·:o
1 =
u
pegajoso
· :O
o
opaco

Figura 10 Um ciclo anormal - um quisto ovariano . A primeira linha mostra o padrão normal desta mulher. Então ocorreu um ciclo longo (linhas 2 a 4 ), complicado com manchas de sangue , um padrão anormal de sangue , um padrão anormal de muco e sangramento que ela reconheceu como diferente de sua menstruação normal. Esta mudança do normal alertou a mulher para

procurar um médico . Um quisto ovariano foi diagnosticado e então extraido (linha 4). O padrão melhorou imediatamente, mas nenhum Ápice apareceu no próximo ciclo. Embora um padrão de possível fertilidade tenha sido re- gistrado no último ciclo (linha 6), a volta à fertilidade demorou até o seguinte ciclo , quando ocorreu gravidez como o casal desejava.

2

3

4

5

6

Figura 11 Amamentação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
Figura 11
Amamentação
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
.,
·~""·li--'•·
·-
e
uma colherinha
'
'
·e
·,:
H
1>'
.
.
_,
de cereal
e
'
e
e
e
e
e
e
e
"
1
2
3
"
menos um período de
amamentação; sólidos
aumentados
e
e
e
'a
1
2
3
menos dois períodos de
amamentação; sólidos
menos outra mamatjla
Fim da amamentação
aumentados
."'.·: _
,-,
e
l
c,
.
IX
1
f;~
i?:
1
2
3 !'.:_-~
1
2
3
2
3
-
e~
,:'
'
X1
_çf;
?~
1r2
~'if,:
I(~
l"'k
'
.
2
3

Figura 11 A amamentação - Este é o gráfico de uma mulher que aprendeu o método enquanto amamentava seu nenê de três meses. Duas semanas de registro, e sem relações sexuais , fo i tempo suficiente para determinar um padrão de contínua secura (selo verde), muco com características sem mudança foi registrado com o selo amarelo. Todos os dias após o coito fo-

ram registrados com selo branco. Quando o padrão mudou (linha 3) com um sangramento e cinco dias de muco, tipo fértil, o coito foi adiado até três dias após a volta do Padrão Básico de Infertilidade. O Ápice foi reconhecido {linha 5), indicando a volta da fertilidade. (Veja cap . 10 para as normas do método durante a amamentação).

-~~~~~~

~~~ ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

2

3

4

5

6

7

8

9

14 l 15 l 16 117 118 l 19 1201 21 122 1 23124 1
14 l 15 l 16 117 118 l 19 1201
21 122 1 23124 1 25 126 1 27 1281291
30 131
132 133 134 135
2
1
1
2
1
2
1
3
1
2
3
1
2
3
3
2
1
3
2
3
2
2
2
3
2
2
1
3

Figura 12 Na menopausa - Quando uma mulher está se aproximando

da menopausa, seu padrão normal muda, chegando finalmente á inferti-

lidade. Esta mulher experimentou

irregularidade , sangramen to menstrual

prolongado (ciclos 6 e 7), um curto interva lo entre o Áp ice e a menstruação

(ciclo 6) e sangramento pré-ovulatório (ciclo 7). Seguindo as normas do método, resumido nos capítulos 6 e 11, esta mulher pôde avaliar seus dias inférteis e possivelmente férteis. Após o ciclo 9 ela reconheceu infertilidade continua.

1. Muco pré-ovul atório não se distende; rom pe-se 2. Muco distens ível tipo fé

1. Muco pré-ovul atório não se distende; rom pe-se

2. Muco distens ível tipo fé rtil

se distende; rom pe-se 2. Muco distens ível tipo fé rtil 3. Muco claro , ti

3. Muco claro , ti po fértil , perto do Áp ice

4. Muco após o Áp ice

A CHAVE DO CONTROLE DA FERTILIDADE: O MUCO

.

As fotos acima mostram exemplos do muco de uma mulher. Seu próprio muco possivelmente aparecerá um pouco diferente, mas você reconhecerá depressa o que é fértil e o que é infért il.

O muco e as normas para o método são descritos nos capítulos 4, 5 e 6. Enquanto valem as observações visuais, deve-se também levar em conta a sensação produzida pelo muco . Alta fertilidade é indicada pela sensação lubrifi- cante que pode durar um dia ou dois depois do muco perder sua qualidade distensível.

