Você está na página 1de 45

Sistemas de Informação Gerenciais Prof.

MSc Gustavo

Sistemas de Infomação
Gerenciais - SIG
Prof. MSc. Gustavo Santos

2.1 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Inteligência de Negócios: gerenciamento


da informação e Gerenciamento de
Banco de Dados (SGBD) Capítulo. 5
Princípio:
Sistema computadorizado de
armazenamento de registro, cujo
propósito geral é armazenar
informações e permitir ao usuário buscar
e atualizar essas informações quando
solicitado (DATE, 2000)

Princípio:
Software que incorpora as funções de definição, recuperação e
alteração de dados em um banco de dados (HEUSER, 2001)

2.2 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados - SGBD

 Desenvolvimento de Banco de Dados, é um processo que busca


transformar as informações de negócios em uma base de dados
operacional.

 Modelo de Banco de Dados é uma descrição dos tipos de informações


que estão armazenadas em um banco de dados. Ex: Banco de dados de
funcionários, BD de clientes.

 Níveis de abstração de um Modelo de Banco de Dados: modelo


conceitual e modelo lógico.

2.3 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados - SGBD

Define o significado dos processos e regras de negócio


que precisam ser processadas, armazenadas, e que
se relacionam entre si.

Modelo Conceitual
Representa a estrutura de dados de um banco de dados
conforme vista pelo usuário do SGBD.

Modelo Lógico
Representa os procedimentos de criação das estruturas
físicas do Banco de Dados, linguagem de pesquisa e
Modelo Físico autorizações de acesso (privilégios).

2.4 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Terminologia

Modelo Conceitual Modelo Lógico

Entidade Tabela

Relacionamento Chave Estrangeira

Atributo Coluna

Identificador Único Chave Primária

2.5 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade – Relacionamento (MER)

 Técnica aplicada para a modelagem conceitual de Banco de Dados.

 Representar como os dados de uma organização de relacionam entre


si.

“ Sou gerente de um Departamento de RH de uma grande empresa. Nós precisamos


guardar informações sobre os empregados da nossa empresa. Precisamos identificar de
cada empregado: nome, sobrenome, cargo, data de admissão e salário. Cada
empregado recebe um valor de comissão. Cada empregado possui um número único que
o identifica.

Nossa empresa é dividida em departamentos. Cada empregado está alocado em um


departamento, por exemplo, vendas, desenvolvimento ou financeiro. Nós precisamos
saber o departamento responsável por cada funcionário e a localização do
departamento. Cada departamento possui um número único.”
Computador Central

2.6 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade – Relacionamento (MER)

FUNCIONÁRIO DEPARTAMENTO

# * Matrícula Alocado em # * Codigo_Depto


* Nome * Nome
* Sobrenome * Local
Cargo Responsável por Conceitual
* Data Adm
Salário
Comissão

FUNCIONÁRIO
Matricula Nome Sobrenome Cargo Data Salario Com
01902 Joana Andrade Analista 09/10/2000 3.500,00 20
02022 Zeca Jupi Projetista 10/10/1998 5.933,00 10

DEPARTAMENTO
Codigo_Dpto Nome
Computador Central Local
Lógico 10010 Vendas Bloco 10
10020 Financeiro Bloco 17

2.7 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade – Relacionamento (MER)

1. Entidade
• Algo com algum significado no qual a organização necessita armazenar
dados.
• Cada entidade representa um conjunto de objetos sobre os quais se deseja
guardar informações.

FUNCIONÁRIO DEPARTAMENTO ALUNO

CURSO PRODUTO CLIENTE PEDIDO

2.8 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade Relacionamento (MER)

1. Relacionamento
• Representa a associação entre duas entidades.
• Relacionamentos são as regras de negócio associadas as informações.
• O relacionamento entre duas entidades é bidirecional.
• Representado por uma linha que conecta as duas entidades.

