Você está na página 1de 9

Curso Profissional de Técnico de Electrónica, Automação e Comando Disciplina: Tecnologia Aplicadas Módulo 8 – Soldadura e Maquinação – Ficha de Trabalho 5

6. Regras de Segurança na Realização de Soldaduras / Ferramentas e Acessórios de Trabalho do Soldador

6.1. Ferramentas e Acessórios

As ferramentas e acessórios do soldador podem-se agrupar em:

a) Ferramentas e acessórios de trabalho;

b) Acessórios de protecção.

As ferramentas e acessórios de trabalho são:

Porta-Eléctrodos;

Tomada de Massa;

Picadeira;

Escova Metálica;

Grampos para juntas;

Fole, que pode ser manual ou mecânico;

Ferramentas de acordo com a especialidade (serralheiro, caldeireiro, etc.);

Rebarbadora.

Os acessórios de protecção têm por fim assegurar a protecção do soldador contra radiações nocivas emitidas pelo arco eléctrico (raios luminosos, infravermelhos e ultravioletas), choques eléctricos, projecções metálicas em fusão e gases provenientes do revestimento dos eléctrodos e compreendem, essencialmente:

Máscaras ou Capacete;

Luvas de Cabedal;

Avental de Cabedal ou de Amianto;

Botas de biqueira de aço;

Extractores de fumos, de poeiras e de gases (para protecção respiratória, nos trabalhos em espaços interiores, como, por exemplo, reservatórios, tanques ou cisternas).

1

figura 30 - Algumas Ferramentas e Acessórios de Trabalho 6.2. Prevenção nos Trabalhos de Soldadura.

figura 30 - Algumas Ferramentas e Acessórios de Trabalho

6.2. Prevenção nos Trabalhos de Soldadura. Precauções Gerais.

Além das recomendações sugeridas ao longo dos assuntos tratados, convém lembrar mais as seguintes recomendações:

Não deve efectuar-se qualquer soldadura em reservatórios, condutas ou espaço que tenha contido materiais inflamáveis sem, previamente, terem sido convenientemente limpos e purgados;

Quando houver aberturas, através das quais se possam escoar vapores ou gases inflamáveis, aquelas devem ser fechadas hermeticamente;

Se a soldadura é exterior, o interior dos recipientes deve ser purgado e cheio com vapor ou gás inerte para evitar o perigo de explosão e incêndio;

2

Os reservatórios de gasolina ou dos outros combustíveis ligados a veículos automóveis devem, previamente, ser retirados dos veículos e depois completamente limpos antes de se efectuar qualquer trabalho de soldadura;

Em estaleiros navais, quando a bordo de navios houver produtos derivados do petróleo ou outros materiais ou gases inflamáveis, os trabalhos de soldadura não podem ser executados sem autorização prévia especial;

Nunca soldar em recipientes ou aparelhos de paredes duplas estanques sem ter aberto furos de saída de ar e ter a certeza de que todas as câmaras tenham esses furos pois, de contrário, o aparelho pode explodir;

Nunca apoiar a peça a soldar em garrafas de oxigénio, de acetileno ou em qualquer reservatório que contenha ou tenha contido líquidos, vapores ou gases inflamáveis ou, ainda, gases ou ar sob pressão;

A zona de trabalho não deve estar directamente assente em cimento, pois o calor excessivo pode provocar a desagregação violenta deste, o que pode causar ferimentos graves;

Não executar trabalhos perto de transmissões (volantes, engrenagens, correias, etc.) que não estejam devidamente protegidas;

Não trabalhar em andaimes, plataformas elevadas ou em estruturas a grande altura, sem tomar as providências aconselháveis (resguardos, cintos de segurança, capacetes, etc.);

Com equipamento pesado, montado sobre rodas, verificar se está devidamente travado e calçado a fim de impedir deslocações acidentais;

Com máquinas montadas sobre rodas de borracha não permitir o seu deslocamento se os pneus não estiverem à pressão adequada.

7. Defeitos das Soldaduras

7.1. Defeitos da Soldadura Eléctrica Manual

Os defeitos podem ser exteriores ou interiores. Os defeitos exteriores mais correntes são:

Falta de penetração;

Excesso de penetração;

Sobre-espessura do cordão;

Irregularidade do cordão;

Falhas laterais.