Na mesma mulher o tempo da ovulação pode variar nota-

velmente de ciclo a ciclo. Por isso, é importante que você pos- sa determinar, pela observação do muco, quando você está ovulando em cada ciclo, sem levar em conta se a ovulação

ocorre no mesmo tempo cada mês.

O sistema reprodutor feminino amadurece lentamente

durante vários anos. Uma mulher jovem deve considerar os riscos à saúde provocados por precoce atividade sexual. Já se sabe que o risco de câncer da cérvix é mais alto entre as mu- lheres que iniciam relações sexuais numa idade precoce e que têm mais do que um parceiro sexual. 1

A fertilidade, no futuro, pode ser prejudicada por uma

enfermidade venérea, especialmente gonorreia, se esta não for diagnosticada e tratada cedo. 2 Ao aparecerem os sintomas ou mesmo severa enfermidade, a delicada camada interior das trompas de Falópio pode já estar danificada, impedindo o transporte dos espermatozoides e óvulo, ou levando o ovo (óvulo fertilizado) à implantar-se na trompa ao invés de no

útero. Dano às trompas causado por enfermidade venérea não pode ser reparado. Muitas pessoas pensam que a enfer- midade venérea é coisa de pouca importância e é facilmente curável. A verdade é que várias enfermidades sérias com- põem o grupo e algumas delas não se podem curar facilmente porque os remédios conhecidos são cada vez menos eficazes no tratamento delas.

Se você estiver comprometida num relacionamento se -

xual, o maior problema a enfrentar poderia provir-lhe de uma gravidez. Cada ato de coito na fase fértil leva a possibilidade de uma gravidez. Assim é que a possibilidade de conceber um nenê tem que ser considerada com muito cuidado, se a

perspectiva do coito se apresentar. Algumas das informações dadas a adolescentes enfoca métodos de contracepção, sem mencionar que o maior e mais seguro método de evitar a gravidez é a abstinência.

87

Se uma gravidez ocorrer e se pensar em aborto, vale a pena considerar que o dano à cérvix no processo de aborto pode incapacitá-la para levar ao fim uma gravidez posterior. Mesmo depois de superar os perigos de um aborto, frequen - temente se precisa de apoio e conselho para se recuperar dessa experiência e para encarar o futuro com realismo e esperança. É muito importante pensar a respeito das possíveis con- sequências desses problemas agora. Parece que muitas jovens entendem sua responsabilidade pelo próprio corpo e pelo que a ele acontece. Essas jovens têm o direito de esperar que um dia encontrem um companheiro que pense e tenha ambições como elas, em vez de ceder às pressões para aceitar ideias de outras pessoas sobre quando deve começar a atividade sexual. Se quiser, ponha -se em contato com um centro de ensina - mento perto de você. No Brasil, pode-se pedir o endereço de um centro de treino ou de uma instrutora experiente e perto a você ao: CENPLAFAM.

CENPLAFAM (Confederação Nacional de Centros de Planejamento Natural da Família) Av. Bernardino de Campos, 110 Conj. 12, 1º andar 04004-040 São Paulo - SP

Os conselhos de uma instrutora experiente no Método da Ovulação a ajudarão a interpretar seu padrão de muco. Go - zará dessa experiência de reconhecer em si mesma o tesouro da sua fertilidade.

88

9

Deixando a pílula

Deixar a pílula pode levar você a uma nova fase do seu re- lacionamento. Muitos casais que estão adiando ou espaçando a família, e que estão usando a pílula para controlar sua fer- tilidade, encontram-se numa situação em que nem falam de anticoncepção. Há uma tendência em assumir que a mulher continuará a se responsabilizar pelo controle da natalidade e a carregar sozinha o peso dele na sua saúde. O que inicialmen- te entendiam como uma medida contraceptiva temporária, tende às vezes a se tornar um hábito arraigado, de tal forma que decisões a longo prazo acerca de controle da natalidade podem ser prolongadas indefinidamente. Essa situação pode gerar infelicidade e ressentimento, es- pecialmente entre as mulheres cuja saúde piorou com o uso da pílula. Em tal caso, a mulher que sofre efeitos colaterais da pílula amiúde responde positivamente bem quando aprende o Método da Ovulação, e seu marido fica muito contente por- que ela está novamente em bom estado de saúde e de espírito. Se o homem admitir que uma parte da responsabilidade pelo controle de natalidade cabe a ele, usualmente ele coo- pera e aceita os dias sem coito necessários para o sucesso no uso do método.