FUNCIONÁRIO DEPARTAMENTO
Alocado em

É responsável

2.9 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade Relacionamento (MER)

2. Cardinalidade
• Indica quantos desses relacionamentos podem existir entre as entidades.
• Tipos: (1:1) ; (1:n) ; (n:n)

Pode ter MESA


FUNCIONÁRIO
1: 1
Pertence a
(Um para um)

Está alococado DEPARTAMENTO


1: n FUNCIONÁRIO
responsável

(Um para muitos)

CLIENTE É titular de C/C


n: n
Possui
(Muitos para muitos)
2.10 © 2007 by Prentice Hall
Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade Relacionamento (MER)

Exemplo 1:

PEDIDO É composto ITEM

Compõe

É originado É armazenado

É realizador Armazena

CLIENTE ESTOQUE

2.11 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade Relacionamento (MER)

Regras de Negócio

• Cada CLIENTE pode originar um ou mais PEDIDOS;


• Cada PEDIDO pode ser originado por um e somente um CLIENTE.

• Cada PEDIDO pode ser emitido para um ou mais ITEM;


• Cada ITEM pode ser comprado por uma ou mais PEDIDO.

• Cada ITEM deve está armazenado em um e somente um ESTOQUE;


• Cada ESTOQUE pode ser repositório de um ou mais ITEM.

2.12 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade Relacionamento (MER)

Exemplo 2

• Cada EMPREGADO deve estar alocado em um e somente um DEPARTAMENTO;


• Cada DEPARTAMENTO deve ser responsável por um ou mais EMPREGADOs.

• Cada EMPREGADO pode ser alocado em uma ou mais PROJETOs;


• Cada PROJETO pode ser desempenhado por um ou mais EMPREGADOs.

2.13 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade Relacionamento (MER)

Exemplo 2

• Faça um Modelo Entidade Relacionamento (MER) para:

• Locadora de carro;
• Farmácia;
• Clínica médica;

2.14 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade Relacionamento (MER)

3. Atributos
• São informações sobre uma entidade que precisam ser conhecidas ou
armazenadas;
• O nome dos atributos devem ser claros e não ambíguos;

• Perguntas a serem feitas ao usuário:


• Que informações você precisa saber ou armazenar sobre a entidade X ?
• Que informações você gostaria de mostrar ou imprimir sobre a entidade X ?
• Este atributo é realmente necessário ?

• Formato do Atributo:
• Tipo: caractere, numero, data, imagem, inteiro, moeda, som, vídeo;
• Tamanho máximo: usado para caractere e numérico;
• Decimal: Se o tipo for numérico;
• Unidade de medida: peso, dimensão, capacidade;

• Domínio: Usado para atributos que raramente mudam. Ex: dias da semana,
meses, etc.

2.15 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade Relacionamento (MER)


Exemplo - Atributos

FUNCIONÁRIO DEPARTAMENTO

# * Matrícula Alocado em # * Codigo_Depto


* Nome * Nome
* Sobrenome * Local
Cargo Responsável por
* Data Adm
Salário
Comissão

2.16 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade Relacionamento (MER)

4. Identificador Único
• Atributo ou combinação de atributos que servem para identificar uma instância
de uma entidade unicamente.

FUNCIONÁRIO DEPARTAMENTO ALUNO CLIENTE

# * Matrícula # * Codigo_Depto # * matricula # * RG


* Nome * Nome
* Sobrenome * Local
Cargo
* Data Adm
Salário
Comissão
PACIENTE VEÍCULO
FORNECEDOR

# * CNPJ # * prontuario # * placa/chassi

2.17 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Modelo Entidade Relacionamento (MER)

Exemplo 2 –Identifique as entidades, os atributos e o identificador único

• Faça um Modelo Entidade Relacionamento (MER) para:

• Locadora de carro;
• Farmácia;
• Clínica médica;

2.18 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Exemplo 2 –Locadora

LOCAÇÃO
# * codigo DETALHE CARRO
* cod_cliente # * cod_loc
* Data # * codigo
# * cod_car * marca
distancia_km * placa
avaria chassi
data_saida * Data Entrada
data_entrega cor
obs renavam

CLIENTE
# * codigo
* Nome
*
Sobrenome
Profissão
* Data
Endereço
Telefone
E_mail

2.19 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Exemplo 2 –Farmácia

VENDA DETALHE PRODUTO


_VENDA

FUNCIONARIO

2.20 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Exemplo 2 –Clínica Médica

PRONTUARIO MEDICO ESPECIALIDADE

PACIENTE

2.21 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico

Banco de Dados Relacional


• Abordagem mínima de conceitos, com o objetivo de compreender o projeto
de banco de dados relacionais.
• Banco de dados composto de tabelas e relações.

