Você está na página 1de 3

CEPETE Psicologia do Trabalho TEXTO V

global, considerando todas as outras especialidades. Por exemplo,


um engenheiro ao desenvolver o projeto de um equipamento, irá
PSICOENGENHARIA utilizar o seu conhecimento técnico, mas deve fazê-lo ''olhando
com os olhos'' do ergonomista, do psicólogo, do médico e assim
por diante. Outro exemplo é um administrador de pessoal
selecionando um funcionário, ele deve olhar com os olhos do
engenheiro, do psicólogo, do fisiologista, etc. Quando ocorre essa
mudança no ângulo de visão, surgem novas perspectivas dentro
da especialidade e cria empatia e conformidade com as demais,
aumentando a capacidade de percepção de cada profissional.

Pude observar esses efeitos, na prática, quando, atuando na área


de Desenvolvimento de Recursos Humanos e dominando a
utilização das ''Ferramentas e Técnicas da Qualidade'', fui
chamado a auxiliar em um problema de Segurança do Trabalho,
que consistia em uma média mensal de 9 (nove) acidentes do
trabalho, em uma empresa com SESMT constituído, competente e
atuante, com procedimentos bem claros e definidos, mas, apesar
de todo o conhecimento técnico, os especialistas da área não
conseguiam resultados satisfatórios na redução desse índice e,
ainda, observavam um aumento constante de 20% ao ano.
No decorrer desse projeto o conceito da ampliação do foco de
visão do espe-cialista foi tomando forma, conceito que
Adotando uma visão mais ampla para a gestão posteriormente denominamos como ''PsicoEngenharia''. Esse
prevencionista. nome surgiu, durante o desenvolvimento do projeto, de uma
brincadeira entre o professor doutor Agostinho Minicucci e eu, ou
O objetivo principal da psicoengenharia é a prevenção de seja, entre um psicólogo e um engenheiro, da junção das duas
perdas nos diversos aspectos da gestão empresarial e especialidades começou a aparecer um novo perfil profissional e
organizacional, como segurança do trabalho, qualidade, meio com o tempo estávamos nos chamando de psicoengenheiros.
ambiente, produtividade, etc.
Mas voltando ao projeto, o que ocorria era que os profissionais da
Acredito que todos, ou pelo menos a grande maioria de vocês, área de segurança estavam dentro do problema, com toda a
já ouviram falar sobre a ''Fábula do Elefante'', onde é solicitado atenção focada na sua especialidade. Com a participação de um
a três cegos que toquem um elefante e digam o que estão profissional vindo de fora do problema, utilizando uma metodologia
tocando. O primeiro tocando na barriga do elefante disse: organizada para a solução de problemas (a qual não estaremos
''Com certeza é uma parede.'' O segundo pegando na presa detalhando neste artigo) foi possível ''olhar'' o problema de maneira
falou: ''Sem sombra de dúvidas, é uma lança.'' O terceiro mais global e clara. Começamos a nossa atuação de fora para
tentando tocar a tromba e sentindo o movimento, rapidamente dentro, identificando todas as possíveis causas de acidentes de
tirou a mão e gritou: ''Isso é uma cobra.'' Os três tinham trabalho e não apenas os acidentes que vinham ocorrendo naquele
certeza de suas respostas, tocando, cada um, uma parte período. Somente após esse trabalho é que partimos para a
diferente tiveram percepções diferentes sobre o mesmo análise dos acidentes ocorridos no prazo de três anos, fazendo o
assunto. cruzamento das ''causas possíveis'' com as ''causas reais'' dos
acidentes de trabalho, identificando quais eram procedentes e
Essa fábula, apresentada de forma resumida, mostra que, estabelecendo a porcentagem de participação de cada uma.
para a solução de um problema, necessitamos ter uma visão
completa da situação e, às vezes, dar alguns passos para traz A partir desse ponto passamos a sentir a real dimensão do
e enxergá-la de longe, em toda a sua amplitude. problema, permitindo separar as reais fontes de acidentes das
Guardadas as devidas proporções, ou seja, não chamando os conjecturas ou adivinhações. E começamos a agregar as opiniões
profissionais de cegos, de forma semelhante ocorre o mesmo dos vários profissionais, pois o grupo inicial apesar de
com os especialistas das diversas modalidades. Uma vez que multidisciplinar (Administração de Recursos Humanos, Ergonomia,
estão com a visão focada, direcionada aos parâmetros de sua Segurança do Trabalho e Produção) ainda mantinha uma
especialidade. característica tecnicista. Então, foram agregados profissionais de
Psicologia, Assistência Social, Nutrição e Medicina.
E vamos fazer justiça, são bons no que fazem, resolvem
muitos e variados problemas dentro de suas áreas de atuação. Da atuação desse grupo foram desenvolvidas diversas soluções
Mas por que será que algumas vezes, apesar de todo o que resultaram em uma redução drástica do nível de acidentes. O
conhecimento técnico, o sucesso não surge com facilidade? interessante foi perceber que algumas soluções eram,
Por vezes ficamos com o sentimento que há algo errado, que praticamente, de uma determinada especialidade profissional, mas
poderia ser melhor. a maioria era de soluções híbridas surgidas do cruzamento de
É neste ponto que entra a PsicoEngenharia conhecimentos de duas ou mais especialidades.