O primeiro passo

Se você decidiu usar o Método da Ovulação, o primeiro passo é abandonar a pílula. Não tem que esperar até terminar

89

quanto mais cedo a abando-

na, mais cedo pode registrar seu padrão de muco. Não adian-

ta tentar aprender o método enquanto está tomando a pílula, porque os hormônios sintéticos da pílula alteram o padrão de muco.

Não precisa esperar até você ficar menstruada ou ovular, nem que seus ciclos voltem à regularidade que tinham antes do uso da pílula. Ademais, irregularidade dos ciclos antes do uso da pílula não é um problema, porque você vai aprender a julgar sua fertilidade agora ciclo por ciclo.

a série atual de comprimidos

Mantendo seu gráfico

Precisará manter um registro diário do seu muco, du- rante um mês, enquanto evita relações sexuais e todo con- tato genital. Isso lhe assegurará que o padrão do muco não será confundido com fluido seminal ou pelas secreções va- ginais associadas com o coito. Um mês basta para obter a informação necessária para aplicar o método, tenha volta- do ou não sua fertilidade, tenha vindo ou não seu período menstrual.

O aparecimento do muco lhe indicará se você está fértil ou infértil. (Um gráfico de uma mulher que deixou a pílula está demonstrado na figura 9, p. 84) .

O que esperar depois de deixar a pt1ula

Dentro de poucos dias depois de abandonar a pílula, você terá seu sangramento como ordinariamente tem após cada série de pílulas (sangramento de afastamento). Isto é devido à remoção rápida dos hormônios sintéticos da pílula.

90

A camada interior do útero cresce em resposta aos hor- mônios sintéticos e geralmente derrama-se quando eles estão descontínuos.

O próximo sangramento pode acontecer um mês depois. Contudo, nem todas as mulheres menstruam tão cedo. Es - tudos mostram que, depois do sangramento de afastamento inicial, 30 por cento das mulheres tipicamente menstruam dentro de trinta dias, outros 60 por cento dentro de sessenta dias, outros 8 por cento entre dois a seis meses, e 2 por cento menstruam só depois de seis meses. 1 Não há uma maneira de predizer quanto tempo necessita

o corpo de uma mulher em particular para voltar à norma- lidade e para reassumir os ciclos ovulatórios. Geralmente a ovulação volta depois de uns poucos ciclos. Mas algumas mu- lheres ovulam no primeiro ciclo depois de deixar a pílula, por isso é necessário estar alerta aos sinais de fertilidade durante esse primeiro mês. Demoras prolongadas na ovulação acontecem mais co- mumente entre mulheres jovens que usaram a pílula e aquelas que tiveram períodos irregulares antes de começarem a tomar

a pílula. Ainda que essa situação anovulatória não constitua

perigo para a saúde, ela torna impossível a concepção e im- plica um significativo problema metabólico. Tratamento com remédios para a fertilidade às vezes tem sucesso em reiniciar

a ovulação e a menstruação, e cerca de 50 por cento das mu -

consta no capítulo

12, é prudente permitir o correr de doze meses de espera para

lheres concebem após tratamento. 2 Como

o recomeço dos ciclos naturais antes de considerar o uso de remédios para a fertilidade.

91

O muco após deixar a pílula

O tipo de pílula que você estava usando afetará o padrão de muco que você vai ver. Provavelmente durante o primeiro mês de registro você reconhecerá um padrão de muco que indica infertilidade.

Esse padrão infértil será de um dos dois tipos. Ou não verá nenhum muco e experimentará secura, ou terá um muco que é constante e sem mudanças, que é pegajoso e em pouca quantidade ou é contínuo e úmido e parece leitoso ou aquoso. Diferentes mulheres descrevem esse muco infértil de várias maneiras, mas todas notam que se caracteriza por ser inalte- rável (constante, sem mudanças). Ambas as situações se descrevem como um Padrão Básico de Infertilidade. O primeiro é PBI de secura; o segundo é o PBI de muco. Este muco (ou ausência dele) é o sinal de infer- tilidade; fica igual dia após dia, sem mudança. Algumas mulheres experimentam uma saída úmida que varia significativamente de dia para dia. Em tal caso é acon- selhável ter uma consulta médica, porque esse tipo de muco pode resultar de cérvix danificada que requer tratamento.