Quanto aos defeitos interiores, só podem ser observados com ensaios metalográficos ou por meio dos raios X:

Falta de penetração;

Incrustação de escórias;

Chochos;

Fendas.

3

7.1.1. Falta de Penetração

Produz-se em consequência de intermitências da fusão dos bordos das peças a unir (figura 31), principalmente quando se recomeça o trabalho depois da mudança de eléctrodo, e costuma ser acompanhada da incrustação de pequenas partículas de escória.

da incrustação de pequenas partículas de escória. figura 31 Para evitar este defeito, deve-se cuidar da

figura 31

Para evitar este defeito, deve-se cuidar da máxima limpeza do trabalho e recomeçar a soldadura uns poucos milímetros atrás do ponto onde foi interrompida.

Quando se faz a soldadura de tubos de interior inacessível, a boa penetração é obtida pelo uso de eléctrodos de revestimento celulósico.

A união pode ser reforçada por meio de um anel interior – mas este processo não é muito aconselhável porque dá como resultado uma obstaculização à circulação dos fluidos no interior do tubo.

Também se pode dar a primeira passagem pelo processo oxiacetilénico.

A falta de penetração é muito frequente quando se faz a prisão dos tubos por pontos de soldadura. É conveniente ir cortando esses pontos a frio à medida que a soldadura vai avançando. Se possível, deve-se evitar fazer pontos de fixação na linha da soldadura, substituindo-os por cavaleiros fixados por pontos fora dessa linha (figura 32).

na linha da soldadura, substituindo-os por cavaleiros fixados por pontos fora dessa linha (figura 32). figura

figura 32 –

4

7.1.2. Excesso de Penetração

O excesso de penetração é devido ao uso de demasiada intensidade de corrente ou a uma folga entre peças demasiado grande. Dá ao avesso do cordão um aspecto de gotejamento com grande irregularidade de formas.

É necessário evitar este defeito, principalmente pelo inútil gasto de energia e de material que envolve.

7.1.3. Sobre-espessura do Cordão

Como o excesso de penetração, o excesso de espessura representa um gasto inútil de material

e dá ao cordão um aspecto demasiado volumoso que, na realidade, enfraquece a união obtida (figura 33)

que, na realidade, enfraquece a união obtida (figura 33) figura 33 – Tanto por causa do

figura 33 –

Tanto por causa do excesso de espessura como pelas variações da linha seguida pelo cordão, este fica irregular, mostrando falta de prática do soldador e dando origem a deficiências do trabalho realizado.

7.1.4. Falhas Laterais

Aparecem sob forma de canais e afundamentos na zona de ligação do cordão à superfície exterior das peças (figura 34). São devidas aos movimentos inadequados do eléctrodo e reduzem a secção resistente. Este defeito pode ser remediado parcialmente com uma passagem de enchimento depois de terminado o trabalho. Surge com maior frequência na soldadura vertical.

5

7.1.5. Defeitos Interiores figura 34 – A falta de penetração, como defeito interior da soldadura,

7.1.5. Defeitos Interiores

figura 34 –

A falta de penetração, como defeito interior da soldadura, aparece nas soldaduras com bordos preparados em X ou em K. Para a evitar é conveniente, ao preparar o cordão, ligar os vértices a fim de a penetração ser total.

7.1.6. Incrustação de Escórias

Parte das escórias que sobrenadam ao metal em fusão não é arrastada pelo sopro magnético e incrusta-se de forma irregular no banho à medida que este vai solidificando.

Também pode suceder que as escórias sejam arrastadas para os lados do cordão, ficando no canal formado por este com os bordos das peças (figura 35).

para os lados do cordão, ficando no canal formado por este com os bordos das peças

figura 35 –

6

Para evitar este defeito é conveniente dar passagens intermédias e, se necessário, amolar a base boleada (A).

7.1.7. Chochos

São cavidades que contêm gases, isolados ou em grupos, sob forma vermicular ou de porosidades.