A PsicoEngenharia busca uma nova forma de pensar, de atuar Definindo a PsicoEngenharia


sobre um problema por meio da ampliação do foco de visão.
Qualquer profissional que busque uma visão mais ampla para A preocupação em definir a PsicoEngenharia é estabelecer uma
resolver um problema está, mesmo que empiricamente, linha de ação mais eficiente e eficaz para solucionar problemas e
praticando a PsicoEngenharia. prevenir perdas nos diversos aspectos da gestão empresarial e
organizacional, como segurança do trabalho, qualidade, meio
Quando falo em visão mais ampla, quero dizer uma mudança ambiente, produtividade, etc.
no ângulo da visão. Cada especialista deve desempenhar a
sua especialidade, isto é, deve permanecer nos parâmetros de A PsicoEngenharia analisa as necessidades, buscando as
sua área de atuação, mas olhando o problema de forma soluções dessas em todas as áreas de gestão empresarial, tendo

Texto V / Pág. 1
CEPETE Psicologia do Trabalho TEXTO V
como base um ambiente propício e integrando várias processo de melhoria contínua. E na fixação da estrutura temos a
disciplinas e áreas profissionais. atuação das lideranças.

Podemos definir, de forma clássica, a PsicoEngenharia como:


Prevenção por meio da visão global das diversas variáveis do
ambiente empresarial, pela análise coerente e integrada de Detalhando um pouco cada um desses itens, temos
várias disciplinas, visando à implementação de medidas
multidisciplinares para a prevenção de perdas em todas as 1º - Envolvimento dos funcionários
áreas da empresa e em todos os seus aspectos, sejam Conhecida como Administração Participativa, consiste em
humanos, materiais ou organizacionais. possibilitar a atuação de todos os funcionários, de forma ativa,
podendo e querendo dar opiniões, participando nas tomadas de
Analisando essa definição por partes, temos que o objetivo decisão e em um ambiente digno e de respeito. Esse primeiro
principal é a prevenção de perdas na empresa como um todo, passo proporciona condições adequadas para os funcionários se
levando em conta seus recursos humanos, materiais e manifestarem, assumirem responsabilidades e colaborarem com a
administrativos. prevenção de perdas.

Que as medidas implementadas devem ser destituídas do 2º - Trabalho em equipe


padrão binário vigente nos dias de hoje, em outras palavras, O trabalho em equipe leva os seus integrantes a apoiar,
fazendo um paralelo das disciplinas com cores, as soluções compreender, motivar e ser motivado, participar e se comprometer
encontradas não devem ser tratadas de forma pontual, do tipo com os resultados da equipe. Para tal é necessário um clima de
preto ou branco, vermelho ou azul, mas devem ser verificadas respeito e consideração com a aceitação de objetivos comuns e
todas as possibilidades de interação entre as cores e suas comunicação fluente e clara. Permite a administração dos conflitos
tonalidades. de forma adulta, contribuindo com o crescimento pessoal e
profissional de todos.
A PsicoEngenharia consolida uma cultura dirigida a uma
análise ampla e mais profunda, de caráter preventivo e 3º - Processo de melhoria contínua
prevencionista. O processo de melhoria contínua é uma abordagem que busca a
redução gradual e contínua de falhas, problemas e perdas. Tem o
Para uma melhor compreensão, vamos verificar algumas das foco principal nas melhorias pequenas, mas constantes, tendo
disciplinas. sempre em mente que 100% é feito de 100 partes de 1%.