A primeira ovulação depois de deixar a pílula

Inicialmente o corpo faz vários esforços para ovular; es- tes são reconhecíveis por uma mudança do Padrão Básico de Infertilidade. Os níveis dos hormônios podem subir e baixar sem atingir o nível necessário à ovulação. Cada subida está associada com uma mudança no muco. A mudança pode tomar a forma de uma alteração na sen- sação ou no aparecimento do muco ou na presença de man- chas de sangue. Você saberá que não ovulou porque de dez a dezesseis dias depois não virá uma menstruação.

92

Porque qualquer dessas mudanças pode levar à ovulação, é importante a observância das normas descritas nas pági- nas seguintes. Amiúde a primeira ovulação depois de deixar a pílula é acompanhada de dor abdominal, de tipo severo em algumas mulheres. Não obstante, a dor não é um confiável indicador de ovulação e não deve ser permitido contradizer os sinais do seu muco. Sendo mais consciente do seu particular padrão de muco, você vai distinguir o muco infértil - seja tipo seco, pegajo- so, escuro, úmido, e sem mudanças dia após dia de qualquer muco que é diferente. Reconhecimento do padrão infértil ini- cial e a abstenção do coito durante, e por três dias depois da mudança no padrão, lhe darão a possibilidade de ver a volta da sua fertilidade sem engravidar. Quase todas as mulheres usando o Método da Ovulação pela primeira vez depois de deixar a pílula necessitariam de uns poucos ciclos normais para poderem reconhecer com confiança o Ápice de sua fer- tilidade. Naturalmente é de grande ajuda, quando se está apren- dendo o método, falar com outras mulheres que o estão usan- do com sucesso.

Pondo o Método em prática

Após manter o registro durante o mês inicial e, se possível, com os ·conselhos de uma instrutora experiente para ajudar você a interpretar seu padrão, você estará em condições de aplicar o método. Eis as normas para evitar gravidez:

Menstruação. - Evite o coito e todo contato genital nos dias de forte sangramento. (O sangramento pode escurecer o muco fértil que pode ocorrer durante a menstruação em ciclos curtos.) Se você não reconhecer o muco fértil e o Ápice

93

antes da menstruação, evrite o coito por três dias após o san- gramento.

O Padrão Básico de Infertilidade. - Durante dias secos ou dias de seu padrão característico de muco infértil, noites alternadas estão disponíveis para relações sexuais. Se a ovu- lação estiver atrasada, você experimentará um longo período durante o qual essas "normas dos primeiros dias" se aplicam. Deixando um intervalo de um dia após o coito você se asse- gura que seu padrão de muco não está escurecido pelo fluido seminal ou pelas secreções vaginais associadas com relações sexuais. O uso da noite para o coito, ao invés do amanhecer ou durante o dia, ajuda você a julgar sua fertilidade com pre- cisão, pelas observações do muco durante o dia.

Alteração do muco. - Em qualquer dia de muco diferente do seu padrão usual infértil, ou quando manchas de sangue ocorrerem, evite o coito então e por três dias depois. Se ne - nhum Ápice foi identificando, continue limitando o coito às noites alternadas.

O Ápice de fertilidade é o último dia de muco com qua- lidades férteis, isto é, muco filamentoso ou lubrificante. No outro dia, começará muco pegajoso ou secura.

Depois de reconhecer o muco tipo

fértil e o Ápice, aguarde um intervalo de três dias. Após isso, o coito durante o dia ou à noite, como for desejado, não apre- senta nenhum risco de gravidez.

Muco fértil e o Ápice. -

É aconse -

lhável evitar a concepção por três ou quatro meses depois de deixar a pílula. 5 Isso porque existe uma tendência para abor- tos espontâneos após o uso de hormônios anticoncepcionais.

Se você está usando o Método para engravidar. -

94

1

I /

Porém, uma gravidez que não aborta geralmente prossegue normal. Suas chances de conseguir engravidar são maiores en- quanto o tempo de coito coincidir com o Ápice de muco fértil.