São frequentes nas primeiras passagens quando estas são dadas com eléctrodos básicos, podendo ser devidas à humidade do revestimento dos eléctrodos ou ao excessivo comprimento do arco.

7.1.8. Fendas

As fendas podem ser longitudinais ou transversais. Podem também aparecer no vértice do cordão ou nos lados (figura 36).

Produzem-se a temperaturas muito elevadas (900 a 1400°) e no momento em que se inicia a solidificação do cordão.

Para as evitar, o melhor meio está na utilização de eléctrodos básicos.

o melhor meio está na utilização de eléctrodos básicos. figura 36 - Maquinação O programa refere

figura 36 -

Maquinação O programa refere apenas que o aluno deverá ser capaz de maquinar uma peça (tornear ou fresar). Como o estudo teórico do torno mecânico e da fresadora já foram abordados no módulo anterior (módulo 7 – Máquinas-Ferramentas), vamos neste, apenas realizar um exercício prático no torno mecânico e, eventualmente, se houver tempo, realizar também um na fresadora.

7

Questionário:

Quais os dois grandes grupos de equipamento que um soldador deve possuir e qual a função

de cada um deles?

Quais as ferramentas e acessórios de trabalho que todo o soldador deve ter sempre à mão?um soldador deve possuir e qual a função de cada um deles? Indique ainda qual a

Indique ainda qual a função de cada um deles.

1.
1.
3.
3.

Qual a finalidade dos acessórios de protecção, duma maneira geral?

4.
4.

Quais os acessórios de protecção de soldador que conhece e qual a função de cada um

deles?

5. Identifique cada um dos acessórios e ferramentas da ilustração abaixo. 6. Quais as precauções
5.
Identifique cada um dos acessórios e ferramentas da ilustração abaixo.
6.
Quais as precauções que se devem ter quando se pretende executar uma soldadura em

reservatórios, condutas ou espaço que tenha contido materiais inflamáveis? Justifique.

7.
7.

Quais as precauções que se devem ter quando se pretende executar uma soldadura num

espaço exterior? Justifique.

8.
8.

Quais as precauções que se devem ter quando se pretende executar uma soldadura num

depósito de gasolina de um veículo? Justifique.

9.
9.

Quais as precauções que se devem ter quando se pretende executar uma soldadura num

que possa conter produtos derivados do petróleo ou outros materiais ou gases

navio

inflamáveis? Justifique.

10.
10.

Quais as precauções que se devem ter quando se pretende executar uma soldadura num

recipiente ou aparelho de paredes duplas estanques? Justifique.

11.
11.

Qual o tipo de chão que deve ser usado nos trabalhos de soldadura? Justifique.

12.
12.

Quais as precauções a tomar quando se trabalha / solda em altura? Justifique.

13.
13.

Que tipos de defeitos podem apresentar as soldaduras?

14.
14.

Quais os tipos de defeitos exteriores mais comuns nas soldaduras?

15.
15.

Quais os tipos de defeitos interiores mais comuns nas soldaduras?

16.
16.

Quais as causas para a existência de falta de penetração de uma soldadura?

8

17.
17.

Em que consiste o defeito de falta de penetração numa soldadura?

18.
18.

Como se deve proceder para evitar ou minimizar a falta de penetração de uma soldadura?

19.
19.

Embora o reforço da união por meio de um anel interior possa ser usada para evitar a falta

de penetração, esta solução não é aconselhada. Por que motivo?

20.
20.

Em que situações a falta de penetração é mais comum? O que deve ser feito como

precaução nessas situações?

21.
21.

Em que consiste o defeito de excesso de penetração e a que se deve?

22.
22.

O

que entende por sobre-espessura de uma soldadura? Quais os seus inconvenientes?

23.
23.

O

que entende por falhas laterais? Qual a sua causa principal? Como se pode atenuar este

defeito?

24.
24.

O

que entende por defeitos interiores? Como se pode evitar ou atenuar este defeito?

25.
25.

Em que consiste o defeito de soldadura designado por incrustação de escórias? Como se

pode evitar este defeito?

26.
26.

O

que entende por chochos numa soldadura? Quais as suas causas?

27.
27.

O que são fendas, como defeito de soldadura? Como se formam? Como podem ser

evitadas?

9