2.22 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Tabela
• Conjunto não ordenado de linha (tuplas);
• Cada linha é composta por uma séria de campos (atributos);
• Cada campo é identificado por um nome de campo (nome de atributo);
• Coluna é o conjunto de todos os campos homônimos de todas as linhas de
uma tabela;
coluna (atributo)
nome do campo

linha (tupla)

valor do campo

2.23 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Tabela
• As linhas de uma tabela não têm ordenação. A ordem de recuperação pelo
SGBD é arbitrária;

• Os valores de campo de uma tabela são monovalorados;

• As consultas (linguagem SQL) a bases de dados relacionais permitem o


acesso por quaisquer critérios envolvendo os campos de uma ou mais linhas;

2.24 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Chaves

• Identificador das linhas e estabelece relações entre linhas de tabelas de uma


banco de dados relacional;

Chaves Primária

• É uma coluna ou combinação de colunas cujos valores distinguem uma linha


das demais dentro de uma tabela;

DEPENDENTE

Cod_Emp Cod_Dep Nome Tipo DtNasc


E1 01 João Filho 12/12/2005
Cod_Emp + Cod_Dep = PK
E1 02 Maria Esposa 12/09/1970
E2 01 Ana Esposa 04/09/1989
E6 01 Marcos Esposo 08/08/1989
E6 02 Joana Filha 09/09/2000

2.25 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Chaves Primária
DETALHE CARRO
LOCAÇÃO
# * cod_loc # * codigo
# * codigo # * cod_car * marca
* cod_cliente distancia_km * placa
* Data avaria chassi
data_saida * Data Entrada
data_entrega cor
obs renavam

CLIENTE
# * codigo
* Nome
*
Sobrenome
Profissão
* Data
Endereço
Telefone
E_mail

2.26 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Chaves Primária

• Pode definição exige-se que a chave primária seja mínima;

• Chave mínima é quando todas as suas colunas de valores forem


efetivamente necessárias para garantir o requisito de unicidade de valores da
chave.

Cod_Emp + Cod_Dep _ Tipo = PK , porém, Cod_Emp + Cod_Dep já garante a unicidade de uma PK.

2.27 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Chaves Estrangeira
• Coluna ou combinação de colunas, cujos valores aparecem necessariamente
na chave primária de uma tabela;
• A chave estrangeira (FK) é o mecanismo que permite a implementação de
relacionamentos em um BD Relacional;

Dept
Cod_Dept Nome_Dept
Cod_Emp = PK
D1 Vendas
Cod_Dept = FK
D2 RH

Empregado D3 Financeiro

Cod_Emp Nome Cod_Dept RG


E1 João D1 06236578 Cod_Dept = PK
E1 Maria D2 25458123
E2 Ana D2 78921222 • Todo empregado deve estar associado a
E6 Marcos D1 98754851 um departamento.

E6 Joana D3 78945612

2.28 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Chaves Estrangeira - Restrições
 Quando da inclusão de uma linha que contém a chave estrangeira;
(Um novo empregado deve atuar em um departamento já existente no BD)

 Quando da alteração do valor da chave estrangeira;


(Deve ser garantido que o novo valor de uma chave estrangeira apareça na coluna
da chave primária referenciada)

 Quando da exclusão de uma linha da tabela que contém a chave primária


referenciada pela chave estrangeira;
(Significa que um departamento não pode ser excluído, caso nele ainda existirem
empregados)

 Quando da alteração do valor da chave primária referenciada pela chave


estrangeira;
(Deve ser garantido que na coluna chave estrangeira não apareça o antigo valor da
chave primária que está sendo alterada)

2.29 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Chave Alternativa
 Mais de uma coluna ou combinações de colunas podem servir para
distinguir uma linha das demais.