"Deixei a pílula porque meu esposo e eu queríamos começar uma família. Avisaram-nos para não tentar conceber por alguns meses, para evitar a possibilidade de um aborto. Durante este tempo aprendemos e praticamos o Método Billings. Não vi nenhum muco fértil até dois meses depois de deixar a pílula. Mas quando apareceu, não tive nenhuma dificuldade para reconhecê-lo. Exatamente como esperava, tive minha pri- meira menstruação treze dias depois. Assim minha fertilidade voltou, e eu me senti bastante ani- mada. Não só poderia ter um nenê, mas era agradável saber como funcionou meu corpo."

O Método na balança

Muitas mulheres que deixam a pílula, o fazem depois da idade de trinta e cinco anos, quando aumenta o risco de efei- tos colaterais nocivos. Esses riscos possíveis à saúde incluem trombose, infarte e hipertensão (pp. 167-169). Então os casais podem sentir-se precipitar num dilema quanto '.lº controle da fertilidade. Devem passar a outro mé- todo artificial de anticoncepção que pode alterar as funções e ritmos normais do corpo ou a um método natural que pode

' dar a solução? O propósito de alguns dias de abstinência pode implicar algum reajuste do casal acostumado à pílula. Contudo, o tem- pode abstinência necessária para evitar a gravidez é compen- sado pelos dias de completa liberdade sexual.

95

Deve-se resistir à tentação de aumentar as oportunidades para o coito pelo uso de métodos anticoncepcionais de bar- reira durante a fase fértil em vez de utilizar ao máximo os dias inférteis, especialmente se existir uma razão importante para evitar a gravidez. Qualquer contato genital, se estiverem ou não usando barreiras, confundirá o padrão de muco e au- mentará a possibilidade de uma gravidez no tempo fértil.

Mudando para o Método da Ovulação você terá muitos benefícios para a sua saúde. Durante o mês inicial, ao manter o registro, e nos meses seguintes, você provavelmente notará que as infecções vaginais desaparecerão. Essas comumente estão associadas com o uso da pílula.

Muitas mulheres notam uma alta psicológica e uma ime- diata melhora no seu estado de ânimo. É porque a pílula pode contribuir para irritabilidade, depressão, dor de cabeça e per- da de libido.

É bastante comum ouvir mulheres falarem da sua profun- da satisfação em poder sincronizar-se com seus ciclos pela primeira vez, depois de mudar da pílula para o Método da Ovulação. Entendendo sua fertilidade, armazenam muitas e valiosas informações com respeito ao seu corpo, que lhes ser- virão ao longo da sua vida fértil.

"Dep ois de tomar por seis anos a pílula, tendo ocorrido trombose em minhas pernas, fui insistentemente aconselhada por meu médico a deixar a pílula. Isto nos pôs numa situação difícil, porque muito tempo antes meu marido e eu decidimos que nossa família de três era o limite de nossas possibilidades. A ideia de usar um método não confiável de anticoncepção foi causa de angústia para ambos. Nesse meio tempo ouvi-

96

)

mos falar do Método Billings. Foi difícil no princípio, até ter confiança no reconhecimento de meus sinais de muco. Mas após poucos meses, quando meus ciclos tinham voltado à nor- malidade e eu já tinha confiança na minha habilidade para interpretar meu muco, fiquei muito mais feliz e relaxada do que tinha estado anos a fio."

97

10

Amamentação e o Método da Ovulação (Billings)

A amamentação e o Método da Ovulação são mutuamen-

te recíprocos. A mãe, o pai e a criança, todos se beneficiam.

Após o nascimento do nenê, quase todas as mulheres ex- perimentam um período natural de infertilidade, prolongado por meses ou até anos se a mãe amamenta seu nenê. O plano da natureza parece dar-lhe facilidades para cuidar da nova criança sem ter as ocupações de outra gravidez cedo demais. Mas assim que a necessidade de seu leite diminui, seu corpo responde com a ovulação.

O Método da Ovulação lhe dá o poder de reconhecer os

meses de infertilidade, para que possa gozar de um relacio- namento sexual livre de aparelhos anticoncepcionais e livre de ansiedade acerca dos possíveis efeitos dos hormônios da

pílula em seu leite e em seu nenê.

A ovulação costuma ocorrer antes da primeira menstrua-

ção, por isso é extremamente importante desenvolver tão cedo quanto possível um conhecimento acerca do muco que

é o sinal da ovulação.

Da mesma maneira as mulheres que não estão amamen- tando após o nascimento dos seus nenês ou sofreram um aborto, podem utilizar seus sinais de muco para reconhecer

a mudança desde a infertilidade à fertilidade. A fertilidade

usualmente retorna dentro de seis semanas após o nascimen-

to, se o nenê não está sendo amamentado.