A Sociologia, por exemplo, busca analisar a relação das O resultado dessa abordagem é que cada área disciplinar
características sociais com o ambiente profissional, sabendo acrescenta a sua contribuição, tenha ela o tamanho que tiver,
que tudo aquilo que ocorre fora do trabalho, como buscando, assim, não a perfeição, mas o mais próximo possível
alimentação, habitação, segurança, etc. influem diretamente dela.
nesse ambiente.
4º - Lideranças
Já a Antropologia parte do fato de existir diversos tipos Esta população tem um papel muito importante, pois o trabalhador,
antropológicos (raças, procedências, etc.), e que estes tipos e principalmente o trabalhador brasileiro, tem fácil adaptação às
não reagem da mesma forma aos estímulos recebidos no dia- idéias e métodos de seu superior imediato. A liderança faz parte do
a-dia. E nas empresas, invariavelmente, encontramos reunidos dia-a-dia desses trabalhadores, servindo de ligação entre eles e a
todos esses tipos e que influem na cultura empresarial. organização. Por isso, devem servir de exemplo no que diz
respeito ao envolvimento, comprometimento e participação na
A Psicologia traz a sua contribuição por meio da análise dos solução de problemas e prevenção de perdas. Sendo assim, os
conflitos psicológicos, tanto dos inter-relacionamentos como líderes devem estar preparados para exercer esse papel,
no intra-relacionamento, dentro ou fora do ambiente de recebendo treinamento, desenvolvimento, ferramentas
trabalho. Relacionando-os ao âmbito empresarial. administrativas, comunicação constante, etc.

Da mesma maneira, todas as outras disciplinas têm o seu


valor, sua importância e a sua contribuição na prevenção e
eliminação de perdas e/ou problemas.
O papel do profissional de Segurança do Trabalho

Dentro do esquema apresentado, o profissional de segurança, bem


como qualquer profissional que queira utilizar a PsicoEngenharia,
O que está envolvido na PsicoEngenharia deve desempenhar o papel de ''perguntador fanático'', ou seja,
deve ser questionador, esquadrinhando todas as possibilidades,
Para a ação efetiva por meio da PsicoEngenharia, é mas lembrando que não deve ter o foco pontual e, sim, questionar
necessário estabelecer alguns pontos importantes que podem buscando sempre a integração das várias disciplinas. Para atuar
contribuir no ambiente empresarial. nessa função com melhor aproveitamento, esses profissionais
devem buscar o seu auto-desenvolvimento, principalmente no que
Em primeiro lugar, não é necessário, e acredito que nem diz respeito ao trato com outros seres humanos. Esse
possível, ter um super-homem ou um superprofissional que desenvolvimento abrange assuntos como: comunicação, inter-
entenda de todas as disciplinas, mas é necessário ter relacionamento, trabalho em equipe, motivação, criatividade,
profissionais das diversas áreas que atuem de forma integrada liderança, planejamento, entre outros.
e com a mente aberta para o trabalho conjunto na busca de Desse modo irá atuar como elemento integrador e multiplicador
um objetivo comum. sem perder sua individualidade e sua especificidade.
Para encerrar, podemos afirmar que atuando da forma
Além disso, podemos notar que existe uma base que dá apresentada, abordando as várias disciplinas de maneira integrada
sustentação à estrutura, essa base é formada pelo e coerente, estaremos, com certeza, melhorando a qualidade de
envolvimento dos funcionários, pelo trabalho em equipe e pelo vida, em todas as suas dimensões, de todos os envolvidos.