 Uma das colunas é escolhida como chave primária (PK). As demais


colunas são denominadas chaves alternativas;

2.30 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Domínios e valores vazios
 Domínios especificam o conjunto de valores que os campos de uma
tabela podem assumir;

 Devem ser especificado se os campos da coluna podem estar vazios (null)


ou não;

 Os SGBD exigem que todas as colonas PK sejam obrigatórias;

2.31 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Restrições de integridade
 Integridade refere-se à precisão e/ou correção de dados no banco de dados;

 Objetivo do SGBD é manter a integridade de dados;

 Dizer que os dados estão íntegros significa dizer que eles refletem
corretamente a realidade representada pelo BD, e que são consistentes
entre si;

 Uma restrição de integridade é uma regra de consistência de dados que é


garantida pelo próprio SGBD;

2.32 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Especificação de Banco de Dados Relacional

Deve conter no mínimo as seguintes definições (esquema do BD):

 Tabelas que formam o BD Relacional;

 Colunas que as tabelas possuem;

 Restrições de integridade;

2.33 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional – Modelo Lógico


Categorias
 Integridade de domínio: o valor de um atributo deve obedecer a definição de
valores admitidos para a coluna;

 Integridade de vazio: especificação se os campos de uma coluna podem ou


não ser vazios (null);

 Integridade de chave: Os valores da chave primária e alternativa devem ser


únicos;

 Integridade referencial: o banco de dados não deve conter quaisquer valores


chaves estrangeiras não associados;

2.34 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

MODELO LÓGICO
MODELO CONCEITUAL

2.35 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Abordagem Relacional
Exercícios:
1. Considere o BD relacional definido parcialmente abaixo:
Empregado(codigoEmp, Nome, NumPISPASEP)
Dependente(codigoEmp,NumDep,Nome)

Na tabela Empregado, tanto codigoEmp quanto NumPISPASEP podem ser PK. Qual
você escolheria como PK? Porquê?
1. Aluno (cod_aluno, Nome, cod_curso)
Curso (cod_curso, Nome)
Disciplina (Cod_disc, Nome, Creditos, cod_dept)
Curriculo (cod_curso, cod_disc, obrigatoria-opcional)
Conceitos (cod_aluno, cod_disc, Ano-semestre, conceito)
Departamento (cod_dept, Nome)

Identifique as chaves primárias e as chaves estrangeiras;


Desenhe o modelo conceitual (Diagrama Entidade-Relacionamento);

2.36 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

SI perspectiva de grupos de usuários

2.37 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

2.38 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Exemplos de SIG

2.39 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Leitura OBRIGATÓRIA

Autor: Ralph M. Stair e George W. Reynolds


Editora: Thomson
ISBN: 85-221-0481-6

Aspectos Funcionais de um MIS


Páginas 378 à 393

2.40 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

BIBLIOGRAFIA

Autor: Kenneth C. Laudon & Jane P. Laudon


Editora: Prentice Hall
ISBN: 978-85-7605-089-6

Autor: Ralph M. Stair e George W. Reynolds


Editora: Thomson
ISBN: 85-221-0481-6

2.41 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Exercício em Classe

Fusão do Wachocia Corp. & First Union Corp.

1. Que problemas os bancos First Union e Wachovia enfrentaram


quando se fundiram?

1. Quais os objetivos da fusão?

1. Quais eram os problemas e as soluções disponíveis para o


Wachovia resolver e atingir seus objetivos?

1. Quais os problemas do SI de Remuneração e Incentivo do First


Bank?

1. O que o sistema TrueComp EIM fez pelo Wachovia?

1. Como o sistema beneficiou o negócio?

2.42 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Exercício em Classe

Fusão do Wachocia Corp. & First Union Corp.

(Questão 1)
Problema 1. Wachocia Corp.
• Boa reputação com relação a atendimento ao cliente;

• Recompensava os funcionários mais bem colocados, e os gerentes de


sua agência (foco na qualidade do serviço);

• Produzia por trimenstre menos de meio milhão de doláres em cada


agência;

• 700 agências;

2.43 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

Exercício em Classe

Fusão do Wachocia Corp. & First Union Corp.

(Questão 1)
Problema 2 First Union Corp
• Relacionamento com clientes em níveis muito baixo;

• Perda de clientes;

• Funcionários insatisfeitos (caixas);

• Recompensa os funcionários com comissões por fecharem negócios,


contratos de cartão de crédito ou empréstimos;

• 2.200 agências;

• Produzia por trimestre a média de 2 milhões de dólares em empréstimos;

2.44 © 2007 by Prentice Hall


Sistemas de Informação Gerenciais Prof. MSc Gustavo

2.45 © 2007 by Prentice Hall