98

"Era um grande alívio estar livre da preocupação acerca de Condons, Diafragmas, DIUs ou Pílula, enquanto meu nenê e eu nos estávamos conhecendo e a família estava fazendo as ne- cessárias adaptações após o nascimento".

"Revisando todos esses meses, gostaria de ter sabido do M.O. (Método da Ovulação), usamos tudo e eu fui infértil todo o tempo".

A amamentação e a pi1ula

Por muitos anos a pílula sob várias formas, incluindo os anticoncepcionais injetáveis, foi administrada a mães ama- mentantes. Pouca consideração foi dada ao possível efeito nocivo dos hormônios artificiais dos anticoncepcionais que podem se transferir aos nenês no leite materno. Contudo, nota -se já uma quebra nessa prática. Isto segue-se de cuidadosos estudos do leite materno que mostram que tanto sua qualidade como sua quantida- de estão aptas a sofrer danos causados pelos medicamentos anticoncepcionais (veja p. 173). Esse dano às vezes força o desmame precoce dos nenês, o que aumenta o risco de in- fecção para eles. Outros medicamentos também podem acarretar dano à qualidade do leite materno. É uma prática saudável evitar qual- quer droga, enquanto for possível, durante a amamentação.

Quanto tempo você estará infértil durante a ama- mentação?

O número de meses em que você estará infértil dependerá de vários fatores, incluindo a demanda do nenê pelo leite ma- terno e s~aprópria constituição física e psciológica.

99

Uma pesquisa com oitenta mães amamentantes mostrou que aquelas que permitem ao nenê depender exclusivamente do leite materno para sua nutrição durante seis meses, e que amamentam parcialmente depois, e que também utilizam o peito como tranquilizante, só estão aptas a ovular doze meses após o nascimento. 1 Na África, a continuação de amamentação das crianças até cerca de cinco anos por curtos tempos durante o dia e à noite ajuda a espaçar os nascimentos naturalmente, no inter- valo de cerca de quatro anos. 2 Outro estudo de mães de quarenta e dois nenês que foram alimentados completamente pela amamentação mostra que nenhuma era fértil (comprovado isso por testes hormonais) até seis meses após o parto. Duas das mães tiveram um san- gramento sem ovulação durante esse tempo. 3 Aliás, se alimentos sólidos estiverem sendo dados dentro dos primeiros meses da vida, ou se as mães estiverem espe- cialmente ansiosas acerca da quantidade do seu leite materno ou se a quantidade diminuir por qualquer razão, a ovulação geralmente ocorre mais cedo.

A chave do sucesso no controle da fertilidade é o não arriscar-se e não deixar nada ao acaso. Observe o seu muco com cuidado e siga as normas do Método da Ovulação.

O que causa a infertilidade durante o período de amamentação?

Os estrógenos estão num nível baixo enquanto você está amamentando. Isto é devido ao efeito do hormônio prolacti- na, que controla a produção do leite materno.

100

Com o passar do tempo, a glândula pituitária na base do cérebro diminui essa produção de prolactina. Gradualmente se reinicia o ciclo hormonal que levará à ovulação. Isso pode ocorrer numa sucessão de começos e paradas umas vezes, como se o corpo estivesse sendo tentado a ovular. Você pode ver as oscilações dos hormônios refletidas nas mudanças do muco. Não presuma que o primeiro sangramento é a mens- truação. Manchas ou um leve sangramento podem resultar de uma subida de estrógenos que coincide com a ovulação e

a volta à fertilidade.

A produção do leite materno

A sucção inicia uma cadeia de acontecimentos reflexos

nas vias nervosas envolvendo o cérebro, a glândula pituária

e os seios. Então o hormônio ocitocina é liberado pela pitui- tária e causa o reflexo da descida do leite. Isso resulta num fluxo do leite do bico quando células especiais ao redor dos duetos do leite se contraem. Vendo ou sentindo o cheiro do

bebê ou pensamento no bebê pode se iniciar esse reflexo bem sensível.

Prolactina, o hormônio que é responsável pela produ- ção contínua do leite, já está funcionando, em união com os estrógenos e a progesterona, causando o crescimento dos tecidos glandulares dos seios, preparando-os para a ama- mentação. Esse hormônio continua operando em resposta

à sucção do nenê.