Texto V / Pág. 2
CEPETE Psicologia do Trabalho TEXTO V
A intenção é mostrar quais as funções são mais adequadas a cada
A importância dos aspectos psicológicos no contexto da pessoa e a seu perfil. No caso citado em meu livro, por exemplo,
PsicoEngenharia deixo bem claro que o funcionário em questão tinha excelentes
características. Não sugeri o descarte do mesmo, o que ressaltei é
Os testes psicológicos funcionam e, muitas vezes, detectam que, conhecendo as características, de forma antecipada, pode-se
problemas e evitam um mal maior. adequar o operador à função, o que garante desenvolver uma
Geralmente este ponto é relevado a um segundo plano programação preventiva de atividades, no caso específico, mostrar
quando se trata da adequação do homem à função. Na que se o funcionário desenvolver trabalhos que exigissem maior
realização de testes psicológicos em um processo seletivo é desgaste de energia nas primeiras horas do dia, o levaria a
sempre tratado o aspecto Homem x Sociedade, isto é, busca- ''cansar-se'' diminuindo a sua impulsividade para o restante do dia
se identificar a existência de alguma patologia ou algum indicio e, consequentemente, as possibilidades de se envolver em
sobre a atitude, do possível futuro funcionário, em relação a acidentes. Outro ponto a considerar é que as características
um grupo, à comunidade, aos seus relacionamentos diretos, indesejáveis para uma função podem ser plenamente satisfatórias
mas nunca (ou quase nunca) à adequação ou adaptação ao para outras. Voltando a citar o trabalho de Jenkins, a síndrome
ambiente, à função e ao risco inerente a ambas. Isso não quer ''Confiança em si exagerada'' é indesejável para um operador de
dizer que os testes sejam ineficazes ou desnecessários. Eles máquinas, mas de grande valor para um vendedor.
funcionam e, muitas vezes, detectam problemas e evitam um
mal maior. O que quero dizer é que é necessária uma maior Esse é, ainda, um campo pouco explorado que ficará cada vez
atenção quanto à identificação de características que possam mais claro à medida que novos dados venham a ser agregados,
determinar uma predisposição aos acidentes. No livro ''A devendo cada ramo de atividade ter os riscos levantados por setor,
Prática da Qualidade da Segurança no Trabalho'', no capítulo por máquina e até por operação para, em seguida, serem cruzados
que trata da reincidência de acidentes, é constatado o fato, com as características pessoais e psicológicas desejadas ou
considerado uma pesquisa em um período de 5 (cinco) anos, identificadas como as melhores ou mais adequadas à função.
onde determinados funcionários sofriam um número maior de Dessa forma pode-se montar, com a superposição das
acidentes do que outros, em uma mesma atividade de risco. experiências, um extenso material que pode devidamente ser
Há, inclusive, o caso de um funcionário que sofreu 7 (sete) utilizado, de forma preventiva, pelas áreas de seleção,
acidentes de trabalho em um período de apenas 3 (três) anos. recrutamento e treinamento.
Analisando esse caso específico mais detidamente, identifiquei
que o problema era excesso de energia, de confiança em si REVISTA CIPA – EDIÇÕES 260 e 274
mesmo, que o levava a um estado elevado de impulsividade Matéria de Celso Luis de Oliveira: Engenheiro Eletricista e sócio
no decorrer de suas atividades, provocando dessa forma os da LaborClin Consultoria e Assistência Médica S/C Ltda.
acidentes.

Como esse existem diversos estudos que relatam o


relacionamento dos traços de personalidade com os acidentes
de trabalho. Podemos citar o exemplo de Krall, que estudou
crianças freqüentemente acidentadas e encontrou que essas
crianças apresentavam agressividade superior às crianças de
mesma idade. Outro estudo é o de Davis e Mahoney que
encontraram em seus estudos que os poliacidentados
demonstram menos otimismo e confiança, bem como piores
disposições sociais e atitudes negativas frente ao trabalho
mais acentuadas quando comparadas com pessoas não
acidentadas. Para encerrar a nossa lista de exemplos quero
citar o trabalho de Jenkins que aponta 7 (sete) síndromes
associadas aos poliacidentados:
1. Distração, o poliacidentado é mais distraído na tarefa que
executa;
2. Falta de discernimento, o poliacidentado demonstra certa
inconsciência e falta de discernimento quando se trata de
agir prudentemente;
3. Sentimento de independência social, o poliacidentado
sente-se menos interessado pelas regras sociais;
4. Falta de sensibilidade pelos outros, o poliacidentado é
menos sensível aos sentimentos e atos dos outros;
5. Atitude pouco racional frente ao dano sofrido, o
poliacidentado é menos sensível ao dano que sofre e
pode mesmo encontrar satisfação na perda sofrida;
6. Confiança em si exagerada, o poliacidentado tem
excesso de confiança em si, que o impede de prever as
complicações ou dificuldades;
7. Atitude social agressiva e pouco integrada, o
poliacidentado não participa dos objetivos do grupo a que
pertence e não se sente interessado por eles.

Assim como os apresentados, existem diversos outros estudos


que mostram a importância da análise do perfil do operador
frente à função a ser exercida.

Texto V / Pág. 3