A habilidade do nenê para sugar se desenvolve ao mesmo

tempo em que os seios estão crescendo durante a gravidez. Fotos de um feto de quatorze semanas mostram amiúde que o nenê está sugando o polegar. Dessa maneira há exercí-

101

cio dos pequenos músculos da face e da boca, e há prática no complexo mecanismo do sugar.

A sucção instantânea e rigorosa do nenê quando amamen-

tado pela primeira vez após o nascimento, frequentemente leva os pais a comentarem que sua criança "sabe o que tem de fazer". De fato, o nenê vem praticando há meses. As mães que pensam que devem desabituar seus nenês de chupar o polegar têm que entender que estão enfrentando um hábito de longo tempo.

Após o parto, se as mães quiserem amamentar, é acon- selhável que elas tenham acesso aos nenês para alimentá- -los segundo sua necessidade . A prática de dar sedativos às mães por um período prolongado para lhe assegurar o sono, com a adição insensata de substitutos ao leite materno no berçário do hospital, tem sido a causa de muitas falhas na amamentação.

A intumescência dos seios com leite, depois de um sono

prolongado, não pode ser esvaziada por um nenê que não tem fome; assim é que logo uma abundância de leite está con- vertida numa quantidade inadequada. Ademais, a produção

do leite está mais ameaçada se a mãe se aflige quando, duran-

te uma prova de amamentação, uma enfermeira lhe conta que

ela não tem suficiente leite.

Uma amiga ou parente pode sugerir, "Por que você se in- comoda?" E'o nenê sai do hospital com mamadeira.

O leite materno é o ideal para as necessidades do nenê.

Nas primeiras mamadas, uma substância chamada de colos- tro é produzida pelos seios. Isso prepara o sistema digesti- vo da criança para o leite que virá mais tarde e fornece an - ticorpos importantes para proteger o nenê contra infecção.

A amamentação ajuda também a proteção da criança contra

alergias às proteínas estranhas nessas primeiras semanas em que o sistema digestivo está vulnerável. Além disso, o colostro

102

beneficia a pele delicada dos bicos, e não deve ser removido com sabonete e água.

Padrões de muco durante a infertilidade

Pela observação cuidadosa você pode aprender a reco- nhecer seu Padrão Básico de Infertilidade enquanto estiver amamentando. Não importa se não usou o Método da Ovulação anterior- mente. Você pode aprender a reconhecer seu padrão de infer- tilidade, observando -se diariamente.

Se estiver infértil, seu padrão pode ser:

• Seco todo o tempo, sem nenhum muco;

• O mesmo tipo de muco dia após dia;

Dias de muco tipo infértil com dias secos intercalados. Neste caso, as características do muco ficam iguais. De- pois de observar durante duas semanas pode-se ver que qual- quer muco que apareça sempre é do mesmo tipo. Ainda que o muco de tipo infértil possa variar de mulher a mulher, a chave para reconhecê-lo é o padrão inalterável dele. Assim é que uma mulher pode notar um fluxo leitoso e úmido cada dia por meses e meses. Outra pode notar muco seco ou pegajoso ou grumoso que se torna habitual, sendo encontrado dia após dia. A percepção disso torna-se roti- neira e mudanças (alterações) podem ser reconhecidas e avaliadas por comparação com o Padrão Básico de Inferti- lidade costumeiro. Durante essa fase prolongada de infertilidade, os casais podem precisar de conselhos para poder conseguir satisfa- ção no coito. Problema comum é o de vagina excessivamen- te seca devido à produção diminuta do muco pela cérvix. Isso pode ser evitado por uma preparação amorosa e sem

103

pressa para o coito, o que permite à vagina produzir secre- ções lubrificantes. Entenda-se que a satisfação física e emocional do coito não depende somente de um nível elevado dos hormônios; compreensão amorosa entre os esposos é sumamente impor- tante. Estão em ação sensíveis reflexos nervosos que depen- dem de excitação tanto emocional como física. Preparação com um altíssimo grau dessa compreensão amorosa é de grande ajuda também para o tempo da meno- pausa, quando uma secura semelhante pode ocorrer. Passar assim com sucesso pelo tempo infértil da amamentação pode ser uma boa preparação à menopausa, quando os estrógenos apresentam-se também em pequena quantidade.

Registrando padrão de muco

Deve-se começar a manter o gráfico do seu muco desde três semanas após o parto, quando a perda de sangue (ló- quia) ordinariamente para (veja p. 35 onde o método de man- ter o gráfico é descrito). Ainda que a infertilidade possa continuar por muito tem- po, o registro é recomendado porque sua percepção dos si- nais de muco cresce e qualquer alteração é facilmente notada. Assim também você reconhecerá com confiança o padrão que indica infertilidade. Enquanto você mantiver o registro diário, é conveniente descrever as observações do muco e as sensações com suas próprias palavras. Anote também o número de mamadas diá- rias, o intervalo maior entre elas, qualquer alteração na rotina da amamentação ou enfermidade, dentição e irritabilidade do nenê. Tudo isso ajuda você (e a instrutora do Método da Ovulação, se uma estiver disponível) a julgar com precisão o estado da sua fertilidade.

104

As mães de crianças alimentadas exclusivamente por ama- mentação, saudáveis e contentes, e no caso do leite materno servir de tranquilizante, não estão aptas a ser férteis. Se seu nenê depender inteiramente do leite materno para sua nu- trição, se estiver mamando frequentemente e sempre que queira, você provavelmente não ovulará nem menstruará por vários meses.

Entretanto pode ter relações sexuais com segurança se- gundo sua inclinação, excluindo os dias vetados pelas Nor- mas dos Primeiros Dias (veja p. 41). Tais dias incluem o dia após o coito, quando o padrão do seu muco pode ser escure- cido pelo fluido seminal ou pelas secreções vaginais associa- das ao coito, também em qualquer dia de sangramento ou no dia em que você nota qualquer alteração no padrão de muco.

Se você estiver amamentando parcialmente, ou se seu nenê tiver três meses ou mais ou se seus períodos mens- truais já voltaram, é preciso evitar o coito por duas ou três semanas enquanto está começando seu registro para perce- ber claramente o padrão do seu muco e assim o estado da fertilidade.

Após isso, se seu padrão indicar que ainda está infértil, você pode ter relações sexuais com segurança em noites al - ternadas. É recomendável o coito só de noite para verificar sua fertilidade baseada no padrão de muco de um dia inteiro (porque é possível o muco fértil aparecer durante as primei- ras horas da manhã antes de você notá-lo).

Alguns casais procuram mais oportunidades para o coito usando um condom ou diafragma, sem respeitar o intervalo de um dia seco depois do coito. Mas relações sexuais com es - tes aparelhos resultariam em secreções que podem escurecer o padrão do muco.

Na p. 86 há um gráfico mostrando a volta à fertilidade de uma mulher que estava amamentando seu nenê.

105

A volta da fertilidade

Qualquer mudança no muco ou qualquer sangramento pode ser o sinal das alterações dos níveis dos hormônios que acompanham a volta à fertilidade. Você deve estar especialmente atenta às mudanças no pa- drão de muco, quando:

Não dá de mamar à noite.

É introduzida alimentação complementar para nenês.

O

padrão de alimentação do nenê está alterado devido a

enfermidade ou irritabilidade, tal como durante a denti-

 

ção.

O

desmame está em processo, ou após o desmame.

Todos estes eventos podem iniciar alterações hormonais que estimulam o processo de ovulação e portanto a volta da fertilidade.

A menstrução não será provavelmente o primeiro sinal da

sua volta à fertilidade. Você pode ovular antes do seu primei-

ro período, mas deve observar o muco com cuidado.

O primeiro período, às vezes, é bastante difícil, especial-

mente quando não vem precedido de ovulação.

Alguns ciclos, depois da longa fase sem períodos, podem ser anovulatórios, isto é, nenhum óvulo é liberado. Isto fre - quentemente ocorre se a menstruação volta dentro dos pri - meiros nove meses depois do parto. 4 Ou então você pode experimentar ciclos com uma fase pós-ovulatória de menos de dez dias. Esses ciclos são infér- teis. A razão para este intervalo curto entre o Ápice do muco

e o próximo período menstrual pode ser a interação entre um

nível elevado do hormônio prolactina, que estimula a produ- ção do leite materno, e seus níveis dos hormônios estrógeno

e progesterona. Logo depois da volta à ovulação, seus ciclos retornarão à duração normal dos períodos anteriores.